Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 ...
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 ...
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 ...
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 ...
Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pge slide pronto

1.324 visualizações

Publicada em

t5
grupo 04

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.324
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
98
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pge slide pronto

  1. 1. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 <ul><li>Tema: 5 : Análise de Públicos Alvo e Forças Competitivas- Grupo: 4 </li></ul><ul><li>Título 1-Principais Públicos de uma Organização </li></ul><ul><li>Os públicos internos são os funcionários, familiares e dependentes dos funcionários, os funcionários terceirizados todos que envolvem o ambiente interno da empresa. </li></ul><ul><li>Há também o público misto, que têm funções do público internos e externos, que são investidores, fornecedores, intermediários e cooperados. São os intermediários, pois fazem uma ponte entre a empresa e os consumidores. </li></ul><ul><li>O público externo são os consumidores da empresa.Sem os públicos não há funcionamento e sucesso de uma empresa. </li></ul><ul><li>Fonte disponível em:http://francinexavier.blogspot.com/2007/05/qual-importncia-do-pblico-para-empresa.html </li></ul>
  2. 2. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 <ul><li>Título 2: Natureza dos relacionamentos de uma Organização. </li></ul><ul><li>Programas de relacionamento com clientes vêm sendo cada vez mais desenvolvidos pelas empresas de serviços. Na concepção de tais programas, quase sempre as empresas são quem decide com quem querem se relacionar e qual formato o relacionamento deve assumir. </li></ul><ul><li>O estudo investiga se os consumidores percebem seus relacionamentos com as empresas da mesma forma. Os resultados identificam a forma como alguns serviços podem ser agregados de acordo com as características que os consumidores percebem no relacionamento estabelecido entre a empresa e o consumidor. </li></ul><ul><li>Diante disso, as empresas de serviços podem procurar agrupar seus consumidores com base não mais apenas em suas características, mas na forma como eles percebem e/ou desejam o relacionamento. </li></ul><ul><li>Fonte disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-75902009000300006&script=sci_arttext </li></ul>Tema: 5 : Análise de Públicos Alvo e Forças Competitivas- Grupo: 4
  3. 3. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 <ul><li>Título 3:Análise Estrutural (Forças Competitivas). </li></ul><ul><li>Maximiano (2006) afirma que “o entendimento das forças competitivas de um ramo de negócios é fundamental para o desenvolvimento da estratégia”. </li></ul><ul><li>Assim, Serra, Torres e Torres (2004) afirmam que a análise do ambiente externo pode ser realizada por meio do modelo de cinco forças da competitividade, desenvolvido por Michael Porter na década de 70. O modelo possibilita analisar o grau de atratividade de um setor da economia. Este modelo identifica um conjunto de cinco forças que afetam a competitividade, dentre os quais uma das forças está dentro do próprio setor e os demais são externos. </li></ul><ul><li>Ou, como afirma Aaker (2007), “a atratividade de um segmento ou mercado, medida pelo retorno de longo prazo sobre o investimento de uma empresa média, depende, em grande parte, dos cinco fatores que influenciam a lucratividade”. </li></ul><ul><li>Fonte: http://www.administracaoegestao.com.br/planejamento-estrategico/modelo-de-5-forcas-de-michael-porter/ </li></ul>Tema: 5 : Análise de Públicos Alvo e Forças Competitivas- Grupo: 4
  4. 4. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 Tema: 5 : Análise de Públicos Alvo e Forças Competitivas- Grupo: 4 Título 3:Análise Estrutural (Forças Competitivas). Fonte: http://www.administracaoegestao.com.br/planejamento-estrategico/modelo-de-5-forcas-de-michael-porter/
  5. 5. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC Minas Administração – Planejamento e Gestão Estratégica - 1º./2011 <ul><li>Tema 4: Monitoramento das Forças Competitivas. </li></ul><ul><li>As cinco forças competitivas, em conjunto, determinam a intensidade da concorrência nas empresas, destacando também as áreas em que as tendências da mesma refletem ameaças e oportunidades. </li></ul><ul><li>As características mais relevantes na determinação da intensidade de cada uma das forças competitivas: </li></ul><ul><li>O desenvolvimento de uma estratégia competitiva determina o modo como a empresa irá competir, quais deveriam ser suas metas e quais as políticas necessárias para realizá-las. Este desenvolvimento consiste em relacionar a empresa com o seu meio de atuação, ou seja, relacionar a empresa com a indústria ou com as indústrias em que ela compete, de modo a compreender a concorrência e assim identificar as características estruturais que possibilitam a formulação de estratégias na busca de vantagens competitivas. </li></ul><ul><li>Fonte: http://www.eps.ufsc.br/disserta98/alexandre/cap3.htm </li></ul>Tema: 5 : Análise de Públicos Alvo e Forças Competitivas- Grupo: 4

×