Fichamento - Uma introdução a história do design

1.399 visualizações

Publicada em

Fichamento do Livro Uma introdução a história do design de Rafael Cardoso

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.399
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
157
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fichamento - Uma introdução a história do design

  1. 1. Grupo de Estudos e Pesquisas em Design na Amazônia - GEPDAM   1     CENTRO  DE  ENSINO  SUPERIOR  FUCAPI    1     FICHAMENTO  –  INICIAÇÃO   CIENTÍFICA       1) Título  do  Livro:     Capítulo   3:   Design   e   comunicação   no   novo   cenário   urbano,  século  19.     Denis,   Rafael   Cardoso.   Uma   introdução  à  história  do  design.  São   Paulo.  Edgard  Blucher,  2000.     2) Autor  (Perfil):     Escritor   e   historiador   da   arte.   Possui  doutorado  em  história  da  arte   pelo   Courtauld   Institute   of   Art/University   of   London   (1995).   Pesquisa  história  da  arte  e  do  design   no   Brasil,   no   período   1840-­‐1930.   Colabora   com   a   Universidade   do   Estado   do   Rio   de   Janeiro   e   atua   também   como   curador.   (Fonte:   Currículo   Lattes)     3) Quando  foi  escrito:  2000     4) Questões:     I. “Como   sinalizar   a   geografia   da   cidade,  com  seus  novos  bairros  e   ruas,   para   uma   população   que   chegava   de   fora   sem   nenhum   conhecimento   prévio   dos   lugares  em  questão?”     II. “Como  ordenar  a  convivência  e  o   fluxo   de   transeuntes   para   minimizar  a  insegurança  atávica   provocada   pelo   confronto   com   estranhos   e   com   diferenças   de   cultura  e  de  classe  social?”       III. “Como   comunicar   para   um   público   anônimo   os   préstimos   de   um   produto   desconhecido,   convencendo-­‐lhe   da   conveniência   de   adquirir   uma   mercadoria   muitas   vezes   supérflua   ou   sem   serventia   imediata?”     5) Ideias-­‐chave:     O  papel  do  design  na  formação   urbana  do  século  XIX.     6) Palavras-­‐chave:     História,   Design,   Cidade,   Revolução,  Industrial     7) Transcrições:     Formação   da   comunicação   visual  moderna     “O  processo  de  industrialização   acarretou   mudanças   muito   mais   amplas   que   as   simples   transformação   dos   métodos   produtivos.   Ocorreu   no   século   XIX   um   crescimento   urbano   até   então   inédito   na   história   da   humanidade,   com   números   cada   vez   maiores   de   pessoas  fazendo  uso  de  novos  meios   de   transporte   para   irem   às   cidades   em  busca  de  empregos:  nas  fábricas   que   então   surgiam   ou   no   setor   de   serviços   que   se   expandia   para   atender  às  grandes  concentrações  de   população.”  (pg.  40)   “Esse   aumento   da   quantidade   de   indivíduos   vivendo   em   um   pequeno   espaço   ocasionou   transformações   profundas   na   natureza  das  relações  entre  eles.  As   pessoas  começavam  a  se  deslocar  de   casa   para   o   trabalho,   viajando   na   companhia   de   estranhos   em   transportes   como   o   ônibus   e   o   bonde,   característicos   da   nova   experiência  urbana.”  (p.40)    
  2. 2. 2   Grupo de Estudos e Pesquisas em Design na Amazônia - GEPDAM     CENTRO  DE  ENSINO  SUPERIOR  FUCAPI    2     “O   anseio   de   ocupar   os   momentos   de   folga   deu   origem   a   outra   invenção   da   era   moderna:   o   conceito   do   lazer   popular,   que   desenvolveu-­‐se   em   estreita   aliança   com   a   abertura   de   uma   infraestrutura   cívica   composta   por   museus,  teatros  locais  de  exposição,   parques  e  jardins.”  (p.41)     “Todas   essas   mudanças   de   comportamento   geraram   desafios   em   termos   de   organização   e   apresentação   das   informações.   Como  sinalizar  a  geografia  da  cidade,   com  seus  novos  bairros  e  ruas,  para   uma  população  que  chegava  de  fora   sem   nenhum   conhecimento   prévio   dos   lugares   em   questão?   Como   ordenar   a   convivência   e   o   fluxo   de   transeuntes   para   minimizar   a   insegurança   atávica   provocada   pelo   confronto   com   estranhos   e   com   diferenças   de   cultura   e   de   classe   social?   Como   comunicar   para   um   público  anônimo  os  préstimos  de  um   produto   desconhecido,   convencendo-­‐lhe  da  conveniência  de   adquirir   uma   mercadoria   muitas   vezes   supérflua   ou   sem   serventia   imediata?”     O  design  na  intimidade     “Segundo   Richard   Sennet,   no   seu  já  clássico  O  Declínio  do  Homem   Público,  o  século  XIX  foi  marcado  por   uma   transformação   profunda   nas   relações  sociais  em  que  mercadorias   e  os  hábitos  de  consumo  passaram  a   ser   vistos   como   verdadeiros   “hieróglifos   sociais”,   simbolizando   a   personalidade   e   demarcando   identidades.   (Sennet,   1974:   143-­‐ `46,161-­‐168)”  (p.56)     “A   preocupação   com   a   aparência   –   primeiramente,   da   própria   pessoa   e,   por   extensão,   da   moradia  –  como  indicador  do  status   individual,  serviu  de  estímulo  para  a   formatação  de  códigos  complexos  de   significação   em   termos   de   riqueza,   estilo   e   acabamento   de   materiais   e   objetos.   Para   atingir   os   padrões   convencionados,   fazia-­‐se   cada   vez   mais  necessária  a  intervenção  de  um   profissional   voltado   para   esses   aspectos  do  projeto.”  (p.57)     “A   ansiedade   com   as   aparências   atingiu   naturalmente   o   seu  auge  nas  grandes  concentrações   urbanas   que   então   se   estabeleciam.   O   anonimato   da   metrópole   trazia   a   ameaça  de  não  se  saber  quem  era  o   vizinho   de   rua   ou   o   passageiro   ao   lado   no   bonde.   Nesse   contexto,   o   aspecto  dos  móveis  do  vizinho  ou  da   roupa   do   companheiro   de   viagem   adquiria   nova   importância   em   termos  de  identificação.”  (p.58)     O  design  e  a  multidão     “Foi-­‐se  moldando,  portanto,  ao   longo  do  século  19  uma  nova  ordem     social.   Contrapondo-­‐se   ao   senso   nítido   de   desordem   e   desagregação   que   marcou   o   início   da   industrialização   nos   países   europeus,   o   século   chegava   ao   seu   fim   munido   de   instituições   e   de   serviços   encarregados   de   impor   e   manter   a   ordem,   desde   polícia   e   bombeiro  até  escolas  e  hospitais.  No   Brasil,   como   no   resto   do   mundo,   a   nova  sociedade  urbana  organizou-­‐se   em   torno   de   ideais   como   ordem   e   progresso,   indústria   e   civilização,   fossem   estes   importados   ou   não.   O   design   teve   o   seu   papel   nessa   reconfiguração   da   vida   social,   contribuindo  para  projetar  a  cultura   material  e  visual  da  época.”  (p.66)     “O   trabalho   do   designer   pode   ter   surgido   organicamente   do  
  3. 3. Grupo de Estudos e Pesquisas em Design na Amazônia - GEPDAM   3     CENTRO  DE  ENSINO  SUPERIOR  FUCAPI    3     processo   produtivo   e   da   divisão   de   tarefas,  mas  a  sua  consagração  como   profissional   viria   não   do   lado   da   produção   mas   do   consumo.   Foi   o   reconhecimento  proporcionado  pelo   consumidor  moderno  que  projetou  o   designer   para   a   linha   de   frente   das   considerações  industriais.”  (p.66)     8) Resumo  esquemático:     1. Formas   da   comunicação   visual  da  época     1.1 Sinalização   1.2 Peças  Publicitárias   1.3 Desenho  Urbano   1.4 Mapas     1.5 Entretenimento     2. O  design  na  intimidade     2.1 Dualidade   Exterior   x   Interior   2.2 Diferenciação   2.3 Identidade     3. O  design  e  a  multidão     3.1 Desenvolvimento   Urbano   3.2 Políticas  Públicas   3.3 Cultura   Material   e   Visual     9) Resumo  do  Texto:     Rafael   Cardoso   nos   traz   essa   grande  contribuição  sobre  a  história   do   design   e   nos   mostra   a   relação   entre   o   design   e   a   cidade.   No   início   da  formação  urbana,  a  comunicação   visual   foi   uma   das   primeiras   áreas   de   influência   do   design   na   cidade:   projetando   sinalização,   campanhas   publicitárias,  o  desenho  da  cidade  e   a   confecção   de   mapas   para   orientação.   Com   o   aumento   da   população  urbana,  a  vida  privada  foi   sendo   cada   vez   mais   valorizada,   as   marcas   do   design   pode   ser   encontrada   através   da   análise   dos   móveis,   vestuários   e   estilos   arquitetônicos,   de   forma   geral,   a   partir   do   momento   que   o   “sistema   padronizado”   das   fábricas   foi   cedendo   lugar   à   valorização   da   individualidade   e   busca   pela   diferenciação   social.   A   cidade   era,   e   continua   sendo,   o   centro   de   toda   vida   social   na   época,   políticas   públicas   foram   implementada   em   diversas   cidades   visando   o   desenvolvimento  holístico  da  cidade   e  de  seus  cidadãos,  nesse  momento  o   design   foi   de   fundamental   importância   para   a   construção   da   cultura  material  e  visual  da  época.     10) Análise:     Quando   Rafael   Cardoso   inicia   falando  da  formação  da  comunicação   visual   moderna,   através   da   análise   da  indústria  gráfica  e  algumas  peças   publicitárias,   me   recordou   o   que   Armando   Silva   fala   sobre   a   cidade   vista   e   a   importância   da   análise   de   peças   publicitárias   na   análise   do   imaginário  de  uma  cidade,  inclusive   Silva  fala  sobre  um  trabalho  que  ele   desenvolveu   sobre   análise   de   cartazes   de   cinema,   logo   posso   concluir  que,  através  desse  ponto  de   vista,   é   possível   “reconstruir   o   imaginário”   de   uma   determinada   época   através   da   análise   das   produções   culturais   (materiais   e   visuais)?  

×