Revista Mundo dos Animais nº 28

263 visualizações

Publicada em

Nesta edição descubra as principais estratégias dos animais para sobreviver no Inverno. Conheça também os gatos de Hemingway e a maior colónia de morcegos do mundo. http://www.mundodosanimais.pt/revista/

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
263
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Mundo dos Animais nº 28

  1. 1. “Para os humanos, o Ártico é um lugar severo e inóspito, mas tem precisamente as condições que os ursos polares requerem para sobreviver - e prosperar.” Drª Sylvia Earle Bióloga, exploradora e autora
  2. 2. Em cima: Sylvia Earle admira “Wisdom”, o mais velho albatroz conhecido no mundo, com 64 anos de idade, nas Ilhas Midway. Fotografia: Susan Middleton / USFWS
  3. 3. 4 MUNDO DOS ANIMAIS 18 OS GATOS DE Hemingway fo do séc. XX, m paixão muito tória. 30 A MAIOR COL Imagine 20 m sobre a sua c rão. Saiba ma mamíferos do 42 ANIMAIS NO I Saiba mais so tação dos ani como as princ sobreviver. Fotografia de capa: Christopher Michel Todas as ediçõe www.mundodos
  4. 4. E ERNEST HEMINGWAY oi um dos escritores mais influentes mas nem todos sabem que tinha uma particular por gatos. Conheça a his- LÓNIA DE MORCEGOS DO MUNDO milhões de morcegos a cobrir os céus cabeça. Todas as noites. Todo o Ve- ais sobre a maior concentração de o mundo. INVERNO obre hibernação, migração e adap- imais aos climas mais gelados, bem cipais estratégias que utilizam para BEM-VINDO(A) O Inverno está a chegar, como reza o lema da Casa Stark em «A Guerra dos Tronos» e com ele trás os seus perigos. Não tão macabros como na famosa série, é verdade, mas ainda assim sé- rios quanto baste para obrigar os animais a adotar estratégias de sobrevivência. Nesta edição vamos mostrar- -lhe como diferentes animais fazem frente ao clima gelado de diversas maneiras. Desde a dor- mência profunda na hibernação, passando pelas épicas viagens das migrações até ás fantásticas adaptações no próprio corpo para isolar do frio. Conheça-as e fas- cine-se, enquanto se enrola num cobertor quentinho a beber um belo chá Earl Gray (pág.42). Mas nem tudo é sobre o frio. Des- cubra a paixão secreta do escritor Ernest Hemingway (dica, mete muitos gatos! pág.18). E como es- tamos no Halloween, não podía- mos deixar de falar de morcegos. A maior colónia do mundo aguar- da por si (pág.30). Carlos Gandraes disponíveis gratuitamente em: sanimais.pt/revista
  5. 5. Um refugiado sírio cruzou o mar Mediterrâneo com o seu gato ao colo. O pequeno felino, chamado Zaytouna (“azeitona” em árabe) chegou são e salvo à Grécia, depois de uma viagem inteira ao colo do humano que não o deixou para trás. 7EDIÇÃO Nº 28
  6. 6. 8 MUNDO DOS ANIMAIS
  7. 7. Um gatinho encontrado em mau estado por um motociclista que, de imediato, o adotou. Desde então, o pequeno tem recuperado e vivido uma grande aventura pela estrada, aconchegado dentro da roupa do seu novo humano e os seus novos amigos. Fotografia: Spurgeon Dunbar 9WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  8. 8. Bretagne, a única cachorra ainda viva entre os mais de 100 cães que participaram nas operações de busca e salvamento do 11 de Setembro, após o ataque terrorista que derrubou as Torres Gémeas e matou 3 mil pessoas. Tem hoje 16 anos. Fotografia: Barkpost
  9. 9. Um casal parou para abrigar um cão que estava à chuva, amarrado a um poste à espera da dona em Dover, Inglaterra. Inicialmente não tinham guarda-chuvas e puseram um casaco em cima do cão, o que chamou a atenção de uma vendedora que logo lhes ofereceu guarda-chuvas para que os três se pudessem abrigar. A dona voltaria 20 minutos depois, momento em que se apercebeu que tinha começado a chover. Fotografia: Swns.com 13WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  10. 10. Kiko, uma girafa órfã, ainda pequena, resgatada pela David Sheldrick Wildlife Trust no passado dia 19 de Setembro no Meru National Park, Quénia. O que aconteceu à mãe não é conhecido, mas a organização assume conflito humano-vida selvagem. Agora em boas mãos, o futuro apresenta-se mais risonho para esta pequena girafa. Fotografia: The David Sheldrick Wildlife Trust / via Facebook 15EDIÇÃO Nº 28
  11. 11. Veja mais fotos no Mundo dos Animais: - www.mundodosanimais.pt/fotos Uma nova espécie de lémure-anão descoberta no Madagáscar, observada pela primeira vez em 2005 e descrita agora em publicação na revista científica Primate Conservation. O pequeno lémure mede 16 a 18 centímetros de comprimento, com uma cauda entre os 26 a 27 centímetros. O nome científico, Cheirogaleus andysabini, homenageia o filantropo norte-americano Andy Sabin, que se dedica particularmente à conservação de primatas, anfíbios e tartarugas. Fotografia: Edward E. Louis, Jr. 17WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  12. 12. Os Gatos de Ernest Hemingway Texto Carlos Gandra E rnest Hemingway ficou eterni- zado pelas obras que escreveu e que lhe valeram o Prémio No- bel da Literatura em 1954, tor- nando-o num dos mais influentes au- tores norte americanos do século XX. Também ficou conhecido por diversas outras facetas, umas mais interessan- tes, outras menos. Entre as mais interessantes, e também mais desconhecidas, encontra-se a sua paixão por gatos. 18 WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  13. 13. Hemingway com o seu gato Cristobal. Fotografia: JFK Library
  14. 14. 20
  15. 15. 21 Hemingway com o seu gato Boise. Fotografia: JFK Library
  16. 16. 22
  17. 17. 23 Hemingway com o seu gato Cristobal. Fotografia: JFK Library
  18. 18. 24 Q uando se encontrava a viver em Key West, na Florida, o escritor recebeu como ofer- ta de um capitão de um navio, Stanley Dexter, uma gatinha de seis dedos – uma mutação ge- nética chamada polidactilia que consiste num número anormal de dedos em cada pata, que podem ir até sete. Os marinheiros apreciavam particularmente os gatos com polidactilia, pois dizia-se que traziam sorte aos navios, além de controlarem as pragas de roedores a bordo, uma tarefa que os gatos já desempenha- vam há vários séculos. Esta felina com 6 dedos, da raça Maine Coon, foi baptiza- da com o nome Snowball (em português significa bola de neve). Em 1945, o escritor já ti- nha em sua casa 23 gatos, to- dos eles polidáctilos. Após o suicídio de Hemingway, em 1961, a sua casa na Flori- da foi transformada num museu para retratar a sua vida e obra – e entre aquilo que o museu pre- servou estavam os seus gatos. A sobrinha do escritor, Hilary Hemingway, juntamente com a autora Carlene Fredericka Brennen, escreveram a bio- grafia «Hemingway’s Cats: An Illustrated Biography» (em por- tuguês «Os Gatos de Heming- way: Uma Biografia Ilustrada») que relata os detalhes desta especial relação entre Heming- way e os gatos. MUNDO DOS ANIMAIS “Um gato tem honestidade emocional absoluta: os seres humanos, por uma razão ou outra, podem esconder os seus sentimentos, mas um gato não o faz.” Ernest Hemingway
  19. 19. A famosa gatinha Snowball, ainda pequena, ao colo dos filhos do escritor Patrick (esquerda) e Gregory (direita). Fotografia: JFK Library
  20. 20. 26 Ernest Hemingway (centro) com os filhos Patrick (esquerda) e Gregory (direita), a interagir com vários dos seus gatos. Fotografia: JFK Library
  21. 21. 27 “Os gatos foram colocados no mundo para refutar o dogma de que todas as coisas foram criadas para servir o homem.” Ernest Hemingway OS GATOS DE ERNEST HEMINGWAY
  22. 22. V árias décadas e gera- ções de felinos depois, o museu de Ernest He- mingway é casa para cerca de 50 gatos polidáctilos, alguns dos quais se diz serem descendentes diretos da gatinha Snowball. Todos estes gatos têm o gene da polidactilia, embora cerca de metade deles tenha o número de dedos normal. A casa museu tem um veterinário residente que trata das vacinas, desparasitações e check-ups regulares à saúde dos felinos. Todos os gatos têm nome, pro- venientes de pessoas famosas (como Simone de Beauvoir e Pablo Picasso), tradição a que o próprio Hemingway deu início. Pode saber mais sobre o museu e os seus felinos residentes em www.hemingwayhome.com/cats A Herança Felina 28 MUNDO DOS ANIMAIS
  23. 23. Descubra mais sobre gatos em: - www.mundodosanimais.pt/gatos Gato Hairy Truman na casa museu de Ernest Hemingway. Fotografia: Hemingway Home & Museum
  24. 24. 30 MUNDO DOS ANIMAIS
  25. 25. Fotografia: USFWS Headquarters A Maior Colónia de Morcegos do Mundo Texto Carlos Gandra I magine vinte milhões de morcegos a cobrir os céus so- bre a sua cabeça. Todas as noites. Durante todo o Verão. A maior concentração de mamíferos do mundo. É o que acontece no Texas, nos arredores de San Antonio, onde se situa uma caverna chamada Bracken Cave.
  26. 26. Fotografia: Sandy Frost
  27. 27. Fotografia: Sandy Frost
  28. 28. 36 MUNDO DOS ANIMAIS D e Março a Outubro, um número estimado de vinte milhões de morcegos pertences à espécie Tadarida brasiliensis sai todas as noites para procu- rar insetos. O que para alguns é um espetáculo digno do me- lhor que a natureza nos ofere- ce, para outros é uma situação mais parecida com um filme de terror, até porque os morcegos não são exatamente os animais mais populares entre os seres humanos. A contagem não é precisa pois não existe nenhum método infa- lível de contabilizar os animais que saem da caverna, contudo, dada a dimensão da “nuvem” que formam nos céus e as vá- rias horas que chegam a demo- rar para sair da caverna, indica que podem ser inclusivamente mais de 20 milhões de morce- gos a viver ali. A caverna é propriedade da Bat Conservation International, que trabalha no sentido de proteger todo o habitat circundante, pelo que o acesso à caverna é muito restrito. Os morcegos começam a che- gar no final de Fevereiro, vindos do México, continuando a che- gar durante os meses de Março e Abril. Em Junho, já com a co- lónia completa, as mamãs mor- cego começam a dar à luz os seus bebés, um filhote cada. As mães ficam em poleiros se- parados dos filhos, mas conse- guem encontrá-los diversas ve- zes por dia para cuidar deles, o que é incrível dado chegarem a existir centenas de bebés por metro quadrado. Os pequenotes aprendem a voar entre a quarta e a quinta semana e em meados de Ju- lho, juntam-se às suas mães nas saídas noturnas, tornando o grupo muito maior e capaz de ser visto a vários quilómetros de distância. Os morcegos começam a sair da caverna cerca de uma hora antes do pôr do Sol, “anuncia- dos” por umas centenas de mor- cegos que começam a guinchar (vocalização típica dos mor- cegos) perto da entrada. Eles saem em espiral de forma a
  29. 29. Fotografia: Sandy Frost
  30. 30. 38 WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT ganhar altitude e evitar colisões com outros morcegos, dividin- do-se depois em grupos mais pequenos. A observação da saída dos morcegos deve ser feita da for- ma mais silenciosa possível. Barulhos de qualquer espécie podem assustar os morcegos e alterar a sua rotina, bem como a rotina dos predadores oca- sionais que também aguardam a saída da caverna, como fal- cões, corujas e serpentes. Os turistas que queiram obser- var a saída dos morcegos ape- nas podem conversar sussur- rando, mesmo uma conversa em voz normal pode assustar os animais ao ponto de inter- romperem a sua saída. As mães morcego tem um ape- tite particularmente voraz. Um grupo destas dimensões pode- rá consumir 250 toneladas de insetos, todas as noites. Escu- sado será dizer que é difícil al- guém se cruzar com um mos- quito nas redondezas.
  31. 31. Fotografia: USFWS Headquarters
  32. 32. 40 MUNDO DOS ANIMAIS Este dado reafirma a importân- cia de manter este local imacu- lado: imagine como seria a vida das pessoas no Texas com to- das estas toneladas de insetos à sua volta e dentro das suas casas – seguramente mais as- sustador que ver morcegos no céu, mesmo para quem não gosta deles. A caverna tem cerca de 185 metros de comprimento e 18 metros de diâmetro. O solo dentro da caverna estende-se por cerca de 30 metros subter- râneos, cobertos de numerosos escaravelhos, que se alimen- tam do que os morcegos, nas paredes e no tecto, deixam cair. Os gases produzidos por estes insetos tornam o ar irrespirável ao ser humano, que corre risco de vida se entrar sem máscara de oxigénio. Em Novembro, os morcegos deixam a caverna e regressam ás suas cavernas no México, onde passam todo o Inverno, em habitats que já existiam muito antes da descoberta da América. Em Portugal temos a maior co- lónia de criação de morcegos conhecida na Europa, no Alto Alentejo (no Parque Natural da Serra de São Mamede, na anti- ga mina de chumbo da Cova da Moura, bem como outras grutas calcárias) que abriga entre 15 a 20 mil morcegos. A Bulgária
  33. 33. Fotografia: USFWS Headquarters tem a maior colónia de hiberna- ção da Europa, com cerca de 60 mil morcegos. Apesar destas numerosas co- lónias, muitas espécies de morcegos, incluindo os nossos morcegos cavernícolas, estão ameaçados. Descubra mais sobre morcegos em: - www.mundodosanimais.pt/ mamiferos/morcegos
  34. 34. Animais no Inve COMO SOBREVIVEM À ESTAÇÃO MAIS FR Texto Carlos Gandra
  35. 35. erno RIA DO ANO Leopardo-das-neves (Panthera uncia) Fotografia: Mark Dumont
  36. 36. Raposa-ártica (Vulpes lagopus) Fotografia: Mark Dumont
  37. 37. Lebre-de-cauda-branca (Lepus townsendii) Fotografia: Dave King
  38. 38. 48 MUNDO DOS ANIMAIS N o conforto das nossas casas, bem protegidas por quatro paredes e um teto, temos vários meios para fazer frente ao frio, à neve e à escuridão típicas do Inverno. Aquecedores, lareiras, luzes brilhantes, cobertores quentes ou pantufas enormes são uma preciosa ajuda. Mesmo quando temos de sair de casa dispomos de roupa apropriada, luvas, gor- ros – não que evitem um nariz a pingar, mas permitem-nos so- breviver. Em último caso podemos apa- nhar o avião e viajar para um país mais agradável (estou a pensar em vocês, Brasil). Contudo, os animais não têm ao seu dispor nenhum destes luxos do ser humano moderno. Como conseguem então sobre- viver à estação mais perturba- dora do ano? Um dos grandes obstáculos que os animais têm de enfrentar no Inverno é a carência de alimen- to. À medida que as tempera- turas baixam, o alimento fica mais escasso essencialmente por dois motivos: 1) As plantas, base de quase todas as cadeias alimentares, são substancialmente reduzi- das durante o Inverno; 2) Os insetos e os pequenos roedores, nos quais muitos ani- mais baseiam a sua dieta, abri- gam-se debaixo do solo para se proteger do frio, ficando assim fora do alcance dos seus pre- dadores. Se os animais continuassem a sua atividade normal, iriam gastar mais energia a procurar o alimento do que a que iriam recuperar ao consumir esse ali- mento. Para além disso, quanto mais baixa estiver a temperatu- ra, mais energia os animais ne- cessitam para manter o corpo quente. Sem essa fonte de energia (ali- mento) o Inverno torna-se fatal.
  39. 39. WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT 49 Assim, a chave para a sobrevi- vência dos animais durante esta estação do ano está na con- servação da energia (hiberna- ção), em alterações físicas e no CONCEITOS RÁPIDOS Animais de sangue quente ou animais endotérmicos, são os ani- mais que conseguem manter e regular a temperatura do seu corpo, o que acontece com os mamíferos (p.ex: o hipopótamo na foto em cima) e as aves; Animais de sangue frio ou animais ectotérmicos, não conse- guem regular a temperatura, pelo que necessitam de fontes de calor no ambiente para se aquecer. Neste grupo incluem-se os répteis (p.ex: o crocodilo na mesma foto), os anfíbios, os peixes e os invertebrados. comportamento para suportar o frio (adaptação) ou na mudança para locais mais quentes onde podem continuar a sua ativida- de normal (migração). Fotografia: Stig Nygaard
  40. 40. 50 HIBERNAÇÃO E TORPOR A hibernação é uma es- pécie sono profundo que pode durar todo o Inverno. Geralmen- te tem início quando os dias começam a ficar mais frios ou mais curtos. Por definição, só animais de sangue quente podem hibernar uma vez que são os únicos ca- pazes de regular a sua tempe- ratura. Répteis, anfíbios e inse- tos têm estados de dormência semelhantes, mas com carac- terísticas próprias e de que fa- laremos mais à frente. Em hibernação, a temperatu- ra do corpo do animal baixa, a respiração e os batimentos do coração tornam-se mais lentos e assim, o animal consegue so- breviver com pouca energia – a única fonte de energia que tem à disposição é o alimento que consumiu antes de começar o Inverno e que se encontra ar- mazenado no seu corpo sob a forma de gordura. Considera-se em hibernação os animais que adormecem tão profundamente que parecem estar em coma. É difícil acordar um animal em hibernação. Es- tes animais, como as marmotas (maior hibernante de todos), esquilos ou morcegos, só o fa- zem dentro de abrigos muito seguros, pois seriam incapazes de se defender em caso de ata- que. O estado de torpor é semelhan- te à hibernação no sentido em que o animal também o utiliza para gastar pouca energia e abrandar o seu metabolismo. É diferente, no entanto, pela du- ração e pela intensidade. Entram em estado de torpor animais como ursos, guaxinins, alguns roedores e aves. O tor- por deixa-os dormentes por pe- ríodos que podem ir de algumas horas a alguns dias. Neste estado, os animais con- seguem despertar com rapidez, WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  41. 41. 51ALIMENTOS PERIGOSOS PARA CÃES E GATOSMarmota-de-tatra (Marmota marmota latirostris) Fotografia: Krzysztof Górecki / Wikimedia Commons
  42. 42. 52 MUNDO DOS ANIMAIS respirar profundamente para renovar o oxigénio, dar um puli- nho ao WC ou mesmo dar uma dentada em algum petisco que tenham armazenado, antes de voltarem a adormecer. Caso a temperatura esteja amena, podem aventurar-se no exterior e até mesmo não conti- nuar a hibernar. Um exemplo curioso de hiber- nação ou torpor é o urso. Con- segue estar em dormência até seis meses consecutivos, o que encaixa na hibernação, no entanto, a respiração e os batimentos cardíacos baixam apenas ligeiramente e o animal consegue acordar rapidamente, o que indica estado de torpor. Mais ainda: as fêmeas conse- guem dar à luz neste período. O despertar, que no caso da hibernação pode durar várias horas, acontece na Primavera, quando as temperaturas são mais agradáveis e o alimento já é mais abundante. Em Invernos relativamente amenos, ou em condições ar- tificiais de cativeiro, a dormên- cia pode não ser necessária. É o que acontece, por exemplo, com tartarugas e outros répteis que tenhamos em casa, já que lhes fornecemos calor e alimen- to regularmente durante todo o ano.
  43. 43. 53ALIMENTOS PERIGOSOS PARA CÃES E GATOS Urso-negro (Ursus americanus) Fotografia: Eric Kilby CURIOSIDADE Os animais que vivem em climas de calor extremo ou secas prolonga- das, podem entrar num tipo de hibernação chamada estivação. Um exemplo clássico de estivação são os peixes pulmonados, que através da mesma conseguem viver sem água até três anos. Outros animais que praticam estivação incluem caracóis, joaninhas, crocodi- los, tartarugas e salamandras, entre outros.
  44. 44. 54 MIGRAÇÃO A migração é uma estratégia que permite aos animais des- locarem-se para regiões mais quentes e assim fugir das tem- peraturas mais baixas. É uma estratégia especialmente bem aproveitada pelas aves, devido à sua capacidade de voar. Através da migração, os animais podem continuar a alimentar-se normalmente e manter-se ativos, no entanto não é uma escolha de vida fácil. A migração gasta imensa energia (ao contrário da hiber- nação), sobretudo nas migrações mais longas. Os andorinhões-alpinos (Tachymarptis melba), por exemplo, voam seis meses sem parar. As baleias-cinzentas (Esch- richtius robustus) viajam noite e dia e chegam a percorrer entre 16 a 22 mil quilómetros por ano, a um ritmo de cer- ca de 120 quilómetros por dia. Detém o recorde da maior distância percorrida entre os animais mamíferos, mas que não ultrapassa a pardela-preta (Puffi- nus griseus) com uns, inserir adjetivo à escolha, 64 mil quilómetros por ano. Como termo comparativo, o planeta Terra tem apenas 40 mil quilómetros de circunferência. WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  45. 45. 51ALIMENTOS PERIGOSOS PARA CÃES E GATOSPardela-preta (Puffinus griseus) Fotografia: Caleb Putnam
  46. 46. A Descoberta da Migração das Aves O desaparecimento das aves durante o Inverno foi durante vários sécu- los um mistério e deu origem a diversas teorias. Umas mais plausíveis, como acreditar-se que as aves se escondiam para hibernar, outras mi- rabolantes, como as aves transformarem-se em ratos ou voarem em direção à Lua. Ainda que alguns autores (como Aristóteles) já tivessem sugerido que as aves se deslocavam por grandes distâncias no Inverno, foi apenas no século XIX que as migrações foram verdadeiramente aceites. E tudo devido a um acidente. No dia 21 de Maio de 1822, esta cegonha (imagem à direita) foi en- contrada na Alemanha, com uma seta originária da África central atra- vessada no pescoço. Esta seta iluminou os cientistas sobre um dos acontecimentos mais importantes da vida animal: a migração. É verdade que as cegonhas e outras aves não viajam 384 mil quilóme- tros até à Lua. Mas fazem-no entre continentes, pelo mundo inteiro, e isso é tão verdadeiro quanto extraordinário.
  47. 47. 58 ADAPTAÇÃO A s estratégias de adaptação per- mitem aos animais ficar no mes- mo local e continuar ativos, mes- mo durante os dias mais frios. Estas estratégias passam por alterações no seu corpo, como o desenvolvimento de gordura e pelagem especializada em con- servar calor, ou no seu comportamento, como armazenar alimento durante o Ou- tono antes da escassez do Inverno. Cavernas, troncos de árvores mortas, bu- racos e o solo por baixo da neve (também chamado subnivium), são os equivalentes ás nossas casas para os animais. Permi- tem criar um microclima mais confortável do que o clima exterior e uma passagem mais agradável pelos dias mais frios. A utilização da neve como isolante térmico é mais eficaz do que à primeira vista apa- renta – está na base da construção dos iglus pelos esquimós, por exemplo. Um cuidado especial que os mamíferos necessitam de ter, é com a chuva. O pêlo molhado não consegue conservar o calor e o animal perde uma das suas melhores proteções contra o frio. Quando chove, os mamíferos pequenos procuram abrigar-se no subsolo ou em esconderijos que en- contrem, incluindo construções humanas. WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  48. 48. 51ALIMENTOS PERIGOSOS PARA CÃES E GATOSUrso-polar (Ursus maritimus) Fotografia: Anita Ritenour
  49. 49. Algumas das adaptações físicas mais co- nhecidas incluem: 1) Tendência para um corpo maior entre mamíferos e aves do mesmo género que habitam regiões frias, conhecida como Regra de Bergmann, para facilitar a re- tenção do calor. Por exemplo, os ursos polares tendem a ser maiores que os ou- tros ursos; 2) Apêndices mais curtos (orelhas, nariz, patas…) para reduzir perda de calor. As focas, as raposas-do-ártico e os pinguins são um exemplo; 3) Pelagem e gordura especializada para conservar o máximo de calor. A pelagem de Inverno, geralmente branca, também serve de camuflagem contra a neve. Es- tes mecanismos por vezes são tão efica- zes que animais como ursos polares e raposas-do-ártico correm o risco de so- breaquecer (leu bem), sobretudo quando a temperatura está um pouco mais alta (dez graus negativos já pode ser alto). Re- bolar na neve é uma forma de arrefecer; 4) Visão especializada na escuridão, como acontece nas renas no norte do circulo ár- tico que passam uma parte do ano sem luz natural do Sol; 5) Mecanismos internos (como no sistema circulatório) que procuram regular a tem- peratura onde é mais necessária, como 60 MUNDO DOS ANIMAIS nas extremidades. Tal co connosco num dia frio, em arrefecem primeiro que o r também nos animais as ext as primeiras a sentir o frio. Os animais também adapta portamento para fazer face lados, como armazenar co chegar o Inverno até juntar outros para partilhar o calor
  50. 50. Renas (Rangifer tarandus) Fotografia: Brian Gratwicke omo acontece m que as mãos resto do corpo, tremidades são am o seu com- e aos dias ge- omida antes de rem-se uns aos r do corpo. Exemplo disso são os pinguins-imperado- res. Juntam-se uns aos outros em grandes colónias para partilhar o calor e bloquear as correntes de ar – ao mesmo tempo que protegem um ovo equilibrado entre as pa- tas. Os pinguins nas bordas das colónias, mais expostos ao vento, vão alternando com os do interior para que nenhum pin- guim fique exposto por muito tempo.
  51. 51. A lgumas aves, insetos ou anfíbios enfrentam esta época do ano de formas diferentes, constituem uma exceção entre os seus pares ou demonstram uma impressionante criativida- de – algo que nunca se esgota na natureza. AS AVES QUE NÃO MIGRAM A maioria das aves adota a mi- gração como principal estra- tégia para escapar dos climas mais frios, como vimos ante- riormente. No entanto, algumas aves não migram: caso das co- rujas, gaviões, chapins ou per- dizes. Os seus corpos adaptam- -se através do desenvolvimento de uma camada de penas adi- cional, que os mantém quentes. Existe apenas uma espécie de ave conhecida capaz de hiber- nar: o noitibó-de-nuttall (Pha- laenoptilus nuttallii). Esta ave esconde-se por baixo de rochas ou troncos ocos, onde perma- nece até cinco meses e chega OUTRAS ESTRATÉGIAS 62 a hibernar por períodos de 100 dias consecutivos. Quando desperta, necessita de cerca de sete horas para se recompor. O COBERTOR DOS MAMÍFEROS AQUÁTICOS Animais como baleias e focas WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT
  52. 52. alimentam-se abundantemente de forma a criarem camadas de gordura adicional nos seus cor- pos, que os protegem do frio. Comotermodecomparação,éo equivalente a embrulharmo-nos num cobertor, com a diferença de que nestes animais o cober- tor está por dentro do corpo. Em alguns animais, esta estra- tégia está tão bem desenvol- vida que conseguem controlar o fluxo de sangue que circula nestas camadas. Quanto mais longe estiver o sangue da su- perfície da pele, menos calor é perdido. Estas camadas de gordura também servem de Rana arvalis Fotografia: Piet Spaans / Wikimedia Commons ANIMAIS NO INVERNO 63
  53. 53. alimento nos meses seguintes, como acontece com os elefan- tes-marinhos. INSETOS, DIAPAUSA E UMA ÉPICA MIGRAÇÃO Alguns insetos adotam uma espécie de hibernação como estratégia de sobrevivência. A hibernação específica dos in- setos é chamada diapausa. A diapausa tem início quando os dias começam a ficar mais cur- tos, mesmo que a temperatura ainda seja amena. Algumas traças / mariposas e borboletas passam o Inverno em casulo ou apenas crisálida e quando chega a Primavera, eclodem. Existem outras espé- cies que permanecem lagartas durante esta estação, cobrindo- -se com terra e folhas mortas para se proteger do frio. Outros insetos, como as abe- lhas e as vespas (apenas as rainhas, machos e operárias morrem no final do Verão), pro- curam abrigar-se em lugares secos e protegidos das corren- tes de ar. Escavam no solo e protegem-se debaixo de terra e folhas mortas. Em alternativa, 64 MUNDO DOS ANIMAIS abrigam-se dentro de troncos ocos. É famosa a épica migração da borboleta monarca no Inverno. Este fenómeno de rara beleza, que leva milhões de borboletas desde a América do Norte até ao México, atrai tanto cientistas como curiosos e permite estu- dar anualmente o estado de conservação da espécie. Ge- ralmente ficam no México entre Outubro e Março, altura em que regressam ao local de origem. Algumas borboletas monarcas entram em diapausa nos dias mais frios. BRUMAÇÃO DOS RÉPTEIS E ANFÍ- BIOS O tipo de hibernação praticada pelos répteis e pelos anfíbios é chamada brumação. Estes ani- mais de sangue frio procuram abrigar-se e hibernar assim que os dias começam a ficar mais curtos, para não serem apa- nhados desprevenidos num dia mais frio – o que poderia signifi- car a morte. As temperaturas baixas são particularmente perigosas para
  54. 54. estes animais, razão pela qual, por exemplo, não existe qual- quer espécie de réptil ou anfí- bio a viver na Antártida. Mesmo no Ártico, existem apenas cinco espécies de anfíbios e uma só espécie de réptil, nenhum dos quais dentro do círculo polar. As cobras do género Thamno- phis, endémicas da América do Norte, hibernam em grupos enormes que podem conter centenas ou mesmo milhares de cobras, entrelaçadas umas nas outras para preservarem o calor. As rãs costumam abrigar-se na lama de charcos e lagos, obten- do oxigénio através da água. Algumas espécies, como as rãs-arborícolas, protegem-se por baixo de folhas e no subso- lo das florestas. A rã-dos-bosques (Rana sylva- tica), endémica da América do Norte, consegue produzir uma espécie de anticongelante na- tural através de altos níveis de açúcar, ureia e um terceiro composto ainda não identifica- do, que lhes permite resistir a impressionantes temperaturas de quase -30º C. OS PEIXES QUE NÃO CONGELAM Alguns peixes também produ- zem uma proteína anticonge- lante que protege os fluídos corporais, como o sangue. Esta proteína é especialmente im- portante nas espécies que na- dam pelas águas polares. Os peixes também conseguem entrar num estado de dormên- cia parecido com a hibernação, onde o seu metabolismo é redu- zido, gastam menos energia e alimentam-se menos. A ativida- de dos peixes no Inverno che- ga a ser reduzida 20 vezes em comparação com o Verão. Esta dormência é provocada pelas temperaturas baixas, mas tam- bém em casos de falta de oxi- génio na água (hipóxia). Já os peixes que vivem em rios e lagos que estão congelados, estão num ambiente menos inóspito do que poderá parecer a um observador de fora. Quan- do um lago ou um rio congela, na verdade apenas a superfície fica no estado sólido. Por baixo da mesma, peixes, crustáceos e plantas continuam a usufruir de água líquida normal (ainda que bem fresquinha). WWW.MUNDODOSANIMAIS.PT 65
  55. 55. Pinguins-imperadores (Aptenodytes forsteri) Fotografia: Christopher Michel
  56. 56. Até à Primavera - Conclusão Milhões de anos de evolução resultaram em estratégias criativas e adaptações fascinantes para o Inverno, com um único propósito: sobreviver ás mais baixas temperatu- ras do planeta. As principais estratégias que os animais utilizam são a hi- bernação, onde entram numa espécie de dormência que pode durar meses; a migração, onde cruzam o globo em direção a regiões mais amenas e a adaptação, como o crescimento de pêlo e de gordura capaz de os isolar do frio e fazer frente à escassez de alimento. Desde os animais de sangue quente aos de sangue frio, todos os que se cruzam com a estação mais fria do ano sabem o que fazer - e é fascinante descobrir os seus me- lhores truques. Descubra mais sobre animais selvagens em: - www.mundodosanimais.pt/animais-selvagens
  57. 57. Inspirar pessoas a melhor dos ani www.mundodosanimais.p
  58. 58. a cuidar imais pt Produção / Edição / Design Carlos Gandra Data da Edição: Outubro de 2015 Contacto geral geral@mundodosanimais.pt Colaboração editor@mundodosanimais.pt A Revista Mundo dos Animais é uma publicação gratuita. Sinta-se livre para a distribuir por email, twitter, blog ou qualquer outro meio, desde que nenhum dos conteúdos seja de alguma forma alterado. Todas as edições podem ser ace- didas gratuitamente em: www.mundodosanimais.pt/revista Visite-nos em: © 2015 Mundo dos Animais www.mundodosanimais.pt /mundodosanimais @mundodosanimais +MundodosanimaisPt

×