miúdosLivro do ano ilustraas nossas contradiçõesA Contradição Humana é o melhor livro infanto-juvenildo ano de 2010, segun...
A                 dorar pássaros         “se vai perdendo com o tempo”.         letra, que o autor acredita não           ...
miúdosconjunção, o texto precisa da        que chega aos escaparates éimagem para existir, se não, não     gigante. Por um...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Miudos spa-rtp-270211

644 visualizações

Publicada em

Página Miúdos 27 de Fevereiro de 2011. Prémio SPA-RTP. Afonso Cruz, António Mota, Isabel Minhós Martins. Blogue Letra pequena, Rita Pimenta

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
644
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
84
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Miudos spa-rtp-270211

  1. 1. miúdosLivro do ano ilustraas nossas contradiçõesA Contradição Humana é o melhor livro infanto-juvenildo ano de 2010, segundo a Sociedade Portuguesa de Autorese a RTP. Afonso Cruz escreveu e desenhou, com humor,contradições que todos reconhecemos. O Livro dos Quintais(Isabel Minhós Martins/Bernardo Carvalho) e Pinguim(António Mota/Alberto Faria) foram também nomeados.A Pública participou na escolha.Texto Rita Pimenta Ilustração Afonso Cruz “O ta Sr. um nto Go sa te s liv me n ber les ro s, q fa o cé o q cóp s e t ue pa z id u, p ue io p em lê ss eia or se ar an d v p a a T o q eze ass er ue s n a ra se ão ”
  2. 2. A dorar pássaros “se vai perdendo com o tempo”. letra, que o autor acredita não e prendê-los em Disse que olhar o mundo sem ver dificultar a leitura. “Gosto de gaiolas, ficar feliz as contradições nos impede de misturar tipos de letra. O critério ao tocar uma fazer perguntas e de avançar. E é mais ou menos estético, melodia triste, felicitou, irónico, o ilustrador do apesar de realçar algumas passar horas livro... Já depois da festa, voltou partes que são importantes.num ginásio e usar o elevador a falar com a Pública, disse-se A própria contradição estápara ir até ao… 1.º andar. muito contente com o prémio e muito salientada em termosDestes e de outros “absurdos” justificou a surpresa: “Sinto que de tamanho de tipografia. Nãonos fala Afonso Cruz em A tenho uma concorrência muito perturba a leitura porque oContradição Humana (Caminho). forte. E isto é sincero. São livros texto é muito curto. Se fosse“Já tinha reparado nalgumas muito diferentes: o da Isabel vivia uma novela ou um conto, ascontradições, mas para compor muito com a ilustração, um livro pessoas acabavam por se distrairo livro procurei outras que muito completo nesse sentido. um pouco. Precisava de umativessem piada. Não só que O do António é um livro muito legibilidade mais fluida. Mas aquifossem verdadeiras, mas que mais emocional, com uma parte cada imagem é quase como umlevassem as pessoas a sorrir”, diz literária maior. Os dois livros cartaz ou uma capa, e funcionamo autor e ilustrador. são também muito bonitos por bem assim.” É verdade. Dar humor aos leitores é uma causa dos ilustradores.” Se não Chama “textos fechados” àsdas suas intenções? “Em certa ganhasse, reconhece, “seria uma narrativas para que normalmentemedida, sim. Também escrevo decisão perfeitamente justa”. é convidado a ilustrar. Ealgumas coisas um bocadinho explica: “São textos que, setristes, mas procuro uma certa Lido por toda a gente não tivessem ilustração, seriamreviravolta, desconstruo mais Afonso Cruz admite que a vida compreendidos à mesma. Asou menos aquilo que escrevo, de lhe está a correr bem: “Em pessoas entenderiam o quemodo a que a impressão inicial 2009, ganhei o Prémio Maria lá está.” Assim sendo, o seufique um pouco subvertida. E Rosa Colaço [Os Livros Que trabalho é o de procurar ideiasque seja uma surpresa para o Devoraram o Meu Pai, Caminho]; que permitam uma nova leitura Afonso Cruzleitor. Se estamos à espera deum determinado desfecho e se, em 2010, o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco do que está escrito: “O que eu faço é tentar interpretar o procurouenquanto autores, conseguimos da Associação Portuguesa de texto de outra maneira. Depois mostrarencontrar outro, isso é uma Escritores [Enciclopédia da representá-lo dizendo mais oumais-valia para quem lê.” Estória Universal, Quetzal]. E menos a mesma coisa, mas de um “absurdos” O livro, editado em 2010,recebeu na segunda-feira o agora este. Foram atribuídos a livros diferentes, que ajudam a modo ligeiramente diferente.” Dá um exemplo de um texto verdadeiros,Prémio Autores para MelhorLivro do Ano de Literatura ganhar visibilidade.” Quando criou A Contradição que não dependia da imagem para a sua compreensão e lhe mas divertidos.Infanto-Juvenil, da Sociedade Humana não pensou demasiado permitiu criar uma situação E conseguiuPortuguesa de Autores e da nas crianças que o leriam. divertida: “No livro Galileu àRTP. Antes de saber se seria o “Não penso muito nas crianças Luz de Uma Estrela, José Jorgevencedor, Afonso Cruz disse propriamente, penso em arranjar Letria dizia que ele atravésà Pública que encarava a alguma coisa que possa ser lida por do telescópio via o que maisnomeação “como um prémio” toda a gente e tento adequar esse ninguém via. Eu fiz exactamentee que “não gostaria de estar na ‘toda a gente’ a pessoas mais novas, isso. Utilizei o telescópio parapele do júri e ter de decidir entre evidentemente.” Conseguiu. ele encontrar coisas que maisa Isabel [Minhós Martins] e o O autor, que também realiza ninguém via. Em vez de estar aAntónio [Mota]”. filmes de animação e é músico, olhar pelo telescópio, usava-o Não tinha um discurso explica o seu processo mental como um ‘grampo’ para chegarpreparado para o caso de de trabalho: “Mesmo quando o ao cimo do armário e ver o que láganhar (a decisão do júri só seria texto não é meu, penso sempre estava. Basicamente, é um olharrevelada numa transmissão em muito na ilustração. Antes de diferente sobre o que está nodirecto na RTP1): “Nunca penso começar a desenhar, não é texto.” E no armário.nisso. Confio no meu trabalho, intuitivo o desenho. Melhor, omas espero sempre o pior, o que, desenho propriamente é, mas Espaço à ilustraçãoneste caso, já é excelente.” E a composição e o modo como Reconhece que a tendência maistambém não tinha “fato de gala irei resolver a ilustração não é antiga de se descrever tudo sem— vou agora comprar”, informou muito intuitivo. Pelo contrário, é se deixar espaço à ilustraçãobem-disposto, via email, poucas bastante racional. A Contradição está a mudar, de “a personagemhoras antes da cerimónia. Humana também foi feito assim. usava umas botas castanhas, Quando subiu ao palco, Tenho as ideias bem pensadas e assim e assim...”, passou-seconfessou o seu “espanto” por depois começo a desenhar.” para “a personagem tinhaestar ali. Lembrou que o espanto Uma característica original do umas botas como estas. E entãoque se tem enquanto criança livro é o recurso a vários tipos de surge a imagem. Aí, existe uma c
  3. 3. miúdosconjunção, o texto precisa da que chega aos escaparates éimagem para existir, se não, não gigante. Por um lado, é bom:é compreensível.” há muito por onde escolher, Ligação forte entre imagem grande variedade de autorese texto é a essência de O Livro nacionais e estrangeiros, muitosdos Quintais, o segundo título de géneros à disposição dos nossosuma trilogia assinada por Isabel gostos e vontades enquantoMinhós Martins e Bernardo leitores: álbuns ilustrados,Carvalho (Planeta Tangerina) e livros de imagens, de aventuras,denominada Histórias Paralelas. histórias de terror... Por outroAs ilustrações estarão expostas lado, esta vertigem leva a que sena próxima edição da Feira publiquem ainda livros de baixaInternacional do Livro Infantil e qualidade (por vezes, os textosJuvenil de Bolonha, em Março. são bons, mas as imagens más; A escritora, convencida de por vezes, o contrário; rarasque não ganharia (“acho que vezes, mas acontece: textos evai ganhar o António Mota”), imagens más); também acontecerecebeu a nomeação “com as livrarias estarem cheias dealegria”. E, via email, fez chegar livros que são peçasà Pública a seguinte mensagem: de merchandising“O reconhecimento tem sempre de marcas e filmes,um bom sabor. Ao contrário, associados à Disneypor exemplo, de Espanha, ou aos desenhosonde há bastantes prémios que animados do Canaldistinguem textos na área da Panda (nada contra,literatura infantil, em Portugal mas que a diversidadenem por isso. Há alguns prémios continue a serpara novos autores (ou jovens possível).”autores), mas, com a extinção do Perigos da invasão:Prémio Gulbenkian, ficámos um “Muitas pessoas nãopouco órfãos.” sabem o que escolher. O Livro dos Quintais discorre Sobretudo os que sesobre o que se passa ao longo preocupam em abrirdo ano em oito quintais de um horizontes aos miúdosmesmo bairro. Nunca se entra podem ficar baralhadosem casa de ninguém, mas fica com tudo o quea conhecer-se hábitos, anseios encontram. Prémios comoe receios de várias famílias e este podem ajudar a trazertambém a personalidade de um para primeiro plano trabalhosgato, o Gatuno. É o único que de boa qualidade que, por serem de terem sido nomeados” e A Contradição Humanapercorre livremente todos os menos comerciais ou não terem sentiu-se bem acompanhado Texto e ilustração: Afonsoespaços exteriores (mas íntimos) espaço na livraria, poderiam ter nas escolhas. “O Afonso Cruz Cruzde cada habitação. um prazo de vida mais curto.” ilustrou o meu livro Max e Edição: Caminho Sobre A Contradição Humana, diz Achebiche, Uma História Muito 36 págs., €12,90ter gostado bastante da ideia-base Cão ou pinguim? Fixe — e eu adorei. E leio,do livro. “Num álbum ilustrado, António Mota ficou surpreendido encantado, os livros da Isabeluma boa ideia é fundamental.” com a nomeação. “Andava a Minhós Martins.” Também não O Livro dos QuintaisConta como, em miúda, leu “muito podar as minhas árvores quando preparou discurso: “Não estou à Texto: Isabel Minhós MartinsAntónio Mota (adorei o Pedro a SPA me avisou”, conta o espera de ganhar.” Ilustração: Bernardo CarvalhoAlecrim)” e, embora só tenha escritor, que o é há 32 anos. “Foi O livro fala de um cão e não Edição: Planeta Tangerinafolheado Pinguim, diz: “Desconfio uma surpresa muito grande, não de um pinguim, como sugere o 32 págs., €12,50que não me iria desiludir.” estava à espera, nem sequer me título, mas que a imagem da capa tinha lembrado deste prémio. logo desdiz. Por não ser perfeito,Muitos títulos Fiquei muito contente por ter o modo de caminhar do animal PinguimIsabel Minhós Martins não tem sido nomeada a história do fê-lo ganhar o nome Pinguim. Texto: António Motadúvidas sobre o motivo por que Pinguim [Gailivro].” Também Uma história de memórias e Ilustração: Alberto Fariaeste tipo de prémios pode ser para ele, “ser nomeado já é um de afectos, bem acompanhada Edição: Gailivroimportante. “Ajuda a separar prémio” e, de entre os livros que pelas ilustrações de Alberto 52 págs., €10,90o trigo do joio. Vivemos numa publicou em 2010, escolheria Faria, onde se evocam contosépoca em que se publica a uma este título para seu livro do ano. e seres da tradição narrativavelocidade vertiginosa (vamos O autor, de Baião e professor portuguesa. Aver o que irá suceder com esta do 1.º ciclo, leu os outros doiscrise) e a quantidade de livros livros “com muito prazer antes rpimenta@publico.pt

×