Sintomas de maldição - Parte 8

1.138 visualizações

Publicada em

Série Pastoreando uma igreja ferida – Parte 8

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.138
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
62
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sintomas de maldição - Parte 8

  1. 1. PASTOREANDO UMA IGREJA FERIDA.
  2. 2. SINTOMAS DE MALDIÇÃO
  3. 3. Um sintoma real de maldição é a grande premissa para uma libertação. Podemos definir sintoma como o efeito colateral do problema. É um erro interpretar o sintoma como problema. Uma leitura correta dos sintomas é o genuíno ponto de partida para uma libertação eficiente.
  4. 4. Os infortúnios escabrosos, doenças estranhas, tentações incomuns, perturbações e perseguições variadas de fundo espiritual, ou de caráter hereditário, podem caracterizar o que definimos como sintomas como de maldição. Precisamos saber avaliar o real significado de cada sintoma. Todo sintoma carrega consigo uma mensagem natural ou espiritual que deve ser discernida corretamente. Muitas vezes isto é algo simples de processar, mas algumas vezes pode inspirar grandes dúvidas.
  5. 5. A infiltração de maldição e a exploração demoníaca são sintomáticas. Cada sintoma oferece uma mensagem que deve ser discernida espiritualmente. A grande chave é não espiritualizar o natural, e também, não naturalizar o espiritual. A libertação não analfabeta, e sim, é necessário uma leitura inteligente que nos permita discernir os sintomas reais, bem como desconsiderar os irreais e fantasiosos.
  6. 6. Ler os sintomas é o ponto de partida para o libertador chegar ás raízes verdadeiras do problema, desenvolvendo um processo eficaz de libertação. É necessário na libertação ouvir a pessoa, e, principalmente o Espírito Santo. Temos que entender que temos uma boca e dois ouvidos. Para ouvir a resposta certa é necessária a pergunta certa.
  7. 7. Quando fazemos as perguntas certas, conseguimos desenterrar as raízes e elucidar o quadro. É preciso tomar cuidado com o misticismo. O misticismo sempre oferece uma visão corrompida e exagerada na análise de sintomas, o que compromete a verdadeira libertação.
  8. 8. EXTREMOS PERIGOSOS E PERIGOS EXTREMOS.
  9. 9. Os maiores inimigos no campo da batalha espiritual são os extremos que procedem de um discernimento imaturo. Vamos tratar dois extremos básicos.
  10. 10. ESPIRITUALIZAR O NATURAL. Pessoas novas na fé ou emocionalmente imaturas tendem a supervisionar as manifestações demoníacas. Elas têm uma necessidade de serem reconhecidas espiritualmente, o que as leva ao perigo de serem vítimas de um falso discernimento. Com isso a pessoa desenvolve um terrorismo espiritual, fomentado pelo exagero em mistificar tudo, e, também infeliz de procurar problemas onde não existe problemas.
  11. 11. Esse tipo de fé no inimigo tira Deus de cena e acaba dando ao diabo um lugar perigoso de autoridade. O diabo dissemina medo, ansiedade e insegurança através de sua arma favorita a intimidação. Sabemos sobre o poder dos fetiches e objetos de encantamento, mas construir uma doutrina baseando-se neles pode produzir um evangelho legalista que se baseia muito mais no medo do diabo do que na liberdade de servir a Deus.
  12. 12. Deus pode nos levar a santificar objetos pela oração. “Porque toda criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças, porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificada”. I Tm 4:4-5
  13. 13. “Também muitos dos que seguiam artes mágicas trouxeram os seus livros e os queimaram na presença de todos, e, feita a conta do seu preço, acharam q eu montava a cinquenta mil peças de prata”. At 19:19 Existe coisas que Deus pode nos orientar a destruir.
  14. 14. Esse tipo de atitude só pode ser feito com a orientação Deus e não com a imposição de alguns “espirituais” que acham que tem mais poder do que os outros. Cl 2:18-23 Paulo rotula a motivação dessas pessoas que se tornam místicas, como carnais, pessoas desequilibradas emocionalmente. Muitos espíritos de engano se aproveitam para gerar religiosidade, confusão e destruição na igreja.
  15. 15. NATURALIZAR O ESPIRITUAL. Esta postura normalmente acontece como reação ao místico. O princípio da descrença se baseia na decepção. O coração fecha. Uns se tornam místicos e outros céticos. Não existindo um equilíbrio. O cético analisa em uma perspectiva meramente natural e psicológica. Esse é o sutil desequilíbrio entre a letra e o espírito.
  16. 16. Paulo advertiu que a letra sem o Espírito mata, e o conhecimento sem amor e obediência apenas incha, ensoberbece. Jesus alertou que as tradições humanas anulam os mandamentos de Deus. Mc 7:1-23 Quando fazemos como os fariseus e os escribas estamos engessando a vida espiritual, bloqueando o discernimento.
  17. 17. FIM

×