Responsabilidade e herança - Parte 4

530 visualizações

Publicada em

Série Pastoreando uma igreja ferida – Parte 4

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
530
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
91
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Responsabilidade e herança - Parte 4

  1. 1. RESPONSABILIDADE E HERANÇA.
  2. 2. Toda pessoa tem uma história e um caráter, um passado e um presente, que precisam ser redimidos. Apesar da história seja ela (familiar, geracional e territorial) não determinar obrigatoriamente o caráter de um indivíduo, a história exerce uma influência que não deve ser subestimada. A bagagem histórica determina culturas que sustentam poderes espirituais capazes de ditar os rumos de uma sociedade, seja educando-a ou aprisionando-a na ignorância.
  3. 3. É muito importante lidarmos com essas influências, porque somos resultados de uma história que vem sendo discorrida a partir das nossas gerações, porque isso de uma maneira direta ou indireta tem influenciado as nossas escolhas que determinam o nosso caráter.
  4. 4. RESPONSABILIDADE E HERANÇA
  5. 5. Quando falamos de responsabilidade e herança, a responsabilidade tem muito haver com o nosso caráter, com as nossas escolhas. Tudo começa na nossa forma de pensar. Quando você semeia um pensamento, você colhe um feito; Se você semeia um feito, você colhe um hábito; Se você semeia um hábito, você colhe um caráter; Se você semeia um caráter; você colhe um destino.
  6. 6. Isso nos prova que tudo começa na forma que pensamos, na forma que raciocinamos. Pensamentos, feitos, hábitos, caráter e destino. Não podemos separar o aconselhamento da libertação. Com isso se quebra o paradigma da libertação, que se resume apenas em uma oração de poder, expulsão de demônio ou quebra de opressões malignas. Não estou desmerecendo a oração de fé inspirada por Deus.
  7. 7. ACONSELHAMENTO E LIBERTAÇÃO.
  8. 8. O aconselhamento é fundamental no processo de criar uma interação empática com a pessoa em situação de traumas ou de pecados. No processo pós-libertação, quando será necessário, nas áreas fragilizadas, promover uma reeducação do estilo de vida de uma pessoa em questão, disciplinando a vontade. Aconselhamento e libertação precisam andar juntos para que o ministério da restauração não se posicione em extremos que desequilibram o nosso potencial de ajuda.
  9. 9. Emmuitas casos complicados envolvendo homossexualidade, adultério, colapsos psicoemocionais, desestrutura familiar, satanismo ou situações graves que implicam em uma ploriferação demoníaca, se não tomarmos uma rota de libertação, acabaremos todo o processo de aconselhamento em uma gerência vazia e sem resultados.
  10. 10. ATENDIMENTO PASTORAL ACONSELHAMENTO LIBERTAÇÃO 80% 20% ACONSELHAMENTO E LIBERTAÇÃO
  11. 11. ACONSELHAMENTO – Enfatiza a lei da responsabilidade. É muito importante no processo da restauração enfatizar as responsabilidades que a pessoa deve assumir. Um dos principais problemas do aconselhado é exatamente esse, ele não quer assumir as suas responsabilidade. E é muito importante o conselheiro ajudar a pessoa a entender que ela tem que assumir as suas responsabilidades.
  12. 12. Muitos problemas emocionais e problemas da alma, eles tem haver com esses distúrbios que a ciência chama de psicossomáticos. Desordens da alma que acabam aflorando organicamente. Asseguram-se cientificamente que 80% das enfermidades como: problemas digestivos, úlceras, dor de cabeça, alergias e etc., são de caráter psicoemocional.
  13. 13. É mais importante sabermos que tipo de pessoa tem uma doença, do que, que tipo de doença tem uma pessoa. As vezes o problema maior não é a doença e sim o estilo de vida da pessoa que tem que ser desafiado. Por trás dessas enfermidades, existem comportamentos emocionais crônicos de ansiedade, insegurança, medo, culpa, vergonha e etc.
  14. 14. Por isso que é muito importante entendermos a linha de ação do aconselhamento. Aconselhamento produz conhecimento, conhecimento produz responsabilidade e responsabilidade produz liberdade. Quanto mais inteligente e profético é o aconselhamento, maior é o conhecimento específico e a luz que a pessoa recebe para organizar a sua própria vida.
  15. 15. O aconselhamento conecta a pessoa com as verdades divinas adequadas. Isso ativa o mecanismo de renovação da mente, desfazendo mentiras, sofismas, culturas e fortalezas que escravizam e distorcem a sua forma de pensar e agir, levando-a, responsavelmente, a posicionamentos práticos que têm o poder de transformar a vida e reverter qualquer situação desastrosa. A essência do aconselhamento é redimir a capacidade de pensar e reagir, através do discernimento da verdade.
  16. 16. I – pessoa muito madura II – pessoa imatura III – pessoa madura IV – pessoa muito imatura  Pessoa estável  Necessita pouca ajuda  Família bem estruturada  Bem suprida  Responsável  Alta funcionabilidade.  Muito passivo  Agitado, perturbado  Instável  Auto-condenativo  Vítima.  Se recupera prontamente  Habilidade de cooperar  Responde bem aos desafios  Não deixa o seu humor se abater, alegre  O ambiente é tóxico, porém é apta para responder com maturidade.  Pessoa de rua  Problemas crônicos  Abandonados (indigentes)  manicômios

×