PASTOREANDO UMA IGREJA FERIDA.
Temos observado uma geração cristã com
uma aversão aos valores bíblicos e por
causa desta aversão as famílias e a igreja
e...
Hoje temos visto que a família está com uma
enfermidade contagiosa, que tem
contaminado toda a terra e
consequentemente a ...
Quando essa enfermidade entrou em nossa
família?
Na década de 70 começou um movimento
dos jovens que queriam uma liberdade...
Foi a partir deste movimento que começou a
surgir o homossexualismo, lesbianismo, o
sexo livre entre casais, as traições, ...
A partir de alguns programas “infantis”
surge dois fenômenos: Mulheres grávidas
mostrando a barriga e jovens mães
solteira...
Em detrimento destas jovens grávidas, a
indústria do aborto tem crescido de uma
maneira absurda. Onde milhões de crianças
...
A perda de vínculos existenciais elevou
exorbitantemente os índices de abuso e
violência.
Cada vez mais temos visto mães s...
Temos visto uma confusão entre correção e
violência.
Os abusos são tantos, que o governo tem
cada vez mas, proibido os pai...
A nova ditadura – homossexual.
Aceitação e Aprovação
Aceitação – É incondicional liga ao valor
intrínseco do ser humano.
A...
Quatro pontos fundamentais que tem
desafiado a igreja moderna.
1- A relativização moral – A sociedade está
banalizando o p...
3- A Perda dos vínculos familiares – Quando
uma massa crítica da sociedade encontra-
se desconectada dos relacionamentos
e...
O PAPEL DA IGREJA NA
LIBERTAÇÃO DAS VIDAS.
Como viver padrões de liderança e de
condução se as pessoas não estão dando
conta de si mesmo?
Mobilizar uma pessoa doente...
“dos filhos de Issacar, destros na ciência
dos tempos, para saberem o que Israel
devia fazer, duzentos homens de seus
chef...
Precisamos nos ajustar como igreja para
interagir com toda essa arena de desafios,
ou, caso contrário, perderemos a grande...
A principal demanda hoje em nossas
igrejas é fechar as portas dos fundos.
As pessoas doentes são infrutíferas pois
estão v...
Temos feito uma grande colheita porém o
numero de pessoas desviadas é equivalente
ou maior do que as que estão em nossas
i...
Gastamos tempo apagando fogo na vida
das pessoas. Acabamos pastoreando as
crises das pessoas e não as próprias
pessoas.
Po...
Pastorear crises de pessoas é
extremamente exaustivo, não constrói
soluções sólidas que viabilizam o
crescimento com estab...
Visando esta deficiência da igreja é que
queremos propor para os líderes, obreiros e
membros desta igreja,
uma série de mi...
A ideia destas ministrações é levar você a
desmistificar a área da libertação, curando-
o, capacitando-o e viabilizando-o ...
O meu objetivo é promover dinamicamente a
santificação da igreja em uma perspectiva
fundamental e prática.
FIM
Pastoreando uma igreja ferida - Parte 1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pastoreando uma igreja ferida - Parte 1

1.194 visualizações

Publicada em

Série de ministrações Pastoreando uma igreja ferida - Parte 1

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
124
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pastoreando uma igreja ferida - Parte 1

  1. 1. PASTOREANDO UMA IGREJA FERIDA.
  2. 2. Temos observado uma geração cristã com uma aversão aos valores bíblicos e por causa desta aversão as famílias e a igreja está sendo seriamente afetada. A real situação da igreja é o reflexo do que vem acontecendo nas famílias. A família está acabando...
  3. 3. Hoje temos visto que a família está com uma enfermidade contagiosa, que tem contaminado toda a terra e consequentemente a igreja. Observe a declaração do psicanalista francês Charles Melman, Assistimos a um acontecimento que talvez não tenha precedente na história, que é a dissolução do grupo familiar. Pela primeira vez a instituição familiar está desaparecendo, e as consequências são imprevisíveis.
  4. 4. Quando essa enfermidade entrou em nossa família? Na década de 70 começou um movimento dos jovens que queriam uma liberdade. A partir desse momento surge os hippies. (Sexo livre, drogas e rock roll)
  5. 5. Foi a partir deste movimento que começou a surgir o homossexualismo, lesbianismo, o sexo livre entre casais, as traições, os filhos fora do casamento etc. Nas décadas de 70-80 começamos a ver em nossos televisores as mulheres seminuas.
  6. 6. A partir de alguns programas “infantis” surge dois fenômenos: Mulheres grávidas mostrando a barriga e jovens mães solteiras. Com isso cada vez mais temos visto menores grávidas, menores de 12-17 anos.
  7. 7. Em detrimento destas jovens grávidas, a indústria do aborto tem crescido de uma maneira absurda. Onde milhões de crianças têm sido assassinadas por quem deveria aceitá-las, protegê-las e amá-las. O cálice de injustiça tem transbordado com tanto sangue inocente que tem sido derramado. Tudo isso tem produzido um aumento exponencial das desordens psicoemocionais.
  8. 8. A perda de vínculos existenciais elevou exorbitantemente os índices de abuso e violência. Cada vez mais temos visto mães solteiras, pais marginalizados, filhos vulneráveis e famílias miseráveis. Estes são os ingredientes para a pedofilia, a prostituição infantil, a pornografia e todo tipo de violência e perversão sexual.
  9. 9. Temos visto uma confusão entre correção e violência. Os abusos são tantos, que o governo tem cada vez mas, proibido os pais de corrigirem os seus filhos, consequentemente temos visto uma geração de Adolescentes e jovens desrespeitando seus pais e qualquer outro tipo de autoridade. Ex. Mãe americana.
  10. 10. A nova ditadura – homossexual. Aceitação e Aprovação Aceitação – É incondicional liga ao valor intrínseco do ser humano. Aprovação – É condiciona e depende do caráter, seja das escolhas.
  11. 11. Quatro pontos fundamentais que tem desafiado a igreja moderna. 1- A relativização moral – A sociedade está banalizando o pecado e legalizando a iniquidade. 2- A Perversão sexual – A cultura hedonista do prazer em detrimento do casamento, o prazer por prazer, onde os relacionamentos se tornam descartáveis.
  12. 12. 3- A Perda dos vínculos familiares – Quando uma massa crítica da sociedade encontra- se desconectada dos relacionamentos existenciais, desconhecendo quem é pai, mãe, marido, esposa, filho e etc. 4- A explicitação do ocultismo - Um crescente e explicito envolvimento com rituais satânicos. A era dos bruxos e feiticeiros.
  13. 13. O PAPEL DA IGREJA NA LIBERTAÇÃO DAS VIDAS.
  14. 14. Como viver padrões de liderança e de condução se as pessoas não estão dando conta de si mesmo? Mobilizar uma pessoa doente é queima-la e não promover a obra de Deus.
  15. 15. “dos filhos de Issacar, destros na ciência dos tempos, para saberem o que Israel devia fazer, duzentos homens de seus chefes e todos os seus irmãos, que seguiam a sua palavra;” I Crônicas 12:32 Nós precisamos da unção dos filhos de Issacar, eles eram peritos em discernir o tempo.
  16. 16. Precisamos nos ajustar como igreja para interagir com toda essa arena de desafios, ou, caso contrário, perderemos a grande colheita que temos feito. Precisamos investir na saúde e no treinamento da igreja. “Sendo, pois Abrão da idade de noventa e nove anos, apareceu o Senhor a Abrão e disse-lhe: Eu sou o Deus todo-poderoso; anda em minha presença e sê perfeito.” Gênesis 17:1
  17. 17. A principal demanda hoje em nossas igrejas é fechar as portas dos fundos. As pessoas doentes são infrutíferas pois estão vazias, precisando de uma cura. QUEM NÃO DÁ FRUTO DÁ GALHO. Uma pessoa enferma dá muito trabalho e nós não sabemos lidar com a enfermidade dela e nos estressamos. Por isso que pessoas saem da igreja, ferida e amargurada.
  18. 18. Temos feito uma grande colheita porém o numero de pessoas desviadas é equivalente ou maior do que as que estão em nossas igrejas. O que fazer com os enfermos dentro da igreja? A ideia é sarar as pessoas diante de uma perspectiva de cuidado. Somente fechando a porta dos fundos o numero vem. Isso não é fácil pois precisamos montar uma equipe ajustada de pastores e conselheiros.
  19. 19. Gastamos tempo apagando fogo na vida das pessoas. Acabamos pastoreando as crises das pessoas e não as próprias pessoas. Por que? Porque os fundamentos não são confrontados.
  20. 20. Pastorear crises de pessoas é extremamente exaustivo, não constrói soluções sólidas que viabilizam o crescimento com estabilidade. O esforço do pastor ou líder muitas vezes se resumem em paliativos, e o ciclo das crises nunca é quebrado. Com isso a igreja vai ficando cada vez mais superficial e insípida. Perdendo assim o seu brilho.
  21. 21. Visando esta deficiência da igreja é que queremos propor para os líderes, obreiros e membros desta igreja, uma série de ministrações pastorais inteligente e eficiente, estas ministrações visa educar o povo REDIL com princípios e valores bíblicos, investimento na saúde da igreja, e, principalmente, no seu crescimento qualitativo.
  22. 22. A ideia destas ministrações é levar você a desmistificar a área da libertação, curando- o, capacitando-o e viabilizando-o a maturidade. Quero também levar a aqueles que lideram algum ministério ou célula a responsabilidade de estarem adequadamente calçados com os princípios de aconselhamento, libertação, reeducação do caráter, e da identidade, restauração geracional, reconciliação e etc.
  23. 23. O meu objetivo é promover dinamicamente a santificação da igreja em uma perspectiva fundamental e prática.
  24. 24. FIM

×