Causas de Maldição 22 - Parte VI

409 visualizações

Publicada em

Pastoreando uma Igreja Ferida

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
409
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Causas de Maldição 22 - Parte VI

  1. 1. CAUSAS DE MALDIÇÃO PARTE VI
  2. 2. FILHOS BASTARDOS - II JUÍZES 11:1-10
  3. 3. A história de Jefté fala de um homem que morava em Gileade, a terra do balsamo, a terra da cura, mas ele mesmo não foi curado. Nós vamos falar do drama de Jefté, o perigo de um líder que não foi sarado por Deus, e como ele se colocou na frente de um conflito que tinha uma conotação espiritual, e isso o deixou vulnerável, e ele sofreu algumas retaliações que foram trágicas no sentido familiar, e como ele acabou expondo a sua própria filha a morte. “E Jefté fez um voto ao Senhor e disse: Se totalmente deres os filhos de Amom na minha mão, aquilo que, saindo da porta de minha casa, me sair ao encontro, voltando eu dos filhos de Amom em paz, isso será do Senhor, e o oferecerei em holocausto. Assim, Jefté passou aos filhos de Amom, a combater contra eles; e o Senhor os deu na sua mão.” Jz 11:30-32
  4. 4. Esse foi o voto que Jefté fez, ele estava em uma situação de guerra e ele queria tanto a vitória, que ele fez um voto. Imagine irmãos que Jefté só tinha aquela filha ou seja ela era filha única. Com isso a linhagem de Jefté foi extinguida. Não tinha sinal maior de maldição, na cultura judaica que este tipo de esterilidade, o homem morrer sem deixar um descendente. O que levaria um homem fazer este tipo de voto? Isso indica que ele estava abrindo a porta do seu lar para que alguém fosse destruído.
  5. 5. TRES COISAS SOBRE JEFTÉ.  Personalidade descompensada,  Princípio da retaliação,  A batalha de Jefté e Amom.
  6. 6. 1. Personalidade descompensada. Quando voltamos no início da história de jefté, podemos acompanhar uma série de acontecimentos traumáticos comprometedores na sua personalidade. “Era, então, Jefté, o gileadita, valente e valoroso, porém filho de uma prostituta; mas Gileade gerara a Jefté.” v.1 Quando vamos trabalhar com uma pessoa no aconselhamento e libertação, existem dois padrões de diagnósticos. Diagnóstico familiar e territorial. Neste texto que lemos, a bíblia nos dá algumas informações muito importantes.
  7. 7. Diagnóstico territorial, nos fala de onde ele era, (Gileade). Diagnóstico familiar, nos fala quem era o pai e quem era a mãe. O texto faz um raio x de Jefté, comparando com uma balança. Era gileadita, Era corajoso, Era forte, Era valente, Era um grande líder, Era um servo de Deus. porém Era filho de uma prostituta.
  8. 8. Não é fácil conviver com essa marca, ser filho de uma prostituta ou prostituto, que cada dia dorme com uma pessoa diferente. Jefté saia na rua e era motivo de olhares e chacotas, na escola era zombado por seus colegas e seus meio irmãos ainda ajudavam a zombar dele, chegava em casa tinha uma família que não gostava dele e tinha um pai que era uma pessoa que o via como um peso e não o protegia. Imagine a carga emocional que Jefté carregava; para uma pessoa crescer com esta sobrecarga emocional não é fácil.
  9. 9. Este porém na sua vida, foi onde o seu potencial se descompensou, isso passou a ser um referencial de identidade perante a sua família, consequentemente perante toda a sociedade por que isso virou um estigma na vida de Jefté. O peso de um legado como esse pode distorcer todo o desenvolvimento, espiritual e emocional de qualquer pessoa, Comprometendo o destino. Jefté estava de baixo de um terrível fardo rejeição e de imoralidade, um homem maldito, descriminado, quando ele se entendeu como gente ele percebeu esse rótulo que ele carregava. Era literalmente a expressão da vergonha do pecado do pai. O pai traiu a esposa com uma prostituta, destruiu a felicidade da família ou seja esmagou a família.
  10. 10. E ele era o resultado de uma traição, um adultério, e, esse fútil legado estava consumindo internamente a sua vida, golpes de rejeição afligindo a sua alma. O ataque mais fulminante de satanás contra uma pessoa é a rejeição. Rejeição se aloja tão fortemente no coração de uma pessoa, que produz orfandade e esterilidade. Toda maldição familiar é propagada primariamente através da rejeição. E é aqui que começamos a entender, uma das principais bases da imoralidade e sensualidade, tão latente que vemos hoje.
  11. 11. Muitos de nós chegamos na igreja cheio de feridas abertas, mas ao invés de buscarmos a cura destas feridas nós maquiamos as feridas. Como uma ferida não curada dentro nós, pode pesar significamente quando resolvemos ir para a linha de frente.
  12. 12. 2. Princípio da retaliação. Foi exatamente nesta brecha de rejeição, que havia na vida de Jefté, foi que satanás colocou uma cunha, tentando arranca-lo da sua família. Vamos ver como Jefté foi arrancado da sua família, como um quadro de maldição foi se configurando na sua realidade. “...e se converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha e fira a terra com maldição.” Ml 4:6 Quando os pais não tem a humildade de pedir perdão aos filhos, e os filhos não querem perdoar os pais, isso vai trazer a desconexão de geracional.
  13. 13. Isso é chamado de a brecha das gerações, a rejeição dos pais, o abandono, a injustiça dos pais sustentando a rebelião, a carência no coração dos filhos. É nessa brecha que a maldição se instala, é na desconexão das gerações que a maldição entra. O princípio mais elevado para dissolver esse manto de maldição, é quando o coração dos pais se convertem aos filhos e os filhos e se convertem aos pais, quando começa a restauração familiar.
  14. 14. 4 COISAS TIRARAM JEFTÉ DE CASA.
  15. 15. 1. A rejeição dos irmãos. “Também a mulher de Gileade lhe deu filhos, e, sendo os filhos desta mulher já grandes, repeliram a Jefté e lhe disseram: não herdarás em casa de nosso pai, porque és filho de outra mulher.” v2 Os seus irmãos o taxara como filho de outra mulher. Por causa da identidade que ele ganhará, “filho de uma prostituta” ele se viu sem herança. Quando sua identidade foi traumatizada, os relacionamentos tornaram-se ameaçadores e a herança foi saqueada.
  16. 16. 2. Indiferença do pai. Esse foi o ponto que mais pesou na vida de Jefté. Gileade não fez nada para resolver a situação que ele mesmo havia criado. Enquanto Jefté sofria as consequências de ser um filho de uma prostituta. Gileade sentia a culpa calado, marginalizado na família sem fazer nada. Quando olhamos para este texto, vemos um pai que perdeu a moral dentro de casa, um pai marginalizado. Os irmãos decidiram deserdar Jefté e o pai não fez nada, os anciãos da cidade expulsaram Jefté da cidade e o pai também não fez nada.
  17. 17. O maior problema de Jefté não era tanto os seus irmãos o terem rejeitado e sim o pai que o inguinorou. Ele vivenciava a dor de um filho abandonado, um filho que foi desprotegido pelo pai, rejeitado. E essa é uma das grandes feridas da nossa sociedade, o problema da marginalidade do pai na família. Na nossa cultura brasileira ou latina, o homem para ser homem ele tem que ser: cachaceiro, violento e adúltero. Mas quando o homem entra por esse caminho, ele perde o referencial para a família, e leva o homem para a irresponsabilidade. E essa irresponsabilidade do homem produz insegurança na mulher. E essa mulher assume o lugar do homem.
  18. 18. 3. Vergonha da mãe. A mãe uma prostituta, Jefté vê sua mãe saindo com outros homens, e isso o machucava, o deixava a sua alma machucada. Com isso Jefté abandona o lar “Então Jefté fugiu de diante de seus irmãos e habitou na terra de Tobe”... Vs 3a, aqui ele não aguentando a rejeição dos irmãos e pai, ele então resolve fugir, ou seja abandona o lar, em atitude de represália e desgosto. Mas sabemos como isso funciona, a pessoa sai da situação, mas, a situação não sai dela. Jefté carregava dentro de si uma ferida aberta pela possibilidade de uma vingança emocional.
  19. 19. 4. A maldição gerado fora do casamento. Esse tipo de situação, nós devemos enfrentar com o coração muito aberto. Existe uma estatística brasileira que diz que um terço dos brasileiros não tem o nome do pai na sua certidão de nascimento. Esse problema é mais comum do que imaginamos. Olha para a nossa juventude, como está vivendo. Nossa juventude está vivendo em um estado de marginalização. “...e homens levianos se ajuntaram com Jefté e saíam com ele.” v3b
  20. 20. Este texto nos mostra um processo de marginalização, Jefté ele não conseguia se encaixar no propósito de Deus que era, família, sociedade e igreja. Ele se marginalizou com outras pessoas que vinham da mesma situação que ele vinha. “Nenhum bastardo entrará na congregação do Senhor; nem ainda a sua décima geração entrará na congregação do Senhor, eternamente.” Dt 23:2 É muito importante entendermos este texto. Deus não está rejeitando este tipo de pessoas, até porque a Bíblia diz que: “Deus é pai de órfãos e Juiz de viúvas.” O que o texto está querendo dizer é que existe uma resistência espiritual, que nos leva reproduzir a mesma situação.
  21. 21. Jefté foi um líder muito zeloso, porém ferido, de alguma forma corrompeu seu conhecimento de Deus. Jefté estava ferido e quando um animal está ferido, ele acaba sendo presa fácil para o seu predador. Jefté era um líder meio louco, então os anciãos o convidaram para ele ir a guerra. Foi aí que Jefté fez uma proposta para os anciãos e eles aceitaram. Quando eles disseram sim, Jefté começa a pensar em tudo que ele havia passado, com a sua família na sociedade e na igreja. Então Jefté faz um voto; e Deus dá a vitória a Jefté porém ele perde a família.
  22. 22. FIM

×