527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882

52.690 visualizações

Publicada em

Revisão do Teto período do Buraco Negro - Benefício pode passar de 3.273,56 chegando ao teto máximo de R$ 4.663,67

A revisão do período do Buraco Negro para readequação ao tetos previdenciários é hoje a revisão mais certa entre as diversas revisões possíveis a serem pleiteadas contra o INSS.

Essa revisão não deve respeitar o prazo de 10 anos da data da concessão do benefício, assim como na revisão do Teto concedida pelo SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, o segurado não tem prazo para requerer esse tipo de revisão que pode render atrasados de mais de 100 MIL REAIS e um AUMENTO de até 2.000 reais no benefício do segurado.



ATENÇÃO APOSENTADO OU PENSIONISTA QUE RECEBE HOJE R$ 3.273,56!!!!!


A revisão do período do Buraco Negro se encaixa em benefícios concedidos entre 5 de outubro de 1988 e 4 de abril de 1991, sendo que geralmente essas pessoas recebem hoje o valor de R$ 3.273,56, podendo variar alguns centavos para cima ou para baixo. Importante lembrar que existem segurados que recebem valores abaixo tendo em vista ser benefício ter sido proporcional, ou seja, que não tem alíquota de coeficiente 100%, nestes casos, mesmo recebendo valores abaixo, é bem possível que ainda acha valores excedentes ao teto e que devem ser incorporados ao atual benefício.

Para facilitar a identificação do direito ao segurado, aposentado ou pensionista que teve seu benefício concedido entre 88 e 91 com benefício proporcional, segue tabela abaixo com os valores da renda tanto na Data do Início do Benefício (DIB), como o também o valor da renda em janeiro de 2015, setembro de 2014, setembro de 2013, renda em 2004 e 2007.

Publicada em: Direito
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
52.690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
45.833
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

527b8bcbea03372144cbcbfafe9e4882

  1. 1. 0 0 0 2 5 9 3 8 4 2 0 1 3 4 0 1 3 8 1 4 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE IPATINGA Processo N° 0002593-84.2013.4.01.3814 - 2ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00188.2015.00023814.1.00399/00128 Classe: 1202 – AÇÃO ORDINÁRIA / PREV REV BEN Autor (a): LUIZ ANACLETO FERREIRA Réu (é): INSS SENTENÇA (Classe A, conforme Portaria COGER 30, de 09/10/2007) I – RELATÓRIO Trata-se de ação interposta em face do INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL – INSS, objetivando a parte autora a revisão de seu benefício previdenciário para que sejam aplicados os tetos previstos nas Emendas Constitucionais n.º 20/1998 e n.º 41/2003. Às fl. 34 foi concedida a gratuidade da justiça e determinada a citação do réu. O réu apresentou contestação e documentos às fls. 35/44. Alegou, preliminarmente, a ocorrência da decadência do direito à revisão do benefício, e a prescrição quinquenal. No mérito, primeiramente alegou que o benefício do autor foi concedido no período denominado buraco negro, não se podendo afirmar se o benefício foi ou não limitado ao teto; que a DIB do benefício não foi abrangida pelo art. 26 da Lei 8.870-94; que a situação do autor não foi abrangida pela decisão proferida pelo STF no RE 564.354-9. Cálculo da contadoria judicial às fls. 101/107. É o relato do necessário. Decido. II – FUNDAMENTAÇÃO II. I – PRELIMINARES Inicialmente, a tese de que deve haver a aplicação da decadência do direito à revisão do benefício da parte autora, na forma do art. 103 da Lei 8.213/91, não ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL DAYSE STARLING LIMA CASTRO em 24/05/2015, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 4033053814230. Pág. 1/4
  2. 2. 0 0 0 2 5 9 3 8 4 2 0 1 3 4 0 1 3 8 1 4 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE IPATINGA Processo N° 0002593-84.2013.4.01.3814 - 2ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00188.2015.00023814.1.00399/00128 merece prosperar, já que o presente processo não envolve revisão do ato de concessão de benefício, mas adequação do valor do benefício previdenciário aos tetos estabelecidos pelas Emendas Constitucionais n.º 20/1998 e n.º 41/2003 (Enunciado nº 66 das Turmas Recursais do Rio de Janeiro). Reconheço a prescrição de todas as parcelas eventualmente devidas anteriores ao quinquênio anterior à propositura da ação, na forma do art. 103, parágrafo único, da Lei n.º 8.213/1991. II. II – MÉRITO Tendo em vista que o caso encerra matéria eminentemente de direito, passo, de pronto, ao julgamento antecipado da lide, autorizado pelo art. 330, I, do Código de Processo Civil. A questão de mérito consiste em examinar a aplicação dos novos limites previstos nas Emendas Constitucionais n.º 20/1998 e n.º 41/2003 a partir do início de sua vigência, aos benefícios previdenciários em manutenção fixados no teto que, por ocasião de seus cálculos, foram objeto de limitação pelo valor máximo do salário de contribuição então vigente. O art. 14 da EC nº 20/1998 e o art. 5º da EC nº 41/2003 alteraram o limite máximo para o valor dos benefícios do RGPS, elevando-os para R$ 1.200,00 e R$ 2.400,00, respectivamente: Art. 14 - O limite máximo para o valor dos benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201 da Constituição Federal é fixado em R$ 1.200,00 (um mil e duzentos reais), devendo, a partir da data da publicação desta Emenda, ser reajustado de forma a preservar, em caráter permanente, seu valor real, atualizado pelos mesmos índices aplicados aos benefícios do regime geral de previdência social. (EC 20/98, de 15/12/1998); Art. 5º O limite máximo para o valor dos benefícios do regime geral de previdência social de que trata o art. 201 da Constituição Federal é fixado em R$ 2.400,00 (dois mil e quatrocentos reais), devendo, a partir da data de publicação desta Emenda, ser reajustado de forma a preservar, em caráter permanente, seu valor real, atualizado pelos mesmos índices aplicados aos benefícios do regime geral de previdência social. (EC 41/03, de 31/12/2003). ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL DAYSE STARLING LIMA CASTRO em 24/05/2015, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 4033053814230. Pág. 2/4
  3. 3. 0 0 0 2 5 9 3 8 4 2 0 1 3 4 0 1 3 8 1 4 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE IPATINGA Processo N° 0002593-84.2013.4.01.3814 - 2ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00188.2015.00023814.1.00399/00128 Em recente julgado (RE 564354-9/SE), o STF examinou a questão entendendo que as Emendas Constitucionais n.º 20/1998 e n.º 41/2003 aplicam-se aos benefícios concedidos anteriormente à alteração do teto. DIREITOS CONSTITUCIONAL E PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DE BENEFÍCIO. ALTERAÇÃO NO TETO DOS BENEFÍCIOS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA. REFLEXOS NOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS ANTES DA ALTERAÇÃO. EMENDAS CONSTITUCIONAIS N. 20/1998 E 41/2003. DIREITO INTERTEMPORAL: ATO JURÍDICO PERFEITO. NECESSIDADE DE INTERPRETAÇÃO DA LEI INFRACONSTITUCIONAL. AUSÊNCIA DE OFENSA AO PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DAS LEIS. RECURSO EXTRAORDINÁRIO A QUE SE NEGA PROVIMENTO. 1. Há pelo menos duas situações jurídicas em que a atuação do Supremo Tribunal Federal como guardião da Constituição da República demanda interpretação da legislação infraconstitucional: a primeira respeita ao exercício do controle de constitucionalidade das normas, pois não se declara a constitucionalidade ou inconstitucionalidade de uma lei sem antes entendê-la; a segunda, que se dá na espécie, decorre da garantia constitucional da proteção ao ato jurídico perfeito contra lei superveniente, pois a solução de controvérsia sob essa perspectiva pressupõe sejam interpretadas as leis postas em conflito e determinados os seus alcances para se dizer da existência ou ausência da retroatividade constitucionalmente vedada. 2. Não ofende o ato jurídico perfeito a aplicação imediata do art. 14 da Emenda Constitucional n. 20/1998 e do art. 5º da Emenda Constitucional n. 41/2003 aos benefícios previdenciários limitados a teto do regime geral de previdência estabelecido antes da vigência dessas normas, de modo a que passem a observar o novo teto constitucional. 3. Negado provimento ao recurso extraordinário. (RE 564354-9/SE. Rel. Min. Carmen Lúcia. Tribunal Pleno. 08-09-2010. Repercussão Geral). No caso em tela, a parte autora teve seu Salário-de-Benefício originalmente limitado ao teto do RGPS, sendo certo que os cálculos judiciais de fls. 101/107 demonstram a existência de diferenças em favor da parte autora e, portanto, o pedido deve ser julgado procedente. II – DISPOSITIVO Ante o exposto, reconheço a prescrição em relação às parcelas devidas anteriores a 29/05/2008 e JULGO PROCEDENTE o pedido para condenar o INSS a recalcular o valor do benefício previdenciário do autor, passando a renda mensal a R$4.663,67 (quatro mil, seiscentos e sessenta e três reais e sessenta e sete centavos) na competência de 04/2015, e a pagar o valor de R$137.321,99 (cento e trinta e sete mil, trezentos e vinte e um reais e noventa e nove centavos), ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL DAYSE STARLING LIMA CASTRO em 24/05/2015, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 4033053814230. Pág. 3/4
  4. 4. 0 0 0 2 5 9 3 8 4 2 0 1 3 4 0 1 3 8 1 4 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE IPATINGA Processo N° 0002593-84.2013.4.01.3814 - 2ª VARA FEDERAL Nº de registro e-CVD 00188.2015.00023814.1.00399/00128 a título de atrasados não alcançados pela prescrição, valor atualizado até 04/2015 (fls. 101/107). ANTECIPO OS EFEITOS DA TUTELA, determinando ao INSS que proceda à revisão do beneficio de aposentadoria do autor, nos termos deste dispositivo de sentença. CONDENO o INSS no pagamento dos honorários advocatícios no valor correspondente a 10% (dez por cento), calculado sobre o valor da condenação, nos termos do artigo 20, §3º, do CPC. Custas pela parte ré, isenta por força da Lei 9.289/1996. Registre-se. Publique-se. Intimem-se. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos. Ipatinga/MG, 24 de maio de 2015. DAYSE STARLING LIMA CASTRO Juíza Federal Titular 2ª Vara Federal - Subseção Judiciária de Ipatinga/MG ________________________________________________________________________________________________________________________ Documento assinado digitalmente pelo(a) JUÍZA FEDERAL DAYSE STARLING LIMA CASTRO em 24/05/2015, com base na Lei 11.419 de 19/12/2006. A autenticidade deste poderá ser verificada em http://www.trf1.jus.br/autenticidade, mediante código 4033053814230. Pág. 4/4

×