Comercio internacional regular 12

2.039 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.039
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
61
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Comercio internacional regular 12

  1. 1. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAOi, pessoal,Veremos hoje as formas usadas para o pagamento das operações decomércio exterior, sejam compras, sejam vendas.Para início de conversa, quatro são as formas de pagamento: 1) pagamento antecipado 2) cobrança 3) remessa sem saque 4) carta de créditoCada uma tem custos e riscos. Cabe já destacar a carta de créditocomo sendo a modalidade mais usada por ser a mais segura, comoveremos à frente.1a Modalidade de Pagamento: Pagamento AntecipadoPor pagamento antecipado, entende-se o pagamento que é feitoantes do embarque da mercadoria no exterior com destino ao Brasil.Mas isto só é válido quando a mercadoria está entrando no Brasil atítulo definitivo.Quando está entrando a título temporário, o Banco Central define queo pagamento antecipado é aquele feito antes do desembaraçoaduaneiro.O que é o desembaraço aduaneiro?Nós não vamos estudar a legislação aduaneira, visto que os editais deAFRF/2005 e de TRF/2005 deixaram de cobrá-la expressamente.Somente alguns pontos da legislação aduaneira são cobrados a partirdos editais de 2005, tais como a valoração aduaneira e a classificaçãofiscal.No entanto, é necessária uma pequena explicação do desembaraçopara entendermos a modalidade de pagamento pedida no edital.Quando uma mercadoria é importada por um residente, seja pessoafísica, seja jurídica, ele deve declará-la para a Receita Federal em umsistema chamado SISCOMEX – Sistema Integrado de ComércioExterior. Este sistema fica instalado em seu computador e, a cadaimportação, o sujeito deve declarar o valor da mercadoria, o pesolíquido, o valor do frete, o produtor, o exportador, enfim um númeroenorme de informações. Depois de preencher a declaração deimportação (DI), o importador manda-a pelo sistema via Internet esua DI é registrada se não houver algum problema.Que tipo de problema poderia existir?Por exemplo, se fosse uma pessoa jurídica com o CNPJ inativo,poderia registrar uma DI? Não. www.pontodosconcursos.com.br 1
  2. 2. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIASe aquela mercadoria precisa da autorização de algum órgão para serimportada, poderá ser registrada a DI se a importação não foiautorizada? É claro que não.E como são cobrados os tributos? Inicialmente, lembremos do DireitoTributário: há três tipos de lançamento – de ofício, por homologaçãoe por declaração.No lançamento de ofício, a Receita lança o crédito tributário semperguntar nada para o sujeito passivo.No lançamento por declaração, a Receita pergunta pro cara algumascoisas e, com base na resposta dele, faz o lançamento.No lançamento por homologação, cabe ao sujeito antecipar opagamento sem perguntar nada para a Receita. Neste caso, a Receitatem um prazo para homologar expressamente o crédito. Caso aReceita não o faça no prazo definido, o crédito é extinto.O imposto de importação cai na modalidade de lançamento porhomologação, pois os impostos são pagos na hora que o SISCOMEXregistra a DI.Falei que o SISCOMEX vê se o CNPJ do cara está ativo, vê se aimportação foi autorizada, vê outras coisas que não nos cabe analisar(o despacho aduaneiro – que se inicia com o registro da DI – não foicitado expressamente no edital) e, tenta por último, fazer o débitoautomático da conta bancária do importador (os números da conta,da agência e do banco, por isso, também têm que ser informados naDI).Caso haja fundos na conta bancária do importador, os tributos sãodebitados e a DI é finalmente registrada, ganhando um número.Agora esta DI está sujeita à verificação pela Receita. O órgão vaiverificar se a mercadoria foi corretamente declarada. Se aclassificação está correta (da classificação depende a alíquota, comovocês viram na aula de classificação aduaneira com o mestreMissagia. A cada código, uma alíquota), se a base de cálculo foiapurada corretamente, se o país exportador está certo (pode oimportador tentar colocar um país errado só para não ter que pagaruma alíquota antidumping ou uma medida compensatória, que sãodefesas contra deslealdades praticadas pelos outros países – Estaaula de deslealdade ainda teremos), enfim a Receita faz um “pente-fino” – mais ou menos fino dependendo do importador, damercadoria e outras condições.Se, no final do despacho aduaneiro, que é o nome dado a esteprocedimento fiscal de confirmação da regularidade da importação, aReceita concluir que está tudo perfeito, a mercadoria serádesembaraçada. O desembaraço é a conclusão do despacho. É o atofinal do despacho aduaneiro.Aqui se encerra a “pequena” explicação do desembaraço aduaneiro. www.pontodosconcursos.com.br 2
  3. 3. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAPara que vimos mesmo o que era o desembaraço aduaneiro?Para explicar que o Banco Central, caso a mercadoria importadatemporariamente tenha a sua permanência transformada emdefinitiva, considera que o pagamento será chamado “antecipado”caso tal pagamento ao exportador seja feito antes do desembaraço.Pelo amor de Deus, não confunda o pagamento ao exportador com opagamento dos tributos. O pagamento dos tributos à Receita, quandodevido, é feito no registro da DI, ou seja, antes do desembaraço. Oque estamos analisando é o pagamento ao exportador.Por exemplo, considerando que um importador, que tenha trazidouma mercadoria para ficar, em princípio, temporariamente, resolvaficar com a mercadoria definitivamente no Brasil, ele deve pagar porela (É muito comum se trazer uma mercadoria para teste e posterioraquisição caso o produto agrade.)Como, em princípio, a mercadoria entrou para ficar por pouco tempo,foi feita uma DI para a admissão temporária (que é o nome doregime especial a que se submetem as mercadorias importadas paraficar no país apenas temporariamente). Mas, como o importadoragora decidiu que não quer mais devolvê-la ao exterior, ficando comela definitivamente, deve ser feita uma 2a DI. Esta será para registrara permanência definitiva. Ela é diferente da 1a porque agora ostributos devem ser cobrados. Na entrada temporária, os tributos nãosão cobrados já que a mercadoria vai depois voltar para o exterior.Os tributos ficam suspensos, mas não nos aprofundaremos nisso,pois os regimes aduaneiros especiais (a admissão temporária é umdeles) somente foram pedidos no edital de AFRF até 2003.Veja o seguinte: se há duas DIs, há dois desembaraços. A mercadoriaque entrou inicialmente a título temporário foi desembaraçada eliberada para o importador pela primeira DI. Posteriormente, quandoo importador decidiu ficar com a mercadoria a título definitivo, eleteve que fazer uma segunda DI. O Banco Central definiu então que,se o pagamento ao exterior for feito antes do desembaraço destasegunda DI, ele será considerado antecipado.Em resumo: pagamento antecipado é aquele feito antes do embarqueno caso das importações definitivas. E é aquele feito antes dodesembaraço no caso das mercadorias que entraram a títulotemporário mas que têm sua permanência transformada emdefinitiva.De quem é o risco quando se usa a modalidade de “pagamentoantecipado”?No caso do pagamento antecipado com mercadoria que embarca noexterior a título definitivo, com certeza o risco é do importador, já www.pontodosconcursos.com.br 3
  4. 4. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAque ele paga e depois fica esperando a belezoca do exportadormandar a mercadoria.Por isso, somente é empregada quando o importador confia noexportador. É comum também quando o exportador exige opagamento antecipado porque não conhece o importador. Porexemplo, eu mesmo só venderia meu carro para alguém se euconfiasse que iria receber ou então, se não confiasse, se o cara mepagasse antes de eu entregar o carro. Aí eu ficaria tranqüilo.Já no caso de pagamento antecipado com mercadoria que entratemporariamente e depois sua permanência é transformada emdefinitiva, é claro que não há risco para o importador, já que amercadoria já está na mão dele.Prazo de AntecipaçãoO Banco Central só permite que remetamos recursosantecipadamente ao exterior no máximo 180 dias antes doembarque. Portanto, se a mercadoria só vai ser embarcada daqui aum ano, não podemos ainda pagar por ela. Tem que ser no máximoem 180 dias. Há uma exceção quanto a isso: se for importação demáquinas e equipamentos com longo ciclo de fabricação ou defabricação sob encomenda, o prazo de antecipação pode ser umprazo compatível com o tempo de produção ou comercialização doproduto. Mas, neste caso, o prazo não pode passar de 1.080 dias,que é o equivalente a três anos.No caso de exportações, a modalidade não se chama “pagamentoantecipado”, mas “recebimento antecipado”.No “recebimento antecipado”, o prazo máximo é mais camarada(“Exportar é o que importa”, Delfim Netto). Podemos receber o valoraté 360 dias antes de mandarmos a mercadoria para o exterior.Ainda há situações muito específicas em que este prazo pode sermaior.Na prova de AFTN/98 caiu a seguinte questão sobre PagamentoAntecipado, também chamado Remessa Antecipada:(AFTN/1998) Sobre a remessa antecipada, é correto afirmar-se quea) é modalidade de pagamento muito empregada por não acarretarriscos para as partesb) não acarreta riscos para as partes, não sendo, contudo, deemprego muito freqüentec) acarreta risco para o importador, sendo, por essa razão,modalidade de pagamento pouco empregada www.pontodosconcursos.com.br 4
  5. 5. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAd) é freqüente por fornecer garantia ao importador de concretizaçãoda transação comerciale) não acarreta risco para o importador por ser amparada em segurode créditoSolução:Não é modalidade muito empregada, pois envolve risco para oimportador. Gabarito: Letra C.2a Modalidade de Pagamento: CobrançaA modalidade de cobrança traz total segurança ao importador. Masaqui é o exportador que fica inseguro. Por quê? Vejamos.Na modalidade cobrança obviamente o pagamento é feito após oembarque, senão seria pagamento antecipado.Na modalidade cobrança, a mercadoria é embarcada e depois oexportador envia os documentos ao importador usando os serviços deum banco.O exportador pega os documentos, alguns emitidos por ele mesmo,como, por exemplo, a fatura comercial, o certificado de origem e opacking list (este é uma lista em que o exportador relaciona asmercadorias por caixa ou outro volume. O packing list é essencialpara a Receita quando esta decide fazer a conferência poramostragem. O AFRF pega o packing list e fala: “Quero ver as caixasnúmeros 1, 4 e 17”. Se, nas caixas escolhidas, as mercadoriascoincidirem com o que está escrito no packing list, o AFRF não precisaconferir o resto. Caso contrário, o importador vai ter que abrir todasas caixas.)Outros documentos que o exportador tem que entregar aoimportador brasileiro não foram emitidos por ele. Por exemplo, ocertificado sanitário emitido pelas autoridades sanitárias do seu paísatestando a sanidade do animal ou do vegetal. Outro exemplo é oconhecimento de carga, que é, em última análise, o contrato detransporte. O conhecimento de carga também é chamado deconhecimento de embarque, de frete ou de transporte. E é emitidopelo transportador.Pois bem, o exportador pega todos esses documentos e fala para umbanco, normalmente aquele em que mantém uma conta: “Ô, senhorbanco, entrega esses documentos ao importador X lá no Brasil. Mas,olha só, entregue somente se o importador pagar por eles (se forcobrança à vista) ou se der o aceite na letra de câmbio (se forcobrança a prazo)” Aí o banco responde: “Sim, senhor. Não esqueçada minha comissão, hein, senhor exportador.” “Fechado.”, responde o“senhor” exportador. www.pontodosconcursos.com.br 5
  6. 6. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAAí, o senhor banco pensa: “Caramba, eu tenho que entregar isso láno Brasil. Mando um boy ou peço para outro banco?” O boy é sóbrincadeira... (Ah! como eu gostaria de ser um boy de banco se eleoperasse assim...)O banco do país exportador vai então entregar os documentos a umbanco seu correspondente aqui no Brasil e adivinha o que ele vaifalar: “Ô, senhor banco brasileiro, entrega esses documentos aoimportador X aí no Brasil, mas, olha bem, não esquece de pegar odinheiro dele.” ou então “não esquece de pegar o aceite (aassinatura) dele na letra de câmbio”.Então, quando os documentos chegam ao Brasil, o banco brasileirovai ligar para o importador X e falar: “Ô, importador, vem cá pegarseus papéis, mas não esqueça de trazer o dinheiro (ou a caneta paradar o aceite na letra de câmbio).”Quando o importador for ao banco, ele paga pelos documentos ou dáo aceite na letra de câmbio. A letra de câmbio é equivalente àduplicata, que é usada no mercado interno.Neste momento, considerando que seja uma importação à vista, oimportador paga em R$ o equivalente à moeda estrangeira. Basta vero valor que está consignado na fatura. Haverá então a celebração deum contrato de câmbio, em que o Banco Itaú, por exemplo, recebeR$ 30.000,00 para disponibilizar de suas contas no exterior o valor deUS$ 10.000,00 (considerando US$ 1,00 = R$ 3,00).Como se faz o pagamento ao exportador estrangeiro?O banco Itaú, como qualquer banco autorizado a operar em câmbio,tem dinheiro depositado no exterior, ou seja, moedas estrangeiras:dólares, euros, libras esterlinas, ienes japoneses, ...Essas moedas estrangeiras são vendidas ao importador brasileiro,mas não são entregues diretamente a ele e sim ao exportadorestrangeiro indicado pelo importador. Se pegarem uma faturacomercial internacional de uma transação de compra e venda, vocêsnormalmente vão encontrar nela o número da conta do exportador.Assim, o banco Itaú, na hora de transferir os US$ 10.000,00 para oexportador, manda um aviso para o banco estrangeiro onde estãoseus fundos e pede que este banco debite sua conta e credite a contado exportador.A cobrança pode ser à vista ou a prazo.Na cobrança à vista, o pagamento é feito pelo importador ao bancoapós o embarque, mas antes do desembaraço da mercadoria.Na cobrança a prazo, é feito após o desembaraço.Pode-se ver isso a partir do item 1 do RMCCI:“1. Pagamento à vista é aquele efetuado anteriormente aodesembaraço aduaneiro da mercadoria ou à sua admissão ementreposto industrial, quando relativo a mercadoria importada www.pontodosconcursos.com.br 6
  7. 7. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAdiretamente do exterior em caráter definitivo, inclusive sob o regimede drawback, ou destinada a admissão na Zona Franca de Manaus,em Área de Livre Comércio ou em Entreposto Industrial, e:a) à vista dos documentos de embarque da mercadoria remetidosdiretamente ao importador ou encaminhados por via bancária paracobrança, com instruções de liberação contra pagamento; oub) em decorrência da negociação no exterior de cartas de créditoemitidas para pagamento contra apresentação de documento deembarque.2. O disposto no item anterior não abrange os pagamentos relativos amercadorias que tenham sido admitidas sob outros regimesaduaneiros especiais ou atípicos.”Portanto, podemos já sistematizar o seguinte: 1) Pagamento antecipado: Pagamento antes do embarque ou aquele caso específico de entrada temporária transformada em definitiva; 2) Pagamento à vista: Pagamento feito após o embarque e antes do desembaraço; e 3) Pagamento a prazo: Pagamento feito após o desembaraço.Vimos que a cobrança comporta então as modalidades “à vista” e “aprazo”. O mesmo ocorre em relação à remessa sem saque, a servista no próximo tópico. Já a carta de crédito possui quatromodalidades, como veremos.Vamos agora analisar os riscos da modalidade cobrança.Se a modalidade for cobrança à vista, há chance de o importadorpegar a mercadoria sem pagar por ela? Fica claro que não. Ele sópode pegar os documentos no banco se pagar por eles. Sem essesdocumentos, a Aduana não lhe irá entregar a mercadoria. Portanto,não há chance de o importador pegar a mercadoria sem pagar. Ah,então não há risco para o exportador?Há sim senhor (e senhora). E se o importador desistir de ficar com amercadoria? E se o importador desiste de ir pegar os documentos nobanco? O exportador se deu mal... Agora vai ter que arrumar umcomprador para suas mercadorias ou então vai ter que voltar com elapara seu país. Com certeza, ambas as situações vão gerar custosnão-previstos e talvez ainda tenha que dar algum desconto paraatrair algum comprador...Além dessa situação, há o risco de não-pagamento se for umacobrança a prazo, em que o comprador pega a mercadoria e dá o www.pontodosconcursos.com.br 7
  8. 8. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAaceite na letra de câmbio. E se o importador não quiser pagar depois?O exportador então está sujeito também a este outro risco.3a Modalidade de Pagamento: Remessa sem SaqueEscrevi antes que saque, cambial e letra de câmbio são sinônimos.São três nomes diferentes para a mesma coisa: um título de créditoemitido pelo vendedor da mercadoria quando vende a prazo para sepegar a assinatura (o aceite) do comprador.O que é remessa sem saque?É a remessa dos documentos diretamente do vendedor aocomprador. Justamente por irem direto para o comprador não háporque se pedir a assinatura de uma letra de câmbio.Ora, se os documentos não estão vindo por bancos, é porque ovendedor confia no comprador, senão não daria os documentos “delambuja”.Pegar o aceite em uma letra de câmbio serve a dois propósitos:1) facilitar a cobrança posterior já que o comprador reconhece querecebeu a mercadoria (Esta função é importante quando o exportadornão confia no importador); e2) ser descontada em um banco, de forma análoga ao desconto deduplicata estudado em Contabilidade.Portanto, se os documentos vêm direto para o importador, oexportador confia nele. E, se confia nele, dispensa o saque, a letra decâmbio.É certo que poderia o saque servir à segunda função: ser descontadoem um banco. Mas, na remessa sem saque, não havendo saque, nãopode haver desconto também.O Bruno Ratti tem uma desatualização neste assunto.Como eu sei que há muita gente lendo-o, tenho que alertar. O livro éexcelente, mas tem algumas desatualizações. E acho que vocês têmque saber onde ele está desatualizado para não derraparem naprova. Este é o objetivo. Quando o Ratti atualizar o livro, ele voltará aser um dos melhores livros de Comércio Internacional.O Bruno Ratti escreve à página 78 que “o importador recebediretamente do exportador os documentos de embarque (semsaque), promove o desembaraço da mercadoria na alfândega e,posteriormente (grifo meu), providencia a remessa da quantiarespectiva para o exterior.”Quando isto foi escrito no livro realmente a remessa sem saque sócomportava pagamento após o desembaraço, ou seja, pagamentos aprazo. www.pontodosconcursos.com.br 8
  9. 9. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAHoje, no entanto, com a Circular BACEN 3.280/2005, comportamodalidades à vista (pagamento antes do desembaraço) e a prazo(pagamento após o desembaraço). Onde está escrito isso?Se você pegar o texto que eu coloquei há duas páginas atrás, vaiencontrar lá o seguinte:“1. Pagamento à vista é aquele efetuado anteriormente aodesembaraço aduaneiro da mercadoria ... e:a) à vista dos documentos de embarque da mercadoria remetidosdiretamente ao importador ou ...”Logo, há remessa sem saque (remessa direta de documentos aoimportador) com pagamento à vista, ou seja, efetuado antes dodesembaraço.Para fechar este assunto, vamos comparar as modalidades cobrançae remessa sem saque:1) em qual modalidade o exportador está sujeito aos maioresriscos?Resp.: Com certeza, na remessa sem saque, já que os documentossão dados “de lambuja” para o comprador.2) Qual das modalidades é mais barata para a operação?Resp.: Com certeza, a remessa sem saque, já que não será prestadonenhum serviço de entrega pelos bancos. E, portanto, não hádespesa bancária.Vejamos duas questões sobre cobrança e remessa sem saque:(AFRF/2002-1) Realizado o embarque dos bens, o vendedorenvia todos os documentos originais diretamente aocomprador, antes do pagamento, sem qualquer interferênciabancária. O vendedor sequer emite qualquer títulorepresentativo contra o comprador.Essa modalidade de pagamento corresponde a:a) carta de crédito documentáriob) remessa sem saquec) cobrançad) letra de câmbioe) swiftSolução: Questão tranqüila, se você entendeu que na remessa semsaque os documentos vão direto do vendedor ao comprador sempassar por bancos. Letra B.O que é SWIFT da opção E? www.pontodosconcursos.com.br 9
  10. 10. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIASWIFT é sigla de Society Worldwide Interbank FinancialTelecommunication. É o sistema de comunicação interbancária.Qualquer troca de informações entre os bancos ocorre por meio destesistema, que é ultra-hiper-seguro prá chuchu.(AFTN/1996) Cobrança é a modalidade de pagamento que seprocessa através da:a) Remessa ao exterior e por via bancária de documentos referentes àexportação para cobrança através do banco na praça do importadorb) Imediata execução do pagamento por ocasião da celebração docontrato comercialc) Remessa antecipada do pagamento pelo importador ao exportadorpor via bancáriad) Contratação da operação cambial para imediata liquidaçãoe) Assinatura de termo de compromisso entre as partes, definindo oprazo para contratação do câmbio.Solução: Questão tranqüila também, se você entendeu que nacobrança os documentos são passados do exportador para oimportador por meio de intervenção bancária. Letra A.Vamos ver a última modalidade de pagamento: a carta de crédito.4a Modalidade de Pagamento: Carta de Crédito ou CréditoDocumentárioSempre que eu ensino carta de crédito, gosto de falar das cartas daCaixa Econômica Federal, que financia a aquisição da casa própria.Quando um cidadão quer comprar uma casa e pede o financiamentoda Caixa, o que ele faz?Junta um monte de papel e vai bater ponto na agência da CEF.Depois que o banco analisa sua renda, sua capacidade deendividamento, entre outras coisas, ele define o valor máximo quepode financiar. Emite então a carta de crédito e o cidadão sai àprocura do imóvel.A carta de crédito dá segurança tanto para o mutuário quanto para ovendedor.O mutuário fica tranqüilo porque sabe que a CEF vai fazer um “pente-fino” no imóvel pretendido. Significa que se houver qualquerprobleminha no imóvel, a CEF o descarta. Isto porque quem, narealidade, está comprando o imóvel é a CEF e ela toma todos oscuidados. Isto acaba trazendo uma segurança enorme para omutuário porque sabe que a CEF não vai comprar imóvel comproblema. www.pontodosconcursos.com.br 10
  11. 11. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAO vendedor fica também tranqüilo ao vender por meio de carta decrédito, pois quem assume o compromisso de lhe pagar não é umapessoa qualquer, mas um banco e, mais do que isso, um bancosólido.Do mesmo jeito que nas cartas para aquisição de imóvel, a carta decrédito no comércio internacional traz segurança a ambas as partes –ao comprador e ao vendedor da mercadoria.Como funciona a carta de crédito no comércio internacional?A primeira coisa que acontece é o acerto de preço entre o compradore o vendedor. Definem também o prazo máximo de embarque damercadoria e se ela virá no convés do navio. Definem a quantidade, aforma de pagamento e os documentos que o exportador deveentregar para que se considere cumprido o compromisso por partedeste. Definem “trocentas” coisas e escrevem tudo isso sob a formade minuta da carta de crédito. Em seguida, o importador leva o“rascunho” da carta ao banco emitente e este a formaliza.A carta de crédito é o compromisso que o banco assume de pagarao exportador estrangeiro caso este cumpra tudo o que estiverdefinido na carta.A carta de crédito, em síntese, irá conter cláusulas que interessam aocomprador e outras cláusulas que interessam ao vendedor. Porexemplo, uma das cláusulas é o prazo máximo de embarque.Significa que, se o exportador embarcar a mercadoria após esteprazo máximo, o compromisso do banco emitente da carta é desfeitoe o banco passa a ter o direito de decidir o que fazer: na verdade, obanco decide de acordo com a vontade do importador. Este podedecidir entre aceitar a mercadoria incondicionalmente, ou aceitar coma condição de ter um abatimento ou rejeitar incondicionalmente. Istoé muito útil na importação de castanhas e nozes, por exemplo. Euconheço uma pessoa que só come nozes no Natal: eu. Imagine umgrande supermercado fazendo uma encomenda enorme de nozes. Jápensou o que aconteceria se o exportador atrasasse o embarque e asnozes só saíssem da Europa no dia 1o de janeiro de 2007. Eu,Rodrigo, nem vou olhar para essas nozes no supermercado. Nozes?Só no final do ano. Com certeza, outros clientes também vão agirassim e o supermercado vai ter prejuízo.O compromisso do banco de pagar ao exportador só fica de pé se oexportador cumprir sua parte. Por isso, é a modalidade mais segura.O importador fica satisfeito porque terá um fiscal – o banco – paratomar conta do cumprimento do contrato.É também a mais segura porque o exportador sabe o seguinte: seele, exportador, cumprir tudo, ele não tem dúvidas de que o bancoirá pagar. Normalmente, confia-se mais em banco do que emqualquer outra pessoa jurídica ou física. O banco sempre (ou quasesempre) cumpre seus compromissos. www.pontodosconcursos.com.br 11
  12. 12. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIACaso o Beneficiário não confie no Banco Emitente, especialmente osbancos dos países em desenvolvimento, ele exige um avalista para oEmitente. O banco avalista é conhecido como Banco Confirmador,que pode ser qualquer banco situado em qualquer país (óbvio que oConfirmador somente não pode ser o Emitente: ninguém pode seravalista de si mesmo). O avalista irá pagar caso o Emitente não ofaça.Há uma classificação para os bancos: quando eles são à prova desuspeitas, são chamados de “primeira linha”. Caso não seja um bancoassim, um avalista provavelmente será solicitado pelo exportador.Uma das questões mais repetidas pela ESAF é sobre carta de crédito.Não há nenhum concurso desde 1996 em que não tenha caídoquestão sobre carta de crédito. Vamos ver algumas agora e no finalveremos outras. Mas percebam que em TODAS, ABSOLUTAMENTETODAS as provas anteriores caíram questões sobre carta de crédito:(AFRF/2002-2) Os riscos de não-pagamento de compromissoscomerciais internacionais causados por fatores de ordemeconômica, política, comercial, má-fé do comprador etc.,podem ser minimizados, ou mesmo evitados, pelos operadorescomerciais ao selecionar o meio de pagamento maisadequado. Nesse sentido, o meio de pagamento através doqual um banco (tomador) assume documentalmentecompromisso de pagar ao beneficiário (exportador) identifica-se como umaa) cobrança a prazo.b) remessa antecipada.c) remessa sem saque.d) carta de crédito.e) accepted invoice consularizada.Solução:Quando o banco assume o compromisso de pagar estamos falando decarta de crédito.Apesar de ser uma resposta fácil, há um erro no enunciado. Tomadoré o importador, como veremos mais à frente.Não existe banco tomador. O banco que emite a carta de crédito échamado Banco Emitente ou Banco Instituidor. Êta ESAF...Gabarito: Letra D.(AFRF/2000) Para proteger-se do risco de não-pagamento (deorigem econômica, comercial ou política), operadorescomerciais, ao recorrerem ao meio de pagamento pelo qual www.pontodosconcursos.com.br 12
  13. 13. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAum banco (emitente), a pedido ou por conta de importador(tomador) assume documentalmente o compromisso de pagarao exportador (beneficiário), estão utilizandoa) a Remessa Antecipadab) a Cobrança à Vistac) a Carta de Créditod) a Remessa sem Saquee) a Cobrança a PrazoSolução:Banco assumiu o compromisso de pagar? Carta de crédito. Letra C.Agora a ESAF acertou: tomador é o importador.(AFTN/1998) A modalidade de pagamento na qual oimportador autoriza o banco com o qual opera a emitir umaordem de pagamento condicional em favor do exportador éa) cobrança documentáriab) crédito documentárioc) remessa antecipadad) remessa sem saquee) red clauseSolução:A carta de crédito é uma ordem de pagamento condicional na medidaem que o compromisso do banco só será honrado SE E SOMENTE SEo exportador cumprir a parte dele.Não confunda cobrança documentária com crédito documentário.Cobrança documentária é outro nome para a modalidade cobrança.Leva este nome porque a cobrança é feita a partir de documentosentregues ao banco pelo exportador e que devem ser repassados aoimportador.Gabarito: Letra B.(ACE/97) A liquidação da Carta de Crédito utilizada nasoperações internacionais é de responsabilidade do (da)a) importadorb) Banco Central do país importadorc) banco emitented) exportadore) avisadorResp.: A liquidação é daquele que assumiu o compromisso. Ocompromisso foi “Se você, exportador, cumprir tudo que está escritona carta de crédito, eu, BANCO EMITENTE, prometo que vou te pagaro preço.” www.pontodosconcursos.com.br 13
  14. 14. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAOra, pergunto, quem vai liquidar a carta, quer dizer, quem vailiquidar o compromisso? Com certeza, o Banco Emitente. Letra C.(AFTN/1998) O pagamento sob a forma de créditodocumentário é muito usual porquea) assegura ao exportador o recebimento antecipado do valor total ouparcial da mercadoria a ser exportada.b) fornece ao banco garantia de recebimento de créditos recebidospara financiamento de importações.c) é barata por não envolver intermediação bancária.d) assegura ao importador o acesso a financiamento paracumprimento de suas obrigações para com o exportador.e) fornece maiores garantias tanto ao importador quanto aoexportador.(AFTN/1996) A modalidade de remessa cambial em que umbanco, atuando como intermediário, compromete-se a efetuaro pagamento de uma operação comercial ao exportador é:a) Cobrança à vistab) Remessa sem saquec) Cobrança a prazod) Remessa antecipadae) Carta de crédito(ACE/97) Em um pagamento internacional efetuado por meiode carta de créditoa) o banco emitente compromete-se em efetuar o pagamento aoexportador, no exteriorb) o exportador, por meio de um banco, envia crédito ao importadorc) o beneficiário transfere o crédito diretamente ao importadord) o exportador compromete-se em contratar câmbio junto ao bancoemitentee) os bancos liquidam operações cambiais(ACE/2002) A modalidade de pagamento internacional queenvolve operação garantida por um ou mais bancos que,mediante autorização de um cliente ou por ato próprio,assume(m) responsabilidade pelo pagamento de umamercadoria exportada, se atendidas condições estipuladaspelas partes, é denominada:a) carta de créditob) cobrança a vistac) remessa sem saqued) cobrança a prazoe) remessa antecipada www.pontodosconcursos.com.br 14
  15. 15. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAViu quantas questões repetidas sobre cartas de crédito? No final daaula, vou colocar outras que tratam de outros assuntos de carta decrédito. Assim vocês vão ver que TODOS os concursos anteriorespediram PELO MENOS uma questão sobre carta de crédito.Respostas das últimas quatro questões: E, E, A, A.Funcionamento da Carta de CréditoO importador, depois de acertar preço, prazo, quantidade e todo oresto com o exportador, recorre a um banco e pede que este emitauma carta de crédito em favor do exportador no exterior.O importador se chama Tomador.Depois que o banco emite a carta, ele a envia para um banco no paísdo exportador, que entrega a este a carta.O banco que emite a carta se chama Banco Emitente ou BancoInstituidor. Já escrevi antes que o avalista do Emitente é o BancoConfirmador.O exportador é chamado Beneficiário.O banco para o qual o Emitente envia a carta para que sejarepassada ao exportador é chamado Banco Avisador.O exportador dá uma olhada na carta e vê se, de fato, a carta contémtudo aquilo que deveria conter. Vê se lá está o compromisso dobanco e quais são as condições que ele, exportador, terá que cumprirpara que o banco cumpra sua parte, ou seja, para que o bancopague.Se estiver tudo em ordem, o exportador entrega a mercadoria paraembarque.E, em seguida, entrega os documentos para um banco que vai agirno exterior em nome do Banco Emitente. Este banco que recebe osdocumentos é o chamado Banco Negociador.Depois de receber os documentos, o Banco Negociador tem um prazopara checar se o Beneficiário (o exportador) cumpriu tudo que estavadefinido na carta.Caso tenha havido o cumprimento perfeito de tudo, o BancoNegociador paga (se a carta de crédito for à vista), dá o aceite naletra de câmbio (se for uma carta de crédito por aceite), reconhece ocumprimento (se for uma carta de crédito por pagamento diferido) ounegocia o crédito.O que é negociar o crédito?Bem, a carta de crédito pode ser de quatro tipos, conforme dispõe oartigo 10 da UCP 500:“Art. 10 – Tipos de CréditoTodos os Créditos devem indicar claramente se são utilizáveis por: www.pontodosconcursos.com.br 15
  16. 16. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA – pagamento à vista, – por pagamento diferido, – por aceite ou – por negociação.”O pagamento à vista é auto-explicativo. Depois que o Beneficiárioentrega os documentos ao Banco Negociador, este faz a análise dascondições colocadas na carta e, caso reste comprovado ocumprimento por parte do Beneficiário, o pagamento é feito.A diferença entre o pagamento diferido e o pagamento por aceite éque no primeiro não há aceite em uma letra de câmbio. No segundo,o pagamento também é a prazo, mas com aceite em título de crédito.A vantagem da carta de crédito por pagamento diferido é que seucusto é mais baixo já que o Banco Negociador não vai precisar daraceite. Lembre-se que é o Banco Negociador que paga e que dá oaceite, a pedido do Banco Emitente. Se o Banco Negociador pagar aoBeneficiário, mais tarde o Banco Emitente o reembolsa.A carta de crédito por negociação é aquela em que não há direito deregresso.Todos os demais tipos de carta de crédito prevêem o direito deregresso. E, por isso, dão um pouco de insegurança ao Beneficiário.Por quê? Porque o Banco Negociador, depois de pagar ao Beneficiário,fica esperando o reembolso por parte do Banco Emitente. Caso oreembolso não aconteça, o Banco Negociador toma de volta odinheiro “antecipado” ao Beneficiário.Por conta desta insegurança, o Beneficiário às vezes exige que acarta de crédito seja sem direito de regresso para não correr risco deter o dinheiro tomado. Portanto, a carta de crédito por negociação é amais segura para o Beneficiário. Mas seu custo é maior, já que obanco Negociador vai cobrar mais caro para fazer o trabalho dele,tendo em vista que fica sem o direito de regresso.Riscos na carta de créditoHá riscos no uso da carta de crédito?Apesar de ser a modalidade de pagamento mais segura, a carta decrédito não está imune a riscos. Há riscos tanto para o exportadorquanto para o importador.Para o exportador, vimos que, caso o Banco Emitente não reembolseo Banco Negociador, poderá ser usado o direito de regresso doNegociador que pega de volta o dinheiro antecipado, salvo se a cartafor por negociação.Imagine a insegurança do Beneficiário... www.pontodosconcursos.com.br 16
  17. 17. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAPara evitar esta insegurança, qual o remédio?Exigir que a carta de crédito seja por negociação, ou seja, sem direitode regresso.E, para o importador, há riscos?Sim.Olha o que está escrito no artigo 4o da UCP 500. Este é um dosprincipais artigos da publicação, já objeto de algumas questões deAFRF.“Art. 4o – Documentos vs. Mercadorias/Serviços/DesempenhoEm operações de Crédito, todas as partes envolvidas operam comdocumentos e não com mercadorias, serviços e/ou outrosdesempenhos a que os documentos possam se referir.”O que está escrito aí em cima?Está escrito que os bancos conferem apenas documentos. Os bancosnão fazem conferência de mercadorias, de serviços ou de suaqualidade (desempenho).Isto quer dizer o seguinte: se os documentos estiverem em ordem, oBanco Negociador vai pagar, não interessando se a mercadoriadentro da caixa está com a validade vencida ou se foi substituídadepois da emissão da fatura comercial.Adianta o importador falar para o Banco Negociador: “Ô banco, eurecebi uma denúncia de que a mercadoria que está vindo para o paísestá estragada. Não pague ao exportador por favor.” ?Não adianta o importador pedir este tipo de coisa para o banco, poiso banco (está escrito acima) “opera com documentos e não commercadorias, serviços e/ou outros desempenhos”. O banco não estánem aí para a mercadoria. O banco está olhando apenas os papéis.Imagine você se o banco tivesse que olhar cada mercadoria para verse ela bate com os documentos... Teria que ter um funcionário dobanco para cada operação de importação/exportação. Quantosfuncionários teriam os bancos? Eles iam acabar fazendo um trabalhobraçal de olhar mercadoria por mercadoria. Nem a Aduana, cujafunção é essa, verifica todas as mercadorias. Quase a totalidade dasverificações aduaneiras é feita por amostragem, quando é feita.A função do banco é operar com dinheiro e papel e não commercadoria.Então há risco para o importador. Se o exportador colocar umamercadoria com prazo de validade vencido ou se colocar umamercadoria distinta da descrita na fatura, o banco não pode se eximirde pagar, caso os documentos emitidos batam com o texto da cartade crédito. www.pontodosconcursos.com.br 17
  18. 18. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAQual o remédio então para o importador se resguardar desseproblema de mercadoria distinta da descrita na fatura?O importador pode pedir a chamada inspeção pré-embarque. O que éisso?Existem algumas empresas, por exemplo, a Veritas e a SGS, quefazem este trabalho de conferência privada. A empresa vai aoestabelecimento do exportador e confere cada mercadoria que écolocada na caixa. Monta o laudo de inspeção pré-embarque e lacra acaixa com seu lacre particular. Óbvio que este lacre pode ser rompidopela Aduana do país exportador que precisa conferir a mercadoria.Mas o que na prática acontece é que o exportador chama primeiro aempresa privada de conferência que descreve as mercadorias. Depoisque ela acaba de fazer a verificação privada, o exportador chama aAduana que vai fazer a conferência oficial. Se a Aduana só for àempresa no dia seguinte ou posterior, a empresa privada deconferência põe seu lacre particular. Quando a Aduana estiverfazendo a conferência aduaneira, isto vai estar sendo acompanhadode longe pela empresa privada só para ter certeza de que tudo aquiloque foi conferido por ela irá continuar depois da conferência daAduana. A Aduana lacra as caixas e estas saem para o porto,aeroporto ou fronteira. Os fiscais aduaneiros do país exportadorsimplesmente verificam se os lacres oficiais continuam íntegros e, seo estiverem, deixam a mercadoria embarcar no navio ou no avião ouentão deixam cruzar a fronteira terrestre.O que o importador deve fazer para que esta inspeção pré-embarqueseja eficaz?O importador deve colocar duas cláusulas na carta de crédito, comoas seguintes:“Cláusula no x – O exportador deve apresentar um laudo de inspeçãopré-embarque ao Banco Negociador. Este laudo deve ser emitido pelaempresa xxxxxxxxxxxxxxxxxx.Cláusula no x+1 – A descrição das mercadorias no laudo de inspeçãopré-embarque deve coincidir com a descrição delas na fatura.”Assim, o importador impõe ao Banco Negociador uma obrigação:checar se a mercadoria descrita no laudo pré-embarque bate com amercadoria descrita na fatura. Se bater, é óbvio que a mercadoriadentro da caixa é exatamente a mercadoria descrita na fatura.Sacou?Veja a questão de AFRF/2003 que usou o artigo 4o da UCP 500:(AFRF/2003) O crédito documentário, consistindo numamodalidade de pagamento tendo subjacente um contratocomercial internacional entre vendedor e comprador demercadorias, www.pontodosconcursos.com.br 18
  19. 19. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAa) não subsiste se o referido contrato estiver sendo questionadojudicialmente.b) rege-se nas práticas comerciais pelas normas da Publicação 500 daCâmara de Comércio Internacional (UPC 500 da CCI), que são clarasem definir as responsabilidades das Partes de um CréditoDocumentário pela não-observância das cláusulas que dispõemacerca das mercadorias transacionadas.c) é autônomo em relação ao contrato comercial subjacente cujopagamento ao beneficiário deverá ser honrado contra documentosidôneos e formalmente consistentes com as estipulações da carta decrédito, e não contra bens ou serviços.d) prescinde do exame minucioso da documentação nele mencionadae de suas condições, não consistindo tal procedimento em essencial àliquidação do crédito.e) tem eficácia e validade materializada no contrato comercial do qualderiva, e, neste sentido, este prevalece sobre a formalidadedocumental.Solução:A carta de crédito, ou crédito documentário, é um compromissoassumido pelo Banco Emitente em pagar ao exportador(Beneficiário). Não se confunde com o contrato de compra e venda damercadoria que é efetuado entre comprador e vendedor.Faço a seguinte pergunta: a carta de crédito da CEF dispensa aescritura do imóvel? Ou existem os dois? Existem os dois. Se nãofosse assim, onde entraria o comprador? Se existisse apenas a cartade crédito, o importador apareceria em qual documento, já que acarta envolve apenas o Banco e o vendedor?Portanto, a carta de crédito é um contrato autônomo. E, como vimosno artigo 4o, é honrado contra documentos e não contra bens,serviços ou desempenhos.A letra C é o gabarito.Por que as outras opções estão erradas?Veja a letra A. O banco assumiu um compromisso. Este deve sercumprido mesmo que o contrato comercial não o seja. Não escreviagora há pouco que o Banco tem que honrar o compromisso mesmose a mercadoria estiver com o prazo de validade vencido? Pois é.Mesmo que o contrato comercial não seja cumprido, a carta decrédito tem que ser.Por que a letra B está errada?Na UCP 500 estão definidas as regras de funcionamento da carta decrédito. Mas obviamente, lá só estão definidas as responsabilidadesdas partes de um crédito documentário se houver OBSERVÂNCIA dascondições da carta. No caso de não-observância, há responsabilidadedo banco em pagar? Claro que não. Se o exportador não cumpriu sua www.pontodosconcursos.com.br 19
  20. 20. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAparte, o compromisso do banco é desfeito. Se não houverobservância das condições da carta, não há responsabilidade da outraparte.Por que a letra D está errada? O pagamento prescinde (=dispensa) oexame do cumprimento das condições da carta? Lógico que não. Opagamento só será feito se as condições da carta forem cumpridas.Por que a letra E está errada? Nada prevalece sobre os documentos.Repito: os bancos só operam com documentos. Logo, os documentossão a coisa mais importante da carta de crédito.Red ClauseQual a cor do cavalo branco de Napoleão? Adivinha em que cor seescreve a Red Clause no texto da carta de crédito. Beleza. Isso aí.Vermelho.A Red Clause é escrita em vermelho para chamar a atenção.A existência desta cláusula na carta de crédito permite que oexportador receba o valor total ou parcial da exportação antesmesmo de embarcar a mercadoria no exterior.É, portanto, a previsão de recebimento antecipado de recursos.Pelo amor de Deus, não confunda Red Clause com a modalidade“Recebimento Antecipado”, que é o pagamento antecipado (antes doembarque) do importador estrangeiro ao exportador brasileiro.A Red Clause, apesar de ter a mesma característica da modalidade“Recebimento Antecipado” (receber um valor antes de exportar), éusada exclusivamente na modalidade “Carta de Crédito”.(AFRF/2002-1) Cláusula que permite pagamento parcial outotal do valor do Crédito previamente ao embarque damercadoria, portanto, sem a apresentação de documentos.Corresponde, na prática, a um pagamento antecipado dentrode um Crédito e tem a finalidade de fornecer suportefinanceiro para o Beneficiário poder produzir a mercadoria.Face ao enunciado, assinale a opção correta.a) assignment of Proceedes (Cessão de Resultados)b) Revolving Credit (Crédito Rotativo)c) back-to-back Credits (Créditos back-to-back)d) Transferable Credit (Crédito Transferível)e) Red Clause (Cláusula Vermelha)(AFTN/1996) Red Clause é uma cláusula contratual queassegura ao exportador: www.pontodosconcursos.com.br 20
  21. 21. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAa) O pagamento de até 50% do valor total de uma exportação no atodo embarque da mercadoria, o que, não ocorrendo, permite aoexportador cancelar ou rever os termos do contrato de compra evendab) Completa isenção de impostos sobre a totalidade dos bens a seremexportadosc) O direito de rever o valor das mercadorias exportadas após acelebração do contrato de compra e vendad) O direito de repassar ao importador os custos referentes a frete eseguro até o desembarque das mercadorias exportadase) O recebimento antecipado do valor total ou parcial do créditoreferente a uma exportação, com a finalidade de assegurar os meiospara adquirir ou fabricar o produto a ser exportado.As duas questões têm o mesmo gabarito: letra e.Para fechar o assunto, vejamos as duas questões que caíram nosconcursos de 2005:(AFRF-2005) 50- A respeito das modalidades de pagamentosinternacionais, relacione as colunas e, em seguida, assinale aopção correta.1. remessa sem saque2. remessa antecipada3. cobrança à vista4. crédito documentário( ) forma de pagamento mediante a qual o importador remetepreviamente o valor parcial ou total da transação, após o que oexportador providencia a exportação da mercadoria e o envio darespectiva documentação.( ) forma de pagamento em que, após a expedição da mercadoria, oexportador entrega a um banco de sua preferência os documentos deembarque, juntamente com um saque contra o importador. O banco,a seu turno, remete os documentos, acompanhados de um carta-cobrança, a seu correspondente na praça do importador, para cobrardo sacado. Efetuado o pagamento, o banco libera a documentação aoimportador, para que ele possa retirar a mercadoria na alfândega.( ) modalidade de pagamento não empregada com muita freqüênciano comércio internacional, por colocar o importador na dependênciado exportador, implicando, assim, riscos para o primeiro, à medidaque, enquanto não receber a mercadoria, não poderá ter certeza documprimento regular da obrigação por parte do exportador.( ) forma de pagamento utilizada em contratos internacionaissegundo a qual um banco, por instruções de um cliente seu,compromete-se a efetuar um pagamento a um terceiro, contra a www.pontodosconcursos.com.br 21
  22. 22. CURSOS ONLINE – COMÉRCIO INTERNACIONAL – CURSO REGULAR PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIAentrega de documentos estipulados, desde que os termos e condiçõessejam cumpridos.( ) modalidade de pagamento que envolve maior risco para oexportador, razão pela qual é pouco empregada no comérciointernacional (salvo nas importações realizadas por filiais ousubsidiárias de firmas no exterior).( ) forma de pagamento segundo a qual o importador recebediretamente do exportador os documentos de embarque, promove odesembaraço da mercadoria na aduana e, posteriormente,providencia a remessa da quantia respectiva para o exterior.a) 3, 4, 3, 2, 4, 1b) 2, 3, 2, 4, 1, 1c) 3, 4, 3, 1, 4, 2d) 1, 3, 1, 4, 2, 2e) 2, 4, 2, 1, 3, 3(TRF-2005) 30- Após enviar a mercadoria ao seu destinatário,o exportador entrega a um banco de sua preferência osdocumentos relativos a essa operação para que então oestabelecimento bancário, a partir de um correspondente seuna praça do importador, possa cobrar o pagamento datransação e liberar os documentos que serão necessários aodesembaraço aduaneiro do bem. Esta modalidade depagamento, comum nas operações internacionais de compra evenda de mercadorias, é denominada:a) Adiantamento de cambiais entregues.b) Remessa sem saque.c) Cobrança à vista.d) Crédito documentário.e) Remessa antecipada.Gabaritos: A questão 50 tem como gabarito a letra B. A questão 30,letra C. Questões bem tranqüilas, porque meramente conceituais erepetidas de provas anteriores.Um abraço,Rodrigo Luz www.pontodosconcursos.com.br 22

×