A escrava isaura

11.076 visualizações

Publicada em

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.076
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
235
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A escrava isaura

  1. 1. A Escrava Isaura (Bernardo Guimarães) Componentes: Mônica Bezerra Maria Helena José Claudio  Arlan Gregorio
  2. 2. Bernardo Guimarães (Autor)  Bernardo Joaquim da Silva Guimarães (Ouro Preto, MG, 15/8/1825 – Ouro Preto, MG, 10/3/1884). Advogado, juiz, professor, escritor, jornalista, contista e poeta. Bernardo Guimarães é o patrono da Cadeira N.º 5 da Academia Brasileira de Letras. Seu primeiro livro publicado foi “Cantos da Solidão”.
  3. 3. Livro Publicado por Bernardo Guimarães em 1875, o romance “A Escrava Isaura” toma como assunto o drama de uma escrava aparentemente branca, educada e muito bonita, numa época em que começava a se levantar questões sobre os “abomináveis e hediondos” crimes da escravidão e o rebaixamento da pessoa humana em função de sua raça e classe social.
  4. 4.  NÚMERO DE CAPÍTULOS ‐ O romance A Escrava Isaura possui 22 capítulos .  GÊNERO: ROMANCE ‐ A Escrava Isaura é um romance com duas preocupações bás icas: regionalismo (usos, costumes e linguag em de um Brasil rural) e denúncia socia l (um retrato, embora subjetivo, da escravidão n o
  5. 5.  FOCO NARRATIVO: TERCEIRA PESSOA ‐ O romance A Escrava Isaura é narrado na terceira pessoa (narrador onisciente). O narrador (o próprio autor) relata as ações de todas as personagens, penetrando‐lhes o interior, revelando ao leitor as suas particularidades, dando, às vezes, uma visã o pessoal do que acontece. • TEMPO: TEMPO CRONOLÓGICO ‐ Em A Escrava Isaura, as ações dos personage ns acontecem no tempo cronológico ou linear (exterior, marcado pela passagem d as horas, dos dias, dos anos). Os acontecimentos vão sendo incorporados à história em ordem cronológic
  6. 6.  TRAÇOS DO ROMANTISMO: IDEALIZAÇAO DA MULHER ‐ A heroína é descrita como um s er humano perfeito, desde o físico até o caráter. Mais ainda: Isaura é endeus ada pelo autor que, exageradamente, a c ompara a anjo ou santa. “Acha-se ali sozinha e sentada ao piano uma bela e nobre figura de moça,as linhas do perfil desenham-se distintamente entre o ébano da caixa do piano e as bastas madeiras ainda mais negras do que ele. São tão puras e suaves essas linhas,que fascinam os olhos, enlevam a mente, e paralizam toda a análise.” Pag: 05.
  7. 7.  VALORIZAÇÃO DA NATUREZA‐ A natureza ganha destaque de duas maneir as dentro do livro. Na caracterização d o cenário e nas constantes comparações dos traços positivos da heroína a elementos d a natureza. "Quase não se via aí muro, cerca, nem valado; jardim, horta, pomar, pastagens, e plantios circunvizinhos eram divididos por viçosas e verdejantes sebes de bambus, piteiras, espinheiros e gravatás, que davam ao todo o aspecto do mais aprazível e delicioso verde.“ Pag:03.
  8. 8. Protagonista  Isaura: Uma escrava branca, da cor do marfim, magra, estatura pequena, cabelos longos, muito bonita, pura, virginal, possuía um caráter nobre, inteligente, era dotada de natural bondade e muito singela de coração, além disso, sabia ler e escrever, falava italiano, francês e tocava piano.
  9. 9. Descrição de Isaura “ Acha-se ali sozinha e sentada ao piano uma bela e nobre figura de moça. As linhas do perfil desenham-se distintamente entre o ébano da caixa do piano, e as bastas madeixas ainda mais negras do que ele. Gozas da estima de teus senhores. Deram-te uma educação, como não tiveram muitas ricas e ilustres damas que eu conheço.” Pag.: 05.
  10. 10. Antagonista  Leôncio é o vilão leviano, devasso e insensível que, de “criança incorrigível e insubordinada” e adolescente que sangra a carteira do pai com suas aventuras, acaba por tornar-se um homem cruel e inescrupuloso. Homem de aparência rude era o herdeiro de todos os maus instintos e devassidão do comendador, seu
  11. 11. Descrição de Leôncio “Leôncio achara desde a infância nas larguezas e facilidades de seus pais amplos meios de corromper o coração e extraviar a inteligência. Mau aluno e criança incorrigível, turbulento e insubordinado, andou de colégio em colégio, e passou como gato por brasas por cima de todos os preparatórios” Pag.: 08.
  12. 12. Outros Personagens  Comendador Almeida (Dono da Fazenda) um homem rude, imundo, avarento e canalha.  Feitor Miguel (pai de Isaura e Capataz da Fazenda), homem bom e forte. Tratara bem aos escravos.  Juliana (mãe de Isaura). Era a mais linda escrava e sofria de privações, por não querer ser amante do Comendador Almeida.  Malvina (esposa de Leôncio), mulher
  13. 13.  Henrique: (cunhado de Leôncio), rapaz bom, estudioso e rico.  Álvaro: (abolicionista), moço bonito, rico, liberal e republicano.  Martinho: (estudante), ganancioso e desprezível, cabeça grande, cara larga, feições grosseiras, olhos pardos e pequeninos.  Belchior :(Jardineiro), um ser disforme e desprezível. É o símbolo da estupidez submissa e também sua descrição física se presta a demonstrar sua conduta: feio, cabeludo, atarracado e corcundo.
  14. 14.  Dr. Geraldo: É um advogado conceituado, que serve como fiel da balança para Álvaro, já que procura equilibrar os arroubos do amigo, mostrando-lhe a realidade dos fatos.  Ester: Mulher do Comendador Almeida e mãe de Leôncio, é uma mulher doente e solitária. Para suprir sua carência, dedica a Isaura toda a sua atenção e carinho.  Rosa: Bonita e ousada, é escrava da fazenda do Comendador Almeida, é uma mulher má e invejosa.
  15. 15. Lugares onde acontece o romance  FAZENDA EM CAMPOS‐ O cenário principal de A Escrava Isaura é uma fazenda em Campos de Goitacases, à margem do Rio Paraíba, Estado do Rio de Janeiro. “No fértil e opulento município de Campos de Goitacases, à margem do Rio Paraíba, a pouca distância da vila de Campos, havia uma linda e
  16. 16.  Recife em 1890, rua Vitória, com bonde puxado a uma parelha de burros. “Estamos no Recife. É noite e a formosa Veneza da América do Sul, coroada de um diadema de luzes, parece surgir dos braços do oceano, que a estreita em carinhoso amplexo e a beija com
  17. 17.  Faculdade de Direito de Olinda “Matriculado na escola de medicina logo no primeiro ano enjoou-se daquela disciplina, e como seus pais não sabiam contrariá-lo, foi-se para Olinda a fim de freqüentar o curso jurídico.” Pag:
  18. 18. Expressões desconhecidas  Dândi: aquele homem de bom gosto e fantástico senso estético, mas que não necessariamente pertencia à nobreza.  Mucama: moça que era escolhida para auxiliar em serviços domésticos ou acompanhar pessoas da família.  Alforria: era a o nome dado a libertação de escravos no Brasil  Pelorinho: é umas colunas de pedra colocada num lugar público de uma cidade ou vila onde eram punidos e expostos os escravos.  Pajem: normalmente é um jovem serviçal.
  19. 19. Perguntas sobre o livro 1. Onde se da o desfecho do enredo? R: O casamento dos protagonistas Álvaro e Isaura. 2. O que Isaura ganhou do seu suposto noivado? E de quem? R: Um colar de ouro, de Malvina. 3. A narração e feita em 1° ou 3° pessoa? em ambos os casos qual a importância para a obra e qual o repercussão no leitor? R: terceira pessoa, é importante porque assim o autor conduz a narrativa, situando bem o
  20. 20. 4: a obra e retratada presente do autor ou uma realidade anterior a ele? R: a obra é retratada na obra em que o escritor vive. Escrito em plena campanha abolicionista (1875), o livro conta as desventuras de Isaura, escrava branca e educada, de caráter nobre, vítima de um senhor devasso e abuso sexual... 5:qual o valor da obra dentre ao movimento a que pertence? tem valor para o nosso tempo? R: mensagem de que o preconceito é um dos males mais antigos da humanidade. De tudo que foi analisado percebemos a intenção do autor em alertar a sociedade para a problemática da escravidão; e certamente conseguiu, haja vista que o mesmo viveu na época de D. Pedro II - época em que ainda havia escravidão no Brasil.
  21. 21. Indicação Indicaremos o romance “A escrava isaura” porque foi escrito na campanha abolicionista (1875). O autor pretende, nesta obra, fazer uma acusação documentada anti - escravo e da liberdade. O autor explorou uma das questões mais polêmicas da sociedade brasileira da época: a escravidão.
  22. 22. Bibliografia  http://www.brasilescola.com/literatura/a-escrava-isaura.htm (08.06.2013 às 14:45)  http://peregrinacultural.wordpress.com/2009/06/28/5-livros-do- romantismo-iv-a-escrava-isaura/ (08.06.2013 às 15:10)  http://pt.wikipedia.org/wiki/A_Escrava_Isaura (08.06.2013 às 12:05)  http://pt.wikipedia.org/wiki/Bernardo_Guimar%C3%A3es (09.06.2013 às 15:17)  http://livros.universia.com.br/2013/05/08/baixe-gratis-o-livro-a- escrava-isaura-de-bernardo-guimaraes/ (03.06.2013 às 13:27)  http://www.ratasdebiblioteca.com/2012/02/resenha-livro- escrava-isaura.html (09.06.2013 às 13:36)

×