Gps8 construcao de_piramides_etarias_final

9.752 visualizações

Publicada em

Construção de pirâmides etárias

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8.342
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
169
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gps8 construcao de_piramides_etarias_final

  1. 1. Resumo Estrutura etária da população Construção de pirâmides etárias Pirâmides etárias Políticas demográficas Retrato de Portugal
  2. 2. Estrutura etária É a repartição da população por idades (classes etárias). - O comportamento dos indicadores demográficos (natalidade, mortalidade, esperança de vida, emigração e imigração); - Determinados factos da história de um país (guerras, epidemias, crises económicas, migrações, entre outros). Reflete:
  3. 3. Pirâmide etária Conjuntos de 5 anos que agrupam efetivos de uma população por idades e sexo. Classes etárias A população é normalmente dividida em três grandes grupos: - Jovens (0 aos 14 anos); - adultos (entre 15 e 64 anos); - idosos (≥ 65 anos). Grupos etários A pirâmide etária é um gráfico de barras horizontais que representa a população por grupos de idade (classes de idades) e por sexos.
  4. 4. Exemplo Gémea (5 meses) Menina (7 anos) Menino (5 anos) Avó (80 anos) Gémea (5 meses) Pai (47 anos) Mãe (43 anos) Avô (85 anos) Avó (82 anos)
  5. 5. Representação gráfica da família Homens Mulheres + 80 0 - 4 5 - 9 (…) 40 - 44 45 - 50 (…) 0 0 1 212 Idades idosos adultos jovens Sexo QUANTIDADE (valores absolutos ou percentagem)
  6. 6. Idades Homens % Mulheres % 0 - 4 8,9* 8,9 5 - 9 7,3 7,3 10 – 14 6,2 6,1 15 – 19 5,3 5,3 20 – 24 4,3 4,3 25 – 29 3,6 3,5 30 – 34 3,0 2,9 35 – 39 2,7 2,4 40 – 44 2,1 1,9 45 – 49 1,9 1,8 50 – 54 1,6 1,5 55 – 59 1,3 1,2 60 – 64 0,9 0,8 65 – 69 0,7 0,7 70 – 74 0,5 0,5 75 – 79 0,2 0,2 ≥ 80 0,1 0,1 1.º Passo:  Organizar os dados da população, dividida por sexo e por classes etárias. O exemplo da Nigéria * É mais fácil utilizar dados em percentagem porque permite uma melhor comparação. Construção de pirâmides etárias
  7. 7. 2.º Passo:  Traçar dois eixos verticais paralelos com 8,5 cm separados por 1 cm.  Cada 0,5 cm desse eixo vertical corresponde a uma classe etária. 1 cm 0-4 5-9 0,5 cm Construção de pirâmides etárias
  8. 8. 3.º Passo Traçar dois eixos horizontais a partir da base dos eixos verticais: um para os homens (esquerda) e outro para as mulheres (direita). 0-4 5-9 10-14 Construção de pirâmides etárias
  9. 9. 4.º Passo Marcar no eixo horizontal o valor em percentagem de cada sexo (por exemplo: escala de 1 cm = 1%). 1 2 0-4 5-9 10-14 12 %% 1 cm Construção de pirâmides etárias
  10. 10. 5.º Passo Representar os valores em barras horizontais para cada classe etária e para cada sexo. 1 2 %3 54 6 7 8 912% 3456789 0-4 5-9 10-14 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64 65-69 70-74 75-79 ≥ 80 Construção de pirâmides etárias
  11. 11. Contraste nas estruturas etárias Diversas situações demográficas revelam diferentes estruturas etárias
  12. 12. Cada país um caso… Brasil Etiópia Japão
  13. 13. Pirâmides etárias Pirâmide etária de população jovem
  14. 14. Pirâmides etárias Pirâmide etária de população envelhecida
  15. 15. Pirâmides etárias Pirâmide etária de população adulta
  16. 16. Pirâmides etárias De um modo geral, podemos afirmar que: - Quanto maior for a taxa de natalidade, maior será a percentagem de população jovem, uma vez que nascem mais crianças. - A percentagem de população jovem é maior nos países em desenvolvimento que têm uma taxa de natalidade mais alta. - Quanto maior for a esperança média de vida, maior será a percentagem de população idosa. - A percentagem de população idosa é maior nos países desenvolvidos onde a esperança média de vida é mais alta.
  17. 17. Pirâmides etárias As pirâmides apresentam: (elevada mortalidade e esperança de vida muito curta).  Bases largas  Topos estreitos Países em desenvolvimento Pirâmides deste tipo representam países com população jovem. (devido à elevada natalidade).
  18. 18. Pirâmides etárias As pirâmides apresentam: (esperança de vida elevada).  Bases estreitas  Alargando-se no grupo etário dos adultos Países desenvolvidos Pirâmides deste tipo representam países com população envelhecida. (devido à diminuição da natalidade).  Topos relativamente largos  Classes etárias ocas
  19. 19. Pirâmides etárias Envelhecimento demográfico O envelhecimento demográfico é acentuado nos países mais desenvolvidos devido à combinação de dois aspetos que originam um duplo envelhecimento: alargamento do topo da pirâmide etária (aumento da proporção de idosos), fruto do aumento da esperança de vida. Envelhecimento pelo topo estreitamento da base da pirâmide, como resultado da diminuição da natalidade e da fecundidade, conduzindo a uma diminuição da proporção de jovens. Envelhecimento pela base
  20. 20. Contraste nas estruturas etárias - Taxa de natalidade mais baixa; - Esperança de vida mais elevada. - Taxa de natalidade mais alta; - Esperança de vida mais baixa. • Pequena proporção de jovens; • Grande proporção de idosos; • População envelhecida; • Reduzido crescimento demográfico. • Grande proporção de jovens; • Pequena proporção de idosos; • População muito jovem; • Elevado crescimento demográfico. Países desenvolvidos Países desenvolvidos
  21. 21. Contraste nas estruturas etárias Políticas demográficas
  22. 22. Países desenvolvidos Situação demográfica Envelhecimento da população PROBLEMAS • Falta de mão de obra; • Pesados encargos sociais (lares, hospitais, medicamentos); • Diminuição da produtividade económica; • Problemas nos regimes de pensões e reformas (proporção dos contribuintes é cada vez mais reduzida, para reformados cada vez mais numerosos); • Falta de inovação na investigação (falta de iniciativas). NECESSIDADE DE REJUVENESCIMENTO DA POPULAÇÃO
  23. 23. Políticas demográficas natalistas • Benefícios fiscais para quem tem filhos; • Aumento do abono de família em função do número de filhos; • Incentivos à conciliação entre o trabalho e a família (prolongamento da licença de maternidade ou paternidade, trabalho em part-time); POLÍTICAS DE INCENTIVO À NATALIDADE
  24. 24. Políticas demográficas natalistas • Subsídios a famílias numerosas; • Incentivos à deslocação para áreas mais despovoadas; • Incentivos à fixação de população estrangeira; • Aumento da rede de equipamentos sociais como creches e infantários, entre muitos outros. POLÍTICAS DE INCENTIVO À NATALIDADE
  25. 25. Países em desenvolvimento NECESSIDADE DE CONTROLAR A NATALIDADE Situação demográfica População essencialmente jovem • Elevados encargos com a educação (muitas vezes insuportáveis). • Elevadas taxas de analfabetismo. • Custos elevados dos Estados na aquisição de alimentos para toda esta população. • Desemprego/subemprego (devido à grande oferta de mão de obra e à falta de indústria). Muitas crianças não têm emprego ou são exploradas por multinacionais. PROBLEMAS
  26. 26. Políticas demográficas natalistas • Promoção do planeamento familiar (distribuição gratuita de contracetivos, acompanhada por ações de sensibilização, por exemplo); • Penalizações sociais para famílias muito numerosas; • Aconselhamento ao casamento tardio; • Legalização do aborto; • Aumento do nível de instrução das populações, entre outras. POLÍTICAS PARA CONTROLAR A NATALIDADE
  27. 27. FIM

×