Tese doutoramento ufc

476 visualizações

Publicada em

Tese de Dou

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
476
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
96
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tese doutoramento ufc

  1. 1. Universidade Federal do Ceará – UFC Departamento de Cirurgia Programa de Pós-Graduação - Doutorado AVALIAÇÃO DA DENSIDADE ÓSSEA EMRATAS MENOPAUSADAS INDUZIDAS POROOFORECTOMIA APÓS AUTO-IMPLANTE OVARIANO CRIOPRESERVADO Orientador: Luiz Porto Pinheiro Doutorando: João Marcos de Meneses e Silva
  2. 2. Introdução Baixa massa óssea e• deterioração da Aumento da Expectativa de Vida microarquitetura do osso A idade• Doenças Crônico-Degenerativas de Perda de Perda tem efeito da fragilidade Aumento ½ do 35% do marcante óssea• Menopausa sobre a osso osso trabecular cortical DMO• Baixa Densidade Mineral Óssea (BMD) Maior risco de fraturas• Osteopenia e Osteoporose
  3. 3. Introdução Cardio- VascularFalência Ovariana – TerapêuticasEstrogênio Estrogênio→ Ação anti-reabsortiva Osso TH Mama→ Prevenção de perda de massa óssea→ Diminuição do risco de fraturas Endométrio
  4. 4. IntroduçãoFalência Ovariana – TerapêuticasAuto-Transplante pós CriopreservaçãoMulheres no climatério – Em fase de pesquisa
  5. 5. Proposta• Utilizar o Auto-Transplante pós Criopreservação para estudo da Densidade Óssea em Mulheres no climatério• Utilização de Modelos Animais
  6. 6. ObjetivosGERAL - Avaliar a influência sobre atividade óssea em ratas menopausadas por ooforectomia bilateral após auto-implante de seus ovários criopreservados
  7. 7. ObjetivosESPECÍFICOS - Estudar a viabilidade cirúrgica do auto-implante de fragmentos ovarianos em ratos após criopreservação - Estudar o processo de neovascularização dos reimplantes teciduais ovarianos através de avaliação histológica - Comparar a atividade óssea no estado de menopausa e após auto-implante de ovários
  8. 8. Material e MétodosTIPO DE ESTUDO E GRUPO DE ESTUDO• Estudo experimental em ratos• Fêmeas, raça Wistar - Rattus Novergicus Albinus, Rodentia,Mammalia, idade: 3 meses, peso: 200g a 400g• Alimentação com ração e água ad libitum• Gaiolas individuais, t°C e umidade constantes• N = 50 ratos
  9. 9. Material e MétodosPROCEDIMENTO EXPERIMENTAL• ETAPA IOOFORECTOMIA BILATERAL + 1ª BIÓPSIA ÓSSEA + CRIOPRESERVAÇÃO OVARIANA• ETAPA IIAUTO-IMPLANTE OVARIANO + 2ª BIÓPSIA ÓSSEAGRUPO EXPERIMENTAL: 1- Menopausa Precoce 2- Menopausa Tardia
  10. 10. Material e MétodosPROCEDIMENTO EXPERIMENTAL• ETAPA III 3ª BIÓPSIA ÓSSEA
  11. 11. Material e MétodosCRIOPRESERVAÇÃO• TÉCNICA PADRÃO OURO VITRIFICAÇÃO N LÍQUIDO
  12. 12. Material e MétodosANÁLISE HORMONAL• HORMÔNIOS OVARIANOS FSH• MARCADORES DE ATIVIDADE ÓSSEA FOSFATASE ALCALINA ACIDO TARTARASE RESISTENTE CTX / NTX
  13. 13. Resultados EsperadosAplicação em HumanosEnsaio clínico→ Auto TH→ Sintomas ClimatéricosUso no Sistema PúblicoSUS
  14. 14. REFERÊNCIAS1. Sonmezer M, Oktay K. Fertility preservation in young women undergoing breast cancer therapy. The Oncologist 2006;11:422– 4342. Lobo RA. Potential options for preservation of fertility in women. N Engl J Med 2005;353:64 –733. Wallace WH, Anderson RA, Irvine DS. Fertility preservation for young patients with cancer: Who is at risk and what can be offered? Lancet Oncol 2005;6:209 –2184. Radford J, Shalet S, Lieberman B. Fertility after treatment for cancer. Questions remain over ways of preserving ovarian and testicular tissue. BMJ 1999;319:935–9365. Moffa F, Biacchiardi CP, Fagioli F et al. Ovarian tissue cryostorage and grafting: An option to preserve fertility in pediatric patients with malignancies. Pediatr Hematol Oncol 2007;24:29–446. Li Y et al. Modified vitrification method for cryopreservation of human ovarian tissues. China Medical Journal 2007;120 (2):110-1147. Binkley N, Krueger D. Combination therapy for osteoporosis: considerations and controversy. Curr Osteporos Rep 2005; 3:150-4

×