MAMÍFEROS TERRESTRE DA FLORESTA TROPICAL PREDADORES Devido à escassez de grandes presas, predadores maiores são relativame...
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Mamíferos terrestre da floresta tropical
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mamíferos terrestre da floresta tropical

3.988 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.988
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mamíferos terrestre da floresta tropical

  1. 1. MAMÍFEROS TERRESTRE DA FLORESTA TROPICAL PREDADORES Devido à escassez de grandes presas, predadores maiores são relativamente raros na floresta. Muitos desses carnívoros tem se adaptado a lidar com a escassez de grandes presas terrestres caçando no dossel e completando a sua dieta com pequenos animais, como peixes, roedores, aves e répteis. O maior grupo de mamíferos predadores terrestre da floresta são os gatos. Cada região florestal, com excepção da área Australasiana tem suas próprias espécies florestais. GATOS SELVAGENS<br />A maior espécie de gatos da floresta tropical é o tigre, uma vez que variou entre Índia tropical e Sibéria Ártica ao sudeste asiático. Os tigres são ameaçados de perder o habitát e caças como vermin e pelos povos que acreditam que seus corpos podem curar doenças. No século passado, três subespécies de tigre foram extintas: o Mar Cáspio, Javan, e tigres Bali. Existem cinco subespécies restantes no qual os tigres Bengal ou tigre Indiano são os mais abundantes. O segunda maior gato da floresta tropical é a onça-pintada, uma vez que variou de Arizona nos Estados Unidos à Argentina, mas agora é principalmente limitado à partes obscuras do Orinoco e das bacias Amazônicas. Caçado sem dó pela sua pele e como vermin juntamente com a clareira das floresta tem dramaticamente conduzido esta espécie ameaçadoras a situação em que se encontra, e algumas das oito sub-espécies já são extintas na selva. Embora sejam protegidos pelo abrigo da CITES (Convenção de Espécies Ameaçadas Internacional), o jaguar ainda é amplamente caçado vigorosamente. A dieta deste gato aquáticos inclui uma grande variedade de animais: sapos, peixes, roedores, tartarugas, veados e jacarés. A onça-pintada é uma excelente nadadora e pescadora e geralmente caça à noite. As onças-pintadas são solitárias e apenas se se juntam à um parceiro durante o casalamento.<br />Leopardos vão desde a Ásia e África e numerosas sub-espécies e raças existem. Algumas destas formas são extremamente raras e como o leopardo Bali, são extintas. O leopardo das ilhas do Sudeste Asiático são menores do que os do continente. O puma, também conhecido como leão da montanha, é um grande gato do Novo Mundo, que vai desde o Canadá à Patagónia. Além dos grandes gatos, a floresta tem também várias espécies menores como o leopardo gato (Ásia), margay (Novo Mundo), e ocelot (Novo Mundo). Estes geralmente variam de tamanho, de um gato doméstico à um cão. A maioria são noturnos e caçam tanto no solo quanto no dossel da floresta. OUTROS MAMÍFEROS CARNÍVOROS A familia do Civet originou da Ásia para a África, mas já foi introduzida em todo o mundo. A familia do Civet é composta de 16 gêneros, incluindo o conhecido mongooses. Um membro interessante da família é a Pesca genet que tem um único hábito alimentar. Apesar de se alimentar de peixe, não é um grande nadador e sempre que possível, evita se molhar. A Pesca Genet pesca tocando sua pata contra a superfície da água de pequenos córregos florestais, a fim de atrair peixes e detectar as vibrações causadas pelos movimentos dos peixes. Quando detectam o movimento, a genet dá um mergulho. O membro mais conhecido da família são os mongooses que foram popularizados por Kipling's-Ricky Ticky-Tavy história dos comedores de cobras, embora eles também se alimentam de insectos, pequenos mamíferos, aves e ovos. Mongooses tem uma interessante técnica de abrir ovos no qual eles se encostam numa pedra, ovos na mão, e violentamente socam contra a pedra. O tatu e o gigante tamanduá da edentata família são carnívoros terrestres do Novo Mundo, com 21 espécies de tatu distribuídas no sul do EUA à Patagônia. Eles são equipados com placas ósseas de proteção que os tornam praticamente não comestíveis para os predadores. Tatus são excelentes cavadores que utilizam o seu belo senso de cheiro para localizar cobras, ratos, lagartos, e insetos. Tatus tem em média cinco polegadas (12 cm) e três onças (90 g) comparados aos raros tatus gigantes, que chegam a 39 polegadas (1 m) e 120 libras (55 kg), excluindo a cauda. O gigante tamanduá habita nas savanas e florestas tropicais da Guatemala à Argentina. É um grande nadador e, como os seus parentes arborícolas, um ótimo escalador. São bem adaptados à alimentação de formigas e cupins com a sua pegajosa língua de 39 polegadas (1 m), um forte senso de odor, e poderosas garras afiadas. Ursos preguiças, pesam até 300 libras (135 kg), são distribuídos em regiões tropicais do sul da Índia e Sri Lanka. Eles normalmente se alimentam de cupins, fazendo um bico com seus lábios e os chupam como aspirador de pó. O parente Urso-sol é encontrado nas florestas do Sudeste da Ásia. ONÍVOROS Os mais notáveis onívoros das florestas tropicais são os porcos selvagens, que são encontrados tanto no Novo e Velho Mundo. Esses animais geralmente se enfiam no subsolo da floresta para caçar seu alimento e no processo criam buracos que se enchem de água quando chove, fornecendo uma casa para larvas de insetos, girinos, e até mesmo algumas espécies de peixes. Porcos são geralmente animais de rebanho que se deslocam em grupos de 5-25 indivíduos. Esses rebanhos são fortemente territoriais e algumas das maiores espécies mutilam e matam animais maiores (inclusive os seres humanos), que tentam passar por seu território. Os suínos do Novo Mundo são representados pels javalis que vão do sul dos EUA à Argentina. Javalis têm uma esquisita capacidade de sentir bolbos de plantas em profundidades de até 10 pés (3 m). Eles também se alimentam de raízes, insetos e pequenos animais. Javalis são ativos durante todo o dia, mas principalmente ao amanhecer e entardecer. O rebanho parece faltar uma estrutura hierarquial e, muitas vezes, parece seguir qualquer membro adulto membro que toma uma decisão. O Velho Mundo tem uma surpreendente diversidade de florestas, incluindo os porcos selvagens, warthog, e o bizarro babirusa. O babirusa é endêmica à ilha indonésia de Celebes (Sulawesi) e é considerado altamente em perigo. Ele tem costas curvadas com pernas longas e finas e estranhos dentes que chegam a mais de um polegada (30 cm), da mandíbula inferior. À medida que se estendem, se curvam para trás e para baixo para formar circulos. O babirusa é geralmente encontrado em pântanos e ao longo de riachos.<br />http://pt.mongabay.com/rainforests/0506.htm<br />       Com a extinção dos dinossauros, há cerca de 65 milhões de anos, o rumo da evolução foi modificado, abrindo caminho para a multiplicação da classe mais evoluída de vertebrados, os mamíferos (possuidores de mamas). <br />            Durante toda a era dos répteis, pequenos mamíferos conviveram com os dinossauros. Os espaços vazios que eles podiam ocupar eram muito poucos, pois os habitats terrestres estavam cheios de grandes répteis. Somente após o desaparecimento dos dinossauros, os mamíferos puderam, enfim, apossar-se dos locais que ficaram vazios. Assim, eles conseguiram evoluir e aumentar, progressivamente, o número de espécies até chegar à grande diversidade que hoje conhecemos. Na verdade, se os dinossauros não tivessem sido extintos, os mamíferos não teriam tomado posse da Terra e, provavelmente, os seres humanos não teriam existido.<br />HABITAT                        Os mamíferos são animais que vivem nos mais variados locais da Terra, desde as regiões tropicais aos pólos, e desde os mares até os desertos mais secos e as florestas mais densas. Eles dominam os habitats terrestres do nosso planeta. Existem, também, representantes marinhos (baleia, golfinhos, foca, leão-marinho) e de água doce (peixe-boi).<br />MODO DE VIDA            Assim como as aves, os mamíferos também conseguem viver em locais muito quentes ou muitos frios. Isso ocorre, porque eles podem manter a temperatura do seu corpo constante (homotérmicos). Assim, eles se mantêm em atividade durante as estações frias, desde que tenham alimento suficiente para poderem sobreviver. Para resistirem à falta de comida nas estações mais frias do ano, muitas espécies hibernam. Como exemplos, temos os morcegos de regiões temperadas e pequenos roedores, como os esquilos-do-chão, as marmotas e os arganazes. Durante a hibernação, o coração desses animais bate 5 a 6 vezes por minuto, e o ritmo respiratório é muito lento. A temperatura do corpo diminui muito, ficando em torno de 5°C. Nesse período, o animal utiliza a gordura acumulada para obter seu combustível.            Muitos pensam que os ursos também hibernam. Estes animais se mantêm ativos durante o inverno, embora durmam por longos períodos. Isto não caracteriza uma hibernação, pois a temperatura deles diminui muito pouco.<br />                   <br />ESTRUTURA DO CORPO            O termo mamífero (do latim mamma = mama; e feros = portador) refere-se às glândulas mamárias, presentes nas fêmeas, que fornecem o leite para alimentar os filhotes. Esta é a principal característica desses animais. Eles ainda têm outras características que nenhum outro animal possui:- pêlos recobrindo o corpo;- desenvolvimento do filhote dentro do útero;- presença de placenta: um órgão através do qual o filhote recebe os nutrientes da mãe;- presença de um músculo respiratório, chamado diafragma, que determina os movimentos dos pulmões durante a respiração.<br />FUNÇÕES VITAISDigestão:            Os mamíferos possuem hábitos alimentares, que estão relacionados com o seu modo de vida. Muitos são herbívoros, como o boi, o carneiro, o cavalo, o elefante; outros são carnívoros, como o leão, o lobo, a raposa, a onça, o cão. Existem ainda insetívoros, como os musaranhos, a toupeira; e os onívoros, que se alimentam de carne e também de plantas, como é o caso do homem. <br />            Depois de mastigados e insalivados na boca, os alimentos são engolidos e levados até o estômago. Ao passarem por várias transformações, seguem do estômago para o intestino delgado, onde os nutrientes passam para o sangue, através das paredes deste órgão. Assim, as substâncias nutritivas podem ser distribuídas pelo corpo do animal. Os resíduos dos alimentos seguem para o intestino grosso, que absorve a água e forma as fezes, que são mandadas para fora do corpo pelo ânus.<br />Respiração:            Os mamíferos possuem respiração exclusivamente pulmonar. O sistema respiratório deles é formado pelos pulmões e pelas vias respiratórias (fossas nasais, faringe, laringe, traquéia e brônquios). Os movimentos de entrada do ar (inspiração) e saída (expiração) são controlados por um músculo que separa o tórax do abdômen: o diafragma.<br />Circulação:<br />            O sistema circulatório dos mamíferos é formado pelo coração e vasos sanguíneos (artéria, veias e capilares). O coração possui quatro cavidades: dois átrios e dois ventrículos, como ocorre nas aves. O sangue carregado de oxigênio (arterial) circula pela metade esquerda do coração, enquanto o sangue rico em gás carbônico (venoso) circula pela metade direita. Portanto, não ocorre a mistura de ambos.<br />Excreção:            O sistema urinário dos mamíferos é formado por dois rins e pelas vias urinárias (ureteres, bexiga e uretra). Os rins são órgãos que funcionam como filtros. Sua função é a retirada de resíduos do sangue para a formação da urina, que fica armazenada na bexiga. A saída da urina ocorre pela uretra. <br />            Muitos mamíferos marcam seu território, com a eliminação da urina. Os odores deste líquido podem conter muitas informações, como a idade e o sexo do animal. Também podem servir de aviso para que outros indivíduos fiquem longe do território delimitado.<br />OS SENTIDOS DOS MAMÍFEROS            O grande aumento do cérebro e a manutenção constante da temperatura dos mamíferos permitiram que eles se tornassem ágeis e inteligentes. Como estes animais possuem o sistema nervoso mais desenvolvido do que o dos demais vertebrados, é de se esperar que os órgãos dos sentidos deles também sejam mais eficientes.<br />            Para que possam perceber o que acontecem ao seu redor, os mamíferos são dotados de cinco sentidos: visão, audição, olfação, gustação e tato. No entanto, nem todos os sentidos são igualmente desenvolvidos. Cada espécie desenvolve seus órgãos dos sentidos, de acordo com a sua necessidade de sobrevivência. Os cães, por exemplo, têm o olfato muito desenvolvido. Eles distinguem o seu dono pelo cheiro. Outros mamíferos enxergam e ouvem muito bem, como é o caso do gato, da onça, do tigre, animais predadores muito espertos. <br />Os mamíferos também podem demonstrar sensações de tristeza, quando morre um parente próximo.<br />CLASSIFICAÇÃOA classe dos mamíferos compreende várias ordens, divididas, de acordo com as semelhanças que possuem:<br />MONOTREMOS - São os mamíferos mais primitivos. Como representantes desta ordem, temos o ornitorrinco e a équidna, encontrados na Austrália, Nova Zelândia e ilhas próximas. Os monotremos são os únicos mamíferos ovíparos. Eles possuem bico e suas patas são semelhantes às patas do pato. As glândulas mamárias da fêmea não possuem mamilos. Assim, o filhote se alimentado leite que escorre pelos pêlos da mãe. Na fase adulta, estes animais comem uma grande quantidade de minhocas.MARSUPIAIS - As fêmeas destes mamíferos possuem uma bolsa no ventre, conhecida como marsúpio, onde estão os mamilos. Os filhotes de marsupiais nascem num estágio muito precoce, com aproximadamente 5 cm. Depois do nascimento, eles se encaminham para a bolsa (marsúpio) da mãe, onde se alimentam e completam o seu desenvolvimento. Como exemplo, temos o canguru, encontrado na Austrália; o coala, que vive na Austrália e também em regiões da Ásia; o gambá e a cuíca, que vivem no continente americano, inclusive no Brasil.DESDENTADOS - São mamíferos que possuem dentes reduzidos, desprovidos de raiz e esmalte. Esta ordem inclui o tamanduá (único sem dentes), o tatu e a preguiça, encontrados no Brasil. A preguiça-de-coleira, o tamanduá-bandeira, o tatu-canastra e o tatu-bola são espécies brasileiras a ameaçadas de extinção. ROEDORES - Estes mamíferos possuem dois pares de dentes incisivos (dentes da frente) bem desenvolvidos. Um par situa-se no maxilar superior e o outro no maxilar inferior. Estes pares de dentes crescem continuamente, pois são desgastados à medida que o animal vai roendo as cascas dos ramos das plantas. Os roedores não possuem dentes caninos (presas), mas têm molares para a trituração do alimento. Como exemplos, temos o rato, o camundongo, a capivara (o maior roedor do mundo), o esquilo, a marmota e o castor. Estes animais servem de alimento para muitas aves, répteis e mamíferos carnívoros. LOGOMORFOS - São mamíferos que apresentam características semelhantes aos roedores. Eles possuem dois pares de dentes incisivos no maxilar superior e apenas um par de incisivos no maxilar inferior. Pertencem a esta ordem o coelho e a lebre, que são mamíferos herbívoros. Estes animais se adaptam muito bem a qualquer habitat que lhes ofereça erva para se alimentar e solo onde possam abrir tocas. QUIRÓPTEROS - São os únicos mamíferos voadores. Estes animais caracterizam-se por possuírem os membros anteriores transformados em asas, que lhes possibilitam o vôo. Incluem-se nesta ordem os morcegos. Os quirópteros se alimentam de insetos, peixes, sangue (hematófagos), néctar das flores e frutas. CETÁCEOS - São mamíferos marinhos que possuem o corpo semelhante ao de um peixe. Eles apresentam os membros anteriores transformados em nadadeiras, que lhes fornecem direção e estabilidade durante a sua movimentação na água. Também possuem uma poderosa cauda, que os impulsiona quando estão em movimento. Como exemplos, temos as baleias, os golfinhos e os botos. A baleia-azul, que pode atingir 30m de comprimento e 135 toneladas, é o maior animal existente na Terra. SIRÊNIOS - São mamíferos que podem viver em água doce ou salgada. Estes animais têm algumas características semelhantes às dos cetáceos, pois possuem os membros anteriores desenvolvidos em nadadeiras e uma cauda larga, usada para a sua impulsão na água. No Brasil, o representante desta ordem é o peixe-boi do Amazonas, um simpático mamífero que está ameaçado de extinção. CARNÍVOROS - São mamíferos que possuem dentes caninos muito desenvolvidos e os molares modificados para cortar o alimento. Estes animais têm o olfato e a audição bem desenvolvidos, para poderem encontrar as suas presas. Os representantes mais conhecidos são o gato, leão, lobo, cão, foca, urso, leão-marinho, entre outros. PROBOSCÍDEOS - Nesta ordem, estão incluídos o elefante indiano (Elephas), que pode ser visto nos circos; e o elefante africano (Loxodonta), que é o mais agressivo e possui orelhas enormes. A principal característica desses animais é a presença do nariz e parte do lábio superior alongados, em forma de tromba ou proboscide longa e flexível, que funciona como mão. Esses animais possuem dentes incisivos superiores muito desenvolvidos (presas de marfim). Por este motivo, esses grandes mamíferos se tornaram alvo de caçadores e ladrões. O elefante africano é o maior animal terrestre. PERISSODÁCTILOS - São considerados mamíferos que possuem dedos ímpares e se apóiam sobre cascos. Por este motivo, são chamados de ungulados (com casco). Como exemplos, temos o cavalo, a anta, a zebra e o rinoceronte. A anta é o maior mamífero terrestre da fauna brasileira. ARTIODÁCTILOS - Estes mamíferos também são ungulados. No entanto, eles possuem um número par de dos (2 ou 4). Entre os artiodáctilos, encontramos os ruminantes, como o boi, o carneiro, o búfalo, o camelo e a girafa. Eles possuem o estomago dividido em quatro partes: pança, barrete, folhoso e coagulador. Há aqueles que não são ruminantes, como o porco, o hipopótamo e o javali. PRIMATAS - São mamíferos superiores que se caracterizam por apresentarem membros alongados, e mãos e pés com cinco dedos providos de unha. Nas mãos dos primatas, o dedo polegar fica numa posição oposta aos outros dedos Esta característica permite que eles tenham maior habilidade no manuseio dos objetos. Na ordem dos primatas, temos os vários tipos de macacos (gorila, chimpanzé, orangotango, gibão) e o homem. <br />Os Mamíferos da Antártica: <br />        Ao contrário do Ártico, onde existem mamíferos terrestres, na Antártica, os mamíferos vivem no mar e estão agrupados em duas ordens: Pinnipedia (focas e lobos-marinhos) e Cetacea (baleias, botos e golfinhos).<br />        Os cetáceos, que parecem ter derivado de algum ancestral primitivo que abandonou a terra, sofreram diversas adaptações morfológicas e fisiológicas que lhes permitiram viver no meio aquático. Seus corpos perderam o pêlo e tornaram-se torpediformes para facilitar a natação. A diminuição do peso, devido ao empuxo, teria permitido que eles atingissem as grandes dimensões observadas, como ocorre com a baleia-azul, com até 32 metros de comprimento e 165 toneladas. A baleia-azul possui coloração azul-acinzentada, num tom que varia de indivíduo para indivíduo.<br />        O cachalote é, provavelmente, o mais conhecido dentre os cetáceos, popularizado pelo livro Moby Dick, publicado pelo escritor norte-americano Herman Melville, em 1851. Possui como característica marcante o formato retangular da cabeça, desproporcionalmente maior que a mandíbula. Podem mergulhar a grandes profundidades, cerca de 2.000 metros no caso de grandes machos, para buscar suas presas, principalmente, as lulas gigantes, que podem chegar a 18 metros, considerando a cabeça e os tentáculos. A duração do mergulho pode durar mais de 45 minutos. Podem atingir 20 metros de comprimento, 38 toneladas e 50 anos de idade.<br />        As grandes baleias, geralmente, realizam migrações movidas por duas necessidades vitais da espécie: alimentação e reprodução. No verão, vão para os pólos à procura do alimento abundante, acumulando grande quantidade de gordura em alguns meses. Com a chegada do inverno polar, as grandes baleias, geralmente, deslocam-se em direção ao Equador, em busca de águas mais quentes e de clima menos rigoroso, para o acasalamento e para criar seus filhotes. O período de amamentação dura, pelo menos, sete meses, com a mãe se dedicando integralmente ao filhote. O leite materno é muito nutritivo, rico em proteínas e calorias e um filhote de baleia-azul, que nasce com 5 toneladas, ingere quase 600 litros diários de leite, podendo dobrar seu peso em uma semana.<br />        Durante o período migratório e nas águas de reprodução e cria, as grandes baleias alimentam-se muito pouco. Como as estações do ano são invertidas nos dois hemisférios da Terra, as populações de baleias possuem períodos migratórios opostos e, como conseqüência, as baleias do Norte não se encontram com as baleias do Sul.<br />        A ordem Pinnipedia, grupo de mamíferos aquáticos que tem os quatro membros, com os dedos unidos por membranas, possui duas famílias na Antártica: a Otariidae, com 14 espécies, entre as quais os lobos-marinhos (focas-de-pêlo) e os leões-marinhos e a Phocidae, com 18 espécies em todo mundo, dentre as quais a foca-de-weddell e o elefante-marinho.<br />        Todos os pinípedes são altamente adaptados à vida aquática e, ao contrário dos cetáceos, necessitam retornar à terra ou ao gelo flutuante para descansar e procriar.<br />        O lobo-marinho ou foca-de-pêlo é o único representante da família Otariidae que habita a Antártica. Anda sobre as suas quatro nadadeiras, com o tórax levantado, balançando, mas é muito veloz mesmo sobre pedras e rochas. Tem orelhas pequenas, mas bem visíveis. Vivem em pequenos grupos familiares e atacam o homem enquanto têm cria.<br />        A família Phocidae possui cinco representantes na região antártica. Ocupam as praias continentais e ilhas subantárticas e, no inverno, distribuem-se sobre as banquisas, "pack-ice". Esses representantes são a foca-de-Weddell, a foca-leopardo, a foca-caranguejeira, a foca-de-Ross e o elefante-marinho e possuem mecanismos de alimentação diferentes.<br />        Já os elefantes-marinhos são caracterizados pelo seu tamanho. Um macho adulto, que possui uma espécie de tromba, chega a medir 6 metros de comprimento e pesar 4 toneladas. Passam a maior parte do inverno no mar e só retornam aos locais de acasalamento no começo de setembro. As fêmeas atingem até 3,5 metros e são atraídas pelos machos sexualmente maduros, que mantêm haréns de 5 a 30 fêmeas e lutam para defendê-las de outros machos. Os filhotes nascem em outubro e pesam de 40 a 50 quilogramas. Os elefantes-marinhos movem-se como lagartas, rastejando pelo chão. Na água, movem-se com agilidade e mergulham por longos períodos para se alimentar, principalmente, de lulas (75%) e peixes (25%).<br />http://www.portalbrasil.net/educacao_seresvivos_vertebrados_mamiferos.htm<br />O GORILA<br />Os gorilas são mamíferos primatas pertencentes ao género Gorila, endémicos das florestas tropicais do centro da África. O fato de compartilharem 98%-99% do DNA com os seres humanos faz dos gorilas o parente vivo mais próximo, logo depois dos chimpanzés. O gorila é o maior primata actualmente.<br />Os gorilas vivem em florestas tropicais ou subtropicais. Apesar da sua área de distribuição abranger apenas uma pequena percentagem de África, os gorilas existem numa grande variedade de altitudes. Os gorilas de montanha habitam as florestas montanhosas do Albertine Rift, existindo entre os 2.225 até aos 4.267 m. Os gorilas do ocidente moram em florestas densas e pântanos das terras baixas e marisma até ao nível do mar. Os machos medem entre 1,65 e 2 metros de altura, e pesam entre 170 e 250 kg e as fêmeas tem metade do peso dos machos, sendo considerado o maior dos primatas da actualidade. É capaz de levantar até 2 toneladas com os dois membros inferiores. Os gorilas, geralmente, se locomovem em quatro patas. As suas extremidades anteriores são mais longas que as posteriores e semelhantes a braços, ainda são utilizadas também como ponto de apoio ao caminhar.<br />O cavalo<br />O cavalo  é um mamífero hipomorfo, da ordem dos ungulados, uma das sete espécies modernas do gênero Equus. Esse grande ungulado é membro da mesma família dos asnos e das zebras, a dos equídeos. Todos os sete membros da família dos equídeos são do mesmo gênero, Equus, e podem relacionar-se e produzir híbridos, não férteis, como as mulas. Esses animais dependem da velocidade para escapar a predadores. São animais sociais, que vivem em grupos liderados por matriarcas. Os cavalos usam uma elaborada linguagem corporal para comunicar uns com os outros, a qual os humanos podem aprender a compreender para melhorar a comunicação com esses animais. Sua longevidade varia de 25 a 30 anos.<br />O cavalo teve, durante muito, tempo um papel importante no transporte; fosse como montaria, ou puxando uma carruagem, uma carroça, uma diligência, um bonde, etc.; também nos trabalhos agrícolas, como animal para a arar, etc. assim como comida. Até meados do século XX, exércitos usavam cavalos de forma intensa em guerras: soldados ainda chamam o grupo de máquinas que agora tomou o lugar dos cavalos no campo de batalha de "unidades de cavalaria", algumas vezes mantendo nomes tradicionais .<br />O leão<br />O leão é um grande felino, originalmente encontrado na Europa, Ásia e África. Tais felinos possuem coloração variável, entre o amarelo-claro e o marrom-escuro, com as partes inferiores do corpo mais claras, ponta da cauda com um tufo de pêlos negros (que encobrem um esporão córneo, para espantar moscas) e machos com uma longa juba. Há ainda uma raridade genética de leões brancos, que, apesar de sua linda aparência, apresentam dificuldades de sobrevivência por se destacarem nas savanas ou selvas, logo, tendo imensas dificuldades de caça. São exclusivos da reserva de Timbavati.<br />Os leões estão muito concentrados atualmente nas savanas reservadas, onde caçam principalmente grandes mamíferos, como antílopes, zebras,javalis; um grupo abate um búfalo-africano entretanto, se o bando estiver faminto pode abater um elefante jovem, na maioria das vezes, e que esteja só. Também é freqüente o confronto com hienas, estando estas em bandos ou não, por disputa de território e carcaças.<br /> http://animaisterrestres.blogs.sapo.pt/<br />HABITAT E DISTRIBUIÇÃO - Este lince é uma espécie exclusivamente ibérica que em Portugal se limita a algumas serras da Beira Baixa (serra da Malcata), Alentejo (região das Alcáçovas) e Algarve (Serra de Monchique). Abriga-se entre as rochas ou nas cavidades das árvores em bosques abertos de pinheiros nas montanhas, em matas densas de silvas, giestas, tojos e estevas ricas em caça menor.ALIMENTAÇÃO E HÁBITOS - Sai ao fim da tarde e alimenta-se de coelhos e lebres, crias de gamo e de veado e aves de solo. Quando caça é paciente, sigiloso e dotado de grande rapidez de reflexos, o que o habilita a perseguir grande parte de animais da fauna Mediterrânica. Nessa actividade eminentemente nocturna, é de particular importância a sua audição apurada e uma visão capaz de discernir no escuro o mais pequeno movimento – de onde vem exactamente a expressão “olho de lince”.<br />DESCRIÇÃO – O seu aspecto geral é semelhante ao de um gato de cauda curta e romba. Grandes patilhas de extremidade em ponta e orelhas com tufos de pêlos negros nas extremidades. As partes superiores são cinzento-arruivadas, com manchas escuras sobre o dorso, flanco e membros. As patas inferiores são branco-amareladas e a extremidade da cauda é negra. A sua pegada é arredondada e similar à do lobo, mas com as almofadas mais pequenas. As suas patas anteriores são voltadas ligeiramente para dentro e as suas garras não deixam marcas, pois são retrácteis.<br />REPRODUÇÃO – Acasala entre Fevereiro e Março; a gestação é de 63 a 74 dias, nascendo entre duas a quatro crias numa ninhada por ano.<br />LONGEVIDADE –15 anos em liberdade e 17 em cativeiro.<br />FACTORES DE AMEAÇA – Destruição, degradação ou fragmentação de habitates, perseguição directa pelo homem (tanto por causa da pele, como por razões de medo ou segurança) e ainda pela escassez da sua principal presa natural, o coelho bravo.<br />MEDIDAS DE CONSERVAÇÃO – O Lince corre risco sério de extinção e os raros exemplares que restam em Portugal, estão protegidos pela lei em Portugal e Espanha. <br />http://www.prof2000.pt/users/secjeste/aniextin/Pg000100.htm<br />

×