Trab psicologia mar 12ºb

603 visualizações

Publicada em

Trabalho disciplina de Psicologia - Funções do cotex e localização de lesões cerebrais

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
603
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
114
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Os Lobos Temporais estão localizados nas partes laterais de cada hemisfério do cérebro Humano.
    É a estrutura central responsável pelo armazenamento da memória. 
    A sua principal função é processar os estímulos auditivos. Os sons produzem-se quando a área auditiva primaria é estimulada. A área auditiva secundaria tem a função de processar os sons captados e compara-los aos conhecidos permitindo-nos reconhecer aquilo que ouvimos ou atribuindo-lhes significados diferentes.
    Área de Wernicke - responsável pela compreensão e a produção do discurso, permitindo-nos organizar as palavras em frases dando lhes sentido (sintaticamente).
  • Colocar imagem da p. 54 dos córtex primário e secundário
  • Imagem da área de wernicke
  • Basicamente é um AVC isquémico só que em vez de ocorrer no cérebro, ocorre nas pernas.
  • Trab psicologia mar 12ºb

    1. 1. Funções do córtex e localização das lesões Andreia Domingues, nº1 Mariana Ramos, nº9 Rita Costa, nº10 2014/2015
    2. 2. Lobo Temporal  A sua principal função é processar os estímulos auditivos.  Responsável pelo armazenamento da memória.
    3. 3. Uma lesão nesta área pode provocar a surdez cortical – incapacidade de ouvir sons elementares. Área Primária (recebe informação auditiva) Área Secundária (analisa, identifica e interpreta a informação auditiva) Uma lesão nesta área pode provocar agnosia auditiva - incapacidade de reconhecer e identificar sons vulgares. Lesões
    4. 4. Uma lesão nesta área leva a perturbações na linguagem - surdez verbal. Ex: “a mãe está fora de casa a trabalhar o seu trabalho para se sentir melhor, mas quando olha os dois rapazes olham no outro lado”. Uma lesão nesta zona pode provocar a perda quase completa da fala. Ex: sim…quarta- feira…segunda- feira…jogo…bilhetes. Área de Broca (articulação do discurso) Área de Wernicke (compreensão da linguagem)
    5. 5. Acidente Vascular Cerebral (AVC)  Provocado por uma redução ou interrupção do fluxo sanguíneo às células cerebrais AVC Isquémico AVC Hemorrágico
    6. 6. Causas Não modificáveis Modificáveis • Idade > 50 – 60 anos; • Sexo masculino tem mais AVC, mas a mortalidade incide mais nas mulheres; • Hereditariedade; • Grupo étnico e social (EUA e África têm mais do que a Europa). • Tensão arterial; • Obesidade; • Tabagismo; • Colesterol; • Diabetes; • Sedentarismo; • Doença cardíaca; • Álcool; • Drogas.
    7. 7. Sintomas • Paralisia do lado esquerdo do corpo; • Defeitos no campo visual esquerdo; • Muito distraído; • Comportamento impulsivo; • Não tem consciência do problema. • Paralisia do lado direito do corpo; • Defeito no campo visual direito; • Afasia (dificuldade em falar); • Capacidade intelectual alterada; • Comportamento lento; • Falta de memória. AVC – Hemisfério Direito AVC – Hemisfério Esquerdo
    8. 8. Consequências  1 em cada 3 ficam com alguma incapacidade;  1 em cada 5 ficarão dependentes e necessitam de alguém para cuidar de si.
    9. 9. Prevenção  Ter um estilo de vida saudável:  Exercício físico regular;  Alimentação equilibrada - pobre em sal, açúcares e gorduras saturadas;  Peso adequado;  Consumir álcool de forma ligeira;  Não fumar.  Vigiar:  Tensão arterial;  Diabetes;  Colesterol;  Ritmo cardíaco.
    10. 10. Trombose  Formação de um coágulo sanguíneo numa ou mais veias localizadas da parte inferior do corpo, geralmente nas pernas.
    11. 11. Causas  Ficar sentado ou deitado durante muito tempo;  Hipercoagulabilidade – facilidade da coagulação sanguínea;  Gravidez – aumenta a pressão exercida nas veias;  Tabagismo;  Obesidade;  Insuficiência cardíaca.
    12. 12. Sintomas  Dor nas pernas, principalmente nas panturrilhas, podendo chegar até o pé e/ou tornozelo;  Sensação de queimadura na região afetada;  Mudanças na cor da pele da região afetada pela doença, pode começar a ficar vermelha ou azul  Inchaço.
    13. 13. Tratamento  Anticoagulantes - diminuem as chances de haver coagulação do sangue;  Uso de medicamentos;  Inserção de filtros na maior veia do abdômen para impedir que os coágulos sanguíneos se desloquem para os pulmões;  Meias de compressão.
    14. 14. Doença de Parkinson “Tremores involuntários e diminuição da força muscular das partes do corpo que não se encontram em atividade ou estejam apoiadas, acompanhadas de uma tendência para inclinar o tronco para a frente e para passar da marcha para o passo de corrida, mantendo intactos os sentidos e o intelecto.” James Parkinson (1817)
    15. 15. Caraterísticas  É uma doença crónica que afeta o sistema motor, ou seja, que envolve os movimentos corporais;  A doença pode manifestar-se pela quinta ou sexta década da vida, e só excecionalmente mais cedo;  A sua incidência aumenta com a idade constituindo esta, só por si, um fator de risco;  Afeta ambos os sexos com ligeira preponderância para o sexo masculino
    16. 16. Evolução 1º estádio Surgem tremores e dificuldades de movimento nos membros superiores e principalmente nos braços. 2º estádio Surgem dores rigidez nos músculos dos membros inferiores devido à dificuldade de locomoção. 3º estádio Afeta a cabeça e o pescoço da pessoa, realizando movimentos repetitivos com a cabeça como se estivesse negando e afirmando algo ao mesmo tempo.
    17. 17. Sintomas Clássicos • Tremor; • Rigidez; • Bradicinésia (dificuldade em iniciar o movimento); • Acinésia (dificuldade em movimentar-se); • Instabilidade postural (equilíbrio). Secundários • Faciais (não tem expressão); • Problemas de visão (turva); • Problemas da fala (mais arrastada); • Alterações cognitivas/comportamentais (depressão).
    18. 18. Causas  Uso exagerado e contínuo de medicamentos;  Trauma craniano repetitivo (ex: boxistas);  Isquemia cerebral (quando a artéria que leva o sangue à região cerebral está entupida);  Frequentar lugares tóxicos (fábricas).
    19. 19. Tratamento  A doença de Parkinson não tem cura, mas tem tratamento:  Farmacológico;  Cirúrgico  Estereotaxia (aliviar os sintomas na lesão microscópica presente no cérebro);  Eletrodos cardíacos (emitem estímulos para o cérebro).  Exercício físico adaptado (relaxamento, treino em movimentar-se)  Fisioterapia;  Terapia em grupo.

    ×