10 vulcanologia

1.075 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.075
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

10 vulcanologia

  1. 1. Vulcanologia Maria João Drumond (versão de 2014)
  2. 2. Açores – Laboratório das CT
  3. 3. Contexto geológico
  4. 4. Vulcanismo fissural  as erupções ocorrem ao longo de fracturas/fendas na superfície terrestre podendo atingir vários kms de comprimento  não possui chaminé cilíndrica  não possui cratera circular  lavas básicas  erupção continental origina extensos planaltos de lava basáltica  erupção subaquática origina novos fundos oceânicos
  5. 5. Vulcanismo central  associado a vulcões do tipo cónico  possui chaminé cilíndrica  possui cratera circular central num cone mais ou menos elevado  a libertação de materiais ocorre numa zona restrita  erupção origina cones vulcânicos
  6. 6. Tipos de actividade
  7. 7. Tipos de Erupções
  8. 8. Composição de magmas
  9. 9. Havaiano •Caracteriza-se pela natureza efusiva das suas erupções e pela ausência de projecções, formando-se apenas escoadas de lava incandescentes •Aparelho vulcânico de cone baixo e vertentes suaves •Exemplos destas erupções são os vulcões das Ilhas Hawai Mauna Loa e Kilauea.
  10. 10. Estromboliano •Caracteriza-se por uma actividade mista, ou seja, por efusões de lavas menos fluidas que as do tipo havaiano alternando com períodos explosivos, mas de pouca violência, acompanhados por ejecções de materiais piroclásticos normalmente bombas e lapilli. •Aparelho vulcânico cónico, mas com declives mais acentuados que os dos cones havaianos. •Como exemplos destas erupções os vulcões Paricutime Stromboli.
  11. 11. Vulcaniano •magma apresenta-se viscoso e a libertação dos seus gases origina explosões violentas com formação de lavas. A lava ejectada é pulverizada em cinzas e blocos (pedra-pomes). •Aparelho vulcânico, é um cone formado por cinzas litificadas •Como exemplo, podemos mencionar o famosíssimo Vesúvio.
  12. 12. Peleano •Como consequência do aumento de pressão no interior do vulcão ocorrem explosões violentas, com formação de nuvens ardentes, densas e temperaturas muito elevadas, que descem em turbilhão ao longo das encostas como se se tratasse de avalanches •Neste tipo de erupções a lava, muito viscosa, solidifica sob a forma de agulhas na parte superior da chaminé principal, impedindo a libertação de gases. •A Montanha Pelada, na ilha Martinica, exemplifica este tipo de erupção .
  13. 13. Tipo de Actividade Havaiano Estromboliano Vulcaniano Peleano Grau de Viscosidade Muito fluida Fluida Viscosa Muito da lava viscosa Conteúdo em gases Muito pobre Pobre Rico Muito rico Materiais Expelidos • Sem piroclastos • Rios de lava •Escoadas longas • Lavas encordoadas • Escoadas curtas • “Lapilli” • Bombas • Escoadas muito curtas • Cinzas • “Lapilli” • Bombas • Doma ou Agulha • Nuvem ardente Natureza da Erupção Efusiva Mista Explosiva Catastrófica
  14. 14. Tipos de materiais expelidos
  15. 15. Materiais vulcânicos
  16. 16. Lavas encordoadas ou pahoehoe
  17. 17. Lavas escoriáceas ou aa
  18. 18. Lavas escoriáceas MJDrumond (Gruta do carvão – S. Miguel)
  19. 19. Lavas em almofada ou pillow-lava
  20. 20. Pillow-lava
  21. 21. MJDrumond (Ribeira da Janela - Madeira)
  22. 22. Túneis de lava MJDrumond (Gruta do carvão – S. Miguel) MJDrumond (Gruta do carvão – S. Miguel)
  23. 23. Túneis de lava
  24. 24. Estalactites lávicas MJDrumond (Gruta do carvão – S. Miguel)
  25. 25. Disjunção colunar do basalto
  26. 26. MJDrumond (Ribeira da Janela – Madeira)
  27. 27. Disjunção colunar do basalto
  28. 28. MJDrumond (Funchal – Madeira)
  29. 29. MJDrumond (Caniçal – Madeira)
  30. 30. MJDrumond (praia do garajau – Madeira)
  31. 31. Cinzas (menos de 2mm)
  32. 32. Cinzas
  33. 33. Lapili (2mm a 64mm) MJDrumond (Mosteiros – S. Miguel) MJDrumond (Ferraria– S. Miguel)
  34. 34. Bombas (mais de 64mm)
  35. 35. Bombas
  36. 36. Pedra pomes
  37. 37. MJDrumond (lagoa do Fogo – S. Miguel) Caldeira Vulcânica
  38. 38. Caldeira Vulcânica MJDrumond (Lagoa das Sete Cidades – S. Miguel)
  39. 39. Caldeira Vulcânica Caldeira de subsidência ou de colapso
  40. 40. Caldeira Vulcânica
  41. 41. Caldeira Vulcânica http://www.azoresgeopark.com/geoparque_acores/fotos/geositios_big/1_44_big.jpg
  42. 42. Caldeira Vulcânica http://www.cvarg.azores.gov.pt/SiteCollectionImages/Ilha%20S.%20Miguel/WCongro1(jlg).jpg
  43. 43. Caldeira Vulcânica As crateras do tipo maar não estão normalmente associadas a um cone vulcânico bem definido (como as mais conhecidas lagoa das sete cidades, lagoa do fogo e lagoa das furnas). A lagoa do congro, situa-se numa importante zona sismogénica da ilha de são Miguel numa cratera - com cerca de 500m de diâmetro e de íngremes taludes maioritariamente constituídos por traquitos - que terá surgido há cerca de 3900 anos com origem em explosões freatomagmáticas, ou seja, quando o magma (a elevadas temperaturas) em ascenção contacta com águas superficiais ou níveis freáticos (de temperaturas consideravelmente mais baixas) das formações sobrejacentes originando bruscas explosões impulsionadas pelo vapor. (…) Cratera de explosão - Maar
  44. 44. Caldeira Vulcânica (…) Estas erupções freáticas são, assim, explosões que ocorrem com resultado do rápido aquecimento da água até ao ponto de ebulição, o que aumenta o seu volume em mais de 1000x, originando na maioria das vezes uma coluna vertical de vapor, água, cinza e outros piroclastos. Frequentemente, as crateras de maar originam lagoas. Esta cratera de maar açoriana é pequena quando comparada com as que ocorrem no Canadá, sendo as últimas maiores uma vez que o magma é continuamente alimentado por água que derrete lentamente do permafrost. Deste modo, o fornecimento lento, mas regular, de água origina erupções explosivas prolongadas (devido à pequena razão entre a água e o magma) que formam grandes crateras de maar.
  45. 45. Géiser jactos intermitentes e periódicos de água e vapor de água, a elevadas temperaturas, típicos de algumas regiões vulcânicas. A água expelida tem origem nas camadas freáticas, que se localizam próximo da bolsada magmática. Depois de aquecidas, forma-se vapor de água, que ascende à superfície através das fendas das rochas encaixantes.
  46. 46. Fumarolas emanações gasosas exaladas pelas fissuras das rochas, situadas próximo de vulcões activos. De acordo com a natureza dos gases exalados, podem ser denominadas: sulfataras, se os gases que predominam são ricos em enxofre, e mofetas, se o principal gás presente for o dióxido de carbono. MJDrumond (Furnas– S. Miguel) MJDrumond (Caldeira Velha– S. Miguel)
  47. 47. Fumarolas MJDrumond (Furnas – S. Miguel)
  48. 48. Fumarolas MJDrumond (Furnas – S. Miguel)
  49. 49. Fumarolas MJDrumond (Furnas – S. Miguel)
  50. 50. Nascentes termais emanações de água, vapor de água e dióxido de carbono a elevadas temperaturas. Depois de aquecidas em profundidade, estas águas voltam à superfície a elevadas temperaturas. As fontes termais dos Açores, S. Pedro do Sul, entre outras, resultam deste tipo de águas. MJDrumond (Furnas– S. Miguel) MJDrumond (Furnas– S. Miguel)
  51. 51. Nascentes termais MJDrumond (Furnas– S. Miguel) MJDrumond (Furnas– S. Miguel)
  52. 52. Distribuição geográfica dos vulcões
  53. 53. Subducção
  54. 54. Hotspots
  55. 55. Hotspots
  56. 56. Hotspots
  57. 57. Arco insular http://images.slideplayer.es/2/141972/slides/slide_2.jpg
  58. 58. Arco insular Ilhas Aleutas Japão Filipinas
  59. 59. http://2.bp.blogspot.com/-gHtXQyGY5Ps/Tqq_VZheLqI/AAAAAAAAAAc/vNz-JCfQNmo/s1600/20070417klpcnatun_54.Ees.SCO.png

×