Texto de Andrea Neves sobre Tancredo Neves

857 visualizações

Publicada em

Trechos do texto produzido por Andrea Neves, neta de Tancredo, quando ela tinha 25 anos - Revista Vogue - 1984

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
857
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Texto de Andrea Neves sobre Tancredo Neves

  1. 1. Vovô Tancredo, o encanto possível Trechos do texto produzido por Andrea Neves, neta de Tancredo, quando ela tinha 25 anos. Revista Vogue - 1984
  2. 2. A primeira lembrança é de uma tarde no apartamento de Copacabana. Ele, com infinita paciência, cantava Se Essa Rua Fosse Minha . Excitada pelo fascínio que a biblioteca me despertava e pela impressão que as ilustrações de A Divina Comédia me causara, relutava em conseguir dormir. Depois, como em todas as manhãs, vieram as histórias (verdade que sempre as mesmas...) e eu seria capaz de jurar que ele se divertia tanto quanto eu com as nuances de voz e expressão que criava para os personagens. Paulo Mendes Campos dizia que os grandes milagres, ao contrário do que pode parecer, não acontecem depressa, mas devagar, muito devagar. De certa forma é também o que acontece com as “grandes lições” que a vida nos oferece. Através dos olhos, da voz e do coração de primeira neta (quero) revelar (neste texto) um pouco do afeto e da ternura que o dia-a-dia insiste em tentar nos fazer esquecer.
  3. 3. Avanço no tempo e lá estávamos nós, passeando pelas ruas de São João del Rei. Em cada esquina, uma história; a cada passo, um amigo, um dedo de prosa, um abismo de recordações. Lembro-me, numa dessas ocasiões, do desassossego que me tomou conta, quando, entreouvindo uma dessas conversas, descobri, encantada, que ele também fora menino, nadara no Olho d’Água e brincara nas torres da Matriz...
  4. 4. Agora, as conversas eram verdadeiras aulas de história e a facilidade com que discorria sobre os mais diversos assuntos me ingressou num mundo novo. É, até hoje, fascinante vê-lo, na descontração do universo familiar, falar com a mesma intimidade sobre os grandes clássicos da literatura universal, sobre alguns aspectos de determinada teoria política ou mesmo comentar a técnica de uma jogadora de basquete. A ecleticidade da sua formação faz com que navegue com segurança e naturalidade sobre as mais diversas áreas do conhecimento humano. É também nessas ocasiões que melhor se revela a agudez do seu espírito: bem-humorado, domina com maestria o uso da ironia sem jamais chegar ao sarcasmo, ao mesmo tempo em que é capaz de levar um “oponente” ao exaspero sem sequer alterar o tom da voz. São presentes dele alguns dos meus melhores livros e só não foram mais importantes na minha formação do que as dedicatórias que os acompanham. Chegou a minha adolescência e com ela a descoberta de uma nova dimensão de sua figura.
  5. 5. No espaço de vida real, o avô e o político se confundem revelando o homem na sua dimensão maior. E é esse quem vem nos legando a mais valiosa de todas as heranças: o seu exemplo vivo de coragem, lealdade e serenidade. Coragem que revela ao sustentar as suas posições contra as platéias mais adversas; lealdade quando reserva, mesmo aos adversários, toda a sua atenção e respeito e a serenidade que caracteriza os que sabem discernir entre a limitação e o infinito dos fantasmas que povoam as almas humanas.
  6. 6. A rigidez do seu caráter, a profunda solidariedade que o liga aos amigos e a fé que ainda consegue ter nos destinos do país são aspectos da sua personalidade que transparecem para todos que partilham do seu convívio.
  7. 7. Se é verdade que a minha infância o quis mais por perto e que a minha adolescência lhe cobrou alguns arroubos, também é verdadeiro o profundo encantamento que sua alma sempre exerceu sobre o meu coração. O tempo tem a sua medida e foi justamente ela que foi, aos poucos, me revelando novas dimensões da sua figura humana.
  8. 8. Fecho os olhos e vejo, no aniversário de sua irmã, cantando Elvira Escuta . No instante seguinte, é Natal e sua voz grave ecoa pela sala através dos versos de Noite Feliz . Vou à janela, respiro fundo e penso que apesar de serem poucos os meus anos e muitas as coisas já desacreditadas, algum encanto, que ainda não me foi revelado, deve existir num mundo capaz de produzir homens como este. A sua bênção, meu avô.

×