Rendimentos à escala

14.069 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.069
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Rendimentos à escala

  1. 1. Rendimentos à escala: Reflectem a resposta do produto total quando todos os factores aumentamproporcionalmente. Os rendimentos constantes à escala: Referem-se ao caso em que uma variação de todos os factores leva a umavariação proporcional da produção. Por exemplo, se o trabalho, a terra, o capital eoutros factores duplicam, então, sob rendimentos constantes à escala, a produçãodeverá também duplicar. Os rendimentos crescentes à escala: Ocorrem quando um aumento de todos os factores produtivos leva a umaumento mais do que proporcional do nível de produção. Por exemplo, uma fábricafaz um planeamento em que aumenta 10% os factores de trabalho, capital ematérias-primas, mas a fábrica começa a produzir mais de 10%o produto total. Os rendimentos decrescentes à escala: Ocorrem quando um aumento proporcional de todos os factores de produçãoleva a um aumento menos do que proporcional do produto total. Por exemplo umaempresa de produção eléctrica que descobriu que quando as centrais se tornavammuito grandes, o risco de falha das centrais era muito maior. Classificação do tempo para os economistas: Curtíssimo prazo: Período de tempo tão curto que não permite qualqueralteração da produção. Curto prazo: Os factores variáveis, matéria primas e trabalho podem serajustados. Longo prazo: Todos os factores produtivos (incluindo o capital) podem seralterados. A função de produção depende da tecnologia utilizada: O progresso tecnológico permite produzir mais com a mesma quantidade defactores. O progresso tecnológico refere-se à alteração da tecnologia (novosprodutos, melhorias nos produtos antigos, alteração nos processos de produção…) Produtividade de um factor: É o mesmo que o produto médio do factor, por exemplo a produtividade do factorde trabalho em uma região ou área geográfica.
  2. 2. Aula VII Custo total (CT): Representa a menor despesa monetária total necessária para produzir cada nívelde produção em quantidades. O CT aumenta quando q aumenta. CT = CF + CV Custo Fixo (CF): Representa a despesa monetária que é suportada, mesmo que não haja qualquerprodução; o custo fixo não é afectado por qualquer variação da quantidadeproduzida (rendas, salários fixos, etc.). Custo Variável (CV): Representa a despesa que varia com o nível de produção – como matérias-primas, salários e combustíveis – e inclui todos os custos que não são fixos. Custo Marginal (CMa): Representa o custo adicional, ou suplementar, que ocorre quando a produçãoadicional de uma unidade de produto. Por exemplo, considere que uma empresaestá a fabricar 1000 discos compactos, com um custo total de 10.000€. Se o custototal para produzir 1001 discos for de 10.006€, então o custo marginal deprodução do 1001º disco é de 6€. Basicamente o custo marginal de produção é ocusto adicional decorrente da produção de 1 unidade adicional. Custo Médio (CMe): É o custo total dividido pelo número total de unidades produzidas. CMe = CT / q Custo Fixo Médio (CFM): É o custo fixo dividido pelo número de unidades produzidas. O custo fixo é uma constante, se a dividirmos pela produção crescente, obtemos uma curva continuamente decrescente. CFM = CF / q Custo Variável Médio (CVM): É igual ao custo variável dividido pela produção. Graficamente diminui primeiro e depois aumenta.
  3. 3. CVM = CV / q Exemplo: Utilizemos o exemplo do bananal descrito na aula 6: Consideremos que o salário dos trabalhadores é de 10€. Um trabalhador apanha 10 cachos, logo o custo médio por cacho é de 1€. O custo do trabalho é de 10€. Se contratarmos mais um trabalhador, os dois trabalhadores apanham 18 cachos. O custo do trabalho é de 20€. O custo médio é de 20/18 = 1,11€. Agora calculemos o custo marginal que será o aumento de custo para produzir mais um cacho de bananas. Então será entre os 10 cachos e os 18 cachos: 10/8 = 1,25€. Podemos repetir os cálculos aumentando a produção e o factor de trabalho. Agora consideremos o seguinte quadro: Vamos estipular uma renda de 10€, isto seria o nosso custo fixo que nãodepende da quantidade produzida, e o nosso custo variável o ordenado dostrabalhadores que vamos contratando. Aqui podemos observar já inseridos oscustos marginais, os custos médios, fixos médios e variável médios, mediante asformulas apresentadas na página anterior. Função custo: É a despesa mínima necessária para produzir uma dadaquantidade. C = C (Q).Representaçãográfica dos custos:
  4. 4. A função custo está relacionada com a função de produção: Factores: Capital (K) e Trabalho (L) Função de produção: Q = Q (K,L) Função Custo: C = C (Q) = rK + wL Lei dos rendimentos decrescentes e os custos marginais crescentes: Regra do custo mínimo: Para produzir um determinado nível de produto aocusto mínimo, uma empresa deve comprar os factores produtivos até que tenhaigualado o produto marginal por unidade monetária gasta em cada factorprodutivo. Isto implica: Por exemplo utilizando os factores K e L que: Produto Marginal de L/Preço de L = Produto marginal de K/Preço de K Ou Preço de K/Produto Marginal de K = Preço de L/Produto Marginal de L Para os economistas todos os custos devem ser incorporados, mesmo se osfactores pertencerem ao próprio usando-se a noção do custo de oportunidade.
  5. 5. Aula VIII Vamos começar esta aula com o exemplo da aula anterior: Vamos supor que está inserido num mercado de concorrência perfeita. Asquantidades que oferecemos não alteram o preço e o pior que pode acontecer énão produzir e ter que pagar os custos fixos, ou seja ter um prejuízo igual aoscustos fixos. Nós vamos procurar maximizar o Lucro (π). Definição do Lucro: Em contabilidade designamos o lucro como a diferençaentre as receitas menos os custos adequadamente imputados aos bens vendidos.Na teoria económica designamos o lucro como a diferença entre as receitas dasvendas e o custo de oportunidade total dos recursos envolvidos na produção dosbens. Receita = P x Q; Custo = Custo Total e π = Receita – Custo Vejamos o que acontece com um preço a 0,5€: Q R CT Π Como podemos observar a um preço 0 0 10 -10 de 0,5€ obtém-se prejuízo em todas as 10 5 20 -15 fases de produção, porém prefere estar 18 9 30 -21 encerrado e ter um prejuízo de 10€. A 24 12 40 -28 oferta é nula abaixo do mínimo doscustos variáveis médios porque se a empresa não produzir nada, se encerrasse,apenas teria como prejuízo os seus custos fixos. Isto é conhecido como Regra deencerramento, isto ocorre quando as receitas apenas cobrem os custos variáveisou quando os prejuízos são iguais aos custos fixos. Quando o preço desce abaixo donível em que as receitas são iguais aos custos variáveis, a empresa minimizará osseus prejuízos com o encerramento. O ponto crítico acontece quando preço = CMe.
  6. 6. Q R CT Π Agora considerando o preço a 2€ 0 0 10 -10 podemos observar que temos lucro em 10 20 20 0 algumas fases da produção, no entanto, a 18 36 30 6 empresa produzirá só 24 unidades do 24 48 40 8 bem, pois é ali em que consegue 28 56 50 6 maximizar o lucro. Representação gráfica da curva da oferta: P P Q 2 0,5 0 1 10 2 24 110 24 Q No caso de uma função custo é a despesa mínima necessária para produzir umadada quantidade. C = C (Q). A oferta: Coincide com a curva dos custos marginais (crescente) acima dos custos variáveis médios (mínimo). P= Cma; no longo prazo, como não existem custos fixos, é em tudo idêntico mas será acima dos custos totais médios (mínimo). Condição de encerramento
  7. 7. No caso do Monopólio: Para vender mais quantidades o seu preço tem que diminuir, isto provoca que areceita adicional não é igual ao preço. Para vender mais uma unidade o preço detodas as unidades vendidas anteriormente desce. Exemplo: A procura é dada por Q = 1000 – 100P P = 1 Q = 900 R = 900 e P = 2 Q =800 R = 1600 A receita marginal total = 900 – 1600 = -700 Ao fazermos a análise custo benefício: Benefício: A receita marginal por unidade vendida. Custo: O custo marginal por cada unidade produzida. Para produzir o custo marginal não pode ser superior à receita marginal. Condição de Maximização do Lucro: O preço e a quantidade que maximizam o lucro de um monopolista ocorremquando a receita marginal iguala o custo marginal: RMa = CMa, em preço e quantidade equilíbrio (P* e q*) máximo de lucro. O lucro máximo ocorrerá quando a produção se encontrar no nível em que areceita marginal da empresa seja igual ao seu custo marginal. Observemos o seguinte quadro em que calculamos a receita marginal:
  8. 8. Neste quadro vamos observar a maximização do lucro quando RMa = CMa:Agora observemos graficamente: Lucro Custo Total
  9. 9. Para concluir vamos apresentar o equilíbrio no mercado num gráfico: Excedente do consumidor p A curva da procura Podemos observar o excedente do consumidor e do produtor atéchegar ao ponto de equilíbrio. q Excedente do produtor

×