O Ciberativismo sob a ótica midiática

431 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado por Danilo Teixeira Barbosa e Miguel Pincerno à disciplina de Teoria da Comunicação (2011) da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
431
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Ciberativismo sob a ótica midiática

  1. 1. Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes Departamento de Comunicações e Artes O Ciberativismo sob a ótica midiática Danilo Teixeira Barbosa Miguel Pincerno Trabalho referente à disciplina de Teoria da Comunicação da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Orientador: Prof. Dr. Anderson Vinícius Romanini. São Paulo 2011
  2. 2. 1. Teoria midiática A Teoria Midiática da comunicação, que tem como autor expoente Marshall McLuhan, da Escola de Toronto, aborda os problemas comunicacionais pela ótica dos meios, em que o conteúdo que está no meio é menos importante do que o canal, resumindo esta ideia na frase “O meio é a mensagem”. As sociedades se organizam de acordo com o espaço-tempo que vivenciam. Mudar este elemento significa mudar a maneira como o homem compreende o mundo e a si mesmo. Historicamente, as mudanças da percepção do espaço-tempo coincidiram com a mudança dos meios de comunicação, como na invenção da prensa, sendo possível a impressão de palavras escritas, não mais restringindo a troca de conhecimento a oralidade e audição. “A Revolução de Gutenberg criou um conjunto de técnicas de leitura que estruturou o fluxo da consciência.” (RUDIGER, 2010). Isso provocou uma mudança na maneira como o homem compreendia o mundo e na maneira de comunicar o conhecimento, logo, uma alteração das suas características cognitivas. A teoria dos meios defende que mais importante que o conteúdo contido numa dada comunicação, é o meio pelo qual os indivíduos estão recebendo o conteúdo. Os meios de comunicação são mais do que simples canais de transmissão de conteúdo, eles são o próprio conteúdo. O indivíduo perceberá o mundo, terá sua cognição, de acordo com o meio de comunicação, pois eles mudam as estruturas sociais de tempo e espaço, as relações sociais, as relações de produção, por isso, o meio provoca transformações no sistema cognitivo do indivíduo. Ou seja, Em resumo, a proposição [que] significa que o meio é a mensagem [quer dizer]: a mensagem que há nele é a alteração de padrão que produz na vida humana. Os conteúdos são secundários em relação às mudanças globais produzidas pelo surgimento de uma nova mídia na sociedade. As transformações na maneira de perceber e vivenciar a realidade são a mensagem de cada mídia de comunicação. (RUDIGER, 2010, p. 122). Podemos fundamentar esse pensamento com exemplos históricos, pois há também correlação entre as modificações dos sistemas de poder e o surgimento de novos meios de comunicação. Anterior ao surgimento da escrita, muitas decisões eram tomadas por consenso, pois a comunicação era feita oralmente. Dessa forma, o poder era dividido entre todos aqueles que se dispunham a expor sua opinião. Com a escrita, a opinião predominante passou a ser a de quem tinha habilidade para demonstrar suas ideias através de palavras, pois assim elas eram perpetuadas. Logo, os indivíduos que
  3. 3. dominavam esta nova tecnologia, a escrita, detinham o poder. Da mesma forma, com o surgimento da impressão, quem tivesse acesso a nova tecnologia poderia multiplicar suas ideias em livros, tornando-as mais presentes. A respeito dessa relação, entre poder e meio de comunicação, Harold Innis (1951), citado por Rudiger (2010, p.121), pensa que: Na civilização ocidental, a existência de uma sociedade estável depende do justo equilíbrio entre os conceitos de espaço e tempo. […] A característica dos meios de comunicação, porém, é engendrar esse desequilíbrio na civilização, na medida em que favorecem ou o conceito de tempo, ou o conceito de espaço. (RUDIGER, 2010, p. 121). Hoje estamos passando por uma nova mudança nos meios de comunicação, dado o surgimento e utilização em grande escala dos meios de comunicação eletrônicos. Assim, considerando a relação entre meios de comunicação e poder, bem como o conceito de “aldeia global” de McLuhan, no qual o mundo caminha – podendo já estar – para o estabelecimento de uma sociedade global, em que as mensagens trocadas entre os indivíduos são similares à relação que se tem em uma aldeia, com mensagens rápidas, concisas, em tempo acelerado, além de uma semelhança de valores, questiona-se quem será o novo “empoderado” com essa mudança. Diferentemente das mudanças anteriores, essa é em escala mundial, fazendo com que indivíduos anteriormente distantes se conectem diretamente, quebrando de uma só vez as características sociais de espaço e tempo. O que já é possível perceber, por conta de exemplos recentes, é a vontade destes indivíduos de tomarem esse poder para si, ou seja, ser uma sociedade realmente empoderada através dos meios de comunicação, guiados por características da Hipermodernidade como a valorização da democracia e a crítica a instituições modernas. 2. Ciberativismo Antes de iniciarmos o estudo do ciberativismo e de seus desdobramentos comunicacionais, faz-se necessária uma breve definição do mesmo. Segundo Sérgio Amadeu da Silveira, professor de pós-graduação na Faculdade de Comunicação Cásper Líbero, podemos entender o conceito da seguinte forma: “Por ciberativismo podemos denominar o conjunto de práticas em defesa de causas políticas, socioambientais, sociotecnológica e culturais, realizadas nas redes cibernéticas, principalmente na Internet.”. E, ainda, de acordo com Dênis de Moraes, pesquisador e professor da Universidade Federal Fluminense, “o ciberativismo alicerça campanhas e aspirações à
  4. 4. distância, no compasso de causas que se globalizam (combate à fome, defesa do desenvolvimento sustentável, preservação do equilíbrio ambiental, direitos humanos, luta por um sistema de comunicação pluralista).”. (apud CAMPOS, 2004, p.5). O ciberativismo nasce em conjunto com a difusão da Internet pelo mundo; no Brasil, especificamente, a partir de meados da década 90. Ativistas de causas sociais, políticas, ambientais, econômicas, etc, passam a enxergar a rede mundial de internet como um campo vasto – e ilimitado – em que são permitidas quaisquer formas de expressão de ideologias, opiniões e críticas antes não permitidas pelos meios tradicionais de comunicação, tais como o rádio e a televisão. O movimento ativista – que reúne, desde o início do processo de civilização mundial, milhares de pessoas em prol de alguma causa, seja ela de cunho político, sócio-econômica ou ambiental – encontrou na Internet a fonte ideal de disseminação de informações e conscientização pública a respeito de diversos assuntos antes limitados a pequenos grupos isolados. Além disso, a possibilidade de manifestações através da Rede otimizou o processo de difusão de ideologias, visto que o alcance da mesma é praticamente ilimitado, considerando que o acesso à rede mundial de internet alcança cada vez mais lugares antes esquecidos pelos olhos das sociedades contemporâneas. É importante ressaltar que, de acordo com Anhê Santos, “o ciberativismo não é uma ferramenta somente para promover revoluções e derrubadas de regimes ditatoriais. Ele tem sido utilizado também para mobilizar multidões em todo o mundo por causas diversas, principalmente as ecológicas e defesa dos direitos humanos.”. Em relação aos desdobramentos do ciberativismo sob a ótica comunicacional, André Lemos, professor da Universidade Federal da Bahia, afirma existir três diferentes formas de atuação do ciberativismo, sendo elas: “1.conscientização e informação, como as campanhas promovidas pela Anistia Internacional, Greenpeace ou a Rede Telemática de Direitos Humanos; 2. organização e mobilização, a partir da Internet, para uma determinada ação (convite para ações concretas nas cidades) e; 3. iniciativas mais conhecidas por “hacktivismo”, ações na rede, envolvendo diversos tipos de atos eletrônicos como o envio em massa de emails, criação de listas de apoio e abaixo-assinados, até desfiguramentos (defacing) e bloqueios do tipo DoS (Denial of Service).” (apud CAMPOS, 2004, p. 5). Temos na entidade Greenpeace, ONG sem fins lucrativos que preza pela “Paz Verde” – traduzido para o português –, o maior exemplo de ciberativismo que luta por
  5. 5. causas ecológicas, além de ser um ótimo exemplo de conscientização e informação perante a sociedade. Por meio de campanhas ousadas e discussões a respeito de diversos assuntos de cunho ambiental, o Greenpeace tem atingido cada vez mais colaboradores ao redor do mundo, que, graças à rede, manifestam-se a favor das causas verdes, seja por meio da assinatura de petições online criadas pela entidade, ou por fóruns de discussão acerca de assuntos sócio-ambientais. Em exemplo recente de ciberativismo ligado a causas ambientais, ainda que não seja ligado ao Greenpeace, temos o chamado “Movimento Gota D’água”, que, em seu site oficial (http://www.movimentogotadagua.com.br/projeto), designa-se como: “A missão da Gota D’Água é comover a população para causas socioambientais utilizando as ferramentas da comunicação em multiplataforma – Hoje existem inúmeros caminhos de se produzir conteúdo relevante para atingir e envolver as mais diversas audiências nos mais diferentes meios. Nossa proposta é usar estas inovações para seduzir e mobilizar a sociedade para causas socioambientais.” O projeto, que visa engajar a população nacional em assuntos socioambientais, tem como ação inicial a discussão do planejamento energético referente à Usina Hidrelétrica de Belo monte, e em sua campanha de conscientização envolve diversos atores globais que abraçaram a causa. Foi divulgado um vídeo (disponível no site citado acima) que está sendo veiculado e compartilhado por usuários em toda a rede, em que os atores conversam – e informam – com o público sobre os impactos que a construção da Usina trará para as sociedades ribeirinhas da região; segundo o movimento, o impacto social e ambiental é incalculável e irreparável. Além de a Usina produzir apenas um terço de sua capacidade energética, o rio que será utilizado para a produção de energia banha o Parque Nacional do Xingu, e, tragicamente, serão alagados e destruídos 640 km² de floresta amazônica com a construção. Isso sem contar os esforços de mobilização dos índios e da população ribeirinha que moram na região. O vídeo convida a população brasileira a abraçar a causa e assinar uma petição online que será entregue à Câmara dos Deputados em Brasília e a presidente Dilma Roussef. A petição, disponível no site do projeto, visa impedir que mais um desastre ambiental aconteça, e pede para que o Estado ouça a população que habita os arredores do rio Xingu, bem como a avaliação, real e verdadeira, dos danos ambientais e sociais que a construção da Usina trará para o país.
  6. 6. Além dos casos ambientais, movimentos ativistas por meio da internet que promovem a luta pela defesa dos direitos humanos, têm cada vez mais ganhado espaço no cenário mundial. Recentemente, o caso da iraniana Sakineh Ahstiani, acusada pelo governo iraniano de adultério, e com penalidade de morte através do apedrejamento, causou protestos por todo o globo. No Brasil, o acontecimento atingiu proporções gigantescas e, através da internet, os internautas protestavam a favor da não condenação da iraniana, acusando o governo iraniano de abuso contra os direitos humanos. Devido ao alcance mundial, a pena de morte foi retirada e a iraniana aguarda novo julgamento. Exemplos como estes trazem o que Emilene de Oliveira Campos, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, diz: “o ativismo na web é encarado por algumas linhas de estudo da academia como uma forma contemporânea de retomada da ‘coisa pública’, que pode transformar questões locais em causas de alcance global.”. Ou seja, por meio da disponibilização de informações na internet, grande parte da população estará envolvida em causas antes limitadas ao âmbito regional. A exemplo do Projeto Gota D’água, percebemos a grande mobilização nacional – e até mesmo global – que a causa alcançou; e isso se deu graças a rede e suas infinitas possibilidades comunicacionais, que, no caso, através de um vídeo online, conscientizou milhares de pessoas a respeito de um problema que, indiretamente, pode afetar todo o território nacional. A internet, portanto, é considerada por ciberativistas, segundo o professor da Universidade Federal Fluminense, Dênis Moraes, como “canal público de comunicação, livre de regulamentações e controles externos, para disseminar informações e análises que contribuam para o fortalecimento da cidadania e para o questionamento de hegemonias instituídas.”. Se antes a população restringia-se a ter voz ativa somente em situações abertas pelo governo ou em situações extremas, hoje essa mesma população deixa de ser passiva em relação às informações, e, por meio delas, podem criar movimentos virtuais – tais como abaixo-assinados, fóruns de discussão e petições online – que expressem não só opiniões individuais, mas que também agreguem valor e peso para a tomada de decisões antes restritas aos altos escalões do governo. Por fim, o ciberativismo, diferentemente do ativismo offline, tem como principal modalidade a organização e mobilização de pessoas e idéias a determinados movimentos – tudo isso por meio da rede – e, além disso, dispensa quaisquer tipos de mídias tradicionais para expor as causas e objetivos dos mesmos.
  7. 7. 3. Teoria midiática x Ciberativismo Os pontos de ligação entre a Teoria Midiática e o Ciberativismo podem ser identificados nos seguintes aspectos: relações de poder versus meios de comunicação, generalização da democracia do saber e ampla liberdade de expressão através da internet. De fato, a partir do momento em que os ativistas, antes limitados a ações offline, passaram a utilizar a internet como ferramenta de expressão ideológica, crítica e opinativa, as relações entre o público e o privado dissolveram-se. Sem nenhuma estrutura controladora que limite à liberdade de expressão nas redes online, os indivíduos passaram a manifestar suas opiniões sem medo de represálias. “Nesse ambiente construído pela tecnologia e definido por Pierre Lévy como “espaço de comunicação aberto pela interconexão mundial de computadores e das memórias dos computadores”(LÉVY, P. 1999: p.92), o interlocutor muda de status. Não é um mero receptor, é usuário, termo que já pressupõe certa interação. O indivíduo habituado a apenas consumir informação passa a ter a possibilidade de criar suas próprias associações no processo comunicativo, o que estimula o intercâmbio de informação espontâneo e não organizado nesse universo.” (CAMPOS, 2004, p. 2). Ao adquirir o status de usuário, o antes receptor passa a ser comunicador ativo. O novo papel no processo comunicacional faz com que esses usuários sejam levados a analisar as situações que envolvem a sociedade sob diversos ângulos, visto que, agora, com a rede de internet a seus pés, tem a possibilidade de se informar acerca de qualquer assunto, e, ainda, sob diferentes perspectivas. Além de conscientizar-se sobre os acontecimentos globais, o usuário tem a chance de manifestar-se, ativamente, e dar o seu veredicto acerca destes problemas. E é nesse sentido que a liberdade de expressão institucionaliza-se nas sociedades contemporâneas. As vozes de protesto partem de todos os lados, e não se restringem mais aos meios de comunicação em massa. Temos a chance, enquanto cidadãos, de expressar nossas opiniões e críticas por meio da internet, das redes sociais e outras tantas formas de comunicação que o avanço tecnológico permitiu. Estamos ligados ao Brasil e ao mundo através de dispositivos eletrônicos que possuem conexão com a rede global de internet e graças a isso, somos telespectadores ativos de tudo o que acontece a nossa volta. É nesse contexto de maior liberalização por meio da internet que os ciberativistas encontraram a forma ideal de democratizar as informações antes resguardadas a pequenos grupos, de maneira isolada. Utilizando-se dos meios como formas de
  8. 8. mensagens instantâneas, os ciberativistas conscientizam e chamam à luta milhares de pessoas ao redor do mundo, organizando ações de protestos e manifestações que vão de encontro à estruturas vigentes de poder, bem como a formas hegemônicas préestabelecidas. “Para Vegh, as informações distribuídas na internet têm outra importante implicação para o ativismo: cria uma rede de distribuição que, posteriormente, pode facilitar a organização e as mobilizações propostas.” (Cavalcante, 2010, p. 45). Dessa forma, observamos que o ciberativismo atua no sentido de conscientizar a população a respeito de diversas causas e, a partir disso, chamá-la à mobilização nas ruas, de maneira concreta. Ou seja, o ciberativismo funciona como agregador de pessoas e mobilizador de ideologias e informações, e chama a sociedade às ações offline no intuito de causar maiores impactos – pela grande quantidade de pessoas que um movimento na web pode gerar – e, por conseqüência, maiores resultados. Assim, levando em consideração as ideias de McLuhan sobre a relação entre os meios de comunicação e as relações de poder dominantes, questiona-se quem será o empoderado com as mais recentes tecnologias, como se comportará a sociedade com essa grande disponibilidade de informações e como ficará as questões associadas a liberdade de expressão.
  9. 9. 4. Referencias bibliográficas CAMPOS, E. de O. Ciberativismo. Disponível em: < http://galaxy.intercom.org.br:8180/dspace/handle/1904/19608> Acesso em: 02 out. 2011. CAVALCANTE, R. F. Ciberativismo: como as novas formas de comunicação estão a contribuir para a democratização da informação. Disponível em: < http://run.unl.pt/handle/10362/5305 > Acesso em: 15 nov. 2011. SANTOS, F. J. A. O ciberativismo como ferramenta de grandes mobilizações humanas: das revoltas do Oriente Médio às ações pacíficas do Greenpeace no Brasil. Disponível em: < http://www.usp.br/anagrama/AnheSantos_ciberativismo.pdf> Acesso em: 02 out. 2011. SILVEIRA, S. A. da. Ciberativismo, cultura hacker e o individualismo colaborativo. Disponível em: <http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=S0103- 99892010000300004&script=sci_abstract> Acesso em: 02 out. 2011. RUDIGER, Francisco. As teorias da comunicação. São Paulo: Penso – Artmed, 2010. Movimento Gota D’água. Disponível em: <http://www.movimentogotadagua.com.br/> Acesso em: 18 nov. 2011.

×