Miguel ALMEIDA                                         miguel.almeida@dryas.pt                                       Catar...
arqueologia… qual é o interesse?
primórdios da Arqueologia                                                          STONEHENGE     Curiosidade e dandismo,...
novas descobertas introduzem novas questões sobre o passado   POMPEIA  O “POMPEII EFFECT”
fontes da História  DOCUMENTOS ESCRITOS:  ■ Textos, Arte e Desenhos técnicos  A HISTÓRIA CONTADA POR OBJECTOS:  ■ Potencia...
desenvolvimento tecnológico de disciplinas afins  INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DA RADIOMETRIA                                  ...
evolução tecnológica transdisciplinar PROJECTO TUTANKHAMUN ■ Howard CARTER, 1923 ■ Zahi HAWASS, 2000
imagiologia TUTANKHAMUN FACE RECONSTRUCTION ■ Caroline WILKINSON
análise estratégica e desafios
boom do Côa: um momento de especial visibilidade A “BATALHA DO CÔA” „1994:    CONJUNTURA POLÍTICA INTERNA    LEGISLAÇÃO ...
evolução do investimento em arqueologia de salvamento em PortugalAUMENTO DA ACTIVIDADE ARQUEOLÓGICA                       ...
dryas, uma boa ideia… mas contra o fluxo de uma história de sentido low-cost  CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA LOW-COST:  ■ inexi...
análise estratégica POT.PT "FACTORES DE COMPETITIVIDADE 2007-2013” IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DO PATRIMÓNIO HISTÓRICO PORTUGU...
I&D, FORMAÇÃO, DIVUGAÇÃO               UMA “ESPÉCIE” DE EMPRESA               GRUPO DRYAS ARQUEOLOGIAuma solução experimen...
âmbito e alcance do projecto dryas: princípios fundadores, objectivos e experiência CORE ACTIVITY: DE SALVAMENTO JUSTIFICA...
exemplo de um desenho de projecto PROJECTO MCA2 ■ processos de formação do registo                                        ...
GAP Lab: áreas científicas e iLabs                     DNA                                                       DNA ANT...
execução operacional GEOARQUEOLOGIA ■ Convento de S. Francisco ■ Rua das Parreiras ■ Zona de Alcântara ■ Rua Alexandre Her...
core: arqueologia ARQUEOLOGIA ARQUEOLOGIA DO EDIFICADO PENSÃO “CASTELO” (TAVIRA)
core: bioantropologia ARQUEOTANATOLOGIA BIOARQUEOLOGIA                        CONVENTO DE SÃO FRANCISCO (COIMBRA), 2011
geomática: topografia “clássica” AQUISIÇÃO: GPS, TPS, LASERSCAN, FOTOGRAMETRIA… TRATAMENTO: CAD, GIS
geomática: modelização 3d e engenharia inversa LASERSCAN DE LONGO ALCANCE SCANNER DE LUZ ESTRUTURADA FOTOGRAMETRIA DIGITAL...
geomática: modelização 3d e engenharia inversa
geofísica GEO-RADAR MAGNETÓMETRO / GRADIÓMETRO … RESISTIVIDADE … TERMOGRAFIA
geoarqueologia / geociências SEDIMENTOLOGIA GEOQUÍMICA MICROMORFOLOGIA
luminescência TL: THERMOLUMINESCENCE OSL: OPTICAL-STIMULATED LUMINESCENCE … DESENVOLVIMENTO I&DT
Topografia             OBJECTIVOS OPERACIONAIS DO PROJECTO WebGIS.Arch                                                    ...
Miguel ALMEIDA                                         miguel.almeida@dryas.pt                                       Catar...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arqueologia no séc. XXI: multidisciplinariedade e tecnologia

465 visualizações

Publicada em

Jornadas do Património de Alvaiázere (Portugal) 2012

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
465
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arqueologia no séc. XXI: multidisciplinariedade e tecnologia

  1. 1. Miguel ALMEIDA miguel.almeida@dryas.pt Catarina MENDES catarina.mendes@dryas.pt iDryas / grupo Dryas Octopetala Arqueologia no séc. XXI:multidisciplinariedade e tecnologia Universidade de Coimbra
  2. 2. arqueologia… qual é o interesse?
  3. 3. primórdios da Arqueologia STONEHENGE  Curiosidade e dandismo, desde o séc. XVI  Influência cultural do neoclassissimo  Primeiras explorações de sítios no séc. XVII 1805 1740 1575 WILLIAM STUKELEY GRAVURA DE WILLIAM STUKELEY PRIMEIRAS ESCAVAÇÕES: HOARE E CUNNINGTON
  4. 4. novas descobertas introduzem novas questões sobre o passado POMPEIA O “POMPEII EFFECT”
  5. 5. fontes da História DOCUMENTOS ESCRITOS: ■ Textos, Arte e Desenhos técnicos A HISTÓRIA CONTADA POR OBJECTOS: ■ Potencial científico ■ … e potencial económico!
  6. 6. desenvolvimento tecnológico de disciplinas afins INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DA RADIOMETRIA Willard LIBBY
  7. 7. evolução tecnológica transdisciplinar PROJECTO TUTANKHAMUN ■ Howard CARTER, 1923 ■ Zahi HAWASS, 2000
  8. 8. imagiologia TUTANKHAMUN FACE RECONSTRUCTION ■ Caroline WILKINSON
  9. 9. análise estratégica e desafios
  10. 10. boom do Côa: um momento de especial visibilidade A “BATALHA DO CÔA” „1994:  CONJUNTURA POLÍTICA INTERNA  LEGISLAÇÃO EUROPEIA (NOMEADAMENTE AMBIENTE) REACÇÃO DA ARQUEOLOGIA PORTUGUESA:  O PAVC, O IPA E A PRODUÇÃO LEGISLATIVA
  11. 11. evolução do investimento em arqueologia de salvamento em PortugalAUMENTO DA ACTIVIDADE ARQUEOLÓGICA PREVENÇÃO… SIGNIFICATIVO PARA A ARQUEOLOGIA DE SALVAMENTO 2006 DIVULGAÇÃO PREVENÇÃO EMERGÊNCIA INVESTIGAÇÃO 1996 Dados de base: JACINTA BUGALHÃO (2011)
  12. 12. dryas, uma boa ideia… mas contra o fluxo de uma história de sentido low-cost CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA LOW-COST: ■ inexistência de direcção técnico-científica efectiva ■ extrema redução de meios técnicos humanos ■ contratação sistemática em regime de tarefa ■ inexistência de um programa de formação profissional ■ escassez de investimento em equipamento e meios de produção ■ realização frequente de trabalhos sem meios humanos, técnicos e competências adequadas ■ disparidade metodológica das suas intervenções ■ inexistência de uma estratégia de exploração científica e de divulgação dos resultados das intervenções ■ escassa qualidade média dos trabalhos  Falta de massa crítica  Um mercado desregulado e “esquizóide”  Debilidades de insititucionalização
  13. 13. análise estratégica POT.PT "FACTORES DE COMPETITIVIDADE 2007-2013” IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DO PATRIMÓNIO HISTÓRICO PORTUGUÊS: ■ “vector fundamental do desenvolvimento de empresas, da economia, do turismo e da competitividade nacional" EXPERIÊNCIA DO INOVADOR "MODELO PORTUGUÊS“ ■ "execução privada, fiscalização pública” INVESTIMENTOS ESTRUTURANTES: ■ (A1) CAPACIDADE ORGANIZATIVA E ESTRUTURAÇÃO DO SECTOR ■ (B1) RECURSOS HUMANOS E MASSA CRÍTICA ■ (B2) AUMENTO DO ÍNDICE TECNOLÓGICO ■ (B3) CAPACIDADE OPERACIONAL DAS ESTRUTURAS EMPRESARIAIS DESMONTAR O MODELO REGULAÇÃO DO FORTE IMPACTO DE “RESPONSABILIDADE SOCIAL” “LOW-COST” SECTOR ARQUEOLOGIA MUDAR DE PARADIGMA: “RESULTADOS PARA O FUTURO”
  14. 14. I&D, FORMAÇÃO, DIVUGAÇÃO UMA “ESPÉCIE” DE EMPRESA GRUPO DRYAS ARQUEOLOGIAuma solução experimental: o gDO
  15. 15. âmbito e alcance do projecto dryas: princípios fundadores, objectivos e experiência CORE ACTIVITY: DE SALVAMENTO JUSTIFICA-SE: A ARQUEOLOGIA ■ ARQUEOLOGIA  PELA NECESSIDADE DE PRESERVAR A INFORMAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS AMEAÇADOS ■ EFICÁCIA DESTA ARQUEOLOGIA AVALIA-SE: A PATRIMÓNIO HISTÓRICO  PELA PRODUÇÃO DE RESULTADOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA FACE VISÍVEL  PELA CAPACIDADE DE FOMENTAR A DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO HISTÓRICO-CULTURAL ■ Estudos de impacto arqueológico ■ Intervenções arqueológicas preventivas ■ Intervenções arqueológicas de emergência ■ Antropologia de terreno ■ Estudos de arqueologia do edificado ■ Projectos de valorização e museografia OBJECTIVOS: ■ SALVAGUARDA DO PATRIMÓNIO HISTÓRICO-ARQUEOLÓGICO SALVAMENTO ■ I&DT APLICADA EM SALVAMENTO ■ I&D PROGRAMADA (Arqueologia, Bioantropologia, História, …) CIÊNCIA ■ PROMOÇÃO DA INTERDISCIPLINARIDADE ■ DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS TÉCNICAS E FORMAÇÃO PRINCÍPIOS ÉTICOS NO SECTOR PROFISSIONAL ■ A PROMOÇÃO DA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA CONSTITUIÇÃO DE UM CENTRO I&DT DIVULGAÇÃO SANTA MARIA DE FINISTERRA, 2003
  16. 16. exemplo de um desenho de projecto PROJECTO MCA2 ■ processos de formação do registo COMPLEXIDADE INTERDISCIPLINAR ■ evolução pós-deposicional dos níveis ■ arquitectura das estruturas sepulcrais RECURSOS HUMANOS ■ cronologia e diacronia da construção, utilização e abandono / encerramento ELEVADO ÍNDICE TECNOLÓGICO ■ caracterização bioantropológica da população inumada RECURSOS FINANCEIROS ■ gestão do espaço sepulcral ■ reconstituição de gestos e espaços funerários EQUIPA DE INVESTIGAÇÃO: ■ Maria João NEVES ■ Maria Teresa FERREIRA ■ Miguel ALMEIDA ■ Catarina MENDES ■ Sofia WASTERLAIN ■ Lília BASÍLIO ■ Mónica CORGA ■ Ana Maria SILVA ■ Pedro GARCIA ■ Thierry AUBRY ■ Pedro CUNHA ■ Luca DIMUCCIO ■ Luís ALMEIDA ■ Giuseppe STELLA ■ Hélène SALOMON ■ António MORGADO ■ Juan GIBAJA ■ Douglas PRICE ■ Marta FURTADO ■ Gil GONÇALVES ■ Liliana PARANHOS MONTE DO CARRASCAL 2 ■…
  17. 17. GAP Lab: áreas científicas e iLabs DNA DNA ANTIGOLUMINESCÊNCIA RADIOLOGIAMICROSCOPIA CIÊNCIAS FORENSES ARQUEOLOGIAFOTOGRAMETRIA PALEOANTROPOLOGIA PALEOTECNOLOGIACONSERVAÇÃO E RESTAURO PALEOBOTÂNICAESPECTROMETRIA ZOOARQUEOLOGIA área de BIOANTROPOLOGIAárea de área deARQUEOCIÊNCIAS PALETNOLOGIA DNA ADN RXI FOR PAN SPE CER ZOO FOT BOT MIC PET LUM ARQ iLab.Arq 2010-13 (eLab.Arq 2011-13) INF GMF área de CRIAÇÃO DE UM LABORATÓRIO MULTIDISCIPLINAR INFORMÁTICA ■ existência física, recursos humanos, equipamento e instalações ■ dotação orçamental anual dedicada SERVIÇOS GIS DE APOIO SEDIMENTOLOGIA GMT Dep. GESTÃO E PROJECTOS BIBLIOTECA MICROMORFOLOGIA GEOFÍSICA GFI MMO SED Serv. COMUNICAÇÃO GEOMÁTICA área de GIS GEOMORFOLOGIA GEOCIÊNCIAS
  18. 18. execução operacional GEOARQUEOLOGIA ■ Convento de S. Francisco ■ Rua das Parreiras ■ Zona de Alcântara ■ Rua Alexandre Herculano ■ Quinta do Vale Meão ENG. INVERSA: LASER / FOTOGRAMETRIA ■ Monte do Carrascal 2 ■ Horta do João de Moura ■ S. Faraústo ■ Ponte da Morgadinha ■ Convento de S. Francisco ■ Baixinha de Coimbra ■ Fonte do Jardim Botânico ■ Monte da Chaminé GEOFÍSICA ■ Convento de S. Francisco ■ Rua Alexandre Herculano ■ Rua Anibal de Lima ■ Zona de Alcântara ■ Monte do Carrascal 2 ■ Porto de Moura ■ Monte da Chaminé ■ Crestuma. PROJECTOS INTERNACIONAIS ■ Les Roches d‟Abilly (França) ■ Dolmens de Antequera (Espanha) ■ Rio Madeira (Brasil)
  19. 19. core: arqueologia ARQUEOLOGIA ARQUEOLOGIA DO EDIFICADO PENSÃO “CASTELO” (TAVIRA)
  20. 20. core: bioantropologia ARQUEOTANATOLOGIA BIOARQUEOLOGIA CONVENTO DE SÃO FRANCISCO (COIMBRA), 2011
  21. 21. geomática: topografia “clássica” AQUISIÇÃO: GPS, TPS, LASERSCAN, FOTOGRAMETRIA… TRATAMENTO: CAD, GIS
  22. 22. geomática: modelização 3d e engenharia inversa LASERSCAN DE LONGO ALCANCE SCANNER DE LUZ ESTRUTURADA FOTOGRAMETRIA DIGITAL Barranco da Morgadinha Fonte dos três Bicos CONVENTO DE SÃO FRANCISCO (COIMBRA)
  23. 23. geomática: modelização 3d e engenharia inversa
  24. 24. geofísica GEO-RADAR MAGNETÓMETRO / GRADIÓMETRO … RESISTIVIDADE … TERMOGRAFIA
  25. 25. geoarqueologia / geociências SEDIMENTOLOGIA GEOQUÍMICA MICROMORFOLOGIA
  26. 26. luminescência TL: THERMOLUMINESCENCE OSL: OPTICAL-STIMULATED LUMINESCENCE … DESENVOLVIMENTO I&DT
  27. 27. Topografia OBJECTIVOS OPERACIONAIS DO PROJECTO WebGIS.Arch prévia  Agilizar o envio de informação para laboratório Descrição  Antecipar o início da fase de laboratório geoarqueológica  Permitir o acesso imediato e on-line a bases de dados Prospecção Decapagem  Potenciar a discussão em tempo real entre técnicos / cientistas geofísica arqueológica  Backup e segurança de dados  Novas ferramentas descritivas e operacionaisTERRENO Produção de cortes Identificação de Recuperação de Recuperação de Amostragem de estratigráficos estruturas arqueológicas objectos arqueológicos ossos humanos materiais diversos Descrição Descrição Descrição Registo gráfico estratigráfica arqueológica arqueotanatológica Registo fotográfico Engenharia inversa Levantamento topográfico Catalogação de Inventariação Catalogação de documentos de materiais amostras Investigação Produção Modelização Tratamento de materiais bibliográfica cartográfica tridimensional arqueológicos e osteológicosLABORATÓRIO Estudo Análise Análise Análises arqueológico morfotecnológica bioantropológica físico-químicas Registo fotográfico Cartografia geofísica Registo gráfico Análise de cartografia Interpretação Integração Relatório geoarqueológica crono-cultural técnico
  28. 28. Miguel ALMEIDA miguel.almeida@dryas.pt Catarina MENDES catarina.mendes@dryas.pt iDryas / grupo Dryas Octopetala Arqueologia no séc. XXI:multidisciplinariedade e tecnologia Universidade de Coimbra

×