Integração da sexualidade das pessoas com deficiência

5.415 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Integração da sexualidade das pessoas com deficiência

  1. 1. Sexualidade <br />Integração da sexualidade das pessoas com deficiência<br />
  2. 2. Introdução<br />Estamos a realizar este trabalho no âmbito da disciplina de Área de Projecto. O tema do trabalho da turma é a sexualidade e no contexto desse tema há subtítulos, o subtítulo que nos calhou foi a integridade da sexualidade nas pessoas com deficiência. <br />Apesar no início não concordar-mos agora achamos interessante…<br />E queremos tentar transmitir informação sobre o tema proposto . <br />Esperemos que esteja do agrado da professora. <br />
  3. 3. O que é a integração das pessoas com deficiência?<br />Talvez, nos casos mais prejudicados neurologicamente não é qualitativamente diferente das demais. Em outras palavras, pessoas ditas “excepcionais”<br />Não necessariamente excepcionais em seus impulsos e desejos sexuais. Eles têm necessidades normais, experiências normais emoções humanas normais.<br />
  4. 4. Como é que os deficientes vivem a sua sexualidade?<br />A maioria dos portadores de P.C “paralisia Cerebral” apresentam apenas dificuldades no movimento corporal, mantendo plenas as suas capacidades mentais. Frequentemente são superdotados na inteligência. O conhecimento disso tem prejudicado a plena inclusão a que ele têm direito. Infelizmente , uma percentagem de pessoas com deficiências físicas, ainda vivem isoladas em sua prisão - pessoa: tentem em vão lutar para serem ouvidos, tentam mostrar que são pessoas normais , mas ninguém se convence, ficam olhando seus corpos diferentes, não entendem o que eles falam, não se interessam por seus problemas, sabem lá o que eles vivem solitários e não querem mudar as coisas.<br />
  5. 5. Que tipo de deficiência existe?<br />Deficiência Auditiva.<br />Deficiência Mental. <br />Deficiência Motora.<br />Deficiência Mentais.<br />Deformidades de Rosto.<br />Distúrbios de fala.<br />Nanismo <br />…<br />Há estas entre muitas outras, mas estas são as mais raras…<br />
  6. 6. Que tipo de deficiência dá mais desejo sexual?<br />O desejo e as descobertas da sexualidade são sinais de saúde. Mas quando o adolescente com deficiência mental começa a sair, conhecer pessoas, namorar e buscar uma vida sexual ativa, a família perde o controle sobre suas atividades, o que pode gerar medo de que ele seja rejeitado ou até mesmo abusado sexualmente. <br />
  7. 7. E porque sentem mais desejo?<br />Os factores psicológicos são a causa mais comum nas disfunções sexuais, principalmente nas disfunções do desejo sexual e do orgasmo - vínhamos a referir na última edição SP. As disfunções sexuais mais importantes integram perturbações do desejo sexual: desejo sexual hipo activo, desejo de actividade sexual e fantasias sexuais deficientes ou ausentes; aversão sexual: as relações sexuais são evitadas devido a um medo irracional associado às mesmas ou a algum factor relacionado (genitais, cheiro genital, entre erecção até completar a actividade sexual. As causas físicas mais frequentes da disfunção eréctil incluem doenças vasculares, hormonais, e neurológicas, lesões da coluna, cirurgias pélvicas radicais, esclerose múltipla, doença de Parkinson, diabetes, hipertensão, certos medicamentos, alcoolismo crónico, consumo de tabaco, e outras condições médico-cirúrgicas. As causas físicasmais frequentesda disfunçãoeréctil incluem doenças  vasculares,hormonais e neurológicas<br />
  8. 8. Que tipo de deficiência sente-se menos desejo? sexual?<br />Psicólogos constatam que desinformação, excesso de zelo e superprotecção contribuem para isolamento<br />Reprimir manifestações de sexualidade da pessoa com deficiência é negar-lhe o direito de construir uma vida social e afectiva. Apesar dessa constatação, fruto dos avanços obtidos nos estudos, psicólogos da Unes afirmam que, por desinformação, excesso de zelo e superprotecção, pais e educadores costumam manter o deficiente sob constante vigília, contribuindo para uma tendência ao isolamento e à reprodução de estigmas. <br />
  9. 9. E porque sentem menos desejo sexual?<br />As dificuldades erécteis de causa psicológica estão frequentemente associadas à ansiedade de desempenho (em que o homem se sente pressionado para corresponder sexualmente às suas exigências ou às da parceira), stress, depressão, medo do fracasso, e uma redução do sentimento subjectivo de excitação e prazer sexual. A depressão, em conjunto com o stress, a ansiedade e o medo de fracassar, podem contribuir para a disfunção. Ao mesmo tempo, homens que a experimentam em consequência de causas físicas podem igualmente sentir-se deprimidos ou ansiosos. Desta forma, este problema está muitas vezes relacionado com a perda da auto estima, depressão e desespero. Os episódios isolados não são indicadores da existência desta disfunção. - Perturbações do orgasmo: perturbação do orgasmo na mulher e no homem: atraso ou ausência de orgasmo a seguir a uma fase de excitação sexual normal durante a actividade sexual. - Perturbações de dor sexual: dispa reunia: refere-se a qualquer tipo de dor experimentada pelo homem ou pela mulher durante o coito; vagindo: caracteriza-se por uma contracção dos músculos da vagina, o que vai impedir a penetração ou torná-la dolorosa. Geralmente, estas mulheres associam o coito vaginal à dor. A prevalência das diversas queixas sexuais é de 3% para dor sexual nos homens e de 15% nas mulheres; 10% para problemas do orgasmo masculino, 25% para problemas de orgasmo feminino, 33% para desejo sexual na mulher, 27% para ejaculação precoce, 20% para problemas da excitação sexual na mulher e 10%-<br />
  10. 10. Conclusão<br />Gostamos de fazer o trabalho.<br />Foi bem sucedido, conseguimos responder a todas as perguntas feitas, até depois de ter falado com uma psicóloga.<br />Achamos que o trabalho ficou bem feito com muitas informações…<br /> espere-mos que gostem. <br />
  11. 11. DANIELA FREITAS, Nº8 8BDAVID GOMES, Nº9 8BDIOGO MENDOÇA, Nº10 8B<br />Trabalho realizado por: <br />

×