Segurança do trabalho nr 10

749 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
749
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Ler
  • Segurança do trabalho nr 10

    1. 1. Palestrante:MARCOS GLEY DA SILVA TÉCNICO SEG SEGURANÇA DO TRABALHO E CIA. SEGURANÇASEGURANÇA DODO TRABALHOTRABALHO
    2. 2. Acidente do Trabalho Conceito Legal Acidente do trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesões corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou perda, ou redução permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho. Acidente do Trabalho: Conceito Prevencionista Acidente do trabalho é uma ocorrência não programada. Inesperada ou não, que interrompe ou interfere no processo normal de uma atividade, ocasionando perda de tempo útil e/ ou lesões nos trabalhadores e danos materiais. ACIDENTE DO TRABALHO
    3. 3. RISCOS AMBIENTAIS Físicos Químicos Biológicos Ergonômicos Risco de Acidentes Estes riscos podem afetar a saúde do trabalhador a curto, médio ou longo prazo. Dependem de condições como: Natureza do produto Concentração Tempo de Exposição Sensibilidade individual
    4. 4. GRUPO 1: GRUPO 2: GRUPO 3: GRUPO 4: GRUPO 5: RISCOS RISCOS RISCOS RISCOS RISCOS DE FÍSICOS QUÍMICOS BIOLÓGICOS ERGONÔMICOS ACIDENTES Ruído Névoas Poeiras Fumos Neblinas Vapores Gases Substância, compostos ou produtos químicos em geral Vibrações Bactérias Radiações ionizantes Protozoários Umidade Frio Radiações não ionizantes Pressões anormais Vírus Calor Iluminação inadequada Ferramentas inadequadas ou defeituosas Fungos Bacilos Parasitas Esforço físico intenso Levantamento e transporte manual de peso Máquinas e equipamentos sem proteção Jornadas de trabalho prolongadas Controle rígido de produtividade Arranjo físico inadequado Exigência de postura inadequada Imposição de ritmos excessivos Trabalho em turno e noturno Monotonia e repetitividade Armazena- mento inadequado Probabilidade de Incêndio ou explosão Eletricidade Animais Peçonhentos RISCOS AMBIENTAIS
    5. 5. EQUIPAMENTO DEEQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUALPROTEÇÃO INDIVIDUAL
    6. 6. CONCEITO LEGAL O Equipamento de Proteção Individual (EPI) é um instrumento de uso pessoal, cuja finalidade é neutralizar a ação de certos acidentes que poderiam causar lesões ao trabalhador e protegê-lo contra possíveis danos á saúde causados pelas condições de trabalho.
    7. 7. Como e quando deve ser usado oComo e quando deve ser usado o EPI ?EPI ? O EPI deve ser usado como medida de proteção quando:  não for possível eliminar o risco através da utilização de equipamento de proteção coletiva;  for necessário complementar a proteção coletiva;  em trabalhos eventuais e em exposição de curto período;
    8. 8. ASPECTOS LEGAIS: A Lei n 6514, de 221277, que alterou o capítulo V Título II, da CLT – Consolidação das Leis do Trabalho, relativo à Segurança e Medicina do Trabalho, em seu artigo 166 – DO EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL, informa que: Art. 166 – A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, equipamento de proteção individual adequado ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento, sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra os riscos de acidentes e danos à saúde dos empregados. Art. 157 – Cabe às empresas: I. - cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho; II. - instruir os empregados, através de ordens de serviço, quanto às precauções a tomar no sentido de evitar acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais; III. - adotar as medidas que lhes sejam determinadas pelo órgão regional competente; IV. - facilitar o exercício da fiscalização pela autoridade competente.
    9. 9. Guarda e Conservação do EPIGuarda e Conservação do EPI É necessário que se ajude o usuário a conservar o seu equipamento de proteção individual, não só conscientizando-o de que com a conservação ele estará se protegendo como, também, oferecendo-lhe lugar próprio para guardá-lo após o seu uso.
    10. 10. PROTEÇÃO PARA OS MEMBROSPROTEÇÃO PARA OS MEMBROS SUPERIORESSUPERIORES Membros superiores: BRAÇOS, ANTEBRAÇO E MÃO.BRAÇOS, ANTEBRAÇO E MÃO. RISCO: Golpes, cortes, abrasão, substâncias químicas, queimaduras, choque elétrico, radiações ionizantes. PROTETORES:PROTETORES:  LUVASLUVAS CREME PROTETORCREME PROTETOR  MANGOTESMANGOTES
    11. 11. PROTEÇÃO PARA OS MEMBROS INFERIORESPROTEÇÃO PARA OS MEMBROS INFERIORES RISCOS:RISCOS: Superfície cortantes e abrasivas, objetos perfurantes, substânciasSuperfície cortantes e abrasivas, objetos perfurantes, substâncias químicas, choque elétrico, agentes térmicos, impacto de objetos,químicas, choque elétrico, agentes térmicos, impacto de objetos, pressão estática (compressão), umidade.pressão estática (compressão), umidade. PROTETORES:  CALÇADOS;  PERNEIRA;  CALÇA. Você prefere que seu funcionário use sapato de segurança ou botinha de gesso?
    12. 12. Á SEGUIR VEREMOS IMAGENS QUE INFELIZMENTE ACONTEÇEM TODOS OS DIAS NO NOSSO PAÍS...
    13. 13. LÂMINA
    14. 14. QUEIMADURA
    15. 15. PRODUTOS QUÍMICOS
    16. 16. QUEDA DE UMA PEÇA
    17. 17. FERRAMENTA
    18. 18. Contaminação por Vírus; Bactérias; Fungos; BIOLÓGICOSBIOLÓGICOS
    19. 19. FOTOS REAIS DE ACIDENTESFOTOS REAIS DE ACIDENTES VIRUS E BACTÉRIASVIRUS E BACTÉRIAS
    20. 20. Caixa de PrimeirosCaixa de Primeiros SocorrosSocorros Instrumentos 01 tesoura reta 01 Termômetro Material para Curativo Algodão Gazes Esparadrapo Ataduras de Crepe Band-Aid Anti-Séptico Solução de Iodo Solução de Timerosal Água Oxigenada Álcool Água boricada Medicamentos (a critério do Médico) Analgésicos em Gotas e em Comprimidos Colírio Neutro Sal de Cozinha Soro Fisiológico Outros Conta-gotas Talas Imobilizador Cervical Bandagem Elástica Bandagem Triangular
    21. 21.  TERMO DE RESPONSABILIDADE  Nome do funcionário: ________________________________________________  Local de trabalho: _______________________Cargo/função________________  Declaro para os devidos fins que me recuso  a ser vacinada (o) contra _____________________________________  e estou ciente de que este termo será anexado ao meu prontuário clínico individual  bem como ao meu prontuário junto ao Departamento de Recursos Humanos.  Local e data: _______________________Assinatura do funcionário (a): __________________________  Medicina do Trabalho _______________________________  C.C.I.H _______________________________ ( sugestão )   CARTEIRA DE VACINAÇÃO  Nome:  Data de nascimento:  Endereço:  Vacina / Dose / Dupla adulto / Hepatite B / M.M.R / OUTRAS  1A. 2ª 3ª DOSE Data: Lote: Rubrica:  REFORÇO
    22. 22. Choque ElétricoChoque Elétrico  Vítima de choque fotografada 28 dias após o acidente por cabo de alta tensão.
    23. 23. Queimaduras
    24. 24. Queimaduras emQueimaduras em acidente domésticoacidente doméstico
    25. 25. QueimadurasQueimaduras  Causas: Calor; Produtos Químicos; Sol; Eletricidade.  O que fazer: Aplicar água fria no local afetado; Cobrir com plástico limpo; Não deixar a queimadura em contato com o solo.  O que não fazer: Não aplicar gelo pomadas ou creme; Não furar as bolhas.
    26. 26. QueimadurasQueimaduras  Tipos de queimaduras: 1º Grau - Leves; 2º Grau - Medias; 3º Grau - Profundas. Obs.: A gravidade da queimadura, não é determinada pelo grau e sim pela sua extensão. Toda queimadura de 2º e 3º Graus deve ser avaliada pelo médico.
    27. 27. QueimadurasQueimaduras  Tipos de Queimaduras: 1º Grau 2º Grau 3º Grau
    28. 28. QUEIMADURA DE 1ºQUEIMADURA DE 1º GRAUGRAU Dor. Vermelhidão local.
    29. 29. QUEIMADURA DE 2º GRAUQUEIMADURA DE 2º GRAU  Dor;  Vermelhidão;  Bolhas.
    30. 30. QUEIMADURA DE 2º GRAUQUEIMADURA DE 2º GRAU ACIDENTE COM ÁLCOOLACIDENTE COM ÁLCOOL Tentativa de suicídio provocada por álcool líquido.
    31. 31. QUEIMADURA DE 3º GRAUQUEIMADURA DE 3º GRAU
    32. 32. Queimadura de 3º GrauQueimadura de 3º Grau
    33. 33. Queimadura 3º grau - FaceQueimadura 3º grau - Face
    34. 34. CARACTERÍSTICAS – 3º GRAUCARACTERÍSTICAS – 3º GRAU  Necrose dos tecidos;  Carbonização;  Formação de escaras;  Ausência de dor no local da lesão. Queimaduras de 1º e 2º graus ao redor da lesão causando dor intensa para a vítima.

    ×