Este painel de Domingos Rebelo (1945) - que retrata a passagem do Cabo das Tormentas - reflecte as diferentes atitudes per...
Perante a tempestade há os que bradam aos céus. Que se indignam com a injustiça da tempestade que lhes caiu em cima...<br ...
Mas há também quem se deixe paralisar. Quem fique a olhar. É preciso mobilizar esses. Estimulando-os para que cumpram a su...
Na crise é fundamental, mais do que como nunca, definir um rumo, escolher a rota certa, atacar o vento pelo ângulo certo e...
Sem se deixar impressionar pelos ventos fortes e pela ondas alterosas, importa continuar a trabalhar, fazendo o que é prec...
..e há quem cumpra a missão de não deixar ninguém perder-se. De manter juntas as naus no meio da tempestade. Também nos no...
Para ir além das Tormentas dos nossos dias e chegar à Esperança, precisamos de mobilizar os nossos tripulantes. Com lidera...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A metáfora para 2011

628 visualizações

Publicada em

Uma leitura a partir de uma situação de crise. As várias atitudes, os vários personagens. A resposta possível e desejável.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
628
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A metáfora para 2011

  1. 1.
  2. 2. Este painel de Domingos Rebelo (1945) - que retrata a passagem do Cabo das Tormentas - reflecte as diferentes atitudes perante a adversidade e a crise. <br />Representa um tratado para os tempos actuais e um roteiro para o que temos que fazer e...para o que temos que combater... <br />
  3. 3. Perante a tempestade há os que bradam aos céus. Que se indignam com a injustiça da tempestade que lhes caiu em cima...<br />Mas que adianta essa atitude? Que acrescenta para a resolução dos problemas?<br />
  4. 4. Mas há também quem se deixe paralisar. Quem fique a olhar. É preciso mobilizar esses. Estimulando-os para que cumpram a sua parte, para que se libertem do medo, para que juntem o seu esforço ao de toda a tripulação..<br />
  5. 5. Na crise é fundamental, mais do que como nunca, definir um rumo, escolher a rota certa, atacar o vento pelo ângulo certo e liderar toda a tripulação, sem a deixar desanimar nem desistir. <br />
  6. 6. Sem se deixar impressionar pelos ventos fortes e pela ondas alterosas, importa continuar a trabalhar, fazendo o que é preciso fazer, sem lamúrias, nem hesitações. <br />
  7. 7. ..e há quem cumpra a missão de não deixar ninguém perder-se. De manter juntas as naus no meio da tempestade. Também nos nossos dias turbulentos é fundamental não deixar ninguém para trás..<br />
  8. 8. Para ir além das Tormentas dos nossos dias e chegar à Esperança, precisamos de mobilizar os nossos tripulantes. Com liderança determinada, com clarividência quanto à rota a seguir, com trabalho duro e sem lamúria, fazendo tudo para não deixar ninguém para trás...<br />Mas também mobilizando os que estão paralisados ou que só lançam os braços ao céu sem nada mais fazer.... <br />Esta é a proposta do Movimento Esperança Portugal para 2011.<br />

×