Semana santa formação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Semana santa formação

em

  • 3,597 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
3,597
Visualizações no SlideShare
3,384
Visualizações incorporadas
213

Actions

Curtidas
0
Downloads
176
Comentários
0

2 Incorporações 213

http://igrejansdaconceicao.com.br 171
http://www.igrejansdaconceicao.com.br 42

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Semana santa formação Presentation Transcript

  • 1. Mistério Pascal• A Semana Santa traz o ponto central do ano litúrgico, que é a celebração do mistério pascal: paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.
  • 2. História• A partir da ressurreição de Jesus, os cristãos celebravam semanalmente a Páscoa pela Eucaristia dominical.• Em seguida, passaram a celebrar a Páscoa também uma vez por ano, enfatizando a vigília pascal.
  • 3. • Conforme testemunho de Tertuliano (séc. II) e de Hipólito (séc. III), depois das leituras celebrava-se também o batismo, e a vigília terminava quase de manhã com a Eucaristia.• Ao longo do séc. IV, os cristãos foram sentindo necessidade de desdobrar a celebração da vigília pascal, a fim de se deterem mais demoradamente sobre cada um dos momentos derradeiros da vida terrena de Jesus.
  • 4. • Introduziram, pois, o Tríduo Pascal, que tem como primeiro dia a sexta-feira santa, precedida na véspera pela celebração da última ceia, o sábado santo e o domingo da ressurreição.• Em Jerusalém, os cristãos empenhavam-se por imitar os últimos passos da vida de Jesus, desde sua entrada em Jerusalém até sua ressurreição.
  • 5. • O mistério pascal, que encontra na Semana Santa a sua mais alta e comovida celebração, não é simplesmente um momento do ano litúrgico; é a fonte de todas as outras celebrações do próprio ano litúrgico, porque todas se referem ao mistério da nossa redenção, isto é, o mistério pascal. (papa Paulo VI)
  • 6. Domingo de Ramos da paixão do Senhor • Muitas pessoas estenderam seus mantos pelo caminho; outros puseram ramos que haviam apanhado nos campos. Os que iam na frente e os que seguiam gritavam: Hosana! Bendito aquele que vem em nome do Senhor (Mt 11, 7-10)
  • 7. Celebração• 1ª Parte: Comemoração da Entrada de Jesus em Jerusalém, com bênção dos ramos e procissão.• 2ª Parte: Celebração da Eucaristia, com a narração da Paixão.
  • 8. Pontos de Reflexão• Os dois aspectos da celebração de hoje, a saber, a entrada de Jesus em Jerusalém e a missa da Paixão do Senhor, dão um caráter de antecipação figurada da Páscoa: as multidões aclamam o Cristo vencedor em sua Paixão.
  • 9. Seguir os passos de Jesus• Para realizar o mistério de sua morte e ressurreição, Cristo entrou em Jerusalém, sua cidade. Celebrando com fé e piedade a memória desta entrada, sigamos os passos de nosso Salvador para que, associados pela graça à sua cruz, participemos também de sua ressurreição e de sua vida.
  • 10. Quinta-Feira Santa (Missa Vespertina na Ceia do Senhor) • Na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão e, depois de dar graças, partiu-o e disse: Isto é o meu corpo que é dado para vocês; façam isto em memória de mim. (1Cor 11, 23- 25)
  • 11. Celebração• 1ª Parte: Ritos Iniciais e Liturgia da Palavra• 2ª Parte: Lava-pés• 3ª Parte: Liturgia eucarística• 4ª Parte: Transladação do Santíssimo Sacramento
  • 12. Liturgia da Palavra• Jesus quis celebrar a páscoa com seus discípulos. A páscoa dos judeus fazia memória da libertação da escravidão no Egito. Além de ser acompanhada de salmos e orações próprias para a ocasião.• A celebração previa como alimento um cordeiro, pão sem fermento, ervas amargas, e como bebida, algumas taças de vinho.• A novidade é que Jesus dá um novo sentido para o pão e o vinho.
  • 13. • A primeira leitura (Ex 12) recorda o contexto pascal em que se desenrolou também a ceia de Jesus com seus discípulos. A segunda (1Cor 11) apresenta o mais antigo relato da instituição da eucaristia. O Evangelho de João nos introduz no cenáculo, onde as palavras do Mestre e Senhor são reforçadas por seu exemplo e serviço.
  • 14. Lava-pés• É gesto de serviço, de doação amorosa ao próximo. Só quem se dispõe a servir generosamente aos irmãos está em condições de participar da eucaristia.• O celebrante repete o gesto de Jesus, que lava os pés dos apóstolos. Esta ação simbólica manifesta que Jesus se coloca como o servo num ato de amor e de serviço para com os apóstolos e recomenda que se faça o mesmo entre os irmãos.
  • 15. Liturgia Eucarística• O que se põe em destaque é o memorial da instituição da eucaristia neste dia, reforçado pelo prefácio da eucaristia e outras orações.
  • 16. Transladação do Santíssimo Sacramento• O gesto funcional de conservar as espécies eucarísticas para a comunhão do dia seguinte se transforma em momento de adoração da presença contínua do Senhor em nosso meio.• O Santíssimo Sacramento será guardado num tabernáculo fechado. Não se deve fazer exposição com o ostensório.
  • 17. Missa do Crisma• O bispo e os sacerdotes concelebram na catedral. Constituídos, na última ceia , “servos do mistério”: realizam eles a unidade do seu sacerdócio no único grande Sacerdote, Jesus Cristo.• Nesta missa manifesta-se o mistério do sacerdócio de Cristo, participado pelos ministros constituídos em cada Igreja local, que renovam hoje seu compromisso ao serviço do povo de Deus.
  • 18. Santos Óleos• O bispo, cercado pelos outros sacerdotes, abençoa os óleos, que serão usados nos diversos sacramentos: o crisma (óleo misturado com perfumes), para significar o dom do Espírito no batismo, na crisma, na ordem; o óleo para os catecúmenos e o óleo para os enfermos, sinal da força que liberta do mal e sustenta na provação da doença.