Curso de liturgia

22.569 visualizações

Publicada em

Mais um trabalho de Formação do noso Padre Marcos Carolino

Publicada em: Espiritual
3 comentários
34 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.569
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2.321
Comentários
3
Gostaram
34
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso de liturgia

  1. 1. Materia:O ano litúrgico Curso de Formação Litúrgica
  2. 2. LITURGIA NO CORAÇÃO DA IGREJA
  3. 3. OBJETIVO GERALDemonstrar que a Liturgia é a grande fonte daespiritualidade cristã de toda a Igreja. Ajudaros agentes da PL a crescer espiritualmenteno exercício do seu ministério litúrgico paraum melhor empenho no seu exercíciopastoral.
  4. 4. O ANO LITÚRGICOCristo, festa da Igreja
  5. 5. O Ano LitúrgicoA liturgia é a celebração do MistérioPascal de Cristo. Em volta deste núcleofundamental da nossa fé, celebramos oAno Litúrgico que foi se organizando paramanter viva a memória do Ressuscitadona vida de cada pessoa e de cadacomunidade.
  6. 6. O Ano Litúrgico O Ano Litúrgico “revela todo o mistério de Cristo no decorrer do ano, desde a encarnação e nascimento até à ascensão, ao pentecostes e à expectativa da feliz esperança da vinda do Senhor” (SC 102). ENVIO DO VINDAENCARNAÇÃO PAIXÃO ASCENSÃO ESPÍRITO GLORIOSA
  7. 7. O Ano Litúrgico não tem começo nem fim
  8. 8. Dois modos de compreender o Ano LitúrgicoA dimensão celebrativa-memorial A dimensão pedagógica
  9. 9. A dimensão celebrativa-memorial Celebrar os mistérios de Cristo, do ponto devista teológico litúrgico, não é apenas “lembrar”o que Jesus Cristo fez por nós. Nem, mesmo,acompanhar a biografia de Jesus, iniciando noNatal, quando nasceu, terminando na Ascensão.Ano Litúrgico não é isso. O Ano Litúrgico, através das celebrações,torna atual e insere os celebrantes na mesmaeficácia salvífica do gesto histórico realizadopor Cristo.
  10. 10. A dimensão pedagógica Outra questão é quanto ao modo da Liturgia administrareste aspecto para os celebrantes. Entra aqui a dimensãopedagógica do Ano Litúrgico. O Mistério Pascal que celebramos é dinâmico. Umadinâmica que precisa mexer com a vida pessoal de cadacelebrante, de tal modo que o cristão, domingo apósdomingo, tempo litúrgico depois de tempo litúrgico, ano apósano, cresça e modele sua vida a partir do projeto de JesusCristo, a partir dos valores do Reino de Deus. A dinâmica pedagógica do Ano Litúrgico não tem afinalidade de formar pessoas religiosas, apenas, mas formarcristãos, isto é, pessoas que se comprometam com o projetode Jesus.
  11. 11. A Liturgia nos ritmos do tempoAs celebrações litúrgicas tem uma estreitarelação com o tempo. Como é esta relação?1. Acontecem num determinado momento do dia, da semana, do ano, ou num momento especial da vida de uma pessoa, de uma comunidade1. Expressam o sentido do tempo e da vida humana a partir da páscoa de Jesus, o Cristo.
  12. 12. A Liturgia nos ritmos do tempoPara fazer memória do mistério, a liturgia seutiliza de três ritmos diferentes: O ritmo diárioalternando manhã e tarde, dia e noite, luz e trevas
  13. 13. A Liturgia nos ritmos do tempo O ritmo semanalalternando trabalho e descanso, ação e celebração O ritmo anualalternando o ciclo das estações e a sucessão dos anos
  14. 14. O ritmo diárioO dia litúrgico é marcado principalmentepor dois momentos fortes na liturgia dashoras: Ofício da manhã Ofício da tarde Acrescenta-se a vigília, principalmente aos domingos e grandes festas.
  15. 15. O ritmo diário O sentido de cada ofício (expresso principalmente nos hinos): Ofício da manhã o nascer do sol, amanhecer, madrugada, manhã,novo dia... simbolizando a ressurreição de Cristo e nossa ressurreição nele
  16. 16. O ritmo diário Ofício da tarde pôr-do-sol, entardecer, noite, trevas, escuridão,simbolizando a morte; porém, acendemos nossas velas, expressando a fé na ressurreição
  17. 17. O ritmo diário Ofício de vigílias (à noite ou de madrugada)aguardar o amanhecer, esperar pela vinda de Jesus, pela vinda do Reino.
  18. 18. O ritmo semanal Entre os sete dias da semana, um se destaca: O Domingoprimeiro dia da semana, dia do Senhor, memória da ressurreição de Jesus, o Cristo É a páscoa semanal, dia de “festa primordial” dos cristãos (SC 106)
  19. 19. O ritmo semanal O que caracteriza a celebração litúrgica do domingo?1. É o dia da reunião semanal dos cristãos, dia de assembléia litúrgica.1. É dia de celebração eucarística que é memória da paixão, morte, ressurreição e glorificação do Senhor.1. A assembléia litúrgica é caracterizada pela alegria e o clima de festa, pelo encontro dos membros da comunidade entre si e com o ressuscitado1. Três elementos rituais, além da assembléia, da Palavra e da Eucaristia ajudam a realçar o sentido pascal e batismal do domingo: a) a aspersão com água no lugar do ato penitencial; b) a profissão de fé renovando nossa adesão ao Senhor; c) poderíamos ainda acender o círio pascal.
  20. 20. O ritmo semanalPor causa de sua especial importância, odomingo só sede sua celebração àssolenidades e festas do Senhor; contudo,os domingos do Advento, da Quaresma eda Páscoa tem precedência sobre todasas festas do Senhor e todas assolenidades. As solenidades queocorram nestes domingos sejamantecipadas para o sábado.
  21. 21. O ritmo semanal O domingo exclui por sua própria natureza a fixação definitiva de qualquer outra celebração. Contudo:1. No domingo dentro da Oitava do Natal do Senhor, celebra-se a festa da Sagrada Família;• No domingo depois do dia 6 de janeiro, celebra-se a festa do Batismo do Senhor;• No domingo depois de pentecostes, celebra-se a solenidade da Santíssima Trindade;
  22. 22. O ritmo semanal1. No último domingo do Tempo Comum, celebra-se a solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo;1. A comemoração de todos os fiéis defunto;1. No Brasil, as solenidades de São Pedro e São Paulo, da Assunção de Maria e de Todos os Santos.
  23. 23. O ritmo anualA Páscoa e as alegrias de celebrá-la são grandes demaispara caberem nos limites de um Domingo. Desde cedo aIgreja passou a consagrar a isso o ano todo, dividindo-o em ciclos: Ciclo da Ciclo do Páscoa Natal Tempo Comum
  24. 24. O ritmo anual Todo ano comemora-se duas grandes festas: PÁSCOA NATALA Páscoa é mais importante que o Natal
  25. 25. O ritmo anualAmbas as festas são precedidas por um tempo de preparação: QUARESMA PÁSCOA ADVENTO NATAL
  26. 26. O ritmo anualE se prolongam por outros domingos e festas: Tempo PascalPÁSCOA e Pentecostes Tempo do NATAL Natal e Epifania
  27. 27. Ciclo da Páscoa
  28. 28. Ciclo da PáscoaO Tríduo Pascal
  29. 29. O Tríduo PascalO sagrado Tríduo Pascal da Paixão eRessurreição resplandece como ápice detodo o ano litúrgico. Portanto, a solenidadeda Páscoa goza no ano litúrgico a mesmaculminância do domingo em relação àsemana.
  30. 30. O Tríduo Pascal TRÍDUO PASCAL VIGÍLIA PASCAL Ceia do Senhor Sexta-feira da Iniciando oQuinta-feira Santa Paixão do Senhor Domingo da ressurreição
  31. 31. O Tríduo PascalA Vigília Pascal, na noite santa em queo Senhor ressuscitou, seja consideradaa “mãe de todas as vigílias”, na qual aIgreja espera, velando, a ressurreiçãode Cristo, e a celebra nos sacramentos.A vigília é o ponto alto do ano litúrgico.
  32. 32. Ciclo da PáscoaO Tempo Pascal
  33. 33. O Tempo Pascal50 dias entre o domingo da Ressurreição e o domingode Pentecostes sejam celebrados com alegria, como sefossem um só dia de festa, ou melhor, “como umgrande domingo”.Os domingos deste tempo são chamados, depois dodomingo da Ressurreição, de II, III, IV, V, VI e VIIdomingos da Páscoa. O domingo de Pentecostesencerra este tempo sagrado de cinqüenta dias.
  34. 34. O Tempo PascalOs oito primeiros dias do tempo pascal formam aOitava da Páscoa e são celebrados como solenidadesdo Senhor.No quadragésimo dia depois da Páscoa celebra-se aAscensão do Senhor. No entanto, no Brasil ela étransferida para o domingo seguinte, ocupando assim oVII domingo de PáscoaAs férias depois da Ascensão, até o sábado antes dePentecostes inclusive, constituem uma preparaçãopara a vinda do Espírito Santo Paráclito.
  35. 35. Ciclo da Páscoa Tempo daQuaresma
  36. 36. O Tempo da QuaresmaO tempo da Quaresma vai da Quarta-feira de cinzas atéà Missa da Ceia do Senhor. São 40 dias de preparaçãoàs festas pascais. Do início da Quaresma até a VigíliaPascal não se canta o Aleluia.Na quarta-feira de abertura da Quaresma, que é portoda parte dia de jejum, faz-se a imposição das cinzas.Os domingos deste tempo são chamados de I, II, III, IV eV domingos da Quaresma. O VI domingo, com o qual seinicia a Semana Santa, é chamado “Domingo de Ramose da Paixão do Senhor”.
  37. 37. Ciclo do NatalTempo do Natal
  38. 38. Ciclo do Natal CICLO DO NATALTEMPO DO ADVENTO TEMPO DO NATAL I DOMINGO NATAL DO ADVENTO OITAVA DO NATAL II DOMINGO DO ADVENTO SAGRADA FAMÍLIA III DOMINGO DO ADVENTO MARIA, MÃE DE DEUS IMPOSIÇÃO DO SANTÍSSIMO NOME DE JESUS IV DOMINGO DO ADVENTO EPIFANIA BATISMO DO SENHOR
  39. 39. O Tempo do NatalApós a celebração anual do Mistério da Páscoa, a Igrejanada considera mais venerável do que comemorar oNatal do Senhor e suas primeiras manifestações, o quese realiza no tempo do Natal.O tempo do Natal vai das primeiras vésperas do Nataldo Senhor ao domingo do Batismo de Nosso SenhorJesus Cristo (domingo depois do dia 6 de janeiro ou nasegunda-feira seguinte, caso o domingo seja ocupadocom a festa da Epifania).
  40. 40. O Tempo do NatalA Missa da Vigília do Natal é celebrada à tarde do dia 24de dezembro.No dia do Natal do Senhor, seguindo antiga tradiçãoromana, pode-se celebrar a missa três vezes: Na Durante À noite Aurora o dia
  41. 41. O Natal do Senhor tem a sua oitava organizada do seguinte modo:1. No domingo dentro da oitava, ou na falta dele, no dia 30 de dezembro, celebra-se a festa da Sagrada Família de Jesus, Maria e José.2. No dia 26 de dezembro, celebra-se a festa de Santo Estevão.3. No dia 27 de dezembro, celebra-se a São João, Apóstolo e Evangelista.4. No dia 28 de dezembro, celebra-se a festa dos Santos Inocentes.5. Nos dias 29, 30 e 31 são dias dentro da oitava.6. No dia 1º de janeiro, oitavo dia do Natal, celebra-se a solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, na qual se comemora também a imposição do Santíssimo nome de Jesus.
  42. 42. O Tempo do NatalA Epifania do Senhor é celebrada no dia 6 de janeiro.No Brasil esse dia é celebrada no domingo entre 2 e 8de janeiro. Na Epifania celebramos a manifestação deDeus em nossa carne humana, aos pastores(representando os pobres) e os magos do Oriente(representando as nações)No domingo depois do dia 6 de janeiro celebra-se afesta do Batismo do Senhor.
  43. 43. Ciclo do NatalTempo do Advento
  44. 44. O Tempo do AdventoO tempo do Advento possui dupla característica: 1.Tempo de preparação para as solenidades do Natal, em que se comemora a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens; 3.Tempo em que, por meio desta lembrança, voltam- se os corações para a expectativa da segunda vinda de Cristo no fim dos tempos.
  45. 45. O Tempo do AdventoO tempo do Advento começa com as primeirasvésperas do domingo que cai no dia 30 de novembroou no domingo que lhe fica mais próximo, terminandoantes das primeiras vésperas do Natal do Senhor.Os domingos deste tempo são chamados I, II, III e IVdomingos do Advento.As férias dos dias 17 a 24 de dezembro inclusive, visamde modo mais direto à preparação do Natal do Senhor.
  46. 46. Tempo ComumAlém dos tempos que temcaracterísticas próprias,restam no ciclo comum, 33 ou34 semanas nas quais não secelebra nenhum aspectoespecial do mistério do Cristo;comemora-se nelas o própriomistério de Cristo em suaplenitude, principalmente aosdomingos. Este período échamado Tempo Comum.
  47. 47. O Tempo ComumO Tempo Comum começa na segunda-feira que segueao domingo do depois do dia 6 de janeiro (Batismo doSenhor) e se estende até à terça-feira antes daQuaresmaRecomeça na segunda-feira depois do domingo dePentecostes e termina antes das primeiras vésperas doI domingo do Advento
  48. 48. O Tempo ComumNa ‘mesa’ da Palavra nos é servida um rico cardápio deleituras bíblicas, percorrendo um ciclo de três anos: MATEUS A MARCOS B LUCAS C
  49. 49. O Tempo ComumO evangelho de João é lido nos temposfortes do ano litúrgico, e a leitura docapítulo 6 sobre o pão da vida, vemcompletar a leitura do evangelho deMarcos, no ano B.
  50. 50. Festas do Senhor no TC Solenidade/Festa Dia/PeríodoApresentação 02/02Anunciação 25/03Santíssima Trindade No 1º domingo depois de Pentecostes Na quinta-feira depois do domingo daCorpo e Sangue de Cristo Santíssima Trindade Na sexta-feira da 2ª semana depois doSagrado Coração de Jesus domingo de PentecostesTransfiguração 06/08Cristo, Rei do Universo Último domingo do tempo comum
  51. 51. Solenidades, Festas e Memórias No ciclo anual, a Igreja, celebrando o mistério de Cristo, venera com particular amor a Santa Virgem Maria, Mãe de Deus, e propõe à piedade dos fiéis as memórias dos Mártires e outros Santos. Os Santos de importância universal são celebrados obrigatoriamente em toda a Igreja. Suas festas jamais prevaleçam sobre as festas que recordam os Mistérios da Salvação.
  52. 52. Solenidades, Festas e Memórias SOLENIDADES são constituídas pelos dias mais importantes, cuja celebração começa no dia precedente com as primeiras vésperas. Algumas solenidades são enriquecidas com uma Missa própria para a Vigília, que deve ser usada na véspera quando houver Missa vespertina. A celebração das duas maiores solenidades, Páscoa e Natal, prolonga-se por dias seguidos
  53. 53. Solenidades, Festas e Memórias FESTAS são celebrações nos limites do dia natural; por isso não tem primeiras vésperas, a não ser que se trate de festas do Senhor que ocorrem no domingo do Tempo Comum e do tempo do Natal, cujo ofício substituem.
  54. 54. Solenidades, Festas e Memórias MEMÓRIAS as memórias são obrigatórias ou facultativas. Sua celebração, porém, se harmoniza com a celebração da féria corrente segundo as normas expostas das IGMR´s. Trata-se de celebrações que ocorrem no dia de semana, nas quais se inclui uma simples recordação (daí memória) do respectivo santo. Neste caso, os elementos fundamentais, como as leituras, são os do dia de semana ocorrente.
  55. 55. As FériasOs dias da semana que seguem o domingo sãochamados férias; celebram-se de diversos modos,segundo sua importância:A Quarta-feira de Cinzas e as férias da Semana Santa, desegunda a quinta-feira inclusive, tem preferência a todas asoutras celebrações.As férias do Advento, de 17 a 24 de dezembro, e todas asférias da Quaresma tem preferência às memóriasobrigatórias.Todas as outras férias cedem o lugar às solenidades e festas,e se combinam com a memória.
  56. 56. No domingo dentro da oitava do Natal, 08/12 Imaculada Conceição de Maria Domingo da Sagrada Família ou no dia 30 de dezembro 25/12 Natal do Senhor Jesus No domingo depois do dia 06 de janeiro Batismo do Senhor Jesus 01/01 Santa Maria mãe de Deus 25/01 Conversão do Apóstolo Paulo Domingo da Epifania do SenhorEntre os dias 02 e 08 de janeiro 02/02 Apresentação do Senhor Jesus Jesus 19/03 José, esposo de Maria 22/02 Cátedra de Pedro 25/03 Anunciação do Senhor 03/05 Felipe e Tiago, apóstolos Domingos de Ramos 14/05 Matias, apóstolo Domingo da Ressurreição do Senhor 31/05 Visitação de Maria a Isabel Domingo da Ascensão do Senhor 03/07 Tomé, apóstolo Jesus Nossa Senhora do Carmo, mãe do Domingo de Pentecostes 16/07 SenhorNo 1º domingo depois de Pentecostes Domingo da Santíssima Trindade 06/08 Transfiguração do SenhorNa quinta-feira depois do domingo da Corpo e Sangue do Senhor 08/09 Natividade de Maria, mãe do SenhorSantíssima Trindade 24/06 Nascimento de João Batista 14/09 Exaltação da Santa CruzNa sexta-feira da 2ª semana depois Sagrado Coração de Jesus 29/09 Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafaeldo domingo de PentecostesSempre no domingo entre 28 de Domingo de Pedro e Paulo 18/10 Lucas, Evangelistajunho e 04 de julhoSempre no domingo seguinte ao dia Domingo da assunção de Maria, mãe 28/10 Simão e Judas Tadeu, apóstolos15 de agosto do Senhor Nossa Senhora Aparecida, mãe do Dedicação da basílica de Latrão, 1ª 12/10 09/11 Senhor catedral de RomaSempre após o dia 1º de novembro Santos e santas da humanidadeÚltimo domingo do tempo comum Domingo de Cristo, Rei do universo
  57. 57. Apresentação feita por: Ir. Silde Coldebela e Ir. Ivani Brito Assessoria feita no curso de Formação Litúrgica no Instituto de Teologia do Pará – IPAR.

×