2 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
O impossível pode acontecer?
Paty e a descoberta da Superteen
Mayara...
3 | M a y a r a V e l l a r d i
Prefácio:
Os jovens não conhecem o poder, a força, o
brilho e a beleza que possuem. Geralm...
4 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
O livro conta a história de Patrícia, uma
adolescente que estuda e p...
5 | M a y a r a V e l l a r d i
Em Especial:
A fé é a base de tudo, sem ela posso dizer
que não consigo chegar a lugar alg...
6 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Lembrando que esse livro também é
dedicado a todos os leitores e a t...
7 | M a y a r a V e l l a r d i
A autora:
Comecei a me apaixonar pela arte da escrita
e compor poemas e pensamentos quando...
8 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
No ano de 2010, escrevi este livro e depois
isso não parei mais, já ...
9 | M a y a r a V e l l a r d i
Capítulo 1 – Não passava de um sonho...
Patrícia é uma menina de 14 anos, como
qualquer ou...
10 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
acontecer e ela espera ansiosamente por isso, mas
a menina não cont...
11 | M a y a r a V e l l a r d i
- Sim filha é mesmo. E você, conseguiu
encomendar o bolo e os docinhos com a Dona
Neyde?
...
12 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Paty, que dia é hoje?
- Hoje é dia 10 de março de 2015, J.C..
- V...
13 | M a y a r a V e l l a r d i
- Tudo bem, você se machucou?
- Não foi nada! E você, está bem?
- Estou bem, mas só aceit...
14 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Patrícia foi para casa almoçar e trocar de
roupa. Ainda emocionada ...
15 | M a y a r a V e l l a r d i
O que Patrícia não imaginava é que Ricardo
já a observava há tempos. Ele estava fascinado...
16 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Amo animais, penso em ser veterinário. E
você?
- Gosto muito de a...
17 | M a y a r a V e l l a r d i
- Obrigada!
- Bem, na verdade, o que quero falar é sobre
outro assunto.
A jovem arregala ...
18 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
“Essa é a semana do meu aniversário de 15
anos...
...hoje é segunda...
19 | M a y a r a V e l l a r d i
brigas, com certeza as coisas seriam bem
melhores.
Mas mudando de assunto, queria tanto t...
20 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
“Concurso: Quem cria o melhor slogan? Mais
informações na secretari...
21 | M a y a r a V e l l a r d i
seus cabelos curtos e encaracolados e sua linda
pele negra, encanta os alunos com sua bel...
22 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
coração, falar que se eles confiarem em você,
sempre será sincera c...
23 | M a y a r a V e l l a r d i
- Obrigada filha, você e sua família são muito
importantes para mim. Sabe, hoje levei meu...
24 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Não sei o que te dizer, mas garanto que
Deus é justo e que ningué...
25 | M a y a r a V e l l a r d i
“Hoje é dia: 11/03, terça-feira! Falta menos
de uma semana para o meu niver!
Ah, se eu pu...
26 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Mas tia Cláudia, o que aconteceu? Posso
ajudar? Desculpe minha in...
27 | M a y a r a V e l l a r d i
- Então você faz aniversário esse sábado,
hein?
- Sim, faço 15 anos, mas não vou ter fest...
28 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Mais um dia começa e a jovem resolve que
depois da escola vai à cas...
29 | M a y a r a V e l l a r d i
dificuldade em criar nossa Marcinha, não queremos
que ela tenha o mesmo fim trágico de Ga...
30 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
que de onde ele está olha por nós e tenho certeza
de que ele está m...
31 | M a y a r a V e l l a r d i
As duas preocupadas que logo Clara
chegará para ajudar e também com os afazeres da
festa,...
32 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Gostei, pode ser, saio com ela durante o dia
e quando for o horár...
33 | M a y a r a V e l l a r d i
O diretor mostra uma propaganda antiga do
colégio e alguns cartazes antigos também.
- O p...
34 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Você vai embora agora Lili?
- Vou sim, podemos ir juntas para cas...
35 | M a y a r a V e l l a r d i
O dia tão esperado chega e a menina vai à
escola para fazer a prova.
Depois que termina a...
36 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
acho melhor eu ir embora daqui a pouco, porque
meus pais devem comp...
37 | M a y a r a V e l l a r d i
- Já! Depois te conto!
- Até mais tarde!
- Até!
Os dois ficam no clube até às sete e meia...
38 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
“Eu só posso estar sonhando, inacreditável!
Esse aniversário está s...
39 | M a y a r a V e l l a r d i
Quando chegam ao salão, encontram uma
linda faixa na porta:
“Paty nós te amamos! Feliz An...
40 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
presentes que estão fazendo com que essa noite
seja tão especial. E...
41 | M a y a r a V e l l a r d i
“Coincidência ou não a Superteen, adivinhou
o que ia acontecer, será que as coisas estão
...
42 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Capítulo 2 – Como tudo aconteceu?
No dia seguinte à festa, Patrícia...
43 | M a y a r a V e l l a r d i
- Desta vez me saí melhor, mas também
você ficou no meu pé a semana toda! Tirei oito!
Obr...
44 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Desculpe, é que pensei que você estava
com dificuldades e ia me o...
45 | M a y a r a V e l l a r d i
- Fico contente, mas ainda estou com um
mau pressentimento.
- Era isso que eu queria te p...
46 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
resolve verificar a diferença entre as informações
entre a cola e a...
47 | M a y a r a V e l l a r d i
Ela vai à escola preocupada, mas nada
acontece, na volta ela presta muita atenção ao
trân...
48 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Na verdade, você terá algumas visões
sobre o seu futuro, mas saib...
49 | M a y a r a V e l l a r d i
- Apenas quando for necessário, na verdade
apareci agora porque você precisa de uma
justi...
50 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
“Aquilo foi real, impressionante! Preciso
contar a minha irmã o que...
51 | M a y a r a V e l l a r d i
- Você é fotogênica e muito simpática! O
mérito é todo seu! – fala Silveira.
- Obrigada! ...
52 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Capítulo 3 – Aprendendo a voar
Patrícia percebe que seus reflexos
m...
53 | M a y a r a V e l l a r d i
- Estou muito feliz por você, juntos podemos
nos tornar super-heróis para defender causas...
54 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Claro que não, está sendo fantástico.
Os dois passam muito tempo ...
55 | M a y a r a V e l l a r d i
Ângela, mãe de Ricardo, é uma mulher
batalhadora e que ama muito seu filho, seus
cabelos ...
56 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Patrícia continua tendo visões e socorrendo
pessoas. A menina vai à...
57 | M a y a r a V e l l a r d i
- Talvez possamos, mas antes quero ir no
ginecologista com a minha mãe, só assim vou me
s...
58 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
estudou bastante na escola e também a internet
está aí, existem sit...
59 | M a y a r a V e l l a r d i
- Só se for com você!
Os dois se beijam e conversam antes de
seguirem para a próxima etap...
60 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Os dois namoram bastante e eles transam
pela primeira vez. Então to...
61 | M a y a r a V e l l a r d i
Érika, uma linda menina oriental, ainda
tremendo do susto, com as roupas rasgadas e com
a...
62 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Mas por que ele fez isso com você?
- Ele queria que eu transasse ...
63 | M a y a r a V e l l a r d i
Os pais da menina chegam, Patrícia e
Ricardo vão embora. Logo depois a polícia chega e
to...
64 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Capítulo 4 – Realidade x Sonho
Patrícia abre os olhos com dificulda...
65 | M a y a r a V e l l a r d i
A mãe emocionada vai até o corredor para
contar a notícia à Ângela.
- Minha filha acordou...
66 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
de pontuação, isso representa o coma profundo, um
estado vegetativo...
67 | M a y a r a V e l l a r d i
- Já faz tanto tempo... oito meses que
estamos aqui, naquele dia sofremos tanto...
chegar...
68 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Os filhos retornam dos exames e as mães
vão para seus respectivos q...
69 | M a y a r a V e l l a r d i
- Do mesmo jeito que você, se recuperando.
Amanhã vou falar com o dr. Jaime para ver quan...
70 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Logo cedo, dr. Jaime passa para conversar
com as mães ansiosas.
- V...
71 | M a y a r a V e l l a r d i
- Isso foi um milagre doutor. Deus faz coisas
que parecem impossíveis para os homens, mas...
72 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Sim, para mim foi tão real que cheguei a
acordar com o susto que ...
73 | M a y a r a V e l l a r d i
Capítulo 5 – Será que é real?
- Hoje é o grande dia! Está pronta filha?
- Com toda certez...
74 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
dura algumas horas e os dois se retornam às suas
casas porque preci...
75 | M a y a r a V e l l a r d i
- Obrigada mãe! Você é demais. O que ela
disse?
- No início ficou um pouco relutante, mas...
76 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- É sobre isso que eu quero falar com você.
Vem aqui na minha casa,...
77 | M a y a r a V e l l a r d i
- Gostaria de aproveitar a ocasião e dizer
algumas palavras. Primeiramente agradecer a De...
78 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
Os dois se beijam e trocam alianças. É um
momento muito romântico. ...
79 | M a y a r a V e l l a r d i
As duas ficam assustadas e entendem que
Patrícia realmente tem poderes.
Mais tarde, Maurí...
80 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Obrigada por ter me ligado! Que pena que
você não pôde vir, a fes...
81 | M a y a r a V e l l a r d i
depois ele já estava com outra menina. Eu sei que
isso tudo parece loucura, mas quis te l...
82 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Mãe, você viu um lenço branco de cetim em
cima da minha cômoda?
-...
83 | M a y a r a V e l l a r d i
A conversa termina e a menina começa a
combinar onde será a festa de Ano Novo com
Ricardo...
84 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
não estou feliz porque alguém recebeu esse tiro e
eu não pude imped...
85 | M a y a r a V e l l a r d i
Capítulo 6 – Descobrindo um mundo novo
As férias terminam e chega o momento de
Patrícia v...
86 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Ri, como foi sua semana no colégio? Na
natação?
- Foi tudo bem, t...
87 | M a y a r a V e l l a r d i
O rapaz fica chateado, mas não desiste.
Patrícia o incentiva semana após semana e assim
p...
88 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
sonhos lhe disse que ela não poderia usar sua
visão para sua própri...
89 | M a y a r a V e l l a r d i
Chega o dia da festa e ela pega carona com
os amigos. Beto é um menino acostumado a ganha...
90 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Como você pode dizer isso? Você nem tem
como saber.
- Esqueceu qu...
91 | M a y a r a V e l l a r d i
Patrícia pede conselhos a uma de suas
colegas. Thamires é uma menina considerada fácil
pe...
92 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Voltou animadinha do banheiro, hein? A
Thami tava te dando umas a...
93 | M a y a r a V e l l a r d i
- Oi Paty.
- Eu tava pensando em você agora.
- Como você me encontrou aqui?
- Coincidênci...
94 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- É verdade que você estava beijando uma
menina outro dia perto do ...
95 | M a y a r a V e l l a r d i
- Uau! Desde quando os dois estão juntos?
- Nossas mães praticamente moraram no
hospital ...
96 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Por favor, prometo que te conto tudo
amanhã!
- Tudo bem, mas deix...
97 | M a y a r a V e l l a r d i
- Pode falar filha.
- Eu não sei como dizer isso, mas é que eu e
o Ricardo nos amamos mui...
98 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Vocês ainda são novos para pensar em
tudo isso, vamos deixar o te...
99 | M a y a r a V e l l a r d i
Capítulo 7 – Controlando os sentimentos
O ano passa tranquilo, a vida de Patrícia é
estud...
100 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Você foi embora correndo e eu já estava
muito bêbada e o Beto ta...
101 | M a y a r a V e l l a r d i
- Ela me deu apoio e me disse que passou
por uma situação muito parecida na adolescência...
102 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Na verdade o aborto é pior do que um
assassinato, porque você tá...
103 | M a y a r a V e l l a r d i
- Fico muito feliz por você ter encontrado seu
caminho. Deus sabe o que faz e se Ele per...
104 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
- Não tenho nada pra falar com a senhora.
Quando a menina ia desli...
105 | M a y a r a V e l l a r d i
Patrícia concorda e as duas esperam
ansiosas a mãe de Beto. Então a campainha toca e
as ...
106 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
um senhor de idade que caminhava com seu
cachorro. Era um domingo,...
107 | M a y a r a V e l l a r d i
decisão de criar meu filho sozinha e minha mãe me
ajuda muito.
- Pense no melhor para o ...
108 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
ouvem o que dizemos, então lá vai, eu te amei
muito, mas depois de...
109 | M a y a r a V e l l a r d i
total culpado e que tive chances de levar uma boa
vida, mas só fiz besteira e por favor,...
110 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ?
está namorando com o dr. Jaime e nós temos
poderes!
111 | M a y a r a V e l l a r d i
Capítulo 8 – Tudo em seu lugar
O tempo passa rápido e Ricardo está em seu
segundo ano de...
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen

251 visualizações

Publicada em

Assista ao Book Trailer no meu canal do Youtube: https://youtu.be/cTHn5JMIKD8

Após ler o livro, acesse o conteúdo interativo em meu Blog: http://informacaoexpressa.blogspot.com.br/p/superteen.html

Esse é o meu primeiro livro infantojuvenil, que escrevi em 2010!

Prefácio:
Os jovens não conhecem o poder, a força, o brilho e a beleza que possuem. Geralmente quando as pessoas envelhecem, costumam analisar seus passados e percebem oportunidades desperdiçadas, atitudes impensadas e caminhos mau escolhidos.
Não se pode exigir que uma pessoa amadureça como outras, cada um tem seu tempo e deve passar por situações diferentes para conseguir enxergar o que muitas vezes parece óbvio.
Esse livro trata alguns temas comuns no cotidiano dos jovens. Todos têm sonhos, mas por muitas vezes se desviam do caminho e precisam de lições de vida para voltarem às suas missões.
Muitas vezes o que parece não ter volta é o que faz as pessoas renascerem. E quem ajuda todo mundo e parece forte, inabalável, percebe que é tão frágil como qualquer outra pessoa e que também precisa de auxílio.
As pessoas não precisam de poderes extraordinários para serem super-heróis, pequenas atitudes e gestos no cotidiano podem mudar situações, salvar vidas e ajudar os outros a resolverem seus problemas.
O livro conta a história de Patrícia, uma adolescente que estuda e pratica esportes é uma boa amiga e filha, tem uma vida social como qualquer jovem da sua idade.
Mas a menina guarda um segredo: ela sonha em ser uma super-heroína, mas sabe que isso não é possível.
Até que um dia, a menina percebe que o que ela tanto queria começa a acontecer e alguns poderes se tornam reais.
Será que isso tudo é real? Ela consegue mudar o mundo e lutar contra as injustiças? Seus poderes são usados para o bem do próximo?

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
251
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen

  1. 1. 2 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? O impossível pode acontecer? Paty e a descoberta da Superteen Mayara Vellardi
  2. 2. 3 | M a y a r a V e l l a r d i Prefácio: Os jovens não conhecem o poder, a força, o brilho e a beleza que possuem. Geralmente quando as pessoas envelhecem, costumam analisar seus passados e percebem oportunidades desperdiçadas, atitudes impensadas e caminhos mau escolhidos. Não se pode exigir que uma pessoa amadureça como outras, cada um tem seu tempo e deve passar por situações diferentes para conseguir enxergar o que muitas vezes parece óbvio. Esse livro trata alguns temas comuns no cotidiano dos jovens. Todos têm sonhos, mas por muitas vezes se desviam do caminho e precisam de lições de vida para voltarem às suas missões. Muitas vezes o que parece não ter volta é o que faz as pessoas renascerem. E quem ajuda todo mundo e parece forte, inabalável, percebe que é tão frágil como qualquer outra pessoa e que também precisa de auxílio. As pessoas não precisam de poderes extraordinários para serem super-heróis, pequenas atitudes e gestos no cotidiano podem mudar situações, salvar vidas e ajudar os outros a resolverem seus problemas.
  3. 3. 4 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? O livro conta a história de Patrícia, uma adolescente que estuda e pratica esportes é uma boa amiga e filha, tem uma vida social como qualquer jovem da sua idade. Mas a menina guarda um segredo: ela sonha em ser uma super-heroína, mas sabe que isso não é possível. Até que um dia, a menina percebe que o que ela tanto queria começa a acontecer e alguns poderes se tornam reais. Será que isso tudo é real? Ela consegue mudar o mundo e lutar contra as injustiças? Seus poderes são usados para o bem do próximo?
  4. 4. 5 | M a y a r a V e l l a r d i Em Especial: A fé é a base de tudo, sem ela posso dizer que não consigo chegar a lugar algum, por isso, agradeço primeiramente a Deus, Jesus, Virgem Maria e aos meus intercessores, pois sem Eles minha vida nada seria, eu simplesmente não existiria. Quero agradecer ao meu marido Wilson pelo apoio e compreensão e à minha amada filha Yasmim, pois sem eles a vida seria mais difícil. Também agradeço aos meus amigos que sempre estão ao meu lado quando preciso e que com o passar dos anos se tornaram importantes em minha vida. Agradeço a todos os meus familiares, próximos, distantes, adotivos, biológicos e contraídos pelo casamento. É importante agradecer também aos desconhecidos que por simples passagens em minha vida me fazem enxergar que nada é coincidência, mas sim providência e que quando queremos muito uma coisa, o Universo conspira a nosso favor!
  5. 5. 6 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Lembrando que esse livro também é dedicado a todos os leitores e a todas as pessoas que de uma maneira ou outra ajudaram a escrever a história da minha vida até o presente momento!
  6. 6. 7 | M a y a r a V e l l a r d i A autora: Comecei a me apaixonar pela arte da escrita e compor poemas e pensamentos quando tinha nove anos. Aos dezessete, eu estava no último ano do técnico em Patologia Clínica quando uma professora de história me inscreveu em um concurso de poesia sobre a Revolução Constitucionalista de 1932, que a Associação Comercial de São Paulo promoveu para todo Estado de São Paulo. E para minha surpresa ganhei em primeiro lugar na minha categoria! Isso foi um grande impulso para modificar algumas decisões e mudar da área da saúde para a área da comunicação, então resolvi cursar Jornalismo. Após enfrentar muitas dificuldades e desilusões na área, decidi apostar na área da saúde novamente, cursei quase um ano de Farmácia e Bioquímica, confesso que gostei bastante, que consegui boas notas e estágios com certa facilidade, mas percebi que não era o que eu queria para minha vida, então comecei a pós-graduação em Língua Portuguesa e voltei para a área da comunicação.
  7. 7. 8 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? No ano de 2010, escrevi este livro e depois isso não parei mais, já escrevi outras obras! A vida me mostrou diferentes caminhos e aqui estou, jornalista e escritora, misturando sonhos e realidade em meus textos, poemas e livros! Quer conhecer mais sobre a o meu perfil? Acesse meu blog: http://informacaoexpressa.blogspot.com.br/
  8. 8. 9 | M a y a r a V e l l a r d i Capítulo 1 – Não passava de um sonho... Patrícia é uma menina de 14 anos, como qualquer outra garota de sua idade. Pratica esportes, estuda, frequenta festas, tem boas relações familiares e além de boa filha é uma amiga sem igual. Maria Alice, sua irmã mais nova a admira muito, inclusive chega a ser parecida com ela fisicamente, cabelos ruivos e longos, abaixo do ombro, olhos verdes penetrantes, sardas na pele do rosto e sorrisos inigualáveis. A diferença de idade entre as duas é pequena, Lili, como é carinhosamente chamada por Paty, tem 12 anos. Patrícia costuma dizer que sua vida é como um livro aberto, em que todos podem ajudar a escrever. Porém a jovem sonhadora guarda em seu coração um segredo, o qual alimenta sua alma de esperança por um mundo melhor e mais justo. Seu sonho é tornar-se uma super-heroína, ela assiste filmes, guarda pôsteres de heróis em seu quarto, faz desenhos e cria histórias em seu diário secreto, que ela guarda em um fundo falso embaixo da última gaveta do seu guarda-roupa. Ela sabe que nada disso existe, mas tem esperanças de que um dia algo diferente possa
  9. 9. 10 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? acontecer e ela espera ansiosamente por isso, mas a menina não conta nada a ninguém, pois tem medo de ser ridicularizada. Sua rotina é muito divertida. Essa semana é seu aniversário e sua mãe, irmã e melhor amiga, estão preparando uma incrível festa surpresa para comemorar seus 15 anos. - Tia Laura, estou terminando de fazer os convites no computador, será que você pode vir dar uma olhada para ver se ficaram bons? - Tudo bem Clara! A Paty tem muita sorte em ter uma amiga como você! Nossa, os convites ficaram lindos! Você pode mandar imprimir na gráfica perto da sua casa? Depois eu vou lá para pagar e retirar, ok? - Tudo bem tia, então eu vou nessa, senão a Paty vai chegar aí e eu nem sei que desculpa vou usar! Nesse meio tempo chega Lili: - Oi mãe, encontrei a Clara na esquina, ela tava com a arte dos convites salva em um pendrive, ela disse que vai mandar imprimir, né?
  10. 10. 11 | M a y a r a V e l l a r d i - Sim filha é mesmo. E você, conseguiu encomendar o bolo e os docinhos com a Dona Neyde? - Consegui mãe. Tudo vai ficar lindo do jeito que a Paty gosta. A Dona Neyde falou pra você passar lá pra ver o tema que escolhi. Laura é uma mulher determinada e amorosa, faz tudo pela felicidade de suas filhas, uma mãe e esposa dedicada. Ruiva dos olhos verdes, quando sai com as filhas, costumam perguntar se ela é irmã mais velha das meninas. Clara, melhor amiga de Patrícia, é uma menina simples, cabelos pretos longos, de estatura baixa e acima do peso, fica com as bochechas avermelhadas quando está nervosa. Dona Neyde é vizinha de Laura, as duas são amigas há muitos anos. Neyde foi abandonada pelo marido e para criar seu único filho com deficiência múltipla, física não-sensorial e mental, faz bolos, doces e salgados por encomenda, pois não pode trabalhar fora, afinal deve cuidar de seu filho Estevão. Patrícia está na escola, estudando para uma importante prova:
  11. 11. 12 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Paty, que dia é hoje? - Hoje é dia 10 de março de 2015, J.C.. - Valeu Paty! Por que temos que ficar até mais tarde essa semana? Eu estudava sozinho em casa e tava muito bom. Isso é um saco. - Esse sábado temos aquele provão com 50 questões e se não formos bem, podemos nos prejudicar muito nas notas do final do bimestre. - Odeio ter que dar o braço a torcer, mas você está certa como sempre. João Carlos ou J.C., apelido criado por Patrícia, é loiro, tem olhos verdes, tem estatura mediana, é um menino muito bonito, mas que não gosta muito de estudar e tem mania de deixar tudo para a última hora. O sinal bate e Patrícia corre pelas ruas para chegar logo em casa, afinal ela ainda tem que almoçar antes de ir para o treino de futebol. A menina corre distraída e tromba com o menino de seus sonhos quase na esquina de sua casa. - Oi, desculpe... eu estava atrasada e distraída.
  12. 12. 13 | M a y a r a V e l l a r d i - Tudo bem, você se machucou? - Não foi nada! E você, está bem? - Estou bem, mas só aceito suas desculpas se você aceitar tomar um sorvete comigo. A menina é muito responsável, mesmo que ela queira aceitar o convite do menino que ela tanto admira, sabe que não deve faltar aos seus compromissos e sabe também, que sua mãe a espera para o almoço, portanto: - Agora eu estou indo almoçar e depois vou para o treino de futebol lá no Clube Atlético. Poderia ser mais tarde, o que acha? - Pode ser, eu faço natação no clube, podemos nos encontrar lá, depois do seu treino... - Fechado! Às cinco horas em frente à quadra de futsal. Só mais uma coisa, qual é seu nome? - Meu nome é Ricardo e o seu? - Meu nome é Patrícia, mas pode me chamar de Paty.
  13. 13. 14 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Patrícia foi para casa almoçar e trocar de roupa. Ainda emocionada com o ocorrido, resolveu contar à mãe e à irmã o que havia acontecido. - Vocês nem imaginam o que aconteceu! Sabe aquele menino que eu vejo no clube de vez em quando, que eu acho lindo? Aquele que é moreno, tem cabelos pretos, alto e forte, ah ele é tudo de bom e o nome dele é Ricardo! - Como você descobriu o nome dele? – perguntam as duas intrigadas. - Eu vinha correndo da escola e topei com ele aqui na esquina de casa. Ele falou que faz natação lá no clube, vamos nos encontrar mais tarde, depois do meu treino. - Boa sorte Paty, depois eu quero conhecer esse Ricardo, hein? – fala Lili. - Filha, só toma cuidado, você sabe como as coisas estão hoje em dia. - Valeu gente! Obrigada pela força! A menina foi para o treino e conforme o combinado, lá estava Ricardo a esperando. Os dois foram tomar o tão esperado sorvete, enquanto Lili, Laura e Clara planejavam a festa surpresa.
  14. 14. 15 | M a y a r a V e l l a r d i O que Patrícia não imaginava é que Ricardo já a observava há tempos. Ele estava fascinado com sua beleza e encantado com seu jeito doce e determinado. - Então, onde você estuda? - Estudo no Centro Educacional Picasso, onde o ensino é uma arte. – comenta Paty com ar de graça. - Você gosta tanto do colégio que fala até o slogan? - Esse não é o slogan do colégio, fui eu que inventei essa frase. - Por que você não apresenta essa frase ao diretor? Pode ser que ele goste e quem sabe você pode se destacar! - Boa ideia, vou fazer isso mesmo! E você, onde estuda? - Estudo no Colégio Interação. Estou no terceiro ano do médio. - Eu estou no primeiro ano, não vejo a hora de me formar. Que curso você quer fazer na faculdade?
  15. 15. 16 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Amo animais, penso em ser veterinário. E você? - Gosto muito de ajudar as pessoas, não suporto injustiças, pensei em fazer Direito, mas como as leis não funcionam muito bem nesse país, ficaria muito revoltada e me sentiria impotente, então penso em fazer Medicina, acho que vou ajudar mais pessoas dessa forma. A conversa foi agradável e durou um longo período de tempo. Ele fez questão de acompanhar a moça até em casa e percebeu que ela mora próximo ao prédio que ele vive. Os dois trocaram e- mail e telefone e prometeram conversar mais vezes. A despedida foi um suave beijo no rosto, entre os lábios e a bochecha. Patrícia chegou a sua casa e seu pai a chamou para uma conversa. - Oi filha, como foi o treino hoje? – pergunta Maurício. - Oi pai, foi legal, me diverti bastante, depois saí com um amigo para tomar sorvete, espero que não tenha ficado preocupado. - Sua mãe comentou comigo, eu não fiquei preocupado porque confio em você.
  16. 16. 17 | M a y a r a V e l l a r d i - Obrigada! - Bem, na verdade, o que quero falar é sobre outro assunto. A jovem arregala os olhos e pensa: “Será que fiz algo errado? Será que ele vai me deixar de castigo bem na semana do meu aniversário?” - Filha, eu e sua mãe te amamos muito e queremos o seu bem, sei que essa semana você completa 15 anos e eu gostaria de poder te oferecer uma linda festa, mas com a viagem no fim do ano à Bahia, fica um pouco complicado, acho que você entende... - Sim, eu entendo e fico muito feliz por me proporcionar uma viagem tão inesquecível! Tenho certeza de que vou amar! Maurício tem olhos cor de mel e cabelo castanho claro, é alto e possui um forte porte físico, também é um pai muito amoroso e pensa muito em suas duas filhas, ele é um marido excelente, essa é uma família em que todos se relacionam muito bem. A conversa termina e Patrícia vai ao quarto escrever no seu diário secreto:
  17. 17. 18 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? “Essa é a semana do meu aniversário de 15 anos... ...hoje é segunda-feira e posso dizer que minha semana já começou muito bem e com muitas emoções, o que será que vai acontecer até sábado? Pena que não vou ter festa esse fim de semana, mas tudo bem, afinal vou ganhar uma viagem no final do ano para compensar. Eu vou pra Bahia! Quero que meus 15 anos sejam inesquecíveis! Estou muito feliz porque o menino que eu tanto queria conhecer um dia, saiu comigo hoje, na despedida quase me beijou na boca. Isso é tão legal... e o melhor, meus pais e minha irmã sabem e me dão o maior apoio, sempre vou confiar na minha família... Pensando na situação de outras amigas minhas, eu sou uma sortuda por ter uma família tão compreensiva. Se fossem os pais da Marcinha, por exemplo, se eles soubessem que ela ia ter um encontro com um menino, eles a proibiriam de sair, fariam um verdadeiro escândalo. Por isso que ela apronta tanto e escondido. Se eu pudesse ao menos mostrar para pais e filhos que a amizade é o que realmente resolve e não castigos, tapas e
  18. 18. 19 | M a y a r a V e l l a r d i brigas, com certeza as coisas seriam bem melhores. Mas mudando de assunto, queria tanto ter uma festa surpresa... ia ser demais, mas nem sinal de nada, mas não posso reclamar, afinal meus pais são demais! Agora vou escrever mais um capítulo da Superteen: A adolescente previa que algo incrível ia acontecer na semana de seu aniversário, mas não sabia exatamente o que. Ela tinha intuições de que teria uma festa surpresa e de que seu diretor faria um concurso para a escolha de um slogan para a escola e adivinha quem ganhava o concurso, a Superteen é claro! E mais, ela descobria que Ricardo, seu amado, também era herói e que lutava contra a injustiça aos animais, seu nome era Superpet...” Ela fecha o diário e vai dormir, afinal muitas surpresas a esperam no dia seguinte. Quando a garota chega à escola no dia seguinte, vê que há uma roda de alunos em volta de um cartaz. Ela se aproxima e lê:
  19. 19. 20 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? “Concurso: Quem cria o melhor slogan? Mais informações na secretaria.” A menina fica eufórica, ela já tem tudo pronto, isso é perfeito. Então ela vai à secretaria e inscreve sua frase. A apuração deve acontecer na sexta- feira. - Patrícia, você foi a décima aluna a fazer a inscrição, muitas pessoas ainda virão, mas sei que você é muito talentosa e tem grandes chances. – fala Cássia. - Cássia, você é tão legal comigo. Quem dera se todos os funcionários do colégio fossem assim. - Eles podem não ser assim muitas vezes, mas de uma coisa você pode ter certeza, você é muito querida aqui e todos sempre estão te elogiando ou comentando algo positivo a seu respeito. - Obrigada, fico muito feliz! Eu gosto muito de estudar aqui, quando eu me formar, sentirei muitas saudades. Cássia é funcionária da secretária, uma pessoa cativante e que adora servir a todos, com
  20. 20. 21 | M a y a r a V e l l a r d i seus cabelos curtos e encaracolados e sua linda pele negra, encanta os alunos com sua beleza e seu jeito agradável. O dia passa e a jovem fala com seus amigos. Marcinha a chama para uma conversa a sós. - Amiga preciso muito da sua ajuda. Não sei o que fazer, meus pais me pegaram fumando na rua e tiraram meu celular, minha mesada e ainda me proibiram de sair durante esse mês, o pior é que eu tenho um encontro com o Marquinhos mais tarde, estou tão triste. - A melhor coisa que aprendi é falar a verdade, doa a quem doer. Por que você não conta aos seus pais que está com o Marquinhos? Poxa, já faz três meses que vocês estão namorando. - Eu sei, mas eles não iriam compreender, a última vez que eles me viram com um menino eu fiquei de castigo, sem poder sair de casa por uns dois meses. O pior é que agora estou com muita vontade de fumar, estou nervosa e não tenho dinheiro pra comprar cigarro. - Eu não posso te ajudar. Por mais que sua situação está complicada, eu ainda a aconselho a conversar com seus pais seriamente, abrir seu
  21. 21. 22 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? coração, falar que se eles confiarem em você, sempre será sincera com eles. - Vou falar a verdade, vou enfrentá-los, mas se eles continuarem a fazer o que fazem comigo, uma hora vou acabar fugindo de casa. - Não tome atitudes precipitadas, qualquer coisa me avise. O dia segue tranquilo, sem muitas novidades, depois da escola Patrícia vai ao curso de Inglês, enquanto os detalhes de sua festa são programados. À noite, a adolescente vai à casa de Dona Neyde ver se ela precisa de ajuda, como costuma fazer toda semana. - Oi Estevão! Como você está lindo hoje! O rapaz fica feliz em vê-la e sorri, fazendo gestos de querer abraçá-la. Estevão tem 18 anos, mas devido às suas complicações, se comporta como um menino de 5 anos. - Dona Neyde, rezo para que Estevão fique bem logo.
  22. 22. 23 | M a y a r a V e l l a r d i - Obrigada filha, você e sua família são muito importantes para mim. Sabe, hoje levei meu menino no Centro de Reabilitação para fazer fisioterapia e a doutora me falou que logo ele conseguirá falar e aprender a ler e escrever. - Que bom! Fico muito feliz e quero que saiba que pode contar comigo para o que precisar. - Agora que você já tem idade para saber, vou te contar. Por vezes é complicado criar o Estevão sem a presença de um marido, mas vou confessar algo, dou graças a Deus por ele ter ido embora quando Estevão era pequeno, na verdade, ele foi o maior culpado pela doença do meu filho. - Por quê? - Porque eu descobri que ele me transmitiu Sífilis durante a gestação, mas os sintomas demoraram para aparecer e o Estevão foi contaminado e quando foi feito o tratamento já era tarde, ele teve outras complicações e ficou assim, uma criança especial. Quando descobri o que aconteceu ele tinha praticamente dois anos, o médico confirmou a doença e exigi explicações do meu marido, ele assumiu que tinha tido casos com outras mulheres, disse que não ficaria com uma mulher ciumenta e com uma criança problemática e foi embora.
  23. 23. 24 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Não sei o que te dizer, mas garanto que Deus é justo e que ninguém passa pelo que não aguenta. Se vocês estão passando por essas tribulações, é porque são capazes de superar tudo. O que é para acontecer sempre acontece, de uma forma ou de outra, quem sabe seu ex-marido não tinha que passar pela sua vida não para desgraçá- la e abandonar você e seu filho, mas para te deixar um lindo presente especial que prova a cada dia que você é tão especial quanto seu filho e um exemplo de mulher! - Que lindas palavras! – fala Neyde com lágrimas nos olhos. A menina ajuda a senhora com os doces e comenta: - Que festa linda você está preparando! Essa pessoa é sortuda, hein? Você cozinha muito bem! - Obrigada filha, essa festa é para uma menina parente de um amigo de um primo de uma fisioterapeuta lá do C.R.. - Legal! Se precisar de mim é só me chamar, vou indo porque amanhã cedo tenho aula! A jovem sonhadora escreve em seu diário:
  24. 24. 25 | M a y a r a V e l l a r d i “Hoje é dia: 11/03, terça-feira! Falta menos de uma semana para o meu niver! Ah, se eu pudesse ajudar a amenizar o sofrimento das pessoas... ...escolhas infelizes podem destruir uma vida. Uma atitude impensada do ex-marido da Dona Neyde causou uma doença grave para o menino e ainda como se isso não bastasse, ele foi embora e os abandonou. Por que as pessoas traem? Não seria mais fácil falar que não gostam mais umas das outras? O mundo seria um lugar bem melhor sem mentiras. Falar a verdade pode ser muito complicado, mas o sofrimento causado é menor do que a descoberta de uma mentira, ainda mais em uma situação como a da Dona Neyde...” A menina vai à escola e percebe que sua amiga Marcinha faltou, então decide ligar para a amiga para saber o que aconteceu. Assim que as aulas terminam a menina telefona, mas a mãe da amiga não a deixa atender ao telefonema: - Oi Patrícia, desculpe, mas a Marcinha está de castigo e não pode falar ao telefone e se está preocupada porque ela faltou hoje é porque eu e o pai dela estamos pensando na possibilidade de mudá-la de escola.
  25. 25. 26 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Mas tia Cláudia, o que aconteceu? Posso ajudar? Desculpe minha intromissão, é que gosto muito de sua filha e se eu puder aconselhá-la ou mesmo conversar com a senhora... - Na verdade gostaria que não se intrometesse, muito obrigada. Cláudia desliga o telefone e cai em um choro compulsivo, ela se sente mal por ter tratado Patrícia daquela forma, na verdade ela e seu marido não sabem como educar a filha, pois seu outro filho morreu de overdose há três anos e eles se culpam muito por isso. Além disso, esse era um assunto não comentado por eles, ou seja, nenhum amigo de Marcinha sabe desses fatos. A adolescente fica muito chateada por não conseguir ajudar, mas ela não vai desistir tão fácil, afinal eles precisam de ajuda. O dia passa, a garota vai para seu treino de futebol e encontra com Ricardo no clube: - De que signo você é? - Sou de sagitário, faço aniversário dia 15 de novembro. E você? - Faço aniversário no dia 15 de março, sou de peixes.
  26. 26. 27 | M a y a r a V e l l a r d i - Então você faz aniversário esse sábado, hein? - Sim, faço 15 anos, mas não vou ter festa porque no fim do ano meus pais vão me dar uma viagem à Bahia. - Que legal! Se sábado você não for fazer nada, poderíamos combinar algo, o que você acha? - Pode ser, me liga pra combinarmos. À noite, Patrícia conversa com sua irmã: - Lili, Ricardo perguntou quando é meu aniversário, eu falei que é esse sábado e ele quer sair comigo, não é legal? - É sim, você vai sair com ele durante o dia? Para onde vocês vão? Eu tava pensando em fazermos algo juntas no sábado à noite. - Pode ser, vou falar com ele pra ver se fazemos algo durante o dia e à noite fico com vocês. Enquanto Paty dorme, Lili pega o telefone de Ricardo para convidá-lo para a festa, porém como já é tarde da noite, deixa para fazê-lo no dia seguinte.
  27. 27. 28 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Mais um dia começa e a jovem resolve que depois da escola vai à casa de Marcinha. - Oi tia Cláudia, vim fazer uma visita e saber se está tudo bem. - Oi Paty, desculpa por ontem no telefone, sei que fui grosseira, gostaria de conversar com você. - Tudo bem, eu estou aqui para isso! - Vamos tomar um café e te explico o que está acontecendo. - Antes de mais nada, gostaria de falar que não estou aqui para fazer fofoca ou tentar me intrometer no castigo da Marcinha, eu só queria conversar, porque sei que minha amiga está muito triste. - Tudo bem, Paty. Tem algo que eu preciso te contar. Nós tínhamos outro filho, era o irmão mais velho de Márcia, seu nome era Gabriel. Ele morreu de overdose quando tinha 17 anos. Nessa época, Marcinha tinha dois anos, ela mal se lembra do ocorrido e somos gratos a Deus por isso. Morávamos em outro bairro, um pouco distante daqui, e assim que ele morreu, resolvemos mudar para cá, porque não aguentávamos ficar na casa em que criamos nosso filho. Por isso, temos tanta
  28. 28. 29 | M a y a r a V e l l a r d i dificuldade em criar nossa Marcinha, não queremos que ela tenha o mesmo fim trágico de Gabriel, você entende? - Ela sabe de tudo isso? - Na verdade escondemos tudo o que lembra nosso filho e evitamos ao máximo falar desse assunto, ela nunca questionou nada, creio que ela saiba pouco. Amamos muito nossa filha e temos consciência de que precisamos do auxílio de um profissional, um psicólogo talvez. - Tia, gosto muito de você e da Marcinha e uma tia minha é psicóloga, acho que ela pode te ajudar bastante, não só com o trauma pelo qual vocês passaram, mas também a entender a Marcinha. Após ouvir a conversa entre Cláudia e Patrícia, Márcia sai de seu quarto chorando e abraça a mãe e a amiga. - Amo vocês! Paty, obrigada por ter ajudado minha família. - Mãe, você é muito especial, te amo muito, eu não sabia o quanto você e meu pai sofreram, queria ter conhecido melhor meu irmão, mas sei
  29. 29. 30 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? que de onde ele está olha por nós e tenho certeza de que ele está muito bem agora. - Filha, agora você entende por que nos preocupamos tanto com você e te proibimos de fazer tudo? - Mas mãe, essa não é a solução. Olha a família da Paty, eles são amigos e têm confiança uns nos outros. Conta pra ela, amiga... - Tia, eu conto tudo para meus pais, se eles acham que estou fazendo algo errado, eles me explicam o porquê e me aconselham, então entendo e obedeço. Temos uma relação de amizade. Conto aos meus pais quando vou sair com um menino, sempre falo aonde vou, não preciso mentir. - Vamos começar a conversar mais com a Marcinha e também vamos dar um voto de confiança... - Obrigada mãe, você não vai se arrepender! Patrícia se despede, vai para sua casa e conta o ocorrido para sua mãe e irmã. - Depois de tudo isso, vou ficar aqui com vocês!
  30. 30. 31 | M a y a r a V e l l a r d i As duas preocupadas que logo Clara chegará para ajudar e também com os afazeres da festa, lembram Patrícia que ela tem aula de Inglês. - É mesmo, eu tinha me esquecido! Enquanto a menina vai para o curso, Lili liga para Ricardo: - Oi Ricardo, tudo bem? - Quem está falando? - Meu nome é Maria Alice, sou irmã da Paty. - Oi, prazer! Aconteceu algo com ela? - Não se preocupe... estou ligando porque sábado é aniversário dela e vamos fazer uma festa surpresa e queremos te convidar. - Claro, vou sim. Que horas vai ser? - Será às oito horas da noite no salão do prédio Mirabel, em uma rua paralela a essa. - Que coincidência, eu moro nesse prédio! - Poxa, podemos combinar algo para você distraí-la, o que acha?
  31. 31. 32 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Gostei, pode ser, saio com ela durante o dia e quando for o horário falo que minha mãe quer conhecê-la e a levo no salão do prédio. - Legal! Combinado! Lili resolve ligar para a casa de Marcinha e a convida para a festa, Cláudia confirma a presença de sua filha. Clara, Lili e Laura vão ao salão verificar mesas, cadeiras, enfeites, tudo! Quando a noite chega todos estão exaustos, por isso dormem cedo e mais um dia termina. “Hoje é sexta-feira, será que vou vencer o concurso? Será que as previsões da Superteen vão começar a dar certo?” – pensa a jovem. Ao término das aulas, o diretor Silveira, um homem de meia idade, cabelos grisalhos, um pouco acima do peso e muito simpático, reúne os alunos no auditório do colégio para anunciar o vencedor: - Boa tarde a todos, gostaria de agradecer a presença e a participação dos interessados em criar um slogan para o nosso Centro Educacional, como eu ainda não havia divulgado o prêmio que será entregue ao vencedor, vou mostrar agora.
  32. 32. 33 | M a y a r a V e l l a r d i O diretor mostra uma propaganda antiga do colégio e alguns cartazes antigos também. - O premiado ganhará 50% de desconto no restante das mensalidades desse ano e participará das propagandas do Centro Educacional Picasso. O slogan vencedor é: Estude no Centro Educacional Picasso, onde o ensino é uma arte! A aluna que criou o slogan foi: Patrícia Mendonça. Patrícia sobe ao palco para agradecer: - Gostaria de agradecer ao colégio, quero dizer, ao Centro Educacional Picasso pela oportunidade. Diretor, estou muito feliz pela escolha do meu slogan e com certeza meus pais ficarão muito contentes e orgulhosos. É um prêmio muito bom e esse concurso é uma maneira de valorizar os alunos. Parabéns a todos que participaram! Só gostaria de agradecer a Deus, porque sem Ele não sou ninguém. Obrigada! O diretor entrega as autorizações à menina e pede para que ela venha preparada no dia seguinte após a prova para gravar o comercial e tirar algumas fotos. A menina vai encontrar a irmã que a espera orgulhosa:
  33. 33. 34 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Você vai embora agora Lili? - Vou sim, podemos ir juntas para casa? - Claro, vamos contar pra mamãe! As duas chegam em casa e contam a boa nova, todos ficam muito felizes. - Hoje vou até a casa do J.C. ajudá-lo a estudar para a prova de amanhã, a Clara vai mais tarde, porque antes vai sair com a mãe dela. - Tudo bem filha, estude bastante para ir bem na prova de amanhã. A menina passa o dia na casa de J.C., Clara aparece somente no fim da tarde, afinal ajudou Lili, Laura e Dona Neyde na organização da festa. À noite, Maurício compra pizza para comemorar a vitória da filha. Após a comemoração Patrícia vai ao quarto para escrever em seu diário secreto. “Estou muito feliz, amanhã é meu aniversário e hoje ganhei o concurso. Uma visão da Superteen já aconteceu, bem que podiam acontecer as outras duas!”
  34. 34. 35 | M a y a r a V e l l a r d i O dia tão esperado chega e a menina vai à escola para fazer a prova. Depois que termina a prova o diretor a chama para uma conversa: - Paty, será que você está pronta para gravar e fotografar hoje? Você trouxe a autorização assinada pelos seus pais? - Sim, trouxe! Preciso me arrumar... - Não se preocupe, temos uma maquiadora e uma cabeleireira! Depois de gravar o comercial, ela agradece o diretor e sai apressada para encontrar Ricardo no clube. - Oi Paty, você está linda! - Obrigada, é que ganhei o concurso lá do colégio, gravei a propaganda e tirei umas fotos e para isso, cabeleireira e maquiadora me arrumaram. - Você está mais linda do que já é! - Obrigada, maquiagem sempre dá uma ajudinha! Então... agora já são quase seis horas,
  35. 35. 36 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? acho melhor eu ir embora daqui a pouco, porque meus pais devem comprar umas esfihas para comermos juntos. - Vou ao banheiro e já volto. Ricardo fica preocupado e liga para Lili: - Lili, a Paty quer ir embora porque disse que vocês devem comprar umas esfihas para comemorar o aniversário dela, o que faço? - Não se preocupe, vou ligar para ela e inventar uma desculpa, pode deixar. Ele volta naturalmente e senta ao lado de Patrícia. O telefone toca e ela atende: - Oi Lili, que horas é pra eu ir pra casa? - Paty, eu, o papai e a mamãe vamos sair para comprar um bolo e uns salgadinhos, porque a vovó, o vovô e os tios virão aqui em casa lá pras nove e meia, porque eles tem outro compromisso antes, então aproveita e fica com o Ricardo mais um pouco. - Tudo bem, você me convenceu! - E aí? Já rolou beijo?
  36. 36. 37 | M a y a r a V e l l a r d i - Já! Depois te conto! - Até mais tarde! - Até! Os dois ficam no clube até às sete e meia, então ele a convida para conhecer sua mãe: - Paty, minha mãe quer muito te conhecer. Eu disse a ela que hoje é seu aniversário e ela quer te dar parabéns pessoalmente, vamos lá no meu prédio? - Vamos, mas eu tenho que estar na minha casa às nove e meia, ok? Aí você vai comigo e conhece minha família! - Tudo bem! Mas antes quero te dar um presente! Então Ricardo tira um pequeno embrulho de seu bolso e entrega à Patrícia. - Ai que lindo Ri... é uma pulseirinha com pingente de crucifixo, adoro crucifixos! - Pensei muito antes de te entregar isso e achei que era um bom presente porque você sempre estará protegida! Quer namorar comigo?
  37. 37. 38 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? “Eu só posso estar sonhando, inacreditável! Esse aniversário está sendo o melhor que eu já tive!” – pensa a jovem. - Acho que eu vou pensar um pouco antes de aceitar seu pedido de namoro... – responde pensativa. - Tudo bem, eu espero... – fala Ricardo triste. - Pronto, já pensei! Eu aceito! Os dois se beijam e vão ao prédio, afinal já são praticamente oito horas. No caminho, um gato está tentando matar um pássaro, Ricardo não permite, ele espanta o gato e coloca o pássaro em uma árvore. “Ele é quase um Superpet, está tudo tão perfeito, só faltava a festa surpresa para as previsões da Superteen se concretizarem...” Os dois chegam ao prédio por volta de oito e meia, todos já estão no salão esperando ansiosamente. - Vamos dar uma passada no salão aqui do prédio antes de subirmos. - Ok!
  38. 38. 39 | M a y a r a V e l l a r d i Quando chegam ao salão, encontram uma linda faixa na porta: “Paty nós te amamos! Feliz Aniversário e que Deus realize seus sonhos!” Todos abraçam Paty, a menina fica muito emocionada e começa a chorar. Estão presentes todos seus amigos do colégio, os amigos de clube, os amigos do prédio e da vizinhança, os familiares, enfim uma grande festa! Lili entrega um lindo vestido nas mãos de Paty para que ela fique à vontade na festa, pois todos estão usando trajes sociais. - Obrigada, é lindo, é verde, minha cor preferida! De quem foi essa ideia? - Foi minha, da mamãe e do papai, ah, a Clara também ajudou bastante e a Dona Neyde também! Depois de vestida, a aniversariante vai ao palco, pega o microfone e começa a fazer um agradecimento: -Gostaria de agradecer primeiramente a Deus, porque sem Ele eu não estaria aqui e nem vocês! Também gostaria de agradecer a todos os
  39. 39. 40 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? presentes que estão fazendo com que essa noite seja tão especial. E quero agradecer muito, mas muito mesmo aos meus pais e à minha irmã, porque sei que fizeram tudo isso para minha felicidade e quero dizer que amo muito vocês! Essa é a melhor família do mundo! Ah, também quero agradecer uma pessoa muito especial, que eu fiquei sabendo que ajudou a organizar essa festa linda, minha amiga Clara e a Dona Neyde! A festa é um sucesso, todos se divertem muito, então chega o momento da valsa e a moça dança com seu pai e depois com Ricardo. Logo após chega o momento de cantar parabéns e cortar o bolo. “Agora é a hora de fazer o pedido, sei que estou grandinha para pedir certas coisas, mas um pedido é sempre um pedido e eu tenho tudo o que preciso em minha vida, então eu quero ter os poderes da Superteen, ou melhor, eu quero me transformar na Superteen e queria muito que o Ricardo fosse o Superpet”. A festa termina e Patrícia fica um pouco mais com Ricardo. Ele a leva para casa e a noite termina como um sonho. Antes de dormir ela escreve em seu diário:
  40. 40. 41 | M a y a r a V e l l a r d i “Coincidência ou não a Superteen, adivinhou o que ia acontecer, será que as coisas estão mudando? Será que algo vai acontecer? Qual é a força de um pedido de aniversário?”
  41. 41. 42 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Capítulo 2 – Como tudo aconteceu? No dia seguinte à festa, Patrícia vai com Ricardo ao shopping. Os dois se divertem bastante, tomam sorvete, vão ao cinema, tudo é muito divertido. Algo estranho acontece, a moça vê um clarão muito forte e no caminho de volta para casa, começa a ter visões sobre o futuro. Ela vê um garoto atravessando a rua e sendo atropelado, então corre e o salva, antes que isso ocorra. Ela não entende como isso acontece, sente- se perdida, pensa que realmente seu sonho pode se tornar realidade. A menina está exausta para conversar ou fazer outra coisa, então chega a sua casa e dorme tanto que acorda atrasada para o colégio. Na escola recebe a nota de sua prova feita no sábado e fica muito satisfeita. - Tirei nove e meio! Poxa que legal! Valeu a pena ter estudado! E você J.C.?
  42. 42. 43 | M a y a r a V e l l a r d i - Desta vez me saí melhor, mas também você ficou no meu pé a semana toda! Tirei oito! Obrigado! “Eu gosto muito de ajudar as pessoas, talvez essa seja a minha missão... espero que eu consiga continuar tendo visões e que eu realmente consiga ser a Superteen.” – pensa. Mais uma visão acontece, Patrícia vê uma menina de sua classe colando e sendo pega pelo professor de Geografia. - Laís, gostaria de falar com você. - Claro Paty, pode falar. - Você está pensando em colar na prova de Geografia de amanhã? - Claro que não, por que eu faria isso? Tenho o dia todo para estudar hoje. - Só te peço para que fique atenta, não faça nada, porque você pode se prejudicar. - Você está me ameaçando? Eu já falei que não vou colar.
  43. 43. 44 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Desculpe, é que pensei que você estava com dificuldades e ia me oferecer para estudar com você. - Obrigada, se eu precisar de ajuda, te falo. O dia passa, Laís tem problemas com sua família e não tem tempo para estudar, à noite, exausta, dorme em cima dos livros. Pela manhã, resolve fazer uma cola e levar no bolso, mas só para caso de emergência. Laís é uma garota consciente e que não costuma tomar atitudes que considera serem erradas. Com seus cabelos castanhos na altura do ombro e suaves cachos nas pontas, sua pele rosada e seus olhos castanhos escuros, a menina transmite segurança e serenidade. Durante a prova a menina pensa em usar a cola, mas lembra do que a colega disse e não o faz, mas quando entrega a prova ao professor, a cola caí de seu bolso, então ele a pega e grampeia na prova. Do lado de fora da sala Laís procura a amiga para uma conversa: - Não tive tempo para estudar, então fiz uma cola, mas lembrei do que você me disse e não usei.
  44. 44. 45 | M a y a r a V e l l a r d i - Fico contente, mas ainda estou com um mau pressentimento. - Era isso que eu queria te perguntar, não costumo colar em provas e eu pretendia estudar o dia todo, como você soube? - Às vezes tenho pressentimentos, é como se fossem visões, eu só queria te ajudar. - Estranho, se a cola que eu fiz está no meu bolso, não corro mais perigo, então você não tem mais motivo para ficar preocupada. Quando Laís coloca a mão no bolso, percebe que não há nada. - Paty, juro por Deus, essa cola estava aqui no meu bolso, será que ela caiu? Será que o professor viu? - Esse é meu medo, você é inocente e vai pagar por um erro que pensou em cometer, mas não cometeu. O sinal bate e o professor Júlio, um homem bondoso e paciente, alto, com cabelos grisalhos, olhos esverdeados e brilhantes, chama a menina para uma conversa, ela conta tudo o que aconteceu, o professor fica desconfiado, então ele
  45. 45. 46 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? resolve verificar a diferença entre as informações entre a cola e a prova e percebe que não existem informações sobre os mesmos assuntos, portanto a cola não influenciaria em nada nas respostas de Laís. O professor a chama novamente para uma conversa: - Bem, pelo que pude perceber não há informação na cola que seja ao menos parecida com o conteúdo da prova, por isso, vou relevar seu caso, mas que isso fique somente entre nós. Também gostaria de falar que só fiz isso, porque sei que você é uma menina estudiosa, esforçada e nunca soube de nenhum deslize seu. Porém, você teve a intenção de fazer algo errado, então vou fazer algumas perguntas sobre a prova, como uma chamada oral, assim você prova para mim que realmente não colou. - Claro professor, muito obrigada, fico muito feliz com seu voto de confiança. O assunto é encerrado e Patrícia sente a sensação de dever cumprido. O dia passa sem maiores complicações. No dia seguinte, a jovem tem uma nova visão, desta vez é relacionada à sua vida. Ela vê um carro a atropelando e ela torcendo o pé e ficando alguns dias de cama.
  46. 46. 47 | M a y a r a V e l l a r d i Ela vai à escola preocupada, mas nada acontece, na volta ela presta muita atenção ao trânsito e quando vê o carro vindo em sua direção, começa a correr, mas perde o equilíbrio e acaba sendo atropelada. Patrícia fica com a perna engessada e ganha alguns dias de repouso. Nesse tempo ela pensa: “Por que eu não consegui me livrar? Eu sabia, eu vi o carro e ainda corri... eu tinha que cair e torcer o pé? Não entendo...” A menina fica frustrada e adormece se questionando o porquê aquilo aconteceu com ela, para quê serviu essa visão se ela não pôde evitar? Em seu sonho aparece uma mulher que esclarece muitos fatos a ela. “- Oi Paty, sou você no futuro, venho para te ajudar, precisamos esclarecer diversos fatos em nossa vida. Mas têm muitas coisas que você não está preparada para enfrentar, por isso, vamos aos poucos. - Que legal poder falar comigo mais velha! Eu queria saber o porquê não consegui evitar esse meu acidente?
  47. 47. 48 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Na verdade, você terá algumas visões sobre o seu futuro, mas saiba que não poderá mudá-las. Como você foi abençoada com esse dom, não poderá usufruir para seu próprio bem. - Mas e quando, mesmo que de brincadeira, previ que ganharia o concurso e teria uma festa surpresa? - Na verdade, você ainda não estava com o dom, aquilo foi coincidência, mas mesmo se você soubesse, aquilo aconteceria e nada você poderia fazer para modificar. - Deixa eu ver se eu entendi, toda vez que eu tiver uma visão ao meu respeito, não poderei fazer nada para mudar, porque não conseguirei mudar, mas mesmo assim terei a oportunidade de ver meu destino? É isso? - Exato, mas nem sempre você saberá o que acontece com você, isso provavelmente só acontecerá quando for permitido por uma Força Maior. - Obrigada pelas dicas e conselhos. Você sempre vai aparecer para mim?
  48. 48. 49 | M a y a r a V e l l a r d i - Apenas quando for necessário, na verdade apareci agora porque você precisa de uma justificativa. - Por falar em justificativa, como eu consegui esse dom? - Você fez um pedido de aniversário e essa Força Maior permitiu que fosse realizado. Isso foi feito através do sofrimento seu e de pessoas próximas a você. - Por quê? - No momento certo você vai saber, por enquanto é só isso, tenho que ir, até um dia! E como prova de que isso foi real, deixarei um lenço branco de cetim em cima de sua cômoda.” A jovem acorda com o coração acelerado, tantas dúvidas surgem em sua mente nesse momento. Será que aquilo foi real? Será que foi um sonho? Como saber? De repente, ela se lembra do lenço branco, será que ele está na cômoda? Esse é um bom modo de saber se aquilo foi real. A menina levanta com dificuldade e vê o lenço.
  49. 49. 50 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? “Aquilo foi real, impressionante! Preciso contar a minha irmã o que está acontecendo.” – pensa. - Lili, preciso falar com você! - Você está precisando de alguma coisa? Você está bem? - Sim estou ótima, quero te contar algo. Então as duas conversam por algumas horas e Lili acredita em sua irmã, apesar de parecerem fatos fantásticos e inacreditáveis. Os dias passam e a menina não tem nenhuma visão, ela fica em casa de repouso por causa da torção de seu pé. Mas estudiosa como é, acompanha todas as lições que suas amigas, Clara e Márcia, trazem toda tarde. Quando volta à rotina, vai à escola e tem uma surpresa agradável. O banner e cartaz com suas fotos estão expostos e o diretor Silveira a chama para assistir a propaganda. - Ficou linda! Gostei muito de fazer essa propaganda!
  50. 50. 51 | M a y a r a V e l l a r d i - Você é fotogênica e muito simpática! O mérito é todo seu! – fala Silveira. - Obrigada! Estou muito contente em representar o colégio, ou melhor, o Centro Educacional! – sorri. Depois da aula, Paty vê uma senhora sendo assaltada e ela não pensa duas vezes antes de reagir. A menina surpreende o ladrão, tira sua arma e a quebra, devolve a bolsa da senhora e dá uma surra no bandido, ele assustado, foge. Patrícia fica um tanto assustada com suas novas habilidades e pensa em começar a treiná-las.
  51. 51. 52 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Capítulo 3 – Aprendendo a voar Patrícia percebe que seus reflexos melhoraram, seu condicionamento físico mudou, ela sente-se renovada. No clube, depois dos treinos de futebol, ela começa a descobrir seus poderes e treiná-los. Ela percebe que pode levitar e isso a deixa muito satisfeita. Então Ricardo a procura e os dois começam a conversar, ela fala que algo estranho está acontecendo e conta sobre suas visões e seus poderes. Ele fica admirado e conta que também está passando por algumas transformações: - Linda, quero te contar algo que também estou passando. Toda vez que vejo um animal ferido e fico com dó, eu consigo curá-lo, não é demais? E se vejo alguém maltratando um animal, ganho uma incrível força. Estou com a visão aguçada à noite, como a de uma coruja, consigo voar como uma águia, saltar como um gato e morder como um cachorro.
  52. 52. 53 | M a y a r a V e l l a r d i - Estou muito feliz por você, juntos podemos nos tornar super-heróis para defender causas que achamos justas. - Eu concordo com você e acho que devemos fazer isso mesmo. Não sei exatamente como, nem por que estamos passando por tudo isso, mas é maravilhoso. - Engraçado, tudo isso parece coisa de filme, mas está realmente acontecendo, na verdade, eu tenho uma explicação para isso. - Sério? Você sabe o porquê estamos passando por isso? - Faço uma grande ideia, sem contar que certos acontecimentos parecem coincidência, mas não são. No dia do meu aniversário fiz um pedido na hora de assoprar as velas e cortar o bolo, pedi para que nós nos tornássemos a Superteen e o Superpet, mas eu não imaginava exatamente quais seriam os poderes, fiz o pedido como uma brincadeira, não imaginava que fosse se tornar real. - Obrigado por me incluir no seu desejo. Isso realmente significa algo para mim. - Você não está chateado?
  53. 53. 54 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Claro que não, está sendo fantástico. Os dois passam muito tempo conversando e fazendo planos. Paty resolve contar a Ricardo o sonho que teve e sobre o lenço branco de cetim. Ele a deixa em casa e os dois se despedem com um beijo. Nesse momento os dois chegam a flutuar. O tempo passa e os dois começam a pensar em um uniforme. Eles sempre esperam anoitecer para treinarem seus poderes. - Ri, como podemos fazer um uniforme? Onde vamos nos trocar? - Podemos andar com ele embaixo da roupa e quando entrarmos em ação, colocamos uma máscara, ninguém nos reconhecerá para segurança de nossos amigos e familiares. - Pode ser, vamos ver a agilidade com que trocamos de roupa, podemos andar com uma pequena mochila nas costas, para guardar nossas roupas e algumas coisas. Os dois desenham as roupas e pedem à mãe de Ricardo que confeccione os uniformes, porque ela é costureira.
  54. 54. 55 | M a y a r a V e l l a r d i Ângela, mãe de Ricardo, é uma mulher batalhadora e que ama muito seu filho, seus cabelos curtos, tingidos em um tom achocolatado, disfarçam sua idade. - Tia Ângela, esse é o uniforme que desenhamos, é colado no corpo para facilitar a troca de roupa e também as nossas ações. - Escolhi a roupa do Superpet verde, porque é a cor do curso de Veterinária. - Eu quis a roupa da Superteen lilás porque achei bonita mesmo! – sorri. - Farei assim que possível, vocês ficarão lindos, mas devem tomar cuidado, lembrem-se de que isso não é brincadeira. - Sim mãe, pode ter certeza de que nos lembraremos disso. - Pode deixar tia, tomaremos cuidado. Em duas semanas os uniformes ficam prontos e os dois continuam treinando suas habilidades.
  55. 55. 56 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Patrícia continua tendo visões e socorrendo pessoas. A menina vai à escola, ao Inglês, aos treinos de futebol, leva uma vida normal. Pelo bairro, as pessoas a reconhecem por causa da propaganda que ela fez. Sua vida não poderia estar melhor. Ela e Ricardo já estão juntos há um tempo e eles resolvem perder a virgindade juntos. - Paty, não quero te pressionar, mas você sabe da minha vontade. - Eu sei Ri, eu também tenho vontade de transar com você, mas tenho medo... - Eu também sou virgem e nunca tive ninguém, talvez suas preocupações sejam as mesmas que as minhas... - Pode ser, tenho medo da dor e dos meus pais descobrirem, apesar da minha mãe ser muito amiga minha, não me sinto bem em contar minha intenções pra ela. - Não vou te forçar a nada, vamos com calma, aos domingos, minha mãe vai à casa da minha vó, podemos ir pra minha casa, o que acha?
  56. 56. 57 | M a y a r a V e l l a r d i - Talvez possamos, mas antes quero ir no ginecologista com a minha mãe, só assim vou me sentir segura de me entregar a você. - Se isso vai te tranquilizar, tudo bem, faça como achar melhor. Patrícia conversa com sua mãe: - Mãe, eu queria falar com você um assunto muito sério. - É sobre o seu namoro? - Sim, eu e o Ri achamos que está na hora de termos nossa primeira vez... - Filha, vou te falar que eu sempre me preparei porque sabia que esse dia ia chegar, vou ser sincera, para mim não é fácil, mas vou te dar o apoio que precisa. Vamos marcar uma consulta com o ginecologista para que você comece a tomar um anticoncepcional e possa tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto. Eu posso te aconselhar, mas sei que se quiser fazer algo, vai fazer, me consultando ou não, porque são seus sentimentos, é seu corpo e você sabe o quanto isso tem valor pra você e quanto o Ricardo é especial em sua vida. Só te peço que use camisinha, porque pior do que uma gravidez são as DST e isso acho que você já
  57. 57. 58 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? estudou bastante na escola e também a internet está aí, existem sites confiáveis em que você pode fazer pesquisas e saber mais sobre essas doenças. Acho que já falei demais, eu te amo e vou apoiar sua decisão. Só mais uma coisa, filha muito obrigada por confiar em mim, fico honrada em fazer parte da sua vida! As duas choram e se abraçam, a garota fica mais confiante e tem certeza de sua decisão. “Minha mãe me deu apoio... ela poderia ter feito como a maioria das mães... falado com meu pai, proibido meu namoro, me deixar de castigo, sei-lá, estou muito feliz por ter uma mãe tão amiga e compreensiva.” A menina vai ao médico com a mãe, faz os exames necessários, começa a tomar o remédio e se prepara para o grande dia. O tão esperado domingo chega, Patrícia vai à casa de Ricardo e ele a espera com o almoço pronto: - Hoje tem lasanha e fui eu que fiz! - Nossa, mas esse meu namoradinho lindo já está pronto pra casar!
  58. 58. 59 | M a y a r a V e l l a r d i - Só se for com você! Os dois se beijam e conversam antes de seguirem para a próxima etapa: - Sei que você foi ao médico e conversou com sua mãe, mas tem certeza de que é isso que você quer? Você está preparada? - Sim, eu pensei bastante e cheguei à conclusão de que esse é o momento de eu me entregar e que você é uma pessoa muito especial. - Eu esperei uma pessoa como você, já tive outras namoradas, mas não me senti seguro e confiante para seguir adiante, você entende, né? - Claro que sim! Isso é normal! - Na verdade, os meninos da minha idade ficam falando besteiras, eles dão a entender que meninos virgens ou são gays ou frouxos. Mas eu não me envergonho disso, pelo contrário, eu me orgulho! - Eu também tenho orgulho de você, porque não se deixou levar por essa sociedade machista e não tem vergonha de assumir seus sentimentos e suas vontades. Se todas as pessoas pensassem como você as coisas poderiam estar bem melhores.
  59. 59. 60 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Os dois namoram bastante e eles transam pela primeira vez. Então tomam banho juntos e quando estão almoçando, Ângela chega em casa. - Oi mãe, chegou mais cedo hoje. - Sim, sua vó estava cansada, espero não ter atrapalhado nada. – sorri. - Não atrapalhou nada, mãe! Os dois terminam o almoço e saem para passear, quando a garota tem uma visão de um jovem estuprando uma menina em um beco próximo ao prédio de Ricardo. - Vamos Ri, não podemos deixar isso acontecer. - Acabamos de passar por uma experiência tão legal e vemos esses cavalos brutos, forçando uma menina a fazer sexo. Os dois chegam a tempo e conseguem impedir o rapaz. Eles prendem o garoto em um poste e ligam para a polícia. A jovem percebe que a menina é sua colega de sala e conversa com ela: - Érika, como isso foi acontecer?
  60. 60. 61 | M a y a r a V e l l a r d i Érika, uma linda menina oriental, ainda tremendo do susto, com as roupas rasgadas e com alguns cortes na barriga e no pescoço conversa com Patrícia: - Você é a Superteen? - Como você sabe? - Porque você tem poderes e age como ela, mas está vestida normal. - Eu fiquei tão preocupada em te socorrer que esqueci de me trocar, mas isso não vem ao caso, daqui a pouco a polícia estará aqui e você terá que dar seu depoimento e fazer exame de corpo de delito. - Não queria que meus pais soubessem, mas como tenho 16 anos, vão chamá-los. - Mas isso aconteceu contra a sua vontade e nós chegamos a tempo para impedir, fica calma. - Na verdade, ele é meu namorado... - Seus pais sabem disso? - Sim, ele frequenta minha casa há dois meses.
  61. 61. 62 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Mas por que ele fez isso com você? - Ele queria que eu transasse com ele, mas sou virgem e tenho medo. - Ele falou que não ia esperar mais e que ia sair com outra. - Eu fiquei arrasada e disse que aceitaria. Fomos a um motel aqui perto, usei um RG falso para entrar, mas quando o clima esquentou, eu o distraí e consegui fugir, eu ganhei um pouco de tempo, porque ele teve que parar pra pagar, mas eu fui atropelada por um ciclista e ele me alcançou, ele gritava que era para que eu me acalmasse que ele só queria conversar, então esperei e acreditei na palavra dele, mas eu deveria ter fugido, ele tirou um canivete do bolso e começou a me agredir e me forçar a fazer o que eu não queria, ainda bem que vocês chegaram. - Isso é muito sério, temos que tomar uma atitude. - Eu sei, vou conversar com a minha mãe, acho que ela vai me ajudar bastante. - Pode ter certeza de que ela vai te ajudar.
  62. 62. 63 | M a y a r a V e l l a r d i Os pais da menina chegam, Patrícia e Ricardo vão embora. Logo depois a polícia chega e todos vão para a delegacia. Ao se deitar, Patrícia tem uma nova visão. Ela vê Ricardo com uma moça que ela não consegue visualizar o rosto saindo do shopping e os dois sendo atropelados por um caminhão desgovernado, então se desespera, liga para Ricardo e conta o que aconteceu.
  63. 63. 64 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Capítulo 4 – Realidade x Sonho Patrícia abre os olhos com dificuldade e pensa estar sonhando. Ela olha ao seu redor e vê aparelhos de hospital ligados e não entende o que está acontecendo. - Mãe! Corre! Ela abriu os olhos! – se emociona Lili. - Filha, eu sabia que você ia resistir, te amo muito! Obrigada Deus! Eu rezei tanto para você melhorar, fiz promessa, fiz novena... - O que está acontecendo? Por que eu estou aqui? - Você não se lembra do acidente? - Não. - No dia seguinte da sua festa, você estava saindo do shopping com o Ricardo e um caminhão desgovernado atropelou vocês. - Meu Deus, estou viva! Há quantos dias estou aqui no hospital? E o Ricardo? Ele está bem? - Ele está em coma, assim como você estava. Faz oito meses que vocês estão aqui.
  64. 64. 65 | M a y a r a V e l l a r d i A mãe emocionada vai até o corredor para contar a notícia à Ângela. - Minha filha acordou! - O meu menino também! - Isso é um milagre! – as duas gritam e comemoram. - Precisamos falar com o doutor Jaime. Saber se não existem mais riscos, como será a recuperação, se eles terão sequelas... – se preocupa Laura. - Vamos até o posto de enfermagem! As duas esperam pela chegada do doutor para uma avaliação de seus filhos e para sanar suas dúvidas e preocupações. Jaime é um médico de muita fé, um homem bondoso e muito charmoso, tem cerca de 40 anos, cabelos suavemente grisalhos, olhos negros e estatura alta. Ele examina os dois jovens e percebe que estão bem. - Utilizamos uma escala para medir o quão é grave o estado do paciente e o coma, chama-se Escala de Glasgow, seus filhos estavam com três
  65. 65. 66 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? de pontuação, isso representa o coma profundo, um estado vegetativo, com grandes chances de não recuperação e possível óbito. É incrível a recuperação dos dois, sair de um coma e abrir os olhos, como se despertassem de um sono profundo. Sei que um médico não costuma falar em Deus, mas considerem que isso foi um milagre. Precisamos reavaliar os danos neurológicos que os dois tiveram para verificar quais serão as sequelas. As mães se abraçam e continuam esperançosas: - Ângela, eu tenho esperanças de que os dois possam andar e realizar todas suas atividades como sempre fizeram. - Eu tenho algumas preocupações, lembra quando fizeram alguns exames e falaram que eles tinham sido acometidos por danos neurológicos irreversíveis? - Sim, eu me lembro, mas tenho muita fé em Deus e para ele nada é impossível. Se Ele permitiu que nossos filhos voltassem à vida, ele pode permitir que os danos desapareçam, para a medicina é impossível a total recuperação, mas para Deus não.
  66. 66. 67 | M a y a r a V e l l a r d i - Já faz tanto tempo... oito meses que estamos aqui, naquele dia sofremos tanto... chegaram a considerar o caso deles como morte cerebral... - É mesmo, já estavam até perguntando sobre doação de órgãos... - Hoje é dia 14 de novembro, amanhã é aniversário de 18 anos do meu filho, temos bons motivos para comemorar! - Você percebeu a coincidência? Eles sofreram o acidente um dia depois do aniversário da Paty e acordaram um dia antes do aniversário do Ri. As duas aguardam ansiosas para poderem ficar com os filhos que passam por uma bateria de exames. - Mãe, liguei para o pai e ele está vindo para o hospital. Ele disse que não vê a hora de ver os olhos verdes da Paty abertos! - Você tem sido uma filha espetacular! Obrigada pelo apoio que está dando para mim e para seu pai!
  67. 67. 68 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Os filhos retornam dos exames e as mães vão para seus respectivos quartos. No quarto de Paty, a família se reúne em uma festa particular. - Até que enfim posso ouvir sua voz, ver seus lindos olhos abertos... filha, cheguei a pensar que nunca mais isso aconteceria... mas, toda vez que eu tinha esses pensamentos, sua mãe me animava e dizia que Deus faz coisas impossíveis! – fala Maurício. - Pai, não sei como tudo isso foi possível, creio que realmente foi Deus, porque eu estava tão longe, mal podia sentir, imaginar ou lembrar de algo sobre o acidente. – sorri. - Ainda bem que você estava longe, Deus te poupou de todo esse sofrimento, imagina se você estivesse consciente, sentindo tudo isso... – comenta Lili. - Assim que vocês dois voltarem para casa, vamos fazer uma grande festa! – sorri Laura. - E o Ri? Como ele está?
  68. 68. 69 | M a y a r a V e l l a r d i - Do mesmo jeito que você, se recuperando. Amanhã vou falar com o dr. Jaime para ver quando vocês podem se encontrar! Patrícia conta tudo o que passou durante o coma, quando pensou estar vivendo uma realidade. No quarto de Ricardo, mãe e filho conversam bastante: - Mãe, quer dizer que durante todo esse tempo eu estava sonhando? Nada do que eu passei foi real? - Sim, meu filho. Vocês estão internados aqui no hospital desde o dia seguinte do aniversário da Paty. - Passei por momentos incríveis, mesmo que em sonho... vou te contar tudo, mas antes quero saber da Paty, como ela está? Quando poderei vê- la? - A Paty está se recuperando tão bem quanto você, logo poderão se encontrar! Então Ricardo conta tudo o que sonhou para sua mãe. Coincidência ou não, Ricardo e Patrícia tiveram os mesmos sonhos. Todos dormem aliviados e ansiosos pelo dia seguinte.
  69. 69. 70 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Logo cedo, dr. Jaime passa para conversar com as mães ansiosas. - Vamos fazer os últimos testes para complementar os exames de ontem e assim que eu tiver os resultados posso afirmar algo mais concreto para vocês. Depois da realização de mais alguns testes, dr. Jaime reúne as duas mães e dá excelentes notícias: - Seus filhos estão se recuperando da mesma forma. Eles não perderam nenhum movimento, já estão conseguindo comer, mesmo que aos poucos, papinhas de frutas, retiramos as sondas e estão conseguindo urinar, conversam bem, estão com um bom nível de consciência e as fisioterapeutas estão nesse momento com eles, fazendo exercícios para que voltem a andar o mais breve possível. Vamos dizer que seus filhos renasceram, não sei explicar o que aconteceu, mas parecia algo irreversível, parte do cerebelo foi afetada e muitos neurônios morreram. Mas pelos exames que realizamos, o cerebelo está normal, refeito, e os neurônios também, é como se nada tivesse acontecido. Isso é inexplicável, nunca houve um caso assim.
  70. 70. 71 | M a y a r a V e l l a r d i - Isso foi um milagre doutor. Deus faz coisas que parecem impossíveis para os homens, mas para Ele não são. – sorri Ângela. Os jovens se recuperam dia após dia com as sessões de fisioterapia. Passado quase um mês do despertar, os dois já conseguem andar e conseguem finalmente conversar. - Hoje o médico vai falar quando teremos alta! Estou muito ansiosa! - Acho que vamos ficar aqui por no máximo, mais uma semana! - Eu estava com muitas saudades de você... nesse tempo que fiquei em coma, tive muitos sonhos com você... - Por incrível que pareça, eu também sonhei muito com você, mas sabe o que me deixa mais intrigado? - O quê? - Parecia muito real, mas real demais, você entende, né?
  71. 71. 72 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Sim, para mim foi tão real que cheguei a acordar com o susto que levei quando te contei da minha visão sobre o acidente. - Mas eu acordei com o susto de você me contando... Então os dois conversam e percebem que seus sonhos foram muito parecidos. Coincidência? Providência?
  72. 72. 73 | M a y a r a V e l l a r d i Capítulo 5 – Será que é real? - Hoje é o grande dia! Está pronta filha? - Com toda certeza pai! Não vejo a hora de voltar para casa! - Vamos voltar junto com o Ri e com a mãe dele, vou dar uma carona a eles, o que acha? - Vou adorar, cada minuto que passo ao lado dele me deixa bastante contente! - Desse jeito vou ficar com ciúmes dele. - Para pai, você sabe que é o primeiro da minha lista, te amo muito! Eles voltam para casa e ganham uma bela surpresa preparada por parentes e amigos, no salão do prédio de Ricardo. O jovem casal começa a chorar e se abraça, nesse momento os dois têm a sensação de que tudo o que sonharam não foi apenas um delírio, que parte daquilo inexplicavelmente aconteceu. Todos os convidados os abraçam e comemoram por sua recuperação e retorno. A festa
  73. 73. 74 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? dura algumas horas e os dois se retornam às suas casas porque precisam descansar. No dia seguinte, o casal de namorados se reencontra. - Ri, não consigo parar de pensar naquele dia em que nos entregamos um ao outro. - Eu também. Sabe? Queria muito que tudo aquilo tivesse acontecido de verdade. - Mas ainda pode acontecer, antes só precisamos nos recuperar totalmente. - Quando você resolver contar para sua mãe e ir ao ginecologista, me avisa, tá? Os dois dão boas risadas e passam o restante do dia assistindo filme na casa de Patrícia. As festas de fim de ano se aproximam e as famílias têm muito o quê comemorar. - Mãe, posso convidar o Ri e a mãe dele para passarem o Natal aqui em casa? - Na verdade, eu já me antecipei e convidei os dois...
  74. 74. 75 | M a y a r a V e l l a r d i - Obrigada mãe! Você é demais. O que ela disse? - No início ficou um pouco relutante, mas disse que a vó do Ricardo ia passar as festas na casa dela. Então eu disse para que ela trouxesse a mãe para cá também e ela aceitou! - Vou ligar para o Ri! A menina pega o telefone na mão e quando ela pensa em discar, o mesmo toca. - Alô! - Oi Paty! - Oi Ri, eu tava pensando em ligar para você agora. - Que telepatia, hein? - Telepatia de dois super-heróis! - Falei com minha mãe sobre o Natal e... - Eu também! A festa é depois de amanhã e tô muito feliz porque vocês vão passar aqui na minha casa, tô até pensando em que roupa vou usar!
  75. 75. 76 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - É sobre isso que eu quero falar com você. Vem aqui na minha casa, tenho uma surpresa pra você! - Só se for agora! Tô indo! Patrícia vai apressada à casa de Ricardo para ver qual é a surpresa. - Minha mãe fez um vestido para você usar no Natal. E ele é da sua cor preferida. - Verde! Ele é simplesmente ma-ra-vi-lho-so! Obrigada tia, você é uma excelente costureira! - Fiz uma blusa para o Ri combinando com seu vestido! Quer ver? - Quero sim! Ri, prova a blusa que sua mãe fez pra eu ver como fica em você! Ricardo coloca a blusa e fica muito bem nele. O dia termina e a garota volta para sua casa muito feliz. Chega a noite de Natal, todos estão reunidos e depois da oração de agradecimento a Jesus, Ricardo pede a palavra:
  76. 76. 77 | M a y a r a V e l l a r d i - Gostaria de aproveitar a ocasião e dizer algumas palavras. Primeiramente agradecer a Deus e Jesus por terem poupado nossas vidas. Quero também dizer que sou uma pessoa muito feliz e realizada por ter conhecido a Paty e vocês também e sei que é no momento da dificuldade que conhecemos quem são as pessoas que estão ao nosso lado e pude perceber que todos aqui presentes são muito importantes em minha vida. Por isso, gostaria de oficializar nosso namoro. Mas antes quero deixar claro, que não importa o quanto tempo conhecemos uma pessoa, mas a intensidade do que sentimos por ela. Ricardo tira uma caixinha com duas alianças do bolso e mostra a todos. - São lindas! Eu vou aproveitar a ocasião e falar algumas coisas também. Fui pega de surpresa e não tenho nada ensaiado, mas vou falar com o coração. Eu sei que podemos passar uma vida inteira com uma pessoa e não a conhecermos verdadeiramente, para mim não importa quanto tempo estamos juntos e se ficamos em coma por tantos meses, porque todos os dias Ricardo estava em meus sonhos. E nada é por acaso, se o motorista do caminhão estava bêbado, perdeu o controle, nos atropelou, morreu e nós sobrevivemos, é porque isso tinha que acontecer.
  77. 77. 78 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? Os dois se beijam e trocam alianças. É um momento muito romântico. Todos ficam emocionados. - Paty, como você sabe que o motorista estava bêbado e que ele morreu? Ninguém comentou isso com nenhum de vocês para poupá- los. – questiona Lili. - Não tenho ideia de como eu sei disso, mas é uma certeza tão grande. É como se eu visse a cena por um outro ângulo... - É como se você não fosse você mesma? - É mais ou menos isso. Aquilo que comentei a vocês sobre minhas visões quando eu estava em coma ainda parece muito real. Todos ficam preocupados, mas preferem não comentar mais nada. No dia seguinte todos se reúnem novamente para o almoço. Patrícia tem uma visão, ela vê sua mãe derrubando uma travessa de vidro em Lili e a menina com um corte no braço. Ela corre para a cozinha e tira Lili de perto da sua mãe e imediatamente a travessa cai e ninguém se machuca.
  78. 78. 79 | M a y a r a V e l l a r d i As duas ficam assustadas e entendem que Patrícia realmente tem poderes. Mais tarde, Maurício chama Patrícia para uma conversa. - Filha, eu te prometi uma viagem à Bahia no final desse ano como presente do seu aniversário de 15 anos, infelizmente as coisas mudaram, você sofreu aquele acidente, ficou meses no hospital e... - Pai, eu sei que agora não é o momento de pensar nessa viagem. Quem sabe eu não deixe para conhecer a Bahia quando me formar no terceiro ano? - Você é uma filha muito compreensiva e maravilhosa. Te amo! - Eu é que não tenho palavras pra agradecer a Deus por ter um pai tão bom e tão amigo. Na semana entre o Natal e o Ano Novo, a menina recebe uma ligação de Érika. - Oi Paty, como você está? Fiquei preocupada com você. Infelizmente não deu pra eu ir na festa que fizeram para vocês...
  79. 79. 80 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Obrigada por ter me ligado! Que pena que você não pôde vir, a festa estava linda. - Eu quero te contar uma coisa que aconteceu comigo. - Pode falar, estou te ouvindo. - Eu tive um sonho com você, quando estava internada e você era uma super-heroína e me salvava do meu próprio namorado. Vou confessar que acordei bastante assustada, mas não levei muito a sério o sonho. - Aconteceu alguma coisa? Você está bem? - Agora estou bem, mas foi muito estranho. Ele queria que eu perdesse a virgindade com ele, mas eu não me sentia preparada, aí ele disse que ia sair com outras meninas, então me desesperei e disse que transaria com ele. Marcamos de ir num desses motéis baratos e eu até arrumei um RG falso, mas tudo estava tão idêntico ao sonho que desisti de entrar com ele no motel, então passamos por um beco idêntico ao do sonho e quando ele colocou a mão no bolso, pensei que ele ia tirar um canivete para me atacar, então vi uma viatura de polícia passando e corri, ele fingiu que não me conhecia, por pouco ele não me pegou. No dia seguinte terminei o namoro com ele e dois dias
  80. 80. 81 | M a y a r a V e l l a r d i depois ele já estava com outra menina. Eu sei que isso tudo parece loucura, mas quis te ligar e agradecer, porque de certo modo salvou minha vida, mesmo que em sonho. - Não sei te explicar, mas eu tive um sonho igual ao seu, se de algum jeito te ajudei, fico muito feliz. Patrícia desliga o telefone e vai a seu quarto para pensar sobre tudo o que aconteceu e está acontecendo em sua vida. “Ser uma super-heroína era tudo o que eu queria, mas eu nunca pensei que isso pudesse se tornar real. Será que foi meu pedido de aniversário que mudou as coisas? Por que entramos em coma um dia depois do meu aniversário e acordamos um dia antes do aniversário do Ri? Como tivemos parte do cerebelo e neurônios bastante afetados e voltamos como se nada tivesse acontecido? Procuro explicações para o inexplicável...” Patrícia chora e acaba pegando no sono. Quando acorda, algumas horas depois, vai à cômoda para se pentear e vê um lenço branco de cetim idêntico ao de seu sonho de quando estava em coma. A menina fica confusa e acha melhor confirmar de onde veio o lenço.
  81. 81. 82 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Mãe, você viu um lenço branco de cetim em cima da minha cômoda? - Não percebi, por quê? - Nunca tive um lenço de cetim e que eu saiba nem você e nem a Lili não têm também. - Por que você está perguntando isso? Você achou um lenço na sua cômoda? Patrícia conta a sua mãe sobre o sonho e sobre a ligação de Érika. A mãe fica bastante surpresa. - Não sei o que está acontecendo, mas parece ser algo bom e talvez seja o que ajudou a te salvar. Isso parece um dom. - Passei minha vida inteira sonhando em ser a Superteen e no dia do meu aniversário pedi para que eu e o Ri nos tornássemos super-heróis, mas não pensei que isso fosse acontecer de verdade. - Minha mãe sempre me falava, cuidado com o que você deseja, porque pode se tornar realidade. Pelo jeito ela estava certa. Mas não se assuste, ter um dom é algo bom e se Deus permitiu que isso acontecesse em sua vida é porque você é capaz de lidar com isso tudo.
  82. 82. 83 | M a y a r a V e l l a r d i A conversa termina e a menina começa a combinar onde será a festa de Ano Novo com Ricardo. Quando de repente, tem uma nova visão. - Ri, não podemos passar o Ano Novo no Clube Atlético. - Por quê? Ia ser tão legal... - Eu tive uma visão de um arrastão, alguns ladrões tentavam roubar a bolsa da minha mãe, meu pai reagia e tomava um tiro. - Depois de tudo isso que está acontecendo, realmente é melhor ouvirmos o que você fala. Vamos na sua casa falar com seus pais. Os dois conversam com os pais da menina e os convencem a desistir do Ano Novo no clube. Finalmente chega a noite de Ano Novo e todos estão reunidos na casa de Ricardo, quando assistem no noticiário da TV que aconteceu um arrastão e duas pessoas foram atingidas por balas perdidas. Imediatamente todos agradecem Patrícia pelo alerta, mas ela não fica feliz. - Eu sei que meu pai poderia ter sido atingido e graças a minha visão ele está salvo. Mas ainda
  83. 83. 84 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? não estou feliz porque alguém recebeu esse tiro e eu não pude impedir. - Não podemos impedir o que é para acontecer. Se Deus permitiu que você tivesse esse dom e que conseguisse impedir a sucessão de algumas coisas, é porque elas não deveriam ocorrer, você entende? – fala Ângela. - Sim, eu entendo, mas não aceito. É muito difícil quando podemos ter visões sobre o futuro e não conseguimos salvar o mundo... ou pelo menos a vida de uma única pessoa... Todos abraçam Patrícia e rezam um Pai Nosso pedindo proteção para todos que estavam no arrastão e pedindo para que 2016 seja um ano de muitas alegrias para todos.
  84. 84. 85 | M a y a r a V e l l a r d i Capítulo 6 – Descobrindo um mundo novo As férias terminam e chega o momento de Patrícia voltar às aulas. Devido ao acidente o diretor do colégio concede bolsa de 100% para a menina cursar novamente o primeiro ano do Ensino Médio. - Oi Paty! Fico feliz que está de volta! Fizemos uma pequena confraternização para recebê-la, vamos ao pátio! – fala Silveira. Lá estão todos seus professores, amigos e funcionários. Há uma faixa desejando boas vindas, bolo, salgados e suco. - Hoje como é o primeiro dia de aula do ano, vamos dar boas vindas à Paty e comemorarmos por mais um ano letivo! – sorri Silveira. O dia é muito agradável. Depois do colégio, a menina vai ao treino de futebol. Todos a recebem com muito carinho. No dia seguinte a menina vai ao Inglês e também recebe mensagens de carinho e incentivo. A semana passa e Patrícia sente-se uma menina realmente especial.
  85. 85. 86 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Ri, como foi sua semana no colégio? Na natação? - Foi tudo bem, todos foram muito legais comigo, mas me senti sozinho, porque toda minha turma se formou, na verdade, eu não estou ligando porque vou fazer o terceiro ano de novo, porque eu poderia estar morto ou com sequelas graves, só estou um pouco triste porque a galera que andava comigo e que eu gostava não está mais lá... - Eu sei, o pessoal lá da minha sala também não é o mesmo, era pra eu estar no segundo ano, mas estou muito feliz por estar viva e por ter tido essa oportunidade. - Estou sentindo como se aqueles poderes fossem verdadeiros, vamos treinar? - Vamos, claro! Podemos começar hoje mesmo no clube. Igual ao que fazíamos nos sonhos. Então o jovem casal começa os treinos, Patrícia consegue voar, prever acontecimentos, ter agilidade, enfim, todos os poderes da mesma forma que tinha imaginado e sonhado, mas Ricardo sente que algo o bloqueia e não consegue se soltar, portanto não desenvolve nenhum dos poderes que havia imaginado.
  86. 86. 87 | M a y a r a V e l l a r d i O rapaz fica chateado, mas não desiste. Patrícia o incentiva semana após semana e assim passam alguns meses. Então Ricardo prefere se afastar da moça. - Paty, eu te amo muito, mas você merece uma pessoa melhor. Eu não posso mais ficar com você. Não tenho poderes, não sou aquele Superpet que você idealizou, desculpa se te decepcionei. - Mas você não me decepcionou em momento algum. Eu te amo muito e você não precisa ter poder algum pra namorar comigo. - Por favor, tenta entender. Me dá esse tempo. Patrícia vai para sua casa pensar em tudo o que está acontecendo. “Não consigo entender como tanto amor acaba assim. Será que ele tem outra pessoa e não quer me falar? Acho que não. Será que ele está com inveja dos meus poderes? Ele não parece ser assim. O que está acontecendo? Será que ele foi totalmente sincero? Será que ele se sente incapaz ou inseguro? Eu preciso dar um jeito de ajudar.” Patrícia tenta usar seus sentidos para descobrir algo, mas lembra que a mulher em seus
  87. 87. 88 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? sonhos lhe disse que ela não poderia usar sua visão para sua própria vida. Semana após semana a menina tenta esquecer o namorado, se dedica aos estudos, aos treinos e percebe que seus poderes estão acabando, mas ela não liga. - Paty, eu sei que você sente muita falta do Ri, mas de um tempo para cá você só estuda e treina, não sai com seus amigos, não frequenta festas, eu e seu pai estamos preocupados com você. - Eu sei mãe, eu vou mudar. Tem uma festa de uma amiga na sexta à noite, é uma balada em um barzinho um pouco depois do Clube Atlético, aí eu já aproveito para comemorar meu aniversário de 16 anos que é essa semana. - Se você quiser, seu pai te leva e depois vai buscar. A não ser que pegue carona com alguém. - Vou ver com minhas amigas e te falo, ok? Patrícia resolve sair um pouco para esquecer suas visões, o Ricardo, os estudos e os treinos, ela deseja ter uma sensação de liberdade.
  88. 88. 89 | M a y a r a V e l l a r d i Chega o dia da festa e ela pega carona com os amigos. Beto é um menino acostumado a ganhar tudo de forma muito fácil, quem vai dirigindo é ele, afinal tem 18 anos e já tirou carta. - Oi gatinha! Hoje você vai me dar atenção, né? – fala Beto. - Mas eu sempre converso com você. – retruca a moça. - Você tá entendendo que tipo de atenção que eu tô querendo, né? - Na verdade, prefiro não entender. - Eu acho que não mereço esse tratamento. Tô sendo bacana e você vem com um monte de pedras na mão. - Desculpa minha estupidez. - Desde que você terminou aquele namoro não paro de pensar em você. Quero que você saiba que sou o primeiro da fila, gatinha. - Meu coração não está aberto agora. - O coração dele tá aberto, né?
  89. 89. 90 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Como você pode dizer isso? Você nem tem como saber. - Esqueceu que eu moro perto da sua casa e do prédio dele? - Outro dia o vi dando o maior amasso em outra mina. - Onde? - Na esquina do prédio. Já era mó tarde. - Tudo bem, mas se você acha que vai me convencer a ficar com você só por causa disso, tá muito enganado. - Vamos beber uma caipirinha? Eu pago. - Não, obrigada. Eu não bebo. - Por que não? É tão bom pra se soltar. Aí você esquece do que esse trouxa fez pra você. - Eu não sei qual será minha reação se eu beber, melhor não arriscar. - Gatinha, pode deixar que eu cuido de você. - Vou ao banheiro, já volto.
  90. 90. 91 | M a y a r a V e l l a r d i Patrícia pede conselhos a uma de suas colegas. Thamires é uma menina considerada fácil pelos colegas, ela gosta de sair com o menino que estiver disponível em qualquer momento, com suas unhas postiças, cabelos loiros e alisados até a cintura e roupas decotadas, chama a atenção de todos por onde passa. - Thami, o que eu faço? - Você quer saber o que eu faria ou o que você deve fazer? Na boa amiga, o Beto é um gato, tem 18 anos, já tem carro, é moreno de olhos azuis, malha, tem um corpo sarado, ele pode não ser muito inteligente, já bombou algumas vezes, mas vale a pena investir, pelo menos uma vez, nem que seja só por uma noite. Esquece o Ricardo, ele nunca mais te ligou. - Você está certa, eu vou encher a cara e vou ficar com ele. - É assim que se fala! Uhuuuu! Mesmo com o coração amargurado, Patrícia toma decisões que podem prejudicá-la. - E aí, Beto?
  91. 91. 92 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Voltou animadinha do banheiro, hein? A Thami tava te dando umas aulinhas? - Eu tive uma conversinha com ela e resolvi aceitar a sua caipirinha. - Só a caipirinha? Eu também quero te dar um beijinho. Patrícia começa a beber e ficar com Beto. A garota fica muito bêbada e vai para um lugar mais reservado com o menino. Quando ela percebe, está com sua saia levantada, com sua blusa aberta e mais um pouco estará perdendo sua virgindade com ele. Ele tira uma camisinha do bolso e quando ela vê, fala que vai ao banheiro e foge da balada. Ela chora muito e percebe a besteira que estava fazendo. Patrícia pensa em ligar para Ricardo, mas são duas horas da manhã e ela já não fala com ele há meses. Sentindo-se tonta por causa da bebida, a menina senta em uma praça próxima ao clube e começa a chorar compulsivamente. Um rapaz senta ao seu lado e a abraça, ela toma um grande susto e quando vai se esquivar percebe que é Ricardo.
  92. 92. 93 | M a y a r a V e l l a r d i - Oi Paty. - Eu tava pensando em você agora. - Como você me encontrou aqui? - Coincidência ou não, eu senti um aperto muito forte no meu coração e resolvi sair pra dar uma volta, uns amigos meus me chamaram pra ir no mesmo barzinho que você estava. - Você me viu lá? - Sim. - Eu não queria... desculpa... nem sei o que te dizer, estou com muita vergonha. - Eu vi que você bebeu demais e que o Beto se aproveitou de você, então vocês sumiram e depois de um tempo vi você correndo, indo embora que nem uma louca. - É, eu percebi que te amo muito e que não quero ficar com ninguém. Na verdade, eu nem ia ficar com ele. - Você não me deve satisfação, não estamos juntos. E a culpa foi toda minha, eu não deveria ter te abandonado, fui um babaca.
  93. 93. 94 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - É verdade que você estava beijando uma menina outro dia perto do clube? - Se eu te contar, você acredita em mim? - Claro, nunca mentimos um para o outro. - Eu estava muito triste e confuso e aquela menina estava dando em cima de mim desde que terminamos. E um dia, eu resolvi dar uma chance pra ela, mas depois cheguei em casa e me senti muito mal, pensei em te ligar, mas achei que não devia e no dia seguinte eu falei pra ela que ainda te amava muito e não tinha te esquecido. - E ela? Como ficou? - Dois dias depois estava beijando outro menino. Os dois deram muitas risadas, se abraçaram, se beijaram e resolveram reatar o namoro. - Vamos para minha casa? - Não posso, como vou explicar à minha mãe e à sua mãe? - Se for por causa da minha mãe, ela está namorando com o dr. Jaime e ela não volta hoje.
  94. 94. 95 | M a y a r a V e l l a r d i - Uau! Desde quando os dois estão juntos? - Nossas mães praticamente moraram no hospital enquanto estávamos em coma e nesse tempo os dois se interessaram e começaram a sair de vez em quando para almoçar e o resto você já pode imaginar. - Que legal! Mesmo assim estou preocupada. Como ligar pra minha mãe uma hora dessas, ela deve tá dormindo. O celular de Patrícia toca. - Oi filha, você vai voltar de carona com seus amigos? - Oi mãe, ainda bem que você ligou. Eu estou com o Ri. - Vocês se encontraram na balada? Fizeram as pazes? - Sim, mas é uma longa história. Posso dormir na casa dele? - Não sei se é uma boa ideia... seu pai está dormindo...
  95. 95. 96 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Por favor, prometo que te conto tudo amanhã! - Tudo bem, mas deixa eu falar com o Ricardo. - Oi tia, tá tudo bem, eu cuido da Paty hoje! - Amanhã eu espero vocês aqui em casa para o almoço. Os dois decidem que chega o momento que eles tanto esperam há tempos. Ricardo tira a roupa de Patrícia lentamente, os dois se beijam apaixonadamente, eles colocam a camisinha e se entregam um ao outro. Os dois perdem a virgindade, é um momento muito especial. No dia seguinte, o casal vai almoçar na casa de Patrícia. Todos estão contentes porque os dois reataram o namoro. Após o almoço Patrícia resolve conversar com a mãe e com a irmã e contar o que aconteceu na noite anterior. - Preciso contar uma coisa pra vocês. - Fala Paty, tô curiosa! – fala Lili.
  96. 96. 97 | M a y a r a V e l l a r d i - Pode falar filha. - Eu não sei como dizer isso, mas é que eu e o Ricardo nos amamos muito e nós nunca fizemos nada com ninguém, vocês entendem, né? E aí, ontem aconteceram várias coisas no barzinho e eu fiquei muito mal, então encontrei o Ri, fizemos as pazes e rolou a nossa primeira vez... - Parabéns Paty! Como foi? Doeu? Vocês usaram camisinha, né? – Lili fica bastante curiosa. - Filha, antes de mais nada, fico contente por ter compartilhado esse momento tão íntimo conosco e quero dizer que por mais que eu ache que você ainda é muito jovem para isso, vamos marcar um ginecologista e você vai se cuidar, ver se pode tomar anticoncepcional e sempre usar camisinha, porque não devemos evitar somente a gravidez, mas também as DST, ou doenças sexualmente transmissíveis. - Apesar da maioria das meninas da minha idade já terem perdido a virgindade, eu não me sentia pressionada a fazer isso, eu sei que sou muito nova e quero dizer que fomos conscientes, nos protegemos e que queremos ficar noivos no ano que vem para assim que entrarmos na faculdade nos casarmos.
  97. 97. 98 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Vocês ainda são novos para pensar em tudo isso, vamos deixar o tempo passar e ver o que acontece. Só mais uma coisa, eu não quero saber que vocês transaram na rua, ou no carro, ou em qualquer outro lugar por aí perigoso e tem mais, você é menor de idade e não quero saber de você usando RG falso pra entrar em motel, estamos entendidas? - Claro mãe, se eu pensasse em fazer todas essas coisas erradas, não tinha nem te contado nada. - Quero ser responsável igual a você! – fala Lili.
  98. 98. 99 | M a y a r a V e l l a r d i Capítulo 7 – Controlando os sentimentos O ano passa tranquilo, a vida de Patrícia é estudar, treinar, curtir o namoro, os amigos e a família. A menina continua tendo visões e ajudando as pessoas. Ricardo termina o colégio, começa a ter poderes e fica muito satisfeito, juntos os dois trabalham em prol de ajudar as pessoas que estão passando por dificuldades. O telefone de Patrícia toca, é sua amiga Thamires. - Paty, queria muito falar com você. Estou muito triste e mal, você pode vir aqui na minha casa? - Claro que sim, há meses não te vejo... aconteceu alguma coisa? - Sim, por favor, vem logo, aí eu te explico. Patrícia chega à casa de Thamires e as duas começam a conversar. - Amiga, sabe aquele dia da balada? - Sim, o que aconteceu?
  99. 99. 100 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Você foi embora correndo e eu já estava muito bêbada e o Beto também, então eu transei com ele no carro, mas sem camisinha. - Eu engravidei naquele dia, eu tava sem tomar remédio, tentamos fazer coito, mas pelo jeito não deu certo. Quando eu descobri a gravidez, tentei abortar, mas não consegui e fiquei muito doente, aí minha mãe descobriu e ficou muito brava comigo. Nós brigamos muito porque ela nunca quis saber de mim, fui criada pela minha vó que já morreu e depois disso fiquei largada e ela veio querer me dar lição de moral? Fiquei chateada, mas vi que não ia adiantar e que eu precisava de alguém pra me ajudar, resolvi procurar o Beto pra conversar e ele disse que o filho não era dele e quase me bateu, então fui na casa dele e falei com os pais dele... - E aí, o que eles fizeram? - Eles me expulsaram de lá, me chamaram de vagabunda e disseram pra nunca mais eu aparecer lá. Contei tudo pra minha mãe, primeiro ela me disse que era bem feito, depois acho que ela ficou com dó de mim e falou que ia lá falar com o Beto e com os pais dele, mas eu não deixei, resolvi que eu ia criar essa criança sozinha. - E sua mãe, o que falou da sua decisão?
  100. 100. 101 | M a y a r a V e l l a r d i - Ela me deu apoio e me disse que passou por uma situação muito parecida na adolescência e que minha vó me criou pra ela trabalhar e estudar, mas ela disse que sentia muito por não ter sido uma boa mãe e que ela ia me ajudar e ia dar muito carinho pra mim e pro meu filho. Fizemos as pazes e agora está tudo bem. Vem aqui no quarto ver meu príncipe. - Nossa! Como ele é lindo! Com quanto tempo ele tá? Qual é o nome dele? - Por causa da minha tentativa de aborto ele podia ficar com sequelas muito sérias, mas eu e minha mãe fizemos uma promessa pra Nossa Senhora das Dores e ele nasceu prematuro, mas muito saudável e se recuperou muito bem. Então coloquei o nome dele de José Maria de Jesus Campos. Ele ficou no hospital por um mês depois do nascimento e eu fiquei ao lado dele o tempo todo. Faz um mês que estamos em casa. - Ainda bem que Deus permitiu que você não conseguisse fazer o aborto e que seu filho não ficasse com sequelas. - Eu sei, eu fiz isso num momento de desespero. Aborto é o mesmo que assassinato.
  101. 101. 102 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Na verdade o aborto é pior do que um assassinato, porque você tá tirando a vida de pessoas inocentes. - E quando a pessoa sofre um estupro? - Se Deus permitiu que aquela criança se alojasse no útero daquela mulher ou menina que sofreu o estupro, é porque Ele tinha um propósito, nada acontece por acaso, as pessoas envolvidas sempre têm algo a aprender com o que acontece. - Eu mesma sou um exemplo disso... e se eu conseguisse ter abortado? Continuaria uma menina inconsequente e uma hora eu ia acabar me dando muito mal e ia estragar minha vida pra sempre, meu filho me salvou e eu tentei matá-lo... - Não se sinta culpada, Deus te deu uma segunda chance e você a agarrou! - Obrigada pelas belas palavras amiga! - E como você vai fazer com seus estudos? - Nesse ano de 2017 eu faço 18 anos, então vou fazer um supletivo e quando meu pequeno puder ir pra escolinha, vou voltar a trabalhar e vou fazer faculdade de pedagogia, percebi que amo crianças!
  102. 102. 103 | M a y a r a V e l l a r d i - Fico muito feliz por você ter encontrado seu caminho. Deus sabe o que faz e se Ele permitiu que você passasse por tudo isso, sabia que era pra sua vida tomar um rumo, porque do jeito que você estava vivendo era complicado e as coisas poderiam ter sido piores. - Eu sei e no fundo, eu tenho um pouco de inveja de você. Uma menina tão responsável que faz tudo tão certinho, você vai ter muito sucesso! - Obrigada! Mas eu também tive uma vida que me ajudou a ser assim. Meus pais sempre juntos, sendo meus amigos, minha irmã, uma menina muito boa, meus amigos sempre ao meu lado, o namorado dos meus sonhos, a oportunidade de fazer esportes e estudar outras línguas. - A vida pode ter te ajudado, mas você também tem mérito nisso. Conheço meninas que têm vidas iguais a sua e que não dão valor. O telefone toca e Thamires atende tranquilamente. - Poderia falar com a Thamires Campos? - É ela, quem gostaria? - É a mãe do Beto.
  103. 103. 104 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? - Não tenho nada pra falar com a senhora. Quando a menina ia desligar Patrícia tem uma visão. - Thami, não desliga aconteceu algo sério. A menina fica assustada e resolve não contrariar a amiga. - Tudo bem, pode falar. - Te imploro, me perdoa, meu filho está morrendo e o último pedido dele é conhecer o filho e eu também queria ver meu neto. - Seu neto? Pensei que você tinha expulsado ele da sua vida. Aliás, vocês acham que ele não é filho do Beto, não é mesmo? - Desculpa, eu aprendi muito com a vida. Muitas coisas aconteceram nesse meio tempo e eu queria muito poder te contar. Posso ir na sua casa te buscar? - Pode vir pra conversarmos, mas não garanto que vou visitar o Beto. - Paty, fica comigo, preciso de alguém pra me dar apoio agora.
  104. 104. 105 | M a y a r a V e l l a r d i Patrícia concorda e as duas esperam ansiosas a mãe de Beto. Então a campainha toca e as duas tomam um susto. - Ela chegou, agora não tem mais volta. - Calma amiga, estou com você. Ela veio em paz. - Oi dona Renata. - Não precisa me chamar assim... - Entra, por favor. Ah, essa é minha amiga Paty. - Oi Paty, o Beto já falou de você lá em casa. - Mesmo? O que ele disse? - Na época ele disse que você era uma menina muito careta, mas legal. - Poxa! – sorri Paty. - Renata, o que aconteceu com o Beto? - Vou direto ao ponto. Uma noite na balada, meu filho misturou álcool e drogas e depois pegou o carro pra voltar pra casa. Ele bateu o carro e matou
  105. 105. 106 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? um senhor de idade que caminhava com seu cachorro. Era um domingo, sete horas da manhã, eu recebi o telefonema do hospital e ele estava em coma. Fiquei arrasada não só pelo meu filho, mas pela vida que ele tirou. O senhor de idade não tinha parentes nem amigos, o cachorrinho sobreviveu e eu o peguei para mim. Enfim, agora meu filho está entre a vida e a morte e pode ser que não volte mais do coma e se voltar pode ser que fique paraplégico. Eu rezo todos os dias. Estou muito arrependida do que fiz com você e sei que eu e meu marido fomos péssimos pais, pensávamos que o dinheiro resolvia tudo e fechávamos os olhos fingindo que os problemas não existiam e nos convencíamos que nosso filho era maravilhoso e não fazia nada errado. - Eu entendo e espero que o Beto se recupere, vou ao hospital com o José pra visitá-lo, mas acho que não vão deixar o bebê entrar. - Eu já conversei com os médicos e enfermeiras e eles deram permissão, vamos tomar os devidos cuidados para que o meu neto não fique doente. Tenho uma proposta pra te fazer, quero muito registrar seu filho como meu neto e te dou tudo o que precisar pra cuidar dele. - Não aceito. Não quero que você faça isso por culpa e eu tenho orgulho próprio, tomei minha
  106. 106. 107 | M a y a r a V e l l a r d i decisão de criar meu filho sozinha e minha mãe me ajuda muito. - Pense no melhor para o seu filho, podemos oferecer estudos e muito mais. - Eu aceito que ele chame vocês de vó e vô e que conheça o pai, mas no registro, pelo menos por enquanto, prefiro que fique assim, quando ele estiver maior, ele mesmo escolhe. - Fechado! - Paty, vamos ao hospital com a gente? Por favor. A menina concorda e todos vão visitar Beto. No caminho Patrícia fica pensativa. “Renata é uma mulher tão bonita quanto seu filho, tão cheia de si que mesmo passando por tudo isso ainda mostra confiança e o mais importante, assumiu seus erros, aprendeu e está fazendo o possível para repará-los.” Thamires entra com José no quarto e fica muito triste pelo estado de Beto. - Beto, eu não sei se você pode me ouvir, apesar de que falam que as pessoas em coma
  107. 107. 108 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? ouvem o que dizemos, então lá vai, eu te amei muito, mas depois de tudo o que aconteceu fiquei com muita raiva de você e de sua família. Agora vejo você assim na cama e penso que tudo poderia ter sido diferente, poderíamos ter enfrentado essa barra juntos e... mas você não quis esse filho, não me quis mais e quando ainda existia uma chance de você refazer sua vida e mudar suas escolhas, se drogou e fez besteira, além de matar uma pessoa, matou a si mesmo... mas eu não estou aqui pra te dar lição de moral, acho que não sou a melhor pessoa pra isso e a vida já se encarregou de te ensinar, não sei se você vai sobreviver ou ficar com sequelas, mas antes de qualquer coisa, quero te mostrar seu filho, ele está aqui no meu colo, o nome dele é José Maria de Jesus Campos. O rapaz abre os olhos, sorri e fala com dificuldade. - Muito obrigada! Fala pro meu filho que eu o amo muito. - Você vai ficar bom e vai poder dizer isso pra ele. - Meu tempo está acabando, eu sei, por favor, me perdoa por tudo o que eu te fiz passar e fala pros meus pais que eu os amo muito e pra eles não se sentirem culpados por nada, que eu fui o
  108. 108. 109 | M a y a r a V e l l a r d i total culpado e que tive chances de levar uma boa vida, mas só fiz besteira e por favor, deixa meus pais te ajudarem com o José. - Vou falar pra eles, que Deus e Jesus te abençoem muito. O rapaz suspira aliviado e morre. Thamires e Renata se abraçam emocionadas e choram muito. As duas se unem em um momento de dor muito grande. Patrícia se despede e vai embora. No jantar Patrícia conta o que aconteceu para sua família e para Ricardo, todos se compadecem da situação de Thamires e da família de Beto. - É Ri, mesmo tendo poderes não conseguimos salvar as vidas dessas pessoas. - Não se culpe. Existem coisas que devem acontecer, pensa só, por causa dessa tragédia, as famílias se uniram e o pequeno José terá uma vida melhor e a Thami se endireitou e fez as pazes com a mãe, tudo tem seu lado bom também. - Pensando assim nosso acidente também teve seu lado bom, uniu nossas famílias, sua mãe
  109. 109. 110 | O i m p o s s í v e l p o d e a c o n t e c e r ? está namorando com o dr. Jaime e nós temos poderes!
  110. 110. 111 | M a y a r a V e l l a r d i Capítulo 8 – Tudo em seu lugar O tempo passa rápido e Ricardo está em seu segundo ano de cursinho. Patrícia está terminando o terceiro ano e encerrando seu primeiro ano de cursinho. - Paty, você está preparada pro vestibular? - Acho que sim, tô bastante confiante, foi uma barra fazer cursinho junto com o último ano do colegial, tomara que compense. - Eu, um veterinário de sucesso e você, a médica mais linda que existe! Maurício conversa com Patrícia sobre a viagem à Bahia. - Filha, você vai se formar e eu estou muito orgulhoso, sei que agora está preocupada com o vestibular e que não poderá viajar pra Bahia, então depois que essa fase passar podemos conversar melhor sobre isso. - Pai, você é demais! Patrícia e Ricardo estudam muito e prestam vestibular. Eles passam pela primeira fase que acontece em novembro e pela segunda que

×