Alvenarias

3.133 visualizações

Publicada em

Guia Alvenaria

Publicada em: Educação
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
180
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alvenarias

  1. 1. alvenaria racionalizada e alvenaria estruturalTecnologia da ConstruçãoIsis Roverso 2009
  2. 2. Histórico Década de 90 Novas tecnologias. Evolução dos métodos construtivos tradicionais. Racionalização construtiva Técnicas construtivas foram otimizadas. Maior domínio sobre os procedimentos de execução. Encadeamento técnico das etapas. Quedas sensíveis nos índices de desperdício.Alvenaria Racionalizada
  3. 3. Alvenaria RacionalizadaBlocos modulares.Materiais complementares.Técnicas construtivas otimizadas.Equipamentos racionalizados.Projeto de produção – Compatibilização e Modulação.Embutimento de tubulações na execução das paredes.Execução em etapas – marcação, elevação e fixação.Serviço técnico especializado.Mão-de-obra treinada.Procedimentos padronizados.Prazos técnicos entre etapas.Controle de qualidade.Planejamento do canteiro.Alvenaria Racionalizada
  4. 4. Principais Benefícios Redução de perdas. Redução do consumo de argamassa. Maior resistência da parede. Maior velocidade de execução. Redução do volume de entulho. Melhor integração com demais etapas da obra. Redução da espessura dos revestimentos. Menor consumo de mão de obra para embutimento de instalações. Redução das patologias.Alvenaria Racionalizada
  5. 5. Sistema de BlocosAlvenaria Racionalizada
  6. 6. Sistema de BlocosAlvenaria Racionalizada
  7. 7. Vergas pré-moldadasAlvenaria Racionalizada
  8. 8. Alvenaria Racionalizada Projeto
  9. 9. Alvenaria Racionalizada Execução
  10. 10. Alvenaria Racionalizada Execução
  11. 11. Alvenaria EstruturalAlvenaria Estrutural
  12. 12. Descarga por Grua Caminhão com Paletes Recebimento O manuseio e o transporte dos blocos deverão ser executados de forma racionalizada, por meio de carrinhos ou equipamentos apropriados, aumentando a eficiência da mão-de-obra e evitando quebras do material.Alvenaria Estrutural Recebimento
  13. 13. Argamassa de assentamento e grauteArgamassa de assentamento A argamassa de assentamento desempenha diversasfunções na alvenaria estrutural, dentre as quais destacam-se:a) Solidarização dos blocos;b) Absorção dos esforços originados pela movimentação da estrutura;c) Distribuição uniforme dos esforços nas paredes, impedindo a transmissão decargas concentradas originadas pelas variações dimensionais dos blocos;d) Acomodação das armaduras horizontais.Veja no quadro abaixo os traços usuais de argamassas. Observe que os valoresfornecidos são indicativos e não substituem os ensaios e recomendações doprojeto. Traços Usuais de Argamassas Traços Em Resistência Aproximada Uso Mais Volume Aos 28 Dias (em obra) Comum (cimento:cal:areia) (Mpa) 1:2:9 2,5 Vedação (1/2) 1:1:6 4,5 Casa (2) 1:0:6:6 5,8 Sobrados (3) 1:0:6:5 7,5 Prédios (4) Notas: 1) Paredes de vedação; 2) Casas térreas de vãos moderados (3m a 4m); 3) Sobrados de vãos moderados; 4) Prédios de 4 pavimentos de vãos moderados.Alvenaria Estrutural Argamassa
  14. 14. Concreto grauteO graute é um microconcreto que serve parapreencher as cavidades dos blocos, onde sãoacomodadas as armaduras verticais e asamarrações das paredes através de grampos.Serve também para suprir as deficiências locaisda argamassa de assentamento ou dos blocos.Também neste caso os valores constantes databela abaixo são indicativos e não substituem osensaios e recomendações de projeto. Traços Usuais de Graute Traços Em Resistência Aproximada Consumo Volume Aos 28 Dias (em obra) de Cimento(cimento:cal:areia:pedrisco) (Mpa) (kg/cm3) 1:,10:2,49:2,72 12,8 270 1:,10:1,82:1,94 28,2 380Alvenaria Estrutural
  15. 15. AssentamentoA colocação da argamassa nos blocos pode ser feita de duas maneiras,segundo observação do projetista:Ferramentas utilizadas: bisnaga, colher meia cana ou a tradicional colher de pedreiro.Nos extremos das paredes podem serassentadas várias fiadas para facilitar acolocação das linhas. Os blocos dos cantosdeverão ser assentados com o auxílio doescantilhão e régua técnica de prumo e nível.Alvenaria Estrutural Assentamento
  16. 16. Juntas Tratando-se de alvenaria aparente, recomenda-se que o frisamento seja executado antes do endurecimento total da argamassa de assentamento. A limpeza pode ser efetuada após o frisamento utilizando-se pano grosso ou esponja seca, evitando-se com isso produzir manchas (esbranquiçamentos) sobre os blocos. Permanecendo restos de argamassa endurecida que venham a formar crostas sobre a alvenaria, recomenda-se a utilização de escova de aço com cerdas finas.Alvenaria Estrutural Juntas
  17. 17. Colocação das armaduras e grauteQuando o projeto estrutural prevê autilização de enrijecedores verticais(pontos de graute), a colocação dasarmaduras deve ser precedida da limpezadas rebarbas de argamassa dos furos eabertura das espias na base das paredes,para controle da chegada do graute até ofundo do furo.O lançamento do graute, efetuado apósa limpeza do furo, deve ser feito nomínimo após 24 horas do assentamentodos blocos. A altura máxima delançamento é de 3 m. Recomenda-se,no entanto, lançamento de alturas nãosuperiores a 1,40 m com graute auto-adensável.Alvenaria Estrutural Armadura e Graute
  18. 18. Amarração das paredesPode ser de três tipos: direta, comferros em formato "L" e com ferros emgancho.Amarração diretaExecutada através doentrelaçamento dos blocos, este tipode amarração só é possível emblocos cuja espessura tenha o valorda metade do comprimento utilizadona modulação. Exemplos: blocos dalinha 15 x 20 x 30, linha 20 x 20 x 40. OBS.: Nas alvenarias com ferragem vertical, este tipo de amarração proporciona economia de graute, ferragem vertical e grampos.Alvenaria Estrutural Amarração das Paredes
  19. 19. Amarração com ferros em "L” oucom ganchosA amarração com ferros em "L" oucom ganchos é usada quando obloco a ser utilizado não permiteamarração direta. Os ferrosutilizados são do tipo CA-50 e bitolade 5 mm; essas amarraçõesdeverão ser feitas alternadamente acada duas fiadas, entre as juntas.Alvenaria Estrutural Amarração das Paredes
  20. 20. Vergas e contravergas Nas aberturas de portas são colocadas vergas, e nas janelas, vergas e contravergas (recomenda-se apoio lateral maior ou igual a 40 cm).Alvenaria Estrutural Vergas e Contravergas
  21. 21. Cintas de amarração (apoio de lajes)São utilizadas em toda extensão dasparedes estruturais. Nos casos de lajes pré-fabricadas ou lajes painel, recomenda-seenrijecer as canaletas com concreto até aaltura das mesmas, garantindo asolidarização com a parte superior atravésde estribos ou arranques. Tubulações embutidas Recomenda-se não realizar cortes horizontais e transversais. Para as instalações elétricas deve-se utilizar o próprio furo dos blocos.Alvenaria Estrutural Cintas de Amarração Tubulações Embutidas
  22. 22. Fixações de parafusos A sustentação de diferentes esforços pontuais de tração aplicados à alvenaria pode ser resolvida pela fixação de buchas de nylon e químicas. Juntas de dilatação Devem ser contínuas e verticais para possibilitar movimentos relativos, proporcionando completa separação entre dois blocos. Devem ser previstas onde se conhece a máxima variação de temperatura ou a máxima expansão devido à umidade.Alvenaria Estrutural Fixações de Parafusos Juntas de Dilatação
  23. 23. Revestimentos A absorção superficial dos blocos cerâmicos resulta em ótima aderência aos mais diversos tipos de revestimentos existentes no mercado, além da possibilidade de deixar a alvenaria aparente, com simples tratamento superficial. Dentre algumas opções de revestimentos, destacam-se: Tipo Utilização Convencional externa e interna (chapisco+emboço+reboco) Massa única (chapisco+reboco) externa e interna Massa sem chapisco exclusivamente interna Gesso exclusivamente interna Pintura direta interna e externa (tintas apropriadas)Alvenaria Estrutural Revestimentos
  24. 24. Normas Técnicas A ABNT dispõe das seguintes normas sobre o uso de cerâmica em alvenaria; NBR 7171/92 - Bloco Cerâmico para alvenaria. Especificação; NBR 8042/83 - Bloco Cerâmico para alvenaria. Formas e dimensões. Padronização; NBR 6461/83 - Bloco Cerâmico para alvenaria. Verificação da resistência à compressão. Método de ensaio; NBR 8043/83 - Bloco Cerâmico portante para alvenaria. Determinação da área líquida. Método de ensaio.Alvenaria Estrutural Normas Técnicas

×