Trabalho final construção civil 2

11.098 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.098
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
252
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho final construção civil 2

  1. 1. UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓCOBERTURA DE TELHAS CERÂMICAS E FIBROCIMENTO COM ESTRUTURA DE MADEIRA André Scapin João Manoel Balestrin Mauro de Couet Mateus Pandolfo Chapecó - SC, Março de 2012.
  2. 2. UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓÀrea de Ciências Exatas e AmbientaisCurso: Engenharia CivilDisciplina: Construção Civil IIProfessor: Marcelo Fabiano Costella COBERTURA DE TELHAS CERÂMICAS E FIBROCIMENTO COM ESTRUTURA DE MADEIRA André Scapin João Manoel Balestrin Mauro de Couet Mateus Pandolfo Chapecó - SC, Junho de 2011.
  3. 3. SUMÁRIO1. Estrutura de Madeira para telhados.................................................................................... 4 1.1 Estrutura de Madeira de um telhado é composto ...................................................... 4 1.2 Estrutura Pontaletada ..............................................................................................5 1.3 Tesouras em Madeira ..............................................................................................6 1.4 Terças em Madeira ..................................................................................................6 1.5 Caibros em Madeira .................................................................................................6 1.6 Ripas em Madeira ....................................................................................................7 1.7 Ligações ....................................................................................................................7 1.8 Ligações com Pregos ................................................................................................82. Telha de Cerâmica .......................................................................................................10 2.1 Tipos de telhas ....................................................................................................... 10 2.2 Execução de telhados Cerâmicos ................................................................................. 123. Telhados de Fibrocimento .................................................................................................. 12 3.1 Modelos de Fibrocimento ......................................................................................13 3.2 Colocação ...............................................................................................................154. Referencias Bibliograficas ................................................................................................... 16
  4. 4. 11- ESTRUTURA DE MADEIRAS PARA TELHADOS A madeira geralmente é usada como material nas estruturas de telhados, para as1mais variadas coberturas. As principais madeiras utilizadas para esse fim são o Ipê, Cabriúva ou Itaúba,porém, segundo THOMAZ (1982) “Todos os elementos utilizam geralmente a perobacomo madeira padrão, por ser mais resistente ao apodrecimento e também por não sertão duro quanto o ipê e a cabreúva, entre outras razões.” As principais funções da estrutura de madeira são sustentar e fixar as telhas etransmitir os esforços solicitantes para os elementos estruturais do edifício, garantindoassim a estabilidade do telhado.1.1 Estrutura de madeira de um telhado é composta por:1- Ripas: são peças de madeira pregadas sobre os caibros, que servem de apoios para as telhas cerâmicas;2- Caibros: peças de madeira, apoiadas sobre as terças, servindo como suporte para as ripas;3- Terça de Cumeeira: terça da parte mais alta do telhado;4- Terças: peças horizontais de madeira colocadas na direção perpendicular à estrutura de apoio. Elas apoiam-se geralmente sobre tesouras, pontaletes, oitões, ou paredes intermediárias, com a função de sustentar os caibros;5- Contrafrechal: terça da parte inferior do telhado;6- Frechal: viga de madeira colocada em todo o perímetro superior da parede de alvenaria, para amarração e distribuição da carga concentrada da tesoura;7- Chapuz: calço de madeira, geralmente de forma triangular, que serve de apoio lateral para a terça Tesoura: treliça de madeira que serve de apoio para a trama:8- Asna, perna, empena ou banzo superior;9- Linha, tirante, tensor ou banzo inferior;10- Montante principal ou pendural;11- Diagonal ou escora;12- Pontalete, montante ou suspensório;13- Ferragem ou estribo;14- Ferragem ou cobrejunta;15- Testeira ou aba;
  5. 5. 216- Mão francesa: peça disposta de forma inclinada, com a finalidade de travar a estrutura.17- A estrutura é composta por uma armação principal (tesoura) e uma secundária, mais conhecida por trama.COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 2,1.2 Estrutura pontaletada As vigas principais da estrutura, a terça da cumeeira e as demais terças sãoapoiadas sobre pontaletes e devem ser contraventadas com mãos francesas. Estas devemser colocadas dos dois lados dos pontaletes, sendo recomendável que a estrutura sejacontraventada nas duas direções. COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 19
  6. 6. 3 O apoio das peças de madeira (cumeeira , terça ou viga principal) sobre ospontaletes deve ser feito por encaixe, utilizando-se ainda talas laterais de madeira, fitaou chapas de. Os pontaletes não devem apoiar-se diretamente sobre a laje de forro, mas simsobre placas de apoio, que podem ser constituídas por seções de pranchas ou vigas demadeira. As vigas principais devem apoiar-se sobre coxins, cintas de amarração oufrechais, e não diretamente sobre as paredes. Apenas devem-se apoiar as terças nos oitões de alvenaria desde que sejamadotados reforços na região do apoio.1.3 Tesouras em madeira As intersecções entre eixos de três ou mais barras da tesoura devem ocorrer emum único ponto. As tesouras não devem ser apoiadas diretamente sobre a alvenaria, mas simsobre coxins, cintas de amarração ou frechais. As tesouras devem ser contraventadas com mãos francesas e diagonais cruzadasentre as tesouras centrais, ou com diagonais cruzadas entre todas as tesouras.COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 331.4 Terças em madeira As terças devem ser posicionadas sobre os nós da tesoura, para que assimtransmitam a carga diretamente sobre eles, ou sobre os pontaletes das estruturaspontaletadas. Devem ser apoiadas e fixadas às empenas de tesouras ou às vigasprincipais de estruturas pontaletadas, com o emprego de chapuzes de madeira,cantoneiras metálicas, tarugos de madeira, parafusos passantes ou outros dispositivossimilares.1.5 Caibros em madeira Recomenda-se que o espaçamento entre os caibros não seja superior a 50 cm. Os caibros devem ser pregados às terças, sendo que a penetração do prego naterça deve equivaler no mínimo a metade do comprimento do prego.
  7. 7. 4COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 29 Para madeiras resistentes à umidade, ou que receberam tratamento preservativoadequado, pode-se fixar totalmente o caibro em lajes inclinadas de concreto armado.Nesse caso, a fixação do caibro à laje pode ser efetuada mediante a cravação de pregosao longo do caibro, sendo o conjunto chumbado ao concreto.COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 38 Deve-se evitar a emenda de caibros. Quando houver necessidade, a emendasobre caibros deve ser feita sobre a terça, seguindo os seguintes critérios: Quando a espessura da terça for maior ou igual a 5 cm:COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 30
  8. 8. 5Quando a espessura da terça for menor que 5 cm:COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 301.6 Ripas de madeira O espaçamento entre ripas (galga) é dado em função das dimensões da telhacerâmica e do recobrimento longitudinal. Para isto deve-se construir uma guia pararipamento com base nas dimensões das telhas a serem empregadas.COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 39 As ripas são simplesmente pregadas nos caibros, sendo que a penetração doprego no caibro deve ser pelo menos igual a metade do seu comprimento. As emendasdas ripas devem ser feitas de topo, sempre sobre os caibros. As ripas também podem ainda ser fixadas diretamente sobre lajes inclinadasatravés de parafusos e buchas.1.7 Ligações Todas as operações de corte e furação das peças de madeira devem ser feitascom ferramentas apropriadas, a fim de evitar quaisquer tipos de danos à maneira egarantir a perfeita ajustagem das superfícies em contato na ligação. As partes das peças de madeira na região da ligação devem ser isentas dequalquer defeito, como nós, rachaduras, etc.
  9. 9. 61.8 Ligações com pregos Recomenda-se que sejam rebatidas as pontas dos pregos que eventualmenteatravessarem as peças pregadas. Quando forem pregadas conjuntamente três peças demadeira, recomenda-se que os pregos atravessem pelo menos duas delas.COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 23 As ligações sujeitas a esforços de tração devem ser efetuadas com o auxilio decobre-juntas. Não sendo deve ser feita a pregação de topo.COBERTURA COM. ESTR. DE MAD. E TELHADO COM TELH. CER. Pag. 33 Nas tesouras, as ligações pregadas devem apresentar pelo menos 4 pregos emcada peça a ser ligada.2-TELHA DE CERÂMICA As telhas cerâmicas são constituídas por argilas ricas em ilita e montmorilonitas(boa resistência da massa seca, telhas com elevada resistência a flexão e baixaporosidade, etc.).Características de um telhado de boa qualidade:- O som emitido ao bater na peça deve ser metálico;
  10. 10. 7-Não devem apresentar fissuras, esfoliações, quebras e rebarbas que dificultem oacoplamento entre elas e que prejudiquem a estanqueidade do telhado.-Não devem possuir manchas, superfícies esbranquiçada com sais solúveis ou nódulosde cal.- Devem ter regularidade de forma, dimensões e coloração; fraca absorção de água eimpermeabilidade; baixa porosidade; resistência a flexão. Outras características, como impermeabilidade, absorção de água, resistência aflexão, tolerâncias dimensionais e empenamento, devem estar de acordo com o conjuntode Normas Técnicas Brasileiras (NBR).2.1 TIPOS DE TELHAS As telhas cerâmicas são classificadas em duas categorias: telhas de encaixe etelhas de capa e canal.Telhas cerâmicas de encaixe: este tipo de telha cerâmica apresenta em suas bordas,saliências e reentrâncias que permitem o encaixe entre elas. Nesta categoria as telhasmais conhecida e utilizadas são a francesa, a romana, a portuguesa e a termoplan.Telha Francesa: as telhas francesas são planas, com encaixes laterais e nasextremidades, com agarração para fixação às ripas. Suas dimensões são,aproximadamente, 24 cm de largura, 40 cm de comprimento e 14 mm de espessura, compeso em torno de 2,6 kg. A galga para esse tipo de telha é de 34 cm.Telha Romana: a telha romana apresenta uma capa e um canal interligados. Suasdimensões são, aproximadamente, 21,6 cm de largura, 41,5 cm de comprimento e 10mm de espessura, com peso em torno de 2,6 kg. A galga para esse tipo de telha é de 36cm.
  11. 11. 8Telha Portuguesa: evolução da antiga e tradicional telha colonial. Ao contrario dacolonial, a portuguesa é composta por apenas uma peça. Suas dimensões são,aproximadamente, 20,0 cm de largura e 38,0 cm de comprimento.Telha Termoplan: apresenta uma camada interna de ar, projetada com intuito deotimizar o desempenho térmico da telha. Suas dimensões são, aproximadamente, 21,4cm de largura, 45,0 cm de comprimento e 26 mm de espessura, com peso em torno de3,2 kg. A galga para esse tipo de telha é de 38 cm.Telhas cerâmicas de capa e canal: caracterizadas por peças côncavas (canais),apoiadas sobre as ripas e por peças convexas (capas) que se apoiam nos canais. Tanto ascapas quanto os canais apresentam detalhes (encaixes, apoios, etc.) que visam impedir odeslizamento das capas em relação aos canais. Os principais tipos de telhas deste tiposão a colonial, a paulista e a plan.Telha Colonial: nesta telha não há distinção entre a capa e o canal, pois podem serusadas indistintamente, ou seja, um catnal como capa e vice-versa. Suas dimensões têmas seguintes variações: largura – 14 a 18 cm; comprimento – 46 cm; espessura – 13 mm.Seu peso é, em média, 2,25 Kg.
  12. 12. 9 Telha Paulista: tem seção circular que vai afunilando em direção a uma dasextremidades, apresenta a capa com largura ligeiramente inferior à largura do canal.Suas dimensões têm as seguintes variações: comprimento – 46 cm; largura da capa – 12a 16 cm; largura do canal – 14 a 18 cm; espessura 13 mm. A capa pesa, em média, 2,0Kg, e o canal 2,15 Kg.Telha Plan: apresenta as formas acentuadas retas. O canal é de seção retangular e maisampla. São telhas muito pouco empregadas, pois são difíceis de cortar bem comoencontrar peças no mercado para substituição. Suas dimensões têm as seguintesvariações: comprimento – 46 cm; largura da capa – 12 a 16 cm; largura do canal – 14 a18 cm; espessura 13 mm. A capa pesa, em média, 2,29 Kg, e o canal 2,28 Kg. A ABNT e o INMETRO decidiram normalizar apenas os 3 tipos maisconsagrados de telhas de capa e canal (colonial, paulista e plan), estabelecendo aindaum único comprimento (46 cm) e uma única galga (40 cm) para essas telhas.2.2 - EXECUÇÃO DE TELHADOS CERÂMICOS O telhado deve ser executado com telhas com dimensões padronizadas, comtolerâncias dimensionais que atendam a sua respectiva especificação, dessa forma,haverá perfeito encaixe entre as telhas, facilitando a colocação e garantindo aestanqueidade à água do telhado É recomendado adquirir uma quantidade de telhas aproximadamente 5%superior à quantidade calculada para o telhado, como margem de folga.Colocação das telhas: segundo o livro Coberturas com Estrutura de Madeira eTelhados com Telhas Cerâmicas: Manual de Execução (p. 39, 1988): A colocação das telhas deve ser feita por fiadas, iniciando-se pelo beiral e prosseguindo-se em direção a cumeira. A sequência de colocação das telhas de encaixe em cada fiada varia de acordo com o seu desenho, isto é, de acordo com a posição relativa das saliências e das reentrâncias que definem o recobrimento lateral. Assim sendo, em cada fiada as telhas podem ser colocadas da direita para a esquerda ou vice-versa. As telhas da fiada seguinte são colocadas de forma a encaixarem-se perfeitamente naquelas da fiada inferior [...]
  13. 13. 10 É orientado que, telhados com inclinação entre 45% e 100% , tenham umesquema de amarração como o mostrado na figura a seguir. Para telhados cominclinação maior que 100%, recomenda-se amarrar todas as telhas à estrutura de apoio,a cada cinco telhas uma é fixada.45% e 100% 25% e 100% Para telhados, com declividades entre 25% e 100%, todos os canais devem serfixados à estrutura de apoio, e as capas devem ser fixadas de maneira alternada, a cadacinco telhas uma é fixada. Durante a execução do telhado, devem-se dispor pilhas de telhas sobre a trama,nos cruzamentos dos caibros com as ripas, evitando que o montador caminhe com telhasna mão sobre a parte já coberta. Para a distribuição das telhas pode-se dispor algumastabuas longitudinais (direção da água) sobre o madeiramento, de forma que osmontadores possam caminhas sobre elas. Beiral: o primeiro apoio da primeira fiada de telhas deve ter duas ripassobrepostas ou por testeiras. Em beirais desprotegidos, recomenda-se amarrar as telhas de encaixe às ripas. Jáas telhas de capa e canal devem ter as capas emboçadas com a argamassa e os canaisdevem ser fixados às ripas, caso haja platibanda ou caso seja empregado forro no beiral,as telhas não necessitarão ser fixadas à estrutura de madeira, já nos beirais laterais oemboçamento de peças cerâmicas apropriadas (cumeeiras ou capas de telhas do tipocapa e canal).Cumeeira: deve ser executada com peças cerâmicas denominadas “cumeeiras”, oupode-se utilizar capas de telhas do tipo capa e canal. Essas peças devem ser colocadas obedecendo-se um sentido de colocaçãocontrario ao dos ventos dominantes.
  14. 14. 11 Primeiramente, com a colher de pedreiro coloca-se o emboço nas extremidadesdas telhas, de forma a criar duas linhas contínuas, em toda extensão da cumeeiratambém deve-se colocar o emboço no rebaixo da telha anterior. Então encaixam-se aspeças, sendo que deve-se observar ainda um recobrimento longitudinal mínimo de 60mm entre as peçasEspigão: também pode ser executado com peças de cumeeiras ou capas de telhas decapa e canal. As peças são colocadas da mesma forma que na cumeeira sendo quedevem ser colocadas no beiral em direção à cumeeira. As telhas das águas do telhado são cortadas no seu encontro com o espigão, deforma que o recobrimento entre as peças de espigão e as telhas seja no mínimo 30 mm.Rincão ou água furtada: é constituído por uma calha metálica fixada na estrutura demadeira do telhado, elas devem ser cortadas na direção do mesmo, recobrindo a calhametálica em pelo menos 60 mm de cada lado. A largura livre da calha deve ser deaproximadamente 150 mm, também pode ser executado com peças especiais comrecobrimento longitudinal mínimo de 60 mm.Arremates: com fim de garantir a estanqueidade do telhado, os encontros dos telhadoscom paredes paralelas ou transversais ao comprimento das telhas devem ser executadosempregando-se rufos metálicos ou componentes cerâmicos.3 TELHADOS DE FIBROCIMENTO Depois das telhas cerâmicas, as telhas de fibrocimento são as mais conhecidasdos brasileiros. Constituídas por fibras de amianto e cimento, estas telhas são fabricadasem diversos modelos, tamanhos e espessuras.
  15. 15. 12 O fibrocimento é composto basicamente de água, cimento e amianto, uma fibramineral presente em abundancia na crosta terrestre. Esses elementos, quando usados emconjunto proporcional à cobertura: durabilidade, estanqueidade, resistência mecânica,baixo peso, trabalhabilidade, versatilidade, incombustibilidade, isolamento acústico, sãobastante utilizadas em edifícios habitacionais de padrão popular, inclusive unifamiliares,embora não proporcionem adequado conforto, sobretudo térmico. Devem atender àsdisposições da norma “NBR 7581 – Telha ondulada de fibrocimento – Especificações”.3.1 MODELOS DE FIBROCIMENTOTelha ondulada A telha ondulada de fibrocimento, por ser apoiada em estrutura leve é umaopção racional muito utilizada para telhados residenciais, depósitos, galpões eedificações rurais. Possui características adequadas para a aplicação em indústria, sendousada tanto em coberturas com em fechamentos laterais. Suas espessuras mais comuns são a de 5 mm, 6 mm e 8 mm, sendo que as maisutilizadas são as de 6 e 8 mm. O peso do telhado em fibrocimento varia conforme aespessura das peças, sendo de 15 Kg/m² para as de 5 mm, 18 Kg/m² para as de 6 mm e24 Kg/m² para as de 8 mm.Peças complementares Existem peças complementares para as telhas onduladas de fibrocimento com asseguintes finalidades:- Arremate entre duas ou mais águas de uma cobertura (Cumeeira normal, cumeeirauniversal, cumeeira articulada ondulada, espigão)Cumeeira normal: Cumeeira Universal:Cumeeira articulada ondulada: Espigão:
  16. 16. 13- Arremate entre uma água de cobertura e uma parede ou fechamento lateral (Cumeeirashed, rufo);Cumeeira shed: Cumeeira shed simétrica: Rufo:- Proporcionar recursos de ventilação e arejamento à área coberta (telha de ventilação,telha com claraboia);Telha de ventilação:-Arremate entre dois ou mais fechamentos laterais (cantoneira e aresta). Cantoneira: Aresta: Além destes ainda existe uma ampla gama de peças complementares queresolvem detalhes de arremate, ventilação e iluminação.3.2 MANUSEIO E ESTOCAGEM- o corte, lixamento e furação dos produtos devem ser feitos em locais abertos, com boaventilação e, se possível, separados das demais tarefas;- recomenda-se realizar o trabalho com ferramentas manuais, que provocam menordesprendimento de poeira fina no ambiente;
  17. 17. 14- é preciso umidificar o piso ao redor do local de trabalho e as peças que estão sendotrabalhadas, reduzindo a possibilidade de geração de poeira;- a retirada de rebarbas e a limpeza das peças, ferramentas e demais equipamentosdeverá ser feita utilizando um pano ou esponja umedecidos, ou sistema de aspiração;- os equipamentos fixos – furadeira de bancada, serra circular etc. – deverão possuirnecessariamente um sistema de captação de poeira;- a lavagem das peças de trabalho será feita separadamente das demais peças de usodiário;- durante o trabalho, o operador deve usar máscara específica (descartável do tipo P2para poeira);- terminado o trabalho, o operador deve tomar banho no serviço antes de trocar deroupa; A aplicação dessas recomendações garante ao usuário dos produtos defibrocimento uma utilização segura e sem riscos à saúde.3.3 COLOCAÇÃO O melhor aproveitamento das telhas se dá com a inclinação de 15° (27%) eprocurar utilizar esta inclinação sempre que possível. Na montagem da primeira fiada as chapas precisam ser fixadas com um parafusopor chapa (colocado na crista da 2a onda), necessitando a última chapa ser fixada comdois parafusos (na crista das 2a e 5a ondas). Nas chapas das fiadas intermediárias, terãode ser aplicados dois ganchos chatos na cava da 1a e 4a onda. As cumeeiras deverão serfixadas com um parafuso de cada lado, sendo a última delas com dois parafusos de cadalado. O caimento mínimo a ser empregado é de 10º, ou seja, 17,6% (abaixo desse limite,estar-se-á arriscando infiltração de água através da junção das telhas). A superposição das chapas varia conforme sua inclinação, sendo, portanto:- para telhados com menos de 15º de inclinação, usar recobrimento longitudinal mínimode 20 cm;- para caimentos maiores de 15º, pode-se usar recobrimento longitudinal de 14 cm. O espaçamento máximo entre as terças é de 1,69 m. Por essa razão, a chapa maiseconômica é a de 1,83 m, já que para as telhas maiores se torna indispensável acolocação de terça intermediária (para telhas de 6 mm de espessura). Quanto aos beirais,os comprimentos das chapas, máximo e mínimo, em balanço são:- beirais sem calha: máximo 40 cm e mínimo 25 cm;
  18. 18. 15- beirais com calha: máximo 25 cm e mínimo 10 cm.- beiral lateral: 10 cm A montagem das telhas deverá ser iniciada a partir do beiral para a cumeeira.Para uma montagem e utilização do sistema de cobertura em telhas onduladas defibrocimento eficientes, precisam ser seguidas as seguintes recomendações:- não se pode pisar diretamente sobre as telhas; usar tábuas apoiadas em três terças, emcoberturas muito inclinadas, amarrar as tábuas;- utilizar ferramentas manuais (serrote, arco de pua, etc.). Se houver a necessidade deutilização de serras elétricas, recomenda-se as de baixa rotação para evitar a dispersãodo pó de amianto;- procurar sempre realizar o trabalho ao ar livre;- umedecer as peças de fibrocimento antes de cortá-las ou perfurá-las.
  19. 19. 164 - REFENCIAS BIBLIOGRÁFICASPini Web – Telhas Cerâmicas – Bianca Antunes.Disponível em: http://www.piniweb.com.br/construcao/noticias/telhas-ceramicas-80046-1.asp Acesso em: 12 mar. 2012.ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA.Manual Técnico de Fibrocimento. São Paulo: PINI. 1988COMO Construir. Fev. 2002. Disponível em:http://www.piniweb.com.br/construcao/noticias/como-construir-81765-1.asp. Acessoem: 15 mar. 2012.ESCOLHA sua Telha. Disponível em: http://www.hinkel.arq.br/hhtelhas.html.Acesso: 11mar. 2012.IPT - INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃOPAULO S.A. Cobertura com Estrutura de Madeira e Telhados com Telhascerâmicas. São Paulo: IPT, 1988.MAYER, Marcio. Coberturas em Madeira. Disponível em:http://www.eternit.com.br/produtos/index.php. Acesso em: 17mar. 2012.PATOLOGIAS mais Frequentes Encontradas em Coberturas com Telhas Cerâmicas.Disponível em: http://www.pintpor.com/pdf/patologiasdostelhadosetelhas.pdf. Acessoem: 16 mar. 2012.Catalogo Eternit. Disponível em: http://www.eternit.com.br/produtos/index.php/.Acesso em: 18mar. 2012.

×