UNIÃO NACIONAL PARA A INDEPENDÊNCIA TOTAL DE ANGOLA
UNITA
III CONFERENCIA SOBRE A PAZ E ESTABILIDADE NA ÁFRICA AUSTRAL
Qua...
Em 1976 a UNITA diante das gigantescas dificuldades que se colocaram naquele
contexto tinha a opção cómoda de desistir da ...
Conta ainda com pós-graduações em Filosofia, na Faculdade de Letras da Universidade
de Genebra, Suíça, 1974, e em Resoluçã...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA

283 visualizações

Publicada em

Nota Introdutória à III Conferência da UNITA do ciclo Paz e Estabilidade na África Austral; Apresentação do preletor Almerindo Jaka Jamba

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
283
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

NOTA INTRODUTORIA III CONFERENCIA UNITA

  1. 1. UNIÃO NACIONAL PARA A INDEPENDÊNCIA TOTAL DE ANGOLA UNITA III CONFERENCIA SOBRE A PAZ E ESTABILIDADE NA ÁFRICA AUSTRAL Quando analisamos com alguma profundidade as razões que nos levaram à guerra em 1975, concluimos facilmente que uma das principais razões foi, sem dúvida, o espírito de vanguarda, no pior sentido, que catalisou a exclusão do outro que tinha que ser afastado do caminho a qualquer custo, pois, “nós somos O ÚNICO REPRESENTANTE DO POVO ANGOLANO”. Todas as outras razões, inclusivê a entrada em cena das grandes potências foram, do meu ponto de vista, potenciadas por esta desmedida ambição de VANGUARDA que estava acintosamente patente na estratégia dos nossos compatriotas do MPLA. Para sustentar esta ambição de vanguarda era necessário contar uma história que fizesse sentido, que justificasse a condição de VANGURDA reclamada e isto só podia ser feito distorcendo a história a seu favor e impondo-a como a única e verdadeira. Deste modo o MPLA foi contando a história a sua maneira (distorcida) e um dos capítulos que mais distorções sofreu foi sem dúvida o capítulo relacionado com o NACIONALISMO ANGOLANO que na verdade se confunde com a luta de libertação, a luta anti-colonial e pela independência. O MPLA usou todos os meios ao seu alcance (meios poderosos, diga-se) para que a sua versão se firmasse, mas como a história é teimosa e a verdade vem sempre a tona, esta história não se sustentou e o tempo vem tratando de desconstrui-la aos poucos. Hoje, quando nos detemos a reflectir sobre o momento político e social que o país vive percebemos nitidamente que nos encontramos numa encruzilhada: o país vacila entre consolidar as conquistas democráticas alcançadas, a duras penas, em 1992 e o retorno esquizofrénico ao monolitismo que esteve na base do conflito atroz que por décadas dilacerou o país. Esta tendência monolítica é hoje impulsionada por forças estruturadas em torno de uma elite que se tornou poderosa e hegemônica fruto do açambarcamento despudorado das nossas riquezas, ampliando exponencialmente as franjas de miséria e aprofundando assustadoramente o fosso social que separa ricos e pobres. Para sustentar este poder foi outra vez ressuscitado o fantasma da história única, distorcendo os factos que marcaram a história recente de Angola.
  2. 2. Em 1976 a UNITA diante das gigantescas dificuldades que se colocaram naquele contexto tinha a opção cómoda de desistir da luta e conformar-se com a situação, mas, sob a sábia liderança de Jonas Malheiro Savimbi fez a opção mais difícil e impensável naquelas circunstâncias: RESISTIR. Desde então a UNITA agigantou-se, descreveu páginas de ouro da história recente de Angola, percorrendo um caminho sinuoso que culminou em 1992 com o MPLA vergado à democracia multipartidária e à economia de mercado, bandeiras por nós sempre defendidas. Ao agir assim assumimos a responsabilidade histórica de patrocinar e defender por todos os meios a democracia como plataforma incontornável para a edificação da Nação angolana. Portanto, em relação aos factos que se pretendem hoje distorcer, forjando uma nova versão da história única, nós somos verdadeiros protagonistas e não pudemos assistir resignados a este exercício doentio. Quando as forças retrógrads do monolitismo se agigantam somos chamados, mais uma vez a erguer a nossa voz, fazendo vingar firmemente a nossa posição tal como heroicamente o fizemos em 1976. A diferença é que hoje temos que fazê-lo com recurso a outras armas, armas não letais, mas ainda assim muito poderosas: o conhecimento, a informação e a comunicação. O poder destas armas está hoje fortemente incrementado a custa de uma matriz tecnológica que eleva a sua potência a um expoente incomensurável. Precisamos, portanto, é de nos capacitar permanentemente para nos posicionarmos criticamente no novo contexto tecnológico e desta forma promovermos o uso racional e a nosso favor destas importantes ferramentas. O efeito verdadeiramente devastador que teve a primeira conferência nas hostes do nosso adversário político demonstram que estamos no caminho certo. Conhecimento nós temos, até porque, como protagonistas da história acumulamos conhecimento que universidade nenhuma no mundo nos pode oferecer. O nosso prelector de hoje é uma prova eloquente disso. Ele traz o valor agregado de combinar a experiência forjada na luta com um percurso acadêmico ímpar o que faz dele uma verdadeira biblioteca viva dos acontecimentos que marcaram a história recente de Angola. Por si só ALMERINDO JAKA JAMBA dispensa qualquer apresentação e eu vou fazê-lo apenas em obediência à praxe que caracteriza este tipo de evento e quero desde já dizer, Dr. Jaka Jamba, que me sinto muito honrado por ter sido escolhido para apresentá-lo aqui. ALMERINDO JAKA JAMBA, nasceu em Katchiungo-Huambo, em 21/03/1949, conta, portanto 65 anos de idade. Licenciou-se em Filosofia pela Universidade Clássica de Lisboa (Portugal) em 1972 e é Mestre em Relações Internacionais/Estudos Diplomáticos Superiores desde 2007, pelo Instituto de Altos Estudos Internacionais/Centro de Estudos Diplomáticos e Estratégicos (Paris???)
  3. 3. Conta ainda com pós-graduações em Filosofia, na Faculdade de Letras da Universidade de Genebra, Suíça, 1974, e em Resolução de conflitos na Universidade de Uppsala (Suécia), em 1998. O Dr. Jaka Jamba é docente da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, com a categoria de Professor Auxiliar onde lecciona as disciplinas de Filosofia e Lógica; É também docente no Instituto Superior de Ciências Sociais e Relações Internacionais(CIS) onde lecciona Diplomacia e Negociação Internacional. O Professor Jaka Jamba tem os seus interesses científicos voltados para a Filosofia africana, História da filosofia, antropologia cultural, sendo autor de vários artigos e comunicações publicadas em diversas revistas da especialidade. O Professor Jaka Jamba é detentor de um currículo político singular que fez dele Membro do Governo de Transição de Angola em 1975; exerceu múltiplas funções no Partido durante a resistência russo-cubana. Foi deputado à Assembleia Nacional pela UNITA tendo ocupado o cargo de Vice-Presidente e foi ainda Representante Permanente da República de Angola junto da UNESCO na vigência do GURN (2004- 2008). É actualmente o Secretário Nacional para a Cultura da UNITA. Trata-se, como se vê, de uma figura autorizada para nos falar do tema: A COMPLEXIDADE E A CONFLITUALIDADE DO NACIONALISMO ANGOLANO, 1961 -1991 – OS DESAFIOS DA RECONCILIAÇÃO NACIONAL

×