ApresentaçãO1sdasd Lais

1.798 visualizações

Publicada em

Trabalho de literatura

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.798
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO1sdasd Lais

  1. 1. José de Alencar
  2. 2. José Martiniano de Alencar (Messejana, 1 de maio de 1829 — Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 1877) foi um jornalista, político, orador, romancista, crítico, cronista, polemista e dramaturgo brasileiro. Filho de um influente senador, José de Alencar formou-se em Direito, iniciando-se na atividade literária através dos jornais Correio Mercantil e Diário do Rio de Janeiro. Foi casado com Ana Cochrane. Era irmão do diplomata Leonel Martiniano de Alencar, barão de Alencar.
  3. 3. VIDA Em 1844, matriculou-se nos cursos preparatórios à Faculdade de Direito de São Paulo , começando o curso em 1846. Fundou, nessa época, a revista Ensaios Literários , onde publicou o artigo Questões de estilo . Formou-se em Direito, em 1850, e, em 1854, estreou como folhetinista no Correio Mercantil . Em 1856, sob o pseudônimo de Ig, criticou o poema A Confederação dos Tamoios , de Gonçalves de Magalhães . Ainda no mesmo ano, publicou sob a forma de folhetim seu primeiro romance, Cinco Minutos, no ano seguinte publica, no mesmo formato, A Viuvinha. Mas é com O Guarani (1857) que alcançará notoriedade.
  4. 4. José de Alencar foi mais longe nos romances que completam a trilogia indigenista: Iracema (1865) e Ubirajara (1874). Em 1859, tornou-se Chefe da Secretaria do Ministério da Justiça, sendo depois consultor do mesmo. Em 1860 José de Alencar havia ingressado na política, como deputado. Em 1868, tornou-se Ministro da Justiça e, em 1869, candidatou-se ao Senado. Em 1877 viria a ocupar um ministério no governo do Imperador Dom Pedro II. Em 1872 se tornou pai de Mário de Alencar. Tuberculoso, viajou para a Europa em 1877 para tentar um tratamento, porém não teve sucesso. Faleceu no Rio de Janeiro no mesmo ano. Produziu também romances urbanos (Senhora, 1875;Encarnação,escrito em 1877, ano de sua morte e divulgado em 1893), regionalistas (O Gaúcho, 1870; O Sertanejo, 1875) e históricos ( A Guerra dos Mascates , 1873), além de peças para o teatro. Característica de sua obra é o nacionalismo , tanto nos temas quanto nas inovações no uso da língua.
  5. 5. A obra de José de Alencar pode ser dividida em dois grupos distintos Quanto ao espaço geográfico O sertão do Nordeste - O Sertanejo O litoral cearense - Iracema O pampa gaúcho - O Gaúcho A zona rural - Til (interior paulista), O Tronco do Ipê (zona da mata fluminense) A cidade, a sociedade burguesa do Segundo Reinado - Diva, Lucíola, Senhora e os demais romances urbanos. Quanto à evolução histórica O período pré-cabralino - Ubirajara. A fase de formação da nacionalidade - Iracema e O Guarani. A ocupação do território, a colonização e o sentimento nativista - As Minas de Prata (o bandeirantismo) e A Guerra dos Mascates (rebelião colonial). O presente, a vida urbana de seu tempo, a burguesia fluminense do século XIX - os romances urbanos Diva, Lucíola, Senhora e outros
  6. 6. Romances Cinco minutos , 1856 A viuvinha , 1857 O guarani , 1857 Lucíola, 1862 Diva, 1864 Iracema, 1865 As minas de prata - 1.º vol. , 1865 As minas de prata - 2.º vol. , 1866 O gaúcho , 1870 A pata da gazela , 1870 O tronco do ipê , 1871 Guerra dos mascates - 1.º vol. , 1871 Til, 1871 Sonhos d'ouro , 1872 Alfarrábios, 1873 Guerra dos mascates - 2.º vol. , 1873 Ubirajara, 1874 O sertanejo , 1875 Senhora, 1875 Encarnação, 1893 Teatro O crédito , 1857 Verso e reverso , 1857 Demônio familiar , 1857 As asas de um anjo , 1858 Mãe , 1860 A expiação , 1867 O jesuíta , 1875 Crônica Ao correr da pena , 1874 OBRAS

×