EXAME DA LIQUIDEZ E SOLVIBILIDADE




CONCEITO DE LIQUIDEZ E SOLVIBILIDADE


A expressão Liquidez significa disponibilidad...
de exploração (existências para fins de produção ou de venda imediata) ou, pelo menos, não contam
com o chamado “stock out...
FM= Ac - Ecp =      (Cp + Elp) - (Ti + I)
                          Capitais      Activo
                          Permane...
   Permite o cumprimento dos compromissos nos vencimentos, evitando o recurso a atitudes
       equívocas e prejudiciais ...
Ac                                              Ac              Elp


                     Cp

                           ...
operadas em negócios.


Fundo de maneio Previsional


Importa aqui acentuar de novo que não interessa apenas a análise est...
A analsie da solvibiidade de uma empresa encarada a curto prazo fica incompleta se consistir na
averiguacao, em dado momen...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Exame da Liquidez e Solvibilidade

3.573 visualizações

Publicada em

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.573
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exame da Liquidez e Solvibilidade

  1. 1. EXAME DA LIQUIDEZ E SOLVIBILIDADE CONCEITO DE LIQUIDEZ E SOLVIBILIDADE A expressão Liquidez significa disponibilidade de dinheiro e possibilidade de o obter com facilidade de modo a fazer face aos compromissos financeiros que se irão vencer. Solvibilidade na linguagem corrente significa disposição de meios ou de fundos para satisfazer compromissos pecuniários. Nos estudos de análise financeira fala-se de exames da solvibilidade no sentido de se saber ou verificar se uma empresa tem valores activos que lhes possibilitem o pagamento das suas dívidas e responsabilidades. Esses exames podem particularizar-se ou ter em vista diversas finalidades: ou verificar se o activo é suficiente para pagar todo o passivo no caso de liquidação da empresa; ou examina-se a possibilidade de regularização de compromissos dentro dos anos mais próximos, no ano em observação ou ainda num dado momento. Poder-se-á, portanto, consoante os casos, falar-se de solvibilidade (imediata e) a curto prazo ou liquidez, de solvibilidade a longo prazo e de solvibilidade final. O estudo de cada tipo particular de solvibilidade dependerá dos objectivos de cada análise concreta. SOLVIBILIDADE A CURTO PRAZO - LIQUIDEZ Os exames desta natureza realizam-se especialmente através de comparações entre as diversas disponibilidades e valores realizáveis e as exigibilidades a curto prazo. Como indicadores ou caracterizadores da solvibilidade, usam-se vários elementos de síntese ou painéis de cifras coordenadas. A destacar aqui o fundo de maneio, os quadros da liquidabilidade e os rácios considerados apropriados. FUNDO DE MANEIO Esta expressão pode dizer-se que é usada por todos com um sentido comum, embora os significados que particularmente lhe atribuem sejam menos precisos quanto ao conteúdo. Para uns, corresponde ao total do activo circulante; para outros, a maioria talvez, ao cativo circulante líquido, isto é, ao activo circulante deduzido do passivo a curto prazo; finalmente, outros não contam com os valores
  2. 2. de exploração (existências para fins de produção ou de venda imediata) ou, pelo menos, não contam com o chamado “stock outil” e/ ou com os stocks de difícil mobilização, monos. Essas possíveis variadas interpretações da noção de fundo de maneio implicam cautelas no uso da expressão e daí utilizar-se para cada um dos casos citados, respectivamente, as seguintes referenciacões: fundo de maneio bruto, fundo de maneio (propriamente dito), fundo de maneio de tesouraria e fundo de maneio corrigido. Fundo de Maneio Bruto = D+ Rsr Fundo de Maneio (propriamente dito ) = Ac - Pc Fundo de Maneio de Tesouraria = D+R - Ex - Ecp Sendo R = Rsr + Ex Fundo de Maneio Corrigido (deduzido o stock de difícil mobilização) = D + Rsr + Ex - Ecp Fundo de Maneio Corrigido = Fm - Stock de difícil mobilização Para nós o fundo de maneio (fundo de maneio propriamente dito) corresponde ao excedente do activo circulante sobre o exigível a curto prazo. FUNDO DE MANEIO = Ac - Pc Fm sob o ponto de vista da liquidez da empresa Da igualdade do balanço: Ac + Ti + I = Ecp + Cp Ac - Activo circulante Ti - Temporariamente I -Imobilizado Fundo de maneio/Capitais Ecp – Exigível a curto prazo Elp - Exigível a longo prazo Cp - Capital próprio Teremos:
  3. 3. FM= Ac - Ecp = (Cp + Elp) - (Ti + I) Capitais Activo Permanentes fixo Fundo de maneio sob ponto de vista de Capitais Nesta conformidade o fundo de maneio sob o ponto de vista de capitais é o excedente dos capitais próprios e alheios a longo prazo sobre o valor das imobilizações que esses capitais estão a financiar. Fundo de Maneio Normal Não é possível precisar quantitativamente qual será o fundo de maneio normal ou ideal para as empresas. Diz-se geralmente que o fundo de maneio normal deverá corresponder a cerca de metade do activo circulante, mas tal regra comporta inúmeras excepções, sucedendo muitas vezes não haver fundo de maneio sem que daí resulte perigo de insolvibilidade. Isso sucederá quando o prazo de crédito concedido aos clientes for muito curto ou nulo (vendas a contado), a rotação dos stocks for muito grande e os fornecedores concederem sistematicamente longos períodos para o pagamento. De facto, o fundo de maneio vária consoante as características funcionais de cada empresa, designadamente a rotação dos stocks, as condições de prazo das compras e vendas, a natureza da exploração, etc. FM=Ac-Ecp PC PC AC AC Fm Elp Elp CP CP AF AF A existência de um fundo de maneio normal adequado traz vantagens à empresa:
  4. 4.  Permite o cumprimento dos compromissos nos vencimentos, evitando o recurso a atitudes equívocas e prejudiciais ou a medidas de emergência custosas;  Possibilita compras em melhores condições, na medida em que permite contratar a pronto pagamento, aproveitando bónus de quantidades, etc.  Deixa aberta a possibilidade de concessão de condições especiais de prazo a determinados clientes o que por vezes é essencial para a conservação de bons níveis de vendas. Inexistência do Fundo de maneio Não existe fundo de maneio em hipóteses como as configuradas nos seguintes gráficos: I II Ac Ecp Ac Ecp Ti+I Ti+I Elp+Cp Elp+Cp No gráfico I, o activo circulante está totalmente afecto à liquidação do passivo a curto prazo, o que poderá ocasionar dificuldades de tesouraria em consequência de desencontros entre as realizações do activo e os vencimentos do passivo. O caso do gráfico II é de insuficiência de tesouraria. A persistência de tal situação sem tomadas de providências, conduz a situações insustentáveis ao fim de pouco tempo, ficando-se à mercê dos credores. Todavia, convém advertir que poderão funcionar em tais termos empresas em que os prazos do “exigível” sejam sistematicamente superiores aos de realização do activo circulante. Fundo de maneio excessivo Em hipóteses como as dos gráficos seguintes o fundo de maneio reputar-se-á excessivo:
  5. 5. Ac Ac Elp Cp Ti Ti+I I Cp Tanto no gráfico I como no gráfico II: F.M. = A.C.; visto E.c.p = O Também nestes casos se estará, por via de regra, perante situações anómalas e economicamente desfavoráveis. Os empresários devem procurar aumentar a rendibilidade de cada unidade do seu capital e para isso têm de aproveitar, no máximo conveniente, o capital alheio que lhes estiver acessível em taxa de juro e demais conduções. Será, normalmente, patológico o caso de inexistência de capital alheio pois, na prática comercial, haverá pelo menos o crédito concedido pelos fornecedores que, mesmo em casos de venda a pronto pagamento, aceitam que os seus clientes procedam aos pagamentos dentro de prazos curtos que vão geralmente de uma semana a cerca de um mês e alguns dias. Na medida que puderem utilizar capitais alheios gratuitamente ou em boas condições de juro ou sem outros ónus inconvenientes, os empresários ampliam a sua actividade e aumentam o seu “Chifre d! affaires” com dado volume de capital próprio. Nalguns casos conseguem assim libertar capitais para actividades inorgânicas, ocasionais ou acessórias, particularmente rendosas. Observa-se ainda que a retribuição a cada unidade de capital próprio tem para a empresa ónus fiscais (impostos sobre os lucros) que não existem para as retribuições de capital alheio, pois os juros pagos são custos do exercício dedutíveis para efeitos da determinação dos lucros tributáveis. Os excessos de fundo de maneio revelam-se assim inconvenientes, se não de um ponto de vista estritamente económicos como seja o da rendibilidade do capital. A persistência de um fundo de maneio excessivo não é pois, sintoma de boa eficiência administrativa. Poderá também resultar porventura de vendas forçadas ou de retracções sucessivas
  6. 6. operadas em negócios. Fundo de maneio Previsional Importa aqui acentuar de novo que não interessa apenas a análise estática do fundo de maneio em determinada data, na qual, aliás, o mesmo pode até apresentar um montante meramente acidental e excepcional. Importará antes a verificação do comportamento do fundo de maneio ao longo de um período suficientemente expressivo. Os gestores de empresas (financeiros) deverão inclusive mandar determinar os valores futuros do fundo de maneio; o que ficará favorecido caso a empresa elabore os competentes orçamentos ou disponha do sistema dito de controlo orçamental. Partindo do fundo de maneio efectivo em certa data, estabelecem-se as previsões das suas variações ao longo de um período considerado, determinando o fundo de maneio previsional no decorrer ou pelo menos no fim desse período. Para calcular o fundo de maneio previsional é óbvio que terá de dispor-se não só de previsões dos montantes das vendas (a contado e a prazo) e demais receitas (sistemáticas e ocasionais), mas também de previsões dos montantes das compras (a contas e a prazo) de matérias e mercadorias, dos gastos com o pessoal, aquisições de serviços, encargos diversos, tomando na devida atenção a possibilidade de se processarem eventos condicionados a determinadas circunstâncias e até acontecimentos imprevistos. QUADROS DE LIQUIDABILIDADES
  7. 7. A analsie da solvibiidade de uma empresa encarada a curto prazo fica incompleta se consistir na averiguacao, em dado momento, do funod de maneio ou de outros excedentes do activo em relacao a certas categorias do passivo. Importa igualmente averiguar a convertibilidade gradual dos diferentes elementos patrimoniais activos em disponibilidades, exmplo, a liquidez do activo, comparando-a com as _-... existência de normal solvibilidade a curto, a longo prazo e final exige, pelo menos, ~.::~-~:-:o entre os diversos graus de solvibilidade e de exigibilidade, ou, preferentemente, com ':-2. 2. . enção de certa margem de segurança, à verificação de diferenças favoráveis ao activo, -:.: -:-:"-:le ros graus. exibibilidades do passivo, o estudo da liquidez de uma empresa consiste efectivamente na _ ~os estudos de solvibilidade a curto prazo não interessa a observação de todos os graus -". • idez, verificacao mas já é imprescindível a confrcntanção da liquidei do activo corrente com a exig - ilidade do passivo particular das corrente. suas Vimos que um fundo de maneio normal era geralmente condição favorecedora de uma ~ solvibilidade. Não é contudo suficiente ou necessário, sendo antes conveniente, que o activo rc ante seguintes condições: possibilidades de realizar dinheiro - A parte não formado por disponibilidades poder transformar-se em tal na sequência da ex loração; - Essa transformação em disponibilidades operar-se pelo menos num ritmo correspondente 2.0 do Na verdade, vencimento das dívidas. estas análises não podem ser vistas em termos meramente estáticos, isto é, em relação aos dados de um só balanço. É certo que para um observador externo, preocupado apenas com a ideia da análise do crédito a conceder a curto prazo, tal perspectiva pode bastar, mas para os gestores financeiros o que importará será olhar sistematicamente para a evolução -das fontes dos fundos, verificando se as mesmas assegüram o perfeito equilíbrio financeiro da empresa para o que muito contam as previsões e o conhecimento dos prazos e dos índices do rotação dos valores actuais

×