Autores na Feira do Livro                             (Literatura Juvenil e para adultos)                                 ...
Maria João Lopo de CarvalhoMaria                           João Lopo de Carvalho nasceu em 1962 e licenciou-se em Línguas ...
Manuel Araújo                      Manuel António Teixeira Araújo é licenciado em Filologia Românica                      ...
Manuel Cardoso                                    Manuel Cardoso nasceu em 1958, em Macedo de Cavaleiros,                 ...
Rui de Sousa  Rui de So.usa nasceu em São João da Madeira, em 1973. Com dezassete anos chega a Coimbra  para jogar futebol...
João MorgadoJoão Morgado nasceu na Covilhã. Formado em Comunicação pela Universidade da BeiraInterior, fez um mestrado na ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Autores presentes na Feira do Livro

309 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
309
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autores presentes na Feira do Livro

  1. 1. Autores na Feira do Livro (Literatura Juvenil e para adultos) - 6 a 9 de Abril - Ana Macedo Ana Macedo nasceu em Vila Nova de Gaia, 1985 .Aprendeu a ler aos três anos, aos cinco queria ser escritora e aos catorze escreveu um romance que enviou para algumas editoras, até que uma delas o publicou. Assim surgiu o romance Lágrimas Coloridas, fruto de uma maturidade precoce onde a autora partilha com o leitor a essência de si própria. Está envolvida no projecto de uma nova banda, os Flat Major, comoautora das letras das suas músicas e a terminar o seu próximo romance... Este romance, escrito por Ana Macedo de 16 anos, aborda de uma forma só capaz de ser captada pelos olhos e pela alma de uma adolescente, os problemas da sua vida. É neste cenário que toda a maravilhosa trama nos mostra a força e dinamismo da juventude. O mistério faz parte do seu dia-a-dia. A obra envolve-se de magia e é inundada por lágrimas que ganham cor e constituem o arco-íris. Sem pecados na culpa é um livro forte e complexo no modo como visualiza situações bem próximas das realidades das famílias contemporâneas, mas também deixa antever a fragilidade, a instabilidade, a insegurança, o desequilíbrio afectivo, o refúgio em si próprio e no mundo imaginário da personagem principal.
  2. 2. Maria João Lopo de CarvalhoMaria João Lopo de Carvalho nasceu em 1962 e licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas pela Universidade Nova de Lisboa. Professorade Português e de Inglês no ensino público e privado, representante em Portugal dos colégios ingleses Pilgrims, fundou e dirigiu a Know How, Sociedade de Ensino de Línguas e a Know How, Edições Produções e Publicidade destinada à tradução e à criação de livros personalizadospara crianças e à concepção anual do Guia da Criança. A Mónica é a terceira irmã da família Machado e é também uma desportista nata. A BTT e o futebol, paixão que partilha com o irmão mais velho, o Miguel, são os seus desportos favoritos. Adora animais e até conseguiu que a sua grande família recebesse mais um elemento, o Mister, um cãozinho rafeiro que a leva a pensar se a profissão de veterinária poderia ser uma boa escolha. Na escola, conhece o Filipe, com quem partilha os mesmos gostos e que a desconcerta com a sua sinceridade e amizade. Mas ela ainda pensa no Paulo, que um dia lhe dedicou uma música… O seu coração fica baralhado! As grandes amigas da Mónica, Sofia e Carlota, são muito diferentes e fazem-na viver problemas bem complicados. Mas como sempre a opção será dela, embora não saiba ao certo o que fazer… É difícil ver bem as situações quando estamos dentro delas, e a Mónica não é excepção! Uma enorme aventura aguarda a irmã mais velha: A Maria vai estudar um ano para os Estados Unidos da América e deixa para trás uma família muito ansiosa e um namorado que não aguenta nada bem a sua ausência! A Maria parte cheia de entusiasmo por ter uma nova escola, uma nova família e uma nova "irmã". Contudo, a pouco e pouco, vai-se sentindo dividida entre dois mundos separados por um oceano. É tudo tão diferente! Por um lado, a novidade: os bailes, as festas, as aulas, os novos professores, os colegas, a família e, quem sabe, uma nova paixão… Por outro lado, aquela dor no coração que não a deixa esquecer o seu Portugal, a sua família, os seus amigos… E tudo piora com a aproximação do Natal! Como irá a Maria resolver este desafio tão complicado, quando tem apenas 17 anos?
  3. 3. Manuel Araújo Manuel António Teixeira Araújo é licenciado em Filologia Românica pela Universidade de Coimbra e mestre em Língua e Literatura Portuguesas pela Universidade do Minho. É professor efectivo da Escola Secundária Fernão de Magalhães em Chaves. Publicou três romances: "É Tão Cruel ter Memória" (Colibri), "A Cidade do Patriarca" (Pé de Página) e “A Aldeia das Mulheres” (Lugar da Palavra). Foi galardoado com os seguintes prémios: Prémio Nacional na modalidade de Conto, instituído pela Câmara Municipal de Lisboa, freguesia de Santo António dos Olivais (1991); Prémio Revelação namodalidade de Ensaio, pela APE (2001); 2.º prémio do Concurso Nacional de PoesiaAgostinho Gomes (2004). A Aldeia das Mulheres (2011 Lugar da Palavra) Padre Julião e Simplício, um homem de quase dois metros, são os únicos seres masculinos válidos em Pousos, a Aldeia das Mulheres. As carências sexuais delas e os estranhos casos que vão acontecendo dão à aldeia um estatuto de invulgaridade vigiada pelo Governo. É, provavelmente, a única aldeia matriarcal nos anos 50 e 60 do século XX, em Portugal. Há ainda Carolina, uma menina que cresceu sozinha, e tudo o que lhe aconteceu foi tão cedo de mais… Prémio Revelação APE 2001, na modalidade de Ensaio. "A Emancipação da Literatura Infantil" pretende defender a ideia de que a Literatura Infantil não é uma literatura menor. No primeiro capítulo, é feita a abordagem das literaturas populares (ainda hoje consideradas como pertencendo à classe das subliteraturas) e da Literatura Infantil, tentando explicar e perceber as razões pelas quais ambas são consideradas literaturas menores. Neste capítulo acentuasse a relação umbilical entre a Literatura Popular e a Literatura Infantil. No capítulo segundo aborda-se a evolução da infância ao longo dos séculos. No último capítulo pretende-se provar que a Literatura Infantil faz parte do sistema da Literatura Maior.
  4. 4. Manuel Cardoso Manuel Cardoso nasceu em 1958, em Macedo de Cavaleiros, e estudou em Cernache (Coimbra), Macedo de Cavaleiros e Mirandela, antes de se licenciar em Medicina Veterinária em Lisboa. Casado e pai de três rapazes, vive actualmente em Latães, no concelho de Macedo de Cavaleiros. Lecciona na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Bragança, exercendo ainda a profissão de médico- veterinário em Macedo de Cavaleiros. Publicou diversos textos científicos, destacando-se Glossário de Equídeose e um livro de contos, Quartzo. Escreveu os romances Um Tiro na Bruma e O Segredo da Fonte Queimada. O início do século XX em Portugal ficou marcado por inúmeros acontecimentos que provocaram grandes transformações políticas e sociais: a Implantação da República, em 1910, golpes de Estado e contra- golpes, a participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial, as doenças que dizimaram famílias inteiras, ricos e pobres. É neste cenário conturbado com base em factos e personagens reais, que se movimenta a figura central da história, Amadeu. Na qualidade de médico em Macedo de Cavaleiros, a sua vida espelha bem as dificuldades que então havia em ultrapassar a escassez de recursos que assinala este período. Em torno de Amadeu gravitam muitas outras personagens que ilustram primorosamente a sociedade portuguesa de então, e em particular a transmontana, para o desenvolvimento da qual foi essencial a construção da Linha do Tua. Na biblioteca de um velho capitão solitário figura um livro raro escrito por um médico de D. João V. Que segredos encerrará esse Aquilegio Medicinal sobre as fontes e águas de Portugal? E que águas e fontes serão verdadeiramente aquelas a que se refere o seu autor? É o que nos propõe descobrir Manuel Cardoso nesta aliciante viagem no tempo até ao Portugaldo século XVIII.
  5. 5. Rui de Sousa Rui de So.usa nasceu em São João da Madeira, em 1973. Com dezassete anos chega a Coimbra para jogar futebol na Associação Académica OAF e para se licenciar em Geografia na Faculdade de Letras. Começou aos vinte e um anos a exercer a profissão que hoje desempenha: a de professor. Actualmente exerce funções docentes na Escola Secundária Dr. Júlio Martins, em Chaves. Sofia vive a realidade como algo exterior a si própria, escrita por outros, e disfarça no viver quotidiano o vazio que adorna a solidão que deveras sente. Pedro escreve as linhas da sua vida por apalpação medrosa, entre o mar ameno que lhe aviva a alma e a serra bravia que lhe alimenta o coração.Duas viagens que encerram a inevitabilidade de se ser humano, de se ser carne e alma nas viagenssubmersas que todos realizam porque, sem o saberem, carregam mundos dentro de si.
  6. 6. João MorgadoJoão Morgado nasceu na Covilhã. Formado em Comunicação pela Universidade da BeiraInterior, fez um mestrado na Universidad Pontifícia de Salamanca e trabalhou alguns anoscomo jornalista. Actualmente, escreve crónicas de opinião, colabora com o semanário SOL, édirector do site Kaminhos.com, formador e consultor de comunicação e imagem no meioempresarial e político. É autor de Covilhã e A Estrela, Covilhã e a Imprensa – Memórias doPrimeiro Século – 1864/1964 e da Colectânea de Poesia Contemporânea.Diário dos InfiéisJoão Morgado Quatro casais, oito personagens e a pergunta que nos assalta quando percebemos o fim: ainda me amas? Não sabem o que os faria felizes, nem se lembram do dia em que sentiram o peso da solidão, em que se amaram ou se desejaram. Hoje, não se reconhecem, não têm coragem para mudar de vida, para assumir o fim e procurar noutro amor o caminho de volta para o compromisso maior: ser feliz. Num diário de emoções íntimas, falam na primeira pessoa do que sentem em relação a si e aos outros. Concluem que, cada um à sua maneira, todos foram infiéis: por pensamentos, actos, ou omissões. Com vidas entrelaçadas, cada um descreve no diário a sua viagempelo mundo do sexo, do desejo, do pudor, do egoísmo, do amor-próprio, doenvelhecimento, do sonho, da morte... Enfim, a matéria-prima da qual é feita a existência degente vulgar. «Sobre nós ninguém escreverá um romance», diz uma das personagens. Talvezdesconhecendo que todos os dias a vida nos ensina o contrário.

×