contemporanea|comunicação e cultura 
W W W . C O N T E M P O R A N E A . P O S C O M . U F B A . B R 
ESTRATÉGIAS DE COMUN...
da República José Serra (PSDB) lançou mão do Twitter ao longo das eleições de 2010. O texto analisa as 
novas disposições ...
'

(!
(
#$ )**+
)
'
' 
*Professor Adjunto I da UFC. Pesquisador Permanente do PPGCOM/UFC. Realizou estágio pós-doutoral em Comu-nicação 
Soc...
FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS 
used Twitter over the 2010 presi...
- 

(
'
(!'
(
.(
'


( 
!
 

/'#$ %
(01'/2
(32
(17 to October 31, 2010). The empirical sample is based on the 221 messages posted by the candidate 
in the chosen period ...
4
4 
50678906689:
3;;;93;;0 
podem ser inventariadas outras investigações que se dedicam a examinar, a partir de diferente...
4
4
-
/

9=
(
9 
4
//
?/
@
,=
4- 
drões de representação que se estabeleceram ao longo dos últimos séculos, Lavalle et al. sugerem os 
seguintes apontam...
/4/
A
- 
-se um fenômeno comum; mudanças no mercado de trabalho tornaram instáveis e 
=
4  
sua posição na estrutura ocupacional; e, se isso não bastasse, uma vaga de inovações 
institucionais tem levado a repr...
ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE 
Este trabalho, por sua vez, pretende enfatizar o exame de apenas parte de um c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estratégias de Comunicação Política Online: Uma Análise do Perfil de José Serra no Twitter

391 visualizações

Publicada em

O trabalho examina algumas das principais mudanças que as tecnologias digitais de comunicação trazem para o jogo político-eleitoral. Mais especificamente, verifica-se de que maneira o candidato à Presidência da República José Serra (PSDB) lançou mão do Twitter ao longo das eleições de 2010. O texto analisa as novas disposições e comportamentos que podem ser percebidos uma vez que os media digitais passam a desempenhar um papel importante no processo de captura do voto. Haveria modalidades inéditas de promoção das campanhas ou, na verdade, percebe-se uma continuidade na maneira de se abordar os eleitores? São investigadas as mensagens (tweets) postadas por José Serra (@joseserra_) durante os 15 dias que antecederam o 2º turno das eleições presidenciais (de 17 a 31 de outubro de 2010). A amostra empírica é baseada nas 221 mensagens publicadas pelo candidato no período escolhido. É possível apontar, por um lado, que o uso do Twitter se mostra importante (a) para promover a imagem pública de Serra; (b) para construir uma rede de apoiadores; e (c) para estimular modalidades informais de interação. Por outro lado, é perceptível o fato de que as estratégias eleitorais, mesmo no Twitter, continuam sendo condicionadas por concepções tradicionais do marketing político.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
391
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estratégias de Comunicação Política Online: Uma Análise do Perfil de José Serra no Twitter

  1. 1. contemporanea|comunicação e cultura W W W . C O N T E M P O R A N E A . P O S C O M . U F B A . B R ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE: UMA ANÁLISE DO PERFIL DE JOSÉ SERRA NO TWITTERi Political Campaigns and Online Strategies: The case of the 2010 Brazilian Elections Francisco Paulo Jamil Almeida Marques* Fernando Wisse Oliveira Silva ** Nina Ribeiro Matos*** RESUMO O trabalho examina algumas das principais mudanças que as tecnologias digitais de comunicação trazem
  2. 2. da República José Serra (PSDB) lançou mão do Twitter ao longo das eleições de 2010. O texto analisa as novas disposições e comportamentos que podem ser percebidos uma vez que os media digitais passam a desempenhar um papel importante no processo de captura do voto. Haveria modalidades inéditas de promoção das campanhas ou, na verdade, percebe-se uma continuidade na maneira de se abordar ! #$ % os 15 dias que antecederam o 2º turno das eleições presidenciais (de 17 a 31 de outubro de 2010). A amostra empírica é baseada nas 221 mensagens publicadas pelo candidato no período escolhido. É possível apontar, por um lado, que o uso do Twitter se mostra importante (a) para promover a imagem pública de Serra; (b) para construir uma rede de apoiadores; e (c) para estimular modalidades informais de interação. Por outro lado, é perceptível o fato de que as estratégias eleitorais, mesmo no Twitter, continuam sendo condicionadas por concepções tradicionais do marketing político. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Eleições. Internet. Campanhas online. Twitter. ABSTRACT This article examines some of the main changes that Brazilian elections have faced thanks to the new
  3. 3. ' (! (
  4. 4. #$ )**+
  5. 5. )
  6. 6. ' ' *Professor Adjunto I da UFC. Pesquisador Permanente do PPGCOM/UFC. Realizou estágio pós-doutoral em Comu-nicação Social (PPGCOM/UFMG). Doutor e Mestre pelo PósCom/UFBA. Líder do Grupo de Pesquisa em Política e Novas Tecnologias (PONTE/UFC). E-mail: marquesjamil@yahoo.com.br. **Aluno do Curso de Comunicação Social (habilitação em Jornalismo) da Universidade Federal do Ceará. Inte-grante do Grupo de Pesquisa em Política e Novas Tecnologias (PONTE/UFC). E-mail: fernandowisse@gmail.com. ***Aluna do Curso de Comunicação Social (habilitação em Jornalismo) da Universidade Federal do Ceará. Inte-grante do Grupo de Pesquisa em Política e Novas Tecnologias (PONTE/UFC). E-mail: ninaribemat@gmail.com. BRASIL 344 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  7. 7. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS used Twitter over the 2010 presidential race. The text analyzes the new behaviors perceived once the dig- ' , (! (
  8. 8. - (
  9. 9. ' (!'
  10. 10. ( .( ' ( ! /'#$ % (01'/2 (32
  11. 11. (17 to October 31, 2010). The empirical sample is based on the 221 messages posted by the candidate in the chosen period of time. On the one hand, we can say that the use of Twitter becomes important (a) to promote the public image of Serra; (b) to build a network with thousands of users willing to sup-port him; and (c) to stimulate informal styles of interaction. On the other hand, it becomes evident that electoral strategies, even on Twitter, remain constrained by traditional conceptions of political marketing. KEYWORDS Democracy. Elections. Internet. Online Campaigns. Twitter. 1. INTRODUÇÃO Há um conjunto relevante de referências na área de Ciência Política a apontar as transformações que a representação vem sofrendo desde o advento das democracias modernas. Para além dos estudos
  12. 12. 4 4 50678906689: 3;;;93;;0 podem ser inventariadas outras investigações que se dedicam a examinar, a partir de diferentes ângu-los, as transformações que a relação entre representantes e representados tem sofrido, principalmente a partir do século XX. É possível arrolar alterações em dimensões tão distintas como, por exemplo, o contingente de eleitores apto a eleger representantes; a importância das bases eleitorais para a conso-lidação dos partidos nas democracias de massa; o surgimento de novas agremiações partidárias, que
  13. 13. 4
  14. 14. 4
  15. 15. -
  16. 16. / 9=
  17. 17. (
  18. 18. 9 4
  19. 19. //
  20. 20. ?/
  21. 21. @ ,=
  22. 22. 4- drões de representação que se estabeleceram ao longo dos últimos séculos, Lavalle et al. sugerem os seguintes apontamentos: A representação política nas democracias contemporâneas sofreu transformações pro-fundas no último quartel do século XX: partidos políticos de massas perderam sua centralidade como ordenadores estáveis das identidades e preferências do eleitorado; +4A
  23. 23. /4/
  24. 24. A - -se um fenômeno comum; mudanças no mercado de trabalho tornaram instáveis e =
  25. 25. 4 sua posição na estrutura ocupacional; e, se isso não bastasse, uma vaga de inovações institucionais tem levado a representação política, no Brasil e pelo mundo afora, a transbordar as eleições e o legislativo como lócus da representação, enveredando para o controle social e para a representação grupal nas funções executivas do governo (Lavalle, Houtzager e Castello, 2006). contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 345
  26. 26. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE Este trabalho, por sua vez, pretende enfatizar o exame de apenas parte de um conjunto de transforma-ções que a comunicação de massa também provocou sobre as formas de se exercer a representação
  27. 27. /=
  28. 28. /
  29. 29. ( A A literatura típica da interface entre Comunicação e Democracia a destacar que os representantes polí-
  30. 30. +
  31. 31. +
  32. 32. $/ 4 - ções sobre como se relacionar com os agentes da comunicação de massa, o chamado “media training”), a construção de suas imagens públicas (Schwartzenberger, 1977; Edelman, 1980; Burke, 1994; Rubim, 2004). Isto é, tais agentes se esforçam continuamente não somente para que seja estabelecido um bom relacionamento com a imprensa, mas, também, para garantir cotas de visibilidade positiva às suas atu-ações como representantes. A disputa por cargos de direção nas casas legislativas, por exemplo, conta com um ingrediente fundamental: a luta por lugares de fala proeminentes, uma vez que o ocupante da Presidência da Câmara dos Deputados ou do Senado preenche muitos dos critérios de noticiabilidade obedecidos pelos jornalistas (autoridade, por exemplo) quando estes constroem suas matérias (Miguel, 2003; Gomes, 2004). Nesse sentido, Arterton (1987) argumenta que aqueles caciques partidários sem “carisma” perderam uma parcela de poder que tradicionalmente se manifestava no âmbito das legendas. Em boa parte dos casos, a força política de um agente tem a ver com sua capacidade de ocupar espaços na tribuna de maneira a oferecer às audiências um discurso atraente (no que concerne ao conteúdo e, também, à “plasticidade” de quem aparece). Estes elementos são fundamentais em momentos singulares, tais
  33. 33. 2
  34. 34. 2
  35. 35. (
  36. 36. /
  37. 37. querem “investir” naqueles candidatos aceitos pelo público, com maiores chances de obterem sucesso na “corrida de cavalos” (Arterton 1987, p. 17; Entman, 1989). Passa a ser necessário, assim, atender a determinados critérios que compõem a “gramática” da constru-ção de notícias (Traquina, 2004; Miguel e Biroli, 2010). A disputa por visibilidade faz com que os repre-
  38. 38. =
  39. 39. 2
  40. 40. / A
  41. 41. seja por meio da aquisição pura e simples de veículos de comunicação, seja através da “fabricação” de 2
  42. 42. +
  43. 43. + campo das relações públicas (Gomes, 2004). O mais curioso é perceber que tais estratégias concernentes ao campo da comunicação de massa - e já em uso há algumas décadas -, têm sido, regularmente, transpostas para as plataformas de comuni-cação digital. De certa forma, isso implica que a euforia que marcou a fase inicial relativa aos estudos dedicados à interface entre internet e democracia vai cedendo lugar a teses menos otimistas, a defen-derem que, de maneira geral, as tecnologias digitais são empregadas, mais frequentemente, no intuito de reforçar as desigualdades encontradas no mundo pré-internetv. 346 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  44. 44. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS Assim sendo, parte da literatura otimista que considerava a internet transformadora das relações en-tre representantes e representados vai dando lugar a um discurso analítico mais convencido de que os media digitais são, na verdade, instrumentos aos quais diversos usos são conferidos (Salter, 2004; 3;;7, =
  45. 45. 4 /A- ticas democráticas se refere, em boa parte, à disposição tanto de agentes políticos quanto de cidadãos comuns para lançar mão de tais mecanismos. Dito de outra forma, há uma série de trabalhos (Maia, Gomes e Marques, 2011) que permitem observar que a disposição dos agentes políticos, mais do que a tecnologia, constitui o fator essencial a limitar um maior aproveitamento das capacidades democráticas dos media digitais. Acredita-se que esta ideia pode ser reforçada através da seguinte hipótese de pesquisa, que guia a for-mulação deste trabalho: quando os agentes ligados ao jogo político têm a necessidade de construir uma imagem pública positiva junto aos cidadãos, eles empregam, inclusive de forma ousada, as ferramentas oferecidas pela internet. Em outras palavras, na medida em que é preciso atrair o público e angariar apoio político, as estratégias elaboradas por consultores de comunicação levam em conta, de maneira muito particular, as potencialidades da internet. Este é o caso, por exemplo, de candidatos em épocas eleitorais. Uma vez eleitos, os representantes tratam de administrar o poder que lhes foi conferido por aqueles que neles votaram. No entanto, no processo de “caça” ao voto - um momento especial do jogo político -, existe uma disposição muito mais ampla de se mostrar aberto à interferência por parte da esfera civil. A internet acaba conformando uma alternativa à qual os candidatos recorrem na intenção de estabelecer um contato mais direto com o eleitorado, evitando a intermediação dos media tradicionais que, conforme já explorado, adotam critérios próprios de noticiabilidade e de oferta de visibilidade. , $
  46. 46. 4
  47. 47. B./C
  48. 48. 5C
  49. 49. /5.! busca-se estimular o envolvimento dos eleitores. Ou seja, existe uma apropriação muito peculiar de sites de relacionamentos, compartilhadores de vídeos, feeds, microblogs e outros recursos que, há até pouco tempo, eram comuns apenas entre os usuários entusiastas do universo wired. Por conta da possibilidade de se estabelecer, mesmo, laços de intimidade com determinados usuários das redes digitais, as consul-
  50. 50. (
  51. 51. 2+
  52. 52. 4- cabulário da disputa pelo voto (Chaia, 2007; Gomes et al., 2009; Aggio, 2011; Gibson e Mcallister, 2011). O cenário acima apresentado acaba por chamar a atenção dos pesquisadores da área de Comunicação e Democracia, que se perguntam, dentre outras questões, que novas disposições e comportamentos podem ser percebidos uma vez que os media digitais passam a desempenhar um papel importante no processo de captura do voto. Há, efetivamente, modalidades inéditas de promoção da campanha ou, na
  53. 53. /
  54. 54. / contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 347
  55. 55. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE D/ /(
  56. 56. 4
  57. 57. 4 +
  58. 58. 4$
  59. 59. $
  60. 60. EF/
  61. 61. #$ (PSDB) lançou mão da rede Twitter ao longo das eleições de 2010. São analisadas as características
  62. 62. 330/
  63. 63. #$ % + antecederam o segundo turno das eleições presidenciais (período de 17 a 31 de outubro de 2010). No próximo tópico, o texto realiza uma breve revisão de literatura sobre o tema “Internet e Eleições”. Em seguida, discutem-se as diversas formas de utilização eleitoral da internet no cenário brasileiro em 3;0;
  64. 64. / #$.! 2. INTERNET E ELEIÇÕES: UMA BREVE INTRODUÇÃO Tendo em vista a descentralização no que se refere à transmissão de informações no ambiente digital, pode-se dizer que as relações que envolvem a disputa pelo poder político ganham uma dimensão dis-tinta daquela testemunhada nas plataformas “tradicionais” de comunicação. Lançar mão da internet como ferramenta para agregar visibilidade às opiniões e aos projetos de seus candidatos tornou-se imprescindível aos partidos, cujo intuito é abranger, naturalmente, a maior parcela possível do eleitorado. Para agremiações políticas e candidatos, existe a possibilidade de se formarem novas redes de contato, de alcançar audiências particulares, de padronizar mensagens e, logicamente, $ +
  65. 65. + ,
  66. 66. A
  67. 67. !
  68. 68. 2
  69. 69. 4 de fundos de campanha. As eleições presidenciais brasileiras de 2010 trouxeram à tona um novo conjunto de ferramentas de $ $
  70. 70. /4
  71. 71. + G
  72. 72. H+ comportamentos como responder a perguntas de eleitores e esclarecer posições políticas (Marques e Sampaio, 2011). Em outras palavras, a aceitação do candidato por parte do eleitorado acaba passando também por esse componente digital, ainda, claro, que compartilhar das diversas experiências na in-ternet não garanta, necessariamente, resultados eleitorais efetivos (veja-se o caso de Plínio de Arruda Sampaio, do PSOL, que, não obstante uma utilização pioneira do Twitter, não obteve uma parcela ex-pressiva de votos válidos). A campanha presidencial de Barack Obama, em 2008, por exemplo, foi uma das grandes demonstrações do /+42 D 750.000 voluntáriosvi, páginas populares em redes sociais e milhões de dólares arrecadados, o sucesso de Obama na web passou a ser a referência para qualquer campanha eleitoral empreendida desde então. 348 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  73. 73. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS Seria necessário, contudo, ponderar acerca de determinados aspectos conjunturais das eleições ameri-
  74. 74. 2 /
  75. 75. - lha dos representantes (o que não é objetivo deste trabalho). Segundo Coutinho (2010), a campanha de Obama teria sido vitoriosa por uma série de fatores - alguns deles sem relação direta com a rede digital, como a baixa popularidade do governo Bush. Além disso, deve-se considerar a própria natureza das eleições nos Estados Unidos, uma vez que lá o voto é facultativo (Raine e Smith, 2009). Em suma, 2 =
  76. 76. Segundo Wilson Gomes et al. (2009), as primeiras campanhas eleitorais que registraram o uso da inter-net datam dos anos 90. A principal ferramenta de promoção dos candidatos à época era o e-mail. Em
  77. 77. /
  78. 78. campanha; o objetivo primordial foi oferecer online aquele mesmo conteúdo disponível na campanha 2=, 43;;I
  79. 79. 4(*
  80. 80. 4
  81. 81. - cadas graças a uma maior adoção dos media digitais por parte mais expressiva do eleitorado. Tal adoção acaba consolidando o cenário traçado por Wilson Gomes no trecho a seguir: Em geral, as campanhas contemporâneas (inclusive as campanhas políticas) vêm ado-tando três rotas de produção de informação, imagem e persuasão: primeiro, as redes de comunicação de massa, principalmente a TV, como rota principal; depois, as redes sociais (que também são redes de comunicação, interpessoal), como rota secundária e complementar; por último, as redes sociais digitais, as redes de comunicação e rela-cionamento baseadas no universo digital, grande parte online, empregadas em geral como rotas acessórias (Gomes et al., 2009). As eleições brasileiras de 2010 consolidam a impressão de que, aos poucos, há uma mudança na estra-tégia de comunicação política dos candidatos (Marques e Sampaio, 2011; Marques, Aggio e Sampaio, 2011). Além das campanhas tradicionais com propagandas de diversas naturezas e entrevistas a insti-tuições do campo do jornalismo, a utilização da internet mostrou-se presente antes mesmo do período , $
  82. 82. G
  83. 83. H
  84. 84. eleitores continuamente, inclusive acerca de questões aparentemente frívolas. É o caso de José Serra, do Partido da Social-Democracia Brasileira. 3. INTERAÇÃO E TWITTER A intensidade no uso da internet por parte dos brasileirosvii $=
  85. 85. ( “redes sociais”, sites que dão ao usuário a oportunidade de manter-se conectado, de forma instantânea, com o que publicam seus contatos acerca de temas diversos, permitindo, na maioria das vezes, uma interação visível a outros indivíduos. contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 349
  86. 86. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE De acordo com artigo publicado na revista Imprensa em novembro de 2011, dos 35 milhões de bra-sileiros que utilizam a internet regularmente, 79% são usuários ativos de redes sociaisviii. No país, a rede social com maior quantidade de usuários é o Facebook. Segundo notícia publicada pelo portal de notícias G1 ixA
  87. 87. /3;00
  88. 88. 7;;( de usuários ativos (ou seja, aqueles que acessaram o site nos últimos 30 dias) em todo o mundo. Es-
  89. 89. /.! 2 +
  90. 90. 2
  91. 91. 3;;J
  92. 92. / uma das redes sociais mais populares em diversas partes do mundo. Um levantamento realizado em setembro de 2011 pelo Ibope Nielsen Online indicou que o Twitter atingiu, no Brasil, a quantidade de 14,2 milhões de usuários únicosx. O Twitter é uma ferramenta de microblog; uma espécie de plataforma híbrida entre blog, rede social e mensageiro instantâneo (Orihuela, 2007). A proposta inicial tinha como 2
  93. 93. A 40I;
  94. 94. 2 G-
  95. 95. A2+H GK( 'HL
  96. 96. qualquer outro tipo de apropriação tecnológica (Lemos, 2002), outros usos foram conferidos ao Twitter ao longo do tempo: mensagens pessoais, notícias curtas, publicidade etc. Há, inclusive, pesquisadores dedicados a examinar de que forma o Twitter pode atuar como ferramenta jornalística (Hermida, 2010). Atualmente, o mote desta rede é “Siga o que lhe interesse” (“Follow your interest”), visto que são in-contáveis os tipos de conteúdos nela publicados. A ferramenta, que permite seguir (follow) outros usuários para receber atualizações, permite conversas F/
  97. 97. M
  98. 98. - mente a um usuário, seja publicamente (“@usuário”) ou de maneira privada (por “mensagem direta”), o que abre a chance de se criar uma interação, em certo sentido, inédita aos que participam, sobretudo por conta da visibilidade. Outro recurso singular do Twitter são os trending topics - uma lista com os assuntos mais comentados A /
  99. 99. A
  100. 100. que deseja acompanhar). Além disso, por meio do uso de hashtags (#), há condições de se encontrar A
  101. 101. Considerando tais características, o Twitter, mesmo limitando cada post a apenas 140 caracteres por /
  102. 102. 4A
  103. 103. - tar um argumento), oferece a oportunidade de gerar espaços diversos para a troca de opiniões e infor-mações entre pessoas que, muitas vezes, não teriam a oportunidade de se encontrar ou de apresentar e testar suas ideias em público. É nesse sentido que tal recurso acaba se tornando indispensável mesmo para aqueles que desejam con-trolar, ao máximo, a uniformidade das mensagens que transmitem ao público, como é o caso de candi-
  104. 104. -
  105. 105. N C
  106. 106. /5.! por exemplo, é visto como “atrasado”, ou, pelo menos, indisposto para interagir de maneira mais próxima 350 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  107. 107. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS
  108. 108. :'3;;;9 3;00@$
  109. 109. $
  110. 110. O $A +/
  111. 111. A 4. ESTUDO DE CASO: O TWITTER DE JOSÉ SERRA NAS ELEIÇÕES 2010 P
  112. 112. / +4.! #$ %- 003;;6
  113. 113. /2
  114. 114. O mensagens descreviam o cotidiano do Governo do Estado de São Paulo, do qual Serra era governador à época. O curioso é notar que o enfoque político não foi o único que Serra adotou nas mensagens postadas no Twitter. Durante as madrugadas, por exemplo, Serra se dedicava a oferecer aos seguidores
  115. 115. F
  116. 116. sobre futebolxi . Em 23 de julho de 2011, José Serra contava com aproximadamente 770 mil seguidores; na mesma épo-ca, ele acompanhava as publicações de outras 6.175 pessoas no microblog, tendo publicado, até aquele momento, 4.983 tweets. No total, Serra estava incluído em 13.768 listas. Todos estes dados servem para =
  117. 117. xxi.. Figura 1.
  118. 118. #$.! ) O( OQQ!!!.!
  119. 119. Q Já a Figura 2 apresenta informações concernentes à intensidade com que José Serra utiliza o Twitter. É perceptível uma utilização mais frequente do Twitter por parte do candidato nas primeiras horas do dia contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 351
  120. 120. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE ;0O;;;RO;;9 4
  121. 121. 3843;00) este comportamento, Serra acabou denominando de “Liga dos Indormíveis” aqueles usuários com quem interagia via Twitter nas madrugadas. Figura 2. @
  122. 122. .! #$ 2 O( OQQ2
  123. 123. Q.! Q,
  124. 124. - so em 27 de março de 2011 O período de análise escolhido (de 17 a 31 de outubro de 2010) é justamente o intervalo no qual se pode perceber, com clareza, uma atividade mais frequente de publicação no microblog, com um total de 330 ! +-A
  125. 125. / + ! publicados por José Serra entre 19 de julho de 2010 e 31 de outubro de 2010, o que corresponde às sete quinzenas anteriores ao segundo turno das eleições. @joseserra_ Distribuição de tweets por período 221 141 153 138 99 114 81 19/07 a 02/08 03/08 a 17/08 18/08 a 01/09 02/09 a 16/09 17/09 a 01/10 02/10 a 16/10 17/10 a 31/10 Quinzenas Número de tweets 352 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  126. 126. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS Em um primeiro momento, estes 221 tweets publicados na última quinzena do 2º turno foram lidos e
  127. 127. 4
  128. 128. FS
  129. 129. 4
  130. 130. 4
  131. 131. 4
  132. 132. ! 2 fruto do trabalho de três pesquisadores que, após análise individual e isolada do corpus, confrontaram suas impressões e chegaram a um acordo sobre a tipologia utilizada para balizar o estudo. Os tipos de conteúdo mais recorrentes foram catalogados e chegou-se à seguinte lista de conteúdos abordados com 2
  133. 133. .! O 1) PROMOÇÃO DE IDEIAS: tweets que privilegiam a divulgação de programas de TV (Horário Gratui- @
  134. 134. (
  135. 135. 9/= políticos, documentos e promessas de campanha. Exemplo de tweet: C+
  136. 136. TO( OQQ/ 'Q
  137. 137. U530E.%
  138. 138. % C4, 9:28 AM Oct 27th, 2010 via web 2) CAMPANHA NEGATIVA: Mensagens de ataque ao governo ou à candidatura apoiada por Lula, pre-sidente à época. Críticas à administração federal ou à forma de condução da campanha dos adversários políticos. Exemplo de tweet: @2
  139. 139. / N7
  140. 140. + que os problemas não tivessem nada com ela. 1:39 PM Oct 30th, 2010 via web 3) MOBILIZAÇÃO E ENGAJAMENTO: Ênfase em tweets ou hashtags que convocam eleitores a con-quistarem votos; tentativa de encorajar usuários a continuarem apoiando a candidatura não apenas atra-vés do voto, mas por meio da conquista de novas adesões. No quesito “Mobilização e Engajamento”, /$
  141. 141. /
  142. 142. 4 /N
  143. 143. $ um esforço para que os adeptos continuem acreditando que a eleição de Serra é viável. Exemplo de tweet: -/V0
  144. 144. E.%CD%
  145. 145. ( nossa, do brasil! Eu ja consegui 3 votos! #goserra45 2:10 PM Oct 22nd, 2010 via web 4) PROMOÇÃO DE EVENTOS COM O CANDIDATO OU DE INTERESSE DELE: Mensagens que destacam a realização de atos públicos em apoio ao candidato ou que contam com a presença dele. Tentativa de evidenciar que a candidatura obtém reverberação social. Nestes casos, pode até haver componentes de mobilização/engajamento; contudo, a intenção é mais informar acerca de um acon-tecimento ou evento de campanha (seu desenrolar) do que propriamente convocar para uma ação de campanha. Exemplo de tweet: contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 353
  146. 146. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE -/W E. % %#
  147. 147. T
  148. 148. disposiçao invejavel. O contato com a populaçao rejuvenesce. 11:58 AM Oct 17th, 2010 via web 5) TEMAS ALHEIOS À POLÍTICA OU SEM CLASSIFICAÇÃO ESPECÍFICA: Em algumas ocasiões, José Serra também se preocupa em tratar de temas ou personalidades que não necessariamente se encontram integradas à campanha. Exemplo de tweet: Parabéns! #diadodentista 6:47 PM Oct 25th, 2010 via web Uma vez que a tipologia das mensagens estava delineada, passou-se à fase de alocação de cada tweet no interior das categorias. Este trabalho foi feito isoladamente por cada um dos pesquisadores. A clas-
  149. 149. 4 !
  150. 150. $O (a) a leitura da mensagem, que, muitas vezes, denotava, de maneira clara, a que categoria a mensagem deveria ser atribuída; (b) o conteúdo para o qual o link do tweet direcionava o usuário (em uma boa parte das mensagens /
  151. 151. (5
  152. 152. F2
  153. 153. qual conteúdo procuravam reforçar); (c) ênfase do tweet, sobretudo quando a postagem poderia se encaixar em mais de uma categoria. Naturalmente, deve-se admitir que, em determinados momentos, há tweets que se complementam ou que até poderiam ser colocados em duas categorias distintas. Nesses casos, os pesquisadores envol-vidos no tratamento empírico dos dados discutiram cada divergência em conjunto e chegaram a um consenso sobre qual dos conteúdos predominava no tweet. O resultado do levantamento pode ser con-sultado na tabela abaixo. CLASSIFICAÇÃO DOS TWEETS POR CONTEÚDOS Conteúdo do tweet Tweets % Promoção de idéias 74 33,5 Mobilização e engajamento 56 25,3 Temas alheios à campanha 49 22,2 Eventos 26 11,8 Campanha negativa 16 7,2 Total 221 100,0 354 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  154. 154. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS PROMOÇÃO DE IDEIAS A tabela indica que José Serra utilizou o microblog enfatizando conteúdos relacionados à “Promoção de Ideias”, que teve, ao todo, 74 mensagens (33,5% do total). Tendo em vista o aumento na quantidade de eleitores que lançam mão dos media digitais para se in-formar e atuar politicamente, parece natural aos agentes do campo político transpor as estratégias dis-cursivas tradicionalmente adotadas para as plataformas de comunicação digital. Não é de se estranhar, assim, que partidos e candidatos empreguem a internet no sentido de orientar a leitura que o eleitorado faz do jogo político, de pautar as instituições mediáticas, de tentar direcionar as coberturas jornalísticas, de reforçar o vínculo e o discurso através da oferta de materiais audiovisuais transmitidos no horário gratuito de propaganda eleitoralxii. Com a aproximação do período eleitoral, notou-se uma clara mudança no conteúdo das mensagens de #$.! ./F
  155. 155. 2 /
  156. 156. 4 a aparecer em maior número informações sobre campanhas de divulgação de sua candidatura, projetos e links para vídeos no YouTube. O espaço conferido a manifestações de usuários que espalhavam mensagens de apoio ao candidato tucano em seus blogs ou depoimentos que gravavam também deve ser ressaltado no sentido de que ajuda a descentralizar a tarefa de promoção discursiva, ainda que a coordenação de campanha procure, tradicionalmente, manter-se no controle daquelas ideias que são atribuídas ao assessorado. contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 355
  157. 157. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE CAMPANHA NEGATIVA Conforme era de se esperar (e seguindo uma tradição em campanhas eleitorais de se utilizar as tecnolo-gias não só para experimentar novidades, mas também para fazer “mais do mesmo”), a rede de micro-blog serviu de palco para ataque entre os candidatos, muitas vezes reforçando o que já era divulgado no horário político eleitoral. Ou seja, o Twitter também serviu de arena para ataques entre os candida-tos, incrementando a campanha negativa que, nas últimas décadas, vem se mostrando uma estratégia comumente adotada em períodos eleitorais (Jamieson, 1993). A intenção, naturalmente, é enaltecer as fraquezas dos candidatos adversários para ganhar a simpatia de eleitores indecisos. A categoria “Campanha Negativa”, no caso de José Serra no Twitter, entretanto, foi a menos acionada de acordo com o levantamento realizado, não obstante ele estar atrás na “corrida de cavalos”: foram 16 aparições (7,2% das 221 publicações). Isso não quer dizer que os poucos tweets se contentavam com pequenas provocações ou ataques. No tweet abaixo, Serra reclama da ausência de sua adversária, Dilma Rousseff, no debate televisivo que seria promovido pelo SBT, no dia 27 de outubro. Essa mesma queixa também foi apresentada em sua propaganda eleitoral na TV abertaxiv. Em outra oportunidade, Serra aproveita para rebater acusações feitas pela campanha adversária. 356 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  158. 158. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS Um acontecimento que marcou as eleições 2010, sobretudo no que se refere à campanha negativa, foi o caso “bolinha de papel”. No dia 21 de outubro de 2010, registrou-se um tumulto durante uma cami-nhada de José Serra, no calçadão de Campo Grande, zona oeste da cidade do Rio de Janeiro. A confusão teria sido gerada a partir do desentendimento entre militantes do PSDB e do PT que estavam no local. Serra acabou sendo atingido na cabeça por um objeto lançado do meio da multidão, interrompendo,
  159. 159. (@
  160. 160. 2
  161. 161. +( + A dúvida foi em relação à natureza do objeto que teria alcançado Serra. Emissoras de televisão discor-daram sobre se seria apenas uma bolinha de papel ou algo mais pesado e com possibilidade de ferir o candidato. O caso ganhou repercussão internacional (como no jornal francês Le Monde e no periódico D
  162. 162. .! O fato é que o negativismo da campanha ganhou um novo tom a partir deste evento, sendo abordado no horário gratuito de propaganda eleitoral. Após imagens mostrarem um objeto supostamente inofen-sivo atingindo Serra, o candidato preferiu não tratar do assunto no microblog, ignorando a repercussão
  163. 163. /
  164. 164. 42 .! ,F
  165. 165. /
  166. 166. que tratou do assunto foi: Este exemplo demonstra tanto a repercussão nas redes de comunicação digital quanto a possibilidade que os usuários têm de questionar e de criticar posições e acontecimentos políticos que envolvem as eleições. O Twitter, por exemplo, permite o comentário sobre qualquer atributo negativo dos concorren-tes (sem limite de tempo) e oferece, ainda, a chance de que determinado usuário possa remeter seus seguidores a materiais que reforçam o ataque. MOBILIZAÇÃO E ENGAJAMENTO ,#$
  167. 167. G/+4@ H 31RX total de 221 publicações, o que, em números absolutos, indica a existência de 56 tweets no período analisado. contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 357
  168. 168. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE Um recurso do Twitter bastante utilizado por Serra foram as hashtags. No período analisado, o candidato lançou mão de 31 tipos diferentes de hashtags, a exemplo de #Serra45 (16 vezes), #BR45IL (9 vezes) e outras empregadas apenas uma vez, como: #Voto45, #Familia45 e #Brasil45. Uma grande quantida- (( = A 44 @ 4((
  169. 169. $ 2
  170. 170. / 2+
  171. 171. (
  172. 172. xv. A partir destes recursos, os eleitores que acompanhavam os esforços eleitorais de Serra poderiam en-
  173. 173. apoio que sustentavam o projeto tucano. Mesmo considerando-se a necessidade de estudos empíricos mais aprofundados acerca desta questão, mas acredita-se que a ausência de um padrão para utilizar tal
  174. 174. AA
  175. 175. 2 a decidir qual hashtag promover. Outra ferramenta do Twitter regularmente usada na campanha por candidatos de partidos diversos foi o videochat. Com o auxílio de uma webcam, Serra se dispôs a responder, ao vivo, questionamentos dos eleitores. O próprio Twitter serviu para divulgar data e hora de tais conversas on-line. PROMOÇÃO DE EVENTOS COM O CANDIDATO OU DE INTERESSE DELE P2
  176. 176. #$
  177. 177. 2.! 24 de atos públicos de apoio à sua campanha, tendo contado ou não estes eventos com a participação do candidato. A realização de caminhadas, a oferta de vídeos de campanha e a publicação da agenda 358 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  178. 178. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS do candidato foram itens contemplados de maneira recorrente por parte das mensagens do candidato. S
  179. 179. .! 2
  180. 180. /$2 A2 outras plataformas digitais utilizadas por Serra, no intuito de maximizar sua presença na rede, como /
  181. 181. B./
  182. 182. /
  183. 183. - culos de comunicação, por meio de links que direcionavam o usuário a esses materiais de campanha. 4.1 PARTICIPAÇÃO E INTERAÇÃO NO TWITTER DE JOSÉ SERRA Visto que se encontrava atrás nas pesquisas eleitorais divulgadas no período mais próximo ao 2º tur-no (e, claro, por ter perdido o 1º turno para Dilma), era essencial a Serra tornar-se mais próximo do eleitor e propor um meio de interação diferenciado, que não oferecesse apenas informações emitidas essencialmente em estilo “vertical”. Nesse sentido, o Twitter constituiu uma ferramenta importante na estratégia de comunicação do candidato tucano. É por este motivo que o presente tópico se dedica a = / /
  184. 184. (
  185. 185. A
  186. 186. F
  187. 187. na análise das 221 mensagens, alguns são mais suscetíveis a demandarem uma forma de abordagem eminentemente interativa. Em determinados casos, de forma diferente das campanhas vinculadas nos media convencionais, os próprios candidatos induzem outros usuários a participarem através de comentários e opiniões. Como é possível perceber nas passagens abaixo, Serra utiliza sua conta para responder diretamente a um usuário. Aproximando-se do eleitorado, ao mesmo tempo em que divulga sua campanha, o candidato 2
  188. 188. 42 =
  189. 189. opiniõesxvi. contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 359
  190. 190. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE @
  191. 191. 2 4 constatou-se que, das 221 mensagens que compõem o corpus empírico, 123 (ou 55,7% do total) pro-moviam algum tipo de interação com outros usuários, seja através de retweets (quando um usuário en-dossa a manifestação de alguém) ou de resposta a perguntas de usuários, o que aponta uma disposição razoável do tucano em se mostrar mais aberto ao diálogo. Em outras palavras, de acordo com a tabela abaixo, a maioria dos tweets postados por José Serra no período que compreendeu a última quinzena antes do 2º turno adotou uma abordagem interativa. TWEETS COM ABORDAGEM INTERATIVA Tweets % INTERAÇÃO Sim 123 55,7 Não 98 44,3 Total 221 100,0 As mensagens “retuitadas” pelo candidato eram, em boa parte, manifestações de apoio à sua candi-datura. Em outras palavras, o tucano, sempre que lhe foi conveniente, apropriou-se do discurso de usuários pouco conhecidos ou, até mesmo, de personalidades que habitam o showbiz, no intuito de promover sua própria imagem. - !
  192. 192. /2/
  193. 193. .YT
  194. 194. U
  195. 195. 5 um dia antes do segundo turno das eleições 2010. Para se ter ideia do alcance das mensagens do artista mencionado, em março de 2011 ele contava com mais de 2,8 milhões de seguidores. Pode-se inferir, a partir de tais dados, uma otimização da cota de visibilidade dos candidatos, já que ele utiliza o discurso e o apoio de uma personalidade que é seguida por um contingente considerável de usuários. 360 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  196. 196. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS A disposição em dialogar ou em se mostrar aberto a críticas, sugestões e apoio de usuários não impede, por outro lado, que o candidato evite a abordagem de temas que não são de seu interesse, como o N
  197. 197. (
  198. 198. G/(H@ (
  199. 199. - rísticas mediáticas diferentes, o Twitter do candidato continuou a obedecer à linha discursiva adotada pela coordenação da campanha. Tal constatação abre margem para se concluir que, na maioria das iniciativas criadas pela campanha, havia um esforço em controlar o modo de discussões ou em impor
  200. 200. +
  201. 201. (Stromer-Galley, 2000). A comunicação político-eleitoral precisou adaptar-se às exigências de padrões interativos feitas pelo eleitorado. Ainda que a passos lentos ou sem a profundidade desejada, os candidatos são constrangidos a participarem de tais redes, a abrirem espaço para rebater críticas e ouvirem sugestões, ao mesmo tempo, claro, em que podem consolidar uma boa fama caso sejam capazes de evitar problemas de or-dem política ou discursiva. 5. PARA CONCLUIR As eleições brasileiras de 2010 consolidaram o argumento de que os candidatos não podem mais, sim-plesmente, evitar estarem presentes nas redes sociais. Adotando tal postura, eles correm o risco de se-rem tachados de ultrapassados ou acusados de resistir às contribuições (e críticas) que muitos usuários se dispõem a oferecer (Marques e Sampaio, 2011). O estudo do caso do Twitter de José Serra indica que a plataforma em tela constitui um elemento im-
  202. 202. /
  203. 203. 4 $
  204. 204. 4
  205. 205. se trata de um candidato apoiado por partido com maiores chances de vitória. Certamente, o contexto eleitoral (o fato de que Serra esteve atrás de Dilma nas pesquisas de intenção de voto durante a maior parte do tempo, por exemplo) e os diferentes acontecimentos que se apresen-taram ao longo da campanha (os debates televisivos e o evento conhecido como “bolinha de papel”) =
  206. 206. +
  207. 207. / contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 361
  208. 208. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE Além disso, merece destaque a possibilidade de se estabelecer diálogo com os eleitores através do Twit-ter, visto que, a depender do caso, tal disposição distingue o candidato perante o eleitor - ainda que tal comportamento não o leve, necessariamente, à vitória. Ressalte-se, em tempo, que não somente a interação é o fator a ser destacado no caso examinado: a própria disponibilidade de Serra para atualizar as postagens de modo frequente já permite que o elei-tor construa uma imagem pública diferente do presidenciável, algo nem sempre alcançado através das modalidades convencionais de comunicação política. Se assim é, a apropriação de tais ferramentas se mostra uma providência fundamental a integrar o con-junto de estratégias que os candidatos utilizam durante as eleições, sobretudo tendo em vista o baixo custo de produção e distribuição de informação a partir de recursos online. É lógico que, em contextos eleitorais, determinar de maneira precisa o eleitorado-alvo traz um dife-rencial quanto à possibilidade de uma boa votação. E, pelo que se pode perceber a partir do acompa-nhamento sistemático do microblog, o Twitter ajuda em tal processo, principalmente ao maximizar os espaços de visibilidade. Este é um dos motivos pelos quais as coordenações de campanhas insistem para que a comunicação eleitoral de um candidato procure ser singular na utilização de determinados recursos, uma vez que tal disposição garante, por exemplo, cobertura por parte da imprensa. Não obstante estes apontamentos, é preciso discutir, ainda que sem a profundidade devida, por ques-tões de espaço, o que estimula os candidatos a adotarem, com maior ou menor ânimo, tais recursos de comunicação digital. José Serra, mesmo tendo sido derrotado por Dilma Rousseff na corrida eleitoral, continua cumprindo a promessa de postar no Twitter. Em maio de 2011, inclusive, ele passou a publicar conteúdos sobre tópicos diversos em seu site pessoal (http://www.joseserra.com.br), onde oferece, de maneira preponderante, análises políticas. Dilma, por outro lado, mesmo durante a campanha, lançou mão dos media digitais de maneira bem mais tímida do que Serra, Marina Silva (PV) e Plínio de Arruda Sampaio (PSOL). Após a corrida eleitoral, pu-blicou poucas vezes no Twitter e, já há alguns meses, abandonou a ferramenta (não há atualizações em 0R+/3;0;S
  209. 209. F ) maior contato com os cidadãos, o que não ocorreu até o momento. -
  210. 210. ,
  211. 211. N
  212. 212. =
  213. 213. 2 +
  214. 214. 4 2)
  215. 215. um conjunto de estudos, quanto mais atrás se encontram nas corridas eleitorais, mais os candidatos se 362 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  216. 216. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS esforçam em aparecer para o eleitor, o que provoca uma abordagem mais ousada por parte da coorde-nação de campanha. ... a competitividade da corrida desempenha um papel esperado na decisão de atu-alizar as informações [...]. À medida que as corridas se mostram mais acirradas, os candidatos estão mais inclinados a melhorar seus sites com características tais como informações atualizadas, que tornam seus sites mais interessantes sem comprometer a clareza da mensagem (Druckman, Kifer e Parkin, 2009, p. 36, Traduação nossa). Por exemplo, sabe-se que, também entre 19 de julho e 31 de outubro de 2010, houve uma disparida-de entre a quantidade de tweets postados por Dilma, de um lado, e por Marina, de outro. Enquanto a candidata do Partido dos Trabalhadores publicou 154 mensagens, a presidenciável do Partido Verde se manifestou 995 vezes . Curioso notar, também, que, não obstante ter diminuído a frequência de publi-cação de tweets após a derrota no primeiro turno, Marina Silva ainda utilizou o Twitter mais do que a Dilma durante o segundo turno. Estes números reforçam a tese de que candidatos em posição desvantajosa na corrida eleitoral, seja em razão do menor tempo no horário gratuito de propaganda eleitoral, seja por estar atrás nas pesquisas de intenção de voto, tendem a lançar mão de todos os recursos de comunicação disponíveis, tanto para reforçar suas visões de mundo quanto para atacar adversários. Distribuição de tweets por período 247 168 135 176 165 56 48 23 20 17 15 36 18 25 19/07 a 02/08 03/08 a 17/08 18/08 a 01/09 02/09 a 16/09 17/09 a 01/10 02/10 a 16/10 17/10 a 31/10 Quinzenas N úmero de tweets Marina (@s il va_m ari na) D ilm a (@dilm abr) Um ponto que ainda gera divergências no estágio atual da pesquisa concernente à interface Internet e Democracia trata dos efeitos eleitorais gerados a partir do uso da comunicação digital. Mais exatamente no que concerne às disputas pelo voto, é necessário considerar que o alcance de plataformas como o .! $
  217. 217. comparados ao contingente total de cidadãos aptos a votar) que acessam os sites. contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 363
  218. 218. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE Isso porque proferir uma sentença infeliz pode reverberar negativamente no cenário mais amplo da co-municação política, obrigando, muitas vezes, os consultores a reformularem suas estratégias em rádio ou na televisão, na busca por construir ou desconstruir impressões que possam ter sido passadas ao público. De acordo com Emerson Cervi e Michele Massuchin: “Mesmo que a rede ainda tenha acesso restrito, o debate produzido no microblog não se limita a este espaço, pois os seguidores dos candidatos atuam também como me-diadores, repassando as informações aos demais eleitores ou interagindo com fontes tradicionais de informação” (Cervi e Massuchin, 2011). @ /
  219. 219. / +?/ de redes sociais como o Twitter pode gerar repercussões diversas, que transcendem a própria internet. M(A
  220. 220. /=
  221. 221. ( políticas. O fato de se utilizar uma grande variedade de ferramentas e de se fomentar o diálogo com os usuários não garante sucesso eleitoral, necessariamente. Pode-se dizer, contudo, que a facilidade de interação entre candidatos e cidadãos torna-se vantajosa para democracia como um todo, já que isso força, de alguma maneira, os pretendentes a cargos eletivos a criarem situações em que serão testados com perguntas que nem sempre gostariam de precisar responder. 364 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  222. 222. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS REFERÊNCIAS AGGIO, Camilo. (2011). Internet, Eleições e Participação: Questões-chave acerca da participação e do ativismo nos estudos em campanhas online. In: MAIA, Rousiley C. M.; GOMES, Wilson; MARQUES, Fran-cisco Paulo Jamil Almeida (Orgs.) (2011). Internet e Participação Política no Brasil. Porto Alegre: Editora Sulina, p. 175-193. ,E.@E.-LD( ( 0678.
  223. 223. 'OD.
  224. 224. ('
  225. 225. )
  226. 226. 'L!/'5 Sage, 224 p. BURKE, Peter. A Fabricação do Rei. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994. CERVI, Emerson MASSUCHIN, Michele. Novas mídias e eleições 2010: o uso do Twitter nas campanhas dos candidatos ao governo do Paraná. Compolítica, Rio de Janeiro – RJ, 2011. CHAIA, Vera. (2007). Investigação sobre comunicação política no Brasil. Revista ponto-e-vírgula, n. 2, pp. 160-177. Disponível em: http://www.pucsp.br/ponto-e-virgula/n2/indexn2.htm. Acesso em: 12/4/2009. COUTINHO, Marcelo. (2010). Opinião Pública, Pesquisas Eleitorais e a Internet em 2010: possíveis ce-nários. Em Debate, Belo Horizonte, v.2, n.5, p 15-18, maio. DRUCKMAN, James; KIFER, Martin; PARKIN, Michael (2009). The Technological Development of Candidate Web Sites: How and Why Candidates Use Web Innovations. In: PANAGOPOULOS, Costas (Org.). Politicking online: the transformation of election campaign communications. University Press, Piscataway, p. 21-47. EDELMAN, Murray (1980). Constructing the Political Spectacle. Chicago and London: The University of Chicago Press. ENTMAN, Robert M. Democracy without Citizens : Media and the Decay of American Politics. New York : Oxford University Press, 1989. GASTIL, John. (2000). By Popular Demand: Revitalizing Representative Democracy Through Deliberati-ve Elections. Berkeley, CA: University of California Press. :S*-LE
  227. 227. (9
  228. 228. ,TTS.@ES 3;00,L :K/3;D (, 3;0; Election. Paper prepared for presentation at the 2011 Annual Meeting of the American Political Science Association, Seattle, WA. GOMES, Wilson. (2004). Transformações da política na era da comunicação. São Paulo: Paulus. GOMES, Wilson; FERNANDES, Breno; REIS, Lucas; SILVA, Tarcízio. (2009). Politics 2.0: A campanha on-line de Barack Obama em 2008. Revista de Sociologia e Política (UFPR. Impresso), v. 17, p. 29-43. contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 365
  229. 229. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE GREEN, Joshua. 2008. The Amazing Money Machine. Disponível em: http://www.theatlantic.com/maga- +Q
  230. 230. (Q3;;7Q;JQ ( + '
  231. 231. (QJ7;6QZ HERMIDA, Alfred, From TV to Twitter: How Ambient News Became Ambient Journalism (April 30, 2010). Media/Culture Journal, Vol. 13, No. 2, May 2010. JAMIESON, Kathleen. (1993). Dirty Politics: Deception, Distraction, and Democracy, Oxford: Oxford University Press. LAVALLE, Adrián Gurza; HOUTZAGER, Peter P.; CASTELLO, Graziela. (2006). Democracia, pluralização da representação e sociedade civil. Lua Nova, São Paulo, n. 67. Available from http://www.scielo.br/
  232. 232. (
  233. 233. Z
  234. 234. [Z;0;3 JII13;;J;;;3;;;;I[Z[Z
  235. 235. 0J, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452006000100003. LEMOS, André. Cibercultura. Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Porto Alegre, Sulina, 2002. MAIA, Rousiley C. M.; GOMES, Wilson; MARQUES, Francisco Paulo Jamil Almeida (Orgs.) (2011). Inter-net e Participação Política no Brasil. Porto Alegre: Editora Sulina. MANIN, Bernard (1997). The Principles of Representative Government. Cambridge, New York, Melbour-ne: Cambridge University Press. MARQUES, Francisco Paulo Jamil Almeida (2008). Participação política e internet: meios e oportunidades digitais de participação civil na democracia contemporânea, com um estudo do caso brasileiro. Salvador. 498 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia. MARQUES, Francisco Paulo Jamil Almeida; SAMPAIO, Rafael Cardoso (2011). Election after Election: Rupturas e continuidades nos padrões mediáticos das campanhas políticas online. In: XX Encontro Anu-al da COMPÓS (Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação), 2011, Porto Alegre. Anais do XX Encontro Anual da COMPÓS. MARQUES, Francisco Paulo Jamil Almeida; AGGIO, Camilo; SAMPAIO, Rafael Cardoso (2011). Cam-panhas Online, Participação Política e Esfera Pública: O Caso do Plano de Governo Colaborativo nas Eleições Brasileiras de 2010. In: CORREIA, João Carlos. “Public Sphere Reconsidered - Theories and Practices”. LabCom Books, UBI, Portugal. MIGUEL, Luis Felipe (2003). Representação política em 3-D: elementos para uma teoria ampliada da representação política. Rev. bras. Ci. Soc., Feb. 2003, vol.18, no.51, p.123-140. ISSN 0102-6909. MIGUEL, Luis Felipe; BIROLI, Flávia (2010). A produção da imparcialidade: a construção do discurso 366 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  236. 236. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS universal a partir da perspectiva jornalística. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2010, vol.25, n.73 [cited 2011- 12-11], pp. 59-76 . MILL, John Stuart (2001). Considerations on Representative Government. Adamant Media Corporation. ORIHUELA, José Luis (2007). Twitter y el boom del microblogging. Educ.ar: Educación y TIC. Argentina, 22 nov. 2007. Disponível em: http://portal.educ.ar/debates/educacionytic/super-sitios/Twitter-y-el-boom-del-microblo.php. Acesso em 22 mai. 2011. PITKIN, Hannah. (1987). The Concept of Representation. Berkeley, University of California Press RAINIE, Lee; SMITH, Aaron (2009). The Internet and the 2008 Election. Washington, D.C.: Pew Inter- [ ,
  237. 237. T2
  238. 238. ) O ]!!!! QE Q3;;7Q.( - ( 3;;7 @
  239. 239. ,
  240. 240. 0823;00 RUBIM, Antônio Albino Canelas (Org). (2004). Comunicação e Política: conceitos e abordagens. Salva-dor: contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 367 Edufba. SALTER, Lee. (2004). Structure and Forms of Use. A contribution to understanding the ‘effects’ of the S /
  241. 241. 'S2 D
  242. 242. [
  243. 243. 'Y8L3071^3;J SCHWARTZENBERG, Roger-Gérard (1977). L’Etat spectacle. Essai sur et contre le Star System en politi-que. Paris, Flammarion. STROMER-GALLEY, Jennifer. (2000). On-Line Interaction and Why Candidates Avoid It. Journal of Com-munication. 50, 4 p. 111-132. TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo. Volume 1. Florianópolis. Insular. 2004. SITES , S/ ) O ]( OQQ!!!/
  244. 244. /QQ ,
  245. 245. 19 de fev. 2011. Estado da Internet no Brasil 2010. Disponível em: http://www.comscore.com/por/layout/set/popup/ ' Q QQ' Q QQ@ Q K( Q3;00Q 2 (S- *+,
  246. 246. 0723;00 Pesquisa sobre uso das tecnologias da informação e comunicação no Brasil 2009. Disponível em: http:// !!!
  247. 247. /Q
  248. 248. Q3;;6Q( ,
  249. 249. 0823;00 Ranking de Penetração do Twitter Mundial. Disponível em:
  250. 250. ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO POLÍTICA ONLINE ]( OQQ!!!
  251. 251. Q@ QEQ3;0;Q7QS*+Y+ T:/.! P,
  252. 252. O;R/3;00 NOTAS iUma versão anterior deste trabalho foi apresentada no GT de Ciberpolítica, Ciberativismo e Cibercultura, como parte da programação do 35º Encontro Nacional da ANPOCS, realizado em Outubro de 2011, na cidade de Caxambu, Minas Gerais. Os autores são gratos aos comentários feitos pelos pesquisadores que participaram do evento. Os autores também agradecem a Edna Miola (Doutoranda, UFMG/PPG-COM), pelo auxílio no tratamento dos dados da pesquisa empírica; a Camilo Aggio (Doutorando, UFBA/ PósCom) e Wilson Gomes (UFBA, PósCom), pelas críticas e sugestões; e a Isabele Mitozo (Mestranda, PPGCOM/UFC) e Camila Mont’Alverne (Graduanda, Bolsista IC/UFC) pela revisão do texto. A pesquisa
  253. 253. @ D.QDLQ@DQD,@L_;3Q3;0; iiProfessor Adjunto I da UFC. Pesquisador Permanente do PPGCOM/UFC. Realizou estágio pós-doutoral em Comunicação Social (PPGCOM/UFMG). Doutor e Mestre pelo PósCom/UFBA. Líder do Grupo de Pes-quisa em Política e Novas Tecnologias (PONTE/UFC). E-mail: marquesjamil@yahoo.com.br. iiiAluno do Curso de Comunicação Social (habilitação em Jornalismo) da Universidade Federal do Ceará. Integrante do Grupo de Pesquisa em Política e Novas Tecnologias (PONTE/UFC). E-mail: fernandowis-se@ gmail.com. ivAluna do Curso de Comunicação Social (habilitação em Jornalismo) da Universidade Federal do Ceará. Integrante do Grupo de Pesquisa em Política e Novas Tecnologias (PONTE/UFC). E-mail: ninaribemat@ gmail.com. vPara uma discussão mais aprofundada sobre as hipóteses da normalização, da mobilização e do reforço, ver Marques (2008). viGreen, Joshua. The Amazing Money Machine. Disponível em: http://www.theatlantic.com/magazine/
  254. 254. (Q3;;7Q;JQ ( + '
  255. 255. (QJ7;6QZ viiCerca de 40 milhões de pessoas utilizam a web pelo menos uma vez por mês, de acordo com dados do Comitê Gestor da Internet Brasileira, que publica anualmente o mais completo estudo sobre o assunto. http://www.cetic.br/tic/2009/index.htm. Acesso em 10 de dezembro de 2011. viiiMais informações em: http://migre.me/77blX. Acesso em 10 de dezembro de 2011. ixMais informações em: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/10/facebook-tem-o-mesmo-nume-ro- de-usuarios-que-o-total-da-web-em-2004.html. Acesso em 10 de dezembro de 2011. xMais informações em: http://noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/facebook-chega-a-30-9-mi-lhoes- de-usuarios-unicos-no-brasil-e-ultrapassa-orkut-20110910.html. Acesso em 12 de dezembro de 368 contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011
  256. 256. FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES, FERNANDO WISSE OLIVEIRA SILVA, NINA RIBEIRO MATOS contemporanea | comunicação e cultura - vol.09 – n.03 – setembro-dezembro 2011 369 2011. xiDurante o período analisado, Serra, naturalmente, concentrou o conteúdo de suas mensagens em as-
  257. 257. M
  258. 258. 2
  259. 259. vez que, antes, música e futebol eram temas recorrentes. Mas, ainda assim, o candidato tucano tratou de assuntos variados, sem ligação direta com o universo da política. xii:D
  260. 260. =
  261. 261. Twitter é perceptível a partir de um conjunto de fatores, sendo os mais importantes o número de listas na qual um usuário está incluído, a quantidade de retweets que suas postagens recebem, o índice de 4 F volume dos tweets. Disponível em: http://www.clasesdeperiodismo.com/2011/04/10/7-indicadores-de- =
  262. 262. .! Q,
  263. 263. 0;/3;00 xiiiS O ( OQQ.!
  264. 264. Q`WQQ Q37676J66311 ( OQQ.!
  265. 265. Q`WQQ Q387RJ;6;1J1 xivS ( OQQ.!
  266. 266. QQ Q3777RI1;6J0 ( OQQ.!
  267. 267. Q- Q Q37;3663J007( OQQ.!
  268. 268. QQ Q37;38J;33JJ xvS O( OQQ.!
  269. 269. Q`WQQ Q37663I07737( OQQ.!
  270. 270. Q Q Q363060;R83I xviS ( OQQ.!
  271. 271. QQ Q3711R37R376 ( OQQ.!
  272. 272. Q- Q Q3633I8R17J6( OQQ.!
  273. 273. Q(
  274. 274. 5
  275. 275. Q Q3633381J708 xviiO Twitter conta com o recurso “retweet” ou “RT”, que consiste, basicamente, em repetir o tweet (men-sagem) de outro usuário, ao mesmo tempo em que reconhece esse mesmo usuário como a fonte de informação. O retweet pode ser publicado na forma de uma simples reprodução da mensagem original (clicando-se no botão “retweet”) ou acrescendo-se um comentário elaborado por parte daquele usuário que “retuíta” o conteúdo, respeitando-se, naturalmente, o espaço de 140 caracteres. Esta é uma ma-neira rápida e simples de compartilhar informação, ajudando a promover os assuntos mais comentados na rede de microblog. xviiiAcesso em 31 de março de 2011 ixxL2
  276. 276. /+ ! ,
  277. 277. -
  278. 278. $.! a ideia de que o candidato do Partido Socialismo e Liberdade também tenha utilizado o Twitter de forma frequente. Em meados de dezembro de 2011, enquanto Plínio já contava com mais de 10.000 tweets, Serra (5.800), Marina (2.600) e Dilma (394) empregavam bem menos esta plataforma de comunicação. Artigo Recebido: 29 de agosto de 2011 Artigo Aceito: 08 de novembro de 2011

×