Característcias da narrativa web

256 visualizações

Publicada em

Aula sobre as características da narrativa na web quanto à arquitetura da informação, multimidialidade e hipertextualidade.

Publicada em: Internet
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A palavra hipertexto foi utilizada pela primeira vez nos anos 60 por Theodor Nelson, que definiu o conceito como uma escrita não sequencial, um texto com várias opções de leitura que permite ao leitor efetuar uma escolha. O conceito Capítulo 1: Hipertextualidade: Novas arquiteturas noticiosas 5 inspirou-se no Memex, a máquina descrita por Vannevar Bush no seu artigo “As we may think”, publicado em 1945 na Atlantic Montly2 . Esta definição inicial de Nelson foi sendo atualizada por vários autores. Conklin (1987) define-o como um conjunto de documentos ligados a objetos de uma base de dados através de ligações ativadas por um rato e apresentados num ecrã. Nielsen (1995) destaca a ideia da não sequencialidade do hipertexto e a liberdade de navegação oferecida ao leitor, definindo a hipertextualidade como a possibilidade de usar uma hiperligação para ligar dois nós informativos, normalmente o nó âncora ao nó de destino. Também Landow (1995) sublinha esta ideia de fragmentação do texto (chama-lhe atomização) e as diversas possibilidades de leitura oferecidas, mas alerta para a ameaça do texto se transformar num caos. Codina (2003) salienta igualmente a não sequencialidade de um hiperdocumento, mas introduz a necessidade de uma certa composição interna, embora os seus elementos constituintes possam não ser homogéneos.
  • Característcias da narrativa web

    1. 1. narrativa web Características do hipertexto
    2. 2. Hipertextualidade - o texto escrito - entrelaços - espaço www - não sequencial Theodor Nelson (1960) Vanevar Bush (1945) Jacob Nielsen (1995)
    3. 3. O hipertexto “uma série de blocos de texto ligados entre si por links, que formam diferentes itinerários para os leitores” (Nelson cit in Landow, 1992, p. 15).
    4. 4. Blocos informativos bloco informativo, também conhecido por nó (Lévy, 1993) ou lexia (Landow, 1992) aplica-se a todo o tipo de conteúdo, sejam textos, imagens fixas, imagens em movimento, sons ou infografias.
    5. 5. Bloco informativo - dimensão confortável (para leitura do texto) - descentralizado (leitura em rizoma - sentido autônomo (semântica independente)
    6. 6. Os nós - documental - contextualização - atualização - definição
    7. 7. Modelos de arquitetura
    8. 8. Modelos de arquitetura
    9. 9. Modelos de arquitetura
    10. 10. Modelo de fluxo
    11. 11. A diferença no penso O jornalista da imprensa escrita preocupa-se necessariamente com a seleção da informação, pois sabe que lhe está atribuído um determinado espaço no jornal. O jornalista que trabalha para uma edição Web não tem limitações espaciais, e por isso concentra-se na estrutura da notícia, procurando encontrar a melhor maneira de oferecer toda a informação disponível de uma FORMA APELATIVA
    12. 12. Inteligência coletiva, Lévy
    13. 13. MULTIMIDIALIDADE Ler e reponder: o que é multimídia e como ela se aplica em uma narrativa digital? Acessa aí (pags. 25-50) http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/20141204- 201404_webjornalismo_jcanavilhas.pdf
    14. 14. Bibliografia Canavilhas, João. Sete características que marcam a diferença

    ×