SRMM

UGPSUL

Secretaria de Desenvolvimento Sustentável
da Região Metropolitana de Manaus

Unidade Gestora do Programa de ...
Tópicos
Introdução;
Premissas Básicas;
Características do Projeto;
Etapas de construção;
Ensaios;
Benefícios Gerados...
Introdução
A Ponte Estaiada sobre o Rio Negro é um projeto do Governo do Estado do
Amazonas e será indutora de uma série d...
Premissas adotadas na fase de projeto básico
 Menor distância entre as margens;
 Estrutura viária local mais adequada pa...
AM-070

AV. BRASIL

PONTA OUVIDOR

PONTA PEPETA

Traçado da ponte e acessos viários
Dados Gerais do Projeto














Comprimento total da ponte – 3.595 m;
Número de vãos – 73 vãos;
Extensã...
Vista da ponte sobre imagem real
Maquete eletrônica
Maquete eletrônica
Maquete eletrônica
Projeto – planta baixa apoio
trecho corrente

Projeto - seção transversal apoio
trecho corrente
Projeto – vista longitudinal
trecho estaiado

2 x 26 estais

2 x 26 estais
Projeto – seção transversal
trecho estaiado
Mastro - seção longitudinal

Mastro - seção transversal
190,255

149,255

149,255
103,00

190,255

162,25

Greide:88,60

8...
Etapas de Construção
 Mobilização e implantação do canteiro de obras;
 Sondagens em terra e água;
 Fundações:

- Trecho...
Mobilização e Canteiro de obras
Canteiro de obras da
margem esquerda
Canteiro de obras da margem direita –
pátio de fabricação de tubos camisa
• Canteiro de obras da margem direita

Canteiro de obras da margem direita –
pátio de fabricação de tubos
Pátio de pré-moldados da margem direita
Logística de aquisição dos principais insumos

780Km

4.461Km

254Km
3.994Km

LEGENDA:

885Km

4.496Km

FORNECIMENTO DE AÇ...
Sondagens
Sondagem em terra
Sondagem em água
Perfil de sondagem parcial entre apoios 53 e 64 – projeto executivo

Perfil de sondagem parcial real entre apoios 53 e 64
Fundação em Terra
Fundação direta – apoios 01 a 06 – margem direita
Estaca hélice contínua
Estaca raiz
Fundação em Água
Características da Fundação
Pátio de armação das estacas
Fabricação da camisa metálica
Fundação – Altura e diâmetro da camisa metálica
Transporte da camisa metálica
Projeto Executivo – estacas escavadas
LEGENDA:

Metodologia executiva

ROCHA
SOLO

-Içamento e posicionamento da camisa
me...
Içamento e posicionamento da
camisa metálica
Cravação com
vibrocravador
Escavação
Trado para atravessar as camadas
de rocha

Caçamba para escavação
em solo
Processo de desarenação da
lama bentonítica de dentro da
estaca escavada
Posicionamento da armação
da estaca
Armação posicionada dentro
do tubo-camisa
Concretagem da estaca
Principais dificuldades para a execução das
estacas de fundação:
Escavações em grandes profundidades de solos diversifica...
Trecho corrente
Meso e Super-estrutura
Bloco de fundação
cimbramento convencional
Bloco de fundação - fabricação
Bloco de fundação - fabricação
Bloco de fundação - fabricação
Bloco-casca, por
impossibilidade de cimbramento
Bloco-casca, por
impossibilidade de cimbramento
Bloco-casca, por impossibilidade
de cimbramento
Bloco-casca
Pilar
Viga travessa –
Viga travessa
pré-armação
Viga travessa –
lançamento da pré-armação
Viga travessa execução
Viga travessa concluída
Fabricação das vigas longarinas
Fabricação de viga longarina
Transporte de viga longarina

Lançamento de vigas
Transporte de viga longarina

Lançamento de vigas
Lançamento da viga longarina

Lançamento de vigas
Lançamento da viga longarina

Lançamento de vigas
Lançamento de vigas

Treliça lançadeira
Treliça lançadeira

Lançamento de vigas
Treliça em direção ao apoio para
o lançamento da viga longarina
Lançamento de vigas
Lançamento das pré-lajes

• Lançamento de pré lajes
Lançamento das pré-lajes

• Lançamento de pré lajes
Armação do tabuleiro corrente
Concretagem do tabuleiro corrente
Tabuleiros concretados
Trecho Estaiado
Bloco de fundação do apoio central
Pilares do apoio central
Laje de disparo do apoio central
Mastro do apoio central
Mastro do apoio central
Apoio Central Laje cota 147m
Apoio Central –
Câmara de Estais
Fabricação das aduelas
Fabricação das aduelas
Fabricação das aduelas
Posicionamento da aduela
Içamento da aduela
Içamento da aduela
Colagem da aduela
Colagem da aduela
Protensão da aduela
Estaiamento
Estaiamento
Estaiamento
Estaiamento
Avanços sucessivos das
aduelas e estaiamento
Avanços sucessivos das
aduelas e estaiamento
Avanço da superestrutura do
trecho estaiado – aduelas e
mastro
Avanço da superestrutura
do trecho estaiado aduelas
e mastro
Trecho estaiado
Ensaios
Controle de qualidade do
Concreto nas estacas
Prova de carga estática
nas estacas
Túnel de vento
Ensaios dinâmicos no tabuleiro
do trecho corrente
Vista geral MD
Vista geral MD
Vista geral
Vista geral
Vista geral
Documentário
Ponte sobre o Rio Negro
Ponte rio negro
Ponte rio negro
Ponte rio negro
Ponte rio negro
Ponte rio negro
Ponte rio negro
Ponte rio negro
Ponte rio negro
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ponte rio negro

564 visualizações

Publicada em

Estudando tudo ate conteúdos de outras Instituições tenso

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
564
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ponte rio negro

  1. 1. SRMM UGPSUL Secretaria de Desenvolvimento Sustentável da Região Metropolitana de Manaus Unidade Gestora do Programa de Desenvolvimento e Integração da Região Sul da Cidade de Manaus PONTE ESTAIADA SOBRE O RIO NEGRO 25/10/2010
  2. 2. Tópicos Introdução; Premissas Básicas; Características do Projeto; Etapas de construção; Ensaios; Benefícios Gerados; Vídeo;
  3. 3. Introdução A Ponte Estaiada sobre o Rio Negro é um projeto do Governo do Estado do Amazonas e será indutora de uma série de intervenções no setor sul da Região Metropolitana de Manaus, envolvendo, diretamente, os municípios de Iranduba, Manacapuru e Novo Airão e, indiretamente, todos os Municípios dos rios Solimões, Javari, Içá, Jutaí, Japurá, Juruá e Purus.
  4. 4. Premissas adotadas na fase de projeto básico  Menor distância entre as margens;  Estrutura viária local mais adequada para a implantação dos acessos à ponte;  Menor impacto ambiental e às propriedades existentes;  Permitir a navegação de todos os calados durante o ano inteiro;
  5. 5. AM-070 AV. BRASIL PONTA OUVIDOR PONTA PEPETA Traçado da ponte e acessos viários
  6. 6. Dados Gerais do Projeto              Comprimento total da ponte – 3.595 m; Número de vãos – 73 vãos; Extensão do trecho estaiado – 2 vãos de 200 m; Extensão do trecho corrente – 3.195 m; Largura no trecho estaiado – 22,60 m; Largura nos trechos correntes – 20,70 m; Altura dos vãos centrais – 55 m acima da cota +30 m; Altura do mastro – 103,3 m acima do tabuleiro; Total de vigas pré-moldadas – 213 un; Número total de estacas escavadas – 246 un. Número total de estais – 104 un. Voume de concreto – 160.395 m³ Quantidade de aço – 20. 025 ton
  7. 7. Vista da ponte sobre imagem real
  8. 8. Maquete eletrônica
  9. 9. Maquete eletrônica
  10. 10. Maquete eletrônica
  11. 11. Projeto – planta baixa apoio trecho corrente Projeto - seção transversal apoio trecho corrente
  12. 12. Projeto – vista longitudinal trecho estaiado 2 x 26 estais 2 x 26 estais
  13. 13. Projeto – seção transversal trecho estaiado
  14. 14. Mastro - seção longitudinal Mastro - seção transversal 190,255 149,255 149,255 103,00 190,255 162,25 Greide:88,60 87,255 59,25 87,255 33,60 33,60 28,00 28,00
  15. 15. Etapas de Construção  Mobilização e implantação do canteiro de obras;  Sondagens em terra e água;  Fundações: - Trechos em água – estacas escavadas de grandes diâmetros (2,20 e 2,50 m); - Trechos em terra – direta, estacas hélice contínua e raiz;  Meso e superestrutura: blocos, pilares, travessas, vigas longarinas, tabuleiro e aduelas pré-moldadas de concreto no trecho estaiado;  Mastro central com câmara de estais.
  16. 16. Mobilização e Canteiro de obras
  17. 17. Canteiro de obras da margem esquerda
  18. 18. Canteiro de obras da margem direita – pátio de fabricação de tubos camisa
  19. 19. • Canteiro de obras da margem direita Canteiro de obras da margem direita – pátio de fabricação de tubos
  20. 20. Pátio de pré-moldados da margem direita
  21. 21. Logística de aquisição dos principais insumos 780Km 4.461Km 254Km 3.994Km LEGENDA: 885Km 4.496Km FORNECIMENTO DE AÇO: QUANTIDADE: 20.025 ton.(CONSTRUÇÃO) 10.383 ton. (BOBINAS) -SÃO PAULO -RECIFE FORNECIMENTO DE BRITA: QUANTIDADE: 113.670 m³ -MOURA -PORTO VELHO -BOA VISTA FORNECIMENTO DE BENTONITA: QUANTIDADE: 1.400ton. -PARAÍBA MEIOS DE TRANSPORTE: TRANSPORTE FLUVIAL FORNECIMENTO DE CIMENTO: QUANTIDADE: 72.953 ton. -MANAUS TRANSPORTE TERRESTRE ‘
  22. 22. Sondagens
  23. 23. Sondagem em terra
  24. 24. Sondagem em água
  25. 25. Perfil de sondagem parcial entre apoios 53 e 64 – projeto executivo Perfil de sondagem parcial real entre apoios 53 e 64
  26. 26. Fundação em Terra
  27. 27. Fundação direta – apoios 01 a 06 – margem direita
  28. 28. Estaca hélice contínua
  29. 29. Estaca raiz
  30. 30. Fundação em Água
  31. 31. Características da Fundação
  32. 32. Pátio de armação das estacas
  33. 33. Fabricação da camisa metálica
  34. 34. Fundação – Altura e diâmetro da camisa metálica
  35. 35. Transporte da camisa metálica
  36. 36. Projeto Executivo – estacas escavadas LEGENDA: Metodologia executiva ROCHA SOLO -Içamento e posicionamento da camisa metálica -Cravação da camisa metálica até o topo da camada de rocha. +28,00 +28,00 BALSA 01 BALSA 02 -Escavação BALSA 02 BALSA 04 0,00 -33,00 BALSA 02 BALSA 03
  37. 37. Içamento e posicionamento da camisa metálica
  38. 38. Cravação com vibrocravador
  39. 39. Escavação
  40. 40. Trado para atravessar as camadas de rocha Caçamba para escavação em solo
  41. 41. Processo de desarenação da lama bentonítica de dentro da estaca escavada
  42. 42. Posicionamento da armação da estaca
  43. 43. Armação posicionada dentro do tubo-camisa
  44. 44. Concretagem da estaca
  45. 45. Principais dificuldades para a execução das estacas de fundação: Escavações em grandes profundidades de solos diversificados e espessuras variáveis; Profundidades de escavação que podem chegar a 60 metros abaixo do leito do rio;  Comprimento de estacas de até 91 metros, exigindo que os equipamentos trabalhem no limite operacional; Elevado peso do tubo-camisa, de até 75 ton, com guindastes embarcados de 300 ton, acarretando reforço nos flutuantes locais disponíveis.
  46. 46. Trecho corrente
  47. 47. Meso e Super-estrutura
  48. 48. Bloco de fundação cimbramento convencional
  49. 49. Bloco de fundação - fabricação
  50. 50. Bloco de fundação - fabricação
  51. 51. Bloco de fundação - fabricação
  52. 52. Bloco-casca, por impossibilidade de cimbramento
  53. 53. Bloco-casca, por impossibilidade de cimbramento
  54. 54. Bloco-casca, por impossibilidade de cimbramento
  55. 55. Bloco-casca
  56. 56. Pilar
  57. 57. Viga travessa – Viga travessa pré-armação
  58. 58. Viga travessa – lançamento da pré-armação
  59. 59. Viga travessa execução
  60. 60. Viga travessa concluída
  61. 61. Fabricação das vigas longarinas
  62. 62. Fabricação de viga longarina
  63. 63. Transporte de viga longarina Lançamento de vigas
  64. 64. Transporte de viga longarina Lançamento de vigas
  65. 65. Lançamento da viga longarina Lançamento de vigas
  66. 66. Lançamento da viga longarina Lançamento de vigas
  67. 67. Lançamento de vigas Treliça lançadeira
  68. 68. Treliça lançadeira Lançamento de vigas
  69. 69. Treliça em direção ao apoio para o lançamento da viga longarina Lançamento de vigas
  70. 70. Lançamento das pré-lajes • Lançamento de pré lajes
  71. 71. Lançamento das pré-lajes • Lançamento de pré lajes
  72. 72. Armação do tabuleiro corrente
  73. 73. Concretagem do tabuleiro corrente
  74. 74. Tabuleiros concretados
  75. 75. Trecho Estaiado
  76. 76. Bloco de fundação do apoio central
  77. 77. Pilares do apoio central
  78. 78. Laje de disparo do apoio central
  79. 79. Mastro do apoio central
  80. 80. Mastro do apoio central
  81. 81. Apoio Central Laje cota 147m
  82. 82. Apoio Central – Câmara de Estais
  83. 83. Fabricação das aduelas
  84. 84. Fabricação das aduelas
  85. 85. Fabricação das aduelas
  86. 86. Posicionamento da aduela
  87. 87. Içamento da aduela
  88. 88. Içamento da aduela
  89. 89. Colagem da aduela
  90. 90. Colagem da aduela
  91. 91. Protensão da aduela
  92. 92. Estaiamento
  93. 93. Estaiamento
  94. 94. Estaiamento
  95. 95. Estaiamento
  96. 96. Avanços sucessivos das aduelas e estaiamento
  97. 97. Avanços sucessivos das aduelas e estaiamento
  98. 98. Avanço da superestrutura do trecho estaiado – aduelas e mastro
  99. 99. Avanço da superestrutura do trecho estaiado aduelas e mastro
  100. 100. Trecho estaiado
  101. 101. Ensaios
  102. 102. Controle de qualidade do Concreto nas estacas
  103. 103. Prova de carga estática nas estacas
  104. 104. Túnel de vento
  105. 105. Ensaios dinâmicos no tabuleiro do trecho corrente
  106. 106. Vista geral MD
  107. 107. Vista geral MD
  108. 108. Vista geral
  109. 109. Vista geral
  110. 110. Vista geral
  111. 111. Documentário Ponte sobre o Rio Negro

×