Pantanal  Matogrossense Riqueza Nacional
 
<ul><li>LOCALIZAÇÃO </li></ul><ul><li>70% brasileiro e 30% paraguaio e boliviano. </li></ul><ul><li>Localizado na região C...
 
CLIMA O clima é quente e úmido no verão, com temperatura  média de 32º C , e frio e seco no inverno, com média em torno de...
 
CICLO DAS ÁGUAS <ul><li>ENCHENTES – de novembro a março no norte. </li></ul><ul><li>  de maio a agosto no sul. </li></ul><...
 
 
VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>Pantanal de Cáceres (MT) </li></ul><ul><li>Pantanal de Poconé (M...
 
 
VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>O Pantanal, dada a sua vasta área e, em razão disto a ocorrência...
 
VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>Pantanal da Nhecolândia: é um dos maiores da área considerada. A...
 
VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>Pantanal do Abrobral : é um dos pantanais mais baixos dentre os ...
 
VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>Pantanal de Aquidauana: O Pantanal de Aquidauana, assim como o d...
 
 
VÁRIOS   PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>Pantanal de Miranda: A vegetação é do tipo savana, mata e camp...
 
VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>Pantanal de Nabileque : Está sob a jurisdição de Corumbá, sendo ...
 
VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões  </li></ul><ul><li>Pantanal do Paraguai : Essa região corresponde, em sua maior par...
 
HOMEM PANTANEIRO <ul><li>A identidade pantaneira contemporânea, tem suas raízes a partir de fins do século XIX, quando a p...
<ul><li>A cultura pantaneira está intimamente ligada à pecuária de corte extensiva. </li></ul><ul><li>A aspiração desse ho...
 
<ul><li>A vegetação aquática é fundamental para a vida pantaneira. As plantas flutuantes são os principais produtores prim...
<ul><li>Após as inundações, a camada de lodo nutritivo permite o desenvolvimento de uma rica vegetação de ervas. A   palme...
 
 
<ul><li>O Pantanal oferece ao visitante uma variedade de paisagens abertas povoadas por grandes populações de animais, cuj...
<ul><li>Os jacarés têm papel importante nas águas pantaneiras, onde funcionam como predadores &quot;reguladores&quot; da f...
<ul><li>Aves típicas do Pantanal são também o aracuã-do-pantanal ( Ortalis canicollis ), a arara-azul ( Anodorhyncus hyaci...
 
<ul><li>Animais típicos do cerrado também se concentram em grande número no Pantanal, atraídos pela fartura de alimentos d...
<ul><li>A modernização da pecuária trouxe a divisão de terras, variedades exóticas de capim e a necessidade de interferir ...
A PESCA
<ul><li>Falta de controle sobre as atividades desenvolvidas na região e seu entorno motivaram o Banco Mundial a considerar...
 
 
Marisete Ferreira Dias Vilma Correia de Oliveira
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pantana L

2.177 visualizações

Publicada em

Pantanal matogrossense - fauna e flora

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pantana L

  1. 2. Pantanal Matogrossense Riqueza Nacional
  2. 4. <ul><li>LOCALIZAÇÃO </li></ul><ul><li>70% brasileiro e 30% paraguaio e boliviano. </li></ul><ul><li>Localizado na região Centro-Oeste do Brasil, abrange 12 municípios, com destaque para Corumbá, Coxim, Aquidauana, Miranda, Porto Murtinho e Rio Verde. </li></ul>
  3. 6. CLIMA O clima é quente e úmido no verão, com temperatura média de 32º C , e frio e seco no inverno, com média em torno de 21º C, considerada baixa para a região, eventualmente, podem ocorrer geadas. Já foram registradas temperaturas de 1º C. De junho a outubro é época de seca e o período das cheias vai de novembro a maio . As chuvas se concentram nos meses de dezembro e janeiro. A média de chuva anual no pantanal é de 1.000 a 14.000 milímetros.
  4. 8. CICLO DAS ÁGUAS <ul><li>ENCHENTES – de novembro a março no norte. </li></ul><ul><li> de maio a agosto no sul. </li></ul><ul><li>Grande reservatório de água com defasagem de até cinco meses. </li></ul><ul><li>A cada ano 70/80% da região é inundada com água das cheias, podendo atingir a altura de 5 metros acima do nível da estação seca. </li></ul><ul><li>As inundações são provocadas pela combinação das enchentes do Paraguai, dos afluentes do planalto circundante, das chuvas concentradas sazonalmente, dos pequenos declives, dos solos hidromórficos, e da única saída de drenagem que constitui o rio Paraguai. </li></ul>
  5. 11. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>Pantanal de Cáceres (MT) </li></ul><ul><li>Pantanal de Poconé (MT) </li></ul><ul><li>Pantanal de Barão de Melgaço (MT) </li></ul><ul><li>Pantanal de Paiaguás (MT/MS) </li></ul><ul><li>Pantanal de Porto Murtinho (APA) </li></ul>
  6. 14. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>O Pantanal, dada a sua vasta área e, em razão disto a ocorrência de características muito peculiares em seu território, relacionadas a vegetação, solo, período de inundação e ouros aspectos, levaram pesquisadores e a própria população a classificá-lo em micro-regiões. </li></ul>
  7. 16. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>Pantanal da Nhecolândia: é um dos maiores da área considerada. A imensa maioria de seu território está situada dentro do município de Corumbá, ficando apenas uma pequena parcela a leste sob a jurisdição de Rio Verde de Mato Grosso. </li></ul><ul><li>A vista aérea deste pantanal mostra uma fisionomia bastante típica, caracterizada por apresentar baías, salinas, campos limpos, bosques e savanas. </li></ul>
  8. 18. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>Pantanal do Abrobral : é um dos pantanais mais baixos dentre os conhecidos, sendo dos primeiros a encher, junto com o Nabileque, quando da chegada das chuvas em outubro. </li></ul><ul><li>Encontram-se no Abobral extensões consideráveis de campos limpos, intercalados com pequenos capões de mata (bosques) esparsos. </li></ul><ul><li>Também encontram-se campos levemente sujos, intercalados com bosques esparsos. </li></ul>
  9. 20. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>Pantanal de Aquidauana: O Pantanal de Aquidauana, assim como o de Miranda, é definido mais como pantanal alto, sendo menos afetado pelas enchentes do que outros pantanais. </li></ul><ul><li>Traduzindo, pode-se afirmar que as perdas e malefícios causados aos rebanhos pela ocorrência de enchentes, nestes dois pantanais, apresentam menor incidência. </li></ul>
  10. 23. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>Pantanal de Miranda: A vegetação é do tipo savana, mata e campo. Aqui, surgem em forte concentração o carandá e, especialmente, o paratudo (Tabebuia caraiba), este formando os famosos paratudais. </li></ul>
  11. 25. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>Pantanal de Nabileque : Está sob a jurisdição de Corumbá, sendo um distrito do município. A área de Jacadigo é também incluída neste pantanal. A vegetação do Nabileque é do tipo savana, porém nela não ocorrem algumas espécies lenhosas observadas em Nhecolândia e Paiaguás, que são substituídas por uma palmeira que aparece em formações densas. Esta palmeira é o carandá (Copernicia alba), espécie dominante no conhecido carandazal. </li></ul>
  12. 27. VÁRIOS PANTANAIS <ul><li>Micro-Regiões </li></ul><ul><li>Pantanal do Paraguai : Essa região corresponde, em sua maior parte, à extensa planície de inundação do Rio Paraguai, desde a ilha do Caracará, nos limites do Pantanal de Cáceres, até as bordas do Maciço do Urucum, ao Sul de Corumbá. Caracterizada pela grande incidência de baías e longo período de inundação que se estende por mais de 06 (seis) meses, sendo que grandes áreas ficam permanentemente inundadas. </li></ul>
  13. 29. HOMEM PANTANEIRO <ul><li>A identidade pantaneira contemporânea, tem suas raízes a partir de fins do século XIX, quando a pecuária extensiva concretiza-se como a principal atividade econômica da planície, com a formação das grandes fazendas e no andar dos rebanhos na busca de pastagens de melhor qualidade provocou o &quot;amansamento&quot; da região </li></ul>
  14. 30. <ul><li>A cultura pantaneira está intimamente ligada à pecuária de corte extensiva. </li></ul><ul><li>A aspiração desse homem é pequena e simples, um bom cavalo domado por ele, uma traia completa (pelego vermelho, argolas, reiador), tudo fabricado artesanalmente, com couro de reses abatidas para consumo na fazenda, um revolver &quot;Shimith&quot; bom e uma companheira bela e formosa nas práticas do lar, é o que o faz homem feliz e com prazer no trabalho de campo </li></ul>A Cultura Pantaneira
  15. 32. <ul><li>A vegetação aquática é fundamental para a vida pantaneira. As plantas flutuantes são os principais produtores primários nas águas do Pantanal. Imensas áreas são cobertas por &quot;batume&quot;, que são plantas flutuantes, tais como o aguapé ( Eichhornia ) e a Salvinia , entre outras. Levadas pelos rios, estas plantas constituem verdadeiras ilhas flutuantes, os camalotes. </li></ul>BIODIVERSIDADE - VEGETAL
  16. 33. <ul><li>Após as inundações, a camada de lodo nutritivo permite o desenvolvimento de uma rica vegetação de ervas. A palmeira carandá ( Copernicia australis ) ocorre em extensas formações nas áreas em que as inundações dominam mas que ficam secas durante o inverno, permeando com os cupinzeiros, onde se inicia o paratudal. Os paratudais, formados pelos ipês roxos ( Tabebuia , localmente chamado piúva) , são típicos. </li></ul>BIODIVERSIDADE - VEGETAL
  17. 36. <ul><li>O Pantanal oferece ao visitante uma variedade de paisagens abertas povoadas por grandes populações de animais, cuja alimentação depende da fase aquática. Assim, nas lagoas, a microflora e a microfauna permitem o desenvolvimento de ricas populações de caramujos aruas ( Pomacea , Marisa e outros) e de moluscos ( Anodontides , Castalia e outras), que sustentam uma variedade de predadores como aves e répteis. </li></ul>BIODIVERSIDADE - ANIMAL
  18. 37. <ul><li>Os jacarés têm papel importante nas águas pantaneiras, onde funcionam como predadores &quot;reguladores&quot; da fauna piscícola e, às vezes, como agentes relevantes da ciclagem de nutrientes. Onde há muitos jacarés são encontradas poucas piranhas. Quando os jacarés são dizimados pela caça indiscriminada dos &quot;coureiros&quot;, a população de piranhas agressivas aumenta em detrimento de outras espécies de peixes, podendo chegar a ser perigosa até para os seres humanos. </li></ul>BIODIVERSIDADE - ANIMAL
  19. 38. <ul><li>Aves típicas do Pantanal são também o aracuã-do-pantanal ( Ortalis canicollis ), a arara-azul ( Anodorhyncus hyacinthinus ), que corre o risco de extinção, o periquito de cabeça preta ( Nandayus nenday ). O pequeno cardeal ( Paroaria capitata ) é ave característica deste ecossistema. A enorme abundância de aves de rapina, especialmente o caracará ( Polyborus ), refletem a riqueza da presa animal. O gavião caramujeiro ( Rosthramus sociabilis ) alimenta-se de moluscos. </li></ul><ul><li>A fauna das aves aquáticas e paludículas (que vivem em lagoas) do Pantanal está entre as mais ricas do mundo, com muitas espécies de patos e marrecos filtradores de pequenos animais e de algas, entre os quais o irerê é o mais comum e abundante na região . </li></ul>BIODIVERSIDADE - ANIMAL
  20. 40. <ul><li>Animais típicos do cerrado também se concentram em grande número no Pantanal, atraídos pela fartura de alimentos das áreas alagadas. São estas espécies que aparecem esparsas em outras áreas do continente. O cervo-do-pantanal ( Blastocerus dichotomus ), comum nas ricas pastagens úmidas, pode ser visto acompanhado por mais duas espécies de cervos do cerrado e por outros mamíferos, como o cachorro-vinagre ( Speothus vinaticus ), a anta ( Tapirus terrestris ), o catetu ( Tayassu tajacu ) e a paca ( Agouti paca ). Encontram-se lá, ainda, o lobo-guará ( Chrysocyon brachyurus ) e o tamanduá-bandeira ( Myrmecophaga tridactyla ), caçados intensamente. </li></ul>BIODIVERSIDADE - ANIMAL
  21. 41. <ul><li>A modernização da pecuária trouxe a divisão de terras, variedades exóticas de capim e a necessidade de interferir no fluxo das águas com pequenas represas, estradas, dragagens e drenagens, além de difundir o uso de pesticidas. </li></ul>AMEAÇAS A REGIÃO Criação de gado é a principal atividade econômica da região.
  22. 42. A PESCA
  23. 43. <ul><li>Falta de controle sobre as atividades desenvolvidas na região e seu entorno motivaram o Banco Mundial a considerar o Pantanal como área vulnerável e prioridade máxima para conservação. </li></ul><ul><li>Somam-se, ainda, problemas com a mineração, o aumento do lixo urbano e projetos de navegação. </li></ul><ul><li>Algumas atividades, como a caça ilegal e o crescimento desordenado do turismo, representam ameaça direta à vida selvagem, além da pesca predatória. </li></ul>AMEAÇAS A REGIÃO
  24. 46. Marisete Ferreira Dias Vilma Correia de Oliveira

×