Estrutura e formas do Relevo

1.108 visualizações

Publicada em

Estrutura e forma do Relevo, relevo brasileiro

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.108
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
130
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estrutura e formas do Relevo

  1. 1. Estrutura e Formas do Relevo Chapada dos veadeiros –Goiás-Brasil
  2. 2. Conjunto de processos mecânicos, químicos e biológicos que ocasionam a desintegração e decomposição das rochas, transformando-as em materiais friáveis (solo); Os processos intempéricos atuam através de mecanismos que modificam as propriedades físicas dos minerais e rochas (morfologia, resistência, textura) e suas características químicas (composição e estrutura cristalina).
  3. 3. Remoção física dos materiais pelos agentes de transporte (água, vento, gelo ou gravidade)
  4. 4. Intemperismo químico: climas quentes e úmidos; decomposição - água (oxidação, redução, dissolução, hidratação, hidrólise, carbonatação); Intemperismo físico: climas quentes e seos ou frios e secos; desintegração – temperatura, pressão; Intemperismo biológico: vegetação (processo misto).
  5. 5. • Ocorre quando a água transforma a composição mineral das rochas. Tais transformações ocorrem com intensidade variável, pois depende do grau de temperatura e umidade do local.
  6. 6. Oxidação: Ocorre quando o oxigênio dissolvido na água combina com um elemento. Como exemplo, a oxidação da pirita (FeS2) se dá da seguinte forma: Redução: Reação contrária, onde o oxigênio é liberado de seus compostos. Como exemplo a fotossíntese, onde as plantas subdividem o CO2 atmosférico e utilizam o carbono; Dissolução: alteração química da água em função da concentração de íon H+, expressa como pH. Como exemplo, dissolução do calcário:
  7. 7. Hidratação: adição de água em um mineral e sua adsorção dentro de retículo cristalino, transformando-se física e quimicamente. Como exemplo, a mudança da anidrita em gipso: Hidrólise: reação química entre o mineral e a água, ou seja, entre íons H+ e OH-. Como exemplo, tem-se a seguinte reação de um feldspato alcalino (ortoclásio) em caulinita: Carbonatação: gás carbônico dissolvido na água dá origem a solução ácida, denominada de ácido carbônico (H2CO3), que reage com minerais carbonatados. Como exemplo, formação do bicarbonato de cálcio, solúvel em água, a partir da calcita:
  8. 8. O mais famoso é o Grand Canyon, (29 km largura, 446 km de extensão) localizado nos EUA.
  9. 9. No Brasil, o maior e mais conhecido é chamado Itaimbezinho, na Serra Gaúcha (6 km de extensão e 2 km de largura).
  10. 10. O intemperismo físico ou mecânico, ocorre onde existem variações de temperatura, cristalização de minérios, solidificação das águas e atividades de seres vivos.
  11. 11. A água em estado líquido infiltra nas microfraturas da rocha ficando acumulada no interior e na superfície. Redução da temperatura promove a solidificação da água que aumenta de volume, aumentando a tensão interior na rocha.
  12. 12. Caracterizado por efeitos físicos e químicos associados a animais e plantas; Destaca-se o atrito produzido pela penetração de organismos, como a passagem de partículas de solo através do trato de vermes, associado à penetração de raízes, ou pela compactação promovida por animais na superfície .
  13. 13. Endógenos (construtores do relevo): vulcanismo, sismos e tectonismo; Exógenos (esculturadores do relevo): intemperismo, vento, rio, mar.
  14. 14. É de formação geológica antiga; Apresenta escudos ou crátons, bacias sedimentares e dobramentos antigos; 64% do território – bacias sedimentares, 36% escudos cristalinos.
  15. 15. Aroldo de Azevedo. Década de 1940. Critério: Altimetria. Planalto e planície, estabelecendo a altitude de 200m para comparativo. 4 planaltos e 3 planícies.
  16. 16. Década de 1960. Critério: Morfoclimático. Classificação baseada na sedimentação e erosão, as regiões eroditas eram planaltos e as sedimentadas planícies. 7 planaltos e 3 planícies.
  17. 17. Década de 1989. Projeto Radam Brasil, levantamento detalhado das características geomorfológicas, geológicas, solo, hidrografia e vegetação. 28 unidades de relevo, levando em consideração: planaltos, planícies, depressões, escudos e bacias sedimentares.
  18. 18. Critérios: Morfoestrutural: geologia Morfoclimático: clima e relevo Morfoestrutural: agentes exógenos Níveis: 1° táxon: forma de relevo 2 ° táxon: estrutura geológica 3 ° táxon: morfoesculturas
  19. 19. Planaltos: superfícies mais ou menos planas em que predominam processos de erosão. Planaltos em bacias sedimentares: delimitados por depressões periféricas ou marginais.
  20. 20. Planaltos com coberturas residuais: terrenos antigos cobertos por sedimentos. Planaltos em núcleos cristalinos: isolados com forma arredondada.
  21. 21. Planaltos de cinturões orogênicos: originados da ação erosiva em antigos dobramentos.
  22. 22. Depressões: superfícies que sofreram grave processo erosivo, estando acima ou abaixo do nível do mar. Depressões periféricas: contato com regiões sedimentares e cristalinas.
  23. 23. Depressões marginais: esculpidas em estruturas cristalinas. Depressões interplanálticas: áreas baixas entre planaltos que as circundam.
  24. 24. Planícies: superfícies mais ou menos planas em que predominam processos de sedimentação. Planícies costeiras: regiões litorâneas. Planícies continentais: interior do país.
  25. 25. Planaltos: superfícies relativamente planas, altitudes variáveis, onde o processo de erosão se sobrepõe ao processo de deposição de sedimentos; Planícies: superfícies aplainadas, altitudes variáveis, onde os processos de sedimentação se sobrepõem aos de erosão; Depressões: formas de relevo mais baixas do que as regiões vizinhas. Podem ser absolutas (abaixo do nível do mar), ou relativas (acima do nível do mar).
  26. 26. Inselbergs - formas residuais que se destacam em meio aos pediplanos do sertão e que resistiram à erosão devido à composição de suas rochas; Montanhas - elevações do relevo (acima de 300 m) resultantes de movimentos tectônicos. Agrupamento de montanhas constitui uma serra.
  27. 27. Chapadas - forma planáltica de superfície tabular e encostas de declive acentuado (acima 600 m); Cuestas - relevo dissimétrico formado por diferentes camadas de rochas (basalto sobre arenito) com parte frontal (front) côncava e inclinada e parte posterior (reverso) de declive suave; Pediplanos - superfícies muito aplainadas e erodidas típicas de regiões com clima de reduzida umidade;
  28. 28. Chapada Diamantina – BA
  29. 29. Rocha de Ayer ou Uluru – Extensão do deserto Australiano
  30. 30. Pediplano sertanejo- Milagres- BA Pediplano sertanejo- Milagres- BA
  31. 31. 64% de rochas sedimentares (podem apresentar ocorrência de combustíveis fósseis); 36% de escudos cristalinos (rochas metamórficas e magmáticas), onde encontramos jazidas de minérios; Encontramos também cuestas, chapadas, escarpas de planalto, inselbergs e pediplanos.
  32. 32. Escudos Cristalinos Bacias Sedimentares
  33. 33. Escudos Cristalinos Nos escudos cristalinos encontramos reservas minerais metálicas e não metálicas. Dois escudos principais: Guianas e Brasileiro.
  34. 34. Bacias Sedimentares Importantes reservas de hidrocarbonetos (petróleo, gás natural e carvão mineral). Dois grandes grupos: Bacias de Grande Extensão: Amazônica, do Meio Norte, do Paraná, Sanfranciscana ou do São Francisco e a do Pantanal Matogrossense. Bacia de Pequena Extensão: do Recôncavo- Tucano, as costeiras e as de compartimento de planalto (Bacia Sedimentar de Curitiba).

×