Miranda Lee 
Love-Slave to the Sheik 
Pulseira de amor
O sheik Bandar bin Saeed sempre viveu muito depressa, mas agora enfrentava um enorme 
obstáculo: tinha um tumor cerebral. ...
- Tenho muita fé nos britânicos. Não superestimam suas habilidades como algumas pessoas 
fazem. E trabalham muito bem sob ...
- Que absoluta perda de tempo - murmurou Samantha fechando a porta de trás de seu carro 
deixar a bolsa no assento de atrá...
Mas logo descobriu que a universidade tinha outro código de conduta sexual. Poucas garotas 
terminavam a faculdade sendo v...
É obvio, também teve o estímulo de viver no campo. Tinha a esperança de que os homens do 
campo não fossem tão exigentes c...
Não que necessitassem de chuva. Ao contrário de outras zonas da Austrália, Hunter Valley não 
estava acostumado a ser afet...
para que não se fizesse mal, mas, no final da semana anterior, falou-se de enviar a um homem 
especializado em lhes semeie...
Dubar, devia ter morrido enquanto ela esteve fora. Samantha também deduziu que aquele homem 
não podia ser um parente próx...
Então apartou o olhar e disse a si mesma que era surpresa e nada mais o que lhe tinha roubado 
sua compostura habitual. 
E...
Quem sabe? Possivelmente o sheik se cansou das modelos super-glamourosas e queria provar 
algo diferente. Como uma austral...
- Sim, eu tampouco recordo seus sobrenomes. Mas se parece um pouco com Ali nesse sentido. 
Não dá muita importância a isso...
- Ainda não sei. Nada que seja muito complicado. Provavelmente cordeiro assado. Com pão 
caseiro. E meu bolo de marmelo pa...
em ponto, como havia dito o sheik. Mas tampouco queria chegar tarde e parecer uma mal 
educada. 
Também estava decidida a ...
Samantha ouviu histórias sobre pessoas em situações estressantes que imaginavam que tudo a 
seu redor parecia ficar imóvel...
multimilionário não só ia contra seus princípios, mas também era uma perda de tempo. Muito mais 
que sua escapada à Costa ...
- Depende se estivermos contentes com sua política ou não - respondeu ela, sentindo-se mais 
cômoda com esse tipo de conve...
- Ali pensava assistir a uma venda esta quarta-feira - disse Trevor - O dono de uma das granjas 
locais morreu faz seis me...
- Ali me disse que sua governanta era um tesouro - disse Bandar enquanto Cleo estava fora da 
sala - Entendo o que queria ...
Seria bom na cama. Não, seria muito bom. 
Sabia que nunca descobriria, mas, pelo menos, podia pensar nisso. Pensar nele. 
...
- Não tinha bom aspecto – disse Samantha, chateada com Gerald por ser tão pouco 
pormenorizado. Por acaso não via que Band...
Era a luxúria que estava fazendo que sua cabeça desse voltas e que o coração acelerasse quando 
estava perto do sheik. Não...
Em vez de usar uma base, que teria sido muito evidente à luz do dia, aplicou-se uma nata 
hidratante com filtro solar que ...
Samantha apertou os dentes, mas por dentro se sentia agradecida. Quando Bandar agia assim, 
não o achava atrativo absoluta...
- Sim, isso. O que significa? 
- Significa a vontade de Alá. A vontade de Deus. 
- Isso soa religioso. Disse que não foi r...
- Tem razão. Ter um harém de amantes pulseiras é uma idéia interessante. Por natureza, o 
homem não é monógamo. Aos muçulm...
- Como esta granja pode ser de qualidade? - queixou-se Bandar - Nem sequer podem permitir-se 
estradas em condições. 
- Es...
Mas ele já estava afastando-se pelo prado para o estacionamento. Não teve outra opção senão 
obedecer. 
Então guardou tudo...
Samantha afastou a mão e sentiu como lhe ruborizavam as bochechas. 
- Não se atreva a me adular só para me levar para cama...
Claro que já era bastante desconsiderado com as mulheres ocidentais. A maioria eram criaturas 
materialistas. Sempre fingi...
Embora enfrentar a morte iminente, despojava um homem de toda paciência, assim como de 
consciência. Samantha Nelson seria...
Mas, quando se dispôs a girar o trinco da porta, lhe ocorreu que Cleo disse algo depois de chamar 
a primeira vez. Tinha d...
- Não é virgem - disse ele com evidente satisfação - Isso é uma boa notícia. Se fosse virgem, 
teria enfrentado um dilema....
Rodeou-lhe o rosto com as mãos e a beijou brandamente, mordiscando-lhe o lábio superior com 
os dentes e umedecendo-lhe co...
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor

733 visualizações

Publicada em

MTO BOM

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
733
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

22823115 miranda-lee-pulseira-de-amor

  1. 1. Miranda Lee Love-Slave to the Sheik Pulseira de amor
  2. 2. O sheik Bandar bin Saeed sempre viveu muito depressa, mas agora enfrentava um enorme obstáculo: tinha um tumor cerebral. Só tinha cinqüenta por cento de possibilidades de se curar e ainda faltavam semanas para começar o tratamento. Assim decidiu se distrair um pouco fazendo uma viagem à Austrália, onde poderia desfrutar de sua maior paixão: ter em sua cama uma mulher que lhe fizesse perder o controle… Foi então que apareceu Samantha Nelson. Naquelas últimas semanas daria rédea solta a sua paixão… Prólogo - Não tem por que fazer rodeios com seu diagnóstico. Por favor, me diga qual é a realidade de minha situação. - O neurocirurgião olhou para seu importante paciente do outro lado de sua mesa. Não duvidava que o sheik Bandar bin Saeed de Serkel falasse a sério. Mas se perguntava se o sheik estaria realmente preparado para escutar que suas probabilidades de sobreviver eram as mesmas que os apostadores acreditavam que o potro do sheik tinha de ganhar o campeonato. - Você tem um tumor cerebral - disse o doutor - É maligno. As pessoas normalmente empalideciam ante semelhante noticia. Mas aquele homem era forte. Possivelmente pensava que, se tivesse que morrer, assim seria. Entretanto, tinha só trinta e quatro anos. Para todos os efeitos, era um ser humano saudável. Ninguém adivinharia só olhando-o que tinha câncer. Nem tampouco que fosse sheik. Mas era assim. O único filho de um milionário do petróleo e de uma mulher da alta sociedade de Londres que tinham morrido tragicamente em um incêndio a bordo de um luxuoso iate. O sheik se educou em Oxford e vivia atualmente na Inglaterra, onde possuía um apartamento em Kensington, um estábulo cheio de cavalos de corrida em Newmarket e uma granja de lhes semeie no Gales. A secretária do médico se assegurou de descobrir tudo o que teria que saber sobre o paciente mais exótico e, provavelmente, mais rico de seu chefe. Passou uma semana falando dele, sobre tudo de sua reputação de playboy. Não só possuía cavalos rápidos, mas também conduzia carros rápidos e saia com mulheres rápidas. Rápidas e muito formosas. O cirurgião não tinha se impressionado. Até esse momento. - E? - perguntou o sheik. - Se não se operar, morrerá antes de um ano. Entretanto, a operação é arriscada. Suas possibilidades de sobreviver são de cinqüenta por cento. A decisão é sua - concluiu o doutor encolhendo os ombros. O sheik sorriu, fazendo que seus dentes brancos ressaltassem sobre sua pele escura. - Faz com que soe como se fosse uma eleição. Se não fizer nada, morrerei. Assim, é obvio, deve me operar. Você é o melhor para essa tarefa? - Sou o melhor do Reino Unido - disse o doutor se endireitando em seu assento. O sheik assentiu e voltou a ficar sério.
  3. 3. - Tenho muita fé nos britânicos. Não superestimam suas habilidades como algumas pessoas fazem. E trabalham muito bem sob pressão. Prepare minha operação para a última semana de junho. - Mas isso é daqui a três semanas. Eu preferia operar o mais rápido possível. - Minhas possibilidades de sobreviver serão muito menores se esperar três semanas? - Provavelmente, não muito menores - admitiu o doutor - Mesmo assim, não recomendo. - Mas é certo que sobreviverei essas três semanas, não é verdade? - Suas dores de cabeça irão piorar. - Pode me receitar algo para isso? - Sim - conveio o doutor com um suspiro – Mas continuo não achando bom atrasar. Por que quer esperar tanto tempo? - Tenho que ir a Austrália. - Austrália? Para que? - O príncipe Ali do Dubar me pediu para cuidar de sua granja de puros-sangues enquanto ele vai a sua casa para a coroação de seu irmão. Certamente leu que o rei Khaled morreu ontem. O doutor não tinha lido. Não gostava de ler as notícias. Quando não estava trabalhando, preferia fazer algo relaxante, como jogar xadrez. Mas sabia onde era Dubar, e como era sua família real. - Estou certo de que o príncipe Ali poderia conseguir outra pessoa. - Devo cumprir o pedido de meu amigo. Ali me salvou a vida uma vez quando éramos pequenos e nunca me pediu nada em troca. Não posso lhe negar este favor. - Mas se lhe dissesse qual é seu estado… - Meu estado é privado e pessoal. Eu me encarregarei disso sozinho. - Necessita do apoio de seus amigos e familiares em um momento como este. - Não tenho família - assegurou o sheik. - Mas tem amigos. O príncipe Ali, por exemplo. Deveria lhe contar sobre o tumor. - Não até que retorne a Austrália de seus compromissos em Dubar - disse o sheik ficando em pé abruptamente - Sua secretária tem meu e-mail. Diga-lhe que me envie os dados sobre a operação. Até lá… - estendeu a mão para se despedir. O médico ficou em pé e apertou-lhe a mão. Era uma mão forte, de um homem firme. Faria tudo que fosse possível por salvar ao Xeque. Mas não podia fazer milagres. - Cuide-se - aconselhou-lhe. - Posso montar? Aquela pergunta desconcertou o doutor. Era a primeira vez que um paciente em seu estado lhe perguntava algo semelhante. Normalmente se envolviam entre algodões enquanto esperavam a operação. Não iam à Austrália e montavam a cavalo. Mesmo assim, a verdade era que montar a cavalo não ia acabar com ele. A não ser que caísse e quebrasse o pescoço. Tinha um tumor, não um aneurisma. - Suponho que sim - disse - Se é que deve fazê-lo. - Devo fazê-lo - acrescentou o sheik com um sorriso enigmático. Capítulo 1
  4. 4. - Que absoluta perda de tempo - murmurou Samantha fechando a porta de trás de seu carro deixar a bolsa no assento de atrás - E uma completa perda de dinheiro - acrescentou para si, depois de pôr em marcha o motor. Seu único consolo era que não tinha um longo caminho pela frente. A distância do aeroporto de Williamstown até a zona norte do Hunter Valley era muito menor que a viagem do aeroporto de Sidney. Só um trajeto de hora e meia em comparação com outro de, ao menos, três. Mesmo assim, enquanto Samantha conduzia seu carro para a estrada, suspirou com frustração. Não devia ter feito caso com Cleo. Umas férias de cinco dias em um complexo turístico da Costa Dourada australiana não iriam lhe conseguir um noivo, nem a longo nem a curto prazo. A idéia romântica de conhecer amor de sua vida em um lugar assim não era mais que isso: uma idéia romântica. A possibilidade de ter uma aventura tampouco esteve entre suas prioridades. Samantha não era o tipo de garota que escolhia um homem atrativo que lhe tivesse deleitado com umas poucas noites de jantares à luz das velas, seguidas do sexo com o que sonhavam as mulheres, mas do que estranha vez desfrutavam. Certamente, estava bem preparada para atrair a atenção de qualquer homem nesses dias, sobre tudo depois que Cleo a levou na semana anterior a um salão de beleza no Newcastle para pintar de loiro seus cabelos castanhos e suas sobrancelhas grossas em dois arcos magros. Também ajudava o fato de que tivesse uns vestidos explosivos que tiravam o melhor de sua atlética figura; Cleo também tinha levado-a às compras. Samantha tinha que admitir que estava muito bonita nesses últimos cinco dias. Vários homens se aproximaram dela, tanto na piscina como na barra do restaurante cada noite. Mas ela sabia que tinham sido suas maneiras que os afastaram. Nunca tinha se dado bem no flerte, nem as conversações intrascendentes, nem lhes aumentar o ego aos homens. Durante anos, suas amigas vinham lhe dizendo que era muito seca. A verdade era que não sabia como flertar. Nunca tinha aprendido, nunca tinha tido um modelo de conduta feminina durante seus anos de formação. Samantha se criou em uma casa de homens, com quatro irmãos que lhe ensinaram a ser um deles. Aprendeu a fazer esporte e a defender-se como um menino, com os punhos. Não tinha aprendido a ser condescendente com o gênero masculino. Se tivesse feito isso no lar dos Nelson, teria passado sua vida chorando, arrastada pelo chão por seus competitivos irmãos. Assim tinha competido contra eles e, com freqüência, tinha vencido. Suas amigas sempre lhe diziam que isso não era algo sábio. Samantha acabou por admitir quando se formou. Não teve um só encontro durante seus anos de faculdade, por não falar de um namorado formal. Teve que ser acompanhada a seu baile de formatura por um de seus irmãos. Ao entrar na universidade de Sidney para estudar veterinária, Samantha quase tinha renunciado à possibilidade de encontrar um namorado. Seu amor pelos animais, sobre tudo os cavalos, enchiam o vazio que sentia no coração. Pagou os estudos trabalhando em um estábulo próximo.
  5. 5. Mas logo descobriu que a universidade tinha outro código de conduta sexual. Poucas garotas terminavam a faculdade sendo virgens. A maioria dos estudantes considerava o sexo como um desafio e um esporte. Não lhes importava como fossem suas conquistas, nem como atuassem. Samantha finalmente sucumbiu em duas de ocasiões durante seus quatro anos de universidade. Naquela época, tinha o cabelo comprido e os seios já estavam desenvolvidos; de fato, começava a parecer mais uma garota. Mas nenhuma de suas experiências se comparavam aos momentos apaixonantes que lia nos livros. O amor a tinha esquivado. Depois de formar-se na universidade, foi trabalhar para um veterinário em Randwick, especializado em cavalos de corridas. Era um homem de quarenta e poucos anos; um homem bonito, encantador… e casado. A princípio não existiu atração entre eles. Mas, depois de dois anos trabalhando juntos, surgiu certa intimidade. Desenvolveu uma amizade que, para Samantha, foi muito satisfatória. Não tinha se apaixonado por Paul. Mas chegou a desejar que chegasse o momento de estarem juntos. Ele a fez se sentir bem. Samantha esteve disposta a trabalhar largas horas e aceitar mais xícaras de café das que teria sido conveniente. Uma garota mais sofisticada veria chegar a noite em que Paul a tomou entre seus braços e a beijou. Sua declaração de amor foi surpreendente. Samantha nunca ouviu antes palavras tão apaixonadas. Ao menos, não dirigidas a ela. Durante uns momentos, se sentiu tentada a se render àquela voz que lhe dizia que, possivelmente, o amor daquele homem fosse o único que teria. Mas finalmente tinha olhado por cima do ombro do Paul e viu a foto de sua mulher e de seus filhos sobre sua mesa, sabendo então que ele não pensava em abandoná-los. Justo no fim de semana anterior, Samantha viu um programa na televisão em que entrevistavam uma série de mulheres que se converteram na “outra”. Sam se surpreendeu ao descobrir que não pareciam mulheres fatais, mas mulheres com uma baixa auto-estima que estavam dispostas a aceitar as migalhas que seus amantes casados lhes atirassem. A maioria acreditava que jamais encontrariam uma pessoa especial que estivesse livre para amá-las como mereciam. Samantha não queria ser a segunda. Nunca tinha se conformado com o segundo posto em nada. Por que ia fazer com o amor? Queria um homem que não fosse de outra mulher, um homem que pudesse lhe dar tudo o que secretamente desejava. Amor, um anel e filhos. Assim, deixou o trabalho com Paul. Também partiu de Sidney atrás de conseguir um posto como veterinária na granja de puros-sangues da família real do Dubar. Ela já sabia que essa granja era uma das melhores em sua especialidade dentro da Austrália. O dinheiro nunca foi um problema para seu dono, um rico príncipe árabe. Dada sua pouca experiência na cria de cavalos de corridas, Samantha ficou surpresa ao conseguir o trabalho. Mesmo assim, era uma ávida aprendiz e logo aprendeu tudo o que precisava saber de outro veterinário, um homem de cinqüenta e muitos anos, chamado Gerald. Entretanto, Samantha não estava segura de querer fazer isso o resto de sua vida. Ao aceitar o posto, só queria se afastar da tentação que supunha Paul.
  6. 6. É obvio, também teve o estímulo de viver no campo. Tinha a esperança de que os homens do campo não fossem tão exigentes como os da cidade. Possivelmente não achariam suas maneiras secas tão pouco atraentes. Samantha suspirou enquanto conduzia pela rua principal de outro pequeno povoado. Por azar, sua vida pessoal na granja da família Dubar não foi muito diferente da que tinha levado em Sidney. A verdade era que assustava os homens do campo mais do que fazia com os da cidade. A maioria dos homens que trabalhavam na granja não se atrevia a olhá-la, e muito menos a falar com ela. Só Jack parecia ser capaz de relacionar-se com ela. Ali, é obvio, também falava com ela, mas, francamente, era ele quem Samantha esperava intimidar. A sua mulher também. A formosa Charmaine era uma antiga supermodelo que passava muito tempo dedicada à beneficência em Sidney. Tinham dois filhos; uma menina chamada Amanda e um menino, Bardar, de um ano, chamado assim por um velho amigo do príncipe, um sheik que vivia em Londres e que tinha uma reputação com as mulheres pior que a do Ali antes de casar-se. Samantha sabia tudo isso porque Cleo tinha lhe contado. Como governanta do príncipe e babá a tempo parcial, Cleo sabia todo o referente ao príncipe e a sua família. Não era uma fofoqueira maliciosa, de fato era uma senhora encantadora, mas gostava de muito falar. Quando Ali e sua família viajavam para Sidney para passar o fim de semana, Cleo a convidava à casa principal para jantar e jogar algum jogo de mesa, durante o qual ambas conversavam sobre algo. Deram-se bem no primeiro dia, apesar de que Cleo rondasse os cinqüenta. Se não fosse por Cleo, Samantha teria partido muito antes. Mesmo assim, sabia que não renovaria seu contrato quando acabasse no fim de junho. Na verdade sentia falta de Sidney e da vida na cidade. A paz e a tranqüilidade do campo estavam bem em teoria, mas se sentia muito só ali. Por isso ficou tão suscetível quando Cleo lhe sugeriu uma escapada à Costa Dourada. Deviam-lhe tempo livre, mas Samantha deveria saber que seria uma perda de tempo. Mesmo assim, conseguiu uma coisa indo ali. Se deu conta de que podia atrair um homem fisicamente. A maquiagem de Cleo fazia maravilhas nesse aspecto. O que faltava aprender era como agir em um encontro, depois de realizar o contato inicial. Não sabia bem como aprenderia isso, nem quem seria a pessoa apropriada para lhe ensinar mas, se realmente queria se casar, teria que mudar. Enquanto conduzia pela estrada sem emprestar atenção a seus arredores, Samantha começou a se perguntar se havia lugares em Sidney que oferecessem esse tipo de curso. O que precisava era um treinador de flerte que lhe desse lições sobre o que dizer e como agir. - Não! - exclamou Samantha ao dar-se conta de que se acabava de passar a entrada da granja. Freou em seco e voltou a um lado da estrada, fazendo com que o caminhão que a seguia virtualmente lhe arrancasse o guichê enquanto passava. -Mais cuidado! - gritou ela, tirando a cabeça pelo guichê. Tomou seu tempo para dar a volta na estrada, contemplando com interesse seus arredores. - Vá. Deve ter chovido enquanto estive fora - disse em voz alta ao ver o verdor nos currais. Nessa época do ano, geadas normalmente acabavam com a erva e os cavalos se alimentavam de piensos.
  7. 7. Não que necessitassem de chuva. Ao contrário de outras zonas da Austrália, Hunter Valley não estava acostumado a ser afetado pela seca. A terra era rica e fértil, perfeita para cultivar e para criar cavalos. Samantha se meteu pelo caminho de cascalho e se deteve frente às enormes levas de ferro, que eram tão impressionantes como o resto da propriedade. O escudo real do Dubar, estava desenhado entre as duas portas, fabricado em oro para destacar sobre o negro. Samantha abriu as portas com o mando que lhe deram ao conseguir o trabalho e entrou, recordando como ficou impressionada com o lugar o primeiro dia. Era evidente que não tinham reparado em gastos. Mas era a casa o que mais chamava a atenção conforme subia pelo caminho. Um edifício de estuque branco de uma só planta que se estendia sobre uma colina, proporcionando graças a sua posição uma vista perfeita do vale. A uns cem metros da casa, à esquerda, elevava-se outra colina menor que foi sido aplanada para construir um heliporto, assim Ali podia voar todos os fins de semana para Sidney. Seu helicóptero pessoal era enorme e negro, e estava equipado com todos os luxos possíveis. Cleo lhe contou isso. Samantha nunca o viu por dentro. Ao ver o helicóptero, Samantha se perguntou o que estaria fazendo ali numa segunda-feira. Normalmente Ali o enviava de volta a Sidney para retornar no domingo pela tarde. Estava certa de que saberia a resposta quando falasse com o Cleo. Essa mulher sabia tudo sobre todos os que viviam ali. Samantha a ligaria quando desfizesse as malas e se preparou uma xícara de café. Isso a fez lembra que deveria ligar seu celular assim que chegasse em casa. Seu retiro de cinco dias da vida real acabara. O caminho se dividiu depois de um momento. A estrada que ia para a esquerda conduzia aos estábulos e a da direita subia para o heliporto e a casa. Samantha tomou a estrada do meio, que seguia o curso do rio e chegava até a casa em que ela vivia. Os arredores do rio estavam principalmente destinados a cultivar aveia para os cavalos. Embora não no inverno. Também era o lugar em que se encontrava a pista de treinamento na qual os cavalos pequenos começavam e onde corriam alguns dos cavalos maiores. O objetivo era lhes tirar parte da graxa. Enquanto Samantha se aproximava da pista de treinamento, franziu o cenho ao ver a coisa mais estranha de todas. Havia um cavalo na pista, coisa pouco habitual a essa hora do dia. Eram pouco mais de meio-dia. Tratava-se de um enorme cavalo cinza montado por um homem de cabelo negro com jeans azul e uma camisa branca de manga comprida. Samantha não reconheceu o homem, mas sim o cavalo. Smoking Gun era um semental muito cotizado que chegou da Inglaterra para passar ali esse ano. Chegou a duas semanas atrás para descansar depois de sua primeira temporada no hemisfério norte. Seu dono era o sheik pelo que o filho do Ali adquiriu seu nome: Bandar. Ali advertiu todo o pessoal antes da chegada do animal, que teriam que proteger o cavalo do sheik com sua vida. O cavalo não se aclimou muito bem e requeria muito trabalho conseguir que deixasse de fazer buracos nas paredes de seu estábulo. Mudaram-no para uma quadra especialmente acolchoada
  8. 8. para que não se fizesse mal, mas, no final da semana anterior, falou-se de enviar a um homem especializado em lhes semeie difíceis que vivia na Inglaterra. Um cigano, disse Cleo. Samantha imaginou que seria ele que estaria montando o cavalo nesse momento. Com seu cabelo negro e comprido e sua pele escura, tinha aspecto de cigano. Sam sentiu um tombo no estômago ao ver como o animal se retorcia e dava voltas. Sabia que seria melhor para tranqüilizá-lo, dar uma volta larga pela pista em vez de uma curta pela zona de exercícios. Mas e se o cavalo começasse a correr a toda velocidade? E se rompesse um osso? Estava suportando mais peso de que suportava quando competia. E se ocorresse algo inesperado como um cão aparecer na pista? Smoking Gun poderia tropeçar-se ou estelar-se contra a grade. Samantha olhou a seu redor. Não havia ninguém à vista. Ninguém olhando. Nem uma alma. Isso era ainda mais estranho. Tinha que deter aquele homem. Freou em seco e saiu do veículo a toda velocidade. Mas, antes que pudesse gritar, o homem adulou o cavalo, que saiu correndo a toda velocidade levantando nuvens de poeira a seu passo. Sam sentia que o coração ia sair pela boca. Era muito tarde para fazer algo. Se começasse a mover os braços ou entrasse na pista para detê-los, talvez causasse algum tipo de acidente que ela temia. Teria que esperar que esse idiota decidisse que o cavalo já tinha feito exercício suficiente. Então lhe diria o que pensava dele. Três voltas à pista depois, o cavaleiro se dirigiu para sair da pista, a poucos metros de onde se encontrava Samantha agarrando a grade com força. - Que diabos pensa que está fazendo? - perguntou ela com voz trêmula - Pediu permissão ao príncipe Ali para praticar com o Smoking Gun desse modo tão temerário? - Quem é você? - perguntou ele com um acento inglês de classe alta enquanto se aproximava dela. Para Samantha foi impossível não fixar-se em seu atrativo sexual. Durante um segundo simplesmente ficou olhando-o. Tinha uns olhos preciosos e um corpo perfeito. - Sou Samantha Nelson - respondeu ela - uma das veterinárias residentes aqui. Suponho que você é o perito que veio da Inglaterra, verdade? Olhe, não digo que você não cavalgue bem, mas o que acaba de fazer foi uma estupidez. Assim, repito: Tem a permissão do príncipe? - Não - respondeu ele - Não necessito sua permissão. Foi então que Samantha reagiu e se deu conta de que possivelmente aquele homem não fosse quem acreditava que era. O estômago lhe deu um tombo e advertiu que seus traços eram similares aos do príncipe Ali, embora não fosse tão tipicamente bonito como seu chefe. O rosto desse homem era mais largo e magro, as maçãs de seu rosto eram mais fortes, e sua boca era o único suave em seu rosto. Entretanto, parecia-lhe mais atrativo que ao Ali. - Ali retornou a Dubar para a coroação de seu irmão - disse ele – Deixou-me no comando enquanto ele não retorna. Samantha ficou desconcertada ante semelhante mudança de acontecimentos. Por acaso era a presença daquele homem que estava fazendo com que seu cérebro não funcionasse com normalidade? Finalmente se recompôs o suficiente para assumir os fatos. O pai de Ali, o rei de
  9. 9. Dubar, devia ter morrido enquanto ela esteve fora. Samantha também deduziu que aquele homem não podia ser um parente próximo; do contrário estaria também em Dubar. Talvez fosse árabe, mas, sob seu aspecto autocrático, não era mais que outro empregado, como ela. Não podia evitar acha-lo atrativo fisicamente atrativo, mas não gostava dele. E não estava disposta a deixar que a pisoteasse. - Bom, possivelmente deveria ter deixado no comando alguém com um pouco mais de sentido comum. Aquele homem a atravessou com seus olhos negros. - Você é uma mulher muito impertinente. - Disseram-me isso em muitas ocasiões - respondeu ela jogando os cabelos. Samantha imaginava que não estaria acostumado a uma mulher que o desafiasse, o que lhe dava mais gana de desafiá-lo - Mas falo sério. O que fez com esse cavalo foi extremamente perigoso. Olhe-o. Está exausto. - Disso se tratava - disse o cavaleiro - Precisava dar rédea solta a sua testosterona. Está acostumado a servir a várias éguas por dia. É jovem e ainda tem que acostumar-se a sua vida na granja. Quer o que quer quando o quer, como quase todos os machos. Com o tempo, aprenderá que o bom é para os que esperam. - Talvez. Mas não pode montá-lo assim todos os dias até que aprenda a controlar suas necessidades. Ou até que comece a próxima temporada. É muito arriscado. - Eu assumirei o risco, senhorita. Não você. - Monte-o em uma pista de exercícios maior, se quiser. Montá-lo nesta pista, entretanto, não é uma opção. Estou certa de que o príncipe Ali não o aprovaria. - Não me importa se o príncipe Ali o aprova ou não. - Entrarei em contato com ele - ameaçou ela ao ver a arrogância daquele homem - e lhe direi o que está fazendo. - Faça-o, senhorita. Ali não me dirá que pare. Smoking Gun me pertence. Sou o dono deste cavalo e posso montá-lo até a morte se me der vontade. Pode ser que eu entre em contato com Ali para falar de você. Pode ser que lhe diga que sua veterinária é tão parva como intrépida. Não, não. Não discuta mais. O cavalo está cansado e eu também. Poderá discutir comigo durante o jantar. Às oito em ponto. Não me faça esperar. Meu tempo é muito valioso. Sem mais, deu-se a volta e se afastou trotando sobre o cavalo para a saída da pista, sem olhar para Samantha enquanto se dirigia para o estábulo. Capítulo 2 Pela primeira vez em sua vida, um homem tinha deixado-a sem palavras. Levou um minuto para se recuperar e retornar ao carro e, quando o fez, golpeou a tíbia ao sentar-se. O orgulho lhe exigia que não olhasse pelo espelho retrovisor, mas o orgulho também saiu ferido. Simplesmente ficou ali, sentada, olhando pelo espelho até que o cavalo e o sheik fossem dois pontos diminutos na distância.
  10. 10. Então apartou o olhar e disse a si mesma que era surpresa e nada mais o que lhe tinha roubado sua compostura habitual. Enquanto conduzia para sua casa, começou a enfurecer-se de novo. Quem esse Bardar pensava que era lhe dando ordens assim? Seria o dono do cavalo, mas não o dono dela. Nem sequer era seu chefe. Não tinha por que jantar com ele se não quisesse. Enquanto estacionava em frente a sua casa, deu-se conta de que o problema era que sim queria jantar com ele. A mulher que havia nela, essa parte que não podia negar que Bardar era o homem mais sexy que tinha conhecido em sua vida, desejava passar mais tempo com ele, desejava olhá-lo, discutir com ele. Será que ele a achou atrativa? Convidou-a para jantar porque lhe interessava como mulher? Ao olhar-se no espelho retrovisor, soube que não era assim. O fato de ter feito as sobrancelhas fazia que ressaltassem mais seus olhos. Mas não estava preparada para ser a capa de nenhuma revista. Seu queixo era muito quadrado, sua boca muito larga e seu pescoço muito comprido. Embora tivesse uns bons dentes. Tudo seria diferente se fosse um cavalo. - Deus! - exclamou enquanto saía do carro - Não sente saudades que me tenha chamado tola. Sou parva por pensar que um homem assim poderia sentir-se atraído por uma mulher como eu. Qualquer um que tivesse lido a imprensa rosa saberia que os sheiks milionários só saíam com super-modelos e membros da alta sociedade. Às vezes inclusive se casavam com elas. Não precisava mais que olhar a formosa esposa do Ali para saber o tipo de mulher que procuravam. - A verdade é que não me importa - murmurou enquanto subia os degraus para o alpendre - Esse homem é um machista de primeira ordem. Só desejava que não a tivesse chamado “intrépida”. Desejava que aqueles olhos não a tivessem atravessado enquanto o dizia. Houve admiração naquele olhar. Não gostava da idéia de ser convidada para jantar para entreter ao sheik. Mas por que outra razão a convidaria? Sua mente perversa voltou a pensar na possibilidade de que se sentisse atraído por ela. O ar frio dentro da casa trouxe Samantha de volta à realidade. Ao presente. Era prioritário acender a calefação antes que seguir fantasiando. Para quando entrasse no quarto e deixasse sua mala sobre a cama, Samantha já desejava correr e abrir o armário para olhar-se de novo no espelho que havia na porta. Tirou a jaqueta de couro tentando não se ver como um homem a veria, fazendo todo o possível por ignorar as idéias preconcebidas que tinha sobre si mesma. Foi percorrendo seu corpo com o olhar lentamente. Girou-se de um lado a outro contemplando seus perfis e logo dando a volta, antes de recordar que o sheik não a tinha visto de costas. Era uma pena. Tinha um bom traseiro, sobre tudo com uns jeans ajustado. Cinco minutos depois, Samantha se sentia melhor com respeito a sua aparência. Seu rosto não estava mau. Tinha uns olhos azuis bastante bonitos, uma pele clara e uns dentes geniais. O cabelo estava bem. Não, melhor que bem. Era sexy. Sua figura, francamente bem. Sempre e quando os homens gostassem das altas com não muito peito. Mas tinha umas pernas fantásticas, um estômago plano e um traseiro escuro.
  11. 11. Quem sabe? Possivelmente o sheik se cansou das modelos super-glamourosas e queria provar algo diferente. Como uma australiana de um metro e oitenta com um problema de atitude e uma súbita super-valorização de si mesma. - Deixaste que a pequena transformação de Cleo te subisse à cabeça -murmurou. Decidiu que isso era o que devia fazer. Telefonar para Cleo e averiguar exatamente o que estava passando. Samantha abriu um dos bolsos laterais de sua bolsa e tirou o celular. Ligou-o e ignorou o som que anunciava que tinha mensagens em espera, telefonando diretamente à casa principal. - Aqui é Norm. Em que posso lhe ajudar? Samantha ficou desconcertada por um instante. Norm era o marido de Cleo. Também trabalhava para o príncipe Ali, mas nunca atendia ao telefone. - Norm? - disse ela - Olá. É Samantha. Cleo Não está? - Olá, anjo. Sim, está aqui, correndo de um lado para o outro. Não tem idéia do que ocorreu. - O que? - perguntou Samantha, considerando que seria melhor não dizer nada a Norm sobre seu encontro com o sheik. - O pai de Ali morreu na terça-feira, um dia depois que você partiu, e Ali teve que ir ao funeral e à coroação de seu irmão. Toda a família foi. Estarão fora durante três semanas. Em qualquer caso, Ali pediu a um amigo que cuidasse do lugar enquanto estivesse fora. É o tipo pelo que chamaram assim ao Bandar. O sheik Bandar bin algo. Cleo sabe tudo sobre ele. Poderá perguntar-lhe mais tarde. Veio ontem à noite de Londres e se supunha que hoje passaria o dia descansando na suíte desse hotel no Sidney que Ali possui. Mas parece que estava ansioso para vir aqui e ver seu cavalo. Já sabe qual é. Esteve causando ao pobre do Ray muitos problemas. Samantha duvidava que pudesse dar muitos problemas ao chefe do estábulo depois da galopada que teve na pista aquele dia. - De qualquer forma, Cleo está um pouco chateada porque não tinha a suíte de convidados pronta para ele - acrescentou Norm – E é isso o que estava fazendo. É Samantha, querida! – gritou - Sim, voltou. Voltaste, verdade? -perguntou a Samantha. - Sim, voltei. - Voltou! Aqui está Cleo. Quer falar contigo. - Samantha, por que voltou cedo? Não tinha que retornar até esta tarde. - Tomei um vôo anterior. - Não parece que a viagem à Costa Dourada foi satisfatória. - Foi um descanso agradável. - Então não tiveste sorte? - Não. - Não importa. Valeu a pena tentar. Norm contou o que aconteceu aqui? - Claro. Pobre Ali. Estava triste pela morte de seu pai? - Não muito. Afinal, esse ancião o enviou ao exílio. Mas se alegrou por seu irmão. Disse que já era hora de Dubar ter um rei que estivesse mais em contato com o mundo real. Sabe quem é nosso visitante temporário? - Sim. Norm me contou isso. Embora não recordava seus sobrenomes. Só o do sheik Bandar.
  12. 12. - Sim, eu tampouco recordo seus sobrenomes. Mas se parece um pouco com Ali nesse sentido. Não dá muita importância a isso. Gosta que lhe chamem Bandar. - De verdade? - Sim, de verdade. E não gosta de estar parado. Saiu para ver seu cavalo assim que chegou. Mas não antes de me pedir que preparasse um jantar especial para esta noite. Nada excessivo, disse-me. Simplesmente quer conhecer um pouco todos os membros do pessoal. Suponho que se refere a Ray e Trevor. Gerald também, claro, o que significa que, provavelmente, você também estará convidada. - Já me pediu isso - confessou Samantha sentindo-se estúpida por todas as fantasias que tinha albergado com respeito a esse jantar. Mais que estúpida, sentia-se como um globo cravado. - O que? Já conheceu Bandar? Por que não me disse isso? - Porque foi abafadiço. A princípio não me dava conta de quem era, Cleo. Pensei que era só um moço de quadra. Um cigano. - O que? Bom, a verdade é que tem aspecto de cigano, suponho. Com esse cabelo, essa pele e esses olhos. Mas, Samantha, pelo amor de Deus, não tem aspecto de moço de quadra. Diga-me, que diabos ocorreu? Samantha lhe contou a horrível verdade, embora não acrescentou o fato de que tivesse fantasiado com o que poderia significar o convite para jantar. - Oh, Samantha - exclamou Cleo - Um dia terá que aprender a pôr o cérebro em marcha antes de abrir a boca. Os homens odeiam às mulheres agressivas. Esse é seu principal problema, anjo. É muito agressiva. - Prefiro pensar que tenho caráter - defendeu-se Samantha. - É o mesmo. Mas não se preocupe. Não é como se estivesse tentando apanhar o sheik. Quero dizer que aos homens como ele gostam que… - Sei muito bem o tipo de mulheres que os homens assim procuram, Cleo - disse Samantha. - Por azar, não são as mulheres baixinhas e casadas de cinqüenta anos - acrescentou Cleo. Samantha gargalhou. Cleo sempre sabia como fazer que sorrisse. Sentiria falta dela quando se fosse. - É muito atraente, verdade? -prosseguiu Cleo. - Suponho. Se você gostar dos porcos machistas. - Samantha, de verdade, ele não é assim. É tão encantador como era Ali ao chegar aqui. Devem ter sido todos esses anos vivendo em Londres, rodeado de pessoas de alta linhagem. - Vejo que a enrolou. Visto que os homens não o consideram tão encantador. - Pode ser que te equivoque nisso. Foi encantador com o Jack. Eu valorizo o caráter de um homem por como trata Jack. E por como Jack responde a ele. Não se pode enganar aos animais nem aos meninos. - Há algo que eu possa fazer para ajudar? - perguntou Samantha - Norm disse que estava muito ocupada. E Gerald não espera que eu retorne ao trabalho até amanhã de manhã. - Não, já me encarreguei que tudo. E Judy vai vir mais tarde para me ajudar a cozinhar e a servir. - O que vais cozinhar?
  13. 13. - Ainda não sei. Nada que seja muito complicado. Provavelmente cordeiro assado. Com pão caseiro. E meu bolo de marmelo para a sobremesa. Ali adora esse menu, assim deveria servir. Não estou segura sobre o primeiro prato. Provavelmente prepare uns aperitivos para tomar com as bebidas. - Não beberá se for muçulmano - assinalou Samantha. - Tem razão. Não tinha pensado nisso. Quando voltar, perguntar-lhe-ei se bebe álcool. Ali sempre o serve, embora não o beba. Mas suponho que se esperará que haja cervejas. Sobre tudo Ray e Trevor. E Gerald adora tomar vinho com a comida. Olhe, estou certa de que não lhe importará que outros bebam. É um homem sofisticado, e viveu em Londres quase toda sua vida. Deve estar acostumado às maneiras do mundo acidental. - Se não estiver, logo o estará - disse Samantha. Os australianos adoravam cerveja. - Bandar te disse a que horas quer que esteja aqui? - perguntou Cleo. - Às oito. - Oh, meu deus, tão tarde? Quando todo mundo terminar as bebidas, serão nove. Muito tarde para jantar. Espero que não me faça servir o jantar a essas horas todas as noites. Sei que as pessoas que vivem na Europa jantam tarde, mas nós não. Mesmo assim, ele é o chefe, suponho. Terei que seguir suas ordens até que Ali retorne. Mas sentirei falta de meus programas favoritos. Oh, Oh. Ouço alguém fora. Acho que voltou. Tenho que desligar, anjo. Vejo-te esta noite. “Esta noite”, pensou Samantha ao desligar o telefone. Já estava desejando que chegasse essa noite, mas também a temia. - Sou uma idiota! - exclamou justo quando seu celular voltava a tocar. - Sim? - Sam, sou eu, Gerald. Um passarinho me disse que havia retornado. Olhe, poderia arrumar isso sozinho. Um dos potros se escorregou na lama e machucou uma pata. Preciso de alguém que o mantenha tranqüilo enquanto o costuro. Você poderia vir? Parece ter um toque especial com os potros. Samantha estava encantada por fazer algo. A idéia de ficar sentada em casa ficando nervosa por essa noite não a agradava. - Ali estarei - respondeu. - Genial! Vejo-te agora. Samantha voltou a vestir a jaqueta, sentindo-se muito melhor. Trabalhar com cavalos sempre tinha feito com que se sentisse bem. Porque lhe dava bem. Ninguém poderia lhe tirar isso. “Ao diabo com os homens”, pensou enquanto se dirigia para a porta. Capítulo 3 A escuridão caiu bem antes das oito. Os dias eram curtos nessa época do ano, e a temperatura descendia grandemente nada mais ficar o sol depois da cordilheira, sobre tudo em noites como essa, quando não havia nuvens. A lua enche iluminava a paisagem, banhando o vale com sua luz e fazendo que a enorme casa Branca destacasse ainda mais na colina. Samantha saiu de justo às oito, sabendo que lhe levaria outros dois minutos retornar com o carro à intercessão do caminho e logo subir até a casa principal. Estava decidida a não chegar às oito
  14. 14. em ponto, como havia dito o sheik. Mas tampouco queria chegar tarde e parecer uma mal educada. Também estava decidida a não ceder à tentação e vestir-se especialmente para esse jantar. Os outros considerariam estranho. Estavam acostumados a seu modo de vestir. Seu jeans azul estava limpo, assim como suas botas de montar elásticas. Seu pulôver negro de pescoço voltado era tão bom como se fora novo. Samantha colocou também sua jaqueta de couro negra para subir com o carro, mas a tiraria uma vez que estivesse dentro. Decidiu não usar maquiagem, apesar de ter atualmente bastante e de ser capaz de aplicar-lhe com soltura. Cleo não tinha descuidado um só detalhe antes de enviá-la na semana anterior a sua missão impossível particular. Demorou a subir a colina, observando o heliporto agora vazio com uma mescla de surpresa e irritação. O fato de que não tivesse ouvido o helicóptero decolar demonstrava quão distraída esteve toda a tarde. O aparelho era tremendamente ruidoso. A verdade era que quando voltou para casa, colocou a música a todo volume. Provavelmente o helicóptero partiu enquanto ela estivesse lá dentro. Desejava que tivesse sido assim. Não queria começar a pensar que lhe estava indo a cabeça. Os outros três membros do pessoal que foram ao jantar já tinham chegado quando ela estacionou o carro na zona de convidados a um lado da casa. O carro do Gerald estava estacionado entre o de Trevor e o de Ray. Estacionou junto ao carro do Trevor e deixou as chaves postas. Ninguém roubaria seu carro ali. Não levava bolsa. Nada de acessórios nem adornos aquela noite. Não como na semana anterior, em que não tinha feito mais que correr à penteadeira mais próxima a cada momento para comprovar que não a maquiagem não estivesse borrada. Sua imagem de menino ficou refletida na exasperada expressão do Cleo ao abrir a porta. - Sei que pinjente que não tinha sentido flertar com nosso visitante -murmurou Cleo fechando a porta atrás de Samantha - Mas, na verdade, anjo, um pouco de maquiagem não seria mau. Além disso, chegou tarde. Não acredito que ao Bandar faça graça. Estava me perguntando onde estava. A Samantha gostava da idéia de que ao sheik não lhe fizesse algo graça. Mas não demonstrou. Simplesmente encolheu os ombros e fingiu indiferença enquanto tirava a jaqueta e a pendurava no armário adjacente ao vestíbulo. - Só estou atrasada uns minutos. Suponho que todo mundo está na sala principal. - Sim, assim vá para lá o quanto antes. Tenho que me ocupar do assado - Cleo desapareceu a toda pressa, vestida aquela noite com um traje de cor verde esmeralda. Cleo era o mais afastado ao clichê de governanta que podia imaginar-se. Não tinha negros vestidos e o cabelo recolhido em um coque. Seu cabelo era curto, revolto e ruivo: Uma vez sozinha, Samantha olhou a sua direita, para as portas fechadas. Como todas as portas da casa, eram feitas de cedro e decoradas com relevos de estilo oriental. Depois dessas portas, sabia que se encontrava a sala de recepções, com sofás cheios de brocados e cadeiras dispostas ao redor de uma enorme chaminé de mármore. O fogo estaria aceso, fazendo que o mobiliário brilhasse e o abajur de aranha deslumbrasse como só um abajur de aranha podia fazê-lo. Samantha agarrou o trinco da direita e abriu a porta. - Ah, aqui está Sam - anunciou Gerald quando ela entrou.
  15. 15. Samantha ouviu histórias sobre pessoas em situações estressantes que imaginavam que tudo a seu redor parecia ficar imóvel de repente, como em um quadro. Possivelmente isso era ir muito longe, mas sentiu como lhe tremia todo o corpo. Observou Gerald, sentado em uma poltrona com uma taça de xerez; logo olhou Trevor e Ray, recostados no sofá principal com copos de cerveja; e finalmente advertiu ao homem que tinha que pé a um lado da chaminé, apoiado sobre o mármore com um ombro e com uma taça de brandy na mão direita. Se Samantha considerou antes o sheik como alguém sexy, agora o achava muito mais atrativo. Estava soberbo com suas calças negras e sua camisa de seda azul. Seguia sem ter aspecto de sheik, mas já não parecia cigano. Tinha o cabelo jogado para trás e a o rosto barbeado. Tinha um aspecto exótico. Samantha podia vê-lo fazendo o papel de um bucanero, muito endinheirado, a julgar pelo aspecto de suas jóias. Vários anéis adornavam seus dedos largos e elegantes. Tinha uma pedra negra no centro, outro um diamante e a terceira uma safira azul. Sem dúvida, todos eram autênticos. Um relógio de ouro rodeava seu punho esquerdo, e uma cadeia dourada pendurava ao redor de seu pescoço. Samantha sentia que não podia tirar os olhos de cima, não podia mover-se. Mas sim que havia movimento em seu interior. O movimento do sangue ardendo. A sensação não de estar gelada, mas derretendo-se. - Começava a pensar que lhe teria ocorrido algo - disse ele com certa impaciência na voz. - Não é muito provável. Sam não é esse tipo de garotas. Verdade, Sam? - E que tipo de garota sou, Ray? - perguntou Samantha, irritada pelo comentário e, de uma vez, agradecida pela distração. Ao menos isso lhe deu a oportunidade de tirar o olhar do sheik, fechar a porta e entrar na sala. - Não o tipo das que se metem em problemas - respondeu Ray. - Qualquer mulher pode meter-se em problemas - assinalou o sheik - Venha, servirei algo para beber - acrescentou fazendo gestos para que o seguisse junto a uma mesa sob a janela, onde Cleo sempre colocava as bebidas e as taças - O que quer beber? Licor? Vinho? Ou algo mais suave? Aquele brilho ao pronunciar a palavra “suave” era uma brincadeira para ela? - Não tem por que me servir - disse ela secamente - Sou perfeitamente capaz de me servir uma bebida. O sheik sorriu. - Estou perfeitamente seguro disso - disse - Mas não se trata disso. Um cavalheiro sempre serve a uma dama sua bebida - acrescentou sem deixar de sorrir. Samantha apertou os dentes. Esse homem estava decidido a sair-se com a sua, usando sua autoridade para lhe dar ordens ou utilizando seu encanto. É obvio, os homens assim estavam acostumados a sair-se com a sua. Também estavam acostumados a desdobrar seus encantos com as mulheres. Cleo já tinha sido vítima disso. Mas agora era ela que corria perigo. Aquele homem era quase irresistível quando sorria assim. E sabia! Aquele último pensamento fez que Samantha decidisse não render-se a seu encanto. Possivelmente tivesse sido distinto de ter sido ele um homem normal. Mas babar por um playboy
  16. 16. multimilionário não só ia contra seus princípios, mas também era uma perda de tempo. Muito mais que sua escapada à Costa Dourada. - Uma taça de vinho branco - disse ela como se não desse importância ao que bebesse, ou com quem bebesse. Mas, enquanto observava como tirava a garrafa do Chardonnay da hielera e o servia em uma taça, seu corpo traidor se negou a obedecer a sua cabeça. Estar de pé a tão pouca distância dele fazia que se sentisse estranha. Não só tinha lhe acelerado o coração, mas também tinha os nervos a flor de pele. Nunca antes foi consciente de como cheirava um homem, talvez porque os homens com os que se relacionava cheiravam a cavalo. Bandar não cheirava a cavalo. Nem um pouco. O aroma que emanava seu corpo era tão exótico como ele mesmo: algo especial, sensual e sexy. Oh, sim, muito sexy. - Me disseram que este vinho provém de um excelente vinhedo local - disse enquanto lhe entregava a taça. Ela se girou para aceitá-la e seus olhares se encontraram uma vez mais. Samantha sabia o que ele estava pensando. Que tipo de mulher seria aquela que não se preocupava com sua aparência? Sentiu-se envergonhada e arrependida por não ter se esmerado arrumando-se para esse jantar. Sua língua saiu em sua ajuda, como sempre fazia quando se sentia vulnerável em companhia de homens. - Pensei que os muçulmanos não bebiam - disse rapidamente quando o sheik voltou a agarrar sua taça de brandy. - Alguns - respondeu ele depois de dar um gole - O mundo está cheio de gente imperfeita. Mas eu não sou muçulmano. - Ah - disse ela desconcertada - Perdão. Simplesmente o tinha dado por feito. A maioria são. - A maioria do que? - A maioria dos árabes. - Alguns árabes são cristãos - assinalou ele - Alguns são judeus. Alguns inclusive são budistas ou ateus. Mas eu tampouco sou de esses. - Então o que é? - Sou quem sou. - E isso o que é? - Só um homem chamado Bandar. - Um sheik chamado Bandar - acrescentou ela. Samantha odiava a falsa modéstia. Ele não era um homem normal. Para começar, era multimilionário. - Sim, sou sheik. Mas não é mais que um título herdado. Prefiro não lhe dar muita importância. Algumas das pessoas que me relaciono em Londres gostam de referir-se a mim como sheik porque faz com que se sintam importantes. Mas estou certo de que você não é dessas. Assim, por favor, me chame Bandar. - Está bem - disse Samantha encolhendo os ombros - Aqui na Austrália chamamos todo mundo por seu nome. Salvo possivelmente ao primeiro-ministro. - E como o chamam?
  17. 17. - Depende se estivermos contentes com sua política ou não - respondeu ela, sentindo-se mais cômoda com esse tipo de conversação. Era assim como se comportava quando estava em companhia de homens. Mostrava-se descarada e nada vulnerável. Ele ficou olhando-a e logo negou com a cabeça. - Acredito que tenho muito que aprender dos australianos – disse - É uma pena que só vou ficar aqui três semanas. Acredito que me levaria muito mais tempo compreender sua cultura. - Muita gente pensa que os australianos não têm cultura absolutamente. - É uma mulher muito pouco corrente. Falaremos mais tarde, durante o jantar. Mas, por agora, há certas coisas que eu gostaria de lhes dizer. Sente-se - ordenou antes de retornar junto à chaminé. Samantha se sentou. Havia um tempo e um lugar para rebelar-se, e aquele não era um deles. Além disso, sentia que precisava sentar-se. Sua confrontação verbal com Bandar a deixou débil, como se tivesse esgotado toda sua resistência. Embora não lhe importasse realmente. - Obrigado por aceitar jantar comigo esta noite - começou ele de maneira formal e séria - antes que vamos ao comilão para jantar, há certas coisas que eu gostaria de esclarecer. Primeiro, quero assegurar que o príncipe Ali tem plena confiança em vós. Não me pôs no comando para interferir no funcionamento geral da granja, a não ser para tomar decisões se é que terá que tomar. Por sorte, não é uma época muito ocupada. A época de iluminação das éguas em seu país não começa até agosto. Mas os purasangres são criaturas sensíveis, famosas por causar problemas inesperados. Se surgir algum problema, por favor, digam-me isso Tenho muita experiência no mundo da cria e o treinamento de cavalos de corridas. Não há nada que não saiba sobre este negócio. Samantha tratou de não olhar com desdém ao escutar esse comentário bem egocêntrico. Já sabia que Bandar era arrogante. Mas, francamente, havia alguém no mundo que soubesse tudo sobre cavalos? - E falando sobre minha experiência com os cavalos, sei que houve certo desconforto sobre o fato de ter montado o Smoking Gun hoje na pista. Você, Raymond, expressou certas reservas. Gerald também. E Samantha, que apareceu na pista no momento, parecia bastante alterada. Pensou que o que estava fazendo era arriscado e temerário. Deixou-o bem claro com suas palavras. - Continuo pensando exatamente o mesmo - disse ela sem duvidar um instante. Afinal, o que ele podia lhe fazer? Conseguir que a despedissem? Em qualquer caso, seu contrato acabaria logo. - Por que não me surpreende? - murmurou o sheik olhando-a com olhos brilhantes - Mas está enganada. Conheço esse cavalo e sei o que necessita para comportar-se bem. Comportou-se bem após, verdade? - Esteve como um cordeiro - disse Ray. - Entretanto, não continuará tão aprazível em poucos dias. Então, voltarei a montá-lo. Confio em que não haja mais objeções. Algum de vocês tem alguma pergunta? - perguntou olhando a Samantha. Ela agüentou o olhar sem intimidar-se visivelmente, o que foi um pequeno milagre. Por dentro estava tremendo.
  18. 18. - Ali pensava assistir a uma venda esta quarta-feira - disse Trevor - O dono de uma das granjas locais morreu faz seis meses. Sua mulher vai vender o tudo e a mudar-se à cidade. As éguas são de uma excelente qualidade. Algumas estão prenhas por lhes semeie de primeira classe. Sei que Ali estava muito interessado em assistir. - Entendo. Talvez telefone para ele para falar sobre isso. Se estiver de acordo, irei eu em seu nome. Mas possivelmente necessite de alguém que me leve. - Sam poderia levá-lo - sugeriu Gerald - Poderia dar uma olhada nas éguas ao mesmo tempo. Não lhe escapa uma, e tem bom olho para os cavalos. Samantha sentiu um tombo no estômago quando Bandar a olhou. - Parece-te bem, Samantha? Que pergunta era essa? Claro que não lhe parecia bem. Como ia pensar com claridade com ele a seu lado durante todo o dia? Sem saber como, conseguiu encolher os ombros como se lhe desse igual. - Você é o chefe - disse. Bandar sorriu e disse: - Lhe farei saber isso antes de amanhã de noite. Agora, acredito que é hora de ir jantar. Capítulo 4 A mesa do comilão era enorme, capaz de dar de comer ao menos a vinte pessoas. Cleo só vestiu um extremo: obviamente seu convidado queria presidir a mesa, com dois serviços mais a cada lado. Um enorme vaso com flores frescas estava na metade da mesa, o que significava que seria completamente inútil para ocultar-se atrás dele. Samantha se apressou a sentar-se em uma das cadeiras mais afastadas da cabeceira da mesa, sentindo-se aliviada ao ver que Gerald se sentava a seu lado, com Ray e Trevor ocupando as duas cadeiras da frente. Bandar se acomodou presidindo a mesa, lhe dirigindo um olhar fulminante enquanto estendia seu guardanapo. Ignorando-o, Samantha desenrolou seu próprio guardanapo lentamente e a colocou no regaço sem deixar de olhar para a porta que esperava que Cleo aparecesse a qualquer momento. Assim o fez, levando uma bandeja carregada com terrinas de sopa. - Decidiste servir um primeiro prato finalmente? - sussurrou Samantha quando Cleo lhe colocou a terrina diante. - Deveria saber ao ver a disposição do faqueiro - respondeu Cleo. Samantha não queria lhe dizer que o faqueiro foi a última coisa que olhou ao sentar-se à mesa. - Espero que o menu seja de seu agrado, Bandar - disse Cleo quando retornou ao comilão com uma bandeja com pão - É uma das comidas favoritas de Ali. Sopa de batata-doce e porro seguida de cordeiro assado e bolo de marmelo. Também caseiro, é obvio. Temos um marmelo na granja - acrescentou com orgulho na voz. - Entendo que Ali não goste de viajar - respondeu o sheik - Aqui cuidam muito bem dele. - Que coisas diz -disse Cleo, e inclusive lhe deu um tapinha no braço-. Oh, Deus, me esqueci do vinho! Irei buscá-lo. - Que o meu seja tinto - gritou Gerald enquanto Cleo retornava à porta que dava à cozinha. - Abri os dois - respondeu ela por cima do ombro.
  19. 19. - Ali me disse que sua governanta era um tesouro - disse Bandar enquanto Cleo estava fora da sala - Entendo o que queria dizer. É como um sopro de ar fresco. Em outras circunstâncias, trataria de levar isso comigo. - Não teria possibilidade de fazer isso sob nenhuma circunstância - disse Samantha - Cleo nunca abandonaria Ali nem a sua família. Nem a Austrália. - Surpreender-te-ia saber quantas coisas se convertem em irrelevantes com a oferta apropriada de dinheiro - disse ele. Nessa hora, Cleo reapareceu na sala com uma garrafa de vinho branco em uma hielera e um decantador com vinho tinto. Colocou ambos sobre a mesa para que estivessem ao alcance de todos. - Se te pagasse um milhão de dólares ao ano, Cleo - disse Bandar - iria comigo a Londres? - Como o que? -perguntou Cleo com um sorriso. - Como minha chef pessoal. - Sinto muito. Se houvesse dito amante, possivelmente o teria considerado. Todo mundo riu, inclusive Samantha. Mas não por muito tempo. Logo ficou ali sentada, olhando a sopa e desejando poder ser como Cleo. Aquela mulher nunca se tornava atrás ante nada. Era muito boa com as pessoas, e tinha um senso de humor excepcional. Era uma pena que Norm e ela não tivessem tido filhos. Teria sido uma mãe maravilhosa. Aquele último pensamento deu passo a suas próprias aspirações de ser mãe. Com sorte, aquilo seria possível. Samantha sabia desde fazia anos que poderia ter problemas na hora de ficar grávida. Suas regras eram muito irregulares quando não estava tomando a pílula. Inclusive se tivesse um filho algum dia, seria uma boa mãe? E se tinha uma menina? Uma menina necessitava uma mãe que fosse feminina, que pudesse lhe ensinar a agir como uma garota. Como ia lhe ensinar isso se nem sequer ela mesma podia fazer? - Não gostou da sopa? A pergunta de Cleo trouxe Samantha ao mundo real, onde descobriu que todo mundo tinha terminado a sopa, mas ela continuava seguia ali sentada, sem ter provado apenas. - Oh, sinto muito, Cleo. Sim, está muito boa. Simplesmente estava sonhando acordada. Deixe isso aqui. Prometo-te que terminarei isso. - Não - disse Cleo lhe tirando a terrina - Perdeste sua oportunidade. Judy tem o seguinte prato preparado. Colocou um prato para Samantha antes que pudesse pigarrear. Cheirava deliciosamente e tinha um aspecto excelente, mas Samantha tinha perdido o apetite. Suspirou enquanto segurava a faca e o garfo, sabendo que teria que comer um pouco ou, do contrário, Cleo se zangaria com ela. Aquele jantar estava resultando ser pior do que tinha imaginado. E o que aconteceria na quarta-feira? O que faria se Bandar queria que fosse com ele à venda? Teria que passar o dia inteiro a sós com ele. Samantha levava tempo sem estar contente com ela mesma. Entretanto, quando estava perto do sheik, desprezava-se. Se Cleo tivesse vinte e seis anos, estivesse solteira e em sua posição, não teria ido vestida com jeans e o cabelo recolhido com um coque. Cleo teria se arrumado convenientemente. Teria adulado o sheik, teria flertado com ele e passaria bem. Ele teria ficado encantado e provavelmente acabaria levando-a com ele a Londres. Ao menos à cama.
  20. 20. Seria bom na cama. Não, seria muito bom. Sabia que nunca descobriria, mas, pelo menos, podia pensar nisso. Pensar nele. Observou Bandar, sentado à cabeceira da mesa, conversando com o Gerald, que não parava de fazer perguntas sobre os cavalos de corrida na Inglaterra. Ao parecer, Bandar possuía um grande número de campeões, o que demonstrava quão rico era. Começou a comer o cordeiro e olhava de vez em quando ao prato, mas sua cabeça seguia girada ligeiramente para o Gerald. - Comprou Smoking Gun quando era potro? - perguntou Ray de repente. Quando Bandar levantou a cabeça e a pegou olhando-o, Samantha quis que a terra lhe engolisse. Bandar a observou por um instante com os olhos entreabertos antes de deixar a faca e o garfo e olhar para Ray. - Não. Eu o criei. Pirralho a quase todos meus cavalos. Isso me dá uma grande satisfação. - Deve ter começado com isto muito jovem - observou Gerald - Smoking Gun tem seis anos, e você não pode ter mais de trinta. - Obrigado pelo elogio, mas este ano completarei trinta e cinco. Samantha não surpreendeu que tivesse mais idade do que parecia. Eu rosto não tinha rugas, mas se via a experiência em seus olhos. - Herdei a granja de meu pai quando tinha dezesseis anos. Assim, sim, comecei jovem. - Foi sempre tão difícil? - perguntou Ray – Refiro-me ao Smoking Gun. - Absolutamente. Durante sua época como cavalo de corridas era muito dócil. Mas sua nova vida na granja o excitou. Mesmo assim, os homens podem compreender isso. Não há nada mais estimulante que esse momento na vida em que alguém descobre os prazeres da carne. E meu cavalo passou que fecundar várias éguas por dia ao mais absoluto celibato. Uma situação muito frustrante para qualquer um. Chegada a primavera, estará de maravilha. Por isso me disse Ali, tem um harém com as melhores éguas esperando-o aqui. - Claro que sim - confirmou Trevor - Sua agenda está muito apertada. - Um cavalo afortunado - murmurou Bandar observando brevemente a Samantha antes devolver sua atenção à comida. Samantha alcançou sua taça de vinho e deu um longo gole, dizendo a si mesmo que estava sofrendo de um ataque de imaginação hiperativa. Não havia mensagens ocultas em seu olhar. Não estava interessado nela. Não podia estar. Estava sendo uma parva. E, desde esse momento, nada do que o sheik fez ou disse poderia ser interpretado mal como um convite. De fato, ignorou-a, dirigindo-se sempre aos homens. Embora tampouco houve muita conversação. Na verdade, quando chegou a sobremesa, Bandar já parecia cansado. Esfregou as têmporas um par de vezes e franziu o cenho como as pessoas fazem quando não se sentem bem, ou quando lhes passava algo pela cabeça. Depois de comer menos da metade da porção de bolo que Cleo lhe serviu, deixou o garfo no prato e ficou em pé. - Devo me desculpar – disse - Parece que a defasagem do horário me pilhou de repente e devo me retirar. Falarei com Cleo antes de ir. Assegurarei-lhe que não foi sua comida. Boa noite a todos. Ver-lhes-ei pela manhã. Inshallah - acrescentou antes de ir-se. - Vá! - exclamou Gerald - Isso foi um pouco grosseiro. Não lhe aconteceria nada se ficasse até o café.
  21. 21. - Não tinha bom aspecto – disse Samantha, chateada com Gerald por ser tão pouco pormenorizado. Por acaso não via que Bandar estava esgotado? O jato lag era conhecido por atacar de repente. Embora ela não o experimentara nunca. Não tinha saído da Austrália. Outro assunto do que se ocuparia em um futuro próximo. Diziam que viajar abria a mente. Lhe cairia bem. Inclusive tirara o passaporte no ano anterior, depois de deixar o trabalho com Paul, mas não estava muito segura do que ia fazer. - O que foi essa palavra árabe que ele disse? - perguntou Trevor - Insha algo? - Não tenho nem idéia - respondeu Gerald - Nunca ouvi Ali dizer. - Pergunte a ele - disse Trevor a Gerald. - Pergunte você - respondeu Gerald. - Oh, pelo amor de Deus, que mais dá? - disse Samantha irritada – Vai embora no fim de junho. Só vai ficar três semanas - Graças a Deus - murmurou Ray - Não se parece em nada com Ali. Samantha esteve a ponto de abrir a boca para defendê-lo outra vez, mas se deteve. Não queria que outros pensassem que gostava. Já era suficientemente mau que fora certo. Na quarta-feira reapareceu em sua mente enquanto conduzia de volta a sua casa pouco depois. Seguia sem querer ir com ele? A resposta apareceu em sua cabeça ao tombar-se na cama, sozinha, aquela noite e começou a fantasiar com Bandar. Apesar de temer ficar como uma parva se ficasse a sós com ele, Samantha desejava ir, embora só fora para continuar sentindo as coisas que a fazia sentir. E pensar as coisas que a fazia pensar. Coisas excitantes. Coisas sexuais… Em sua cabeça, os dois estavam montando a cavalo. Bandar ia sobre um grande puro-sangue de cor cinza e ela sobre uma égua cor avelã. Detinham-se junto ao rio, onde ele a descia do cavalo e a sujeitava enquanto percorria seu rosto com o olhar. Beijava-lhe desesperadamente, não uma, mas várias vezes. Samantha estava sem fôlego para quando ele levantava a cabeça. Começava a desabotoar os botões de sua blusa um por um. Debaixo, não usava nada. Bandar não falava enquanto a despia até a cintura. Simplesmente a olhava. Observava como seus mamilos endureciam sob seu olhar. Samantha desejava que lhe tocasse os seios, mas não o fazia. Deitou-lhe sobre a erva e lhe tirava o resto da roupa. O dia era ensolarado, mas não caloroso. Mesmo assim, ela não tinha frio. Seus tremores eram de desejo. Dizia seu nome enquanto ele tirava a roupa. Seu corpo era formoso. Deitou junto dela sobre a erva e começava a acariciá-la. Ela não podia suportá-lo. Desejava senti-lo dentro. Dizia e ele sorria. Seguia tocando-a, torturando-a. Ela gemia de frustração. Dizia-lhe que o amava… - Que tolice! - murmurou Samantha enquanto se incorporava e golpeava o travesseiro com frustração. De acordo, Bandar era atrativo, sexy e sofisticado; tudo o que um amante de fantasia devia ser. Mas os sentimentos que despertava nela não tinham nada que ver com o amor. Talvez ela tivesse pouca experiência, mas era uma garota inteligente e vivia no século XXI. Porque não houvesse sentido esse nível de atração sexual antes não significava que não soubesse reconhecê-lo.
  22. 22. Era a luxúria que estava fazendo que sua cabeça desse voltas e que o coração acelerasse quando estava perto do sheik. Não era amor. Samantha voltou a deitar-se, satisfeita por ter esclarecido situação. Mas saber o que estava torturando-a não fez com que fosse mais fácil suportar. Deixar que sua cabeça se enchesse de fantasias tampouco ajudava. Quanto antes retornasse esse homem a Londres, melhor. E quanto antes ela retornasse a Sidney, melhor. Tinha que seguir com sua vida. A vida real. Não aquela fantasia absurda. Até isso ocorrer, precisava atuar com pragmatismo, além de com sentido comum e compostura. Não tinha por que alterar-se quando fora com Bandar na quarta-feira. A única coisa que tinha a fazer era seu trabalho, e manter sua parte emocional sob controle. Poderia fazer isso. Enquanto isso, essa noite deixaria de pensar em encontros sexuais imaginários com o sheik. Samantha acendeu o abajur de sua mesinha de noite e alcançou um livro que estava acostumada a ler na hora de deitar-se. Era um thriller complicado cheio de assassinos e agentes governamentais. O melhor de tudo é que não havia nenhuma pingo de romance nele. Perfeito. Levantou-se, colocou um par de travesseiros atrás dela e começou a ler. Capítulo 5 O mês de junho no leste da Austrália era o primeiro mês do inverno. Nessa época do ano, na zona norte do Hunter Valley, a temperatura pelas noites estava acostumada a estar baixo zero, com geadas de madrugada. Mas então saía o sol e a temperatura voltava a subir, normalmente até os vinte graus. Quarta-feira prometia ser um desses dias. Samantha despertou cedo, quando a geada ainda cobria o chão e o sol não tinha saído. Nesse momento, um imediato tombo no estômago lhe recordou que sim, era quarta-feira. E sim, ia passar o dia com Bardar. Sua ausência na granja no dia anterior tinha suposto uma pausa a Samantha. Mas, quando a telefonara pela tarde, lhe informando de que iria à venda e que devia passar para pegá-lo às nove da manhã, todas as suas decisões pragmáticas desapareceram. Havia-lhe flanco dormir. Leu até altas horas da madrugada e, de fato, terminou o livro antes que o esgotamento pudesse com ela. Mas ali estava, outra vez acordada, e só eram as cinco e meia. Faltavam três horas e meia até ir pegar Bardar. Samantha tinha a sensação de que foram as três horas e meia mais longas de sua vida. Tinha razão. Não só foram as mais longas, mas também as mais difíceis. O sentido comum lhe dizia que não fizesse mudanças drásticas em seu aspecto. Mas o que era o sentido comum comparado com a vaidade feminina? Finalmente, tinha feito algumas mudanças. Mas não em sua roupa. Usou o jeans mais velho e cômodo que tinha, junto com uma camisa azul e vermelha de manga comprida. Mas emprestou especial atenção ao seu rosto. Queria parecer o mais natural possível. Mas também queria ter bom aspecto.
  23. 23. Em vez de usar uma base, que teria sido muito evidente à luz do dia, aplicou-se uma nata hidratante com filtro solar que a garota dos cosméticos havia dito que suavizaria seu tom de pele, além de dissimular suas sardas. Samantha se sentiu satisfeita com o resultado. Logo se concentrou nos olhos. Decidiu não usar sombra pela mesma razão que tinha ignorado a base. Muito óbvio à luz do dia. O rímel, entretanto, não seria. Então aplicou um par de capas, até que suas pestanas estiveram grossas e escuras, ressaltando o azul de seus olhos. O batom lhe supôs um dilema. Comprou tons muito chamativos para sua escapada: rosa escuro, vermelho e borgoña. O que precisava era algo mais parecido com a cor de seus lábios. Afinal, aplicou-se um pouco de vaselina. Menos era mais. 0 isso dizia. Vacilou uns instantes com o perfume. Devia ou não usar um pouco da fragrância de desenho que tinha comprado também para sua escapada? -Possivelmente um pouco - disse a si mesma enquanto alcançava o frasco e colocava um pouco detrás das orelhas. Finalmente teve que tomar uma decisão sobre seu cabelo. Já tinha secado, e a franjas sabiamente cortadas lhe davam um aspecto surpreendentemente estiloso. Tinha que admitir que ficava bem ao redor do rosto. Mais que bem, estava sexy. Aquele último pensamento foi suficiente. Imediatamente recolheu o cabelo com um coque. Uma coisa era ter bom aspecto e outra muito distinta tentar parecer sexy. Esse era o caminho para ficar como uma parva. O velho relógio da cozinha finalmente anunciou que era hora de ir. Com mariposas dançando em seu estômago, Samantha agarrou sua jaqueta de vaqueiro e se dirigiu para a porta. Às cinco para as nove estava estacionando o carro junto à casa principal. Cleo não abriu a porta, como Samantha esperava. Foi Bandar quem fez, levando uma cesta de piquenique consigo. Já não parecia cansado. Parecia fresco e fabuloso com seu jeans negro e seu pólo branco. Samantha observou que não usava anéis, mas sim um incrível relógio de prata. Tinha o cabelo ligeiramente úmido, dando passagem a uma imagem que Samantha tentou imediatamente controlar, mas não pôde. Pensar nele nu, na ducha, não acalmava as mariposas que habitavam em seu estômago. - Cleo disse que não darão comida na venda - explicou ele quando Samantha ficou olhando a cesta de piquenique - Preparou-nos algo de comer. Disse que nosso destino é uma propriedade muito pitoresca, com muitos rincões bonitos para um piquenique. - De acordo – disse Samantha dissimulando seu pânico - Vamos? - Sou todo seu. - Será melhor que coloque a cesta na parte de trás - disse Samantha enquanto subia a seu todoterreno - Parece que Cleo preparou comida para um regimento. - Vamos com pressa? - perguntou Bandar ao subir no carro e ver que Sam começava a fazer manobras - O leilão não começa até uma da tarde. - Trevor me deu um catálogo. Assinalou as éguas que acredita que vale a pena comprar. Há dez. Uma revisão completa de dez éguas me levará toda a manhã. - Eu decidirei quais éguas revisará - disse Bandar - E por quais puxarei.
  24. 24. Samantha apertou os dentes, mas por dentro se sentia agradecida. Quando Bandar agia assim, não o achava atrativo absolutamente. A única coisa que queria era lhe dar um soco na boca. - A que distância longe está essa granja? - perguntou ele quando chegaram à estrada e Samantha girou para a esquerda, dirigindo-se para o Scone. - A uns trinta minutos. - Já esteve lá antes? - Não. - Mas sabe o caminho? - Ray me deu indicações. - Algumas mulheres não se esclarecem com as indicações. - E a maioria dos homens sim? - respondeu ela lhe dirigindo um olhar feroz. - Como disse quando nos conhecemos, você é uma mulher muito impertinente. Mas eu gosto de todos os modos - acrescentou ele. - Supõe-se que tenho que estar agradecida por isso? Samantha podia sentir seus olhos postos nela, mas seguiu olhando a estrada que tinha adiante. - Não sabia que te caísse tão mal. - Não me cai mau – disse ela - Simplesmente… eu não gosto de sua atitude. - Que atitude é essa? - Em meu país, é de má educação passar por cima das opiniões de outros. - Passar por cima das opiniões? - repetiu ele - É uma expressão interessante. Mas eu não fiz isso. Simplesmente ressaltei minha autoridade. Ali me pediu que fosse à luta em seu nome. Devo fazer o que acredito que é melhor. - Ali escolheu seus empregados por sua experiência. Ele os escuta. Com todo meu respeito, Trevor sabe mais das éguas australianas que você. Sentir-se-ia mal se ignorasse seu conselho. - Entendo. Sim, entendo. Nesse caso, darei uma olhada no que marcou no catálogo. Mas não puxarei por elas se eu não gostar. - Ou se eu encontrar algum defeito físico nelas - acrescentou Samantha. - Não me ocorreria puxar por uma égua que você não aprovasse cem por cento. - Então não puxará por muitas. Não há muitas éguas perfeitas por aqui. Terá que se conformar com as que sejam bastante boas. - Conformar-me-ei com o que você me disser, Samantha. Parece-te justo? - Mais que justo. De acordo, por que não dá uma olhada ao catálogo enquanto estamos no caminho? Está no porta-luvas. Pode ver o que marcou e comprovar se se interessa por algo. Há alguma idade que prefira? - Jovem - disse ele abrindo o porta-luvas e tirando o catálogo - Eu gosto de jovens. E eu gosto que tenham praticado na pista. Isso garante que têm o temperamento necessário. Muitas das éguas que não correram se mostram tímidas e dissimuladas. - Estou de acordo contigo. As éguas dissimuladas não são boas mães. - Éguas dissimuladas? Dizem coisas muito curiosas por aqui. - Não faz idéia. Estou segura de que vocês também dizem coisas curiosas. De fato, na outra noite disse algo que despertou curiosidade. Insha algo. - Inshallah.
  25. 25. - Sim, isso. O que significa? - Significa a vontade de Alá. A vontade de Deus. - Isso soa religioso. Disse que não foi religioso. - Eu não gosto das religiões inventadas pelo homem. Mas acredito em Alá. E na outra vida. Se não crie nisso, tudo é tão inútil… Viver. Morrer. Sobre tudo morrer. - Sei o que quer dizer - disse Samantha - Minha mãe morreu pouco depois que eu nasci. Seria triste pensar que não está em alguma parte, me observando. Mas não falemos da morte. É um tema deprimente. Temos um dia formoso pela frente, fazendo o que os dois mais gosta de fazer. Olhar cavalos. - Já me conhece bastante bem - disse ele com um sorriso. - Conheço os cavaleiros. Seguro que são iguais em todo mundo, sejam ricos ou pobres. - Sem dúvida. Para um cavaleiro, os cavalos o são tudo. Eu não poderia viver sem eles. - Com seu dinheiro, nunca teria que fazê-lo. - Certo - disse ele - O tema está em seguir vivo. - Não acredito que vá morrer logo. A não ser que quebre o pescoço montando no Smoking Gun. Quando a olhou e riu, Samantha começou a relaxar e sentiu que a tensão em seu estômago diminuía. Começava a ver o dia que tinha pela frente de outra maneira. Seria todo um desafio selecionar as éguas boas, e seria interessante comprovar se Bandar sabia tanto de cavalos como dizia. Ao mesmo tempo, ela tentaria não pensar nele como em um homem sexy, mas sim como em outro amante dos cavalos. Um amante dos cavalos muito rico, na verdade. Mas havia muitos de esses por aí. Relacionou-se com muitos donos multimilionários de cavalos de corrida em Sidney. Nunca se sentiu atraída por eles como se sentia por Bandar, mas tinha invejado uns quantos. - É muito afortunado, Bandar, por poder se permitir comprar qualquer cavalo que queira. Espero que saiba. - Na verdade nunca tinha pensado nisso. Um homem nasce rico ou pobre. Depois disso, depende dele fazer de sua vida o que queira fazer. Desde que meu pai morreu, incrementei minha riqueza grandemente com meus próprios esforços. Acredito que ganhei o direito a comprar o que quiser. Samantha não queria discutir com ele, mas considerava que seria uma vantagem nascer sendo rico. - Um dia - disse ela - irei a um leilão e me comprarei um potro fabuloso. - Não uma potranca? - Oh, não. Prefiro os potros. - Os potros bons custam muito - disse Bandar. - Ganho um bom salário. E um dia terei minha própria clínica veterinária e ganharei muito mais. - Tem ambição. - Esse país permite que as garotas tenham ambição - assinalou ela. - Devo recordá-la de que vivo na Inglaterra? - Pode, mas continua sendo um sheik árabe, nascido em uma cultura muito distinta. Não faz muito tempo, teria um harém cheio de amantes pulseiras. E não pensaria que estivesse mau.
  26. 26. - Tem razão. Ter um harém de amantes pulseiras é uma idéia interessante. Por natureza, o homem não é monógamo. Aos muçulmanos ainda se os per coloca ter quatro algemas. - Mas você não é muçulmano. - Nem sou muçulmano, nem estou casado. - Tem noiva na Inglaterra? - Tenho três amigas. - Três! E lhes parece bem? - Não se queixaram. Samantha supunha que não ganhou sua reputação de playboy por nada. Mas três “amigas” de uma vez era muito. Era asqueroso. - E o que você tem, Samantha? Tem noivo? - Neste momento não - respondeu ela. - Parece-me que você não gosta de muito os homens. -Sim eu gosto dos homens. - Mas não mais que os cavalos. - Disse a frigideira à chaleira: não se aproxime, que me suja. Você gosta dos cavalos mais que as mulheres. Se você gostasse das mulheres, não as trataria tão mal. Mas acredito que deveríamos mudar de assunto antes que me zangue com você. Temos que passar o dia juntos, assim será melhor falar de cavalos e nada mais. De acordo? Quando olhou, Bandar parecia totalmente irmã aceso, como se não soubesse como interpretá-la. - De acordo - prosseguiu ela - Não sou uma garota muito normal. Sempre contradigo e sou difícil às vezes. Mas também sou sincera e direta, o que espero que compense muitos outros defeitos pessoais. E que me cai bem, Bandar, apesar de sua questionável moral. Qualquer homem que ame os cavalos tanto como eu tem que ter coisas boas, embora ainda não esteja segura de quais são. Prometo me comportar melhor o resto do dia se você prometer não me contar mais costure sobre seu desagradável estilo de vida. Trato feito? - É impossível! - exclamou ele exasperado. - Sim, mas também vou conduzindo. Trato feito? - Não tenho um estilo de vida desagradável - disse ele. - Deita-se com três mulheres de uma vez. Não é certo? - Não, não é certo - disse ele indignado - Vou a suas camas em noites diferentes. Não as tenho na mesma cama de uma vez. - Oh, genial. Menos mal que o esclarecemos. Isso muda muito as coisas. - Eu também me alegro de ter esclarecido. Não quero que pense que sou um depravado. Samantha se rendeu nesse ponto. Esse homem era um depravado sem moral alguma. Perguntava-se como as arrumaria ali. Possivelmente já tivesse conquistado alguma das garotas dos estábulos. Só teria que estalar os dedos para que todas saíssem correndo. Algumas não estavam nada mal. Aquela cadeia de pensamentos não era nada agradável. Graças a Deus, chegou o desvio da granja de Valleyview. Precisava distrair-se com os cavalos. Algo com que pudesse tirar da cabeça a idéia de Bandar indo de uma cama a outra. A estrada em que se colocaram era má, cheia de sulcos e buracos.
  27. 27. - Como esta granja pode ser de qualidade? - queixou-se Bandar - Nem sequer podem permitir-se estradas em condições. - Esta estrada não é dela. Esta é uma estrada pública. Bem-vindo a Austrália! Capítulo 6 C LEÃO tinha razão com respeito à granja do Valleyview. Era um lugar muito pitoresco, com planícies e jardins rodeando a casa principal, lhes proporcionando um bom número de rincões onde preparar o piquenique. Além disso, tinha preparado uma comida deliciosa: frango frio, salada, pãezinhos recém feitos e um estupendo bolo de cenouras, junto com duas garrafas de vinho branco. Depois de três horas inspecionando as éguas marcadas no catálogo, tanto Samantha como Bandar estavam preparados para comer. Hospedaram-se sob uma árvore não muito grande, deixando que o sol se filtrasse entre suas folhas. Samantha se sentou com as pernas cruzadas em um extremo da manta que Cleo tinha preparado também. Bandar se sentou apoiando as costas no tronco da árvore, estirando as pernas frente a ele. - Foi genial - disse Samantha ao terminar o bolo - Tinha tanta fome, que comeria um cavalo. - Então menos mal que Cleo nos preparou muita comida - respondeu Bandar - Comer um cavalo por aqui poderia sair caro. Sobre tudo um dos que escolheste para mim esta manhã. - Oh, não sei. Poderíamos ter sorte e conseguir alguns deles por pouco dinheiro. - Não - disse ele terminando o vinho - Não acredito. - Sei que são éguas boas, e algumas correram nas pistas, mas, a verdade, Bardar - disse ela baixando a voz - a assistência hoje não foi muito grande. Suponho que virão mais compradores esta tarde. Mas havia muito pouca gente esta manhã inspecionando os cavalos. Vai haver muitas gangas neste leilão. Confie em mim. - Não estaremos aqui para o leilão desta tarde - anunciou ele inesperadamente, deixando a um lado sua taça antes de levantar-se. Samantha também ficou em pé, confusa ante o que estava passando. - O que quer dizer? Por que não estaremos no leilão esta tarde? - Já comprei as cinco éguas que selecionamos. Paguei por elas quando foi ao carro pegar cesta. - Pagou por elas? - repetiu Samantha - Quanto? - Dois milhões de dólares. - Dois milhões? - exclamou ela, fazendo que um grupo de gente próximo se desse a volta e os olhasse - Dois milhões por cinco éguas que não valem mais de cem mil cada uma? - A granja do Valleyview aceitou transportar os animais à granja de Ali como parte do negócio - disse ele friamente. - De verdade? Inclusive aceitariam mandar a Dubar pelo preço que pagou! - Cale-se - ordenou ele - Não é o momento nem o lugar para discutir comigo. Recolha a cesta. Falaremos na caminhonete. Samantha queria dizer a Bardar que ela era a veterinária do príncipe e não sua lacaia pessoal.
  28. 28. Mas ele já estava afastando-se pelo prado para o estacionamento. Não teve outra opção senão obedecer. Então guardou tudo na cesta, quebrando uma das taças de vinho no processo. Quando chegou ao carro, Bardar estava esperando-a junto à porta do co-piloto. Não disseram nada até estarem em seus assentos. - A razão pela qual se vem a um leilão é conseguir uma ganga! -exclamou ela - Não se paga de antemão, nem muito menos por cima do preço de mercado. Se tivesse me perguntado, poderia ter dito quanto valiam essas éguas. Não sabia que não tivesse nem idéia. Pensei que sabia tudo sobre cavalos! Certamente, Bardar tinha demonstrado um grande conhecimento ao examinar as éguas junto com ela. Sam tinha ficado fascinada pela calma com que os animais se mostravam ante ele enquanto os acariciava, lhes falando com mesmo tempo. - Minha querida Samantha - disse ele apertando a mandíbula - Uma ganga só é uma ganga se necessitar uma. Eu posso me permitir pagar mais, e o fiz. - Mas não estava utilizando seu próprio dinheiro. Estava comprando éguas para Ali. - Acredita que utilizaria o dinheiro de Ali para um negócio desses? Paguei por elas pessoalmente. Serão presentes para meus amigos. - Ah. Não sabia. Sinto muito. - Deveria senti-lo - acrescentou ele - É dessas mulheres que primeiro fala e depois pensa. Eu sempre tenho uma boa razão para fazer o que faço. Para que saiba, Ali mencionou ontem que a proprietária do Valleyview é uma anciã que está passando por sérias dificuldades econômicas. Seu defunto marido não era um bom homem de negócios. Dois milhões não são nada para mim, mas poderiam significar tudo para uma pobre viúva neste momento de sua vida. - Ah - uma vez mais, Samantha ficou desconcertada, e também envergonhada - Sinto muito - murmurou antes de levantar o queixo e lhe dirigir um olhar de exasperação - Mas deveria ter dito que essa era sua intenção desde o começo! - Não era minha intenção inicial. Foi uma decisão impulsiva. Pensava ficar e puxar por essas éguas no leilão, mas mudei de opinião. Se insistir em que seja sincero, e parece que aprecia muito a sinceridade, foi você que me fez decidir não ficar ao leilão. -Eu? O que tenho a ver com isso? - Acredito que já sabe - disse ele olhando-a aos olhos. Samantha começou a sentir como o coração lhe acelerava, golpeando com força suas costelas. - Não tenho nem idéia do que está falando. - Não acredito. É uma garota muito inteligente. Envergonha-te admitir a atração que há entre nós? - O que? - Não negue. A química esteve aí desde a primeira vez que nos vimos. Embora me fez duvidá-lo quando apresentasse ao jantar aquela noite como se acabasse de sair do estábulo. Pensei: “Que tipo de mulher é esta que não tenta realçar sua beleza natural?”. - Ja! - exclamou ela automaticamente - Não tenho beleza natural que realçar. Bandar colocou a mão no queixo e aproximou seu rosto do dela. - Acredita que seus olhos não são bonitos? - perguntou ele devorando-a com o olhar.
  29. 29. Samantha afastou a mão e sentiu como lhe ruborizavam as bochechas. - Não se atreva a me adular só para me levar para cama – disse - Sei o que pretende, senhor endinheirado. Teve que deixar atrás sua vida de playboy e a sente falta dela. Esteve a quase uma semana sem uma de suas três “amigas” e está um pouco desassossego. Pois eu não penso ser a solução a isso. Para sua informação, não deixo que os homens me usem. Sobre tudo os sheiks arrogantes com mais dinheiro que moral. Seu discurso pareceu surpreendê-lo tanto como a ela. Samantha não podia acreditar que estivesse fazendo aquilo. O homem de suas fantasias queria levá-la para cama e ela o estava rechaçando. Não só estava rechaçando-o, mas também o insultando de tal modo que jamais voltaria a sugerir. Podia ser tremendamente auto-destrutiva. Samantha estava tremendo dos pés à cabeça ao abrir a porta do condutor e sair do carro. Saber que o tinha jogado tudo a perder a punha mais furiosa. - Vou ao banheiro - disse ela - Quando retornar, vamos voltar para casa. Quando chegarmos ali, pode explicar aos outros por que não ficamos no leilão. Estou certa que Trevor adorará que tenha comprado alguns dos cavalos que recomendou e não lhe importará que tenha pago muito. Quando o deixar ali, irei diretamente para casa. Pode dizer às pessoas que tenho o estômago revolto. Estou certa de que acreditarão. Obviamente é um mentiroso estupendo! - concluiu, girando-se e afastando-se para o banheiro. Bandar apertou os dentes enquanto via como Samantha se afastava a toda velocidade. Jamais em sua vida alguém falou com ele desse modo. Ninguém se atrevia, e certamente não uma mulher. Não entendia por que desejava tanto a uma criatura tão impossível como aquela. Não só não era verdadeiramente bonita, mas também tinha uma língua viperina. Desde seu primeiro encontro, não tinha feito mais que atacá-lo com suas palavras e desafiá-lo. De repente acendeu uma lâmpada em sua cabeça. Sim, é obvio! Essa era a razão de sua estranha obsessão por ela. Samantha o desafiava. Bandar sempre gostou de desafios. Sempre gostou cavalos difíceis, para assim poder domá-los, por mais que lhe custasse. Mas nunca tinha encontrado um desafio em uma mulher. Até esse momento. Samantha estava resultando ser seu primeiro fracasso com o sexo oposto. Pelo espelho retrovisor viu como Samantha retornava, e parecia continuar zangada. Observou sua boca decidida, pensando como seria satisfatório saborear esses lábios. Seu sexo palpitou ao imaginar seu corpo nu. Tinha uma boa anatomia: seios altos e firmes, cintura pequena, pernas largas e magras. Estaria muito bem nua. Bandar apertou os dentes ao sentir o efeito físico que seus pensamentos lhe provocavam. Teria que controlar seus desejos no momento, ou arriscar-se a um abafado potencial. Mas não tinha acabado com essa mulher. Seria dela. Só era questão de encontrar a maneira correta de aproximar-se. Era uma pena que tivesse tão pouco tempo. Em menos de três semanas e teria que retornar a Londres. Talvez tivesse que ser desconsiderado.
  30. 30. Claro que já era bastante desconsiderado com as mulheres ocidentais. A maioria eram criaturas materialistas. Sempre fingiam desejá-lo pelo que era, embora em realidade quisessem seu dinheiro. Samantha seria suscetível ao dinheiro? Não podia parar de pensar nisso enquanto ela abria a porta e se sentava a seu lado. Não o olhou. Não disse uma só palavra. Simplesmente colocou a chave no contato e pôs o motor em marcha. A química sexual seguia presente, sem importar o quanto que ela queria aparentar o contrário. Podia apalpar-se no ar, fazendo que Bandar de repente tomasse consciência do perfume que Samantha tinha posto. Não usara perfume na outra noite. Por que teria posto aquele dia? Porque queria que ele o cheirasse. Queria que se sentisse atraído por ela. Então por que o tinha rechaçado? Bandar considerou as possíveis razões de seu comportamento contraditório durante o caminho de volta. Nada tinha sentido, a não ser que Samantha albergasse a idéia religiosa de que o sexo fora do matrimônio estava proibido. Isso também explicaria por que se alterou tanto ao saber o de suas três “amigas”. Mas, por alguma razão, a essa garota não parecia ter pensamentos religiosos com uma língua tão viperina como a sua. Não. Tinha que haver uma razão mais pessoal. Possivelmente algum homem lhe tivesse feito mal, algum mulherengo que a tivesse enganado e lhe tivesse feito perder sua confiança como mulher. Os cavalos que tratava mal estavam acostumados a voltar-se ariscos. Como Samantha. Estava considerando essa idéia quando lhe ocorreu outra possibilidade. E se ela fosse virgem? E se a idéia de deitar-se com um homem a aterrorizava? Bandar observou seu rosto e desprezou essa idéia imediatamente. Essa garota não parecia ter medo de nada. E isso com o que lhe deixava? Não tinha nem idéia. O única coisa que estava certo era de que Samantha se sentia atraída por ele. Sentiu mais de uma vez. Por sua parte, ele se sentia mais que atraído por ela. Sinceramente, não podia pensar em outra coisa. Inclusive quando esteve deitado na cama no dia anterior, sofrendo uma tremenda dor de cabeça, sua mente não podia deixar de pensar nela. Já não lhe doía a cabeça. Mas lhe doía o corpo. Doía pela necessidade que sentia e que tinha condenado à humanidade do Jardim do Éden. Em outro momento, em outro lugar, possivelmente teria se afastado. Mas não nessa ocasião. No fim do mês poderia estar morto. Pensamentos assim faziam que um homem tivesse prioridades. E também dava importância a seus desejos. Se morresse, nunca saberia o que seria ter a essa mulher entre seus braços, beijá-la e fazer o amor até o amanhecer. Bandar suspeitava que deitar com essa garota seria uma experiência única. Uma experiência que queria viver enquanto pudesse. Passou o resto do caminho de volta pensando em como seduzi-la. “Paciência”, disse-se a si mesmo. “Paciência”.
  31. 31. Embora enfrentar a morte iminente, despojava um homem de toda paciência, assim como de consciência. Samantha Nelson seria dele, sem importar o preço. Capítulo 7 As lágrimas escorregavam pelas bochechas de Samantha. Lágrimas lentas e tristes. Estava acurrucada no extremo do sofá de sua casa, vestida com seu pijama de flanela rosa e aferrando-se à xícara de chocolate quente que tinha entre as mãos. O sol se pôs fazia duas horas. A noite prometia ser fria, mas a calefação desprendia suficiente calor. A televisão estava ligada, mas não estava vendo. Estava sentada ali, pensando em quão patética era. Valente por fora, mas medrosa por dentro. Tinha medo de ficar como uma parva. Medo da parte mais importante de sua existência como mulher. Medo de estar com um homem. O caminho de volta a casa foi horrível, com Bandar sem dizer uma só palavra. Ela, é obvio, havia lhe devolvido o favor e se ficou calada. Uma vez em casa, desligou o telefone e o celular e se colocou na cama, completamente vestida, tampando o rosto com os lençóis em um intento vão de esquecer do mundo e da dor que alagava seu corpo. Chorou até pegar no sono e não acordou até quase o anoitecer, momento em que tomou um longo banho e pensou porque reagiu tão exageradamente ante a presunção de Bandar de que havia química entre eles. Afinal, deveria ter sido uma boa notícia. A princípio, conformou-se com a desculpa de que o que havia dito surtiu efeito. Ele não se sentiu afligido por seu desejo para ela porque fora algo especial. Simplesmente queria sexo, e ela era sua única oportunidade. Não, isso não era certo. Ela não era sua única oportunidade, mas sim a mais fácil. Por que? Porque tinha deixado claro que se sentia atraída por ele. Afinal, na noite do jantar, pegou-a olhando para ele enquanto comia. E certamente se deu conta das mudanças que se produziram em sua imagem. Ao menos sentiu seu perfume. Isso seria muito concludente para um homem com sua experiência. Logo estava o modo em que se comportou com ele enquanto inspecionavam as éguas. Tinha sido todos sorrisos e perguntas agradáveis. Possivelmente não doces, mas foi o único pôde conseguir. Para quando tinha chegado a hora da comida, não poderia ter culpado-o por acreditar que queria flertar com ele. E o que ela tinha feito? Ladrou como um cão raivoso. Certamente pensava que estava louca! O que não era certo. Simplesmente era uma covarde. Se pudesse voltar no tempo, atuaria de outra forma. Quando bateram na porta, Samantha sentiu saudades. Seria Cleo, seguro. A amável Cleo, preocupada se ela estivesse doente. Numa ocasião em que Samantha ficou na cama com gripe, Cleo foi todos os dias com sopa caseira e coisas para comer. Samantha deixou a xícara de lado e se apressou em secar as lágrimas com as mãos. - Já vou, Cleo - gritou ao voltar a ouvir o som na porta.
  32. 32. Mas, quando se dispôs a girar o trinco da porta, lhe ocorreu que Cleo disse algo depois de chamar a primeira vez. Tinha dito: “Olá. Sou eu, anjo”. Samantha sentiu um tombo no estômago ao ver de quem se tratava. O destino não poderia ter planejado uma cena mais humilhante. Estava vestido com uma calça bege e um pulôver azul claro. E ali estava ela, descalça, com um pijama de flanela, o cabelo revolto e os olhos inchados. - O que está fazendo aqui? - perguntou. Bandar a observou de cima a baixo com uma expressão de incredulidade que fez com que se sentisse mais incômoda ainda. - Cleo queria trazer algo de sopa antes de partir à cidade - disse ele mostrando o recipiente térmico que tinha na mão - Seu marido e ela vão toda quarta-feira a noite a algum clube. Disse que eu mesmo traria. Expliquei-lhe que queria me assegurar pessoalmente que estivesse bem. - Veio andando até aqui? - perguntou ela antes de olhar por cima de seu ombro e ver o carrinho de golfe que Jack utilizava para transportar às pessoas e as bagagens do heliporto à casa - Ah, já vi – murmurou - Veio no carrinho. Tirando compostura de alguma parte, endireitou-se e lhe tirou o recipiente térmico da mão, colocando-lhe diante como se de um escudo protetor se tratasse. - Como vê, estou bem – prosseguiu - Se por acaso não se lembra, não estava doente de verdade. Bandar a observou mais de perto. - Não está bem - disse soando tanto preocupado como surpreso - Esteve chorando. - Se chorei, não é assunto seu. - Sim é meu assunto - disse ele com firmeza - Vou entrar e vai me contar por que está triste. - Não vai entrar - respondeu ela, lhe negando a entrada colocando-se em meio da porta. Seu orgulho não permitiria que voltasse a humilhá-la. - Asseguro-te que sim. Se não se mover, levantar-te-ei do chão e te levarei dentro comigo. -Não se atreveria! - exclamou ela. - Descobrirá que me atrevo a fazer muitas coisas, Samantha - disse ele - Meu tempo aqui é limitado e me nego a perdê-lo me fazendo o cavalheiro. Sei que me deseja tanto como eu a desejo. Sei, Samantha. Talvez suas palavras digam uma coisa, mas seus olhos dizem outra muito diferente. - Está louco - respondeu ela. Mas era ela a quem estava louca. Bandar estava lhe dando uma segunda oportunidade e estava voltando a destruir tudo. - Isso não funcionará, Samantha. Posso ver através de sua fachada. Tudo é um farol. Sou um bom jogador de pôquer e sei quando meu oponente está mentindo. No fundo, deseja que a tome em meus braços e a leve para dentro. Quer que faça o amor até o amanhecer. É como um cavalo com medo da sela e que faz uma cena cada vez que alguém se aproxima. Se não soubesse que não é assim, pensaria que ainda é virgem. - Virgem? - exclamou ela totalmente desconcertada - De onde diabos tiraste essa idéia tão ridícula? “Do modo tão estúpido que está se comportando”, pensou para si. Mas se sentia incapaz de parar. Esteve brigando com o sexo oposto durante muito tempo.
  33. 33. - Não é virgem - disse ele com evidente satisfação - Isso é uma boa notícia. Se fosse virgem, teria enfrentado um dilema. Não me deito com virgens. - Oh, genial. Não se deita com virgens. Uma medalha para este homem! - Tem uma língua venenosa. Eu adoraria silenciá-la com a minha. - Realmente acredita que tem todas as papeletas, verdade? - Entendo o que quer dizer. E é certo. Mas você, Samantha, não acredita que tenha suficientes papeletas. Sim, agora vejo o problema com mais claridade. Deveria ter me dado conta antes. As pistas estavam aí. Acredita que não é bonita, de modo que também pensa que é impossível que eu a deseje. Acha que só quero usá-la. Mas se equivoca. Acho-a muito desejável. Excitou-me e intrigou-me desde o começo. Quero fazer o amor contigo mais do que desejei fazer com qualquer outra mulher em minha vida. Samantha simplesmente ficou olhando-o e sentindo como se o coração fosse sair pela boca. Talvez fosse tudo conversa, mas, mesmo assim, excitava-a. - Não tenho tempo para jogos - prosseguiu Bandar - Sugiro que diga que não agora se realmente está decidida a me rechaçar. Porque, assim que a tocar, será muito tarde. Samantha abriu a boca para dizer que não, mas não lhe saiu a voz. Parecia que seu corpo finalmente ganhou de seu cérebro. Quando Bandar estirou a mão para lhe tirar o recipiente térmico, ela o permitiu, observando atentamente como o deixava a um lado. Quando a tomou em braços, também o permitiu. Sem brigas, sem protestos. Com sua decisão de permanecer em silêncio, todo seu autocontrole a abandonou, deixando no lugar algo que nunca antes tinha experimentado, mas que achou delicioso. A rendição. Rodeou-lhe o pescoço com os braços e colocou a cabeça sob seu queixo, suspirando antes de pressionar seu pescoço com os lábios. - Assim está melhor - disse ele enquanto a levava para dentro e fechava a porta de uma patada. Bandar se deteve na metade do corredor, girando a cabeça para a direita para olhar seu quarto e à esquerda para olhar para o salão. - Seu quarto é muito pequeno e frio - anunciou dirigindo-se para o salão. Deixou-a de pé sobre o tapete e começou a desabotoar o pijama. - Não deveria ter posto o pijama de sua avó - disse enquanto lhe desabotoava os botões um a um - Deveria usar um pouco de cetim ou de seda sobre essa formosa pele. Quando chegou ao último botão, o estado de rendição da Samantha estava diminuindo e voltavam a aparecer em sua mente pensamentos temerosos. Certo, não era virgem, mas poderia ser. Não tinha nem idéia de como fazer o amor, nem de como deixar que o fizessem. O que se supunha que tinha que dizer ou fazer? A verdade. Tinha que lhe dizer a verdade. - Bandar… -O que acontece? -Não sou virgem - disse ela - mas tampouco tenho muita experiência. Ele ficou olhando-a durante uns segundos e logo sorriu. - Não se preocupe. Eu tenho suficiente experiência para os dois.
  34. 34. Rodeou-lhe o rosto com as mãos e a beijou brandamente, mordiscando-lhe o lábio superior com os dentes e umedecendo-lhe com a língua. Fez o mesmo com o inferior antes de levantar a cabeça. Entã, Samantha torcia a boca e lhe tremiam os lábios. Sentia os mamilos eretos e tensão no estômago e nas coxas. Bandar deslizou as mãos por seu pescoço, chegando até seus seios. Seus mamilos pareceram endurecer-se mais ante a espera de ser tocados, ou expostos. Ele agachou a cabeça e voltou a beijá-la, explorando sua boca com a língua enquanto lhe acariciava os seios com as mãos. Sentir os beijos de Bandar já era suficientemente excitante; notar suas mãos nos mamilos ao mesmo tempo era muito. A cabeça lhe dava voltas. Nesse momento, Bandar levantou a cabeça e separou as mãos. - Espere – disse - Não se mova. Só demorarei um instante. Samantha se moveu, pois não podia deixar de tremer ao sentir um forte calafrio por todo seu corpo. Bandar foi tão rápido como tinha prometido, retornando à sala com o edredom da cama e estendendo-o no chão frente ao fogo. - Não é a cama enorme que preferiria - disse ele - mas estaremos quentes e cômodos. Samantha não pensava que o calor fosse ser um problema. Ela já estava ardendo. - Vêm aqui - acrescentou Bandar. Samantha caminhou para ele como um robô, sentindo seus peitos nus sob o pijama desabotoado… Quando chegou até ele, Bandar levantou as mãos para tirar o cabelo do rosto. - Eu gosto que use o cabelo solto - murmurou ele, inclinando-se para beijá-la uma vez mais - Mas eu não gosto desta roupa que usa. Vou lhe tirar isso. Não tenha medo. Medo? Era o medo o que fazia que seu coração pulsasse com força? Ou era a mais incrível excitação? Samantha tomou fôlego quando Bandar terminou de lhe desabotoar o pijama e ficou olhando-a. Seu olhar era intrigante, sem dar pistas sobre se gostava ou não o que via. Ela não tinha razão para envergonhar-se de seu corpo, mas quem sabia o que Bandar preferiria? Possivelmente lhe excitassem os seios grandes e os ventres arredondados. Possivelmente não gostasse de seu estômago plano nem seus seios pequenos. Depois do que pareceu ser uma eternidade, tirou-lhe a parte de cima do pijama e a deixou cair ao chão. Seguiram as calças, deixando a de pé e nua frente a ele. Samantha custava a acreditar que estivesse fazendo isso. A antiga Samantha nunca teria tolerado semelhante situação. Nem em suas fantasias. A nova Samantha, a que se rendeu, estava totalmente entregue às sensações. Não se cansava de observar como seus olhos a observavam. Ficaria assim a noite toda se ele tivesse pedido. Bandar negou com a cabeça e disse: - Não tem beleza natural? É que não tem espelho? Se eu tivesse um harém, você faria parte dele. Está feita para o prazer dos homens, Samantha. - Para meu prazer – acrescentou enquanto a tomava em seus braços e a deitava sobre a colcha - Não se mova nem feche os olhos. Quero que me veja nu. Ela o observou com os olhos bem abertos e a boca seca enquanto ele tirava a parte de cima, ficando nu da cintura para acima. Tinha um corpo como Samantha imaginou: ombros largos,

×