Tema e Variação - Falando de Mozart e UAKTI

2.795 visualizações

Publicada em

Apresento neste documento um planejamento de aulas para alunos de flauta doce e/ou piano, explorando a forma musical Tema e Variação.

Publicada em: Educação
2 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.795
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
857
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
2
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tema e Variação - Falando de Mozart e UAKTI

  1. 1. TEMA E VARIAÇÃO Falando de Mozart e UAKTI Maria Virgínia Rietra Marzano
  2. 2. APRESENTAÇÃO  A partir da história sobre a vida e da apreciação de algumas obras para piano do compositor Mozart, levar às crianças informações sobre a forma musical Tema e Variações, estimulando a percepção da forma, os recursos e possibilidades utilizados para compor uma peça musical.  Num segundo momento as crianças terão a oportunidade de interpretar em seus instrumentos as canções “Ah! vous dirai-je maman”, canção popular francesa, e “Águas de Março”, de Tom Jobim. Através destas músicas podemos estimular a prática de música em conjunto, abordando as frases musicais, com jogos de pergunta e resposta e a proposta de realizar pequenos arranjos, utilizando instrumentos de percussão.  Partiremos então para a atividade de composição, reunindo todos os elementos estudados, para criar variações sobre um tema escolhido pelas crianças.  Objetivos Gerais:  Explorar a forma musical Tema e Variações.  Apresentar o compositor Mozart e algumas de suas obras.  Conhecer o trabalho do grupo UAKTI e a obra Tema e Variações sobre Águas de Março.  Incentivar a interpretação, a criatividade e estimular a composição musical.
  3. 3. APRESENTAÇÃO • Objetivos Específicos: • Conhecer a forma musical “Tema e Variação”. • Analisar e reconhecer os aspectos utilizados para compor as variações pelo compositor Mozart e pelo grupo UAKTI. • Conhecer a vida e a obra de Mozart. • Interpretar nos seus instrumentos as músicas sugeridas, observando as frases musicais, a dinâmica. • Criar arranjos para as músicas sugeridas, usando instrumentos de percussão e instrumentos criados pelos próprios alunos. • Explorar diferentes materiais e sucatas, descobrindo suas possibilidades sonoras e criar instrumentos a partir deste material. • Participar de uma atividade de composição, a partir de um tema escolhido pelos alunos.
  4. 4. APRESENTAÇÃO  Conteúdos:  A vida e obra para piano de Mozart.  A forma musical Tema e Variação.  O grupo UAKTI, seus instrumentos e sua música.  Tema e Variação com o grupo UAKTI.  Construção de instrumentos musicais.  Interpretação de melodias.  Composição e arranjo instrumental  Orientações Gerais:  Público Alvo – Crianças com idades entre 8 – 10 anos, que participem de aulas em grupo de flauta doce ou piano.  Duração – 5 a 6 aulas de 50 minutos.
  5. 5. SÍNTESE E CONTEXTUALIZAÇÃO DE LIVROS E CDS  Cadê a peruca do Mozart?  Sylvia Orthof  Editora Paulinas -1998  A autora escreveu este livro em 1991. Ela quis homenagear os 200 anos de morte do compositor Mozart. A história é divertida, cheia de surpresas, sem compromisso com fatos reais.  Mozart – Sonates pour piano  Daniel Barenboim  Gravadora EMI  2006  Ouviremos no CD a sonata em Dó Maior K - 545.
  6. 6. SÍNTESE E CONTEXTUALIZAÇÃO DE LIVROS E CDS  Le Piano – A la découverte d´un instrument  Editor : Gautier-Languereau (2 octobre 1996)  O livro faz uma viagem pelo mundo do piano, trazendo diversas informações sobre seu funcionamento, sua evolução, os grandes compositores e suas obras para piano e os grandes intérpretes. Vem acompanhado de um CD com obras de Scarlatti, Bach, Mozart, Beethoven, Schubert, Chopin, Schumann, Liszt, Brahms e Debussy.  Oiapok Xui – UAKTI  Ano: 2005  Selo: Sonhos e Sons  Oiapok XUI é o álbum do grupo brasileiro de música instrumental Uakti, que além de diversos temas de danças populares brasileiras, contém quatro variações da música "Águas de Março" de Tom Jobim. Formado por Marco Antônio Guimarães, Artur Andrés Riebeiro, Paulo Sérgio Santos e Décio Ramos, o conjunto é conhecido por utilizar instrumentos musicais não convencionais, construídos pelos próprios músicos.
  7. 7. JUSTIFICATIVA • A partir das idéias e propostas para Educação Musical, surgidas na segunda metade do século XX, podemos notar que os educadores buscaram privilegiar a criação e a escuta ativa, ao invés do ensino de música baseado somente na produção vocal e instrumental. • Segundo Schaffer (1986): “O grande problema da educação é o tempo verbal. Tradicionalmente, ela trabalha com o tempo passado.” No entanto, ele enfatiza, os artistas, através do ato de criação, estão ligados ao presente e ao futuro. “A única maneira pela qual podemos colocar a música do passado dentro de uma atividade do presente é através da criação”. • Neste projeto irei apresentar aos alunos músicas de diferentes compositores, de diferentes épocas, para que eles possam conhecer suas riquezas e possibilidades, no entanto, seguindo o pensamento de Schaffer, este material servirá para reflexão, análise e criação musical. • Schaffer afirma que a Educação Musical deve passar pelo exercício do “Ouvir, Analisar e Fazer”. Durante as atividades propostas neste projeto, buscarei valorizar estes três exercícios, trazendo aos alunos questões que provoquem discussão e a troca de conhecimentos, oferecendo elementos para a atividade de criação e expressão musical da classe.
  8. 8. JUSTIFICATIVA  Swanwick ressalta que: “O trabalho em grupo é uma excelente forma de enriquecer e ampliar o ensino do instrumento”. Aprender a tocar um instrumento em grupo dá oportunidade aos alunos de, além de tocar, solfejar, criar e apreciar, desenvolver um julgamento crítico da execução dos outros e de sua própria execução, permitindo que o aluno se compare com os outros, imitando e observando o grupo.  Trouxe um repertório simples, com canções conhecidas pelas crianças. Com isso quero aproximar os conteúdos conhecidos pelos alunos com as novas aquisições e aprendizados.
  9. 9. PROPOSTA MUSICAL 1 • Atividade 1.1 – Mozart • Podemos iniciar a atividade com a apreciação da Sonata em Dó Maior, primeiro movimento, de Mozart. • Após ouvir a música, convidar os alunos a conversarem sobre suas impressões. Aproveitando o que foi falado, introduzir as informações sobre o compositor, sua obra, a época em que viveu, sua importância para a música, instrumentos musicais. • Fazer a leitura do livro “Cadê a Peruca de Mozart?” • Explorar o livro “Le Piano”, observando fotos, imagens. Enriquecer a aula com outras imagens sobre a época de Mozart e sobre o piano. • Propor uma segunda audição da sonata para finalizar a atividade.  Wolfgang Amadeus Mozart nasceu em Salzburgo no ano de 1756. Mostrou talento musical desde a infância, compondo e tocando, incentivado por seu pai Leopold Mozart.  Entre suas composições encontramos as óperas: As Bodas de Fígaro e A flauta Mágica. Dedicou-se à composição de concertos para piano, violino, clarinete, entre outros, sonatas e música de câmara. Compôs diversas sinfonias, missas e música sacra.  Faleceu em 1791, na cidade de Viena. Foi autor de mais de seiscentas obras, considerado um dos maiores compositores de todos os tempos.
  10. 10. PROPOSTA MUSICAL 1 • Atividade 1.2 • É hora de tocar! • Apresentar o tema “Ah! Vous dirai-je maman” às crianças. O professor pode tocar o tema para os alunos ouvirem, baterem o ritmo e observar as alturas e repetições das notas. • Conforme o andamento da turma a música pode ser ensinada por imitação ou leitura. • Depois que todos estiverem tocando, distribuir alguns instrumentos de percussão e sugerir a criação de um arranjo, um acompanhamento para a melodia. Sugerir que os alunos pensem sobre a dinâmica da música e o andamento que querem usar. • O tema Ah! Vous dirai-je maman é uma música infantil popular na França e em todo o mundo. • Os primeiros registros datam de 1761. A letra é uma paródia de um poema de amor anônimo, intitulado “A confiança”. • A canção foi a base para variações melódicas e harmônicas infantis e populares. Mozart compôs as variações quando tinha 25 anos de idade, em Viena. Escrita para piano, esta peça é composta por 13 partes: o tema e suas 12 variações. • Saint-Saens menciona brevemente o tema na música Fóssil, do Carnaval dos animais. • Uma versão em Inglês é: Twinkle Twinkle, Little Star. A letra da música foi adaptada de um poema de Jane Taylor (The Star). Esta poesia foi publicada em 1806. • Uma versão em português: Brilha, Brilha, Estrelinha, quero ver você brilhar. Faz de conta que é só minha, só pra ti irei cantar. Brilha, Brilha, Estrelinha, brilha, brilha lá no céu. Vou ficar aqui dormindo, pra esperar Papai Noel.
  11. 11. PROPOSTA MUSICAL 1 • Atividade 1.3 • Ouvir “12 Variações sobre “Ah, vous dirai-je, maman”. • Conversar com as crianças sobre as variações, ouvindo suas considerações, comentando o que aprenderam e gostaram. • Escolher três ou quatro variações para fazer uma análise mais detalhada.  Variações – forma em que exposições sucessivas do tema são alteradas ou apresentadas em contextos alterados. O tema é apresentado em primeiro lugar, seguido por um certo número de variações. Por volta do século XVII a inserção de uma variação em modo menor num conjunto de tonalidade maior começou a surgir.  Compositores como Bach, Haydn, Mozart, Beethoven, Schubert e Brahms usaram esta forma em suas composições.  Alguns aspectos abordados por Mozart em suas variações eram: variação em adagio, variação contrastante, em tonalidade menor, variação final rápida e mudança de compasso.
  12. 12. PROPOSTA MUSICAL 2 • Atividade 2.1 – UAKTI • Apresentar o vídeo do grupo UAKTI interpretando a sonata em Dó Maior de Mozart para a turma. É o momento de conhecer o grupo mineiro UAKTI. Se possível explorar a página do grupo no computador, mostrando seus integrantes, seus instrumentos e sua proposta inovadora. • http://www.uakti.com.br/ • O Uakti é um grupo brasileiro de música instrumental, formado por Marco Antônio Guimarães, Artur Andrés Ribeiro, Paulo Sérgio Santos e Décio Ramos. O Uakti é conhecido por utilizar instrumentos musicais não convencionais, construídos pelo próprio grupo. • Se por um lado, as técnicas composicionais são contemporâneas, por outro, a sonoridade dos instrumentos empresta um caráter primitivo à música do grupo. Esta dicotomia é o segredo do som do Uakti . Instrumentos tradicionais também são usados pelo grupo. Vários tipos de tambor comuns como os atabaques, surdos e também as tablas, tambores tradicionais indianos, são utilizados. Em algumas gravações são utilizados instrumentos de cordas como o violão e o piano. As flautas transversais, tocadas por Artur Andrés, são usadas com maior frequência. • Atividade 2.2 • É hora de tocar! • Levar para os alunos a música “Águas de Março” de Tom Jobim. Apresentar a melodia e tocar com os alunos por partitura ou imitação. • Reunir, previamente, com os alunos diferentes materiais e sucatas, como garrafas plásticas e de vidro, copinhos, latinhas, tampas, pedaços de papelão, apitos, tubos, entre outros. • Propor um momento de exploração dos diferentes sons que poderíamos produzir com os materiais disponíveis. Podemos transformá-los em instrumentos musicais? Como? Deixar que os alunos construam instrumentos e organizem o material. • Fazer um pequeno arranjo para a música “Águas de março” utilizando os instrumentos criados pelos alunos.
  13. 13. PROPOSTA MUSICAL 2 • Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim nasceu no Rio de Janeiro em 1927. Mais conhecido como Tom Jobim, foi um compositor, maestro, pianista, cantor e arranjador brasileiro. É considerado um dos maiores expoente de todos os tempos da música brasileira e um dos criadores do movimento da bossa nova. Faleceu em Nova York no ano de 1994. • Águas de Março é uma canção brasileira do compositor Tom Jobim lançada em 1972. A primeira gravação foi em compacto simples e, no ano seguinte, no álbum Matita Perê, . Em 1974, uma versão em dueto com Elis Regina foi lançada no LP Elis & Tom. Em 2001, foi nomeada como a melhor canção brasileira de todos os tempos em uma pesquisa de 214 jornalistas brasileiros, músicos e outros artistas do Brasil, conduzida pelo jornal Folha de São Paulo. • A estrutura musical é articulada por um motoperpétuo. Sua letra é estruturada em um único verbo (ser), conjugado na terceira pessoa do singular no presente do indicativo em praticamente todos os versos - exceto no refrão, transformado em plural. Na letra nota-se a passagem da vida cotidiana, em movimento, progredindo rumo à morte (referência às chuvas de março que marcam o final do verão) No entanto, as águas também são sinais de renovação, de “uma promessa de vida”.  Atividade 2.3 • Ouvir o CD do grupo UAKTI: Variações sobre “Águas de Março”, com arranjo de Marco Antônio Guimarães. São 4 faixas: a primeira traz o Tema e a Variação I, em seguida as variações II, III e IV. • Podemos propor atividades de movimento, andando pela sala ou dançando. O grupo também, poderá desenhar sobre a música, durante a audição.
  14. 14. SUGESTÃO DE TEMA E VARIAÇÃO
  15. 15. PROPOSTA MUSICAL 3 • Atividade 3.1 • Propor ao grupo a escolha de uma música, um tema, conhecido por todos, de estrutura simples para fazer uma trabalho de composição. • Esta atividade pode ser realizada individualmente ou em duplas. Recordando a forma musical Tema e Variação, pedir que os alunos criem uma variação sobre o tema escolhido pela classe. Observação: Não esqueça de fazer um bom exercício de aquecimento com os alunos. Um jeito muito bom para “esquentar” a turma, deixá-los mais à vontade para criar é fazer um jogo de perguntas e respostas. O jogo pode começar com a repetição de pequenas células melódicas, um toca e outro repete. A partir daí, um toca e outro responde, criando uma célula melódica diferente. • De acordo com o texto “As músicas das crianças na sala de aula” de Viviane Beineke, compor é a melhor forma de aprender música, pois desperta a capacidade criadora dos alunos. Durante o decorrer de nossas propostas musicais, neste projeto, as crianças tiveram diversas oportunidade de explorar sons, músicas, instrumentos, ouvir e conversar sobre as composições e arranjos das músicas trabalhadas. Estas atividades exploratórias, segundo Beineke, oferecem amplas possibilidades aos estudantes na hora de tomar decisões musicais. • No texto mencionado acima, Beineke cita Swanwick, que argumenta que a composição faz parte da proposta de educação musical, pois através dela é possível conhecer e dar atenção ao discurso musical dos alunos. O professor deve valorizar esta prática, permitindo que os alunos tragam suas ideias para a sala de aula e encontrem ali espaço para expressá-las.
  16. 16. SUGESTÕES DE TEMAS
  17. 17. CONCLUINDO... Avaliação: Durante todas as etapas e atividades desenvolvidas, o educador deverá estar atento à todas as crianças, observando a participação e o envolvimento de cada uma delas, percebendo suas dificuldades e facilidades, integrando-as e incentivando-as. • Segundo Britto (2003) :”todo processo de trabalho bem orientado resulta em crescimento, aquisição de competências e habilidades, ampliação do repertório, do universo cultural, etc. Isso se dá também na música. Dessa forma, a avaliação na área deve, prioritariamente, ser remetida aos conteúdos propostos durante o período de trabalho, com cuidado de comparar o aluno com ele mesmo, ou seja, com seu processo de realização, considerando seu ponto de partida e chegada.” • As rodas de conversa no final das atividades podem ser utilizadas para avaliar, junto aos alunos, o que foi aprendido e se alcançamos o resultado esperado. No final uma apresentação das variações compostas pelos alunos poderá ser gravada. Em seguida todos poderão ouvir a gravação, que servirá como registro para avaliação. • Organização dos alunos para as aulas • É essencial que os alunos tenham acesso a uma sala ampla, com cadeiras, estantes e espaço para formar rodas, dispor instrumentos e facilitar o trabalho em grupo. Infra-estrutura e Materiais Necessários: • Aparelho de som e CDs. • Computador, notebook ou lousa digital. • Pen-drive ou computador ligado à internet. • Partituras e papel pautado, cadernos de música, papel sulfite, lápis, borracha. • Instrumentos musicais do uso da classe (flauta, teclado ou piano), instrumentos de percussão. • Sucata como: garrafas plásticas, de vidro, latas, tampas, tubos, tubo de conduíte, papelão, bexigas, apitos, etc. • Livros recomendados na introdução. • Sala ampla, com cadeiras.
  18. 18. REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES • Livros: • Schaffer, Murray. O ouvido pensante. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1991. • Fonterrada, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: Editora UNESP, 2008. • Dicionário Grove de Música. Edição Concisa. Editado por Stanley Sadie. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1994. • Turner, Barrie Carson. Le Piano: A la découverte d´un instrument. Gautier-Languereau, 1996. • Orthof, Sylvia. Cadê a peruca do Mozart? Editora Paulinas. 1998. • Britto, Teca de Alencar. Música na Educação Infantil. São Paulo: Peirópolis, 2003.  Sites:  http://www.uakti.com.br/  http://fr.wikipedia.org/wiki/Ah_!_vous_dirai-je,_maman  http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81guas_de_Mar%C3%A7o  http://www.vagalume.com.br/vila-sesamo/brilha-brilha-estrelinha.html#ixzz1pPUEWgmD  http://pt.wikipedia.org/wiki/Uakti  http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_Carlos_Jobim  http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81guas_de_Mar%C3%A7o  http://www.culturainfancia.com.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=330:as-musicas-das-c
  19. 19. CONTINUANDO... • Arquivos de audio e vídeo:  http://search.4shared.com/postDownload/Qjr9gPCr/Elis_Regina_-_guas_de_Maro.html  http://www.4shared.com/get/UsR6VHXA/Mozarts_Children_Song_-_Twinkl.html  http://www.youtube.com/watch?v=oMLsC8LqYgA Artigos: Beineke, Viviane. As músicas das crianças na sala de aula. Acesso em: http://www.culturainfancia.com.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=330:as-musicas-das-criancas-na-s . Acessado em 31 de março de 2012. Swanwick, Keith. Ensino Instrumental enquanto ensino de música. Acesso em: http://www.atravez.org.br/ceem_4_5/ensino_instrumental.htm. Acessado em 01 de abril de 2012. Beineke, Viviane. O ensino de flauta doce na educação fundamental. In: HENTSCHKE, Liane; DEL BEN, Luciana. Ensino de música: propostas para pensar e agir em sala de aula. São Paulo, Moderna, 2003.

×