Filosofia Espírita – Volume XIII 
FILOSOFIA ESPÍRITA – VOLUME 13 
João Nunes Maia – Miramez 
João Nunes Maia 
DITADO PELO ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Ficha Catalográfica – Filosofia Espírita – Volume XIII 
(Preparada pela equipe de biblio...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Índice – Filosofia Espírita – Volume XIII 
Prefácio de Bezerra de Menezes - Filosofia Es...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
27 - OS CULPADOS ..........................................................................
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Prefácio de Bezerra de Menezes - Filosofia Espírita - Volume XIII 
O nosso grande empenh...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Jesus, há quase dois mil anos, esteve entre nós, pisando o duro chão do mundo, frente a ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
O Espírito traz na consciência as leis estabelecidas por Deus, de modo que elas irradiam...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A reencarnação é, pois, a evolução da idéia de Metempsicose, trazendo para a humanidade ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A resposta do benfeitor espiritual à pergunta focalizada esclarece: 
A lei natural é a l...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
As palavras bem postas nos lábios, pronunciadas na ordem do amor, nos trazem um bem-esta...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Eterna e imutável como o próprio Deus. 
Eis o que os Espíritos responderam a Allan Karde...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
As tuas mãos devem trabalhar, porque o trabalhador é digno do seu salário. 
Vamos repeti...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Deus não se engana. As leis naturais criadas por Ele são eternas, como eterno é o própri...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Se olhas com os olhos da alma em Cristo, poderá dizer: Em nada existe imperfeição. Tudo ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
As leis, pelo que podemos entender, se dividem em dois aspectos: leis físicas e morais; ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Para que anunciar o que fazes de bom, se tu mesmo é quem vai receber o que está dando? A...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
As leis universais são as mesmas para toda a criação. É por isso que elas são assim 
cha...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Os animais não reconhecem a Deus como os homens, mas reconhecem o Criador através dos 
h...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Precisamos firmar mais na mente que Deus é Pai amoroso e que jamais ama um filho mais qu...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Reconhecemos que Deus é amor, pois não esquece os homens e, muito mais, aciona o 
progre...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Antes da união com o corpo, a alma tem mais lucidez das leis naturais do que quando 
enc...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
mutável, pela sua posição de desequilíbrio na escala a que pertence, mas, as leis de Deu...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A lei de Deus se encontra escrita na consciência; o Senhor a escreveu com todo o Seu amo...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
- "Onde está escrita a lei de Deus?" 
A resposta é muito mais profunda, nos dando segura...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Deus confiou a certos homens a missão de ajudar a humanidade a sentir e compreender as 
...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
encontrarmos a paz de consciência e os nossos esforços receberão prêmios de luz pela nos...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Os falsos princípios podem nascer até dos gênios; depende do momento, e em que se 
inspi...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Aprendamos com Jesus, que somente a verdade liberta a alma. 
João Nunes Maia – Miramez 
...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
O verdadeiro profeta é de caráter nobre, dentro da nobreza de Deus, porque somente fala ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A questão de número seiscentos e vinte e cinco, de "O Livro dos Espíritos", estampa com ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Quanto aos grandes mensageiros que vieram ao mundo como instrutores da humanidade 
antes...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
As leis de Deus foram reveladas gradativamente em toda a Terra, por meio de todos os pov...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
maturidade das almas, para não violentarem seus sentimentos. Essa é a vida, que se 
tran...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A verdade é uma só, em todas as direções que se possa dar na casa paterna, no entanto, e...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Se gostamos muito de dominar a Ciência, o nosso gosto, em se falando da moral, deve ser ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A razão nos mostra com bastante clareza que as verdades tinham de ser reveladas do modo ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Assim é a universidade divina. Preciso é que os homens aprendam a amar a seu próximo 
co...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A moral é uma regra de bem proceder, e torna-se uma seqüência de valores onde o homem 
e...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Existem dois caminhos, que levam a alma para a luz ou para as trevas: o bem e o mal. O b...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Se as leis universais estão escritas na consciência de cada criatura, mesmo as que se 
e...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Pensa no amor ao próximo, que esse mesmo próximo, ainda que inconscientemente, te 
prote...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
O homem tem poderes extraordinários para resolver todos os problemas a ele afeitos. Se 
...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
O justo já recebeu a recompensa pelo seu estado de tranqüilidade imperturbável. Sê um ju...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
O engano entre o mal e o bem, para os de boa vontade, para os que procuram Deus em tudo ...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
sorver, nos alimentos que matam a fome e, muito mais, na vida dos brasileiros, que sempr...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A regra divina da vida está sempre pronta para nos defender de iodos os males, no entant...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
sempre frutos dos primeiros impulsos, quando estamos caminhando para a libertação. 
Acor...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
As melhores condições que Deus deveria criar para os homens, Ele já o fez em todos os 
s...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
purificação dos seus sentimentos. São vidas e mais vidas em cadeia, respeitando as mesma...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
As diferentes posições sociais dos homens não significam que as leis de Deus são mutávei...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
Dá a quem te pedir; e se alguém levar o que é teu, não entre em demanda. (Lucas, 6:30) 
...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
A lei de Deus é para todas as criaturas; do mesmo modo que ela atua em uma pessoa 
primi...
Filosofia Espírita – Volume XIII 
O que chamas de mal, que é a força do bem mal compreendida, deixa de se expressar no 
mu...
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Filosofia espírita   volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Filosofia espírita volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)

351 visualizações

Publicada em

Livro Espirita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
351
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia espírita volume xiii (psicografia joão nunes maia - espírito miramez)

  1. 1. Filosofia Espírita – Volume XIII FILOSOFIA ESPÍRITA – VOLUME 13 João Nunes Maia – Miramez João Nunes Maia DITADO PELO ESPÍRITO MIRAMEZ 2
  2. 2. Filosofia Espírita – Volume XIII Ficha Catalográfica – Filosofia Espírita – Volume XIII (Preparada pela equipe de bibliotecárias SMED/PBH) 20 v. 1. Espiritismo. 2. Psicografia. I. Miramez . II. Título. João Nunes Maia – Miramez Maia, João Nunes, 1923-1991 M217F Filosofia Espírita. Psicografado por João Nunes Maia / Miramez, Belo Horizonte, Espírita Cristã Fonte Viva, 1990. 3 CDD 133.9
  3. 3. Filosofia Espírita – Volume XIII Índice – Filosofia Espírita – Volume XIII Prefácio de Bezerra de Menezes - Filosofia Espírita - Volume XIII...................................................................6 01 - COMO ENTENDER A METEMPSICOSE......................................................................................................8 02 - LEI NATURAL ..................................................................................................................................................10 03 - LEI ETERNA.....................................................................................................................................................12 04 - MUDANÇA NAS LEIS.....................................................................................................................................14 05 - DIVERSIDADE DE LEIS.................................................................................................................................16 06 - LEIS UNIVERSAIS..........................................................................................................................................18 07 - CONHECIMENTO DAS LEIS ........................................................................................................................20 08 - ANTES DA UNIÃO ..........................................................................................................................................22 09 - A LEI DE DEUS................................................................................................................................................24 10 - MISSIONÁRIOS...............................................................................................................................................26 11 - FALSOS PRINCÍPIOS ....................................................................................................................................28 12 - O CARÁTER DO VERDADEIRO PROFETA ..............................................................................................30 13 - O MODELO DA HUMANIDADE....................................................................................................................31 14 - ANTES DE JESUS ..........................................................................................................................................33 15 - O SOL DA VERDADE.....................................................................................................................................35 16 - POUCO A POUCO..........................................................................................................................................37 17 - MORAL..............................................................................................................................................................39 18 - O BEM E O MAL..............................................................................................................................................41 19 - DISTINGUIR.....................................................................................................................................................43 20 - O ENGANO CONSCIENTE ...........................................................................................................................45 21 - A REGRA ÁUREA ...........................................................................................................................................47 22 - MELHORES CONDIÇÕES ............................................................................................................................49 23 - DAS DIFERENTES POSIÇÕES....................................................................................................................51 24 - PARA TODOS..................................................................................................................................................53 25 - RESPONSABILIDADE E CULPA..................................................................................................................55 26 - ESCÂNDALO....................................................................................................................................................57 João Nunes Maia – Miramez 4
  4. 4. Filosofia Espírita – Volume XIII 27 - OS CULPADOS ...............................................................................................................................................58 28 - A PRÁTICA DO MAL.......................................................................................................................................60 29 - DESEJAR O MAL ............................................................................................................................................62 30 - PARA AGRADAR A DEUS ............................................................................................................................64 31 - FAZER O BEM.................................................................................................................................................66 32 - INFLUÊNCIA DO MEIO..................................................................................................................................68 33 - DEMORA NO MAL ..........................................................................................................................................70 34 - ÓBOLO DA VIÚVA ..........................................................................................................................................72 35 - A LEI DE DEUS................................................................................................................................................74 36 - DIVISÃO DA LEI ..............................................................................................................................................76 37 - ADORAÇÃO.....................................................................................................................................................78 38 - SENTIMENTO INATO.....................................................................................................................................80 39 - POVOS SEM ADORAÇÃO............................................................................................................................81 40 - FONTE DE ADORAÇÃO................................................................................................................................83 41 - ADORAÇÃO EXTERIOR................................................................................................................................85 42 - PREFERÊNCIA DIVINA .................................................................................................................................87 43 - CENSURA.........................................................................................................................................................89 44 - ADORAÇÃO INDIVIDUAL..............................................................................................................................91 45 - CONTEMPLAÇÃO...........................................................................................................................................93 46 - A SÚPLICA .......................................................................................................................................................95 47 - VALOR DA PRECE.........................................................................................................................................97 48 - COMO ORAR...................................................................................................................................................99 49 - PERDOAR FALHAS......................................................................................................................................101 50 - ORAR POR OUTREM ..................................................................................................................................103 51 - PODER DA PRECE ......................................................................................................................................105 João Nunes Maia – Miramez 5
  5. 5. Filosofia Espírita – Volume XIII Prefácio de Bezerra de Menezes - Filosofia Espírita - Volume XIII O nosso grande empenho é mostrar com mais destaque o valor dos livros da codificação, que tem como instrumento maleável, simples e puro, a personalidade ímpar que renunciou ao próprio nome para se apresentar como Allan Kardec. Estamos assistindo à singela análise de uma de suas obras -"O Livro dos Espíritos" - desdobrada de maneira suave, em vinte volumes, de modo a facilitar aos leitores o estudo e o entendimento dos ensinamentos nele acondicionados. Filosofia Espírita XIII, como os volumes editados e a editar, é como divino néctar que, ao ser sorvido, manifesta o puro sabor que evidencia a sua origem. As coisas de Deus se manifestam dentro da maior simplicidade, têm a primazia do amor que passa a conduzir. A Doutrina dos Espíritos, realmente, veio trazer as palavras de Jesus na sua pureza, aos que estão preparados para ouvir. Os Espíritos agentes de Deus ficaram encarregados de falar e não se calarem sobre a obra imortal de Nosso Senhor Jesus Cristo. A Sua voz é conhecida pelos Seus discípulos; ò Seu rebanho já O conhece há muitas eras, porque todos nós despertamos sob o calor do Seu amor. A gratidão que temos pelo Mestre não pode ser explicada, mas somente sentida, com a alegria do labor em favor dos que sofrem. A caridade verdadeira foi ativada pela Sua presença na Terra, que passa a dizer o contrário do que conhecíamos, anunciando com Sua límpida voz: - "Se alguém te ferir, não firas; se injuriado, não injuries; se apedrejado, não apedrejes; se caluniado, não faças o mesmo; se maltratado, não maltrates; se caluniado, perdoa." Ele sintetizou os mandamentos que Moisés recebeu no Monte Sinai, exortando: "Ama a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a ti mesmo." Jesus é a nossa vida. Ele é o nosso caminho e a nossa verdade; precisamos da Sua presença em nossa consciência. O Cristo em nós é motivo de vida, e de vida eterna. Não existe alegria pura sem Ele, nem amor, nem caridade. Ele, para nós, é a soma de todos os bens espirituais. A coleção que está sendo trazida por amor, pelo nosso companheiro Miramez, enfileira assuntos e expõe meios valiosos para que se possa entender com mais profundidade "O Livro dos Espíritos", livro este que serve de bússola na Terra para que os homens possam encontrar o céu. Se os homens tivessem idéia de quais foram os Espíritos que ditaram aquele livro, e os que estavam assistindo aos escreventes por ímpeto divino, se ajoelhariam por gratidão. Como são felizes as criaturas da Terra! Na verdade, o Cristo não Se esqueceu da Sua promessa, quando disse que voltaria. Não cansamos de dizer que o "educar e instruir" da Doutrina Espírita é o ponto alto da caridade com Jesus. O homem educado é peça valiosa nas mãos do tempo, para mostrar aos que desconhecem o amor, a grandeza de Deus. O homem instruído e educado é o ser completo que acendeu o sol da verdade no coração. João Nunes Maia – Miramez 6
  6. 6. Filosofia Espírita – Volume XIII Jesus, há quase dois mil anos, esteve entre nós, pisando o duro chão do mundo, frente a frente com a ignorância das criaturas; no entanto, agora, Ele, o Mestre dos mestres, trabalha para conviver com cada um em particular, servindo de glória para os que desejam receber Seu amor no coração. "Filosofia Espírita", volume XIII, é um pingo do amor de Jesus para quem deseja sorver, transformando-se em caridade volante, que por onde quer que passe alegra, ilumina e deixa entendimento. As criaturas de Deus, por si mesmas, entendem a existência do paraíso perdido, que, para ser reencontrado somente há uma porta, que faz vislumbrar esse reino: a entrada do coração. Se queres ser caridoso, lembra-te primeiro de ti; aprende a praticar a benevolência contigo mesmo, e nós te dizemos como, com toda a segurança que o amor possa nos dar: iluminando a consciência, pautando a vida em todas as virtudes evangélicas. O Evangelho em prática é a solução de todos os nossos problemas. Aí, então, partimos para ajudar aos outros com toda a segurança. Deus tocou em Jesus, e Ele é a fonte de luz que não nos deixa andar em trevas. João Nunes Maia – Miramez 7 BEZERRA Belo Horizonte, 20 de Maio de 1987.
  7. 7. Filosofia Espírita – Volume XIII O Espírito traz na consciência as leis estabelecidas por Deus, de modo que elas irradiam dentro e fora de si, como uma conversa com a alma em dimensão diferente da que conheces pela palavra falada. Certamente que a Metempsicose, falada e escrita por certos espiritualistas, varando séculos para dizer ao homem moderno que existe a reencarnação, deve ser bem esclarecida, e quem melhor deu suas diretrizes foi a codificação do Espiritismo, organizada por Allan Kardec. A fala dos Espíritos mais acentuada se encontra em "O Livro dos Espíritos", a dizer que a Metempsicose seria verdadeira se indicasse a progressão da alma, através da reencarnação, que se processa como lei natural nos Espíritos de todos os mundos habitados, sendo que o Espírito não regride, de homem para o animal irracional, na interpretação de certos escritores que cochilam na letra e se esquecem do Espírito que vivifica. Tudo no mundo, e em todos os mundos, avança, progride sempre. Somente a forma pode regredir na sua expressão, como instrumento de cumprimento da lei de causa e efeito, de ação e reação. A Justiça Divina disciplina a alma nos moldes em que também age a misericórdia, bênção de Deus para a humanidade. Todos nós temos sentimentos intuitivos de todas as leis espirituais. O que ocorre é que, por vezes, as nossas interpretações fogem à realidade, e caímos na impressão de que estamos dominando e sendo dominados pela verdade espiritual. Existem muitos homens que intentam conhecer a verdade, mas ainda não se encontram preparados para tal conhecimento. Há uma lei que regula tudo na vida. Se desconheces o próprio corpo mais grosseiro que tens, como querer conhecer e dominar leis que fogem às mais acuradas deduções? Ha muitas coisas que escapam ao conhecimento dos doutos; não tentes passar do limite dos teus conhecimentos. A reencarnação, nas suas particularidades, é desconhecida pela maioria dos homens. A fé ainda se encontra, na Terra, nos seus primeiros rudimentos. O perdão tem outros processos quê se escondem nas dobras do tempo. A realidade do amor e da caridade vai levar muitos séculos, talvez milênios, para ser sentida e analisada. O processo de troca de corpos se opera em todos os reinos da natureza, e em cada um deles há uma feição diferente, a que obedece cada ser e cada coisa, segundo a posição em que se encontra na escala de elevação. É a lei da justiça, atuante e dominante em todos os espaços, pelo avanço do tempo. Deus é amor em toda extensão da vida infinita. O mesmo valor que o Senhor dá à forma primitiva da matéria, Ele dispensa aos anjos, mas cada uma absorve essas bênçãos de Deus do modo que aprendeu, pela sintonia a que pertence, no estágio da sua vida, porque tudo vive, da maneira que lhe cabe viver. Não penses que o homem, por ser homem, se encontra desligado dos outros reinos. Mesmo que ele queira, não o consegue. Tudo e todos estamos unidos por elos da Divindade, uns com os outros, como sendo uma unidade universal, tendo Deus como Comandante Supremo de todas as vidas e de todas as coisas. João Nunes Maia – Miramez 01 - COMO ENTENDER A METEMPSICOSE 0613/LE 8
  8. 8. Filosofia Espírita – Volume XIII A reencarnação é, pois, a evolução da idéia de Metempsicose, trazendo para a humanidade mais esperança e mais alegria para viver. Ninguém regride; avançamos sempre, pois o que aprendemos, aprendemos para sempre, mas respondemos pelos desvios das coisas divinas. Procuremos as coisas simples, busquemos a lei de Deus e a Sua justiça, no dizer do Evangelho, que o resto aproximar-se-á de nós por misericórdia. A alma do animal não muda de uma vez, tomando um corpo humano. A natureza é paciente e não erra, mas, o homem é afoito, no começar nas linhas da sabedoria, esquecendo-se de que o princípio do fio da meada está bem distante da própria meada. Estudemos sem desespero, mas sempre. João Nunes Maia – Miramez 9
  9. 9. Filosofia Espírita – Volume XIII A resposta do benfeitor espiritual à pergunta focalizada esclarece: A lei natural é a lei de Deus. É a única verdadeira para a felicidade do homem. Indica-lhe o que deve fazer ou deixar de fazer e ele só é infeliz quando dela se afasta. O sofrimento da humanidade é, pois, o afastamento da lei de Deus. O homem a conhece mais pela intuição, dependendo dos seus sentimentos. Quando Jesus disse: "batei e abrir-se-vos-á", mostrou-nos os caminhos para o conhecimento de todas as leis da criação. Bater às portas espirituais é buscar com interesse de aprender, é aplicar o esforço próprio todos os dias, é orar e vigiar. As intenções muito valem no aprendizado de cada criatura de Deus. Podemos voltar ao assunto anterior, no que se refere a fazer a vontade de Deus e a Sua justiça, que o mais virá por acréscimo de misericórdia. Se queres compreender a vontade de Deus, analisa pacientemente seus feitos extraordinários, medita na criação, na vida que circula no universo, na inteligência que modela todas as formas e na expressão de vida que existe em tudo. Basta conhecer-se a si mesmo, para não negar a Força Soberana que nos dirige e protege. Quando Jesus se referiu à natureza, focalizando as flores, como no caso dos lírios dos campos, disse Ele com o esplendor de Sua inteligência: Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. (Mateus, 6:29) A inteligência humana perde para a lei da natureza e, neste caso, no processamento das roupas naturais das flores, vemos que nem o rei, que se vestia com apuro, com linho e ouro dos mais requintados, onde mãos hábeis trabalhavam com perfeição, se vestia como uma simples flor, trabalhada pela natureza, no silêncio da sua expressão. As flores são como beijos das árvores, em gratidão ao Seu criador. A lei natural se divide ao infinito e nos mostra toda a vida envolvida no amor, que é a fonte de toda beleza. Jesus nos pede para que vigiemos e oremos, no sentido de que, nesse clima, nos encontraremos frente a frente com as leis naturais que nos protegem, como sendo as próprias mãos de Deus estendidas para as criaturas. A humanidade tem de se voltar para a natureza: ela é mãe bondosa e santa, que sabe preparar o alimento em todas as faixas da vida, para as vidas dos Espíritos, em todas as escalas a que pertencem. A harmonia na mente é lei natural, de onde vertem todas as qualidades. A desarmonia altera todas as qualidades nobres das criaturas, logo, é anti-natural. João Nunes Maia – Miramez 02 - LEI NATURAL 0614/LE 10
  10. 10. Filosofia Espírita – Volume XIII As palavras bem postas nos lábios, pronunciadas na ordem do amor, nos trazem um bem-estar indizível. O verbo desorientado perturba o ambiente em que vivemos, e estraga muitas possibilidades de quem deseja viver bem. O amor, na sua estrutura espiritual, ensinado por Jesus, é fonte de felicidade. O ódio, inversão do amor, desespera quem o provoca, dando a entender que, por onde ele passa, somente deixa morte. Se procurarmos as leis naturais que moralizam, passaremos a viver bem em todas as seqüências de vida; se as esquecermos, seremos infelizes, conforme afirma o benfeitor espiritual: só é infeliz quando dela se afasta. João Nunes Maia – Miramez 11
  11. 11. Filosofia Espírita – Volume XIII Eterna e imutável como o próprio Deus. Eis o que os Espíritos responderam a Allan Kardec: a lei de Deus, além de ser eterna, é imutável. Ela não muda com as mudanças humanas. Somente a lei do Criador não obedece ao progresso, porque é ela que rege a todos e a tudo, inclusive o próprio progresso. A sua configuração espiritual é a mesma em todos os tempos, em todos os mundos. O que se passa diante delas é o nosso despertamento espiritual. Cada vez que vamos crescendo, a encontramos na feição dos nossos valores. Que coisa linda, fácil de se dizer, mas difícil de se compreender! Deus, sendo a perfeição, nada pode fazer imperfeito; sendo imutável, nada pode fazer mutável. O que ocorre com a criação não é imutabilidade: é despertamento dos valores espirituais. Deus fez tudo perfeito, desde o princípio das coisas. O que chamamos de evolução ou progresso, é sinônimo de despertamento espiritual. Tudo é perfeito na ordem das coisas. Sendo Deus amor, somente o amor harmoniza todas as coisas. Ele é a fonte de toda a vida universal. Quanto João Batista disse: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus (Mateus, 3:2), demonstrava a maturidade dos homens, onde o reino dos céus iria aparecer, dentro de cada um. Mais tarde, o próprio Mestre disse, com segurança: O reino dos Céus está dentro de vós. É uma lei eterna de Deus, o colocar o reino dos Céus dentro das criaturas, de sorte que esses valores espirituais possam despertar naturalmente, para a nossa felicidade. Que queres mais, se o Céu se encontra dentro de nós, com todas as glórias, com todas as vidas, em esplendente felicidade? É preciso encontrarmos, não somente o Céu, mas Deus também. As mudanças são processadas em nossos caminhos, até encontrarmos as leis naturais que são eternas e imutáveis, como o próprio Deus. Quando Jesus disse: - Eu sou o caminho, a verdade e a vida, alertava-nos que Ele é o caminho, por ser Ele a vida e a sustentação da nossa paz. A Doutrina Espírita, sendo a revivescência do cristianismo, chegou a nós como bênção de Deus, para entendermos a mensagem da luz, pelas leis eternas, as leis naturais. Precisamos de livros, por não sabermos ler a natureza, mas o nosso despertamento espiritual vai nos mostrar o caminho onde existe vida que não esqueceu a verdade, de modo a compreendermos a nós mesmos. A alegria é uma face da lei natural de Deus, e quanto ela nos faz feliz! A tranqüilidade de consciência é lei natural e eterna, por refletir o céu dentro de nós. O leitor deve analisar a nossa conversa, procurando descobrir outras coisas, que deixamos para o que procura. João Nunes Maia – Miramez 03 - LEI ETERNA 0615/LE 12
  12. 12. Filosofia Espírita – Volume XIII As tuas mãos devem trabalhar, porque o trabalhador é digno do seu salário. Vamos repetir a pergunta e a resposta de "O Livro dos Espíritos", por as acharmos de grande valor para todos nós: É eterna, a lei de Deus? - Eterna e imutável como o próprio Deus. João Nunes Maia – Miramez 13
  13. 13. Filosofia Espírita – Volume XIII Deus não se engana. As leis naturais criadas por Ele são eternas, como eterno é o próprio Senhor. Os homens é que criam leis transitórias, de modo a serem mudadas de acordo com os tempos. As criaturas se inspiram nas leis naturais para fazerem as suas. As leis dos homens são inumeráveis, e sempre estão mudando, como dizem eles mesmos, atualizando-se de acordo com a capacidade de assimilação das criaturas. As leis de Deus são de toda a eternidade. Quando falamos de toda eternidade, não há tempo determinado. O ser humano não pode ter a pretensão de dizer que sabe tudo, mediante suas especulações. Ele somente sabe o que vê e ouviu dizer; ele é, por excelência, um copista, porque tudo está feito no programa do Todo Poderoso. Não existe o que não tenha sido feito por Deus. Quantos vivem iludidos com a falsa sabedoria! Se o sábio soubesse que nada sabe, teria mais humildade. Muita gente envergando a roupagem da vaidade e do orgulho se arma das singelas letras que aprendeu e decorou nos bancos das escolas, para combater o Evangelho, porque nos mostra as leis na sua mais profunda simplicidade. Como se enganam essas criaturas! O Evangelho, mesmo na sua feição física, é tesouro valioso, quanto mais na feição moral e na espiritual! Ele se encontra escrito em muitas dimensões, para atender Espíritos em diversas faixas de vida. Não deves preocupar-te em consertar a vida; ela já é perfeita. O que supões ser imperfeição, se encontra dentro de ti mesmo. Se o reino de Deus está em nós, não existe imperfeição na alma; o fato se explica pela desarmonia da mente. Deus não se engana, os homens é que enganam a si mesmos. É justo que compreendamos a simplicidade evangélica nestas palavras do divino Mestre: Portanto, não vos inquieteis, pois, o amanhã trará os seus cuidados. Basta ao dia o seu próprio mal. (Mateus, 6:34) Será possível que todos os dias devamos nos preocupar com o futuro? Basta o dia com seu próprio mal. Vamos aprimorar todos os dias as coisas que devem ser aprimoradas, examinar o que estamos fazendo e fazer melhor, que o resto pertence ao Grande Benfeitor da vida, com Seus anjos. Não deves demorar muito tempo pensando no passado. Procura o Evangelho, que ele te instruirá acerca de todas as coisas, te dando compreensão para o prosseguimento da tua jornada. A preocupação com o dia de amanhã vai te trazer mais dificuldades, porque preocupação, pelo sentido etnológico do termo, já é ocupar-se antes de acontecer. Se verificares a vida dos grandes personagens da história, verás que eles inspiraram suas vidas nas leis naturais, por isso venceram com vitória de luz. Queiramos ou não, buscamos a perfeição, por ser lei natural do universo. A harmonia reina em todos os pontos da vida, porque Deus é harmonia. João Nunes Maia – Miramez 04 - MUDANÇA NAS LEIS 0616/LE 14
  14. 14. Filosofia Espírita – Volume XIII Se olhas com os olhos da alma em Cristo, poderá dizer: Em nada existe imperfeição. Tudo se encontra na ordem perfeita das coisas! É preciso que despertemos para tal ambiente de Deus e encontremos a felicidade. Quando alcançarmos a tranqüilidade imperturbável da consciência, nunca mais duvidaremos e sempre afirmaremos: Deus não se engana! João Nunes Maia – Miramez 15
  15. 15. Filosofia Espírita – Volume XIII As leis, pelo que podemos entender, se dividem em dois aspectos: leis físicas e morais; no entanto, elas podem buscar outras áreas, de modo que ainda não entendemos, pois nos falta sentido para compreendermos tudo. Estamos vivendo e sentindo as filosofias de vida terrena e espiritual, entretanto, há reencarnação entre uma e outra, e as tendo bem entendidas, o campo de iluminação vai se estendendo, a nos mostrar os princípios de libertação espiritual. Para alcançarmos as leis da matéria e as leis da alma, necessário se faz que sintamos o conjunto de muitas vidas sucessivas. O celeiro de experiências deve estar cheio de aprendizado cada vez maior. O cumprimento das leis mostra a maturidade do Espírito. Se ainda não tens condições de viver Jesus, é por falta de tempo no serviço da caridade que salva. Convém meditar em todos os assuntos ventilados por Cristo e deixar que Ele viva em nós, para nos ser motivo de glória e de luz. Há diversidade de leis, no entanto, importa que vivamos as duas, na sua sintetização divina: física e moral. Certamente que temos apenas alguns anos para fixação de todo o celeiro de vida, porém, o tempo passa e, bem vivido, deixa em nós um saldo de luzes que nos assegura a própria vida. Não há no mundo nenhuma coisa desligada da outra. A lei de unidade nos faz unos. Os Espíritos obedecem igualmente, a essa lei. Os que vivem na Terra estão jungidos uns aos outros pelo amor e pelas necessidades, porque não fazemos nada sozinhos. Dependemos uns dos outros em tudo; até para falar, precisamos de quem ouça a nossa voz. Para escrever, e mesmo pensar, mentes invisíveis nos ajudam em tudo o que ideamos e fazemos. É do conjunto que nasce a perfeição. Se o sábio estuda as leis da natureza, o santo estuda e pratica as leis da alma, de maneira que, com o passar dos tempos, o acervo de experiências vai chegando às novas gerações, doando-Ihes, por misericórdia, o descobrimento dos caminhos mais fáceis para serem trilhados. Mas, como existe a reencarnação em todos os mundos habitados, aquele que planta volta depois com novas vestes para colher o que semeou. Eis aí a justiça divina, em se tornando amor, verdade e vida. Podemos buscar no Evangelho de Jesus riquezas espirituais sublimadas, como essa, anotada por Mateus: Tu porém, ao dares a esmola, ignore a tua esquerda o que faz a tua direita. (Mateus, 6:3) João Nunes Maia – Miramez 05 - DIVERSIDADE DE LEIS 0617/LE 16
  16. 16. Filosofia Espírita – Volume XIII Para que anunciar o que fazes de bom, se tu mesmo é quem vai receber o que está dando? A vida é uma eterna lavoura de Deus, que nos instruiu na seqüência de plantios, para que possamos ter o que damos e colher o que semeamos. Isso está na lei do amor e de justiça que circula na criação, dando realmente a quem merece ser dado. Por isso é que não devamos nos preocupar com o dia de amanhã; ele nos entregará o que damos hoje, trazendo e mostrando a segurança para o bom trabalhador. Deus se encontra presente em toda parte, por intermédio das Suas leis infalíveis e eternas. Que Jesus nos abençoe para compreendermos as leis da vida com maior profundidade. João Nunes Maia – Miramez 17
  17. 17. Filosofia Espírita – Volume XIII As leis universais são as mesmas para toda a criação. É por isso que elas são assim chamadas, por pertencerem à unidade divina. Deus é somente UM para todas as humanidades, no entanto, essas mesmas leis se expressam em cada mundo de acordo com à sua evolução espiritual, e os que ali vivem compreendem essas leis com a capacidade desenvolvida que possuem. Isso é a justiça, o amor que faz o Senhor conhecido por todos os seres. Mesmo na Terra, acontece esse fenômeno da presença da lei em cada criatura; as interpretações são diferentes, conforme a evolução de quem vai receber a corrigenda, de quem vai se orientar sob a luz do que entender. "O Livro dos Espíritos" assim nos informa, em se referindo às leis: A razão está a dizer que devem ser apropriadas à natureza de cada mundo e adequadas ao grau de progresso dos seres que os habitam. As leis são imutáveis, e as mesmas para todos os mundos. As mudanças que por vezes verificamos, estão na qualidade espiritual de cada um, pois as leis vão se expressando com mais nitidez, de acordo com a altura do seu crescimento espiritual. Vamos para um exemplo mais simples, para que possamos entender todos os outros: Deus deixou na Terra todo o material para o conforto das criaturas, sem nada faltar. No entanto, somente é dado aos homens desfrutar deste conforto, pelo uso da inteligência que a razão expressa. Por que a lei não é a mesma para os animais, os pássaros, enfim, para todos os seres? Elas são as mesmas, porém, atingem cada lugar e cada ser vivente de acordo com a sua posição na escala da elevação espiritual. E isso se opera para o despertamento das qualidades que todos temos. Tudo age com sabedoria divina. Os tempos estão chegando, de modo a nos mostrar, não a evolução da lei de Deus, que é imutável, mas o crescimento de todas as coisas e dos próprios homens. Deste modo, as mesmas leis passam a ser mais visíveis e mais reais na sua aparência divina. Ninguém se encontra desamparado. Observemos o Sol: ele despeja seus raios de vida para todos os seres e todas as coisas, e ainda para outros mundos, cujo tipo e modo de vida escapam ao conhecimento dos homens. Entretanto, esse sol não é sentido do mesmo modo para todas as criaturas, e não surte o mesmo efeito, apesar da igualdade do modo com que se distribui. Tornamos a dizer, é a Justiça Divina operando pelos processos do amor. Coloquemos novamente uma lei natural e universal como exemplo: Reencarnação. Ela se encontra em todos os mundos, agindo e operando a transformação dos Espíritos, mas em cada mundo se apresenta diferenciada, embora seja sempre a mesma lei, no fundo da troca de vestes para se expressar a luz. João Nunes Maia – Miramez 06 - LEIS UNIVERSAIS 0618/LE 18
  18. 18. Filosofia Espírita – Volume XIII Os animais não reconhecem a Deus como os homens, mas reconhecem o Criador através dos homens. A maneira dos homens entenderem o Senhor é bem diferente, porque diferente é seu estado espiritual. E os Espíritos puros? A maneira que têm de reconhecer a Deus é bem diferente da dos homens. Mas é o mesmo Deus que opera em tudo. O Todo Poderoso é imutável na sua estrutura, para todos nós desconhecida. Falando sobre a lei de Deus, relembramos: ela é eterna e imutável como o próprio Deus. João Nunes Maia – Miramez 19
  19. 19. Filosofia Espírita – Volume XIII Precisamos firmar mais na mente que Deus é Pai amoroso e que jamais ama um filho mais que outro. O Seu amor é universal em todos os aspectos da vida eterna. Como compreender um Deus egoísta, orgulhoso e separativista, se Ele é unidade, é harmonia perfeita? Devemos sempre consultar o Evangelho de Jesus, que logo notamos o que é Deus, ante a Sua paternidade Universal. Deus facultou a todas as criaturas conhecerem as leis criadas por Ele. Os homens, quando fazem uma lei, não a divulgam para que todos possam conhecê-la? O conhecimento é uma advertência para que possamos respeitar as leis, entrementes, não é dado a todos a perceberem como elas são, devido à posição espiritual de cada ser. Mas, aí chega a misericórdia divina, servindo de instrumento aos mais sábios, para orientar os que ignoram as verdades espirituais. As religiões têm esse dever de tornar visíveis as leis de Deus e induzir os homens à sua prática, para que esses sejam mais felizes. O avanço desses conhecimentos depende muito de cada ser, da sua boa vontade de aprender, de melhorar suas condições espirituais. Jesus, como Governador do planeta, não esqueceu de enviar, bem antes da Sua vinda, grandes missionários, entregando aos homens revelações de leis mais claras; e Ele viria depois, para confirmar tudo o que foi dito por eles. O Mestre não veio destruir a lei, mas apenas confirmá-la com mais claridade. Ele não veio mudar a lei imutável criada por Deus, mas dar-lhe cumprimento, como fez a Doutrina dos Espíritos, pelas comunicações mediúnicas. Nada está sendo mudado, da maneira que se possa entender como mudanças, apenas abrindo mais os olhos das criaturas, para verem mais de perto as leis naturais, criadas e estabelecidas por Deus. Depois que Jesus deu a conhecer o que os homens já poderiam assimilar, a responsabilidade aumentou, e Ele mesmo acentuou para o nosso bem, conforme anotado por Mateus, no capítulo sete, versículo dois: Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também. Pelo crescimento dos Espíritos na ascensão espiritual, as responsabilidades passam a crescer igualmente, mas o Mestre não esquece as normas que devemos seguir e nos livrar do mal. Se observarmos a lei dentro da sua perfeita justiça, seremos livres do mal. Vejamos a esperança que "O Livro dos Espíritos" nos traz, quando esclarece sobre o conhecimento das leis de Deus: Todos, entretanto, a compreenderão um dia, porquanto forçoso é que o progresso se efetue. João Nunes Maia – Miramez 07 - CONHECIMENTO DAS LEIS 0619/LE 20
  20. 20. Filosofia Espírita – Volume XIII Reconhecemos que Deus é amor, pois não esquece os homens e, muito mais, aciona o progresso para que esse faça dos seres de outros reinos os próprios homens. O ensejo de crescer é para todos, sem exceção, para a glória da vida. Ao leitor que nos 'acompanha, apressamo-nos em dizer que está sendo chamado e escolhido para o crescimento espiritual. Faze a tua parte, pois Deus e Cristo já fizeram a Sua, e os Espíritos benfeitores te ajudarão, se te ajudares a ti mesmo. Não esqueças a advertência do Cristo: Não julgar, para não seres julgado, sentença de luz, para a luz da consciência. João Nunes Maia – Miramez 21
  21. 21. Filosofia Espírita – Volume XIII Antes da união com o corpo, a alma tem mais lucidez das leis naturais do que quando encarnada; no entanto, é justo que observemos em primeiro lugar a sua evolução espiritual, ou seja, o seu despertamento para as qualidades da vida. É claro que não podemos generalizar, porquanto existem muitos Espíritos encarnados que compreendem as leis de Deus bem mais lucidamente do que muitos dos Espíritos fora da carne. Isso, como já dissemos, depende da sua elevação, mas, no comum, a carne esconde os poderes da alma, e faz que ela esqueça o que traz na consciência profunda. Porém, a bondade de Deus é infinita e, instintivamente o homem percebe raios de lembranças das leis que dirigem a todos. A consciência sempre marca para todos o que não deve ser feito, mas ela é qual um computador divino, que somente aciona quando tocado. Depois do erro é que a consciência acusa. Não há julgamento antes da falta; esse trabalho pertence à razão, que deve analisar e escolher o caminho a percorrer. Como já falamos, as leis são para todos do mesmo modo, entrementes, cada um as assimila de forma diferente. Em tudo é necessário o saber, pois com ele o amor é mais puro, assegurando, assim, a verdade. O corpo é uma veste mais grosseira e impede a alma de certas lembranças, porque em muitos casos, tais recordações podem prejudicar o Espírito. Deus não tem pressa; Ele não deixa de operar constantemente. A lei é constante, embelezando cada vez mais a vida pelos mesmos instrumentos, e o ser humano, já dotado de razão e de outros princípios mais sutis, deve esforçar-se todos os dias para o seu auto-aperfeiçoamento espiritual. Os maus instintos do ser humano agridem seus sentimentos, e nessa fusão de forças é que te destinas a andar. O ambiente da Terra é agressivo, até certa evolução das criaturas. Depois de passar por determinado grau, já não é preciso mais a violência, que, como podemos observar, vai diminuindo seu comando na intimidade da criatura. Estamos nos fins dos tempos maus, não no fim do planeta, ou no fim da vida - isso é para os falsos profetas. Nada morre, apenas muda de expressão, mas a mesma vida continua cada vez mais expressiva, compreendendo Deus com mais pureza de sentimentos. O Espírito devedor, quando retorna à carne na Terra, é por duras provações, expiando certas faltas que se enquadram no contexto de despertamento da alma. Quando se livra destas, não mais precisa dessas agressões exteriores nem de conflitos internos, passando a viver, depois das ventanias, um clima de paz, paz de consciência, onde começa a felicidade verdadeira. Se já encontraste a Doutrina dos Espíritos, observa seus conceitos, analisa tua vida e passa a modificar teus atos - que são mutáveis, não as leis de Deus - que alteram os caminhos que estavam sendo percorridos pela tua invigilância. Podes buscar, por tua vontade, a intuição das leis de Deus na consciência, pelos canais da oração com Jesus. Tudo que o homem faz é João Nunes Maia – Miramez 08 - ANTES DA UNIÃO 0620/LE 22
  22. 22. Filosofia Espírita – Volume XIII mutável, pela sua posição de desequilíbrio na escala a que pertence, mas, as leis de Deus são eternas como Ele, porque Deus é Perfeição. Os maus instintos são somente para os maus Espíritos. Se ainda conservas a maldade em ti, certamente que ela te perseguira. Vamos conhecer a Deus mais um pouco, e a Sua justiça, que o mais nos vem por acréscimo de misericórdia. Enquanto perseguirmos, seremos perseguidos; enquanto injuriarmos, seremos injuriados; enquanto vermos os defeitos alheios, esquecendo os nossos, seremos visados por eles e caluniados. Não podemos proceder desta forma, somente vendo o mal nos outros, enquanto a nossa vida palmilha no erro. Vejamos o que nos diz Mateus, refletindo Jesus: Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens uma trave no teu? (Mateus, 7:4) João Nunes Maia – Miramez 23
  23. 23. Filosofia Espírita – Volume XIII A lei de Deus se encontra escrita na consciência; o Senhor a escreveu com todo o Seu amor, na qualidade de Pai que ama profundamente Seus filhos. Muitos dos nossos companheiros pesquisam, querendo saber onde fica a consciência e qual a sua engrenagem espiritual. Já falamos, com a humildade que pensamos ter, que não podemos viver no futuro, se precisamos do presente para aprendermos o que ele pode nos dar. Falta paciência nos afoitos, porque o aprendizado melhor é aquele feito passo a passo. A própria lei de Deus nos ensina que o Pai é Amor, e sendo Ele amor, tudo que Lhe pedimos com sinceridade e necessidade, Ele nos dá, e dá com abundância. Para que possamos firmar essa nossa fala, vamos consultar o livro luz, na palavra de Mateus, anotando os ensinamentos de Jesus: Pois todo o que pede recebe; o que busca, encontra, e a quem bate, abrir-se-lhe-á. (Mateus, 7:7) Se o Mestre é o revelador de todas as leis do Pai que está no céu da nossa intimidade e fora de nós, como não acreditar nas Suas palavras que são vida, verdade e o verdadeiro caminho? Batamos às portas da sabedoria maior, que elas abrir-se-ão, pela lei que orienta os nossos esforços, por ser digno o trabalhador do seu salário. A lei de Deus, diz "O Livro dos Espíritos", se encontra escrita na consciência, e logo o raciocínio nos pede explicações desta referência: se ela está escrita na consciência, não precisamos que ninguém nos fale sobre eía, se já a temos. Mas, a intuição nos revela com sabedoria que a alma, movendo-se na carne, perde certas sensibilidades, de modo a esquecer-se da própria irradiação dos conhecimentos doados por Deus, pela escrita de luz no centro do Espírito e que, com a maturidade, vão nos chegando ao coração, que passa a ser ar que podemos respirar. O desprezo do que temos conosco não é por conveniência. Ninguém, em sã consciência, joga fora o tesouro que possui. São modalidades da própria vida, para o despertamento gradativo dos talentos divinos que todos temos. Essa conversa sobre a consciência e as íeis de Deus pode ser estendida ao infinito. Avançamos nesses conhecimentos de acordo com a nossa elevação. Se queres saber mais, procura Jesus, do modo que Ele nos ensinou a procurá-Lo, tomando a nossa cruz e seguindo Seus passos, o que desperta o mais profundo sentimento de Amor. Deus, na Sua bondade, quis e quer nos lembrar sempre sobre Suas leis, e para tanto envia os grandes benfeitores para instruir a humanidade e fazer lembrar o que Ele disse. Para conhecê-los, basta analisar suas vidas, comparando-as com a vida do Mestre. Assim podes sentir de onde eles vieram e quais as suas missões junto aos homens. É profunda a pergunta de numero seiscentos e vinte e um: João Nunes Maia – Miramez 09 - A LEI DE DEUS 0621/LE 24
  24. 24. Filosofia Espírita – Volume XIII - "Onde está escrita a lei de Deus?" A resposta é muito mais profunda, nos dando segurança em todas as direções, quando o benfeitor sintetiza, usando a sua cultura universal: - "Na consciência". Se queremos melhorar a nossa vida, vamos orar vigiando, pensar sempre no melhor, porque nesse interesse, o melhor, por afinidade, nos virá nas ondas de luz que as bênçãos de Deus desprende em favor dos que O buscam. João Nunes Maia – Miramez 25
  25. 25. Filosofia Espírita – Volume XIII Deus confiou a certos homens a missão de ajudar a humanidade a sentir e compreender as leis imutáveis que garantem a vida e sustentam a paz em todos os reinos, e essas leis devem ser respeitadas pelas criaturas. Em todos os tempos, houve homens que tiveram essa tarefa de revelar as leis já estabelecidas pelo Criador. É conveniente que busquemos estudar todas as vidas nobres que já passaram pelo planeta, para encontrarmos nelas os princípios desta ordem estabelecida peia Divindade. Como fazer progredir a humanidade, a não ser por esse incentivo santo, o respeito pela harmonia em forma de íeis que nos ajudam na nossa disciplina espiritual? Em um planeta não encarnam somente almas de determinada evolução; as escalas a que pertencem são variáveis, porque as operações são inúmeras. Cada um se encontra em uma faixa, desempenhando missão diferente mas, sob a direção das mesmas leis; porém, a obediência é de acordo com a faixa a que pertence. Deus é amor, e Ele ama a Seus filhos, sem que o amor saia da justiça. Ele dá tudo a todos, na mesma dimensão que a fraternidade nos mostra. Podes verificar a grandeza de Deus, pelos pais da Terra, que diante do Senhor servem de pálida expressão. É o próprio Evangelho que nos interroga desta maneira: Ou qual dentre vós é o homem que, se porventura o filho lhe pedir pão, lhe dará pedra? (Mateus, 7:9) Se assim podemos analisar, o raciocínio nos responde que a bondade de Deus é tão grande que não cabe na dimensão estreita das nossas comparações. E passamos a confiar n'Ele, mais do que antes. Ele escapa ao nosso raciocínio, passa pela intuição, deixando rastros de luz, a nos dizer sem palavras que no amanhã, poderemos entendê-Lo com mais profundidade, porque agora nos faltam faculdades para tal compreensão, que confundem até os Anjos. O espírita, diante de tantas ofertas no aprendizado, deve ponderar nas suas perguntas, por vezes exageradas, e ir pacientemente nos caminhos da verdade, porque ela, a verdade, liberta, mas, no exagero confunde. Qualquer escada que nos leve para o alto é bom que seja galgada de degrau a degrau, para alcançarmos, assim, o cimo com confiança e maior segurança no que estamos fazendo. A luz é indispensável em todos os trabalhos dos homens e a nós outros da espiritualidade, no entanto, ela, em excesso, nos ofusca, confundindo nossos sentidos. Como ver a Deus face a face, se não suportamos ainda nem a luz do Sol mais de perto? E esta estrela que nos alimenta, diante de Deus, pode-se dizer que não existe, dada a sua pequenez em relação à grandeza do Pai. Deus confiou Jesus como Pastor para nos guiar desde o princípio das coisas na Terra. Ele, para nós, é verdadeiramente o caminho, a verdade e a vida. Deveremos passar por Ele para João Nunes Maia – Miramez 10 - MISSIONÁRIOS 0622/LE 26
  26. 26. Filosofia Espírita – Volume XIII encontrarmos a paz de consciência e os nossos esforços receberão prêmios de luz pela nossa movimentação no bem e na caridade. Deus confiou a Jesus nos orientar, e Jesus confiou igualmente essa tarefa a milhares de obreiros sinceros: a missão de caminhar conosco nos roteiros do mundo cheios de espinhos, nos dando exemplo de confiança, adquirindo experiências para a nossa libertação espiritual. Respeitamos, pois, a todos que trabalham para o bem comum e, muito mais, a quem nos ensina a amar por amor a Jesus, porque a segurança de todos nós se encontra na vivência, copiando quem viveu a verdade. João Nunes Maia – Miramez 27
  27. 27. Filosofia Espírita – Volume XIII Os falsos princípios podem nascer até dos gênios; depende do momento, e em que se inspiram para dizer à humanidade. Existem os missionários de Deus e os que se fazem missionários, entretanto, quando são homens de gênio, o Senhor aproveita sua boa vontade para transmitir aos homens a Sua mensagem. Porém, esses missionários que se fizeram podem torcer algumas verdades e certamente influenciar algumas pessoas, entretanto, Deus deixa que eles prossigam, por existir em suas vidas alguma mensagem de grande valor. Como é um preparo para o seu auto-aperfeiçoamento espiritual, nas mãos de Deus nada se perde, e tudo se transforma. Os verdadeiros profetas, como eram chamados em tempos idos, os agora missionários, enviados por Deus para darem seqüência à verdade sempre anunciada, em tudo dão exemplos nobres; a sua vida é rastro de claridades imortais, que dá esperança e alimenta a fé naqueles que os admiram. A mensagem na sua pureza imaculada, vinda de Deus, somente um a trouxe em toda a sua plenitude de amor, e esse foi Jesus. Ele propiciou à humanidade aberturas maiores para um aprendizado sem retrocesso. Cabe a nós, anunciarmos outra vez, ou quantas vezes forem necessárias, que Jesus, O Cristo de Deus, foi o maior Espírito que pisou no solo terreno, pelos processos que o Seu próprio rebanho ainda, ignora e discute com falsas interpretações. Todos nós sabemos que o falso profeta é responsável pelas sementes que semeia nas mentes que o escutam, bem assim pela sua presença enganadora; não obstante, o falso somente tem sintonia com o seu semelhante. Bem sabemos que o elemento nobre não se mistura com aqueles que não vibram na mesma faixa de vida. Tanto quem fala, como quem ouve, estão em processos de despertamento espiritual, e algum dia o falso será verdadeiro e o que escuta mal, com a maturidade, passará a escutar bem. As lições são diferentes para cada alma, mas, todas são lições que nos fazem aprender onde quer que passamos ou estagiemos. A vida nos oferta conjunções variadas, e sempre nessas oportunidades aprendemos alguma coisa. Quem se encontra mais ou menos despertado para a luz deve pedir e saber como convém pedir, porque Deus nada dá de mal para Seus filhos. Sendo Ele harmonia, todas as Suas dádivas são de luz. Ou se lhe pedir um peixe lhe dará cobra? (Mateus, 7.10) Quando pedimos peixe ao Pai, Ele nos dará peixe, ou coisa melhor, caso necessitemos de comer coisas melhores, por ser Ele Amor. Os princípios falsos anunciados não têm força de duração. Somente a verdade ficará de pé, anuncia o Evangelho de Jesus Cristo. Eles falam contra si mesmos. Ficamos com os falsos, enquanto a verdade não chega. A mentira é qual a bruma aos raios do sol, ou as trevas diante da luz. Mesmo que queiramos, nunca torcemos para sempre a verdade; quando chegamos a iludir, esse alguém somos nós mesmos, e ao descobrirmos isso, aguçamos a seleção dos fatos, usando o raciocínio, juntamente com todos os outros dons que possuímos. João Nunes Maia – Miramez 11 - FALSOS PRINCÍPIOS 0623/LE 28
  28. 28. Filosofia Espírita – Volume XIII Aprendamos com Jesus, que somente a verdade liberta a alma. João Nunes Maia – Miramez 29
  29. 29. Filosofia Espírita – Volume XIII O verdadeiro profeta é de caráter nobre, dentro da nobreza de Deus, porque somente fala a verdade, e por vezes ela lhe custa a própria vida física, como sucedeu ao Divino Amigo Jesus. É fácil de ser reconhecido o homem de bem, pela sua vida, que ajuda outras vidas. É ele o homem que ama e em todos os seus passos ele prega e vive o amor. Todas as religiões são dignas de respeito, alguns dos religiosos é que são falsos dentro da própria comunidade. O Espírito, para ser elevado, não precisa certamente de freqüentar tais ou quais religiões, mas que faça a caridade com amor. O missionário legítimo é aquele homem que respeita aos outros, que não fere, que não insulta, que não critica, que não tem ódio, que não tem inveja nem ciúmes, que perdoa sempre as ofensas alheias, que segue a linha de Jesus, vivendo os Seus preceitos, que o Evangelho registrou pelo poder do amor dos Seus discípulos. O Mestre partiu para planos superiores, mas enviou falanges e mais falanges de Espíritos puros, para a carne e fora dela, a fim de dar continuidade à Sua mensagem de fraternidade universal. E esse trabalho continua a ser feito pelo poder dos anjos; notadamente aparece na França o Consolador prometido por Jesus há quase dois mil anos, na forma de uma Doutrina, para ensinar as mesmas coisas que disse Jesus e, ainda mais, o que o povo de Sua época não suportaria ouvir. Esse Cristianismo renascente se chama Doutrina Espírita, filosofia abençoada pela Luz, que somente nos traz paz e trabalho, nos traz luz e entendimento. Nesse processo de maturidade das almas, nos vinte séculos passados, volta Jesus para levantar os caídos, alimentar os famintos e instruir os ignorantes, curar os enfermos e tranqüilizar os corações sofredores. É bom que anotemos o feito do passado, para nos inteirarmos do que ele pode fazer no presente, nas claridades modernas, face a face com a razão. Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou (Marcos, 9:25). Jesus, voltando desta forma, estende as mãos para todos nós, encarnados e desencarnados, de todas as filosofias do mundo, e ordena que nos levantemos da ignorância, berço no qual dormimos, erguendo-nos com Ele para a luz da verdade. É o "educar e instruir" do Espiritismo, doutrina ditada pelo Espírito de Verdade que, por onde passa, liberta. E esse é o caráter do verdadeiro cristão, que passa abençoando e servindo, aprendendo e ensinando, amando e perdoando, falando das vidas sucessivas e mostrando que ninguém morre, e o que semeamos colhemos, que com a mesma medida que medirmos seremos medidos, amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos. Esse é o verdadeiro profeta, que esquece o mal e somente vive no bem, que esquece o ódio e vive no amor, que esquece a injúria e vive no perdão. O verdadeiro espírita se encontra integrado na luz do Cristo e em si faz brilhar o Cristo de Deus, porque essas coisas são motivos de glória da vida e pela vida. João Nunes Maia – Miramez 12 - O CARÁTER DO VERDADEIRO PROFETA 0624/LE 30
  30. 30. Filosofia Espírita – Volume XIII A questão de número seiscentos e vinte e cinco, de "O Livro dos Espíritos", estampa com esplendor a seguinte pergunta feita aos Espíritos superiores, dentre os quais um deles respondeu por todos os mensageiros de Deus: - "Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhes servir de guia e modelo?" E o mensageiro do céu, dominando o verbo de luz, serve de canal para o próprio Criador, respondendo de modo a ressoar em todo o mundo, para os ouvidos de toda a humanidade, com uma só palavra: -"JESUS". O Mestre dos mestres é, realmente, o modelo no qual todos os homens devem se inspirar, no sentido de caminhar com passos firmes em direção à luz. Certamente que o formulador da pergunta passou seus pensamentos por todos os grandes personagens da história universal, testando um e outro, por vezes sem segurança, em afirmações do seu próprio raciocínio; não obstante, o Mensageiro de Deus encarregado de fazer reviver o Cristianismo na Terra, limpou todas as dúvidas, dizendo que somente Jesus era e é o guia de todos os povos. E se quisermos buscar mais subsídio para tal certeza, ei-lo no próprio Evangelho do Mestre: De novo lhes falava Jesus, dizendo: - Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, pelo contrário, terá a luz da vida. (João, 8:12) Essa certeza espiritual de que Jesus é o Pastor de todo o rebanho humano se encontra nas consciências de todos os seres, vibra em todos os reinos da natureza e os anjos cantam na atmosfera da Terra. Por esse motivo é que sempre falamos que a Doutrina Espírita sem Jesus perde seu valor, e desfaz-se nas brumas do tempo, esquecendo a sua fonte sustentadora de vida. Poderemos novamente buscar no Evangelho outra afirmação, e esparzindo luz nos escritos desta mensagem com esse assunto relevante: Estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio d'Ele, mas o mundo não o conheceu. (João, 1.10) Vejamos há quanto tempo o amor do Cristo acompanha essa casa terrestre, formando a sua estrutura, preparando seu ambiente para receber a humanidade que, igualmente, estava sendo firmada para a vida pelas suas mãos generosas. Jesus é, pois, a perfeição moral em todos os rumos de todos os entendimentos e o maior fenômeno que ocorreu na face do planeta foi a Sua vinda a ele. João Nunes Maia – Miramez 13 - O MODELO DA HUMANIDADE 0625/LE 31
  31. 31. Filosofia Espírita – Volume XIII Quanto aos grandes mensageiros que vieram ao mundo como instrutores da humanidade antes do Cristo de Deus, suas doutrinas têm relação com a doutrina de Jesus; é certo que têm, pois, foi Jesus quem os enviou, depois que passou para eles o ensinamento divino, de modo a eles o interpretarem e divulgarem junto aos homens. Esses emissários transmitiram a mensagem divina parcialmente, esquecendo muitos conceitos, mas fizeram alguma coisa, e somos gratos pelos seus esforços em conjunto. Em relação a Jesus, a Sua entrega de Deus para a humanidade foi total. A doutrina moral saída dos Seus lábios divinos tem a pureza que somente o amor universal pode dar. E quando Jesus encontra João Batista junto ao Jordão, a voz dos Céus afirmou: Esse é o meu filho em quem me comprazo. A razão não pode tomar outro caminho, se analisarmos Seus grandes feitos, nunca antes comparados, pelo Seu verbo iluminado, tornando-O uno com o Pai. Devemos repetir, para atender o coração e a consciência, a pergunta e a resposta de "O Livro dos Espíritos", de modo a alimentarmos a expressão maior dentro de nós, em seguimento à vida eterna: - "Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo?" - "JESUS". João Nunes Maia – Miramez 32
  32. 32. Filosofia Espírita – Volume XIII As leis de Deus foram reveladas gradativamente em toda a Terra, por meio de todos os povos, todavia, passaram por Jesus, levando Seu calor aos corações dos missionários encarregados desta missão. Somente Ele foi capaz de revelar aos homens a doutrina na sua pureza lirial. Os Seus seguidores não o conseguiram, por falta de capacidade espiritual no comando das idéias, e por lhes faltar maturidade divina na vivência do que falavam. Ao Espírito, mesmo o de certa elevação, quando internado na carne, lhe falta sensibilidade apurada para a filtragem dos conceitos mais requintados, como distribuía o Mestre dos mestres. Os missionários da verdade somente anunciam de acordo com a capacidade dos que ouvem. Em todos os tempos houve alertas admiráveis, em todos os países do mundo, no que se refere à vida espiritual, mas os ouvidos não registraram do modo que era anunciado, por lhes faltar preparo para tal entendimento. Os tempos passaram, mas a verdade não passa; ela fica por ser verdade, e no momento certo nasce nos corações, de maneira a fazer ambiente para outros pregadores mostrarem o que os homens devem ouvir. É por isso que se encontram muitas verdades adulteradas em todo o mundo, entre todos os povos, mas como agora estamos mais amadurecidos, a verdade está chegando, como luz a despertar os corações para o céu dentro de cada ser. As leis de Deus, tornamos a dizer, está escrita em todas as consciências, como igualmente em todas as coisas. Basta ao homem interessar-se pela sua descoberta, que ela vai aparecendo para os de boa vontade. As leis se expressam em todos, desde o vírus até os Espíritos puros que estão em torno da Divindade. A diferença é que o vírus somente assimila o que pode, e o anjo, dentro da sua capacidade espiritual, entende do modo que o seu tamanho admite. É bom que prestemos atenção, pois bem junto de nós, convivendo conosco todos os dias, há sempre alguém que nos revela as leis de Deus, à sua maneira, porém de modo inteligível. Por nossa vez, fazemos a mesma coisa, embora às vezes não o percebamos. Somos instrumentos de Deus para a felicidade de todos. Graças a Deus, o Cristo já é conhecido por toda parte corno Mestre e Guia; falta a vivência dos Seus luminosos preceitos, para a verdadeira integração com a luz da verdade. Os tempos são chegados, e esses tempos mostrar-nos-ão em plena claridade que Jesus é o nosso Guia, para encarnados e desencarnados, e que nos assistiu desde o nosso princípio, quando despertamos para a razão. Jesus, sendo o Guia e Protetor da Terra, na Sua plenitude espiritual, certamente que usa uma grande falange de Espíritos elevados para a disseminação das verdades que deve anunciar e mesmo para reviver as que já foram anunciadas e reavivar a luz nos corações, ou seja, fazer o Evangelho brilhar novamente, pelos processos mediúnicos, onde a vida cresce e a esperança mostra a alegria de viver no amor. Jesus é o amor de Deus a se derramar sobre todas as criaturas da Terra, e as que caminham com ela sem o corpo físico. As revelações são constantes, mas pacientes, obedecendo à João Nunes Maia – Miramez 14 - ANTES DE JESUS 0626/LE 33
  33. 33. Filosofia Espírita – Volume XIII maturidade das almas, para não violentarem seus sentimentos. Essa é a vida, que se transmuta em paz de consciência. João Nunes Maia – Miramez 34
  34. 34. Filosofia Espírita – Volume XIII A verdade é uma só, em todas as direções que se possa dar na casa paterna, no entanto, ela nos aparece de acordo com a elevação da alma. O despertamento do Espírito é que regula o que deve aprender sobre as leis naturais e eternas de Deus. Podemos comparar a verdade sobre as leis que nos assistem a todos com o sol físico: a sua luz é vida e alimento para a humanidade, não obstante, seus raios sofrem transformações variadas até chegarem aos homens, à Terra e mesmo a certos Espíritos. Jesus foi o medianeiro máximo entre nós e Deus. Ele sentia a verdade na mais pura expressão, porém, não poderia nos revelar essa verdade do modo que recebia. Assim como tens nas linhas elétricas transformadores para regular as forças virgens que se aproximam dos lares, assim é o Mestre na parte espiritual: Ele é, por excelência, um transformador divino, que regula as verdades eternas para que os homens possam conceber e aproveitar os conceitos das leis espirituais. O Mestre pregava amiúde em parábolas, revestindo certas verdades com a letra, por não ser tempo de serem conhecidas, a não ser por alguns a quem Ele mesmo explicava Seus segredos. As comunicações dos Espíritos superiores têm a finalidade de fazer reviver Jesus não para superar Seus ensinamentos, por nos faltar elevação para tal empreendimento, mas para dar cumprimento ao que Ele mesmo disse, que enviaria outro Consolador, a fim de dizer o que Ele mesmo não poderia falar na época em que viveu no mundo. Somos, todos nós, na atmosfera da Terra, Seus agentes, e fazemos a Sua vontade. Jesus é o nosso Mestre, e nós somos Seus discípulos. Estamos todos na mesma escola, mesmo que seja em diferentes cursos. A Doutrina Espírita não tem a pretensão de querer superar Jesus; ninguém pensa desta forma nos departamentos da Terra, quer seja entre encarnados ou desencarnados. A ordem que temos, vinda de Deus, é para acompanhar Jesus e fazer o que Ele determinar. O Cristo é o Cientista e o Sábio, é o Santo e o Místico, na resolução de todas as equações que a elevação para nós pode mostrar. Consultemos, para reforço do que estamos dizendo, a Sua palavra divina, conforme registrada por Marcos, no capítulo treze, versículo trinta e um: Passará o Céu e a Terra, porém as minhas palavras não passarão. As palavras de Jesus estão fundamentadas na verdade, mas é necessário que interpretemos essas verdades ditas por Ele. Precisamos fazer a nossa parte. Qual o mérito de recebermos tudo sem esforço próprio? Jesus, para nós, é o sol da verdade, que nos aquece e nos aumenta, que nos ajuda e nos instrui. A nossa missão maior é a de abrir os olhos e os ouvidos de todos sobre o que sabemos a Seu respeito, para que possamos entrar em maior sintonia com a Sua força divina, sentindo mais a necessidade de viver o que Ele nos ensinou. João Nunes Maia – Miramez 15 - O SOL DA VERDADE 0627/LE 35
  35. 35. Filosofia Espírita – Volume XIII Se gostamos muito de dominar a Ciência, o nosso gosto, em se falando da moral, deve ser maior. A fonte de toda moral é o amor. Não é com isso que podemos dizer que estamos revelando tudo para a humanidade; longe disso, quanto mais sabemos, mais encontramos verdades para saber; os segredos de Deus são infinitos e somente Ele mesmo conhece tudo. Jesus Cristo é o Seu medianeiro de confiança. A Doutrina Espírita não é doutrina de discussões, debates e de separativismo; é uma Doutrina de Amor, e quem ama não pode sofrer restrições no que toca ao bem da coletividade. A nossa missão é fazer relembrar Jesus em toda a Sua feição divina e humana, para que a terra de provações e expiações passe com brilho para a Terra de Regeneração, onde a luz possa nascer com todo o seu fulgor, tendo como base amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a nós mesmos. João Nunes Maia – Miramez 36
  36. 36. Filosofia Espírita – Volume XIII A razão nos mostra com bastante clareza que as verdades tinham de ser reveladas do modo que o foram: gradativamente. A luz em excesso pode cegar. Quem mandou os primeiros instrutores à Terra foi Jesus, antes da Sua vinda ao planeta, mas a Sua sabedoria restringiu o que Ele deveria falar e fazer ante a massa humana inconsciente e ainda em plena ignorância. Observemos como nasce uma árvore: não é de uma noite para o dia; há uma seqüência e obedece a determinadas leis, onde a harmonia sempre está presente. Compete a nós outros observarmos essas leis que regulam tudo na vida, como a nós mesmos. O despertamento das criaturas é, igualmente, de passo a passo; ninguém violenta as leis, nem as leis violentam os Espíritos. É nesse sentido que os anjos têm maior tolerância com os homens, e os homens sábios a têm com os animais, por saberem que todos estão na mesma marcha para Deus, que os criou. Deus não permitiu que os nossos ancestrais recebessem comunicações iguais às que os homens recebem hoje, no século vinte, por faltar a eles capacidade de assimilação como a que têm atualmente. Agora estão sendo chamados e escolhidos para um melhor entendimento da verdade, não de toda a verdade, pois ela continua na sua divina gradação espiritual. Podemos dizer que ela nasce e renasce constantemente, em variadas freqüências de vida, para dar mais vida às criaturas de Deus. Os homens do passado recebiam algumas verdades esparsas, ainda assim, somente os que estavam preparados para tal iniciação, e em muitos casos elas chegavam a eles envolvidas em roupagens onde as letras perduravam escondendo o Espírito que vivifica. A Doutrina dos Espíritos veio superar todas as filosofias do mundo por não ter nascido dos homens, nem ser dirigida por eles. Ela avança com os homens ou sem eles, por ser a vontade de Deus, pelas mãos do Cristo. Jesus não tem aflições e nem faz propaganda das verdades espirituais; a Sua pregação vem por maturidade das criaturas. O éter cósmico que a tudo interpenetra na criação, são ondas de luz que obedecem a Deus, Seu criador, e por ele, ou elas, fala o Senhor, e Jesus é o semeador das vidas por Deus formadas. Ninguém pode fugir à verdade, que são leis eternas na eternidade do próprio Deus. Entendemos, e podes observar, que todas as religiões do mundo e as filosofias de vida modernas e antigas, tiveram e têm seus valores para certa gama de pessoas do seu nível. As instruções vêm para todas as criaturas, de acordo com seu despertamento espiritual. Deves analisar uma universidade: ela tem vários departamentos de ensino, e os alunos se reúnem por afinidade de saber. As criaturas são as mesmas, com as mesmas necessidades físicas, todas irmãs umas das outras, no entanto, no que toca às variáveis das verdades que devem conhecer, elas são apresentadas de maneiras diversas. Podemos comparar cada sala de aula como uma religião, fornecendo aos seus profitentes o que eles merecem pela sua evolução espiritual. João Nunes Maia – Miramez 16 - POUCO A POUCO 0628/LE 37
  37. 37. Filosofia Espírita – Volume XIII Assim é a universidade divina. Preciso é que os homens aprendam a amar a seu próximo como a si mesmos, para que não haja discórdia quanto ao que devem aprender sobre a vida e sobre as leis. Disse Jesus: - Nem só de pão vive o homem. Precisamos de tudo .para viver bem, porque tudo foi feito por Deus, desde quando tenhamos bom senso ao escolhermos o que nos serve hoje e do que vai nos servir amanhã. João Nunes Maia – Miramez 38
  38. 38. Filosofia Espírita – Volume XIII A moral é uma regra de bem proceder, e torna-se uma seqüência de valores onde o homem encontra a paz de consciência. Todo o Evangelho de Jesus fundamenta-se na educação dos seres humanos; portanto é uma escola de moralidade divina. Para a criatura humana que começa a se educar dentro da regra moral do Evangelho, a sua vida vai mudando, pela transformação que se opera no seu íntimo, e a conseqüência é a transformação do seu comportamento exterior. A honestidade não se baseia somente em uma virtude; ela passa a ser o conjunto de qualidades, onde se vê os valores intercambiarem para maior segurança da criatura. Não há neste mundo outro código moral mais perfeito que o Evangelho de Jesus, porque Ele não apenas ensinou os bons costumes à humanidade; Ele viveu o que dispôs para os filhos da Terra. O Cristo uniu teoria e prática, sem alterar, nem violentar as condições dos seres humanos. O trabalho de Jesus é paciente; há milhares de anos que as Suas mãos operam em plena função de normas elevadas, fazendo os homens entenderem que somente o amor salva, e as divisões desse amor, como sendo alta moral, é para não agredir Seu rebanho na aquisição de procedimentos elevados. O homem honesto, pela sua própria disposição, já encontra caminhos que atrai por sintonia com o bem comum. A moral se enriquece na vida de uma pessoa quando esta, em tudo que faz de bom, pensa sempre no bem-estar da coletividade, quando nunca se separa dos seus irmãos em caminho e sabe que o próximo é a sua extensão na vida. Essa é a proclamação do amor, na extensão infinita em que ele se mostra pela fraternidade universal. O homem procede bem quando tudo faz pelo bem da humanidade. Tudo que copiamos das leis de Deus é serviço da moral. Mesmo que estejamos sofrendo em qualquer faixa da vida, se nos estribamos na moral, a dor se transforma em confiança, a confiança em fé e a fé em alegria. Onde reina o amor puro, está feito o ambiente para a felicidade da alma. Jesus Cristo, dotado de todos os poderes, é a moral viva de Deus a irradiar-se na Terra. O poder de curar que d'Ele sai é oriundo da Sua moral. E todos da multidão procuravam tocar-Lhe, porque Dele saía poder e curava a todos. (Lucas, 6:19) Os poderes que concentramos em nós são, certamente, originários da vida que levamos com honestidade, e a posição que atingimos nos níveis do amor. A posição do que quer beneficiar alguém deve ser de procurar orar, passando a vigiar, pois a oração busca e o policiamento moraliza, para que entre em intervenção, servindo de instrumento para a Luz Maior, que somente sintoniza com as qualidades superiores da alma. João Nunes Maia – Miramez 17 - MORAL 0629/LE 39
  39. 39. Filosofia Espírita – Volume XIII Existem dois caminhos, que levam a alma para a luz ou para as trevas: o bem e o mal. O bem são as leis naturais que o Espírito deve passar a obedecer, e o mal são linhas diversas, que a alma procura para a sua própria satisfação passageira. A moral é, pois, uma regra áurea de vida, de vida no bem, onde o amor é a energia sutil, provinda de Deus, que a alimenta. João Nunes Maia – Miramez 40
  40. 40. Filosofia Espírita – Volume XIII Se as leis universais estão escritas na consciência de cada criatura, mesmo as que se encontram escondidas pelo véu da carne, pelo esforço da criatura passam a povoar a sua mente, deixando as lembranças mais visíveis que se possa pensar. Deus é bondade, é amor, e não iria deixar Seus filhos sofrerem as conseqüências dos erros sem conhecimento da verdade. Todos os que estão encarnados têm conhecimento do bem e do mal, uns mais, outros menos, mas todos, sem exceção os reconhecem. Quem estudar a natureza enriquecer-se-á das instruções sobre as leis da vida, porque Deus escreve igualmente Suas leis em toda a criação. A consciência dá logo o reconhecimento do mal que se pratica, pela sensibilidade, porque, em primeiro lugar, o Senhor escreveu nela o bem universal. Se tudo vem de Deus, toda a verdade é disseminada pelo Senhor, toda caridade que se faz vem de Deus; de todo amor, Ele é a fonte. Por que se exaltar quando se faz o bem? Esse é o dever de todos nós, encarnados e fora da carne. Pois, todo o que se exaltar será humilhado, e o que se humilha será exaltado. (Lucas, 14:11) A lei cuida de nos disciplinar, no sentido de que não cresça em nós a vaidade. Não precisamos nos exaltar quando praticamos uma boa ação; isso é o nosso dever e o ambiente da boa ação já é o salário que passa a converter as trevas em luz. Todas as leis de. Deus levam à expressão do bem, e o de boa vontade descobre o que deve ser o bem em todos os seus aspectos. Para tanto, recebemos, peio progresso, o raciocínio, dom divino que faz o processamento do bem e do mal, entregando à nossa vontade o que a alma deseja fazer. No entanto, ela responde pelo que faz. Os nossos feitos são sementes de luz ou de trevas, e o que plantarmos colheremos. A lei não falha, por ser ela imutável. A Doutrina Espírita é Jesus voltando, pelo que ela ensina, é Jesus presente com os homens pela clareza com que ela expressa seus conceitos de luz. É Ele, pelas curas realizadas e pelo alimento espiritual que distribui à humanidade, sem forçar consciências. O Espiritismo é Jesus pelo amor, que ensina aos homens, de uns para com os outros. A Doutrina dos Espíritos não combate o mal, no sentido de perder tempo em discussões improfícuas, mas, ganha o tempo vivendo o bem. Se queres saber qual o caminho do bem, o que fizeres, faze-o às claras. Desde quando escondes os teus feitos, é porque alguma coisa dentro de ti assinala avisos de que não deves fazê-lo. Quando duvidas se uma ação é boa ou má, isto não passa de irradiação do subconsciente, expedindo sinais para a consciência ativa. Vê, então, se o que vais fazer é duvidoso, se pode prejudicar alguém em teu caminho. Lembra-te de Jesus: não faças aos outros, o que não queres para ti. Se tiveres honestidade, ela te livrará das insinuações do mal. João Nunes Maia – Miramez 18 - O BEM E O MAL 0630/LE 41
  41. 41. Filosofia Espírita – Volume XIII Pensa no amor ao próximo, que esse mesmo próximo, ainda que inconscientemente, te protegerá, pelas forças do Criador. João Nunes Maia – Miramez 42
  42. 42. Filosofia Espírita – Volume XIII O homem tem poderes extraordinários para resolver todos os problemas a ele afeitos. Se assim não fora, não existiria o Evangelho de Jesus, guia e sustentador divino para todas as criaturas. Qualquer pessoa, estado, nação, e mesmo o mundo inteiro, se se esforçar para viver os preceitos de Jesus irá se libertando de todos os problemas por si mesma criados. Pela ação do Evangelho a mente vai clareando e o mal passa a desaparecer das cogitações humanas, porque somente o bem impera onde nasce o amor. Precisamos crer em Deus, reconhecer o Pai, para nos aproximarmos d'Ele, porque Ele já existe dentro de nós. Sê inteligente, e usa esse dom para descobrir teus próprios valores imortais, que todos temos. Todo sofrimento da humanidade é falta de harmonia na mente. Se queres harmonizar a tua, ama a Deus sobre todas as coisas, Passando a respeitar o próximo dentro de todos os seus valores espirituais. A Doutrina dos Espíritos é também uma filosofia de vida espiritual, capaz de nos levar à liberdade, por nos dar consciência do bem e do mal. Ela nos ajuda a discernir o que devemos ou não aceitar, com a velocidade do pensamento. Desde quando só busques o bem, passas a esquecer o mal, e esse sai do teu mundo mental para sempre. Se o companheiro esquece o bem, ele investe todo o tempo no mal, e esse mal passa a viver nele, sem ser dele. Assim, como uma multiplicação, os Espíritos que o observem, e devem ser muitos, esfriam em sua maturidade, onde a caridade ia surgindo. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos se esfriará. (Mateus, 24:12) Se o mal e as falsas leis acharem ninho em nossos corações, poderemos provocar muito mal. Quando chega em nossos corações o Evangelho de Jesus, a luz espanca as trevas. Onde há trevas, pode chegar a luz, mas, onde há luz, as trevas não podem sobressair. Deus, através dos tempos, nos conferiu a inteligência para podermos distinguir o bem do mal, escolher e viver as leis naturais de vida e de vida eterna. Não percamos tempo com coisas vãs. Estamos sendo chamados por Jesus para saber usar nossos talentos de vida. Procuremos conhecer mais sobre Jesus e passemos a viver o que o Mestre ensinou, que a nossa vida vai mudar e a felicidade passará a ficar mais próxima dos nossos corações. é uma grande conquista, e seremos felizes logo, se descobrirmos os meios de conquistá-la na cidade dos nossos corações. Vê bem a vibração da palavra Bem e verifica a de Mal; cada uma delas já traz em si seus valores, suas marcas, que podem ser reconhecidas pelo que são. Se alguém te injuria, não percas tempo em defender-te, para não entrares na faixa do perseguidor. O tempo que irias gastar sem proveito, aproveita-o fazendo o bem, sorrindo para um velho ou uma criança, ajudando a quem precisa das tuas mãos e amando a todos. Somente Deus é nossa defesa, e Se mostrará presente pela tranqüilidade de nossa consciência. João Nunes Maia – Miramez 19 - DISTINGUIR 0631/LE 43
  43. 43. Filosofia Espírita – Volume XIII O justo já recebeu a recompensa pelo seu estado de tranqüilidade imperturbável. Sê um justo e acredita na justiça de Deus sem querer fazê-la com os teus recursos, que servirás para o bem da humanidade. João Nunes Maia – Miramez 44
  44. 44. Filosofia Espírita – Volume XIII O engano entre o mal e o bem, para os de boa vontade, para os que procuram Deus em tudo que fazem, é mais difícil. Necessário se faz crer em Deus porque, acreditando n'EIe como Pai de amor, estaremos sempre à procura das Suas leis, para que possamos vivê-las. Como quereis que os homens vos façam, assim fazei-o vós também a eles. (Lucas, 6:31) Nesse regime de justiça, de amor e de fraternidade, ninguém se engana na escolha, a menos que deseje escolher o mal, o que não acreditamos. Apóia-te no Evangelho de Jesus, que serás seguro em todas as tuas obras, porque o Mestre é a verdade, é o caminho e a vida. A humanidade, sendo consciente dos seus deveres perante o Criador e ante o Mediador entre Deus e os homens, não se engana na escolha dos seus caminhos. A inteligência, irmanada com o coração, se ilumina e a intuição se faz em todo o seu esplendor. Deus, quando fez o homem, dotou-o de todas as sensibilidades da vida, acentuando na sua consciência - "faze a tua parte, que te ajudarei". O discernimento vem do esforço de acertar. Existem pessoas que desejam enganar a si mesmas, conscientemente. Essas precisam sofrer para despertar do engano imposto a si mesmas por inércia. Os homens estão rodeados de inúmeros Espíritos, a ajudá-los mais do que pensam: no entanto, essas entidades espirituais encarregadas de inspirá-los ficam esperando a decisão de cada um. Decide para o bem, que esse bem será encaminhado para o teu caminho. O "buscais e achareis" de Jesus é um incentivo para o teu esforço, e Ele, o Mestre, te ajudará na tua busca. Com o Espiritismo na análise do Cristianismo, ficou mais fácil a busca, pelas verdades que ele expõe para todas as criaturas de boa vontade. Os livros espíritas sérios estão circulando por toda parte, e àquele que deseja obtê-lo, logo lhe chega às mãos um deles como resposta, porque muitos Espíritos encarregados de difundir essas verdades estão a postos e ajudam a quem quer que seja na procura, sem que aquele que busca o perceba. Na profundidade do termo, em se comparando com as leis eternas que dominam todas as coisas, não existem enganos; existem, sim, caminhos mais difíceis. Os tempos são chegados de a luz se fazer em toda a humanidade, por meios diversos e seguros. Não apenas o Brasil, mas vários outros países já conhecem a Doutrina Espírita, tomando conhecimento da Verdade, procurando-a com sinceridade e amor. Deus é justiça e todos somos Seus filhos do coração. Allan Kardec foi um instrumento da verdade, que Jesus enviou à França, para fazer conhecido o Evangelho em Espírito e verdade. A velha Europa não pode dizer que não viu e não sentiu a luz do sol espiritual, entretanto, ela rejeitou a instrução espiritual, que foi direcionada então, para o Brasil, mas Jesus se mostra com os braços abertos, para receber todos os povos que queiram aprender e amar dentro da fraternidade universal. Em Espírito, Ele se acha envolvido no ar que podes respirar e na água que podes João Nunes Maia – Miramez 20 - O ENGANO CONSCIENTE 0632/LE 45
  45. 45. Filosofia Espírita – Volume XIII sorver, nos alimentos que matam a fome e, muito mais, na vida dos brasileiros, que sempre têm algo de Jesus para mostrar nos lances de suas vidas. Povos de todas raças! Buscai no Brasil vossas orientações espirituais, que nunca errareis os caminhos do bem. A caridade nesta nação corre nas veias dos que tiveram o privilégio de nascer nestas terras, privilégio este por conquistas, pelas reencarnações em diferentes nações do mundo. João Nunes Maia – Miramez 46
  46. 46. Filosofia Espírita – Volume XIII A regra divina da vida está sempre pronta para nos defender de iodos os males, no entanto, nós outros é que fechamos os olhos e interrompemos nossa audição, para não ver, nem escutar. É nesse impasse que entra a dor, pois somente ela pode nos impedir de continuarmos nos caminhos de espinhos, cheio de ilusões passageiras. Nós já fomos programados por Deus, peia ciência divina que escapa ao raciocínio, para saber o que queremos e entender as nossas limitações. Quem não sabe o limite da bebida mesmo que a água seja para todos urn precioso líquido? Quem não sabe o limite da comida, mesmo que ela seja para as criaturas um motivo de vida física? Quem não reconhece o limite do bem vestir, os limites do sono, do lazer, e mesmo do trabalho? Todos são dotados de sensibilidades para manter o próprio bem e equilíbrio da natureza divina e humana. São regras escritas por Deus na natureza, e que todos percebem, porque no ser humano elas se encontram escritas na consciência. Com o interesse em acertar, as leis de Deus que brilham por dentro de nós se afloram, ficando mais visíveis, atendendo aos esforços no aprendizado. Isso é lindo, e nos parece que a natureza é inteligente: como nos ama e atina pelos nossos apelos em todas as direções! Quando comes com excesso, o aparelho digestivo avisa por muitos meios, e qual é o teu dever? Diminuir a carga de alimentos, pois, se não o fizeres, sofrerás pela invigilância. Assim é tudo na vida. Deste modo, Deus está em toda parte, vigilante, para conservar a harmonia em toda a Sua criação. A nossa parte, mesmo sendo pequena, é de nosso dever cuidar dela, para que possamos conquistar a paz, que é caminho para a felicidade. Os ensinamentos dos Espíritos são claros, de modo que a própria razão responderá à realidade. As leis naturais traçam para os homens seus limites, de modo que eles possam viver em paz consigo mesmos. Quando eles persistem nos caminhos de desarmonias, certamente que eles são punidos pelo seu desleixo, e com a dor, aumentam suas experiências. Ao voltar, em outras vidas que se sucedem, a sua mente não precisará mais nem usar a razão para encontrar o certo; a intuição agirá, de modo a preservar o seu próprio equilíbrio. O "modus vivendi" está assegurado pelas experiências, fruto de muitos infortúnios e de muitas vestimentas carnais. A natureza está cheia de regras áureas, de sorte a nos educar. Quem já se encontra em caminho com elas sente a felicidade no andar e no viver junto a essas regras, por amar a disciplina e sentir o amor por tudo que existe na vida, criado por Deus. Compete a nós estudarmos todos os dias as lições da natureza e, se não aprendemos ainda, busquemos nos livros dos homens, aqueles que já sabem copiar as lições onde Deus escreveu, ou buscar na própria consciência. Tudo depende um pouco de maturidade espiritual, e antes que chegue essa hora, usa a tua inteligência, analisa as coisas e não percas tempo a ver somente os defeitos alheios, que são João Nunes Maia – Miramez 21 - A REGRA ÁUREA 0633/LE 47
  47. 47. Filosofia Espírita – Volume XIII sempre frutos dos primeiros impulsos, quando estamos caminhando para a libertação. Acordemos, pois o julgamento não nos leva a nada. Sempre que pudermos, observemos a nós mesmos, onde existe muito trabalho a ser feito. Por que vês tu o argueiro no olho do teu irmão porém não reparas na trave que está no teu próprio? (Lucas, 6:41) Podes ser um hábil observador, no entanto, quando saíres dos limites da tua pesquisa, passando a observar e propagar os defeitos alheios, sofrerás corrigendas à altura dos teus desequilíbrios. Deves observar com todo empenho as leis naturais que agem dentro e fora de ti, a te convidarem para o bem. João Nunes Maia – Miramez 48
  48. 48. Filosofia Espírita – Volume XIII As melhores condições que Deus deveria criar para os homens, Ele já o fez em todos os sentidos na vida e pela vida. Se Ele é todo amor e todo sabedoria, como criticá-Lo e dar-Lhe conselhos? Pela visão fraca do homem, cujos limites parecem não sair da própria atmosfera, o homem deveria ser criado para não sofrer essas limitações e desde o princípio gozar da felicidade tão almejada por ele. No entanto, Deus sabe o que fazer, nos dando certa liberdade e nos convidando para o crescimento, onde o esforço próprio é motivo da alegria de viver. Os Espíritos foram criados simples e ignorantes, mas trazendo guardado no cofre da consciência, em estado de sono, todas as qualidades dos anjos, a serem despertadas pelos esforços de cada criatura, A Doutrina dos Espíritos está doando aos homens modalidades inúmeras de os homens despertarem, mostrando regras e conceitos de luz, de modo a cada um andar com mais proveito, aproveitando o tempo para conhecer a si .mesmo, aparando arestas e fazendo ambiente para o seu crescimento espiritual. Mas, no fundo, tudo vem de Deus, esse ser que ainda desconhecemos, porém, já temos a certeza de contar com um Pai de amor, que somente nos deseja o melhor. Se ainda te faltam melhores condições na tua vida, consulta a consciência; se ainda continuas a duvidar, ora e vigia; se ainda não entendeste, trabalha com amor em todos os rumos da tua existência que, esperando, Deus não esquece Seus filhos de boa vontade, e dá a todos o mesmo carinho e as mesmas oportunidades de elevação. Deus deixa que Seus filhos escolham seus próprios caminhos, mas vigia para onde eles vão. Com o passar dos tempos, devemos ir nos libertando de certas dependências, no sentido de sermos guiados pela consciência, onde se encontram as leis vivas criadas por Ele e escritas na profundidade dos seres. Sem incentivar o egoísmo, nem alimentá-lo, o certo é que o Espírito aprende. Depois de Deus, tudo depende do homem, de onde vem a sua própria salvação, a sua cura de todos os males e a sua iluminação interior. Enquanto estiver buscando fora o que já traz por dentro, ele não passa de homem primitivo. O "conhece-te a ti mesmo" é a revelação da mais alta lei de vida e de verdade. Não existem melhores condições para a libertação da alma do que essa de conhecer as suas forças e saber usá-las. Quando já estamos trabalhando em favor dos outros, é o caminho se abrindo para nós, sem o trabalhador atinar para essa verdade. Em todo trabalho que fazemos em favor dos outros, estamos ajudando é a nós mesmos. Os outros somente são verdadeiramente ajudados quando passam a conhecer a si mesmos. O que chamamos de bem e mal são condições necessárias que Deus permite, para o despertamento dos valores das almas; se assim não fora,não existiria o mal. Para que os homens compreendam as leis na sua profundidade, são necessários ainda muitos milênios na João Nunes Maia – Miramez 22 - MELHORES CONDIÇÕES 0634/LE 49
  49. 49. Filosofia Espírita – Volume XIII purificação dos seus sentimentos. São vidas e mais vidas em cadeia, respeitando as mesmas leis de Deus, com diferenciações de acordo com o grau alcançado. O mal não se encontra na natureza, porque ele não existe como se expressa o termo; o que realmente existe são processos de despertamento das qualidades imortais do amor, que se divide ao infinito para a felicidade de todos os filhos de Deus, porque Ele é o Pai, fonte do bem universal. João Nunes Maia – Miramez 50
  50. 50. Filosofia Espírita – Volume XIII As diferentes posições sociais dos homens não significam que as leis de Deus são mutáveis; pelo contrário, elas são imutáveis em todas as direções onde são reconhecidas. O que podemos observar ante as diferenças sociais, que existem e existiram em todos os tempos, é a força do progresso, que não está sob o controle humano, mas é ordem de Deus, o Ser Supremo que não pede opinião aos homens sobre o que deve fazer em favor dos mesmos homens. As posições variadas dos seres e das coisas não tornam as leis fora da unidade universal; é falta de visão espiritual das almas em estado de despertamento espiritual. Em toda fase de ignorância, os seres humanos desejaram mudar as leis de Deus pelas suas, que são cópias mal feitas das de Deus, no entanto, nada conseguiram, por serem as leis humanas transitórias, não suportando o tempo, modificador comum das coisas variáveis. As condições da existência dos seres humanos mudam com o passar dos evos, porque suas qualidades vão se despertando em ritmo lento, na suavidade da lei divina. Compreendemos, pois, que a vida não violenta; ela, na sua estrutura,se expressa na gradatividade que se chama, em todos os mundos, harmonia, ou, como queiram, amor. Eis em que resultam, para todas as criaturas de Deus, as mudanças, que são necessárias para que a vida entre em equilíbrio espiritual. São as constantes operações, mudanças sempre para o melhor. Se Deus é uno e perfeito, tudo o que Ele faz tem a marca da perfeição espiritual. Nada se encontra fora do seu verdadeiro lugar; tudo está certo, tudo é perfeito na ordem do Universo. Compete aos Espíritos, encarnados e desencarnados, estudar e observar as leis que regulam a vida, as leis que são perfeitas e eternas como o Criador delas. Se encontras coisas que te parecem o mal, fora da ordem do universo, é para dar um motivo às almas de trilharem nos caminhos de luz. A dualidade das coisas é lição, para que possas operar as escolhas usando o livre arbítrio. Deves fazer sucessivas buscas em todas as direções, porque é buscando e analisando que encontrarás a verdade. Ela está ao alcance das tuas mãos, mas não te procura; espera que os teus esforços vão ao teu encontro, para sentires a alegria e valorizar teus esforços no "buscai e achareis". Tudo na criação se mostra com diferenças entre si, nos seus mínimos traços. Isto evidencia a inteligência de Deus. Até o que faias agora nunca mais repetirás nas mesmas vibrações sonoras e gamas energéticas. Não obstante, as leis que regulam tudo são imutáveis na unidade de Deus. Deus é doador divino, que nos dá de tudo e nada nos pede em troca. Nós, pela maturidade, é que reconhecemos a Sua paternidade e passamos a respeitar as Suas leis, como retribuição que podemos dar ao Criador, demonstrando reconhecer a Sua bondade para com os Seus filhos. João Nunes Maia – Miramez 23 - DAS DIFERENTES POSIÇÕES 0635/LE 51
  51. 51. Filosofia Espírita – Volume XIII Dá a quem te pedir; e se alguém levar o que é teu, não entre em demanda. (Lucas, 6:30) Não existe egoísmo nas coisas de Deus. Sendo tudo d'Ele, porque nós, os Espíritos, é que vamos querer somente para nós, se a felicidade não pode existir somente para uns? Como podes amar, se não existe quem te ame igualmente? É por isso que todo o universo se encontra em ordem; porque Deus deu todo Seu amor para todas as criaturas, sem exceção. Façamos o mesmo e seremos felizes, dentro da felicidade do Criador. João Nunes Maia – Miramez 52
  52. 52. Filosofia Espírita – Volume XIII A lei de Deus é para todas as criaturas; do mesmo modo que ela atua em uma pessoa primitiva, ela se manifesta em um civilizado. A diferença que se processa é a maturidade, é o uso da inteligência de cada um. Vamos a uma comparação simples, mas que dá para entender as diferenças de atuação da lei, nos homens e nas coisas: homem primitivo mora ao relento, sujeito às variações do tempo, e sofrendo as conseqüências dessas variações. O civilizado usou da inteligência desenvolvida, fez uma casa, usa a eletricidade, fabricou a roupa e consegue alimentos com mais facilidade, e ainda fez o carro e usa o avião para rápidas viagens. Mas, as leis que regulam tudo são as mesmas para todos. Em rápido entendimento, o que o civilizado gasta para percorrer uma distância de avião em uma hora, por vezes o primitivo leva mais de vinte dias; porém, é a mesma a distância. Deus não encurtou a distância para o homem dito civilizado, ele é que descobriu meios para tal. Daí, podes deduzir as outras coisas, não fora da lei. A lei é a mesma para todas as criaturas. A diferença que existe é por causa da maturidade da alma, que gastou milhões de anos, no sentido de adquirir experiências. Quanto ao mal, é a mesma coisa; depende do conhecimento da alma. Quem já compreendeu que colhe o que planta, certamente que, no momento do plantio, irá escolher suas sementes, e os pensamentos dos Espíritos são sementes, que caem na lavoura da mente de quem semeia e de quem deixa de semear. As responsabilidades são idênticas. Ao conversares com alguém, é justo que analises o que vais falar, para não caíres em tentações. E tu, que deves ouvir, tem cuidado no que vais escutar, para não sofreres as conseqüências do que ouves de mal. As coisas pequenas são tão perigosas quanto as grandes, porque a grande era, no princípio, pequena, e se persistires nos pequenos erros, vê-los-ás crescerem e tornarem-se mais difíceis de serem corrigidos. Quem é fiel no pouco, também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco, também é injusto no muito. (Lucas, 16:10) Purificação é purificação. O dever do Espírito é, pois, eliminar todo o mal da sua vida, eliminar toda a injustiça dos seus passos, e procurar ser fiel e justo em tudo. Basta começares com Jesus esse trabalho, que Ele te dará forças para venceres a ti mesmo, em todas as lutas de auto-aperfeiçoamento espiritual. Há grandes diferenças entre o bem e o mal: um é eterno, e o outro é passageiro, e o mal ainda coopera para a edificação do bem. Essa é a lei do progresso. As diferenças dos homens, de uns para com os outros, é o grau de responsabilidade nos caminhos da vida. Em suma, é a responsabilidade do que devem fazer, no empuxo do progresso. João Nunes Maia – Miramez 24 - PARA TODOS 0636/LE 53
  53. 53. Filosofia Espírita – Volume XIII O que chamas de mal, que é a força do bem mal compreendida, deixa de se expressar no mundo quando a humanidade passa a amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesma. O amor é a força divina, o transformador de todas as coisas para melhor. Ele é luz que sai do coração de Deus para iluminar os corações humanos, na solução de todos os problemas criados pelos Espíritos ignorantes, e ainda alimentando a simplicidade que ainda não se esclareceu. João Nunes Maia – Miramez 54

×