IEFP - ISG
Ficha Técnica
Colecção MANUAIS PARA APOIO À FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS
EMPRESARIAIS
Título Aprovisionamento e Gestão ...
Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador
ÍNDICE GERAL IEFP
Índice Geral
1. Objectivos Globais do Guia ................................................................
IEFP ÌNDICE
GERAL
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS .........................................................................
APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP
1. OBJECTIVOS GLOBAIS DO GUIA
Este guia tem os objectivos seguintes:
Definir os pré-req...
IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO
MÓDULO
2. PRÉ-REQUISITOS
O formando deve assegurar as condições de acesso seguintes:
Idade igu...
APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP
3. PERFIL DO FORMADOR
Habilitações Académicas-Formação Específica
O formador (M/F) deve...
IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO
MÓDULO
4. CAMPO DE APLICAÇÃO DO GUIA
Este guia destina-se a orientar a formação profissional e...
APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP
5. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO MÓDULO/DAS UNIDADES TEMÁTICAS
Unidades Temáticas Objecti...
IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO
MÓDULO
3. A Gestão e a
Organização
Administrativa dos
Stocks
Descrever o âmbito e o enquadrame...
APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP
6. A Função Compras e
a sua Organização e
Gestão Administrativa
Caracterizar o problema...
IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO
MÓDULO
6. ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS RECOMENDADAS
O formador deve procurar alternar sessões exp...
APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP
7. RECURSOS DIDÁCTICOS
Software de apoio:
GESMAT ou outro
MS OFFICE 97 ou posterior (Wo...
IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO
MÓDULO
8. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA
ASSIS, Rui, FIGUEIRA, Mário. MICROSTOCK - Apoio à Decisão e...
I. OS STO C KS E A F U N Ç ÃO A P R O V IS IO N A M E NTO
A P R O V I S IO N A MTO
E G E S T Ã O
D ESTO C K S
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
1. RESUMO
Numa empresa pode considerar-se dois tipos de materiais: recursos ...
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
Da selecção criteriosa de fornecedores e contratação adequada;
Da gestão opt...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
2. PLANO DAS SESSÕES
Conteúdo Metodologia Duração
(minutos)
1. Tipos de
mate...
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
6. A função
aprovisionam
ento e a
estrutura
organizacion
al
Exposição:
Apres...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO
Exercício 1
Distinga materiais consumíveis, materia...
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
Exercício 4
Descreva uma cadeia logística externa
Resolução:
Venda de
materi...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
A Gestão de Materiais determina quanto e quando encomendar e mantém actualiz...
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
O custo de rotura de stock (Cr) que é o custo associado a uma solicitação ou...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
Exercício 9
Explique porque se considera o modelo MRP um modelo misto
Resolu...
22 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
4. TRANSPARÊNCIAS
TI...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
NOÇÃO DE STOCK
Stock ou stocks é o conjunto de materiais consumíveis ou de m...
24 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
Matérias-
primas
Com...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS
- Bens não duradouros
- Bens de Consumo
- Bens du...
26 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
FUNÇÃO APROVISIONAME...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
IMPORTÂNCIA DO APROVISIONAMENTO
Gerardiferenciação face à concorrência, atra...
28 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
LOGÍSTICA
Logística ...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
LOGÍSTICA DE INPUT E DE OUTPUT
Planeamento Global do Negócio
Planeamento Ger...
30 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
FORNECEDOR
CADEIA LO...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
FLUXOS NA CADEIA LOGÍSTICA
1.9
ORIGEM
(Fornecedores)
CADEIA
INTERNA
(Produto...
TES. S.
ADM.
1.11
32 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
O ...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
O DEPARTAMENTO DE APROVISIONAMENTO DEPENDE DA
DIRECÇÃO GERAL
DIRECÇÃO
GERAL
...
34 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
ESTRUTURA DO ÓRGÃO D...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
ÂMBITO DA GESTÃO DE STOCKS
A função gestão de stocks tem como principais atr...
36 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
FACTORES A CONSIDERA...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
CONCEITO DE PROCURA
Procura é a expressão dinâmica de um mercado que
corresp...
38 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
OS CUSTOS ASSOCIADOS...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
PARCELAS DO PRAZO DE APROVISIONAMENTO
O prazo administrativo de preparação e...
40 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
NECESSIDADES LOGÍSTICAS
N...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
NECESSIDADE DEPENDENTE
Necessidade Dependente - Toda a necessidade logística...
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
NECESSIDADE INDEPENDENTE
Necessidade Independente - Toda a necessidade logís...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
MODELO DE GESTÃO POR ANÁLISE ESTATÍSTICA OU
MODELO PUSH
Neste modelo de gest...
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
MODELO DE GESTÃO POR ENCOMENDA OU MODELO PULL
Neste modelo o cálculo das nec...
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
GESTÃO JIT
JIT (Just-In-Time) é uma filosofia de gestão global, centrada no
...
IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO
APROVISIONAMENTO
MODELO MISTO OU MODELO MRP
Este modelo considera-se misto porque recorre ao ...
46 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
I
I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP
5. TEXTOS COMPLEMENTARES PARA O FORMADOR
Artigos da revista Executive Dugest...
II. A G E S T ÃO E A O R G A N IZ A Ç ÃO F ÍS ICA D OS STO C K S
A P R O V I S IO N A MTO
E G E S T Ã O
D ESTO C K S
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
1. RESUMO
À gestão material dos stocks compete assegurar que as operaç...
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
2. PLANO DAS SESSÕES
Conteúdo Metodologia Duração
(minutos)
1. Âmbito ...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
Os formandos, reunidos em grupos, debatem os
factores que condicionam ...
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Os formandos, reunidos em grupo, devem procurar
relacionar acções de c...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO
Exercício 1
Indique as principais atribuições...
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Exercício 3
Explique a unidade de trabalho de um armazém
Resolução:
De...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
4. TRANSPARÊNCIAS
Âmbito da Gestão Física dos Stocks
À gestão física d...
58 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
ATRIBUIÇÕES DA...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
Âmbito da RECEPÇÃO DOS MATERIAIS
À função recepção dos materiais compe...
60 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Âmbito da Funç...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
Aviamento
É a actividade de entrega do material requisitado no armazém...
62 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Expedição
É a ...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
Requisitos de uma Gestão Física dos Stocks Eficiente
Proporcionar as c...
64 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Princípios Ger...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
FACTORES CONDICIONANTES DO MÉTODO DE
ARMAZENAGEM
Rotatividade dos mate...
66 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Categorias de ...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
Tipos de Armazéns
Armazéns cobertos
Parques
Áreas livres
2.11
Aprovisi...
68 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Armazém
É todo...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS
STOCKS
IEFP
Arrumação
É a actividade
dos materiais
que consiste na disposição
nos ...
70 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Métodos de Loc...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
Conservação
Consiste na preservação da qualidade dos materiais armazen...
72 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA
DOS STOCKS
Saneamento de ...
II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP
5. TEXTOS COMPLEMENTARES PARA O FORMADOR
Artigos da revista Executive ...
III. A G E S T ÃO E A O R G A N IZ A Ç ÃO A D M IN IS T RAT IVA D OS STO C K S
A P R O V I S IO N A MTO
E G E S T Ã O
D ES...
III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
1. RESUMO
À gestão administrativa dos stocks compete conhece...
Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador
III
77
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
2. PLANO DAS SESSÕES
Conteúdo Metodologia Duração
(minutos)
...
III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
3. Nomenclatura
de artigo
Exposição:
Introduzir o conceito d...
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
5. Normalização Os formandos, reunidos em grupos, debatem
a ...
III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
8. Inventários Exposição:
Apresentar os diversos tipos de in...
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO
Exercícios 1
Indique os dados, que ...
III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
Exercício 3
Indique vantagens do sistema de inventário perma...
84 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
4. T...
III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
Nomenclatura DE UM ARTIGO
É o conjunto de elementos de identif...
86 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
SIST...
III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
SISTEMAS DE CODIFICAÇÃO STANDARD (2)
• Nos EUA surgiu, em 1973...
88 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
CÓDI...
III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
CÓDIGOS EAN (2)
(European Article Numbering)
Exemplo de Código...
90 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
CÓDI...
III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
CÓDIGO EAN-128 (2)
• Formato da simbologia UCC.EAN-128:
- Cara...
92 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
Espe...
III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
Controlo das Existências e dos Stocks
Há duas formas de efectu...
94 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO
ADMINISTRATIVA DOS STOCKS
Inve...
III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP
5. TEXTOS COMPLEMENTARES PARA O FORMADOR
Artigos da revista Ex...
IV. A G E S T ÃO E C O N Ó M ICA D OS STO C K S
A P R O V I S IO N A MTO
E G E S T Ã O
D ESTO C K S

 
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
1. RESUMO
Neste capítulo começa por definir-se a gestão económica dos stocks ...
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS
STOCKS
2. PLANO DAS SESSÕES
Conteúdo Metodologia Duração
(minutos)
1. Âmbito da
gestão
eco...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
3. Análise de
sensibilidade da
Qee
4. Descontos de
quantidade
5. Parâmetros
económi...
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS
STOCKS
8. Método ABC Exposição:
Apresentar os objectivos da classificação ABC
(transparênc...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO
Exercício 1
Calcule o custo unitário de aquisição do artig...
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Resolução:
Custo total anual do stock de X:
Ct = S x u +
S
Qee
x a +
200 000
Qee
2
...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
O custo de passagem de uma encomenda é de 10 Euros e a taxa de posse de 40% (consid...
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
CT(500) = 2 000 x 0,8 +
2 000
500
. 10 +
500
2
x 0,8 x 0,4 ~ 1 720 Euros
CT(1 000) ...
d
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Qee =
2 x 10 950 x 60
= 573, 149 m (2 bobinas)
16 x 0,25
Número económico de enco...
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Custo de efectivação de encomenda: a = 35 Euros
Stock de segurança: SS = 500 unidad...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
O índice de rotação de artigo X01 é
S
IR =
S
m
1 590
=
350
= 4,54 vezes
A taxa de r...
05
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
100a
100
69,6
50%a
5%
X02 X01 X Z07 Z04 Y03 Y10 Y09
A B C
Questão 7
O responsáve...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Resolução:
Se constituir stock central
Qee =
2 x 800 x 30
= 38,25 unidades
164 x 0,...
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
O preço de custo do artigo é de 18 Euros, o prazo de aprovisionamento é de 5 semana...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Exercício 9
Considere o armazém de sobressalentes do equipamento da produção.
Os ar...

2
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Resolução:
Dados:
Consumo anual previsto: S = 1 200 unidades
Consumo médio men...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
4. TRANSPARÊNCIAS
Âmbito da Gestão Económica dos Stocks (GES)
A gestão económica do...
116 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
OBJECTIVOS DA GES
A gestão...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
PRAZO DE APROVISIONAMENTO
Prazo de aprovisionamento(pa) ou dedisponibilização é o
i...
118 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Stock médio (Sm)
É a quant...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
 
EXISTÊNCIA MÉDIA 
E
 
 
É o valor médio das existências da empresa num de...
120 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
O Custo Unitário de Aquisi...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
O Custo Médio de Efectivação de uma Encomenda
É o encargo total correspondente ao p...
122 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
O Custo de Posse de um Art...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Consumo previsto (S)
É a previsão de utilização de um artigo, em unidades físicas, ...
124 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Cálculo do Custo Total Anu...
C t
C
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Custo TotaL em Função da Quantidade a Encomendar
Custos
C t
∆ + 2%
Custo
míni...
126 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Quantidade económica de en...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
4.13
Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador
IV
127
128 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Representração Gráfica do ...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Ponto de encomenda (Pe)
É a quantidade de material correspondente ao stock de
segur...
130 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
Q
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Método do Ciclo de Revis...
S Li d i l
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Stock TOTAL TEÓRICO
ST = SS + SL + SR + SP
•
St
o
ck
•
St
o
ck
• Stock
R...
132 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Indicadores de Eficácia da...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Taxa ou índice de rotação (Ir)
Indica o número de vezes que a existência média foi ...
134 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
o
IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA
DOS STOCKS
Taxa ou índice de rotaçã...
IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP
Taxa ou índice de cobertura (Ic)
Indica o tempo, em meses, de duração previsto para...
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual

502 visualizações

Publicada em

Aprovionamento

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
502
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

42013415 1230510534-aprovisionamentos-manual

  1. 1. IEFP - ISG Ficha Técnica Colecção MANUAIS PARA APOIO À FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Título Aprovisionamento e Gestão de Stocks Suporte Didáctico Guia do Formador Coordenação e Revisão Pedagógica IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional - Departamento de Formação Profissional Coordenação e Revisão Técnica ISG – Instituto Superior de Gestão Autor Manuel Vilhena Veludo/ISG Capa IEFP Maquetagem ISG Montagem ISG Impressão e Acabamento ISG Propriedade Instituto do Emprego e Formação Profissional, Av. José Malhoa, 11 1099-018 Lisboa Edição Portugal, Lisboa, Dezembro de 2004 Tiragem 100 exemplares Copyright, 2004 Todos os direitos reservados ao IEFP Nenhuma parte deste título pode ser reproduzido ou transmitido, por qualquer forma ou processo sem o conhecimento prévio, por escrito, do IEFP
  2. 2. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador
  3. 3. ÍNDICE GERAL IEFP Índice Geral 1. Objectivos Globais do Guia ........................................................................................................................... 1 2. Pré-Requisitos................................................................................................................................................ 2 3. Perfil do Formador ......................................................................................................................................... 3 4. Campo de Aplicação do Guia ........................................................................................................................ 4 5. Plano de Desenvolvimento do Módulo/das Unidades Temáticas ................................................................. 5 6. Orientações Metodológicas Recomendadas ................................................................................................. 8 7. Recursos Didácticos ...................................................................................................................................... 9 8. Bibliografia Recomendada ........................................................................................................................... 10 I. OS 1. STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO............................................................11 Resumo........................................................................................................................................... 13 2. Plano das Sessões ......................................................................................................................... 15 3. Actividades/Avaliação ..................................................................................................................... 17 4. Transparências ............................................................................................................................... 22 5. Textos Complementares para o Formador ..................................................................................... 47 II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS ....................................................49 1. Resumo........................................................................................................................................... 51 2. Plano das Sessões ......................................................................................................................... 52 3. Actividades/Avaliação ..................................................................................................................... 55 4. Transparências ............................................................................................................................... 57 5. Textos Complementares para o Formador ..................................................................................... 73 III. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS .................................75 1. Resumo........................................................................................................................................... 77 2. Plano das Sessões ......................................................................................................................... 78 3. Actividades/Avaliação ..................................................................................................................... 82 4. Transparências ............................................................................................................................... 84 5. Textos Complementares para o Formador ..................................................................................... 95 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador 3
  4. 4. IEFP ÌNDICE GERAL IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS ............................................................................ 97 1. Resumo............................................................................................................................................99 2. Plano das Sessões ....................................................................................................................... 100 3. Actividades/Avaliação ................................................................................................................... 103 4. Transparências ............................................................................................................................. 115 5. Textos Complementares para o Formador................................................................................... 139 V. A RECEPÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DOS MATERIAIS ............................... 141 1. Resumo......................................................................................................................................... 143 2. Plano das Sessões ....................................................................................................................... 144 3. Actividades/Avaliação ................................................................................................................... 145 4. Transparências ............................................................................................................................. 148 5. Textos Complementares para o Formador................................................................................... 153 VI. FUNÇÃO COMPRAS E A SUA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO ADMINISTRATIVA ........... 155 1. Resumo......................................................................................................................................... 157 2. Plano das Sessões ....................................................................................................................... 159 3. Actividades/Avaliação ................................................................................................................... 162 4. Transparências ............................................................................................................................. 165 5. Textos Complementares para o Formador................................................................................... 181 FICHAS DE AVALIAÇÃO GLOBAL .............................................................................................. 183 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ............................................................................................... 201 GLOSSÁRIO.............................................................................................................................. 203 Guia do Formando Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  5. 5. APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP 1. OBJECTIVOS GLOBAIS DO GUIA Este guia tem os objectivos seguintes: Definir os pré-requisitos ou as habilitações mínimas aconselháveis para os formandos, sem as quais, seria muito difícil atingirem os objectivos de aprendizagem propostos; Especificar as habilitações académicas, a formação específica, as competências pedagógicas e a experiência profissional dos formadores (M/F) do módulo Aprovisionamento e Gestão de Stocks; Apoiar os formadores na planificação e desenvolvimento das sessões; Auxiliar os formadores na sua função de orientadores e facilitadores das aprendizagens, diversificando instrumentos e actividades, contribuindo para a motivação e orientação da aprendizagem dos formandos; Disponibilizar informação coadjuvante que contribua para que os formandos atinjam os objectivos de aprendizagem seguintes: Caracterizar a função aprovisionamento e demonstrar a sua importância; Justificar o enquadramento da função aprovisionamento na estrutura organizacional; Caracterizar a função armazenagem e enunciar os respectivos princípios e métodos de gestão e organização; Caracterizar a gestão e a organização administrativa dos stocks; Reconhecer os princípios básicos da gestão económica dos stocks; Distinguir a recepção qualitativa e quantitativa de stocks; Caracterizar a função compras e a sua organização e gestão administrativa; Seleccionar métodos e técnicas mais adequados e eficazes em função dos grupos alvo e dos objectivos pedagógicos definidos. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador 1
  6. 6. IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO 2. PRÉ-REQUISITOS O formando deve assegurar as condições de acesso seguintes: Idade igual ou superior a 17 anos; Habilitações escolares mínimas: 11º ano de escolaridade ou equivalente. 2 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  7. 7. APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP 3. PERFIL DO FORMADOR Habilitações Académicas-Formação Específica O formador (M/F) deve estar habilitado com licenciatura ou bacharelato nas áreas da engenharia ou gestão, preferencialmente com opções no ramo da produção industrial e especialização ou pós- -graduação na área da gestão de materiais e da logística. Experiência Profissional O formador (M/F) deve possuir experiência profissional mínima de três anos em empresa produtora ou distribuidora (de bens e/ou serviços), preferencialmente na área do aprovisionamento ou da logística. Certificação Profissional O formador (M/F) deve possuir certificado de aptidão profissional emitido pelo IEFP, garantia de que possui competências pedagógicas para exercer a actividade de formação. Outros Requisitos O formador (M/F) deve, ainda, revelar capacidades para entusiasmar os formandos, despertando- lhes o interesse para os temas a abordar, alertando-os para os conceitos e ideias-chave das unidades temáticas, apoiando-os em todo o processo da aprendizagem, propondo-lhes actividades para desenvolverem em sala de aula e/ou em casa. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador 3
  8. 8. IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO 4. CAMPO DE APLICAÇÃO DO GUIA Este guia destina-se a orientar a formação profissional específica na área do aprovisionamento e gestão de stocks Modalidades de Formação 2 Qualificação Inicial e Profissional Área Profissional 19 Serviços Comerciais, Administrativos e Financeiros Família Profissional 1 Serviços Administrativos, Contabilísticos e Financeiros Curso de Formação 2 Técnicas Administrativas, Contabilístico-Financeiras e de Secretariado Saída Profissional 1 2 Técnico Administrativo (Nível 3) Técnico de Contabilidade (Nível 3) 4 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  9. 9. APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP 5. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO MÓDULO/DAS UNIDADES TEMÁTICAS Unidades Temáticas Objectivos Duração (horas) 1. Os Stocks e a Função Aprovisionamento Distinguir os tipos de materiais existentes numa empresa Definir stock e classificá-lo Descrever o âmbito da função aprovisionamento evidenciando a sua importância Posicionar a função aprovisionamento na estrutura organizacional da empresa Estruturar a função aprovisionamento no âmbito do processo logístico Caracterizar o modelo de gestão por análise estatística de anterioridades Caracterizar o modelo de gestão por encomenda Caracterizar o modelo de gestão misto 5 h 2. A Gestão e a Organização Física dos Stocks Descrever o âmbito e o enquadramento estrutural da gestão física dos stocks na área do aprovisionamento Especificar os requisitos de uma gestão física dos stocks eficiente Caracterizar a função armazenagem e os seus princípios gerais Classificar os armazéns Descrever as actividades e os principais métodos da organização física dos stocks 8 h Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador 5
  10. 10. IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO 3. A Gestão e a Organização Administrativa dos Stocks Descrever o âmbito e o enquadramento estrutural da gestão administrativa dos stocks na área do aprovisionamento Caracterizar a nomenclatura de um artigo do stock Apresentar sistemas e critérios de codificação de materiais Demonstrar a importância da formalização das especificações dos materiais do stock Evidenciar as vantagens da normalização de variedades Descrever um ficheiro de materiais Distinguir modelos de controlo de existências e de inventário 7 h 4. A Gestão Económica dos Stocks Descrever o âmbito da gestão económica dos stocks Explicar os conceitos fundamentais da gestão económica dos stocks Relacionar e quantificar as variáveis-chave da gestão económica dos stocks Distinguir os sistemas de gestão económica dos stocks Caracterizar os métodos de aprovisionamento Efectuar o controlo da gestão económica dos stocks 12 h 5. A Recepção Qualitativa e Quantitativa de Materiais Descrever o âmbito e o enquadramento estrutural da recepção dos materiais na área do aprovisionamento Caracterizar as actividades e os modelos organizacionais da recepção dos materiais 2 h 6 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  11. 11. APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP 6. A Função Compras e a sua Organização e Gestão Administrativa Caracterizar o problema e os dados da compra Descrever o âmbito e o enquadramento estrutural da função compras na empresa Explicar políticas de aprovisionamento e de compras Especificar as fases do processo de compra tradicional Descrever os aspectos fundamentais da organização e da gestão administrativa das compras Explicar as tendências evolutivas da função compras 8 h Duração Total do Módulo 42 h Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador 7
  12. 12. IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO 6. ORIENTAÇÕES METODOLÓGICAS RECOMENDADAS O formador deve procurar alternar sessões expositivas de curta duração (cerca de 30 minutos) com actividades pedagógicas estruturantes, como resolução de exercícios práticos e análise de temas ou casos em grupo, com apresentação das respectivas conclusões. Durante cada exposição, o formador poderá ilustrar os conceitos com exemplos. No final de cada sessão, o formador deve incentivar os formandos a resolver as questões propostas no fim de cada unidade temática do Guia do Formando, ainda não abordadas nas sessões presenciais. Poderá ser utilizado software específico para apoiar a aprendizagem. 8 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  13. 13. APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO IEFP 7. RECURSOS DIDÁCTICOS Software de apoio: GESMAT ou outro MS OFFICE 97 ou posterior (Word, Excel, Acess, PowerPoint, Outlook) Um PC por cada 3 ou 4 formandos com a configuração mínima seguinte: Processador a 110 Mhz ou superior 12 Mb de RAM ou superior Disco rígido com pelo menos 40 Mb disponíveis Leitor de diskettes 3,5’’ e de CR-ROM ou DVD Placa gráfica Monitor policromático Placa de som Placa de rede Sistema operativo Windows 98 ou 2000/NT Uma impressora ligada à rede Um vídeo-projector (datashow) Um retroprojector (com uma lâmpada sobressalente) Um quadro de parede e marcadores (4 cores) Um ecran Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador 9
  14. 14. IEFP APRESENTAÇÃO GLOBAL DO MÓDULO 8. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA ASSIS, Rui, FIGUEIRA, Mário. MICROSTOCK - Apoio à Decisão em Gestão Económica de Stocks. Lisboa, IAPMEI, 1991. HESKETT, James L.. Sweeping Changes in Distribution. Harvard Business Review, Mar.-Apr., 1973, pp. 123-132. HESKETT, James L.. Logistics: Essential to Strategy. Harvard Business Review, Nov.-Dez., 1977, pp. 85-96. JESUÍNO, Jorge Correia - A Negociação: Estratégias e Tácticas. Lisboa, Texto Editora, 1996. TERSINE, Richard J.. Materials Management and Inventory Systems. Amsterdam, North Holland, 1987. ZERMATI, Pierre. A Gestão de Stocks. Lisboa, Editorial Presença, 1986. 10 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  15. 15. I. OS STO C KS E A F U N Ç ÃO A P R O V IS IO N A M E NTO A P R O V I S IO N A MTO E G E S T Ã O D ESTO C K S
  16. 16. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP 1. RESUMO Numa empresa pode considerar-se dois tipos de materiais: recursos materiais (input) e produtos acabados (output). Os recursos materiais podem subdividir-se em materiais consumíveis, que são objecto de processamento (por exemplo, matérias primas) e materiais de utilização permanente, que são imobilizado, não consumíveis (por exemplo, equipamento). Define-se stock como o conjunto de materiais consumíveis armazenados e valorizados em existências. Neste capítulo, são, ainda, classificados os materiais de stock em matérias primas, componentes, produção em curso, semiacabados, produtos acabados, subprodutos, materiais subsidiários e materiais de embalagens (primárias, secundárias, terciárias). Define-se como o output ou resultado de um processo o(s) produto(s) e classificam-se em bens tangíveis e bens intangíveis ou serviços. Os bens tangíveis subdividem-se em bens de consumo e bens industriais. A função aprovisionamento compreende as operações que permitem disponibilizar em tempo oportuno, na quantidade e qualidade pré--definidas, todos os recursos materiais e serviços provenientes do exterior da organização e necessários ao seu funcionamento, ao menor custo. Depois de descrito o âmbito da função aprovisionamento e justificada a respectiva importância, são apresentadas alternativas de posicionamento do Departamento de Aprovisionamentos na estrutura organizacional da empresa, como órgão autónomo na dependência da Direcção Geral ou integrado num Departamento de Logística. O U.S. Council of Logistics Management adoptou para logística a definição seguinte: é o processo estratégico (porque gera valor reconhecido pelos clientes, criando vantagem competitiva sustentada) de planeamento, organização e controlo, eficaz e eficiente, dos fluxos e armazenagem de materiais (matérias primas, componentes, produção em curso, produtos semiacabados e acabados) e de informação relacionada, desde a origem (fornecedores) até ao destino final (consumidores) visando maximizar a satisfação das necessidades dos clientes, externos e internos. A logística pode ser considerada uma fonte de vantagem competitiva na medida em que gera diferenciação através: Da qualidade do serviço prestado aos clientes; Do planeamento global e integrado de cada negócio que permite optimizar objectivos estratégicos a alcançar; Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 13
  17. 17. IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO Da selecção criteriosa de fornecedores e contratação adequada; Da gestão optimizada da entrada e saída de materiais/produtos; Da gestão optimizada dos transportes e das movimentações dos materiais/produtos. Um sistema logístico, eficiente e eficaz, planeia, organiza e controla integradamente, fluxos materiais e informacionais. A gestão de stocks determina quando e quanto se deve encomendar de cada artigo do stock. Relacionados com a gestão de stocks estão três factores importantes, a saber: Conceito de procura, como origem das necessidades de materiais; Conceitos de custos, nomeadamente, os seguintes: - Custo de posse, - Custo de efectivação das encomendas, - Custo de aquisição, - Custo de rotura de stock. Conceito de prazo de aprovisionamento ou de disponibilização do material. Relativamente aos modelos de gestão de aprovisionamento são caracterizados os seguintes: Modelo push de gestão por análise estatística, que calcula necessidades logísticas independentes; Modelo pull de gestão por encomenda, que calcula necessidades logísticas dependentes, e está normalmente integrado numa filosofia de gestão global JIT; Modelo misto de gestão MRP, que recorre ao cálculo de necessidades logísticas independentes, para horizontes temporais de médio prazo, e de necessidades dependentes para horizontes de curto prazo. JIT (Just-In-Time) é uma filosofia de gestão global, centrada no mercado, cujo princípio fundamental é "produzir quando e apenas o que o cliente necessita ou deseja e aprovisionar quando e apenas o necessário e suficiente para garantir aquela produção”. A gestão JIT propõe-se alcançar os 6 objectivos seguintes: Zero existências em armazém; Zero defeitos durante a fabricação; Zero avarias dos equipamentos em produção; Zero acidentes com o pessoal; Zero atrasos e prazos curtos; Zero papel em circulação; I 14 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  18. 18. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP 2. PLANO DAS SESSÕES Conteúdo Metodologia Duração (minutos) 1. Tipos de materiais 2. Classificação de stocks e de produtos Exposição: Introduzir os conceitos de materiais e de stock (transparências 1.1., 1.2) Apresentar a classificação de stocks e de produtos através de exemplos (transparências 1.3, 1.4) 30 min Os formandos, reunidos em grupo, debatem as vantagens e inconvenientes da constituição de cada tipo de stock. As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta-voz de cada grupo. 30 min 3. Âmbito da função aprovisionamen to 4. Importância do aprovisionamen to 5. Relação da função aprovisionamen to com o processo logístico Exposição: Apresentar o âmbito da função aprovisionamento relacionado com o conceito de necessidade (transparência 1.5) Evidenciar a importância da função aprovisionamento (transparência 1.6) Integrar a função aprovisionamento no processo logístico (transparências 1.7, 1.8, 1.9, 1.10) 30 min Os formandos, reunidos em grupos, debatem o processo logístico como fonte de vantagem competitiva As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta-voz de cada grupo. 30 min Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 15
  19. 19. IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO 6. A função aprovisionam ento e a estrutura organizacion al Exposição: Apresentar organogramas alternativos evidenciando a localização da função aprovisionamento na estrutura organizacional (transparências 1.11, 1.12) Evidenciar os vários órgãos estruturais da área aprovisionamento (transparência 1.13) 30 min Os formandos, reunidos em grupos, debatem as vantagens e inconvenientes das diferentes soluções organizacionais apresentadas As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min 7. Âmbito da gestão de stocks Exposição: Apresentar o âmbito da gestão de stocks e os respectivos factores a considerar (transparências 1.14. a 1.18) 30 min Os formandos, reunidos em grupo, identificam os três factores a considerar na gestão de stocks e a respectiva importância As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min 8. Necessidades logísticas e modalidades de gestão de aprovisionam ento Exposição: Distinguir os tipos de necessidades e exemplificar (transparências 1.19 a 1.21) Caracterizar, sumariamente, os três modelos de gestão de aprovisionamento: Push ou por análise estatística Pull ou por encomenda MRP ou misto (transparências 1.22 a 1.25) 30 min Os formandos, reunidos em grupos, debatem as vantagens e limitações da filosofia de gestão JIT (just- -in-time) As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min Total 5 horas I 16 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  20. 20. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP 3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO Exercício 1 Distinga materiais consumíveis, materiais de utilização permanente e mercadorias Resolução: Materiais consumíveis que são objecto de processamento interno na empresa tais como: matérias primas, materiais subsidiários, material de embalagem. Materiais de utilização permanente que são imobilizado, ou seja, materiais que não são consumidos no processo produtivo, mantendo-se ao dispor deste durante vários ciclos de transformação. Numa empresa comercial os bens transaccionados designam-se por mercadorias, não estando sujeitos a qualquer transformação dentro da empresa. Exercício 2 Distinga bens tangíveis e intangíveis Resolução: Bens tangíveis são aqueles que têm presença física, que possuem corpo. Bens intangíveis são aqueles que não têm presença física, que não possuem corpo. Exercício 3 Indique os objectivos da função aprovisionamento Resolução: A função aprovisionamento compreende o conjunto de operações que permitem pôr à disposição da empresa em tempo oportuno, na quantidade e na qualidade definidas, todos os recursos materiais e serviços necessários ao seu funcionamento, ao menor custo. Para além das actividades de selecção e qualificação de fornecedores, de negociação, de contratação e de compra de recursos materiais e serviços, de gestão de stocks, a função aprovisionamento ainda inclui nas suas atribuições: a recepção de materiais, a armazenagem, o aviamento de requisições e o envio/transporte de materiais para estaleiros onde decorrem obras ou a expedição para subempreiteiros. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 17
  21. 21. IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO Exercício 4 Descreva uma cadeia logística externa Resolução: Venda de material Expedição de material FORNECEDOR PRODUTOR Compra de material Transporte de material Recepção Armazenagem Transform. de material Depósito de produto Expedição de produto GROSSISTA Compra de produto Transporte primário Recepção Armazenagem Venda de produto Picking Expedição RETALHISTA Compra de produto Transporte secundário Recepção Retém Ponto de Venda CONSUMIDOR Exercício 5 Indique as atribuições principais da função aprovisionamento Resolução: O Programação estabelece as ligações ao Planeamento Geral de Operações (ver Figura I.1) e disponibiliza informação relativa a quantidades necessárias e prazos, aos outros órgãos do Departamento de Aprovisionamentos; A Contratação pesquisa o mercado, avalia e selecciona os fornecedores, com quem estabelece contratos de fornecimento, após negociação; I 18 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  22. 22. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP A Gestão de Materiais determina quanto e quando encomendar e mantém actualizado o inventário (gestão económica e administrativa); As Compras processam as encomendas e asseguram o cumprimento dos contratos com os fornecedores; A Recepção e Armazenagem asseguram a gestão e organização física dos materiais. Exercício 6 Explique a incidência da procura no ciclo de vida de um produto Resolução: Procura aleatória - quando as vendas são dispersas no tempo e nos pontos de venda, não se podendo encontrar qualquer modelo estatístico que as reproduza. Este comportamento das vendas é típico quando o produto se encontra na fase de lançamento do seu ciclo de vida. Procura uniforme - quando já é possível definir um modelo estatístico que mostre a evolução das vendas no tempo. Neste tipo de procura pode distinguir-se três categorias: De tendência crescente - as vendas encontram-se em ascensão progressiva, característica de um produto em fase de crescimento do seu ciclo de vida; De tendência constante - as vendas encontram-se estabilizadas, com pequenas oscilações, o que permite prever o seu comportamento temporal com elevada fiabilidade. Esta constância comportamental é sintomática quando os produtos atingem a fase de maturidade do ciclo de vida; De tendência decrescente - as vendas encontram-se em queda nítida, o que identifica claramente a fase de declínio de um produto. Exercício 7 Identifique os diferentes tipos de custos associados à gestão de stocks Resolução: O custo de posse (Cp) que é o custo associado à manutenção do stock; O custo de efectivação das encomendas (Ce) que é o custo administrativo do processamento das encomendas de um artigo; O custo de aquisição do material (Cm) que é o custo do material, encomendado ao exterior, à entrada da empresa (custo de fornecimento, de transportes, de seguros, ); O custo de fabricação (Cf) que é o custo do material encomendado internamente, através de ordem de fabrico; Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 19
  23. 23. IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO O custo de rotura de stock (Cr) que é o custo associado a uma solicitação ou requisição de material de stock, não atendida totalmente pelo armazém Exercício 8 Distinga necessidades logísticas dependentes e independentes Resolução: Necessidades Dependentes Há casos em que a empresa recebe encomendas de quantidades bem determinadas de produto(s) acabado(s) com prazo(s) de entrega definidos ou satisfaz cadernos de encargos, ou ainda como no caso do exemplo da fábrica de jantes, em que de início são conhecidas as quantidades do produto a fornecer e a cadência de entrega, verifica-se que as necessidades resultam directamente da procura. Assim, podemos definir: Necessidade Dependente - Toda a necessidade logística a jusante do circuito material, perfeitamente determinada e resultante de: Encomenda(s) de produto(s) com quantidade(s) e prazo(s) de entrega bem definidos. Encomenda(s) de produto(s) de procura decorrente e cadência de entrega determinada. Encomenda(s) de produto(s) cuja especificação e prazo de entrega são fixado(s) (segundo caderno de encargos). Necessidade Independente Há casos em que as necessidades logísticas têm origem em valores aleatórios, como os dados resultantes das análises estatísticas de vendas, e são para utilização posterior com o prazo de utilização indeterminado. É o que acontece nos armazéns de Aprovisionamento, cuja existência resulta de uma gestão de stocks, baseada em previsões de consumo considerado aleatório. Também, na definição de quantidades de material a fabricar, em que a única base de cálculo previsional é o conhecimento da procura do produto e da evolução das vendas que indica em que fase do ciclo de vida se encontra. Assim, podemos definir: Necessidade Independente - Toda a necessidade logística a jusante do fluxo material, resultante de previsão estatística, baseada em históricos, ou no conhecimento da procura do produto e do respectivo ciclo de vida, com prazo de utilização indeterminado. I 20 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  24. 24. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP Exercício 9 Explique porque se considera o modelo MRP um modelo misto Resolução: O modelo misto também designado modelo de gestão MRP (Material Requirements Planning) foi desenvolvido, na década de 60, nos EUA e considera-se misto porque recorre ao cálculo de necessidades logísticas independentes para um horizonte temporal de médio prazo e de necessidades dependentes para um horizonte de curto prazo. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 21
  25. 25. 22 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO 4. TRANSPARÊNCIAS TIPOS DE MATERIAIS Materiais de input ou recursos materiais Materiais de output ou produtos acabados 1.1 I
  26. 26. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP NOÇÃO DE STOCK Stock ou stocks é o conjunto de materiais consumíveis ou de mercadoriais acumulados, à espera de uma utilização posterior, mais ou menos próxima, e que permite assegurar o fornecimento aos utilizadores quando necessário. São os elementos patrimoniais classificados e valorizados em existências. 1.2 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 23
  27. 27. 24 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO Matérias- primas Componentes CLASSIFICAÇÃO DOS STOCKS Produção “em curso” Semi-acabados Produtos acabados Subprodutos Materiais subsidiários Materiais de embalagem 1.3 I
  28. 28. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS - Bens não duradouros - Bens de Consumo - Bens duradouros Bens Tangíveis - Matérias-primas - Bens Industriais - Componentes - Subconjuntos - De suporte Bens Intangíveis ou Serviços 1.4 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 25
  29. 29. 26 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO FUNÇÃO APROVISIONAMENTO A função aprovisionamento compreende o conjunto de operações que permitem pôr à disposição da empresa em tempo oportuno, na quantidade ena qualidade definidas, todos os recursos materiais e serviços necessários ao seu funcionamento, ao menor custo. 1.5 I
  30. 30. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP IMPORTÂNCIA DO APROVISIONAMENTO Gerardiferenciação face à concorrência, através de uma selecção criteriosa de fornecedores qualificados que assegurem a qualidade dos fornecimentos e serviços prestados; Reduzir os custos e os prazos de entrega dos produtos (bens e serviços) fornecidos através de contratação adequada, de gestão económica dos stocks, de armazenagem e expedição convenientes. 1.6 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 27
  31. 31. 28 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO LOGÍSTICA Logística é o processo estratégico (porque gera valor reconhecido pelos clientes, criando vantagem competitiva sustentada, na medida em que acrescenta diferenciação, aumenta a produtividade ea rendibilidade) de planeamento, organização e controlo, eficaz e eficiente, dos fluxos e armazenagem de materiais (matérias primas, componentes, produção em curso, produtos semiacabados e acabados) e de informação relacionada, desde a origem (fornecedores) até ao destino final (consumidores) visando maximizar a satisfação das necessidades dos clientes, externos e internos. 1.7 I
  32. 32. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP LOGÍSTICA DE INPUT E DE OUTPUT Planeamento Global do Negócio Planeamento Geral de Operações Programação do Aprovisionamento Programação da Produção Programação da Distribuição Compra Transporte Armazena -gem Processos Produtivos Armazena -gem Transporte Venda LOGÍSTICA DE ENTRADA (Input) LOGÍSTICA DE SAÍDA (Output) 1.8 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 29
  33. 33. 30 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO FORNECEDOR CADEIA LOGÍSTICA Venda de material Expedição de material PRODUTOR Compra de material Transporte de material Recepção Armazenagem Transform. de material Depósito de produto Expedição de produto GROSSISTA Compra de produto Transporte primário Recepção Armazenagem Venda de produto Picking Expedição RETALHISTA Compra de produto Transporte secundário Recepção Retém Ponto de Venda CONSUMIDOR I
  34. 34. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP FLUXOS NA CADEIA LOGÍSTICA 1.9 ORIGEM (Fornecedores) CADEIA INTERNA (Produtor) CADEIA EXTERNA (Intermediários) DESTINO (Consumidores ) FLUXOS DE INFORMAÇÃO FLUXOS DE MATERIAIS/PRODUTOS FLUXOS FINANCEIROS Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 31
  35. 35. TES. S. ADM. 1.11 32 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO O DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA DEPENDE DA DIRECÇÃO GERAL DIRECÇÃO GERAL DP. COMERCIAL DP. LOGÍSTICA DP. TÉCNICO DP. ADMINIST. FINANCEIRO MARKETING VENDAS APROVISION. DISTRIBUIÇ. CONCEPÇ. FABRIC. CONT. I
  36. 36. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP O DEPARTAMENTO DE APROVISIONAMENTO DEPENDE DA DIRECÇÃO GERAL DIRECÇÃO GERAL DP. COMERCIAL DP. APROVISIONAM. DP. TÉCNICO DP. ADMIN./FINANC. 1.12 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 33
  37. 37. 34 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO ESTRUTURA DO ÓRGÃO DE APROVISIONAMENTO APROVISIONA- MENTOS Programação Contratação Gestão de Materiais Compras Recepção e Armazenagem 1.13 I
  38. 38. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP ÂMBITO DA GESTÃO DE STOCKS A função gestão de stocks tem como principais atribuições: A determinação das quantidades óptimas a encomendar para a constituição ou para a renovação dos stocks; Estabelecimento das datas e da cadência segundo a qual convém efectuar essa determinação; A organização administrativa e física dos stocks. 1.14 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 35
  39. 39. 36 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO FACTORES A CONSIDERAR NA GESTÃO DE STOCKS A procura Os custos Os prazos 1.15 I
  40. 40. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP CONCEITO DE PROCURA Procura é a expressão dinâmica de um mercado que corresponde a medidas qualitativas e quantitativas dos consumidores, que desejam e podem adquirir um produto. 1.16 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 37
  41. 41. 38 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO OS CUSTOS ASSOCIADOS À GESTÃO DE STOCKS O custo de posse (Cp); O custo de efectivação de encomenda (Ce); O custo de aquisição do material (Cm); O custo de fabricação (Cf); O custo de rotura de stock (Cr). 1.17 I
  42. 42. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP PARCELAS DO PRAZO DE APROVISIONAMENTO O prazo administrativo de preparação e lançamento da encomenda; O prazo de recepção pelo fornecedor; O prazo de entrega do fornecedor; O prazo de recepção e armazenagem na empresa. 1.18 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 39
  43. 43. 40 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO NECESSIDADES LOGÍSTICAS Necessidade material ou logística - É toda a solicitação de serviço, que visa satisfazer de natureza quantitativa, IEFP qualitativa etemporalmente, qualquer requisito de carência a jusante do fluxo material, no cumprimento de um objectivo organizacional. Estas necessidades logísticas podem ser de dois tipos: Necessidades dependentes Necessidades independentes 1.19 I
  44. 44. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP NECESSIDADE DEPENDENTE Necessidade Dependente - Toda a necessidade logística a jusante do circuito material, perfeitamente determinada e resultante de: Encomenda(s) de produto(s) com quantidade(s) e prazo(s) de entrega bem definidos. Encomenda(s) de produto(s) de procura decorrente e cadência de entrega determinada. Encomenda(s) de produto(s) cuja especificação e prazo de entrega são fixado(s) (segundo caderno de encargos). 1.20 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 41
  45. 45. IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO NECESSIDADE INDEPENDENTE Necessidade Independente - Toda a necessidade logística a jusante do fluxo material, resultante de previsão estatística, baseada em históricos, ou no conhecimento da procura do produto e do respectivo ciclo de vida, com prazo de utilização indeterminado. I 42 Guia do Formador
  46. 46. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP MODELO DE GESTÃO POR ANÁLISE ESTATÍSTICA OU MODELO PUSH Neste modelo de gestão, as previsões de consumos são calculadas a partir da análise estatística de dados históricos ou anterioridades e o cálculo das necessidades logísticas são independentes. Este modelo pode aplicar-se quando: A procura é uniforme; O contexto ou ambiente externo (macro e microambiente) é relativamente estável; A especificação do(s) produto(s) está bem definida e estabilizada; A produção é contínua (flow production) ou por lotes (batch production). 1.22 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 43
  47. 47. IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO MODELO DE GESTÃO POR ENCOMENDA OU MODELO PULL Neste modelo o cálculo das necessidades logísticas são dependentes. Este modelo pode aplicar-se quando: A especificação do(s) produto(s) está bem definida, embora adaptada à exigência específica do cliente; A produção é por encomenda (job production). I 44 Guia do Formador
  48. 48. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP GESTÃO JIT JIT (Just-In-Time) é uma filosofia de gestão global, centrada no mercado, cujo princípio fundamental é “produzir quando e apenas o que o cliente necessita ou deseja e aprovisionar quando e apenas o necessário e suficiente para garantir aquela produção”. A gestão JIT propõe-se alcançar os 6 objectivos seguintes: Zero existências em armazém; Zero defeitos durante a fabricação; Zero avarias dos equipamentos em produção; Zero acidentes com o pessoal; Zero atrasos e prazos curtos; Zero papel em circulação; 1.24 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 45
  49. 49. IEFP I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO MODELO MISTO OU MODELO MRP Este modelo considera-se misto porque recorre ao cálculo de necessidades logísticas independentes para um horizonte temporal de médio prazo e de necessidades dependentes para um horizonte de curto prazo. 1.25
  50. 50. 46 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks I
  51. 51. I. OS STOCKS E A FUNÇÃO APROVISIONAMENTO IEFP 5. TEXTOS COMPLEMENTARES PARA O FORMADOR Artigos da revista Executive Dugest Artigos da revista Foco Artigos da revista Exame Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador I 47
  52. 52. II. A G E S T ÃO E A O R G A N IZ A Ç ÃO F ÍS ICA D OS STO C K S A P R O V I S IO N A MTO E G E S T Ã O D ESTO C K S
  53. 53. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP 1. RESUMO À gestão material dos stocks compete assegurar que as operações realizadas com os stocks, desde a sua entrega na empresa até à sua saída de armazém, sejam executadas com eficiência, isto é, ao menor custo e em tempo oportuno. Os requisitos de uma gestão física dos stocks eficiente são garantir o bom funcionamento da recepção, a adequação dos meios de movimentação, a especificidade das instalações e do equipamento de armazenagem, a desburocratização administrativa e as condições de higiene e segurança das instalações. À função armazenagem compete preservar os stocks e assegurar o aviamento nas melhores condições de segurança e rapidez. Os dois princípios gerais da armazenagem são o do local pré--definido e o do local disponível, havendo a necessidade de registo e controlo rigoroso da localização dos materiais, no caso de se adoptar o segundo princípio. Os armazéns podem ser industriais, de distribuição ou entrepostos e os espaços podem ser cobertos ou não. As principais actividades da organização material dos stocks são a movimentação, a arrumação, a conservação, a protecção, o aviamento de requisições ou de ordens programadas, a expedição e o saneamento de existências. São enunciados procedimentos, métodos, técnicas e regras correntemente adoptados, para facilitar o trabalho e reduzir o custo logístico da armazenagem. Por exemplo, para facilitar a localização dos stocks, são apresentados os métodos da quadrícula e dos corredores. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 51
  54. 54. IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS 2. PLANO DAS SESSÕES Conteúdo Metodologia Duração (minutos) 1. Âmbito e enquadramento estrutural da gestão física dos stocks Exposição: Apresentar o âmbito e as atribuições da gestão física dos stocks (transparências 2.1. a 2.6) Apresentar estruturas organizacionais alternativas para a gestão física dos stocks. 30 min Os formandos, reunidos em grupo, debatem as vantagens e limitações de diferentes modelos organizacionais e enquadramentos estruturais e respectivas implantações físicas As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min 2. Gestão física dos stocks eficiente Exposição: Enunciar e justificar os requisitos de uma gestão eficiente da recepção, da movimentação, do armazenamento, da localização, do aviamento e da expedição de material de stock (transparência 2.7) Apresentar uma política de higiene e segurança e procedimentos para reduzir riscos, exemplificando. 30 min Os formandos, reunidos em grupos, elaboram proposta com medidas que promovam a melhoria da eficiência e da segurança na função e áreas de armazenagem As propostas dos grupos são apresentadas pelos respectivos porta-voz. 30 min 3. Âmbito e princípios da armazenagem Exposição: Apresentar o âmbito da função armazenagem (transparências 2.4 e 2.5) Justificar os dois princípios gerais de armazenagem, através de exemplos práticos (transparência 2.8 e 2.9). 30 min II 52 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  55. 55. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP Os formandos, reunidos em grupos, debatem os factores que condicionam a selecção do método de armazenagem As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min 4. Equipamento utilizado em armazéns Exposição: Caracterizar os diversos tipos de equipamento, tais como, meiosde movimentação (empilhadores específicos, transportadores contínuos, gruas e pontes rolantes, AGV, ...) e meios de contenção (estruturas de paletização, carrosséis, soluções drive-in, ...) (transparência 2.12). 30 min Os formandos, reunidos em grupos, devem procurar relacionar os tipos de equipamento com os tipos de produto a armazenar e com as soluções LIFO ou FIFO As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta--voz de cada grupo. 30 min 5. Arrumação e localização de artigos em armazém Exposição: Apresentar o âmbito da arrumação dos armazéns, respectivos critérios, considerando a unidade de trabalho do armazém e exemplificando (transparência 2.13) Apresentar os métodos de localização através de exemplos práticos (transparência 2.14). 30 min Os formandos, reunidos em grupos, devem estabelecer códigos de localização de artigos em armazém, segundo os dois métodos apresentados pelo formador Os códigos estabelecidos são apresentados pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min 6. Conservação e protecção dos materiais armazenados Exposição: Apresentar o âmbito da conservação de materiais (transparência 2.15) Especificar e exemplificar tipos de conservação. 30 min Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 53
  56. 56. IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Os formandos, reunidos em grupo, devem procurar relacionar acções de conservação com medidas de prevenção e segurança de armazenagem As conclusões do trabalho dos grupos são apresentadas pelos respectivos porta-vozes. 30 min 7. Saneamento de existências Exposição: Apresentar o âmbito da actividade de saneamento de existências (transparência 2.16) Demonstrar, através de exemplos práticos, as vantagens do saneamento de existências. 30 min Os formandos, reunidos em grupos, debatem os critérios para classificar artigos do stock como monos a abater As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta--voz de cada grupo. 30 min Total 8 horas II 54 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  57. 57. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP 3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO Exercício 1 Indique as principais atribuições da gestão física dos stocks Resolução: A gestão física dos stocks tem como principais atribuições: Recepcionar os materiais aprovisionados; Armazenar e conservar os stocks; Aviar ou expedir os materiais armazenados. Exercício 2 Indique vantagens e limitações do armazém caótico i. e. com um sistema de armazenagem sem lugar pré-definido Resolução: Este sistema obedece ao princípio de “seja qual for no sítio disponível”. Nos espaços livres pode colocar-se qualquer material, não existindo lugares marcados, mas critérios gerais de localização. Vantagens: - Aproveitamento máximo dos espaços; - Facilita a operação de arrumação dos materiais. Inconvenientes: - Exige registo e controlo rigoroso da localização dos materiais (armazém “inteligente”); - Pode aproximar materiais incompatíveis ou que se contaminem, se não forem cumpridos determinados procedimentos. Nota: Este tipo de armazenagem é frequentemente utilizado em materiais de compra directa para obras, que em princípio só entram em armazém uma vez (encomenda e recepção únicas), embora, possam sair em parcelas, mas, até esgotar a quantidade em stock. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 55
  58. 58. IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Exercício 3 Explique a unidade de trabalho de um armazém Resolução: Define-se: Unidade de trabalho característica dos armazéns como o produto (aritmético) = tonelada x metro. Note-se a correspondência desta medida com a do trabalho humano, por exemplo: hora x homem. Exercício 4 Exemplifique um código de localização de armazenagem Resolução: Um código de localização de um produto químico, que se encontra arrumado no Armazém de Produtos Químicos: Q B 03 2 Posição 2 Prateleira B Estante 03 Armazém de Produtos Químicos Exercício 5 Indique critérios para saneamento de existências Resolução: O saneamento de existências tem por objectivo a constante actualização e adequação das existências às necessidades do processo produtivo na óptica da maior rendibilidade. O motivo fundamental que o justifica é a permanência nos armazéns de material excedentário ou de monos que ocupam espaços, representam valor e constituem encargos logísticos desnecessários que urge liquidar. Saneamento de Existências - É a actividade que consiste na análise periódica dos artigos existentes em armazém e na eliminação de todos aqueles que revelam muito baixa rotação por obsolescência ou inadequação às necessidades. II 56 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  59. 59. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP 4. TRANSPARÊNCIAS Âmbito da Gestão Física dos Stocks À gestão física dos stocks compete assegurar que as operações realizadas com os materiais, desde a sua entrega na empresa até à sua saída de armazém, sejam executadas com eficiência, isto é, ao menor custo e em tempo oportuno. 2.1 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 57
  60. 60. 58 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS ATRIBUIÇÕES DA GESTÃO FÍSICA DOS STOCKS A gestão física dos stocks tem como principais atribuições: Recepcionar os materiais aprovisionados; Armazenar e conservar os stocks; Aviar ou expedir os materiais armazenados. 2.2 II
  61. 61. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP Âmbito da RECEPÇÃO DOS MATERIAIS À função recepção dos materiais compete assegurar a conformidade das remessas de materiais dos fornecedores com os requisitos expressos nas respectivas encomendas e com a legislação e regulamentação aplicáveis. 2.3 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 59
  62. 62. 60 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Âmbito da Função Armazenagem À função armazenagem compete preservar em boas condições os materiais armazenados e realizar o aviamento rapidamente e nas melhores condições de segurança. 2.4 II
  63. 63. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP Aviamento É a actividade de entrega do material requisitado no armazém ou o encaminhamento para o local de utilização, em conformidade com a programação. Pode considerar-se três tipos de aviamento: - Eventual - Programado - Urgente 2.5 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 61
  64. 64. 62 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Expedição É a actividade que assegura as boas condições de acondicionamento do material durante o transporte,assim como o carregamento eficiente do material no meio de transporte utilizado. 2.6 II
  65. 65. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP Requisitos de uma Gestão Física dos Stocks Eficiente Proporcionar as condições materiais adaptadas à recepção Dispor de meios adequados de movimentação e transporte interno Dispor de meios e espaço devidamente adequado ao armazenamento e guarda Possibilitar e facilitar a saída rápida dos artigos do armazém Prever, organizar e manter a segurança de pessoas e bens 2.7 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 63
  66. 66. 64 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Princípios Gerais de Armazenagem Há dois princípios gerais a que correspondem dois tipos básicos de armazenagem, que podem coexistir num mesmo armazém: Armazenagem com lugar pré-definido, →Princípio: “Um lugar para cada coisa e cada coisa no seu lugar”. Armazenagem sem lugar pré-definido. →Princípio: “Seja qual for no sítio disponível”. 2.8 II
  67. 67. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP FACTORES CONDICIONANTES DO MÉTODO DE ARMAZENAGEM Rotatividade dos materiais; Volume e peso a movimentar; Valor dos materiais; Ordem de entrada/saída; Acondicionamento e embalagem; Fragilidade/robustez dos materiais; Perecividade dos materiais. 2.9 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 65
  68. 68. 66 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Categorias de Armazéns Armazéns Industriais Armazéns de Distribuição Entrepostos 2.10 II
  69. 69. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP Tipos de Armazéns Armazéns cobertos Parques Áreas livres 2.11 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 67
  70. 70. 68 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Armazém É todo o espaço coberto ou descoberto, adequado e responsabilizado, para a arrumação em boas condições de conservação e ordenada dos materiais da empresa - stocks e outros - necessários ao circuito produtivo, o qual dispõe de todo o equipamento apropriado à: Movimentação - meios de manobra ou de transporte, com a máxima segurança e eficiência, Contenção - estruturas e receptáculos adequados para guardar os materiais com o mínimo risco de deterioração e a máxima facilidade de acesso. 2.12 II
  71. 71. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP Arrumação É a actividade dos materiais que consiste na disposição nos dispositivos ou nos racional e criteriosa locais próprios do armazém. 2.13 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 69
  72. 72. 70 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Métodos de Localização Para facilitar a localização dos materiais armazenados pode utilizar- se um dos métodos seguintes: Método da quadrícula Método dos corredores 2.14 II
  73. 73. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP Conservação Consiste na preservação da qualidade dos materiais armazenados, assegurando que ao serem utilizados estão em perfeitas condições, mantendo intactos todos os seus atributos, como as características físico-químicas, as formas e as dimensões. 2.15 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 71
  74. 74. 72 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS Saneamento de Existências É a actividade que consiste na análise periódica dos artigos existentes em armazém e na eliminação de todos aqueles que revelam muito baixa rotação por obsolescência ou inadequação às necessidades. 2.16 II
  75. 75. II. A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO FÍSICA DOS STOCKS IEFP 5. TEXTOS COMPLEMENTARES PARA O FORMADOR Artigos da revista Executive Dugest Artigos da revista Foco Artigos da revista Exame Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador II 73
  76. 76. III. A G E S T ÃO E A O R G A N IZ A Ç ÃO A D M IN IS T RAT IVA D OS STO C K S A P R O V I S IO N A MTO E G E S T Ã O D ESTO C K S
  77. 77. III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP 1. RESUMO À gestão administrativa dos stocks compete conhecer, permanentemente, quais os materiais armazenados, os respectivos movimentos de entrada e saída de armazéns e as quantidades existentes em unidades físicas e monetárias dos stocks. Neste capítulo evidencia-se a importância de manter actualizado um conjunto de dados relativos a cada artigo do stock, nomeadamente, os seguintes: Designação, Codificação, Especificação, Unidades de compra e de utilização, Quantidades entradas e saídas e respectivas datas de movimento, Último preço de custo unitário e custo médio ponderado, Saldo em quantidade e valor. Depois de definidos os sistemas de codificação dos materiais: numéricos, alfabéticos, alfa- numéricos e de barras; é exemplificado um código numérico com cinco campos para identificar o tipo de material de stock, a classe, a família, o número de ordem e um algarismo de controlo (checkdigit). A especificação de um material é o conjunto de atributos ou características, que permite distinguir o material e conferir-lhe aptidões de utilidade. Uma empresa deve normalizar os materiais de stock reduzindo a respectiva variedade. A empresa deve manter um ficheiro de materiais adaptado às suas necessidades de gestão e actualizado, se possível, em tempo real. O controlo dos stocks em quantidades físicas pode efectuar-se através de inventários e, neste capítulo, compararam-se três tipos de inventários: Inventário permanente, obtido a partir do ficheiro de materiais, que permite conhecer o stock de cada artigo, em tempo real. Inventário programado, que permite conhecer, por artigo do ficheiro, para um certo horizonte temporal e por cada período de controlo, o stock teórico e o disponível teórico. Inventário físico, que permite manter controlados os stocks em armazém, com base em contagens físicas. O controlo de existências em valor monetário pode obter-se através da Contabilidade Geral. Segundo o POC, a classe 3 serve para registar a movimentação de contas de existências que visa, essencialmente dois objectivos: Conhecimento do valor dos stocks. Apuramento do resultado nas vendas ou na produção. Tais objectivos podem atingir-se através de dois sistemas informativos: Sistema de inventário permanente. Sistema de inventário intermitente.
  78. 78. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 77
  79. 79. IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS 2. PLANO DAS SESSÕES Conteúdo Metodologia Duração (minutos) 1. Âmbito da gestão administrativa dos stocks 2. Enquadramento estrutural ou orgânico da gestão administrativa dos stocks Exposição: Apresentar o âmbito e o enquadramento estrutural da gestão administrativa dos stocks (transparência 3.1) Justificar a importância do processamento da informação em tempo real. 30 min Os formandos, reunidos em grupo, debatem a relação entre a gestão administrativa e a gestão económica dos stocks As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- voz de cada grupo. 30 min II 78 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  80. 80. III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP 3. Nomenclatura de artigo Exposição: Introduzir o conceito de nomenclatura de artigo e exemplificar (transparência 3.2) Introduzir os conceitos de: Código universal UPC Códigos EAN (transparências 3.3. e 3.4) Exemplificar tipos de códigos EAN: EAN 8 EAN 13 EAN 128 (transparências 3.5 a 3.8). 30 min Os formandos, reunidos em grupos, debatem as vantagens e limitações do uso dos códigos EAN As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min 4. Especificação de material Exposição: Introduzir o conceito de especificação de material e exemplificar (transparência 3.9) Apresentar o subsistema de normalização do SPQ (Sistema Português da Qualidade) e dar exemplos de normas de material. 30 min Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 79
  81. 81. IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS 5. Normalização Os formandos, reunidos em grupos, debatem a importância da normalização relativa ao stock As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta- -voz de cada grupo. 30 min 6. Controlo administrativa das existências Exposição: Apresentar modos de controlo de existências (transparência 3.10) Criar um ficheiro de material, exemplificando Calcular o custo médio ponderado de um artigo do stock (Resolver exercício do Guia do Formando – pág. 68). 30 min Os formandos, reunidos em grupo, caracterizam e justificam os principais campos de informação de um ficheiro de material Os resultados do trabalho dos grupos são apresentados pelos respectivos porta-vozes. 30 min 7. Critérios valorimétricos de existências Exposição: Apresentar os principais critérios de valorização de existências e exemplificar. Os formandos, reunidos em grupos, debatem as vantagens de aplicação de cada critério As conclusões dos debates são apresentadas pelo porta-voz de cada grupo. 30 min II 80 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  82. 82. III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP 8. Inventários Exposição: Apresentar os diversos tipos de inventários (transparência 3.11) Resolver os exemplos do Guia do Formando: Inventário programado (pág. 73) Inventário físico rotativo (pág. 74) (assim, o formador ilustra as aplicações práticas). 60 min 9. Síntese Utilizar o software aplicacional para consolidar conhecimentos. Os formandos trabalham em pequenos grupos e o formador acompanha, apoia e esclarece dúvidas. 60 min Total 7 horas Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 81
  83. 83. IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS 3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO Exercícios 1 Indique os dados, que devem ser registados, relativos a cada artigo do stock Resolução: À gestão administrativa dos stocks compete conhecer permanentemente: Quais os materiais armazenados, Movimentos de entrada e saída de armazéns, Quantidades em unidades físicas e monetárias dos stocks. Torna-se necessário, para gerir os stocks, ter um conhecimento exacto de cada “item” ou artigo das existências não só em quantidade física, valor e qualidade, mas também em dimensão, forma, peso e campo de aplicação. Exercício 2 Indique vantagens do estabelecimento de uma especificação do material Resolução: Especificação de um material,é o conjunto de requisitos da qualidade, isto é, o conjunto de atributos ou características, traduzido em termos qualitativos e quantitativos, que lhe confere aptidões de utilidade e permite verificar a conformidade. Uma especificação pode definir padrões de comportamento e de segurança do material, indicar prescrições de embalagem, discriminar ensaios e testes de controlo da qualidade, referir normas e regulamentos de referência. A especificação do material é fundamental para a sua compra e respectiva recepção qualitativa. Se fornecedores e clientes usarem para o mesmo artigo ou material a mesma nomenclatura, isto é, a mesma designação e código para a mesma especificação, será facilitada a transacção e o respectivo processamento. II 82 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  84. 84. III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP Exercício 3 Indique vantagens do sistema de inventário permanente Resolução: A partir do ficheiro de materiais pode efectuar-se uma listagem que contem todos os itens em armazém e as respectivas quantidades físicas num dado instante. Se esta listagem for actualizada no acto de cada movimento de entrada e de saída, e aplicado o adequado critério valorimétrico, é possível saber em cada momento o que existe no(s) armazém(s) da empresa em quantidade e valor monetário. Esta listagem é designada por inventário permanente. O inventário permanente é universalmente utilizado nas empresas. Quando existem centenas ou milhares de artigos, só com um sistema informático é possível geri-lo eficientemente e saber para cada artigo a quantidade correcta em cada momento. Através deste sistema é possível determinar permanentemente o valor dos stocks em armazém e apurar em qualquer momento os resultados obtidos nas vendas ou na produção. Para tal basta criar dois tipos de contas: conta ou contas que nos dêem a conhecer permanentemente o valor dos stocks da empresa e conta ou contas de custo dos produtos vendidos ou consumidos para nos dar a conhecer, também permanentemente, o custo das vendas ou produção, apurando-se a partir do valor de venda ou de produção os respectivos resultados. Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 83
  85. 85. 84 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS 4. TRANSPARÊNCIAS Âmbito da Gestão Adminstrativa dos Stocks À gestão administrativa dos stocks compete conhecer permanentemente: Materiais armazenados, Movimentos de entrada e saída de armazéns, Quantidades em unidades físicas e monetárias dos stocks. 3.1 III
  86. 86. III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP Nomenclatura DE UM ARTIGO É o conjunto de elementos de identificação do artigo e compreende: A designação, A codificação. 3.2 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 85
  87. 87. 86 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS SISTEMA DE CODIFICAÇÃO STANDARD • A codificação standard está associada ao conceito de formatação gráfica por “códigos de barras” e permite ainda: - Uma identificação válida internacionalmente; - A obtenção imediata de informação no ponto de venda; - A utilização do EDI (electronic data interchange). 3.3 III
  88. 88. III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP SISTEMAS DE CODIFICAÇÃO STANDARD (2) • Nos EUA surgiu, em 1973, o primeiro sistema de codificação standard: o UPC (Universal Product Code). • Na Europa, a partir de 1977, implementou-se o sistema EAN (European Article Numbering). • Em Portugal, a CODIPOR (Associação Portuguesa de Identificação e Codificação de Produtos) é responsável pela atribuição dos códigos standard e é membro da EAN Internacional, desde 1986. 3.4 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 87
  89. 89. 88 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS CÓDIGOS EAN (European Article Numbering) • EAN-13 (código europeu de 13 dígitos) →3 dígitos país + 4 dígitos empresa + 5 dígitos produto + 1 dígito controlo • EAN-8 (código europeu curto de 8 dígitos) →3 dígitos país + 4 dígitos empresa e produto + 1 dígito controlo • 25 P1PPPP5 Q1QQQQ5 C →produtos industriais (Pi) vendidos em quantidade variável (Qi) • 26 P1PPPP5 V1VVVV5 C → produtos de retalho (Pi) de peso variável c/indicação de valor (Vi) 3.5 III
  90. 90. III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP CÓDIGOS EAN (2) (European Article Numbering) Exemplo de Códigos de Unidades de Expedição ou Distribuição (a usar em embalagens terciárias: palette, base com envolvimento em filme retráctil, caixa de cartão canelado, tambor, ...) • DUN-14 (Distribution Unit Number - 14 caracteres) →1 dígito de variável logística (1 a 8) + 12 dígitos do EAN-13 da unidade de consumo sem dígito de controlo + 1 dígito de controlo 3.6 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 89
  91. 91. 90 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS CÓDIGO EAN-128 • A EAN Internacional desenvolveu um sistema aberto e global que permite codificar informação suplementar, em formato de código de barras, abrangendo, para além da identificação primária EAN-13, outros dados que permitem melhorar a gestão da cadeia/rede logística. • Simbologia UCC.EAN-128 (Uniform Code Council. EAN Internacional) - Simbologia unidimensional e alfanumérica que permite a codificação dos 128 caracteres ASCII. 3.7 III
  92. 92. III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP CÓDIGO EAN-128 (2) • Formato da simbologia UCC.EAN-128: - Caractere de arranque (start): A, B ou C que define o conjunto de caracteres a usar; - Caractere função 1 (FNC 1): que permite aos leitores ópticos (scanning) identificar a simbologia UCC.EAN-128 e ao software processar a informação; - Campos de informação: cada campo informativo é inicializado com um código identificador de aplicação (IA) que é o prefixo utilizado para identificar o significado e o formato da informação respectiva. 3.8 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 91
  93. 93. 92 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS Especificação de um material É o conjunto de requisitos, isto é, o conjunto de atributos ou características, traduzido em termos qualitativos e quantitativos, que lhe confere aptidões de utilidade ou de satisfação de necessidade e permite verificar a conformidade. 3.9 III
  94. 94. III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP Controlo das Existências e dos Stocks Há duas formas de efectuar esse controlo, que são complementares: Controlo administrativo das existências (valorização dos stocks) Controlo físico dos stocks 3.10 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 93
  95. 95. 94 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP III . A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS Inventários Inventário permanente Inventário programado Inventário físico intermitente Inventário físico rotativo Inventário físico permanente 3.11 III
  96. 96. III A GESTÃO E A ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DOS STOCKS IEFP 5. TEXTOS COMPLEMENTARES PARA O FORMADOR Artigos da revista Executive Dugest Artigos da revista Foco Artigos da revista Exame Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador III 95
  97. 97. IV. A G E S T ÃO E C O N Ó M ICA D OS STO C K S A P R O V I S IO N A MTO E G E S T Ã O D ESTO C K S
  98. 98.    IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP 1. RESUMO Neste capítulo começa por definir-se a gestão económica dos stocks (GES), como a aplicação de um conjunto de princípios, regras de decisão e metodologias que visam determinar a quantidade a reaprovisionar de cada artigo do stock e estabelecer quando fazê-lo, por forma a assegurar um custo total do stock mínimo, com roturas controladas. Os conceitos fundamentais associados à GES são os seguintes: Prazo de (re)aprovisionamento (Pa) de um artigo que é o prazo de disponibilização do material a partir da data de detecção da necessidade; Stock médio (Sm) de um artigo que é a quantidade média em armazém do artigo durante um ano (em unidades físicas); Existência média ( E ) de um artigo que é o valor do stock médio do artigo; Custo unitário de aquisição (u) de um artigo ou preço de custo unitário que é o valor de uma unidade à entrada do armazém; Custo médio de efectivação de uma encomenda (a) que é o custo administrativo relativo à emissão e envio para um fornecedor de uma nota de encomenda de um artigo; Custo de efectivação de encomendas (Ce) de um artigo que é o custo administrativo anual relativo ao processamento das encomendas desse artigo; Custo de posse (Cp) de um artigo que é o custo inerente à permanência do stock médio em armazém desse artigo, durante um ano; Custo total do stock (CTS) de um artigo que resulta da soma das parcelas seguintes: custo de aquisição, custo de efectivação de encomendas, custo de posse e custo de roturas relativos a um período (por exemplo, um ano); Consumo previsto (S) de um artigo que é a previsão de utilização ou consumo de unidades físicas desse artigo, durante um ano; Consumo previsto (C) de um artigo em unidades monetárias, durante um ano; Custo de aquisição do stock (Cs) que é o custo total de aquisição da quantidade consumida, num ano, de um artigo do stock; Custo de compra directa (Cd) de um artigo que é o custo total de aquisição da quantidade consumida, num ano, de um artigo que não existe em stock e que, portanto, é aprovisionado sempre que é necessário; Quantidade económica de encomenda (Qee) que é a quantidade a reaprovisionar, que minimiza o custo total (anual) do stock de um artigo; Exercício De um critério económico simples para suportar a decisão de compra directa, ou seja, quando o custo total do stock for superior ao custo global anual da compra directa: Cs + Ce + Cp ≥ Cd + E ou S x ud ≤ a - E u  t  1 - s 1 + = p  u 2 d Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 99
  99. 99. IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS 2. PLANO DAS SESSÕES Conteúdo Metodologia Duração (minutos) 1. Âmbito da gestão económica dos stocks (GES) Exposição: Apresentar o âmbito da GES e especificar os seus dois objectivos fundamentais (transparência 4.1 e 4.2) Introduzir o conceito de prazo de aprovisionamento (pa) e respectivas parcelas (transparência 4.3) Distinguir stock médio (Sm) e existência média ( E ) (transparência 4.4 e 4.5) O formador deve apresentar os exemplos do Guia do Formando das págs. 86 e 87. 60 min 2. Conceitos fundamentais da GES Exposição: Introduzir e exemplificar os conceitos seguintes: - Custo unitário de aquisição de um artigo do stock (u) - Custo médio de efectivação de uma encomenda (a) - Custo de posse de um artigo do stock (Cp) e taxa de posse (tp) - Consumo previsto de um artigo em determinado período (S) - Consumo médio previsto de um artigo num prazo ( S ) - Calcular o custo total anual do stock de um artigo (Ct) - Calcular a quantidade económica de encomenda (Qee) (transparência 4.6 a 4.12) Nota: O formador deve resolver os exemplos de aplicação dos Guias do Formando e do Formador 120 min IV 100 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  100. 100. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP 3. Análise de sensibilidade da Qee 4. Descontos de quantidade 5. Parâmetros económicos do stock Exposição: Apresentar a análise de sensibilidade da fórmula de Wilson Apresentar o efeito de descontos de quantidade através de um exemplo (formador) (transparência 4.13) Calcular numa aplicação (formador) os parâmetros seguintes: Número económico de encomenda (Nee) Prazo económico de encomenda (Pe) Nota: O formador deve resolver os exemplos de aplicação dos Guias do Formando e do Formador 60 min 6. Sistemas de GES e métodos de (re)aprovisiona- mento Exposição: Apresentar o sistema de reposição simples e contínua, exemplificando Apresentar os sistemas de planeamento de necessidades e métodos de (re)aprovisionamento: Método do ponto de encomenda (Pe) Método do ciclo de revisão periódica Método misto (transparências 4.14 a 4.17) 60 min Aula prática: O formador deve acompanhar e apoiar a resolução individual dos exemplos do Guia do Formando. 60 min 7. Controlo da GES Exposição: Apresentar, através de aplicações, os principais indicadores de eficácia da GES: Taxa ou índice de rotação do stock (Ir) Taxa o índice de cobertura do stock (Ic) Taxa ou índice de rotura do stock (Tr) Nível de serviço do armazém de stocks (Ns) (Transparência 4.18 a 4.23) 60 min Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 101
  101. 101. IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS 8. Método ABC Exposição: Apresentar os objectivos da classificação ABC (transparência 4.24) Aplicar o método de classificação a um caso prático (Ver Actividades do Guia do Formador) 60 min 9. Compra directa Exposição: Apresentar critérios de decisão para compra directa Resolver um exemplo de decisão de compra directa (Ver actividades do Guia do Formador). 60 min 10. Stock máximo Aula Prática Rever o conceito de stock máximo através de aplicações Resolver o exemplo 8, deste capítulo, do Guia do Formador. 60 min 11. Stock de segurança Exposição: Rever o conceito de stock de segurança através de aplicações do Guia do Formando Resolver o exemplo 9, deste capítulo, do Guia do Formador. 60 min 12. Síntese Os formandos, em pequenos grupos, utilizam o software para consolidar o conhecimento. O formador apoia ao formandos quando solicitado. 60 min Total 12 horas IV 102 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  102. 102. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP 3. ACTIVIDADES/AVALIAÇÃO Exercício 1 Calcule o custo unitário de aquisição do artigo A, conhecendo os dados seguintes: Encomenda de 300 unidades de A Preço de custo unitário de compra, facturado pelo fornecedor: 20 Euros Encargo de transporte por conta do cliente: 500 Euros Outros encargos da empresa cliente, nomeadamente, seguros: 200 Euros (Exercício 4.1.4. do Guia do Formando) Resolução: Custo unitário de aquisição u = 20 + 500 + 200 300 = 22,33 Euros Exercício 2 Calcule os parâmetros económicos da GES do artigo X de importação, sabendo: Custo unitário médio de aquisição u = 10 Euros Custo médio de efectivação de uma encomenda a = 150 Euros Consumo previsto anual S = 200 000 unidades Taxa de posse tp = 20% Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 103
  103. 103. IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Resolução: Custo total anual do stock de X: Ct = S x u + S Qee x a + 200 000 Qee 2 x u x tp = Qee = 200 000 x 10 + Qee x 150 + 2 x 10 x 0,20 Quantidade económica de encomenda Qee = 2 x S x a = 2 x 200 000 x 150 = 5 477,23 u x tp 10 x 0,20 Número económico de encomendas por ano Nee = S Qee 200 000 = 5 477 = 36,5 i. e. 37 encomendas anuais Prazo económico de encomenda Pe = 5 477 200 000 365 = 9,99 i. e. 10 dias é o tempo ou prazo médio de consumo da Qee Exercício 3 Uma empresa pretende aprovisionar um artigo cujo consumo anual previsto é de 2 000 unidades O fornecedor, para entregar o material na empresa, pratica os preços unitários seguintes: Quantidade a Entregar Preço Unitário Qe < 500 unidades 500 ≤ Qe < 1 000 unidades Qe ≥ 1 000 unidades u = 1,0 Euros 0,8 Euros 0,6 Euros IV 104 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  104. 104. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP O custo de passagem de uma encomenda é de 10 Euros e a taxa de posse de 40% (considerando as exigências de preservação do stock) Pretende-se determinar o número económico de reaprovisionamentos Resolução: 1. Cálculo da Qee para u = 0,6 Euros Qee = 2 x S x a = 2 x 2 000 x 10 = 408,2 u x tp 0,6 x 0,4 Esta quantidade é < 1 000, portanto está fora do intervalo de validade da tabela do fornecedor 2. Cálculo da Qee para u = 0,8 Euros Qee = 2 x 2 000 x 10 = 353,6 < 500 unidades, 0,8 x 0,4 portanto está fora do intervalo de validade da tabela do fornecedor 3. Cálculo da Qee para u = 1,0 Euros Qee = 2 x 2 000 x 10 = 316,2 < 500 unidades, 1,0 x 0,4 portanto está no intervalo válido da tabela do fornecedor Cálculo do custo total anual do stock para Qee = 316 unidades: CT(316) = 2 000 x 1 + 2 000 316 . 10 + 316 2 x 1x 0,4 = 2 126,49 Euros Não será necessário examinar outras curvas com preços unitários diferentes, mas é necessário calcular os custos totais dos break point e seleccionar o menor. Custos Totais u = 1,0 E u = 0,8 E 2 126,49 1 720,00 1 340,00 u = 0,6 E 316,2 408,2 353, 500 1 Quantidade a Encomendar IV Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador 105
  105. 105. IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS CT(500) = 2 000 x 0,8 + 2 000 500 . 10 + 500 2 x 0,8 x 0,4 ~ 1 720 Euros CT(1 000) = 2 000 x 0,6 + 2 000 1000 . 10 + 1000 2 x 0,6 x 0,4 ~ 1 340 Euros Portanto, a Qee = 1 000 unidades é a seleccionada. - Número económico de encomendas no ano: Nee = 2 000 = 2 1000 - Prazo económico de encomenda: Pe = 1 000 2 000/52 ~ 26 semanas Exercício 4 Uma empresa produz um equipamento eléctrico. Para o ano em curso, com 219 dias úteis de trabalho, a empresa prevê a produção e venda de 7 300 equipamentos. Cada equipamento consome 1,5 m de cabo coaxial especial e o preço de custo deste cabo é de 16 Euros/metro, em bobinas de 300 metros. O custo administrativo de efectivação de cada encomenda é de 60 Euros e a taxa de posse de 25%. O prazo de aprovisionamento do cabo eléctrico é de 1 semana e o stock de segurança estabelecido pela empresa é de 100 m. Calcular: A quantidade económica de reaprovisionamento, justificando a resposta O número económico de encomendas O ponto de encomenda Resolução: Quantidade económica de encomenda: Consumo anual previsto de cabo: S = 7 300 x 1,5 m = 10 950 m IV 106 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  106. 106. d IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Qee = 2 x 10 950 x 60 = 573, 149 m (2 bobinas) 16 x 0,25 Número económico de encomenda: 10 950 m Nee = 600 m = 18,25 encomendas/ano Ponto de encomenda: Pe = Ss + Pa x consumo diário S = consumo diário = 10 950 m 219 dias úteis = 50 m/dia Pe = 100 + (5 dias x 50m/dia) = 350 m Exercício 5 Uma empresa fabrica um produto P. Cada unidade de P incorpora 5 componentes X de compra. Para o ano em curso, com 220 dias úteis de trabalho, a empresa prevê fabricar e vender 8 630 unidades de P. As condições de aquisição de X, ao respectivo fornecedor, são as seguintes: a) Embalagens de 200 unidades ao preço de custo, por embalagem, de 2 000 Euros b) Prazo de aprovisionamento de 1 semana. O custo administrativo de efectivação de cada encomenda é de 35 Euros e a taxa de posse de 20%. A empresa estabeleceu, como stock de segurança de X, 500 unidades. Calcule: a) Quanto reaprovisionar, justificando o cálculo b) Quando reaprovisionar Resolução: Dados: Consumo anual previsto de X: S = 8 630 x 5 = 43 150 unid. Custo unitário de aquisição: u = 2 000/200 = 10 Euros Prazo de aprovisionamento: Pa = 1 sem = 5 dias úteis Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 107
  107. 107. IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Custo de efectivação de encomenda: a = 35 Euros Stock de segurança: SS = 500 unidades Quanto reapriovisionar Qee = 2 x S x a = 2 x 43150 x 35 u x tp 10 x 0,20 = 1 228,92 ~ 6 embalagens por encomenda Quando reaprovisionar: Quando for atingido o ponto de encomenda 43150 Pe = 500 + (5 dias x 220 ) = 1 481 unidades X Questão 6 - Uma pequena empresa industrial pratica o JIT, sempre que possível, no entanto, mantém em stock 10 artigos relativamente aos quais se conhece Código Artigo Consumo Anual (unidades físicas) Stock Médio Preço méd. Unitário (euros) X01 1 590 350 25,00 X02 560 120 134,00 Y03 120 40 23,00 Z04 700 250 5,00 X05 300 10 87,00 Y06 750 100 2,00 Z07 1 400 200 9,00 Y08 800 100 1,00 Y09 1 500 500 0,50 Y10 350 50 6,00 a) Calcule o índice ou taxa de rotação do conjunto do stock e explique o seu significado b) Indique os artigos da classe A e explique a importância da sua identificação Resolução: O índice ou taxa de rotação do conjunto do stock indica o número de vezes que a existência média em armazém é renovada por ano. IV 108 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  108. 108. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP O índice de rotação de artigo X01 é S IR = S m 1 590 = 350 = 4,54 vezes A taxa de rotação do conjunto de artigos do stock é ©C Tr = = E 1 590 x 25,00 + 560 x 134,00 + ... = 350 x 25,00 + 120 x 134,00 + ... 164 900 30 520 = 5,46 vezes O capital imobilizado em stock (média) é renovado 5,5 vezes por ano. a) Classificação ABC Artigos ordenados por ordem decrescente do valor do consumo anual: Valor do consumo anual/Artigo Val. Acu- % Acumulada mulado X02 560 x 1 34,0 = 75 040 75 040 46,5 A (20%)X01 1 590 x 25,0 = 39 750 114 790 69,6 X05 300 x 87,0 = 26 100 140 890 85,0 B (30%) Z07 1 400 x 9,0 = 12 600 153 490 93,0 Z04 700 x 5,0 = 3 500 156 990 95,2 Y03 120 x 23,0 = 2 760 159 750 97,0 C (50%) Y10 350 x 6,0 = 2 100 161 850 98,1 Y06 750 x 2,0 = 1 500 163 350 99,0 Y08 800 x 1,0 = 800 164 150 99,5 Y09 1 500 x 0,5 = 750 164 900 100,0 Total: 164 900 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 109
  109. 109. 05 IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS 100a 100 69,6 50%a 5% X02 X01 X Z07 Z04 Y03 Y10 Y09 A B C Questão 7 O responsável da logística de uma empresa constatou que nos últimos 2 anos se tem comprado directamente um determinado artigo, com uma certa frequência, ao preço médio unitário de 200 Euros a retalhistas, localizados próximo das filiais da empresa, que vendem a dinheiro, mas, entregam o material nas respectivas filiais. 0Consultados produtores nacionais, aquele responsável apurou que se fossem aprovisionados contentores com 20 unidades, se obtinha um desconto de 18% e prazo de pagamento de 30 dias. Sabe-se, ainda, que: Custo Médio de efectivação de uma encomenda no mercado nacional é de 30 Euros Custo Anual adicional de comunicações da compra directa é de 90 Euros A taxa anual de custo de posse é de 20% A previsão de consumo total do artigo para o próximo ano é de 800 unidades Decida se deve constituir stock central do material, justificando a decisão. IV 110 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  110. 110. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Resolução: Se constituir stock central Qee = 2 x 800 x 30 = 38,25 unidades 164 x 0,20 i. e. 2 contentores por encomenda Custo total anual do stock central: Cs = 800 x 164 + = 132 456 Euros a 60 dias Custo total anual de compra directa: 800 40 40 x 30 + 2 x 164 x 0,20 = Cd = 800 x 200 + 90 = = 160 090 Euros a dinheiro (pronto pagamento) Portanto, deve constituir-se stock central. Exercício 8 Prevê-se que o consumo no ano corrente de um artigo do stock seja, em média, semelhante ao do ano anterior, que foi mensalmente o seguinte: Mês Consumos (Unid.) Janeiro 90 Fevereiro 100 Março 130 Abril 100 Maio 90 Junho 120 Julho 140 Agosto 70 Setembro 80 Outubro 90 Novembro 110 Dezembro 80 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 111
  111. 111. IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS O preço de custo do artigo é de 18 Euros, o prazo de aprovisionamento é de 5 semanas e os valores determinados para a taxa de posse e custo de efectivação de uma encomenda são respectivamente de 20% e 45 Euros. Consultado, hoje, o inventário permanente constata-se que o stock livre é de 122 unidades, com um stock de segurança de 75 unidades e um stock reservado de 20 unidades. Pretende-se calcular: a) O stock total b) A quantidade a encomendar, hoje, se necessário c) O stock máximo admissível do artigo Resolução: Dados: Consumo anual previsto: S = 1 200 unidades Consumo médio mensal: S m = 100 unidades Preço de custo unitário (à entrada da empresa) : u = 18 Euros Prazo de (re)aprovisionamento: Pa = 5 semanas Taxa de posse: tp = 20% Custo de efectivação de uma encomenda: a = 45 Euros Stock livre: SL = 122 unidades Stock de segurança: SS = 75 unidades Stock reservado: SR = 20 unidades a) Stock total ST = SS + SL + SR + SP = = 75 + 122 + 20 = 217 unidades b) Quantidade a encomendar Qee = 2 x S x a = 2 x 1 200 x 45 = 173,2 u x tp 18 x 0,20 c) Ponto de encomenda: Pe = SS + (Pa x S sem) = 75 + (5 x 25) = 200 unidades Considerando que ST > Pe, poder-se-á hoje não encomendar, embora haja SR = 20 unidades Smáx = Pe + Qee = 200 + 173 = 373 unidades IV 112 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  112. 112. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Exercício 9 Considere o armazém de sobressalentes do equipamento da produção. Os artigos que compõem o stock não são de fácil aquisição, pois são importados e os prazos de (re)aprovisionamento são incompatíveis com as necessidades das intervenções/reparações, quase sempre imediatas. Está a ser efectuada uma análise, com vista ao próximo reaprovisionamento de um relé, cujo preço unitário DDP (Delivery Duty Paid) é de 10 Euros, o prazo de aprovisionamento é de cerca de um mês e o consumo do ano anterior encontra-se no mapa anexo dos consumos mensais. Os valores determinados para a taxa de posse e custo de efectivação de uma encomenda são respectivamente de 25% e 50 Euros. Na ficha informatizada do material, de actualização on-line, vem indicado o stock real de 150 unidades, uma encomenda em curso de 100 unidades a chegar na próxima semana e que o stock de segurança admite um risco de rotura de 5%. Pretende-se calcular: a) O stock livre b) O ponto de encomenda c) A quantidade a encomendar (reaprovisionar) Mapa de Consumos Mensais do Valores do Factor de ConfiançaAno Anterior Mês Consumos (Unid.) Z Cobertura do Stock Janeiro 60 1,3 90% Fevereiro 120 1,5 93% Março 150 1,6 95% Abril 100 1,7 96% Maio 80 1,8 97% Junho 90 2,0 98% Julho 200 2,4 99% Agosto 50 Setembro 80 Outubro 90 Novembro 70 Dezembro 110 Total 1200 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 113
  113. 113.  2 IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Resolução: Dados: Consumo anual previsto: S = 1 200 unidades Consumo médio mensal: S = 100 unidades Preço de custo unitário à entrada do armazém: u = 10 Euros Taxa de posse: tp = 0,25 Custo de efectivação de 1 encomenda: a = 50 Euros Prazo de aprovisionamento: pa = 1 mês a) Stock livre = Stock actual - Stock segurança SS = Z x ⌠ x pa Desvio padrão: = ©(Si - S ) 2 = n (60 - 100) 2 + (120 - 100) 2 + ... 12 = 1 583,3 = 39,79 ~ 40 unidades Então: SS = 1,6 x 40 x 1 = 64 unidades SL = 150 - 64 = 86 unidades a.) Ponto de Encomenda: Pe = SS + pa . S Pe = 64 + 1 . 100 = 164 unidades b.) Quantidade a reaprovisionar: Qe = Smáx - Disp. Teórico = (Pe + Qee) - (Stock actual + Stock Potenc)  x 1 200 x 50  =  164 +  10 x 0,25  - (150 + 100) = 134 unidades  IV 114 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks
  114. 114. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP 4. TRANSPARÊNCIAS Âmbito da Gestão Económica dos Stocks (GES) A gestão económica dos stocks compreende a aplicação de um conjunto de princípios, regras de decisão e metodologias que permitem manter existências económicas. Nota Há autores que preferem a designação de gestão previsional de stocks, na medida em que se baseia em técnicas de previsão, aplicadas ao cálculo das necessidades independentes. 4.1 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 115
  115. 115. 116 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS OBJECTIVOS DA GES A gestão económica dos stocks (GES) tem dois objectivos fundamentais: Determinar quanto reaprovisionar, Estabelecer quando reaprovisionar, isto é, quando solicitar uma intervenção de Compras ou quando solicitar uma entrega de material, no âmbito de um contrato aberto com um fornecedor (Exemplo: contrato anual de fornecimento com entregas parcelares). 4.2 IV
  116. 116. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP PRAZO DE APROVISIONAMENTO Prazo de aprovisionamento(pa) ou dedisponibilização é o intervalo de tempo que decorre entre a data de detecçãoda necessidade do material e a data de disponibilização do material para o utilizador. PRAZO DE APROVISIONAMENTO Data da detecção da Necessidade Data Limite (programada) P. circulação P. tratamento P. entrega P. desalfând. P. recepção Data da Colocação da Encomenda Data Limite da Entrega 4.3 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 117
  117. 117. 118 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Stock médio (Sm) É a quantidade média do material em stock num determinado intervalo de tempo (em unidades físicas). S Sm T Nota: Esta representação gráfica pressupõe consumo regular e stock de segurança nulo 4.4 IV
  118. 118. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP   EXISTÊNCIA MÉDIA  E     É o valor médio das existências da empresa num determinado intervalo de tempo (em unidades monetárias). Exemplo: Eanual = Somatorio das existencias mensais 12 4.5 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 119
  119. 119. 120 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS O Custo Unitário de Aquisição de um Material/Artigo Pode definir-se preço de custo unitário ou custo unitário de aquisição ou Custo unitário (u) de um material como o valor a que o material deverá ser contabilizado à entrada em armazém. 4.6 IV
  120. 120. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP O Custo Médio de Efectivação de uma Encomenda É o encargo total correspondente ao processamento de uma encomenda de um artigo (pode corresponder a uma posição da encomenda se esta tiver várias posições), relativo aos encargos administrativos dos diferentes órgãos intervenientes no processo, desde a compra até à liquidação da factura. Exemplo: C - C m + C a = Apro N Ar tot x Confer. Pos. 4.7 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 121
  121. 121. 122 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS O Custo de Posse de um Artigo e do(s) Stock(s) É o custo inerente à permanência do stock médio em armazém, do artigo num ano. Exemplo: Cp = E x tp 4.8 IV
  122. 122. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Consumo previsto (S) É a previsão de utilização de um artigo, em unidades físicas, num determinado prazo (em princípio um ano), baseada na necessidade independente, derivada da procura, nesse prazo. 4.9 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 123
  123. 123. 124 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Cálculo do Custo Total Anual do Stock de um Artigo O custo total anual (do stock) de um artigo (C t ) corresponde ao custo de aquisição do consumo desse material, acrescido do custo de efectivação de encomendas e do custo de posse, referidos a um ano de exploração. Ct = Cm + Ce + Cp S QeCt = S x u + Qe x a + ( SS + 2 ) x u x tp 4.10 IV
  124. 124. C t C IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Custo TotaL em Função da Quantidade a Encomendar Custos C t ∆ + 2% Custo mínimo p - 15% Q ee C m C e + 20% 4.11 Q e Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 125
  125. 125. 126 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Quantidade económica de encomenda (Qee) É a quantidade a encomendar de cada vez, que minimiza o custo total anual, relativo a cada artigo do inventário. Qee = 2 ⋅S⋅ a u ⋅ tp (Fórmula de Wilson) 4.12 IV
  126. 126. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP 4.13 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 127
  127. 127. 128 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Representração Gráfica do Método do Ponto de Encomenda Stock Qee Qee Ponto de Pe Encomenda Stock de SS Segurança (a) (b) t0 t1 t2 t3 Tempo Pa Pe 4.14 IV
  128. 128. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Ponto de encomenda (Pe) É a quantidade de material correspondente ao stock de segurança adicionado àquela que é previsível ser consumida durante o prazo de aprovisionamento do artigo, obrigando a um reaprovisionamento imediato logo que atingido. Pe = (pa + ps) x S 4.15 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 129
  129. 129. 130 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks Q IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Método do Ciclo de Revisão Periódica Stock Q3 Q1 5 Ponto de Q2 Alerta Q4 Stock de Segurança Pa P P Pa P P Pa P P Pa P Pa P 4.16 IV
  130. 130. S Li d i l IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Stock TOTAL TEÓRICO ST = SS + SL + SR + SP • St o ck • St o ck • Stock Reserv • Stock Poten • Quantidade actual em armazém • Quantidade em aquisição Stock de Segurança (SS) – Quantidade suplementar para obstar a roturas do stock devidas a irregularidades de consumo e/ou atrasos de fornecedores. Stock Livre (SL) – Quantidade disponível, passível de ser imediatamente utilizada. Stock Reservado (SR) ou Afectado – Quantidade cativa ou reservada para determinada(s) finalidade(s), podendo considerar-se como consumida. Stock Potencial (SP) – Quantidade encomendada e não recepcionada. 4.17 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 131
  131. 131. 132 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Indicadores de Eficácia da Gestão dos Stocks Taxa ou índice de rotação (Ir) Taxa ou índice de rotação óptimo (Iro) Taxa ou índice de cobertura (Ic) Taxa de rotura (Tr) Nível de serviço (Ns) 4.18 IV
  132. 132. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Taxa ou índice de rotação (Ir) Indica o número de vezes que a existência média foi renovada. Ir = C E ou Ir = S Sm 4.19 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 133
  133. 133. 134 Guia do Formador Aprovisionamento e Gestão de Stocks o IEFP IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS Taxa ou índice de rotação óptimo (Iro) É o índice padrão que serve de termo de comparação para os Ir(s) obtidos para os artigos. Ir = S Sm = 12 ⋅ S (ps+ pe) ⋅ S 2 ou Iro = 12 ps+ pe 2 4.20 IV
  134. 134. IV. A GESTÃO ECONÓMICA DOS STOCKS IEFP Taxa ou índice de cobertura (Ic) Indica o tempo, em meses, de duração previsto para o stock existente, em função dos consumos médios mensais. Em termos de médias: Icm = E C Em termos reais: Icr = E C ou Icm = Sm S ou Icr = Sa S 4.21 Aprovisionamento e Gestão de Stocks Guia do Formador IV 135

×