Diretoria regional sul 2

264 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
264
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diretoria regional sul 2

  1. 1. DIRETORIA REGIONAL SUL 2 E. E. JORNALISTA DAVID NASSER     Diretora: Marta Dias Fernandes Vice-Diretora: Luciane Felisbino Professor Coordenador: Andréa Oliveira da Silva Professor Responsavel: Francisco Ednilson de Oliveira Sá Edina Aparecida Pimenta: Supervisora de Ensino Débora Margot Soares de Souza - PCNP LP DimitraGragassakis: PCNP – LP Cleonice S. Manegatto: PCNP DE MAT
  2. 2. O PROJETO DEBATES: A FORÇA DO PROTAGONISMO JUVENIL NA ESCRITA E REESCRITA DE MUNDO. Entendendo que escrita e reescrita devem ultrapassar a materialidade textual, objetivamos proporcionar aos nossos alunos um novo desafio surgindo então: o Projeto DEBATES . Nossa maior preocupação é desenvolver uma cultura de discussão e aprendizagem sobre vários temas que estão sendo discutidos pela sociedade e trabalhados através dos debates colaborando para formação dos discentes tornandoos agentes de transformação social, que por meio da releitura de mundo foram capazes de transformar a própria postura e comprometimento estudantil.
  3. 3. REESCRITA 3 – Existe correlação entre a implantação dos sistemas de cotas e o deficit da educação básica? R: Sim,somos de uma escola que não é uma das melhores comparadas com as particulares e outras federais. Automaticamente, se nossa base é ruim, nós precisamos de outros mecanismos que de a nós uma oportunidade de chegar ao ensino superior público. Porque geralmente quem é rico, passa a vida inteira estudando em escola particular, para tentar na universidade pública e nós fazemos o contrário, estudamos na pública e depois vamos para particular. Infelizmente nossa realidade não é a mesma de quem é da classe alta, nós se entrarmos em uma universidade pública teremos muito mais mérito de quem é da elite
  4. 4. São realidades diferentes e isso tem que ser lavado em consideração.Como cita o professor de Harverd Sandler em seu livro ``Justiça: O que é fazer a coisa certa, a meritocracia não é o sistema ideal para entrar em uma universidade pública. Um grande exemplo disso foi o ativista do diretos civis dos negros Martin Luther King que ao fazer a prova de doutorado de filosofia na Universidade de Boston, teve uma nota extremamente medíocre, porém entrou no curso através dos sistemas das ações afirmativas, possibilitando ele se tornar um dos maiores oradores dos Estados Unidos das Américas. O propósito de uma universidade é a diversidade social. Nós aprendemos com os que são iguais a nós ou os que são diferentes.

×