contação de história

2.697 visualizações

Publicada em

contação de história

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.697
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
175
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

contação de história

  1. 1. Contação de história
  2. 2.  Ler histórias para as crianças amplia seus horizontes, traz novas perspectivas de vida, instaura o hábito de leitura. Contar histórias pode ser um ato mais forte que ler histórias, isto porque, quando o contador narra as histórias com suas próprias palavras, ele dá mais confiabilidade a elas, mostra mais comprometimento com seu conteúdo e isso potencializa os benefícios que uma história proporciona tanto par quem conta como para quem escuta. Portanto se faz necessário saber como fazer, ou por onde começar. E o passo mais importante desta primeira etapa é a escolha do livro.
  3. 3.   A arte de contar histórias depende, frequentemente, do poder de sedução do contador por meio:  Emoção  Voz  Corpo  Olhar  Credibilidade  Recursos auxiliares Como posso cativar a atenção da criança
  4. 4.   Para quem conta (público-alvo)  O que conta (escolha do livro)  Onde conta (cenário)  Como conta ( preparação corporal e vocal, figurino ideal e memorização) Como me preparar para contar histórias?
  5. 5. Escolha de uma estratégia para chamar as crianças para esse momento: Música Parlendas ...
  6. 6. Prepare-se para interrupções: use isso a seu favor
  7. 7. Esta é uma forma de mantê-los atentos à história, e mais do que isso, é uma forma de ennriquecer a contação com experiências e culturas vivenciadas pelos ouvintes
  8. 8.  Não decore, entenda os pontos mais marcantes da história e sinta o que ela pode transmitir.  Improvise  Vivencie a história e faça o livro brilhar
  9. 9. Histórias são pra todo tipo de criança, de 0 a 199 anos, afinal quem não gosta de uma boa história? Mas alguns pontos precisam ser considerados em cada faixa etária:  3 a 4 anos – idade do fascínio ( textos curtos e atraentes  5 a 6 anos – idade realista ( história real )  7 a 9 anos - idade fantástica ( personagens com poder )  10 a 12 anos – idade heróica (narrativas de viagens...)
  10. 10.  Num bairro pobre de uma cidade distante, morava uma garotinha muito bonita. Ela freqüentava a escola local. Sua mãe não tinha muito cuidado e a criança quase sempre se apresentava suja. Suas roupas eram muito velhas e maltratadas. O professor ficou penalizado com a situação da menina. "Como é que uma menina tão bonita, pode vir para a escola tão mal arrumada?" Separou algum dinheiro do seu salário e, embora com dificuldade, resolveu lhe comprar um vestido novo. Ela ficou linda no vestido azul. Quando a mãe viu a filha naquele lindo vestido azul, sentiu que era lamentável que sua filha, vestindo aquele traje novo, fosse tão suja para a escola. Por isso, passou a lhe dar banho todos os dias, pentear seus cabelos, cortar suas unhas. Quando acabou a semana, o pai falou: "Mulher, você não acha uma vergonha que nossa filha, sendo tão bonita e bem arrumada, more em um lugar como este, caindo aos pedaços? Que tal você ajeitar a casa? Nas horas vagas, eu vou dar uma pintura nas paredes, consertar a cerca e plantar um jardim." Logo mais, a casa se destacava na pequena vila pela beleza das flores que enchiam o jardim, e o cuidado em todos os detalhes. Os vizinhos ficaram envergonhados por morar em barracos feios e resolveram também arrumar as suas casas, plantar flores, usar pintura e criatividade. O vestido azul
  11. 11.   Em pouco tempo, o bairro todo estava transformado. Um homem, que acompanhava os esforços e as lutas daquela gente, pensou que eles bem mereciam um auxílio das autoridades. Foi ao prefeito expor suas idéias e saiu de lá com autorização para formar uma comissão para estudar os melhoramentos que seriam necessários ao bairro. A rua de barro e lama foi substituída por asfalto e calçadas de pedra. Os esgotos a céu aberto foram canalizados e o bairro ganhou ares de cidadania. E tudo começou com um vestido azul. Não era intenção daquele professor consertar toda a rua, nem criar um organismo que socorresse o bairro. Ele fez o que podia, deu a sua parte. Fez o primeiro movimento que acabou fazendo que outras pessoas se motivassem a lutar por melhorias. Será que cada um de nós está fazendo a sua parte no lugar em que vive? Por acaso somos daqueles que somente apontamos os buracos da rua, as crianças à solta sem escola e a violência do trânsito? Lembremos que é difícil mudar o estado total das coisas. Que é difícil limpar toda a rua, mas é fácil varrer a nossa calçada. É difícil reconstruir um planeta, mas é possível dar um vestido azul. Há moedas de amor que valem mais do que os tesouros bancários, quando endereçadas no momento próprio e com bondade.
  12. 12. O recurso utilizado irá depender do número de ouvintes e do espaço físico que está disponível. Para cada situação um recurso que melhor se encaixe com o público ouvinte.
  13. 13. Recursos utilizados: Uma caixa enfeitada na mão, uma história no coração. Vamos confeccionar uma caixa para contar a história de Talita e o seu vestido azul? Criação de Cristina Lazaretti

×