Fogaça

259 visualizações

Publicada em

story about Fogaça ( a traditional cake)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
259
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fogaça

  1. 1. O casamento da Fogaça de Palmela com o Moscatel de Setúbal
  2. 2. Texto e ilustrações: Carla Susana Costa Dedicado: Ao grupo de Trabalho das Bibliotecas Escolares do Concelho de Palmela E a todos os que apreciam um bom doce regional e um vinho moscatel com qualidade.
  3. 3. Palmela não é somente terra de bom queijo e vinho, mas também de festas, romarias e do nascimento de um doce regional com sabor q.b. a canela e uma boa dose de erva-doce. Não sabemos se foi inspirado pelos ares cimeiros da vila, lá para as para as bandas do castelo, ou pelo vislumbre do rio Sado e coordilheira da Arrábida por um lado, e pelas planícies envolventes ao cansado Tejo, por outro.
  4. 4. Há quem diga que nasceu em janeiro, que foi concebida num ato de sabedoria de combinação de sabores, no primeiro mês do calendário, sob a proteção de Santo Amaro, uniram-se os ovos ao pão em massa, adicionando-se o sumo e raspa das laranjas, a banha, o açúcar, a canela, a erva-doce, a aguardente e a farinha. Após momentos de levedação moldaram-se formas, mesclando-se o amor à terra, trabalho árduo, imaginação com uma pitadade tradição. Daí resultou um aroma guloso transportado num tabuleiro untado em forno moderado que sacia a fome ou gulodice de quem o prova. Deram-lhe o nome de fogaça, por ser um bolo cozinhado no fogo, em cima das cinzas quentes do forno a lenha.
  5. 5. Familiares tem alguns, dos quais destacam- se as famosas fogaças de Santa Maria da Feira e Alcochete, mas que se diferenciam dela, por serem uma espécie de pão doce ou pastel e também pelo aspeto. A forma da fogaça de Palmela correspondia a promessas formuladas a Santo Amaro, evocando-se habitualmente proteção na saúde, colheitas e gado. Dessas aflições resultavam diversos motivos: animais, partes do corpo, frutos ou plantas.
  6. 6. É benzida, anualmente, na igreja paroquial numa cerimónia aberta à comunidade que convida à participação de todos. A verba apurada revertia a favor do culto do seu santo padroeiro. Tal senhora tão bem conceituada, um dia foi apresentada a um vinho generoso da região, com alguma antiguidade, há muito apreciado por reis e pelo povo. Foi atraída pela sua celebridade, cor, maturidade, frescura e elegancia. Conheceram-se num final de tarde, na época das festas das vindimas, na Casa Mãe dos Vinhos. De fora ecoava uma melodia produzida pelas gentes
  7. 7. das bandas filarmónicas da região, convidando a um pé de dança. Foi entre esses e tortas de Azeitão, biscoitos diversos e frascos de mel da Arrábida que o Sr. Moscatel descobriu a distinta D. Fogaça, com o seu ar delicioso e ligeiramente tostado. Foi amor ao primeiro pingo, ou devo dizer, amor à primeira migalha, pois o sentimento de atração foi reciproco. D. Fogaça já há muito o admirava pelas suas qualidades, mas por ser introvertida, não se atrevia a olhá-lo de soslaio mais do que alguns segundos. O Sr. Moscatel, curioso, resolveu aproximar-se e deu-se a conhecer. Conversaram até de madrugada, perto dos azulejos que ilustram o labor das vindimas. Ambos tinham tanto para contar e partilhar. Licores, compotas e queijos cochichavam baixinho sobre o sucedido.
  8. 8. Uma noite estrelada de final de semana, Sr. Moscatel convidou D. Fogaça para um encontro no Espaço Fortuna. No bar, escutavam-se canções resultantes de flauta, guitarra e bateria num ambiente simpático, tranquilo e acolhedor alumiado pela
  9. 9. luz ténue de velas. Inspirado, já no espaço exterior, Sr. Moscatel entoou uma serenata apaixonada. Fogaça sorriu com um rubor nas faces, estava feliz. Mais tarde, já de mãos dadas, visitaram a olaria e as peças ai criadas. Tinha-se iniciado um eterno e harmonioso romance.
  10. 10. Desde ai são quase inseparáveis, deixando-se avistar nas ruas e vielas estreitas do centro histórico da vila e Cineteatro S. João. A pousada e esplanada do
  11. 11. castelo, moinhos de vento, igreja, miradouro, adegas e salões de chá da zona continuam a ser locais que também testemunham esta união e dedicação mutua.
  12. 12. Celebrou-se então, o casamento entre a Fogaça de Palmela e o Moscatel de Setúbal, combinação entre o doce, o álcool, a qualidade e frescura, num equilíbrio de prazer.
  13. 13. E é por isso, que quem visita Palmela não deve jamais perder a oportunidade de cometer o pecado de provar este doce
  14. 14. regional acompanhado pela famosa e deliciosa bebida de vinho moscatel típica desta zona tão afortunada pelos deuses gastronómicos, nem deixar de conhecer os restantes tesouros da região.

×