Tcc defesa pessoal na polícia militar

4.728 visualizações

Publicada em

Monografia sobre Defesa Pessoal - Krav Magá

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.728
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tcc defesa pessoal na polícia militar

  1. 1. PÓS-GRADUAÇÃO MARCOS STEPHANY TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO APRESENTADO A UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ COMO REQUISITO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LUTAS E ARTES MARCIAIS: DA PEDAGOGIA AO TREINAMENTO. Orientadora: Profa. Ms. Lilian Fairchild São Paulo, 2014. O KRAV MAGÁ COMO DEFESA PESSOAL NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO RESUMO A Polícia Militar do Estado de São Paulo tem a missão de preservar a ordem e segurança pública de toda sociedade paulista e das instituições, e não são raras as vezes que as intervenções e contatos físicos de forma repressiva são necessários, com isso, o uso de técnicas de defesa pessoal se torna imprescindível, mas atualmente estas técnicas são baseadas em um manual antigo e desatualizado de defesa pessoal, escrito em 1992. Este estudo veio mostrar a importância da defesa pessoal no trabalho policial para preservação da sua integridade física, como também o uso do Krav Magá para esse fim. Mostrando as qualidades e especificidade técnica desta Arte, passando pelo criador Imi Lichtenfeld, falaremos de seu processo de criação, vamos apresentar suas regras e principais técnicas, desta que é a única Arte que desde o início foi empregada como defesa pessoal. Palavras-Chave: Krav Maga, Polícia Militar, Defesa Pessoal. ABSTRACT The Military Police of São Paulo has the mission to preserve public order and security throughout all of São Paulo's society and institutions, and not rarely _____________________________________________________________________________ 1
  2. 2. interventions and physical contacts are needed, therefore, the use of self defense techniques becomes essential, but currently these techniques are based on an old and outdated self defense manual, written in 1992. This study has come to show the importance of self defense in police work to preserve their physical integrity, as well as the use of Krav Maga for this purpose. Showing the qualities and technical specificity of this Art, going through the creator Imi Lichtenfeld, we will talk about his creative process, we will present its rules and key techniques, of this art that was the only one which from the beginning was used as self defense. Keywords: Krav Magá, Military Police, Self Defense. 1. INTRODUÇÃO Atualmente as instruções de defesa pessoal na Polícia Militar do Estado de São Paulo são baseadas no manual M-03-PM. O atual Manual Policial Militar de Defesa Pessoal (M-03-PM) data de 1992, e após 22 anos de existência, já não supre mais as necessidades de uma polícia moderna, que visa a defesa da vida, a integridade física e a dignidade da pessoa humana. Segundo Fonseca (1998) fica evidente a necessidade de atualização do referido manual, levando-se em consideração a sociedade atual, as mudanças em nossa instituição, novas formas, métodos e técnicas de treinamento. Couto (2011) também concorda com a necessidade de atualização do referido manual, sendo que para ele, o manual M-03-PM é simples, eficiente e bem feito, mas devido ter sido elaborado em 1992, já se encontra desatualizado, necessitando ser revisto. “A Polícia Militar do Estado de São Paulo possui aproximadamente cem mil homens e mulheres em seu efetivo, dispostos diuturnamente, em todo o Estado de São Paulo, para atender a premissa constitucional de manter e preservar a ordem e segurança públicas de toda a Sociedade e das Instituições, por meio do policiamento ostensivo fardado e preventivo, com respeito à dignidade e aos direitos da pessoa humana mesmo com o sacrifício da própria vida” (SILVA, 2009, p. 21). Dentre as várias atividades da Corporação, o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública, previstos no Art. 144, inciso V, § 5º, da Constituição Federal (1988), têm em sua essência a prevenção, contudo não raras são as vezes que as intervenções, de cunho repressivo, são necessárias para a manutenção da ordem pública. _____________________________________________________________________________ 2
  3. 3. A Constituição do Estado de São Paulo (1989), em seu Art. 139, invoca que a segurança pública é obrigação do Estado, devendo preservar a ordem pública e incolumidade das pessoas e do patrimônio. No Decreto Lei nº 667/69 (Brasil, 1969) encontramos a competência da Polícia Militar, a qual tem por obrigação assegurar o cumprimento da lei, atuar como força de dissuasão e repressão em todos os casos de perturbação da ordem. Se levarmos em conta a possibilidade que o policial militar desempenha suas atividades operacionais sem o devido conhecimento em defesa pessoal, pondo em risco sua integridade física e até mesmo sua vida. Que a falta deste conhecimento pode ocasionar o uso indevido da força física e da arma de fogo, podendo provocar lesões indevidas no cidadão ou até mesmo sua morte. Segundo Pires Junior (2002) o cidadão de hoje, que assiste a uma cena de ação por parte do policial, quase nunca entende o que está se passando, principalmente quando o policial age em reação a conduta de um cidadão infrator. Segundo Silva (2009) em toda abordagem policial o uso da força será utilizado podendo ser através de comandos verbais, ou até mesmo com o uso de força letal em casos de ameaça letal ao policial ou a terceiros, sendo que cada situação enfrentada pelo policial é única. O bom discernimento, as circunstâncias de cada uma delas e principalmente o conhecimento de técnicas de defesa pessoal ditarão o nível de reação que o policial utilizará. Ainda segundo Silva (2009) mostrando a importância do treinamento aos policiais como forma de reduzir o emprego abusivo de força nos encontros da polícia com o público, melhorando a qualidade do trabalho, aumentando a proteção do policial e do abordado. Para Suero (2009) a atuação policial em ações que demandam a contenção física de agressores armados ou não, que oferecem resistência à sua prisão, é uma realidade, podendo promover resultados diversos do esperado, sendo necessário que os policiais militares estejam adequadamente preparados de forma que atuem com eficácia, e com o menor potencial ofensivo, minimizando os riscos para si, para terceiros e, sempre que possível, para o agressor contido, encerrando-se numa imobilização adequada, que permita a utilização rápida e segura das algemas. Para Catanhede (2011), Silva (2009), Suero (2009), Costa (2006), Pires Junior (2002), Souza (2002), Tussi (1998) e Toledo (1985) a defesa pessoal é um dos _____________________________________________________________________________ 3
  4. 4. elementos primordiais da atividade cotidiana das organizações policiais. Dessa forma, ao aprofundar o conhecimento sobre o tema, mergulha-se em alguns aspectos importantes sobre as atividades desenvolvidas por essas organizações e constrói-se um rol de conhecimentos necessários para que o policial militar aja de forma correta e profissional. Com tudo isso, este trabalho se justifica devido à necessidade de aprimoramento e inovação das técnicas de defesa pessoal da Polícia Militar de São Paulo, para melhor servir a sociedade atual e atender as mudanças desta instituição, sendo que o Krav Magá pode ser uma opção de Arte Marcial para este fim. Através de uma revisão bibliográfica, este estudo teve por objetivo verificar a Arte Marcial Israelense para Defesa Pessoal – Krav Magá para uso dos policiais militares do Estado de São Paulo, mostrando suas características, a especificidade, as técnicas, eficiência como defesa pessoal e benefícios como Arte Marcial Tradicional, pois segundo Tuchman e Mayers (2009), o Krav Magá é uma arte marcial perfeita e completa, sendo a única arte marcial que desde o início foi empregada como defesa pessoal. 2. POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Em 1831 a jovem nação brasileira vivia uma profunda crise político-institucional. O Imperador Pedro I havia abdicado do trono e deixado o País, devastado pela crise econômica, em mãos de uma Regência Provisória, que governaria a Nação até que Pedro II pudesse governar (ARRUDA, 1997). Segundo Arruda (1997) essa crise ultrapassou os Portões das Armas dos quartéis, e unidades militares, instigados pelas oposições, revoltaram-se contra o poder constituído, onde rebeliões armadas explodiam por todos os cantos do país-continente. Os primeiros organismos policiais que existiam, surgidos com os primeiros núcleos de colonização do Brasil e aprimorados com a chegada da Divisão Militar da Guarda Real de Polícia, eram frágeis e não suficientemente capacitados para responder à complexidade da situação. Segundo Andrade e Camara (1982) apesar das tropas serem diferentes das primitivas, ressentia-se, entretanto, da ausência dos necessários conhecimentos _____________________________________________________________________________ 4
  5. 5. profissionais, pois era notória a precariedade disciplinar e ineficiência das forças militares responsáveis pela manutenção da integridade territorial e da ordem interna. Devido aos motins e revoltas militares no Rio de Janeiro que repercutiram nas províncias, levou o governo a extinguir as Tropas de Linha, incorporando-as ao nascente Exército brasileiro, e as Milícias e Ordenanças, criando a Guarda Nacional em 18 de agosto de 1831, formada por caçadores, fuzileiros, sertanejos e voluntários, todos amadores (SÃO PAULO, 1995). Mas para consolidar a independência do Brasil dentro de um clima de ordem, era necessária uma tropa de policiais profissionais, sendo assim, em 10 de outubro de 1831, Regente Feijó em nome do Imperador Pedro II, convocou os governos provinciais a extinguir todos os corpos policiais existentes, e sancionou a lei autorizando-os a criarem um único Corpo de Guardas Voluntários por província, a pé e a cavalo, para manter a tranqüilidade pública e auxiliar a justiça (ANDRADE; CAMARA, 1982). Baseando-se neste decreto, foi proposto pelo Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar na época Presidente da Província de São Paulo, a criação da Guarda Municipal Voluntária, que foi autorizado pelo Conselho da Presidência da Província a 15 de dezembro de 1831, sendo subordinado diretamente ao chefe do Executivo Provincial e, mais indiretamente, à Assembléia Provincial, ficando permanentemente de serviço, a expensas do erário público e contando com um efetivo inicial de 100 homens de infantaria e 30 homens de cavalaria, que posteriormente fora chamado de Corpo Policial Permanente (ARRUDA, 1997). Devido o efetivo dos Permanentes se dispersarem pela Capital e por todos os núcleos habitados da Província, foi autorizado pelo Governo a criação pelos municípios de suas próprias polícias locais. Mas devido a vários problemas na seleção, treinamento e influencia política, representavam segundo as autoridades dos governos da época, uma ameaça e um estorvo para a segurança pública, onde acabaram passo a passo, sendo extintas. Com à crescente urbanização da cidade de São Paulo, apareceram corpos policiais especialmente destinados ao policiamento urbano, entre eles a Companhia de Pedestres e a Guarda Urbana, esta ultima já se exigia alfabetização (ARRUDA, 1997). Segundo Andrade e Camara (1982) com a chegada da República, a milícia foi reorganizada e consolidou-se como Força Pública do Estado, ajudando a consolidar o novo regime, onde os governantes investiram em sua expansão organizacional, sendo atribuída à Força o papel de braço armado do poder político estadual. _____________________________________________________________________________ 5
  6. 6. Em 1904 o então Presidente eleito da Província de São Paulo, Dr Jorge Tibiriçá, procurando o aprimoramento da Milícia Paulista, assim que assumiu o governo, manifestou desejo de modernizar a Força Pública. Devido o próprio presidente ter conhecimento sobre polícias européias e depois de alguns estudos, decidiu pela vinda de uma missão Francesa para esta tarefa (ANDRADE; CAMARA, 1982). Segundo Andrade e Camara (1982) em 21 de março de 1906, chega a São Paulo a primeira Missão Francesa de Instrução Militar, chefiada pelo então Coronel Paul Balagny, sendo seus auxiliares o Capitão Raoul Negrel e o Tenente André Honeix De La Brousse. Sob a égide da Missão Francesa foram empregados os mais modernos recursos didáticos da época, foram criados os manuais de instrução, foram fundados o Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, e o núcleo original do atual Centro de Aperfeiçoamento de Praças, destinado ao preparo de Graduados para a Organização. Os exercícios teóricos e práticos foram treinados exaustivamente, foram renovados os uniformes, o armamento e os equipamentos, renovando o nível de adestramento da Força ao mesmo nível dos grandes exércitos europeus (ARRUDA, 1997). Já em 1909, a Força Pública tinha perdido os velhos vícios de indisciplina, de técnicas e táticas sofríveis para transformar-se num conjunto homogêneo de forças morais e materiais, as quais, ainda hoje, são as bases características da Polícia Militar do Estado de São Paulo (ROSAS JÚNIOR, 2009). Devido a participação da Força Pública em diversas campanhas, ela acabou se ausentando do policiamento das áreas urbanas da capital, com isso o então Presidente do Estado Carlos de Campos criou em 1926 a Guarda Civil, como umas força auxiliar da Força Pública (ARRUDA, 1997). Com a ditadura Vargas em 1940, visando privar o Estado de São Paulo de qualquer resquício de seu braço armado, altera a denominação de Força Pública para Força Policial, permanecendo com está denominação até 1947, onde pela Constituição paulista, volta a se chamar Força Pública (ARRUDA, 1997). Segundo Arruda (1997) com o Decreto nº 12755/42, foi criada no Estado pelo interventor Fernando Costa, as Guardas Policiais, comandadas por policiais militares, subordinadas aos Delegados de Polícia dos respectivos municípios e destinadas a substituir os destacamentos da Força Policial espalhados pelo interior. _____________________________________________________________________________ 6
  7. 7. No ano de 1954, a Guarda Civil incorpora em seus quadros a Guarda Noturna, uma autarquia dirigida pelo Estado, que realizava atividades de vigilância das ruas da Capital desde 1934 (ARRUDA, 1997). Com o tempo, através de constantes unificações das organizações policiais, tanto na Guarda Civil, como na antiga Força Pública, chegando em 1970 a unificação das duas através do Decreto-lei nº 217 de 8 de abril de 1970, passando a partir desta data a constituir a atual Polícia Militar do Estado de São Paulo, assumindo esta o controle de todo o sistema de policiamento ostensivo e preservação da ordem, incluindo o Corpo de Bombeiros com todas as suas atribuições (SÃO PAULO, 1995). Pelos serviços prestados há mais de 165 anos, a Polícia Militar é uma Instituição presente na história, na cultura, na vida artística, tecnológica, esportiva e comunitária de São Paulo (ARRUDA, 1997). Hoje já são 182 anos de bons serviços prestados a sociedade paulista, passando por altos e baixos nesses anos de história, a Policia Militar do Estado de São Paulo, com seus aproximadamente 100 mil homens, foi e ainda é uma das corporações mais atuantes de nosso Estado, nos protegendo diuturnamente, vinte e quatro horas por dia, sendo uma Instituição presente na história, na cultura, na vida artística, tecnológica, esportiva e comunitária de São Paulo. 3. ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA POLÍCIA MILITAR Segundo Filho (2010) por proposta da Missão Francesa, foi fundada em 1907 pela Força Publica do Estado de São Paulo, uma Sala de Armas, funcionando no Quartel da Luz, nas dependências do pavilhão subterrâneo da direita, onde os próprios franceses comandavam. Com a chegada do suboficial francês chamado Delphin Balancier, mestre de esgrima e ginástica formado pela Escola de Joinville-le-Pont, da frança, em 01 de março de 1910, integrando-se ao corpo de instrutores, foi designado pelo Coronel Paul Balagny para coordenar a instrução de esgrima e ginástica com o objetivo de criar um curso que educasse os membros da Força Paulista (BONFIM FILHO, 2010). Os franceses como grandes praticantes da higiene orgânica do militar, procedentes do exército que introduziu o ensino científico da educação física no mundo, por _____________________________________________________________________________ 7
  8. 8. intermédio do Capitão Delphin Balancier, criaram no Brasil em 1910 a Escola de Educação Física da Polícia Militar (ARRUDA, 1997). A Escola de Educação Física foi criada para educar fisicamente o soldado paulista, possuindo dois cursos distintos, um de ginástica e outro de esgrima, ajudando agora eficazmente os governos do Estado e da República na campanha por ambos empreendidos no sentido de difundir, tanto quanto possível, o amor pela cultura física no país (ANDRADE; CAMARA, 1982). “Segundo Martins (2000, p. 89) na Escola de Educação Física de São Paulo, o antigo e o moderno, teoria e pratica, fundamental e profissional convivem em perfeita harmonia, conservando-se até hoje como pérolas culturais do inicio da educação física no Brasil, sob a forma de apresentações e ginásticas calistênicas, algumas trazidas pela missão militar francesa, outras criadas e adaptadas as nossas características. Entre elas temos o Jogo de Bastões, o Boxe Savat, a Esgrima à Baioneta, a Ginástica Sueca e Moderna e o Bailado de Joinville Lê Pont”. Entre as várias modalidades esportivas trazidas pela Missão Francesa para a Escola de Educação Física, as que trazem alguma relação com o treinamento dos militares em defesa pessoal são, o Jogo de Bastões, o Boxe Savate e a Esgrima à Baioneta, mostrando que já naquela época, a preocupação com o treinamento de defesa pessoal dos soldados paulistas, já era grande. 3.1. Jogo de Bastões Segundo Silva (1993) o Jogo de Bastões tem origem Francesa, e era praticado pelo exército Francês na escola de Joinville-le-Pont no século XIX. Eles criaram esta coreografia em homenagem a seus antepassados, tentando resgatar atividades culturais e executá-la de forma educacional e artística. O Jogo de Bastões foi baseado da forma que os antigos europeus e orientais utilizavam para defenderem suas propriedades e bens (MARTINS, 2000). Para Bonfim Filho (2010) no Brasil o Jogo de Bastões foi trazido pela primeira Missão Francesa no inicio do século XX. São utilizados bastões de madeira para sua prática, onde homens executam séries completas, individuais ou em grupo. É considerado também uma atividade de ataque e defesa, necessitando de agilidade e iniciativa, ensinando os praticantes a se defenderem por meios de bastões. _____________________________________________________________________________ 8
  9. 9. 3.2. Boxe Savate Para Cerisier (1976) o Boxe Francês Savate, é um esporte de combate com inspiração ocidental, sendo visto como uma técnica de defesa individual, um esporte amador que mobiliza mãos e pés como elementos marcantes para atingir qualquer parte do corpo do oponente. Praticado principalmente em países como a França, Itália, Bélgica, Inglaterra e Holanda. O Boxe Savate foi uma prática também trazida pela Missão Francesa para ser praticada na Escola de Educação Física da Força Pública de São Paulo, e era muito semelhante a um “Kata” de luta marcial (MARTINS, 2000). 3.4. Esgrima à Baioneta Segundo Geraldi (2010) nos treinamentos militares da então Força Pública e Guarda Civil de São Paulo, incluía a Esgrima com Baioneta. Tendo suas raízes na criação da Escola de Educação Física da Polícia Militar e com a chegada da Missão Francesa de instrução militar, que era comandada pelo Coronel Paul Balagny em 1910, tendo em 1913, editado um manual intitulado “Escola de Soldado”, onde tratava em um de seus capítulos lições de Esgrima a Baioneta, onde o objetivo era que o Militar aprendesse a se defender, defender seus parceiros e manter um condicionamento físico adequado para batalha. 4. DEFESA PESSOAL Muitos vêem a defesa pessoal como o uso da violência física para nos defendermos de uma agressão. Mas na verdade, o conceito de defesa pessoal é muito mais complexo, sendo que a violência física, caso seja necessária, deve ser usado apenas como o último recurso para quem necessita defender-se e assim garantir a sua integridade física (COSTA, 2006). Entendemos defesa pessoal como toda e qualquer medida que vise preservar a integridade física do indivíduo, mantendo sua capacidade de auto decidir (RIO DE JANEIRO, 2009). _____________________________________________________________________________ 9
  10. 10. A defesa pessoal nasceu da necessidade de sobrevivência do homem diante das situações de risco, tendo que ser uma resposta rápida e efetiva, para ter sua máxima eficiência. Segundo Silva (2009) a Defesa Pessoal deve ser vista como o uso de técnicas de defesa para responder a uma agressão momentânea sem premeditação, e para tanto devemos utilizar de todos os meios que estiverem ao nosso alcance para nos defendermos, utilizando somente o necessário para cessar a agressão e de acordo com a prudência da lei. A defesa pessoal é estar 100% preparado para o inesperado, antecipação antes de qualquer coisa. Em traços gerais, consiste em prevenir a agressão e controlar o(s) agressor(es), valendo-se de métodos e ferramentas estudadas, sem violência e sem força excessiva (COSTA, 2006). A noção de defesa pessoal está associada a comportamentos defensivos e de autopreservação, os quais poderão proteger a pessoa de afrontas a sua integridade, liberdade, saúde e vida. Complementarmente, tal prática pode se vincular á pratica de exercícios físicos ao longo da vida, sendo incorporada com perspectiva de melhora da saúde, assim evitando doenças (HARASYMOWICZ, 2007). Para Silva (2009) deve-se conhecer a si mesmo, dominando suas emoções. As técnicas devem ser simples, rápidas e efetivas, mas utilizando somente o necessário para parar o agressor e de acordo com a prudência e a lei. Do ponto de vista legal não podemos nos defender de qualquer agressão com força ou violência superior àquela imprimida pelo agressor, ou acabamos nós a ser os agressores e passíveis de processo judicial (COSTA, 2006). 5. A IMPORTÂNCIA DA DEFESA PESSOAL NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. “A atividade policial é uma das mais importantes, sensíveis e complexas de uma sociedade, pois trabalha fundamentalmente com a limitação da liberdade, a restrição de conduta e a delimitação de comportamentos, pautados pelo arcabouço jurídico vigente” (PINTO; VALÉRIO, 2002, p. 19). _____________________________________________________________________________ 10
  11. 11. No conjunto de ferramentas para assim agir, temos o uso da força física, como também o uso da arma de fogo, como meios legais de prevalência do Estado, como representante da sociedade, sobre o interesse individual (PINTO; VALÉRIO, 2002). Para Pinto e Valério (2002) toda ação de polícia deve seguir os princípios da legalidade, urbanidade, proporcionalidade e eficiência, enfoques que a disciplina de defesa pessoal busca aplicar, nos diversos níveis dos cursos de formação policial, com o objetivo a garantir a melhor atuação policial, evitando agir em excesso, com inércia, com precipitação ou com o uso desnecessário da arma de fogo, justamente pela falta de conhecimento das técnicas de defesa pessoal. A Polícia Militar de São Paulo sempre teve preocupação com a preparação de seus integrantes. Já na época da então Força Pública, com a vinda da Missão Francesa, eram feitas instruções com armas, instruções de cavalaria, de esgrima, lecionavam também o Box Savat, onde os instrutores treinavam técnicas de ataque e defesa (SILVA, 1992). Para Alves (2008) a Polícia Militar acredita que o treinamento de Defesa Pessoal, a melhor qualificação profissional de seu contingente, o investimento direto no patrimônio humano, é o meio mais eficaz para se atingir a qualidade e excelência desejadas interna e externamente à Corporação, sendo que em todas as escolas de formação da Corporação temos a disciplina Defesa Pessoal. O treinamento visa deixar o policial militar capacitado e confiante para a utilização das técnicas de defesa pessoal, nas situações em que seu uso se torne necessário para sua defesa ou de terceiros (SÃO PAULO, 1995). Os objetivos da Polícia Militar em ministrar aulas de defesa pessoal aos seus homens são diferentes dos cidadãos comuns, pois ela necessita de pessoas em condições de se defenderem de um combate quase que diário nas ruas, preservando assim as suas vidas e a da comunidade onde trabalham (SILVA, 1992). A Defesa Pessoal se diferencia das Artes Marciais pelo resultado em curto prazo, sendo mais adequada ao curto período dos cursos de formação nas escolas da Polícia Militar e a falta de tempo para o desenvolvimento da instrução da Tropa Pronta (SILVA, 1992). Para Toledo (1985) a defesa pessoal desenvolve no homem a autoconfiança, facilitando o controle das suas emoções, ensinando-o a respeitar o seu semelhante e, com isso não cometendo arbitrariedade e violência desnecessária, somente defendendo- se e atacando quando ver ameaçada a sua integridade física ou de terceiros. _____________________________________________________________________________ 11
  12. 12. Somente o treinamento constante e consciente deixará o policial militar com os reflexos necessários para agir no momento certo e, desta forma, evitando o uso de arma de fogo em que o bom senso e o pleno conhecimento de sua capacidade de ação serão suficientes para dominar a situação eminente de confronto (SÃO PAULO, 1995). Quando o policial militar tem um maior conhecimento e treinamento em técnicas de defesa pessoal, acaba adquirindo maior confiança e maior autocontrole em suas ações de polícia, agindo com menos agressividade, somente fazendo o uso da arma de fogo, quando for estritamente necessário. A corporação carece de homens seguros, confiantes, que se imponham pelos seus conhecimentos intelectuais, físicos e espirituais e entendemos que e somente assim que seremos respeitados e valorizados (TOLEDO, 1985). A matéria Defesa Pessoal é de suma importância para corporação, pois com o advento e difusão dos direitos humanos pela sociedade, as pessoas, hoje em dia, se sentem constrangidas quando um policial militar age, usando da força necessária para reprimir uma agressão injusta, muitas vezes sem técnica ou conhecimento. Para que isto não aconteça, o policial deve ser instruído para agir corretamente, aplicando os conhecimentos adquiridos (PIRES JUNIOR, 2002). 6. KRAV MAGÁ 6.1. O Criador Imi Lichtenfeld nasceu em 26 de maio de 1910 em Budapeste, que era o centro do Império Austro-Húngaro. Cresceu e se criou em Bratislava, capital da Eslováquia (LICHTENSTEIN, 2006). Segundo Lichtenstein (2011) Imi recebeu seus primeiros treinamentos em defesa pessoal de seu pai, que era policial e que morreu na mão dos nazistas. Foi também atleta, professor de dança, trapezista de circo (trapézio sem rede de segurança), exímio arremessador de facas, campeão europeu de boxe nos anos 30 e faixa preta de Judô e Jiu-jitsu “japonês” (informação verbal)1 . Durante sua vida, Imi praticou boxe, modalidade que combinava bem com sua forma física e com sua agilidade e flexibilidade natural. Praticou também luta Greco- 1 Informações fornecidas por Yaron Lichtenstein no Curso de Instrutores de Krav Magá em São Paulo em 02 de fevereiro de 2011. _____________________________________________________________________________ 12
  13. 13. romana, tornando-se lutador desta modalidade, mas nunca criou, ou incluiu esse tipo de técnica no Krav Magá. No ano de 1941, Imi estava com trinta e um anos de idade, e se alistou na Legião Tcheca, que sob o comando do exército real britânico, combateu as forças nazistas na região do Egito até o fim da Segunda Guerra Mundial, no ano de 1945 (TUCHMAN; MAYERS, 2009). Com o termino da guerra, Imi mudou-se do Egito para Israel, que naquela época ainda era mais conhecida como Palestina, onde conheceu várias milícias judaicas que lutavam pela independência do Estado judeu, a maior e mais conhecida delas chamava- se Haganah, que preocupava-se primeiramente em trazer o máximo de judeus de volta à sua pátria para que eles pudessem recomeçar as suas vidas (TUCHMAN; MAYERS, 2009). Segundo Tuchman e Mayers (2009) depois de problemas de saúde decorrente de um longo período de permanecia dentro da água, por causa de um acidente em uma missão de acompanhamento de um navio com refugiados até um porto seguro, Imi resolveu se juntar a um grupo de ataque, que era um braço armado do Haganah, denominado “Palmach”, que constituíam a principal força de defesa da comunidade judaica contra os sucessivos ataques árabes. Naqueles dias a situação de Israel, que ainda não tinha se estabelecido como um Estado, foi uma das mais difíceis, poucos guerreiros, armamento arcaico e muitas vezes inútil, ministrando uma desesperada guerra pela sua independência contra centenas de milhares de soldados bem equipados de países árabes. Depois da fundação do Estado de Israel e da criação das forças de defesa israelenses (Tzahal), Imi foi nomeado como o instrutor chefe de preparação física para combate e de defesa pessoal, sendo o único responsável pelas aulas e pela elaboração dos programas de treinamento, comandando este departamento durante 18 anos, até se aposentar no ano de 1966 (TUCHMAN; MAYERS, 2009). Depois de se aposentar, Imi abril duas academias de defesa pessoal, uma na cidade de Tel-Aviv e outra na cidade de Natanya, a partir daí, começou a investigar os componentes e os movimentos que existem em todas as artes marciais, analisando e examinando tudo que estava faltando no campo da defesa pessoal, e assim criou a arte marcial para defesa pessoal, o Krav Magá (LICHTENSTEIN, 2007). _____________________________________________________________________________ 13
  14. 14. No hebraico existe um ditado que provavelmente tem variações em todas as línguas do mundo: “Ler nas entrelinhas”, e é exatamente isso que Imi fez quando começou a construir o Krav Magá, baseando-se na imensa experiência que teve em áreas como o Pugilismo, Luta Greco-romana, Judô e Jiu-jitsu japonês. 6.2. A Arte do Krav Magá Segundo Tuchman e Mayers (2009) como instrutor chefe de preparação física para combate e de defesa pessoal Imi Lichtenfield ficava dias e noites planejando e construindo diversas técnicas complexas e, imediatamente depois corria para o campo de treinamento com as técnicas em mente, examinando e provando os novos exercícios junto com os melhores soldados das unidades de elite israelense, tudo isso para tornas sua criação uma coisa real e eficaz. Os treinos com ele eram bastante diversificados e muitas vezes no mesmo dia eram treinadas diversas técnicas diferentes uma da outra. Era experimentada e provada tudo, para poder separar o correto do errado, o necessário do dispensável, sabendo que qualquer falha, por menor que seja, significa risco para vida humana, vida humana tão cara, principalmente para Imi, que passou pelos horrores dos nazistas e a considerava de valor supremo. Entre várias características trabalhadas por Imi em sua criação foram: como adquirir a postura certa, como andar sobre as bolas dos pés como se fosse um leão, desenvolver e manter o equilíbrio, se mover de forma correta, o uso das mãos, em que movimento fica a força verdadeira e como aplicar esse movimento para aproveitar toda a sua energia e potência, coordenação entre os movimentos das mãos e das pernas durante defesas e ataques, tanto em situações de avanço como de recuo, funcionamento de cada uma das nove direções de movimento, por que chutar assim e não de modo diferente, o que é permitido e o que é proibido fazer, métodos de concentrar o controle sobre os nervos para direcionar de forma exata os movimentos corporais e ao mesmo tempo combinar a força e a velocidade, como desenvolver reação rápida, quais movimentos melhoram a coordenação motora, como desenvolver a visão periférica, ver tudo sem mexer os olhos, nem para a esquerda e nem para a direita, e como sua criação poderia dar segurança e autoconfiança para aqueles que usam suas habilidades em seus movimentos (TUCHMAN; MAYERS, 2009). _____________________________________________________________________________ 14
  15. 15. Segundo Lichtenstein (2007) o fundador começou a ensinar defesa pessoal mesmo antes da criação do Estado de Israel. Nessa época os treinos eram feitos principalmente com armas como facas e bastões, porque algumas vezes era somente esse tipo de arma que havia disponível. A grande experiência do fundador com facas e bastões trouxe mais tarde o desenvolvimento de técnicas de defesa contra essas armas, técnicas que mudariam para sempre a conceito de todas as artes marciais que estavam relacionadas com a possibilidade de fazer defesas contra esses tipos de armas. Um dia, depois de treze anos construindo sua arte, Imi decidiu dar um nome valido e oficial para sua criação, um nome que ajudaria os soldados a entender melhor seus ensinamentos, e finalmente pronunciou as palavras e o nome que revolucionariam o mundo: “Hagana Atzmit” (defesa pessoal). Este nome acompanhou por alguns anos sua arte até que, no final da década de sessenta, Imi entendeu que também esse nome não correspondia mais a realidade e no dia 16 de agosto de 1970 ele estabeleceu o nome eterno: Krav Magá – Omanut Halerrima Haissraelit Lehagana Atzmit (Krav maga – A arte marcial israelense para defesa pessoal) (TUCHMAN; MAYERS, 2009). O Krav Magá como arte marcial para defesa pessoal é inédito e diferente, e seu fundador é, sem dúvida, um dos maiores gênios do século XX. Poucas pessoas se dedicam à criação de uma nova arte e somente uma fração delas consegue ver a sua criação se tornando um caminho de vida para centenas de milhares de pessoas, que treinam e pesquisam cada movimento, dia e noite. Segundo Lichtenstein (2007) o conhecimento que Imi tinha sobre o sistema dos músculos e seu funcionamento no corpo humano é o motivo para a excepcional capacidade de movimento do Krav Magá. O Krav Magá é uma arte marcial redonda e completa, seu lugar entre as grandes artes marciais de nossos dias está garantido. E mais, é a única arte marcial que desde o início foi empregada como defesa pessoal. Segundo Tuchman e Mayers (2009) dentro do Krav Magá Imi incluiu algumas regras e leis, estas estão demonstradas no quadro 1, que não existem em nenhuma outra arte marcial e determinou que apenas uma rígida conservação destas possibilitaria a manutenção dos princípios do Krav Magá e da defesa pessoal. Quadro 1 – As Regras do Krav Magá Estabelecidas por Imi. (Adaptado de TUCHMAN; MAYERS, 2009) _____________________________________________________________________________ 15
  16. 16. 1- Menor caminho, máxima velocidade, máximo peso em direção ao oponente. 2- Que nada seja estranho para nosso corpo. 3- Sejam suaves. 4- A força dos golpes e chutes no Krav Magá fica no caminho de volta. 5- Nunca dê as costas para o oponente. 6- A determinação de entrar. 7- Faça o que puder, mas faça certo. 8- Krav Magá é ensinado em hebraico, exatamente como o Judô e ensinado em japonês, no idioma original da arte. 9- Sejam bons o suficiente para não precisar matar. 10- Vá para e junto com o inimigo. 11- Use a força do oponente contra ele mesmo. 12- Aprendam a “ler” o oponente. 13- Defesa específica contra ataque específico. 14- Sempre manter a distância de um passo do inimigo. 15- A mediocridade é o inimigo número um do Krav Magá e da humanidade toda. A variedade das técnicas do Krav Magá é muito grande, como demonstrada no quadro 2. Elas foram feitas para suprir todas as necessidades decorrentes de situações de defesa pessoal encontradas no dia a dia do cidadão comum em Israel, como também das forças policiais e as forças de defesa do país. Quadro 2 – Resumo das Técnicas do Krav Magá. (Adaptado de LICHTENSTEIN, 2007) Nº TÉCNICA DESCRIÇÃO 1 Blimot Quedas 2 Amidat Motza Posições 3 Gilgulim Rolamentos 4 Makot Kaf Hayad Vehayad Golpes com a Mão e com a Palma 5 Tezuzot Movimentação 6 Beitot Chutes 7 Shichrurim Metefisot Yad Veyadaim Solturas de Pegada de Mão 8 Shichrur Mehanika Soltura de estrangulamento 9 Haganot Neged Egrofim Defesas contra Socos 10 Shichrurim Mehavikot Soltura de Agarres do Corpo 11 Tefosot Shoter Imobilizações Policiais 12 Kavaler Torções _____________________________________________________________________________ 16
  17. 17. 13 shichrurim Metefisot Tzavar Soltura de Aperto de Pescoço 14 Shichrurim Metefisat Hultza Soltura de Agarre na Camisa 15 Shichrur Metefisat Nelson Soltura de Chave Nelson 16 Shichrur Metefisat Sear Soltura de Pegada no Cabelo 17 Shichrur Metefisat Yadaim Meachor Soltura das Mãos Presas por Trás 18 Haganot Neged Beitot Defesas Contra Chutes 19 Haganot Neged Shnaimm o Yoter Tokfim Defesa Contra Dois ou Mais Atacantes 20 Hishtachreruyot Beshkiva Solturas no Chão 21 Haganot Neged Makel Defesas Contra Ataques de Bastão 22 Makel Neged Makel Uso do Bastão Contra Bastão 23 Haganot Neged Sakin Defesa Contra Ataques de Faca 24 Haganot Neged Iyum Ekdach Defesas Contra Ameaça de Pistola 25 Haganot Neged Rove Defesa Contra Fuzil 26 Hagana Neged Horadat Zakif Defesa Contra Tentativa de Derrubada por Trás 27 Haganot Neged Kavanot Tkifa Meachor Defesa Contra Tentativa de Ataques por Trás 28 Targil Neged Iyum Im Rimon Exercícios Contra Ameaça com uma Granada 29 Targil Hishtaltut Al Adam Hameayem Al Bnei Aruba Controlando um Homem Ameaçando Reféns 30 Limud Hanikot Lechisul Hayariv Estrangulamentos 31 Haganot Neged Shnei tokfim Im Sakin Ve Makel Defesa Contra Dois Atacantes Armados de Faca e Bastão 32 Limud Zihuy Yariv Metoch Kvutza Aprender a Identificar a Posição do Inimigo Dentro de um Grupo 6.3. Curso de Instrutor Segundo Lichtenstein (2009) o curso de formação de instrutores de Krav Magá tem a duração de dez dias, oito horas de treinamento diários, podendo ser diretos ou divididos por etapas, onde são ensinadas todas as técnicas e exercícios que o instrutor precisa saber para iniciar as aulas, sendo ensinada uma grande variedade de golpes com as mãos e pés, a formas correta de aplicá-los, defesas contra pegadas, defesas contra agarres, defesas contra enforcamentos, defesas contra socos, defesas contra agarres de camisa, quedas, rolamentos, torções, imobilizações policiais, controle dos pés e pernas, exercícios de coordenação motora, exercícios de coordenação olho/mão e movimentação, sendo que todos os golpes são ensinados em hebraico (informação verbal)2 . 2 Informação fornecida por Yaron Lichtenstein no Curso de Instrutores de Krav Magá na cidade do Rio de Janeiro em 31 de janeiro de 2009. _____________________________________________________________________________ 17
  18. 18. 7. O KRAV MAGÁ COMO DEFESA PESSOAL POLICIAL Segundo Lichtenstein (2014) Defesa pessoal é a capacidade do ser humano de eliminar a ameaça com apenas um golpe, dando ao indivíduo a capacidade de se defender (informação verbal)3 . Ninguém pode prever o estilo de ataque que o agressor escolheria, portanto o fundador disse que devemos treinar ao ponto que quando estivermos em perigo nosso corpo saberá um número infinito de posições e possibilidades em que poderia ser usada, a fim de reagir instintivamente. Nunca saberemos qual situação iremos encontrar nas ruas, sendo assim, é desta forma que treinamos no Krav Magá (LICHTENSTEIN, 1994). No intuito de aprender a se defender é necessário também saber atacar. Para poder trabalhar em pares e estudar defesa pessoal precisamos saber atacar melhor que todos, portanto, Imi desenvolveu muitas técnicas de ataque, e para cada uma delas a técnica de defesa adequada. Quem não o faz, não pratica defesa pessoal, ponto final (TUCHMAN; MAYERS, 2009). Paras Tuchman e Mayers (2009) enquanto o soldado de hoje em dia pode sobreviver com pouco ou nenhum treinamento em Krav Magá e defesa pessoal, o policial necessita destas habilidades da mesma forma que precisa de sua farda, cassetete e pistola, para atuarem em ambientes urbanos infectados pela violência. O policial, sendo um representante da lei, saca sua arma como parte de uma estratégia de defesa pessoal. É provável que esta concepção do termo defesa pessoal, do ponto de vista psicológico, varie de um individuo para outro, especialmente quando o mesmo não está suficientemente treinado. Nas pessoas menos preparadas, de menor capacitação, o ponto de reação de sacar sua arma, chega relativamente mais rápido do que naquelas acostumadas a usar suas mãos e pernas como armas, ou seja, os olhos do praticante habilitado em Krav Magá reagem mais velozmente do que o de pessoas despreparadas (TUCHMAN; MAYERS, 2009). A missão do policial, por definição, é proteger a vida do cidadão e, é aqui que a necessidade de ter o Krav Magá aparece. Não se deve confundir ações e treinamentos de soldados no exército com a qualificação de agentes da lei. O policial precisa de maior conhecimento sobre como neutralizar uma pessoa sem machucá-la, saber utilizar pontos 3 Informação fornecida por Yaron Lichtenstein na 1ª Fase do Exame de Faixa Preta na cidade do Rio de Janeiro, em 02 de fevereiro de 2014. _____________________________________________________________________________ 18
  19. 19. de pressão em áreas sensíveis, criação de alavancas e chaves, saber esquivar de ataques e aplicar defesas, sendo tudo isso bem estudado e treinado no Krav Magá, como mostrado no quadro de técnicas. Segundo Lichtenstein (1994) Imi não introduziu no Krav Magá nenhum elemento do uso da força, especialmente quando se tratava do aspecto da defesa pessoal. Portanto foi determinado, verbal e fisicamente, como parte da concepção do próprio Krav Magá, que não existem bloqueios na sua criação, apenas defesas. Esta não é somente uma definição oral, mas sim uma parte da formação mental do aluno. Há diferentes ataques, golpes, chutes, etc, mas os exercícios são denominados defesas. No Krav Magá usamos somente defesas, e acabou. “Ataque também é uma forma de defesa. O ponto básico inicial segue o principio de que praticantes de Krav Magá são inteligentes o suficiente para não atacar, não temos necessidade de usar violência, nós apenas estamos nos defendendo quando não temos outra opção”(TUCHMAN; MAYERS, p. 94, 2009). E esta concepção de não atacar, é muito propício para os policiais militares, pois sempre que atacam, são criticados pela impressa e pela sociedade, neste caso, com o treinamento do Krav Magá, os policiais estarão seguros e preparados para somente se defender quando não tem outra opção. Imi sempre tentou ensinar e explicar como ser suave, fazer movimentos suaves, se movimentar suavemente. A suavidade oferece tempo adicional para a visão periférica do espaço e da situação (TUCHMAN; MAYERS, 2009). Quando está suave, o indivíduo se mantém esperto, enquanto num estado de dureza corporal ele se fecha, mas não se deixem enganar quanto a suavidade, pois suavidade não significa fraqueza. A suavidade se expressa ao longo do Krav Magá em muitas defesas difíceis e complicadas, e de fato, sem essa técnica, muitas situações seriam impossíveis de ser pensadas, como por exemplo: em situações com reféns, defesa contra bastão, contra ameaça de pistola, etc. Todos esses movimentos não têm correspondentes em nenhuma outra arte marcial, somente no Krav Magá. Segundo Lichtenstein (2013) no Krav Magá também não temos lutas, nem em pé e nem no chão, pois quando entramos em luta com alguém, não temos como saber o resultado. A luta no Krav Magá é o resultado de uma defesa que falhou (informação verbal)4 . 4 Informação fornecida por Yaron Lichtenstein no V Evento Anual em Belo Horizonte em 26 de julho de 2013. _____________________________________________________________________________ 19
  20. 20. Ainda segundo Lichtenstein (2011) o Krav Magá hoje em dia se tornou a Arte Marcial mais popular na área de defesa pessoal. Qualquer pessoa que deseja saber defesa pessoal, independente de sexo, idade, ou forma física, pode num curto tempo de treinamento, aprender Krav Magá (informação verbal)5 . Os soldados em Israel reconheceram vários benefícios do Krav Magá alem da defesa pessoal, como: aumento da autoconfiança, o aprimoramento de vários aspectos do condicionamento físico e o aperfeiçoamento da capacidade de movimentação dos mesmos (TUCHMAN; MAYERS, 2009). 8. CONSIDARAÇÕES FINAIS As instruções de defesa pessoal da Polícia Militar do Estado de São Paulo são baseadas no manual M-03-PM, que foi publicado em 1992, e devido sua desatualização, não atende mais as necessidades de uma polícia moderna, que visa a defesa da vida, a integridade física e a dignidade da pessoa humana. O objetivo deste trabalho foi mostrar as vantagens do ensino e uso do Krav Magá como defesa pessoal na Polícia Militar do Estado de São Paulo, melhorando assim a capacidade de defesa de seus agentes. Em suma, foi possível identificar através deste estudo, que o treinamento de defesa pessoal é de extrema importância para os policiais, como comentado também por Pires Junior (2002) e Tuchman e Mayers (2009), quanto maior for o preparo, maior a autoconfiança e o autocontrole, aumentando assim o ponto de reação do policial de sacar sua arma, diminuindo assim o risco de qualquer falha, pois por menor que seja, trará um grande prejuízo ao policial e a instituição. Identificamos também as vantagens da Arte Marcial Krav Magá para treinamento de defesa pessoal dos milicianos do Estado, sendo que ela é a única que desde o início, foi empregada como defesa pessoal, e quando da sua criação, Imi Lichtenfeld, analisou as técnicas de todas as Artes Marciais, analisando o que estava faltando no campo da defesa pessoal. Segundo comentado por Silva (2009) as técnicas de defesa pessoal devem ser rápidas e efetivas. De acordo com isso, temos a primeira regra do Krav Magá, citada no Quadro 1, “Menor caminho, máxima velocidade, máximo peso em direção ao alvo”, 5 Informação fornecida por Yaron Lichtenstein no Curso de Instrutores de Krav Magá na cidade de São Paulo em 02 de fevereiro de 2011. _____________________________________________________________________________ 20
  21. 21. sendo que todas as defesas e exercícios do Krav Magá são curtos, usando menos movimentos possíveis, minimizando as chances de reação do agressor. A variedade de técnicas do Krav Magá é muito grande, como mostrado no Quadro 2, suprindo toda a necessidade decorrente de situações de defesa pessoal do dia a dia policial, e o mais importante, no Krav Magá todos devem treinar o maior número de técnicas, pois no momento de enfrentamento, não sabemos com qual golpe o agressor irá nos atacar, sendo assim não seremos surpreendidos e o corpo reagirá instintivamente, com as regras dois e treze respectivamente, “Que nada seja estranho para nosso corpo” e “Defesa específica contra ataque específico”. Um problema apresentado por Silva (1992) é o curto período de treinamento de defesa pessoal nos cursos de formação nas escolas da polícia militar, não havendo tempo também para a realização de instrução de defesa pessoal para tropa pronta. Já com o uso do Krav Magá, num curto período de treinamento, pode-se aprender a se defender, inclusive em pequenos cursos de duração de dez dias, num total de oitenta horas de duração, podem-se formar instrutores da modalidade. Uma das grandes vantagens do Krav Magá é o que está descrito na sua regra número sete “Faça o que puder, mas faça certo”, executar as técnicas dentro das limitações pessoais, respeitando cada indivíduo, sem deixar de executá-las de forma correta. Concluindo assim, que o uso do Krav Magá nas instruções de defesa pessoal da polícia paulista, seria de grande valia para a corporação e seus policiais, sendo que quem mais ganharia com isso seria a população. A partir deste estudo, surgiram novas questões, que podem ser aprofundadas em futuros trabalhos, como a possibilidade de elaboração de um novo manual de defesa pessoal para a Polícia Militar do Estado de São Paulo, composto exclusivamente por técnicas de Krav Magá. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, A. L. O Treinamento de Defesa Pessoal “Uma Necessidade Mal Compreendida”. Artigo publicado no Periódico “A CHAMA”. Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo – São Paulo, 2008. ANDRADE, E., CAMARA, H. F. A Força Pública de São Paulo: Esboço histórico 1831-1931. São Paulo: Sociedade Impressora Paulista, 1982. _____________________________________________________________________________ 21
  22. 22. ARRUDA, L. E. P. A. POLÍCIA MILITAR: Uma Crônica. (A FORÇA POLICIAL, nº 13, Janeiro/Fevereiro/Março), São Paulo, Polícia Militar do Estado de São Paulo, 1997. BRASIL. Constituição (1988) Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Distrito Federal, 1988. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 02 jul. 2012. ____________. Decreto-Lei n°. 667, de 02 de Julho de 1969. Reorganiza as Polícias Militares e os Corpos de Bombeiros Militares dos Estados, dos Territórios e do Distrito Federal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 02 jul. 1969. CATANHEDE, A. L. I.; et al. Importância das artes marciais no contexto militar: uma comparação entre os fuzileiros navais americanos e o exército brasileiro. Revista Digital EFDeportes.com, Buenos Aires, ano 16, nº. 156. 2011. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd156/artes-marciais-no-contexto-militar.htm>. Acesso em: 10 jun. 2013. CERISIER, M. LA SAVATE: Boxe Française. 1 ed. Belgique: Marabout Flash, 1976. COSTA, P. R. A. Defesa Pessoal e Cidadania: Uma agregação à luz dos direitos. Apostila da disciplina Defesa Pessoal para as aulas teóricas do Curso de Formação de Oficiais – CFO/PMRN. Natal, 2006. COUTO, M. S. H. Proposta de doutrina de uso proporcional de força, para a Polícia Militar do Estado de São Paulo. Monografia apresentada no Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais I/2011. São Paulo: Centro de Altos Estudos de Segurança da Polícia Militar do Estado de São Paulo, 2011. BONFIMFILHO, O. O. JOGOS DE BASTÕES: Resgate Histórico e Aprendizado. Monografia - Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 2010. FONSECA, C. R. O. Importância do vídeo treinamento de defesa pessoal. Monografia - Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 1998. GERALDI, L. E. ESGRIMA A BAIONETA – Resgate Histórico e Aprendizado. Monografia - Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 2010. HARASYMOWICZ, J. Competences of combat sports and martial arts educators in light of the holistc fair self-defense model of training. Archives of Budo, v.3, p.7 – 14, 2007. PIRES JUNIOR, C. L. S. Defesa Pessoal: Métodos de conduções coercitivas de pessoas, sem o uso de algemas. Dissertação - Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 2002. _____________________________________________________________________________ 22
  23. 23. ROSAS JÚNIOR, J. R. A História do Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores. Dissertação - Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 2009. LICHTENSTEIN, K. KRAV MAGÁ: A Filosofia da Defesa Israelense. 2. Ed. Rio de Janeiro: Imago, 2006. LICHTENSTEIN, Y, A, THE BOOK OF KRAV MAGÁ: the Bible. Rio de Janeiro: Y. Lichtenstein, 2007. ______. Krav Magá como Arte Marcial. Haguiguei Hagivaa. Israel, ed. 27, p. 44-51, mai. 1994. MARTINS, L. C. Edição Histórica da Escola de Educação Física Noventa Anos Dedicados À Polícia Militar e a Comunidade; São Paulo: editora Grupo de Comunicação Três, 2000. PINTO, J. A. A.; VALÉRIO, S. M. DEFESA PESSOAL: Para policiais e profissionais de segurança. Porto Alegre: J.A.P/S.M.V/ Evangraf, 2002. RIO DE JANEIRO. DEFESA PESSOAL: Com Uso Comedido da Força. Curso de Aprimoramento da Prática Policial Cidadã. Rio de Janeiro, 2009. SÃO PAULO. Constituição (1989) Constituição do Estado de São Paulo. São Paulo, 1989. Disponível em: <http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/Constituicao/198 9/constituicao%20de%2005.10.1989.htm>. Acesso em: 02 jul. 2012. ______. Policia Militar Do Estado De São Paulo. Manual Policial Militar – Defesa Pessoal (M-3-PM). 2ª Edição. São Paulo, 1992. ______. Polícia Militar do Estado de São Paulo - Manual Técnico da Polícia Militar – Centro de Formação de Soldados – São Paulo, 1995. SILVA, R. P. A INSTRUÇÃO DE DEFESA PESSOAL CONTROLADA E SISTEMATIZADA PELA ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA COMO FORMA DE SE EVITAR AO MÁXIMO O USO DO ARMAMENTO. Dissertação - Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 1992. SILVA, J. F. Proposta de Implantação de um Manual do Jogo dos Bastões. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Educação Física). EEF/PM, São Paulo, 1993. SILVA, R. R. Imobilizações corporais – individual e em grupo no uso defensivo da força física: proposta de manual de treinamento policial. Dissertação - Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 2009. SOUZA, W. S. A eficiência do jiu jitsu para o treinamento de defesa pessoal na Polícia Militar. Monografia - Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 2002. _____________________________________________________________________________ 23
  24. 24. SUERO, J. F. Técnicas de imobilização de agressores resistidos. Dissertação - Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 2009. TOLEDO, A. R. A Necessidade da Defesa Pessoal na Polícia Militar. Dissertação - Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 1985. TUCHMAN, J., MAYERS, G. GÊNESIS: A Historia do Krav Magá. Ed. 1. Rio de Janeiro: Livre Impressão, 2009. TUCCI, R. P. Metodologia do Ensino e da Instrução de Defesa Pessoal Policial para a Instituição: Propostas, Alterações Curriculares e Formação de Multiplicadores. Dissertação - Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo, 1998. _____________________________________________________________________________ 24

×