História em movimento vol. 01

6.849 visualizações

Publicada em

Versão Digital.
Azevedo, Gislane Campos
História em movimento / Gislane Campos Azevedo,
Reinaldo Seriacopi. – 2. ed. – São Paulo: Ática, 2013.

Publicada em: Educação
0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.849
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
60
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
203
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História em movimento vol. 01

  1. 1. história • ENSINO MÉDIO AO ESTADO MODERNO DOS PRIMEIROS HUMANOS Reinaldo Seriacopi Gislane azevedo em MoVIMENTOHistória • Manual do professor
  2. 2. história • ENsiNO MÉDiO Gislane azevedo Mestre em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professora universitária, pesquisadora e ex-professora de História dos ensinos Fundamental e Médio nas redes privada e pública. Coautora da coleção Teláris (Editora Ática), para alunos do Ensino Fundamental II. Reinaldo seRiaCoPi Bacharel em Língua Portuguesa pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e em Jornalismo pelo Instituto Metodista de Ensino Superior (IMS-SP). Editor especializado na área de História. Coautor da coleção Teláris (Editora Ática), para alunos do Ensino Fundamental II. 2-ª edição São Paulo, 2013 AO ESTADO MODERNO DOS PRIMEIROS HUMANOS rEiNalDO sEriacOpi GislaNE azEvEDO em 1MOVIMENTOHistória MaNual DO prOfEssOr
  3. 3. Diretoria editorial: Angélica Pizzutto Pozzani Gerência de produção editorial: Hélia de Jesus Gonsaga Editoria de Ciências Humanas e suas Tecnologias: Heloisa Pimentel e Deborah D’Almeida Leanza Editoras: Deborah D´Almeida Leanza; Priscila D´Almeida Manfrinati e Mirna Acras Abed M. Imperatore (estag.) Supervisão de arte e produção: Sérgio Yutaka Editor de arte: André Gomes Vitale Diagramador: Walmir S. Santos Supervisão de criação: Didier Moraes Design gráfico: Homem de Melo & Troia Design (capa) Tyago Bonifácio da Silva (miolo) Revisão: Rosângela Muricy (coord.), Sandra Regina de Souza (prep.), Cátia de Almeida e Gabriela Macedo de Andrade (estag.) Supervisão de iconografia: Sílvio Kligin Pesquisador iconográfico: Caio Mazzilli e Josiane Laurentino Cartografia: Alex Argozino, Allmaps, Juliana Medeiros de Albuquerque, Maps World e Márcio Santos de Souza Tratamento de imagem: Cesar Wolf e Fernanda Crevin Foto da capa: Album/Oronoz/Latinstock/ Museu Arqueológico Nacional, Nápoles, Itália. Ilustrações: Tempo & Arte Direitos desta edição cedidos à Editora Ática S.A. Av. Otaviano Alves de Lima, 4400 6o andar e andar intermediário ala A Freguesia do Ó – CEP 02909-900 – São Paulo – SP Tel.: 4003-3061 www.atica.com.br/editora@atica.com.br Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Azevedo, Gislane Campos História em movimento / Gislane Campos Azevedo, Reinaldo Seriacopi. – 2. ed. – São Paulo:Ática, 2013. Conteúdo: v. 1. Dos primeiros humanos ao Estado moderno – v. 2. O mundo moderno e a sociedade contemporânea – v. 3. Do século XIX aos dias de hoje. Bibliografia. 1. História (Ensino médio) I. Seriacopi, Reinaldo. II.Título. 13–02432 CDD–907 Índice para catálogo sistemático: 1. História : Ensino médio  907 2013 ISBN 978 8508 16305-2 (AL) ISBN 978 8508 16306-9 (PR) Código da obra CL 712773 Uma publicação 2 Versão digital Diretoria de tecnologia de educação: Ana Teresa Ralston Gerência de desenvolvimento digital: Mário Matsukura Gerência de inovação: Guilherme Molina Coordenadores de tecnologia de educação: Daniella Barreto e Luiz Fernando Caprioli Pedroso Editores de tecnologia de educação: Cristiane Buranello e Juliano Reginato Editora de conteúdo digital: Deborah D´Almeida Leanza Editores assistentes de tecnologia de educação: Aline Oliveira Bagdanavicius, Drielly Galvão Sales da Silva, José Victor de Abreu e Michelle Yara Urcci Gonçalves Assistentes de produção de tecnologia de educação: Alexandre Marques, Gabriel Kujawski Japiassu, João Daniel Martins Bueno, Paula Pelisson Petri, Rodrigo Ferreira Silva e Saulo André Moura Ladeira Desenvolvimento dos objetos digitais: Agência GR8, Atômica Studio, Cricket Design, Daccord e Mídias Educativas Desenvolvimento do livro digital: Digital Pages HMOV_v1_PNLD2015_002_digital.indd 2 16/07/2013 09:12
  4. 4. Digo adeus à ilusão mas não ao mundo. Mas não à vida, meu reduto e meu reino. Do salário injusto, da punição injusta, da humilhação, da tortura, do terror, retiramos algo e com ele construímos um artefato um poema uma bandeira Ferreira Gullar Observe ao seu redor: praticamente tudo o que está à nossa volta e que utilizamos em nossa es- cola, casa ou trabalho foi construído por seres humanos. Pense também no sistema político que rege nossa sociedade, nas leis que regulam nossas relações e em tudo aquilo que consideramos justo ou injusto, certo ou errado: todos esses princípios e valores também foram estabelecidos por pessoas ao longo do tempo. Estudar História não é apenas conhecer e entender os caminhos trilhados pelos seres hu- manos no passado. Graças a esse estudo, podemos fazer uma leitura crítica de nosso presente e compreender como e por que nossa sociedade encontra-se hoje constituída da maneira que a conhecemos e não de outra forma. Com base nessa visão, procuramos elaborar um livro que, ao tratar de assuntos do passado, tivesse como ponto de partida o presente. Ao adotar essa proposta, você verá como a História está intimamente relacionada com aspectos centrais do mundo contemporâneo e de nossa vida, constituindo um assunto extremamente interessante e instigante. O texto central do livro é complementado por boxes e seções. Alguns contêm escritos de autores clássicos; outros, abordagens historiográficas recentes. Na seção No mundo das letras, aprofundamos o diálogo entre Literatura e História. Na seção Eu também posso participar dis- cutimos, com base em contextos históricos específicos, quanto os atos de cada um de nós pode interferir no destino da humanidade. Uma terceira seção, intitulada Olho vivo e voltada para o trabalho com imagens, oferece uma ampla leitura das informações contidas em pinturas, escul- turas e outros materiais iconográficos. Na seção Patrimônio e diversidade, entramos em contato com os aspectos históricos e culturais de cada um dos estados brasileiros. Todos os volumes desta coleção estão permeados por imagens, mapas, documentos e ativi- dades reflexivas que procuram enfatizar a permanente relação entre passado e presente. Acreditamos que dessa maneira estamos lhe oferecendo instrumentos para interpretar e anali- sar criticamente a realidade de nosso mundo. Você verá que a História exerce um papel privilegiado no processo de consolidação da cidadania e na construção de um mundo mais solidário, fraterno e tolerante. Os autores 3 Apresentação 3 HMOV_v1_PNLD2015_003_Iniciais.indd 3 3/6/13 10:38 AM
  5. 5. 161 A cavalhada é um folguedo de origem cristã bastante popular no Brasil. Entre as mais tradicionais estão a da cidade de Pirenópolis, em Goiás, e a de São Luís do Paraitinga, em São Paulo. Nesse folguedo, dois grupos de cavaleiros armados de lanças e espadas simulam um combate. Os cavaleiros de azul representam os cristãos e os de vermelho, os muçulmanos, também chamados de mouros. O enredo da cavalhada baseia-se nas histórias e lendas em torno da figura do rei cristão Carlos Magno. No século IX, ele controlava um império que ocupava boa parte da Europa ocidental: o Império Carolíngio. O Império Carolíngio se formou em uma época em que muitos europeus se sentiam Mascarados no dia da abertura das Cavalhadas de Pirenópolis, Goiás. Os mascarados representam o povo e saem às ruas com roupas coloridas. A encenação da luta de cristãos e mouros dura três dias. Foto de maio de 2012. Gianni Dagli Orti/Corbis/Latinstock Os primeiros reinos medievais Capítulo 21 Objetivos do capítulo n Explicar a formação dos reinos germânicos na Europa após as invasões. n Entender o fortalecimento da Igreja católica. n Abordar as origens e a organização do Império Carolíngio. n Conhecer o processo de integração de tradições germânicas e romanas que definiu algumas características das sociedades feudais. ameaçados pelos muçulmanos. De fato, como vimos no capítulo 18, desde 711 os muçulmanos eram senhores não só do norte da África, mas também da península Ibérica. Neste capítulo estudaremos os reinos surgidos na Europa após a queda do Império Romano do Ocidente e como o Reino Franco se transformou no Império Carolíngio. ThomazVitaNeto/PulsarImagens 34 35 A urbanização 2 COMEÇO DE CONVERSA 1. A vida nas cidades proporciona espaços sociais e momentos de participação coletiva bastante diversificados. De que maneira você participa desses espaços sociais da sua cidade? Quais são os outros moradores da cidade que você encontra? Que atividades realizam? 2. Na sua opinião, quais são as cinco maiores qualidades da sua cidade? E os cinco grandes problemas? Aponte possíveis soluções para eles. População* 26,615 15,880 10,690 9,844 9,614 8,926 8,745 8,558 7,888 7,623 19,040 19,028 18,978 18,845 15,926 14,987 14,787 13,485 12,795 26,385 22,498 22,015 21,428 21,009 20,628 20,560 19,412 19,095 (* em milhões de habitantes) CIDADES MAIS POPULOSAS Cidade Tóquio Nova York Cidade do México Osaka-Kobe São Paulo Los Angeles Buenos Aires Paris Calcutá Moscou Posição 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 10º 1º1º 4º 5º 8º 9º 5º 7º 6º6 3º 2º País Japão EUA México Japão Brasil EUA Argentina França Índia Fed. Russa 1975 Cidade Tóquio Nova York Cidade do México Mumbai São Paulo Nova Délhi Xangai Calcutá Daca Buenos Aires Posição 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 10º 1º 4º 10º 5º 8º 9º 1º 7º 44º 8º 9º º 6º3º 2º 10º 1º 2º 5º 8º 4º 1º 9º 10 2 10º10 2º 8º 4º º º 3º6º 7º País Japão EUA México Índia Brasil Índia China Índia Bangladesh Argentina 2007 Cidade Tóquio Mumbai Nova Délhi Daca São Paulo Cidade do México Nova York Calcutá Xangai Karachi Posição 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º País Japão Índia Índia Bangladesh Brasil México EUA Índia China Paquistão 2025 35,676 36,400 PeterParks/AgênciaFrance-Presse Vista de Xangai na extensão do rio Huangpu. Foto de janeiro de 2011. Vivemos em um mundo cada vez mais urbanizado. Hoje, mais da metade dos 7,1 bilhões de habitantes do planeta vive em cida- des, algo bem diferente de meio século atrás, quando somente um terço da população do mundo era urbana. Em 1950, apenas 86 ci- dades tinham mais de 1 milhão de habitantes. Hoje são quatrocentas e, de acordo com as previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), até 2025 serão quinhentas. A maioria encontra-se em países pobres ou em desenvolvimento, como Índia, China, Bangladesh e Brasil (veja ta- bela na página ao lado sobre o movimento populacional das maiores cidades do mundo). A concentração demográfica nesses países acentua suas desigual- dades econômicas e sociais. Isso se manifesta das mais diversas formas: falta de moradias e de saneamento básico para a população pobre, mar- ginalidade, desemprego, prostituição infantil, violência, poluição, etc. Entretanto, os problemas das cidades têm solução, e muitas delas podem estar em nossas mãos. Quando escolhemos vereadores e pre- feitos honestos e competentes, por exemplo, colaboramos para a me- lhoria de nossa cidade. Além disso, no nosso dia a dia podemos discutir os problemas da comunidade e apresentar propostas para sua solução em associações de bairro e outras or- ganizações populares. Também é importante preservar e cuidar do patrimônio público, evitando sujar ou da- nificar praças, escolas, bibliotecas, etc. Morar em cidades significa, antes de tudo, saber vi- ver em coletividades, ter respeito pelos outros e pelas re- gras de convivência. Como veremos nesta unidade, foi graças à preocupação com o coletivo que, há milhares de anos, surgiram as primeiras cidades e as primeiras gran- des civilizações. AlexArgozino/Arquivodaeditora Fonte: UNITED NATIONS. Department of Economic and Social Affairs. Population Division (2008). World Urbanization Prospects. The 2007 Revision. Highlights, United Nations Working Paper n. ESA/P/WP/205. Unidade Fazendeiro de seda puxa um feixe de palha para ser utilizado como fertilizante de amoreiras em Nanxun, município de Huzhou, Província de Zhejiang, na China. Foto de junho de 2011. Tan Jin/Xinhua/Newsteam/Getty Images O crescente processo de urbanização verificado atualmente no mundo pode ser analisado com base nos três do- cumentos que você lerá a seguir. O primeiro consiste em um gráfico com a evolução das populações rural e urbana a partir de 1950 e suas respectivas projeções até 2030; o segundo é um texto extraído de um relatório de 2007 do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA); o terceiro, finalmente, é a letra de um rap do grupo Facção Cen- tral. Leia os três documentos e responda ao que se pede. DOCUMENTO2–Relatório O crescimento urbano e seus problemas É compreensível que os formuladores de políticas te- nham uma preocupação com a velocidade e a mag- nitude do crescimento urbano. Muitos prefeririam um crescimento mais lento ou nenhum crescimento; um crescimento mais lento garantiria, em tese, maior flexi- bilidade para se lidar com os problemas urbanos. Geral- mente, eles tentam retardar o crescimento restringin- do a migração para as cidades, mas [...] isso raramente funciona. Além disso, tais esforços refletem falta de compreensão sobre as raízes demográficas do cresci- mento urbano. A maioria das pessoas pensa que a mi- gração é o fator dominante; na verdade, hoje a princi- pal causa é geralmente o crescimento vegetativo. [...] Centenas de milhões de pessoas vivem em situação de pobreza nas cidades de nações de baixa e média renda, e esses números certamente aumentarão nos próximos anos. [...] A pobreza, a mendicância e a falta de moradia têm sido parte do cenário urbano desde as primeiras cidades da Mesopotâmia. Os pobres, em sua maioria, são relegados a áreas socialmente segregadas, genericamente chamadas de “favelas”. [...] As favelas abrigam um de cada três moradores das cidades, um bilhão de pessoas, um sexto da população do planeta. Mais de 90% dos moradores de favelas es- tão hoje no mundo em desenvolvimento. [...] Embora a renda em dinheiro seja muito mais impor- tante nas cidades do que no campo, a pobreza de ren- da é somente um aspecto da pobreza urbana. Outros são a má qualidade e superlotação das moradias, falta de serviços públicos e de infraestrutura, como água en- canada, saneamento, coleta de lixo, drenagem e estra- das, assim como a posse insegura da terra. [...] Os riscos à saúde advêm da falta de saneamen- to, de água potável e de moradia, dos ambientes de trabalho superlotados e mal ventilados, e da polui- ção industrial e do ar. Uma dieta inadequada reduz a resistência dos moradores de favelas a doenças, espe- cialmente por viverem na presença constante de mi- crorganismos patogênicos. [...] DOCUMENTO1–Gráfico Fonte: UNFPA. 1950 71 29 67,2 32,8 64,1 População rural População urbana População rural x População urbana Evolução (1950-2030) 35,9 60,9 39,1 57 43 53,3 46,7 50 52,9 57,5 59,9 40,142,5 47,1 1960 1970 1980 1990 2000 2007 2015 2025 2030 Fechando a unidade A urbanização 76 DOCUMENTO3–Letrademúsica O que os olhos veem O retrato da favela tem só uma imagem, mas cada olho tem sua interpretação pra essa imagem. Meus olhos veem quando eu olho pra favela almas tristes, sonhos frustrados, esperanças destruídas, crianças sem futuro, vejo apenas vítimas e dor. Os olhos do gambé veem traficantes com R-15 e lançador de granada, vagabundas drogadas, mães solteiras, desempregados embriagados no balcão do bar, adolescentes viciados, pivetes com pipa com rojão avisando que os homi tão chegando. Veem em cada barraco um esconderijo, uma boca em cada senhora de cabelo branco, uma dona Maria mãe de bandido. Os olhos do político veem presas ignorantes, ingênuas, marionetes de manuseio simples a faca e o queijo, o passaporte pra Genebra o talão de cheque especial, o tapete vermelho pra loja da Mercedes [...] Veem o mar de peixes cegos que sempre mordem o mesmo anzol. Os olhos do boy esses aí, esses não veem nada, nenhum problema, não veem os aviões com droga, o tráfico de arma, as escolas sem telhado, lousa, professor, segurança, o jovem sem acesso a livro, quadra esportiva, centro cultural; Não veem os ossos no cemitério clandestino, as vítimas da brutalidade da polícia, o povo esquecido e desassistido. Os olhos do boy só são capazes de enxergar na imagem da favela, o medo, o medo em forma de HK na ponta do seu nariz. E você, truta, o que seus olhos veem quando olham pra favela? Facção Central. Direto do campo de extermínio. São Paulo: Unimar Music, 2003. 1 CD. O que significa? Gambé: policial. R-15 e HK: armas de grosso calibre. Avião: pessoa que repassa, vende ou transporta drogas. Na América Latina, somente 33,6% da popula- ção urbana pobre tem acesso a instalações sani- tárias com descarga, comparados com 63,7% da população urbana não pobre da região. [...] As po- líticas voltadas para a melhoria das moradias em áreas urbanas podem ter enormes impactos na re- dução da pobreza e no bem-estar ambiental. Extraído de: Situação da população mundial 2007: desencadeando o potencial do crescimento urbano. Disponível em: <www.unfpa.org.br/relatorio2007/ swp2007_por.pdf>. Acesso em: 16 abr. 2012. Reflita e responda 1. Observe o gráfico População rural x População urbana e responda: a) Qual é a informação central apresentada pelo gráfico? b) Em que ano a população urbana e a população rural atingiram o mesmo patamar percentual, isto é, a mes- ma quantidade de habitantes? c) Segundo as projeções do gráfico, qual será o percentual da população urbana em 2030 em relação à popu- lação mundial? 2. Baseado na leitura do relatório e nos dados do gráfico, levante hipóteses de como será a vida nas grandes ci- dades em 2030. 3. Reúna-se com alguns colegas e, juntos, entrevistem pessoas mais velhas para descobrir como era a vida na ci- dade quando elas eram crianças. Peça-lhes que comparem aquela época com a atual e falem das principais mu- danças verificadas na cidade desde então. Procurem obter fotos da época. No fim, todos os grupos devem se reunir sob a orientação do professor e montar um mural com o material obtido. 4. Tanto o relatório da UNFPA como a letra do rap abordam um tema em comum: a falta de qualidade de vida dos moradores das favelas. Releia os dois textos e selecione passagens de ambos que evidenciam essa realidade. 5. No rap “O que os olhos veem”, o autor sugere diversos pontos de vista sobre os moradores da favela: o do pró- prio autor, o da polícia, o dos políticos e o ponto de vista dos “boys”. O rap termina com a pergunta: “E você, truta, o que seus olhos veem quando olham pra favela?”. Como você responderia a ela? 77 Peter Parks/Agência France-Presse Esta coleção é composta de três volumes. A seguir mostraremos algumas das principais características das obras. Abertura das unidades: apresenta sempre um texto introduzindo um conceito importante para os dias de hoje – como cidadania, meio ambiente, violência – e que será trabalhado ao longo da unidade. O texto vem acompanhado de fotos e da seção de atividades Começo de conversa. Abertura dos capítulos: relaciona um assunto atual com algo do passado a ser visto no capítulo, mostrando que a História está presente em nosso dia a dia. Em Objetivos do capítulo, você é informado sobre os principais tópicos abordados nas páginas seguintes. Fechando a unidade: de forma multidisciplinar, a seção utiliza diferentes documentos, como quadrinhos, poesia, relatório, fotografia, etc. O conceito da unidade é retomado por meio de atividades. 4 Conheça sua coleção HMOV_v1_PNLD2015_004a005_Conheca.indd 4 3/6/13 10:39 AM
  6. 6. Seções Eu também posso participar: por meio de contextos históricos específicos, a seção discute quanto os atos de cada um de nós podem interferir no destino da humanidade. 38 Unidade 2 A urbanização Água: fonte da vida em perigo Os rios desempenharam papel fundamen- tal no surgimento das primeiras civilizações. Além de serem utilizados para o transporte de pessoas e mercadorias, eles asseguravam a so- brevivência da população ao garantir o abaste- cimento de peixes e água potável. Na região da Mesopotâmia e do Egito, quando os rios trans- bordavam, as águas fertilizavam suas margens, proporcionando assim um solo ideal para a prá- tica da agricultura. As enchentes, porém, ao mesmo tempo que deixavam o solo bom para o plantio, podiam pro- vocar prejuízos, alagando casas e destruindo plan- tações. Diante desses problemas, a população teve de se organizar e construir coletivamente di- ques e canais para conter as inundações e irrigar as terras cultiváveis. Os sumérios, por exemplo, conseguiram transformar diversas regiões do de- serto em áreas férteis desviando a água de alguns rios da Mesopotâmia, entre eles o Eufrates. Passados muitos séculos, a água continua sendo essencial para a vida na Terra. Mas a água potável é um recurso natural finito. De toda a água existente no mundo, somente 2,5% são constituídos por água doce (os outros 97,5% são de água salgada, imprópria para o consumo). Desse percentual, apenas 0,3% correspondem a rios e lagos. O restante da água doce se encon- tra em lençóis freáticos, geleiras ou coberturas de neve permanente. Assim, de toda a água que existe no mundo, apenas uma pequena fração está disponível para o consumo humano. Fatores como a poluição, a urbanização e a industrialização descontroladas, o desperdício e a distribuição desigual transformaram a água em recurso escasso e não renovável. Hoje, de cada cinco pessoas no mundo, uma sofre algum tipo de problema resultante da escassez de água. Reverter esse processo é um dos grandes de- safios de nosso tempo. Evitar uma crise mundial de abastecimento e assegurar o acesso à água tanto para as gerações do presente quanto para as do futuro são ações que não dependem só do poder público, mas também das empresas e das pessoas em geral. Para evitar essa crise anuncia- da, algumas medidas simples podem ser adota- das no dia a dia: • O vaso sanitário é responsável por um terço de toda a água consumida nas residências. Usá-lo como lixeira ou acionar a descarga sem necessidade gera consumo desnecessá- rio de água. Os vazamentos também produ- zem grande desperdício de água. • Escovar os dentes, fazer a barba ou ensaboar as mãos com a torneira aberta consome em média 11 litros de água. Com a torneira fechada gasta- -se somente meio litro. • Algumas medidas ajudam a diminuir o consu- mo de água durante o banho: ligar o chuveiro apenas quando estiver sem roupa, desligá-lo enquanto se ensaboa e não tomar banhos com mais de 10 minutos de duração. • A água da máquina de lavar roupas pode ser reutilizada para lavar o chão ou o quintal. E var- rer o quintal e a calçada antes de lavá-los ajuda a economizar água. • Usar regadores ou baldes para regar plantas e jar- dins ou para lavar o carro gasta menos água do que fazer essas atividades com uma mangueira. Até 1960, a grande extensão de areia escura que aparece na foto esteve coberta pelas águas do mar (ou lago) de Aral, entre as repúblicas do Casaquistão e do Usbequistão, que faziam parte da ex-União Soviética. O mar de Aral era, por essa época, alimentado por dois rios que atravessam a região. A partir de 1960, o governo da então União Soviética começou a desviar as águas desses rios para projetos de irrigação. Passadas algumas décadas, o grande lago perdeu 80% de sua superfície e boa parte dele se transformou em um deserto, como mostra esta foto de 1990. DavidTurnley/Corbis/Latinstock Eu também posso participar 256 Unidade 5 Soberania e Estado nacional Durante seu reinado, a rainha Elizabeth I foi representada por diversos pintores. O luxo e o esplendor exibidos nas obras desses artistas destacavam o prestígio e a força da rainha. Este é o caso do óleo sobre madeira reproduzido nesta seção, executado em 1588 pelo pintor inglês George Gower (c. 1540-1596). Ele foi feito pouco depois de uma vitória inglesa sobre a armada espanhola, a mais poderosa da época. Em julho de 1588, o rei Filipe II, da Espanha, enviou 130 navios e 30 mil soldados ao canal da Mancha para atacar os ingleses. Os confrontos duraram nove dias e a Espanha foi derrotada. O feito foi registrado nesse quadro. Através das janelas podem-se ver dois momentos diferentes do combate. Fonte: HILL, Suzanne. The armada portrait of Elizabeth I. Disponível em: <http://renaissance-art.suite101.com/article/the_armada_portrait_of_elizabeth_i-a21663>. Acesso em: 30 out. 2012. Olho vivo Uma representação do poder Navios ingleses no canal da Mancha, identificados pelo pavilhão de São Jorge (cruz vermelha em fundo branco). Navios espanhóis diante das embarcações inglesas no canal da Mancha. Em 1588, a rainha contava 55 anos, mas o artista a representou como se fosse mais jovem. Coroa, símbolo da realeza. As pérolas do colar simbolizam a castidade. Elizabeth não se casou. Era chamada de Rainha Virgem. Quatro anos antes de o quadro ser pintado, os ingleses haviam fundado a colônia de Virgínia. A mão da rainha repousa sobre a América, indicando o domínio da Inglaterra sobre terras no Novo Mundo. Barcos espanhóis com a Cruz de Santo André (em forma de xis). Depois de terem batido em retirada, colidem contra as rochas, durante tempestade na costa da Irlanda. Rainha segura leque com penas de pavão. GeorgeGower/akg-images/Latinstock Navios ingleses com explosivos foram enviados contra a frota espanhola. Quando estavam próximos, foram incendiados. Temendo as explosões, os espanhóis fugiram e foram derrotados. O luxo das roupas e as joias eram destinados a mostrar aos súditos a imponência da rainha. 86 Unidade 2 O trabalho A cana-de-açúcar é o principal produto agrí- cola da Paraíba, e o setor canavieiro é o que ain- da mais gera empregos na região. Hoje, quase toda a produção paraibana é comprada pelas usinas para ser transformada em etanol, mas em 1587, ano em que foi erguido o primeiro engenho paraibano, a cana era usada primordialmente na produção do açúcar. Embora a produção açuca- reira das capitanias de Pernambuco e Bahia fos- se maior, o produto paraibano era considerado pelos europeus como o melhor de toda a colônia portuguesa na América. A memória desse período colonial encontra- -se preservada nos engenhos que sobreviveram ao tempo, erguidos em cidades como Bananeiras, Pi- lões e Alagoa Grande. Nesses locais, hoje são fa- bricados cachaça, doces e uma das iguarias mais tradicionais do nordeste brasileiro: a rapadura. A importância da rapadura na sociedade paraibana é tão significativa que na cidade de Areia existe o Museu da Rapadura, funcionando em um engenho do século XVIII. A história da Paraíba, contudo, não se restrin- ge à presença do açúcar. Na cidade de Ingá, a cerca de 100 quilômetros de João Pessoa, encon- tra-se a Pedra do Ingá, um imenso bloco de pe- dra, com 24 metros de comprimento e quatro de altura que, em 1944, foi transformado em Patri- mônio Arqueológico Nacional. Nessa pedra existem centenas de inscrições rupestres (como estudado no capítulo 3 do volume 1). Além da Pedra do Ingá, ao longo do território paraibano estão espalhadas mais de 30 mil pintu- ras rupestres, o que faz do estado um verdadeiro museu a céu aberto. A Paraíba guarda no sertão uma relíquia ainda mais antiga: as pegadas de dinossauros, animais que viveram milhões de anos antes do surgimento do ser humano na Terra. Essas pegadas estão numa região conheci- da como Vale dos Dinossauros. Ocupando uma área de 700 quilômetros quadrados e engloban- do 30 municípios, o Vale dos Dinossauros é o sítio arqueológico que concentra o maior núme- ro de pegadas fossilizadas desses animais no mundo. São ao todo 505 trilhas de dinossauros de diferentes espécies, entre eles o tiranossauro e o estegossauro. Na cidade de Sousa existe um parque no qual, além das pegadas, é possível visitar um museu com informações a respeito desses ani- mais pré-históricos. Patrimônio e diversidade Paraíba Um museu a céu aberto CorreiodaParaíba/FuturaPress Patrimônio e diversidade Engenho Lagoa Verde, em Alagoa Grande, na Paraíba, maio de 2009. 168 Unidade 4 Diversidade religiosa Os reinos anglo-saxões Na época imediatamente posterior à queda do Império Romano do Ocidente, a grande ilha situa- da ao norte da Gália (França atual) e conhecida como Bretanha (hoje, Grã-Bretanha) era invadida pelos anglos, saxões e jutos, povos de origem ger- mânica provenientes do norte da Europa. A resis- tência dos habitantes locais, os bretões, durou vá- rios anos e foi descrita no livro Excidio Britanniae (A ruína da Bretanha), escrito em 550 por um sa- cerdote historiador chamado Gildas. Por volta de 500, segundo Gildas, um líder guerreiro bretão conhecido como Arthur*, teria vencido os saxões em uma batalha no mon- te Badon. Entretanto, apesar dessa vitória e da forte resistência dos bretões, os invasores aca- baram ocupando quase toda a Bretanha. Assim, entre 477 e 540, aproximadamen- te, enquanto a Gália se transformava em Reino Franco, anglos, jutos e saxões criavam na Breta- nha sete pequenos reinos, mais tarde chamados de heptarquia: Kent, Mércia, Essex, Sussex, Wes- sex, East Anglia e Nortúmbria. ¡sso...Enquanto * Veja os filmes Rei Arthur, de Antoine Fuqua, 2004, e Excalibur, de John Boorman, 1981. Elmo de ferro, proveniente de um dos reinos anglo-saxões da atual Inglaterra e datado do início do século VII. Segundo algumas fontes, ele teria sido usado pelo Rei Redwald, morto em 625. 1. As invasões germânicas contribuíram decisiva- mente para a queda do Império Romano do Oci- dente. Resuma com poucas palavras as mudan- ças verificadas na Europa ocidental com a chega- da dos povos germânicos. 2. Por que é possível afirmar que as sociedades ger- mânicas eram fortemente militarizadas? 3. Entre os séculos V e VI, o poder real dos reinos germânicos se enfraqueceu, em razão do esva- ziamento das cidades e da ampliação do poder da nobreza rural. Enquanto isso, a Igreja católi- ca tornava-se uma instituição poderosa. Explique como se realizaram essas transformações. 4. Qual foi o papel do Reino Franco na consolida- ção do poder católico na Europa? 5. O Império Carolíngio consolidou-se e cresceu durante o governo de Carlos Magno, a partir de 771. Observe o mapa Império Carolíngio (p. 164) e indique as regiões conquistadas por Carlos Magno e a que países essas regiões pertencem atualmente. 6. O renascimento carolíngio preparou o caminho para a criação das primeiras universidades euro- peias por meio da organização de um conjunto de saberes e práticas educacionais. Em que con- sistiu esse movimento cultural? 7. Explique por que os monges copistas foram fun- damentais para a preservação da cultura escrita da Antiguidade greco-romana. Organizando AS IDEIAS A espada mágica A Demanda do Santo Graal é um dos mais co- nhecidos romances de cavalaria da Europa medie- val. Escrito por volta do século XIII, ele reúne his- tórias a respeito de Arthur, um rei bretão, ou líder guerreiro, que teria lutado contra os saxões, à fren- te de um grupo de cavaleiros, conhecidos como Cavaleiros da Távola Redonda. Leia a seguir um tre- cho dessa obra e responda ao que se pede. Segundo a lenda, Arthur teria se tornado rei ao arrancar uma espada, conhecida como excalibur, do interior de uma pedra, na qual estava fincada. No mundo DAS LETRAS BritishMuseum,London/Album/Akg-Images/Latinstock Patrimônio e diversidade: nos capítulos de Brasil dos volumes 2 e 3, a seção apresenta os principais aspectos históricos, culturais e sociais de cada um dos estados brasileiros. Olho vivo: a seção oferece uma ampla leitura das informações contidas em pinturas, esculturas e outros materiais iconográficos. Atividades Dentro dos boxes temos quatro tipos de atividade: Sua opinião, Sua comunidade, Diálogos e De olho no mundo, cada uma com um objetivo bem específico. Diálogos, por exemplo, trabalha a interdisciplinaridade, e Sua comunidade, a relação entre o local e o global. Ao final do capítulo temos: Organizando as ideias – que retoma o conteúdo visto no capítulo. No mundo das letras – onde é feita uma relação entre História e Literatura. Interpretando documentos – que trabalha com o aluno a capacidade de leitura e interpretação de diferentes tipos de documento, como fotografias, mapas, gráficos, tabelas, charges, textos impressos, etc. Hora de refletir – atividade que relaciona o capítulo com o conceito da unidade. Índice remissivo: você localiza facilmente em que página do livro se encontra o assunto que está procurando. Glossário: as palavras marcadas no texto ganham uma explicação aprofundada no glossário. Passado presente: por meio desta seção percebemos que assuntos do passado estão mais presentes no nosso dia a dia do que muitas vezes imaginamos. Mundo virtual: rica e diversificada seleção de sites relacionados ao conteúdo do capítulo. 5 Enquanto isso...: trabalho com a simultaneidade histórica, revelando que a história da humanidade não é única nem linear. Este ícone indica Objetos Educacionais Digitais relacionados aos conteúdos do livro. HMOV_v1_PNLD2015_004a005_Conheca.indd 5 26/03/2013 16:33
  7. 7. Capítulo 1 África, berço da humanidade ...................................................................................12 1. Um conceito em debate.......................................................................................................13 2. Em busca de nossas origens ................................................................................................13 3. Os primeiros hominídeos .....................................................................................................14 4. O Homo sapiens moderno...................................................................................................14 Capítulo 2 A Revolução Agrícola .................................................................................................19 1. Saindo da África...................................................................................................................20 2. O domínio da agricultura.....................................................................................................21 Capítulo 3 Nossos mais antigos ancestrais................................................................................25 1. Os primeiros ocupantes .......................................................................................................26 2. Sítios arqueológicos .............................................................................................................26 Fechando a unidade ......................................................................................................................33 Capítulo 4 Povos da Mesopotâmia..............................................................................................36 1. As cidades-Estado ................................................................................................................37 2. A civilização suméria............................................................................................................37 3. O Primeiro Império Mesopotâmico......................................................................................39 4. Babilônia e seu império........................................................................................................39 5. Hititas e assírios....................................................................................................................40 6. O Segundo Império Babilônico ............................................................................................40 Capítulo 5 Na terra dos faraós .....................................................................................................42 1. No norte da África ...............................................................................................................43 2. A unificação do Egito...........................................................................................................43 3. A sociedade egípcia .............................................................................................................44 4. A crença na imortalidade.....................................................................................................45 5. A serviço dos deuses e do faraó ..........................................................................................46 6. O saber egípcio ....................................................................................................................46 Capítulo 6 A civilização chinesa...................................................................................................48 1. A primeira dinastia chinesa..................................................................................................49 2. O primeiro imperador ..........................................................................................................50 Sumário 6 A força do conhecimento e da criatividade A urbanização Unidade 1 Unidade 2 10 34 HMOV_v1_PNLD2015_006a009_Sumario.indd 6 3/6/13 10:40 AM
  8. 8. Capítulo 11 A Grécia antiga: formação ......................................................................................80 1. Miscigenação étnica e cultural.............................................................................................81 2. Os cretenses.........................................................................................................................81 3. Os aqueus ............................................................................................................................81 4. A invasão dória ....................................................................................................................84 Capítulo 12 A Grécia clássica ........................................................................................................87 1. A pólis grega........................................................................................................................88 2. A sociedade espartana ................................................................................................... 88 3. A democracia em Atenas.....................................................................................................91 Capítulo 13 O helenismo ...............................................................................................................94 1. A expansão macedônia........................................................................................................95 2. A formação de um império..................................................................................................95 Capítulo 14 Os primeiros séculos de Roma................................................................................. 100 1. A fundação de Roma .........................................................................................................101 2. A monarquia e suas instituições ........................................................................................102 3. Tempos republicanos..........................................................................................................103 4. Roma contra Cartago.........................................................................................................108 Capítulo 15 A República em crise ..............................................................................................111 Um período conturbado.........................................................................................................112 Capítulo 16 O Império Romano..................................................................................................117 1. Primeiros tempos do Império.............................................................................................118 2. Império dividido .................................................................................................................121 Fechando a unidade ....................................................................................................................125 Capítulo 7 As civilizações da Índia ..............................................................................................55 1. Ao longo do rio Indo............................................................................................................56 2. Os arianos e o hinduísmo ....................................................................................................56 Capítulo 8 Os fenícios, inventores do alfabeto........................................................................60 Cidades portuárias ...................................................................................................................61 Capítulo 9 O Império Persa ...........................................................................................................65 1. Medos e persas ....................................................................................................................66 2. A formação do império........................................................................................................66 3. Entre o Bem e o Mal ............................................................................................................69 Capítulo 10 Os hebreus..................................................................................................................71 1. O papel da religião...............................................................................................................72 2. Hebreus na Palestina............................................................................................................72 3. Os juízes e o monoteísmo....................................................................................................72 4. As doze tribos ......................................................................................................................73 Fechando a unidade...........................................................................................................76 7 Direito e democraciaUnidade 3 78 Sumário HMOV_v1_PNLD2015_006a009_Sumario.indd 7 3/6/13 10:40 AM
  9. 9. Capítulo 17 Civilizações asiáticas...............................................................................................128 1. A Idade de Ouro na China.................................................................................................129 2. O Império Mongol..............................................................................................................130 3. O Japão dos samurais ........................................................................................................132 Capítulo 18 O mundo árabe-muçulmano.................................................................................135 1. Em torno dos oásis.............................................................................................................136 2. Politeísmo dos árabes................................................................................................... 136 3. Surge o islamismo..............................................................................................................136 4. O islã e a jihad....................................................................................................................136 5. Sunitas e xiitas....................................................................................................................138 6. A dinastia Omíada (661-749).............................................................................................139 7. A dinastia abássida (749-1258) .........................................................................................139 8. Saber e cultura no mundo islâmico ...................................................................................139 9. O mundo islâmico se divide...............................................................................................140 Capítulo 19 Os reinos africanos .................................................................................................144 1. O continente africano........................................................................................................145 2. O Reino de Axum...............................................................................................................146 3. Reinos do Sahel..................................................................................................................148 4. A civilização iorubá ............................................................................................................150 5. Os bantos...........................................................................................................................151 Capítulo 20 O Império Bizantino ...............................................................................................154 1. Império dividido .................................................................................................................155 2. O poder do basileu ............................................................................................................155 3. O governo de Justiniano....................................................................................................155 4. Um longo declínio..............................................................................................................158 5. A arte bizantina..................................................................................................................159 Capítulo 21 Os primeiros reinos medievais.............................................................................161 1. Os reinos germânicos.........................................................................................................162 2. A Igreja se fortalece ...........................................................................................................163 3. O Império Carolíngio..........................................................................................................163 4. O fim do Império................................................................................................................166 Capítulo 22 O feudalismo............................................................................................................170 1. O mundo feudal.................................................................................................................171 2. O feudo..............................................................................................................................171 3. Os camponeses ..................................................................................................................173 Capítulo 23 O poder da Igreja ....................................................................................................177 1. Poder material e poder espiritual.......................................................................................178 2. As Cruzadas .......................................................................................................................179 3. O Tribunal do Santo Ofício.................................................................................................182 Capítulo 24 Renascimento urbano e comercial ......................................................................186 O ano 1000............................................................................................................................187 Fechando a unidade ....................................................................................................................198 8 Unidade 4 126Diversidade religiosa HMOV_v1_PNLD2015_006a009_Sumario.indd 8 3/6/13 10:40 AM
  10. 10. GLOSSÁRIO....................................................................................................................................260 SUGESTÕES DE FILMES E DE LEITURAS COMPLEMENTARES..............................................266 BIBLIOGRAFIA BÁSICA ................................................................................................................266 ÍNDICE REMISSIVO .......................................................................................................................268 Capítulo 25 A formação do Estado moderno .........................................................................202 1. O fortalecimento do poder real .........................................................................................203 2. A Inglaterra sob os normandos..........................................................................................203 3. As origens da França..........................................................................................................204 4. Cristãos × mouros..............................................................................................................204 5. A formação de Portugal.....................................................................................................207 6. A Espanha e a Inquisição ...................................................................................................207 Capítulo 26 A revolução cultural do Renascimento ..............................................................210 1. A península Itálica no século XV........................................................................................211 2. O Renascimento.................................................................................................................212 Capítulo 27 A Reforma protestante..........................................................................................221 1. Críticas à Igreja...................................................................................................................222 2. As 95 teses de Lutero.........................................................................................................222 3. O calvinismo.......................................................................................................................225 4. A Igreja anglicana ..............................................................................................................225 5. A reação da Igreja católica.................................................................................................228 Capítulo 28 As Grandes Navegações ........................................................................................231 1. Um comércio lucrativo .......................................................................................................232 2. A aventura portuguesa ......................................................................................................232 3. Os espanhóis chegam à América.......................................................................................234 4. O Tratado de Tordesilhas....................................................................................................235 5. A caminho das Índias.........................................................................................................235 6. Portugueses na América ....................................................................................................236 Capítulo 29 Os impérios coloniais .............................................................................................239 1. A Revolução Comercial......................................................................................................240 2. O mercantilismo.................................................................................................................242 3. O “Pacto Colonial”............................................................................................................242 4. O Império Português..........................................................................................................243 5. Espanha e o El Dorado.......................................................................................................244 6. Tordesilhas, adeus ..............................................................................................................244 7. As companhias de comércio..............................................................................................245 Capítulo 30 O absolutismo monárquico...................................................................................249 1. Os Estados modernos ........................................................................................................250 2. O rei encontra o poder ......................................................................................................250 3. Um poder (quase) absoluto ...............................................................................................252 Fechando a unidade ....................................................................................................................258 9 Unidade 5 200Soberania e Estado nacional Sumário HMOV_v1_PNLD2015_006a009_Sumario.indd 9 26/03/2013 16:34
  11. 11. 10 Do ponto de vista biológico e cognitivo, não somos muito dife- rentes dos homens, mulheres e crianças que viveram 10 mil ou 12 mil anos atrás. Se mudanças significativas não ocorreram no organismo humano ao longo desse período, como explicar o fato de que a humanidade deixou de viver em cavernas e passou a dominar tecnologias que nos permitem até mesmo conquistar o espaço sideral? Segundo o historiador Eric Hobsbawm, que formulou a pergun- ta, todas essas mudanças verificadas ao longo de milhares de anos foram resultado da persistente e crescente capacidade da espécie humana de controlar as forças da natureza. Esse domínio ocorreu (e ainda ocorre) por meio do trabalho manual e intelectual, da tecno- logia e da organização da produção. Isso nos permite concluir que a base do desenvolvimento humano repousa no conhecimento e no uso da criatividade. Mas será que conhecimento é algo que adquirimos somen- te nos bancos escolares? E como ficam aqueles que nunca tive- ram a oportunidade de estudar? Todas as pessoas – quer tenham estudado ou não – detêm conhecimento. Os povos indígenas, por exemplo, durante milê- nios, curaram seus doentes utilizando somente ervas e plantas me- dicinais sem nunca terem feito faculdade de Medicina. Saber qual a planta correta a ser utilizada só foi possível graças a uma profunda ca- pacidade de observar e interagir com a natureza. Algo semelhante acontece com um cientista que inventa uma va- cina. Em seu trabalho, ele precisa conhecer os experimentos já realiza- dos, identificar diferentes tipos de drogas medicinais e fazer muitos tes- tes antes de anunciar sua descoberta. A força do conhecimento e da criatividade Unidade 1 Dorganismo humano ao longo desse período, como explicar o fato de que a humanidade deixou de viver em cavernas e passou a dominar tecnologias que nos permitem até mesmo conquistar o espaço sideral? ta, todas essas mudanças verificadas ao longo de milhares de anos foram resultado da persistente e crescente capacidade da espécie humana de controlar as forças da natureza. Esse domínio ocorreu (e ainda ocorre) por meio do trabalho manual e intelectual, da tecno- logia e da organização da produção. Isso nos permite concluir que a base do desenvolvimento humano repousa no conhecimento e nios, curaram seus doentes utilizando somente ervas e plantas me- dicinais sem nunca terem feito faculdade de Medicina. Saber qual a planta correta a ser utilizada só foi possível graças a uma profunda ca- pacidade de observar e interagir com a natureza. cina. Em seu trabalho, ele precisa conhecer os experimentos já realiza- dos, identificar diferentes tipos de drogas medicinais e fazer muitos tes- tes antes de anunciar sua descoberta. Album/akg-images/WernerForman/Latinstock Vênus de Dolní Vestonice, estatueta feminina de terracota, encontrada no sítio arqueológico de Dolní Vestonice. Faz parte do Museu de Brno, na atual República Tcheca. Mede 111 mm de altura e foi esculpida entre 29000 a.C. e 25000 a.C. Seus seios, ventre e nádegas volumosos seriam uma alusão à fertilidade. ErichLessing/Album/AlbumArt/Latinstock HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 10 3/6/13 10:41 AM
  12. 12. 11 COMEÇO DE CONVERSA 1. Utilizamos nossa criatividade em diversas situações da vida cotidiana: para solucionar problemas, encontrar novas formas de realizar certas atividades ou simplesmente para nos divertir. Pense em situações nas quais você resolveu problemas utilizando sua criatividade. Narre um desses episódios à classe. 2. Em sua opinião, o conhecimento sobre o passado pode ajudar a transformar a realidade em que vivemos? Por quê? Adquirir conhecimentos não significa apenas acu- mular informações a respeito de determinado assunto. Significa, antes de mais nada, organizar as informações disponíveis para compreender a realidade e partir em busca de mais conquistas. Nesta unidade veremos como a busca pelo saber mobiliza os seres humanos desde os tempos mais remo- tos. O domínio do fogo e a invenção da roda são alguns exemplos de como a humanidade utilizou seus conhe- cimentos para adequar a realidade em que vivia às suas necessidades. Esse potencial criativo foi um dos fatores responsáveis por garantir a sobrevivência da espécie hu- mana sobre a Terra. Retrato de Jacqueline Roque de Braços Cruzados, tela de Pablo Picasso (1881-1973). Pintada em 1954, essa obra do modernista espanhol pretende representar uma mulher de forma não realista. Compare esta representação com a da página anterior. Ambos os artistas utilizam a força de sua criatividade e de seu conhecimento para criar formas capazes de emocionar e estimular a imaginação. Reprodução/MuseuPicasso,Paris,França. Pintura rupestre de 13 mil a 9,5 mil anos atrás. Gruta das Mãos, Argentina. HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 11 3/6/13 10:41 AM
  13. 13. 12 As mulheres e os homens encontram-se sobre a face da Terra há cerca de 200 mil anos. Mas milhões de anos antes de seu surgimento, diversos ancestrais da espécie humana já andaram sobre o planeta. Entre esses ancestrais podemos citar o Australopithecus afarensis, o Homo habilis e o Homo erectus. Cada um tem características físicas próprias, mas em comum contam o fato de andarem sobre duas pernas, como os humanos. Em 2010, pesquisadores anunciaram a descoberta de uma nova espécie de australopiteco, o Australopithecus sediba. Os fósseis desse hominídeo foram encontrados em 2008 em uma caverna nas proximidades de Johannesburgo, na África do Sul. De acordo com os cientistas, o A. sediba viveu cerca de 1,977 milhão de anos atrás. Apesar de possuir corpo pequeno – cerca de 1,3 metro de altura – e grandes braços – típico de outros australopitecos que viviam em árvores –, o A. sediba tinha uma série de traços físicos semelhantes aos dos humanos, como o formato do cérebro, o tamanho dos dentes e a estrutura da pélvis e do fêmur. Em razão dessas semelhanças, muitos especialistas consideram esse australopiteco um ancestral da espécie humana. Neste capítulo estudaremos o que os cientistas já sabem a respeito das origens da humanidade. As palavras destacadas nesta cor estão no Glossário, página 260. Kazuyoshi Nomachi/Corbis/Latinstock Prof.LeeBerger/WikimediaCommons África, berço da humanidade Capítulo 1 Objetivos do capítulo nn Refletir sobre os conceitos de História e Pré-História. nn Compreender os conceitos de hominídeo, fóssil e primata. nn Discutir as limitações dos seres humanos pré-históricos e as estratégias que eles criaram para superá-las (o conhecimento e a criatividade). Matthew Berger, de 9 anos, filho do paleoantropólogo norte-americano Lee Berger, segurando sua descoberta: a clavícula do Australopithecus sediba, encontrada na África do Sul. Em 2010, seu pai apresentou o fóssil à comunidade científica. Foto de 15 de agosto de 2008. HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 12 3/6/13 10:41 AM
  14. 14. 13África, berço da humanidade Capítulo 1 Um conceito em debate Tradicionalmente, as origens da humanidade eram situadas pelos historiadores numa época conhe- cida como Pré-História. Hoje, entretanto, essa expres- são não é mais aceita por muitos estudiosos. Por quê? A Pré-História costumava ser definida como o pe- ríodo compreendido entre o aparecimento dos primeiros hominídeos e a invenção da escrita, ocorrida por volta do quarto milênio antes de Cristo, na Mesopotâmia (no atual Oriente Médio) e, logo depois, no Egito. Essa pe- riodização começou a ser utilizada a partir do século XIX, na Europa. Por essa época, os estudiosos acreditavam que só seria possível resgatar o passado de uma socieda- de caso existissem registros escritos feitos por ela. Hoje, essa visão é encarada com reservas. Outras fontes, como imagens, objetos do cotidiano e rela- tos orais, por exemplo, passaram a ter a mesma im- portância que a escrita no processo do conhecimento histórico. Além disso, recentes avanços científicos e tecnológicos colaboram na tarefa de resgatar o pas- sado. É o caso da análise do DNA, de programas de computador que reconstroem rostos humanos a par- tir de um crânio e de métodos científicos que deter- minam a idade de fósseis e de restos arqueológicos. A invenção da escrita como marco inicial da His- tória também pode ser questionada pelo fato de não ter ocorrido ao mesmo tempo em todo o planeta. Muitos povos só entraram em contato com ela no final do século I a.C., durante a expansão de Roma. Ainda hoje, há grupos indígenas no Brasil e aborígi- nes na Austrália que não fazem uso de nenhum sinal gráfico para representar palavras. Se considerássemos o surgimento da escrita como o início da História, conquistas como o domí- nio do fogo, a invenção da roda e a prática da agri- cultura ficariam de fora da história da humanidade, pois elas ocorreram muitos séculos antes da invenção dessa forma de comunicação. Amparados nessas ressalvas, podemos dizer que o mais indicado é considerar o que foi chamado de Pré-História como uma etapa no processo histórico do ser humano. Do ponto de vista social, podemos entendê-la como um período em que ainda não ha- viam surgido sociedades complexas e sedentárias e no qual as pessoas se reuniam em pequenos grupos ou agrupamentos nômades. Em busca de nossas origens Há cerca de 60 milhões de anos, apareceram na Terra os primeiros primatas. Desse grupo surgiram o gorila, o chimpanzé, o orangotango e os primeiros hominídeos, que deram origem à espécie humana. Atualmente, especialistas como paleoantropólo- gos, geólogos, arqueólogos, biólogos, geneticistas, etnólogos, paleontólogos, etc. participam de escava- ções em busca de vestígios dos nossos ancestrais com o propósito de descobrir como eles eram e como vi- viam. Esses vestígios podem ser fósseis, ferramentas, esculturas, pinturas em cavernas, utensílios, restos de fogueiras, entre outros (veja a imagem). 1 2 Com mais de 3 milhões de anos, o fóssil do hominídeo da espécie Australopithecus afarensis encontrado na África em 1974 recebeu o nome de Lucy porque seu descobridor, no momento em que o encontrou, escutava a canção dos Beatles “Lucy in the sky with diamonds”. A foto mostra o crânio do “bebê Lucy”, fóssil da mesma espécie de Lucy e também com mais de 3 milhões de anos. Vilem Bischof/AFPPhoto/Researchand ConservationofCulturalHeritages HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 13 3/6/13 10:41 AM
  15. 15. 14 Unidade 1 A força do conhecimento e da criatividade Entretanto, a ciência ainda não encontrou uma resposta precisa a respeito de como e quando o ser humano apareceu. O que os cientistas sabem é que o surgimento de homens e mulheres foi resultado de um longo processo, que se estendeu por centenas de milhões de anos e envolveu não só alterações físicas no corpo, mas também mudanças culturais, como o modo de viver e agir desses seres. Os primeiros hominídeos Os fósseis são uma das principais fontes de es- tudo para entender a evolução da espécie humana. A análise dessas amostras indica que os indivíduos com características tipicamente humanas não apare- ceram recentemente nem de uma só vez. thecus anamensis, a dos Australopithecus afarensis e a dos Australopithecus sediba, sobre a qual comenta- mos na abertura do capítulo. De modo geral, os australopitecos tinham braços longos, maxilares salientes e cérebros pe- quenos, mas sua principal característica era anda- rem eretos. O Homo sapiens moderno Uma das espécies de australopiteco – não se sabe qual – deu origem a um grupo de hominídeos, o Homo. Os cientistas ainda não descobriram quan- do, como e onde isso aconteceu. Acredita-se que os primeiros seres do gênero Homo apareceram há cerca de 2 milhões de anos e por mais de 800 mil anos conviveram com os australopitecos na Áfri- ca. Estes, porém, não conseguiram se adaptar à crescente competição entre as espécies e acaba- ram extintos. Segundo alguns especialistas, a espécie mais an- tiga de Homo que se conhece é a do Homo habi- lis. Com cerca de 1,57 m de altura, pouco mais de 50 quilos de peso e um cérebro de até 800 cm³, o Homo habilis se desenvolveu graças à sua capacidade de adaptação cultural e social: ele tinha, por exem- plo, o hábito de dividir os alimentos com os integran- tes de seu grupo, criando assim laços de solidarieda- de entre si. Pesquisas recentes mostram que o Homo habi- lis conviveu por centenas de milhares de anos com outro hominídeo, o Homo erectus, que apareceu na África por volta de 1,8 milhão de anos atrás. Para os cientistas, essas duas espécies podem ter tido um ancestral comum, ainda desconhecido. O Homo erectus chegava a medir até 1,80 m. Seu cérebro tinha um volume médio de 950 cm³, mas podia chegar a 1250 cm³. Seu rosto era largo e sua arcada dentária, saliente. O Homo erectus revelou-se um ser de gran- de capacidade mental: andava em grupos de vin- te a trinta indivíduos, fabricava utensílios, construía cabanas, aprendeu a dominar o fogo* e a organizar caçadas, dividindo ta- refas entre si. 3 4 * Veja o filme A guerra do fogo, de Jean Jacques Annaud. EquinoxGraphics/SPL/Latinstock Um dos hominídeos mais antigos que se conhe- ce é o Ardipiecus kadabba, que habitou a África há 5,8 milhões de anos. Posteriormente, surgiram outros hominídeos do gênero dos australopitecos. Eles teriam habitado a África entre 4,2 milhões e 1 milhão de anos atrás e se dividiam em várias espécies, como a dos Australopi- Montagem computadorizada de um crânio de Homo floresiensis (à esquerda) ao lado de um crânio de Homo sapiens sapiens (à direita). O Homo floresiensis foi um hominídeo de pouco mais de um metro de altura e cérebro muito pequeno. Acredita-se que foi extinto há 12 mil anos e que coexistiu com os seres humanos modernos (Homo sapiens). Em 2003, restos desse crânio foram encontrados na caverna Liang Bua, localizada na Ilha das Flores, Indonésia. HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 14 3/6/13 10:41 AM
  16. 16. 15África, berço da humanidade Capítulo 1 As descrições dos primeiros ancestrais da espécie humana que você lê em livros e revistas não bro- tam da imaginação dos historiadores ou dos cientistas. Na verdade, centenas de pesquisadores vas- culham continuamente diversas regiões da África, da Ásia, da América, da Europa e da Oceania em busca de vestígios de nossos antepassados mais remotos. É com base no que eles descobrem – ossos, restos de fogueiras, ferramentas, pontas de flechas, utensílios de cerâmica, etc. – que é reconstituída a árvore genealógica da espécie humana e são descritos os espécimes, os cenários em que viviam, seu modo de vida. Fóssil é toda “evidência de um organismo vegetal ou animal preservado em gelo ou rochas sedimen- tares. A preservação de um organismo em sua totalidade (isto é, com a permanência de seus tecidos rígi- dos e macios) é muito rara. Entre os casos mais notáveis desse tipo de achado, encontram-se os mamutes (elefantes arcaicos) siberianos, que têm sido recuperados de estratos de gelo em condições perfeitas de preservação.” [Enciclopédia ilustrada Folha. São Paulo: Folha da Manhã S.A., 1996. v. 1, p. 363. Sobre os mamutes e sua utilidade para os seres humanos da chamada “Pré-História”, veja o capítulo 2.]. Quando o esqueleto de um ser humano é encontrado, seus ossos trazem informações valiosas para os cientistas, como se pode ver a seguir. Eles podem dizer a que sexo pertencia seu portador, se se tratava de uma criança, de um adulto ou de um adolescente e, em certos casos, as circunstâncias de sua morte. Até mesmo fezes humanas fossilizadas, conhecidas como coprólitos, podem ser uma importante fonte de informações. Elas revelam, por exemplo, os hábitos alimentares de um grupo humano e a incidência de parasitas nos intestinos das pessoas desse grupo. Supondo, por exemplo, que esses parasitas sejam co- muns em zonas tropicais e que os coprólitos tenham sido encontrados em uma região fria, isso mostraria que o grupo humano estudado teria migrado de um lugar para outro. Olho vivo O que os fósseis revelam O tamanho do crânio pode identificar a espécie. Os dentes e o tamanho dos ossos revelam se o esqueleto era de um adulto ou de uma criança. Também podem mostrar problemas como ane- mia e outras deficiências alimentares. Riscos microscópicos e buracos no esmalte dos dentes podem indicar o tipo de alimentação. Molares grandes e mandíbulas grossas sugerem a mastigação de alimentos mais duros. Os ossos podem reter evidências de infecções por tumores, bactérias, parasitas e fungos, ou revelar traumas como fraturas, amputações e golpes na cabeça. O formato da pélvis identifica o sexo. Adaptado de: <www.becominghuman.org/>. Acesso em: 16 abr. 2012. Fóssil do esqueleto de uma mulher do período Neolítico encontrado na França. PascalGoetgheluck/Spl/StockPhotos/Latinstock HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 15 3/6/13 10:41 AM
  17. 17. 16 Unidade 1 A força do conhecimento e da criatividade O Homo erectus foi o primeiro hominídeo a emigrar da África. Seguindo o curso do rio Nilo, al- cançou a Ásia e depois a Europa. Desapareceu há cerca de 300 mil anos, quando espécies arcaicas de Homo sapiens já andavam sobre o planeta. Tudo indica que essas espécies evoluíram até que, por volta de 195 mil anos atrás, apareceu o Homo sapiens sapiens (ou Homo sapiens moderno*­), espécie da qual fazemos parte. Por ter uma faringe mais longa e uma língua mais flexível, essa espécie desenvolveu a capacidade da fala, por meio da qual passou a expressar seus pensamentos e a desenvol- ver conceitos abstratos (sobre a espécie humana, veja o boxe a seguir). Durante algum tempo, o ser humano conviveu com indivíduos de outra espécie do gênero Homo – o Homo neanderthalensis, tam- bém conhecido como Homem de Neanderthal –, mas ela desapa- receu há cerca de 30 mil anos. Representação artística de um grupo de ancestrais e precursores do Homo sapiens moderno. Da esquerda para a direita e da frente para trás: Homo erectus, Australopithecus africanus, Kenyathropus rudolfensis, Australopithecus afarensis, Homo habilis, Australopithecus boisei, Homo neanderthalensis e Australopithecus anamensis. * Veja o filme A origem do homem, Discovery Channel, 2002. Hess.Landesmuseum/akg-images/Latinstock Somos todos iguais Pele negra, branca ou parda; olhos arredon- dados ou puxados. Cabelos lisos, crespos ou en- caracolados. As variações físicas entre os seres humanos são imensas, porém a ciência já com- provou: apesar das diferenças observadas entre os indivíduos, a espécie humana é única. Isso significa que, ao contrário do que muitos afirma- ram no passado, as pessoas não podem ser sepa- radas em raças. A comprovação definitiva desse fato aconte- ceu em 2003, quando cientistas do Projeto Genoma concluíram o sequenciamento genético de 94% do DNA humano. Ao analisarem os genes formadores de nossas características físicas, os cientistas ob- servaram que as diferenças das sequências genéti- cas entre dois indivíduos não chega a 1%. As variações encontradas – como a cor da pele ou dos olhos, por exemplo – são resultado do processo evolutivo do ser humano diante da necessidade de se adaptar às condições ambien- tais em que passou a viver. Segundo os cientistas, o cabelo crespo dos negros, por exemplo, surgiu como uma forma de proteger o couro cabeludo das pessoas que vi- viam em regiões de climas quentes. Esse tipo de cabelo forma uma camada de ar entre o couro cabeludo e o ambiente, protegendo a cabeça da grande incidência dos raios solares. Ainda de acordo com os cientistas, um dos fa- tores pelos quais os europeus teriam a pele mais clara do que a dos africanos, por exemplo, se deve ao clima. Durante o processo de seleção natural verificado ao longo de milhares de anos, prevalece- ram na Europa – região onde os dias costumam ser mais curtos e frios – indivíduos de pele mais clara, pois estes têm capacidade de melhor absorver a luz solar necessária à produção de vitamina D, respon- sável pela absorção de cálcio, essencial para o de- senvolvimento de ossos e dentes. Em estudo publicado em 2007, o antropólogo nor- te-americano Henry Harpending, baseado na análise do DNA de indivíduos de diferentes populações, afir- ma que “os europeus ficaram mais claros, mais louros e com olhos mais azuis há apenas cinco mil anos”. Fontes: ESCOBAR, Herton. Evolução do Homo sapiens continua, cem vezes mais rápida. O Estado de S. Paulo, 11 dez. 2007; <www.ornl.gov/sci/techresources/ Human_Genome/home.shtml>. Acesso em: 16 abr. 2012; Superinteressante, n. 50. nov. 2001. Disponível em: <http://super.abril.com.br/superarquivo/1991/ conteudo_112801.shtml>. Acesso em: 16 abr. 2012. HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 16 3/6/13 10:41 AM
  18. 18. 17África, berço da humanidade Capítulo 1 1. O conceito de Pré-História representa, tradicio- nalmente, o período entre o aparecimento da humanidade e a invenção da escrita. Essa perio- dização foi construída no século XIX, quando os estudiosos acreditavam que os registros escritos eram fundamentais para o entendimento das so- ciedades antigas. Por que o conceito de Pré-His- tória deve ser visto com ressalvas? 2. A invenção da escrita não ocorreu da mesma for- ma e na mesma época entre todos os povos. Cite algumas sociedades atuais que não utilizam a es- crita na vida cotidiana. 3. Nossos conhecimentos sobre a origem da huma- nidade dependem das pesquisas de diversos es- pecialistas, como paleontólogos, geneticistas, an- tropólogos, etc. Com base na leitura do capítulo, descreva o que a ciência descobriu até agora sobre a origem e o desenvolvimento dos hominídeos. 4. Além do Homo sapiens, outras espécies de Homo povoaram a Terra nos últimos milhões de anos: o Homo habilis, o Homo erectus e o Homo neanderthalensis. Descreva as características fun- damentais dessas espécies indicando a época em que existiram. 5. As descobertas sobre a origem da humanida- de são fruto da pesquisa científica de diferentes áreas. Descreva, em linhas gerais, como se reali- zam essas pesquisas. Organizando AS IDEIAS Agora, você vai ver duas representações da evolução da espécie humana. Depois de compará-las, respon- da ao que se pede. Documento 1 Representação livre da evolução humana. Habitualmente, essa evolução é representada como uma “caminhada” de figuras do sexo masculino. Aqui, o artista inovou, introduzindo figuras femininas como representantes da cadeia evolutiva da humanidade. DavidGifford/SciencePhotoLibrary/Latinstock Interpretando DOCUMENTOS HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 17 3/6/13 10:41 AM
  19. 19. 18 Unidade 1 A força do conhecimento e da criatividade 1. Como a evolução da espécie humana é represen- tada no documento 1 e no documento 2? 2. Comparando os dois documentos, por que po- demos afirmar que o primeiro não representa corretamente os nossos conhecimentos atuais sobre o desenvolvimento da espécie humana? 3. Podemosdizerqueodocumento2representaaverda- de sobre a evolução humana? Justifique sua resposta. Documento 2 Árvore genealógica da espécie humana feita com base nos conhecimentos disponíveis em 2007. Na coluna da direita está registrado, em milhões de anos, o momento em que cada espécie apareceu. Árvore genealógica da espécie humana feita com base nos conhecimentos disponíveis em 2007. Na coluna Homo florensiensis Homo neanderthalensis Homo cepranensis Homo mauritanicus/antecessorHomo erectus Homo habilisHomo ergaster Paranthropus robustus Paranthropus boisel 7 MILHÕES DE ANOS ATRÁS (MAA) 2 MAA 3 MAA 4 MAA 5 MAA 6 MAA 1 MAA PRESENTE Paranthropus aethopicus Ardipithecus ramidus Australopithecus bahrelghazali Australopithecus afarensis Australopithecus anamensis Kenyathropus platyops Kenyathropus rudolfensis Ardipithecus kadabba Sahelanthropus tchadensis Orrorin tugenensis Homo sapiens (ser humano moderno) Australopithecus africanus Adaptado de: <www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=31&id=364>. Acesso em: 16 abr. 2012. Mundo virtual n Lascaux – Um passeio virtual pelo interior da caverna de Lascaux, na França, famosa por suas pinturas rupestres. O site está em inglês, mas basta clicar na página inicial para começar o passeio. Disponível em: <www.lascaux.culture.fr/#/en/00.xml>. Acesso em: 10 out. 2012. n Evolução humana – Uma linha do tempo interativa sobre a evolução da espécie humana. Está em inglês, mas é de fácil navegação. Disponível em: <http://tinyurl.com/32ztp4l>. Acesso em: 10 out. 2012. Nos primórdios da humanidade, diversas for- mas de conhecimento contribuíram para a sobre- vivência e o desenvolvimento dos hominídeos: a construção e o manuseio de instrumentos, a orga- nização coletiva da caça, o domínio do fogo, etc. Reúna-se em grupo com outros colegas e, juntos, escrevam um texto sobre o papel da socialização do conhecimento para a sobrevivência da espécie humana. Ao final da atividade, apresentem para a classe as ideias discutidas no grupo. Hora DE REFLETIR HMOV_v1_PNLD2015_010a018_U01_C01.indd 18 3/6/13 10:41 AM
  20. 20. 19 Capítulo 2 A Revolução Agrícola Arroz vermelho, babaçu, umbu, feijão-canapu, palmito-juçara, castanha-baru. Você já ouviu falar dessas plantas encontradas no Brasil? Pois elas fazem parte de uma relação de 750 espécies vegetais do mundo inteiro que, pelos mais variados motivos, correm o risco de desaparecer para sempre. Uma lista atualizada de plantas sob risco de extinção encontra-se disponível no site da Slow Food, fundação internacional que desenvolve projetos de plantio de vegetais ameaçados com a finalidade de impedir seu desaparecimento. Quantas outras espécies vegetais, contudo, foram perdidas para sempre ao longo da história da humanidade é algo difícil de calcular. Durante milhares de anos, nossos ancestrais viveram da caça, da pesca e da coleta de frutas e raízes. O domínio de técnicas de plantio só ocorreu há cerca de 10 mil anos. Mas a FábioColombini/Acervodofotógrafo Rubens Chaves/Acervo do fotógrafo Objetivos do capítulo  Apresentar as teorias sobre o povoamento da Terra pelo gênero Homo.  Mostrar a importância do domínio da agricultura e da domesticação de animais para a sedentarização dos grupos humanos e a formação dos primeiros núcleos urbanos.  Destacar o papel da especialização de funções na organização social e política dos grupos humanos. Umbuzeiro em Paulo Afonso, na Bahia, em foto de 2008. Nativo da caatinga do Sertão nordestino, o umbuzeiro (árvore do umbu), hoje em processo de extinção, tem raízes capazes de armazenar grande quantidade de água. Essa característica lhe permite sobreviver nos períodos de seca prolongada. agricultura significou para o ser humano uma verdadeira revolução, modificando seus hábitos, fixando-o à terra e permitindo que alguns grupos abandonassem pouco a pouco a vida nômade e se tornassem sedentários. Tal fato promoveu o surgimento das primeiras cidades e civilizações. Neste capítulo estudaremos as grandes mudanças ocorridas na vida humana com o desenvolvimento da agricultura. HMOV_v1_PNLD2015_019a024_U01_C02.indd 19 3/6/13 10:42 AM
  21. 21. 20 Unidade 1 A força do conhecimento e da criatividade OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ÍNDICO OCEANO PACÍFICO 120º O 0º OCEANO GLACIAL ÁRTICO Estr. de Bering Grupos humanos não mongólicos Grupos humanos mongólicos Círculo Polar Ártico Trópico de Câncer Trópico de Capricórnio Equador TEoRIa Da ocuPaÇÃo Da aMéRIca Fonte: nEVES, W.; PILÓ, L. O povo de Luzia: em busca dos primeiros americanos. São Paulo: Globo, 2008. 0 3100 QUILÔMETROS ESCALA 6200 Isso só teria sido possível porque, naquela época, o planeta vivia sua última Era Glacial*, durante a qual as águas do mar baixaram drasticamente, deixando descoberto o fundo do estreito de Bering. Do Alasca, essa popu- lação teria alcançado a América do Sul há 11500 anos. Entretanto, descobertas arqueológicas mais re- centes recuam a chegada do ser humano à Améri- ca para muito antes dessa data. Para alguns pesqui- sadores, existiriam vestígios da presença humana no continente de até 50 mil anos, o que obrigaria os es- tudiosos a reverem a teoria Clóvis. As pesquisas coor- denadas pela arqueóloga brasileira Niède Guidon na região de São Raimundo Nonato (Piauí) contribuíram decisivamente para esse debate. Outra polêmica recente refere-se à ideia, defen- dida pelo pesquisador brasileiro Walter Neves, de que houve mais de uma leva de migração pelo estreito de Bering, sendo uma delas realizada por povos de traços africanos (veja o mapa abaixo). Para reforçar essa hipótese, Neves baseia-se no crânio de uma mu- lher achado em 1975 em Lagoa Santa (MG) e à qual se deu o nome de Luzia. Ela teria vivido há cerca de 11500 anos e apresentaria características morfológi- cas mais próximas dos aborígines negroides da Aus- trália do que dos mongoloides asiáticos. Reconstituição da cabeça de Luzia feita na Universidade de Manchester, Inglaterra, com a ajuda de tomografias computadorizadas. A reconstrução revela uma face de traços africanos, em contraste com a dos indígenas de características mongoloides encontrados por Cabral em 1500. MarcosHermes/Arquivo daeditora saindo da África Entre 1 milhão e 700 mil anos atrás, o Homo erectus saiu da África, onde surgiu, e iniciou o povoa- mento da Ásia e da Europa. Entretanto, foi o Homo sapiens sapiens quem conseguiu ocupar – até por volta de 12000 a.C. – todos os continentes do plane- ta, com exceção da Antártida. Segundo os especialistas, o Homo sapiens sa- piens chegou ao Oriente Próximo e à Ásia entre 90000 a.C. e 45000 a.C. Do continente asiático ele teria alcançado – há cerca de 40 mil anos – a Ocea- nia por meio de embarcações. Enquanto isso, outros grupos ocupavam a Europa e a Ásia central. Aí, leva- vam uma vida nômade, ou seja, deslocavam-se cons- tantemente em busca de alimentos. Viviam da coleta de frutos e raízes e caçavam animais, como mamutes e bisões, hoje extintos. O povoamento da América Ainda hoje, a ciência não chegou a uma expli- cação única a respeito de quando os primeiros hu- manos atingiram o continente americano. A teoria Clóvis, formulada na primeira metade do século XX, afirma que, há cerca de 15 mil anos, grupos de ca- çadores-coletores teriam saído do nordeste da Ásia, atravessado o estreito de Bering e chegado ao Alasca. 1 * Veja o filme A Era do Gelo, de Chris Wedge, 2002. HMOV_v1_PNLD2015_019a024_U01_C02.indd 20 3/6/13 10:42 AM
  22. 22. 21A Revolução Agrícola Capítulo 2 o domínio da agricultura Com o fim da Era Glacial, o clima tornou-se mais ameno e o solo, mais fértil. Grupos nômades come- çaram a construir suas cabanas junto a rios e lagos, onde pescavam, abasteciam-se de água, caçavam e coletavam cereais silvestres. Levados para os acampamentos, onde eram moí- dos e cozidos, muitos desses grãos de cereais caíam acidentalmente no solo, e é provável que as pessoas tenham percebido que, com o tempo, eles germina- vam. Segundo alguns estudiosos, foi dessa maneira que o ser humano aprendeu a cultivar a terra. As evidências indicam que o domínio da agri- cultura ocorreu de forma independente em dife- rentes lugares do mundo. Na região de Jericó, no Oriente Médio, a agricultura teria surgido há cerca de 10 mil anos. Nessa mesma época, na América, grupos humanos já cultivavam abóboras na atual região do Equador. Povos sedentários O domínio da agricultura provocou uma grande transformação na vida dessas populações – a ponto de ser chamado de Revolução Agrícola. Diversos po- vos, que antes levavam uma vida nômade em busca de alimentos, se fixaram (sedentarizaram) em deter- minada região e começaram também a cultivar verdu- ras e legumes. Dessa maneira, conseguiam ter melhor controle sobre seu estoque de alimentos. A tomada de consciência dessa nova capacidade resultou em um aprimoramento das técnicas agrícolas e provocou inú- meras mudanças nos hábitos dos grupos humanos. 2 Pintura rupestre em caverna da Argélia, no norte da África, datada de 4500 a.C., alusiva à criação de gado por grupos humanos do período Neolítico. GeorgeHolton/PhotoResearchers,Inc./Latinstock Com a agricultura, os seres humanos passaram a elaborar melhor seus instrumentos e utensílios de pedra. Essa mudança, à qual se acrescentou mais tar- de a utilização dos metais como matéria-prima, le- vou os cientistas a dividir a chamada “Pré-História” em três períodos: • Paleolítico, ou Idade da Pedra Lascada* – do surgimento dos primeiros seres humanos até 8000 a.C. Caracterizado por ins- trumentos rústicos, não polidos. • Neolítico, ou Nova Idade da Pedra – de 8000 a.C. a 5000 a.C. Principais carac- terísticas: instrumentos de pedra polida, agricultura e sedentarização. • Idade dos Metais – de 5000 a.C. à invenção da escrita. Durante o Neolítico, o maior estoque de alimen- tos permitiu que algumas comunidades crescessem. Quase ao mesmo tempo que se deu o domínio da agricultura, ocorreu a domesticação de animais – ca- bras, ovelhas, galinhas, porcos, cavalos e bois. Com ela, alguns desses animais passaram a ser utilizados como meio de transporte, como fonte de leite, lã e esterco, além de carne para os períodos de fome (leia o texto Dos potes de cerâmicas às garrafas PET na se- ção Eu também posso participar, a seguir). Em quase todos os lugares, a vida sedentária e o cultivo do solo levaram ao crescimento demográfico e à formação de aglomerações humanas. Pouco a pou- co, algumas dessas aglomerações se transformaram nas primeiras vilas e cidades (veja o mapa da página 23). Com o crescimento populacional, surgiram no- vos problemas. Sobreviver nos lugares de clima ári- do, por exemplo, exigia um enorme esforço coletivo. A população dessas regiões precisava construir reser- vatórios para garantir água nos períodos de seca, er- guer diques para controlar as cheias dos rios, abrir ca- nais para irrigar as plantações. * Veja o filme Homens pré-históricos – Vivendo entre as feras, Discovery Channel, 2002. nais para irrigar as plantações. Erich Lessing/Album/Latinstock Com uma foice de agricultor apoiada no ombro direito, esta pequena estatueta de cerâmica (25,6 cm de altura) representa uma divindade do período Neolítico. Encontrada na região do leste europeu hoje conhecida como Hungria, foi esculpida por volta de 4500 a.C. Uma máscara triangular encobre seu rosto. Os braços são ornamentados com braceletes e em seu corpo há desenhos geométricos. HMOV_v1_PNLD2015_019a024_U01_C02.indd 21 3/6/13 10:42 AM
  23. 23. 22 Unidade 1 A força do conhecimento e da criatividade Dos potes de cerâmica às garrafas PET Uma invenção criada há milhares de anos de- sempenhou papel fundamental para a sobrevi- vência das primeiras comunidades sedentárias. Trata-se da cerâmica, técnica que consiste em modelar o barro no formato desejado e levá-lo ao fogo para secar. Os objetos de cerâmica mais antigos conheci- dos foram encontrados no Oriente, onde hoje ficam o Japão e a China. São vasos e potes com cerca de 20 mil anos de existência. Porém, a cerâmica teve seu uso ampliado por volta do quarto milênio a.C. graças à introdução da roda de oleiro e dos fornos de alta temperatura. Com eles era possível produ- zir panelas, formas, jarros, potes, entre outros uten- sílios, mais resistentes e em maior quantidade. Com esses objetos, as pessoas puderam levar a comida ao fogo de forma mais adequada, o que facilitava a ingestão e o aproveitamento dos ali- mentos. Jarros e potes, por sua vez, se tornaram fundamentais para o armazenamento e transpor- te de produtos como azeite e água. A cerâmica também era usada em rituais. Passados milhares de anos desde a inven- ção dos primeiros potes de cerâmica, um dos produtos mais utilizados atualmente para o ar- mazenamento e transporte de líquidos são as garrafas plásticas. Um dos plásticos mais utilizados para esse fim é o PET (sigla para polietileno tereftalato), re- sina originária do petróleo com a qual se fazem embalagens recicláveis usadas principalmente para armazenar bebidas não alcoólicas, como água e refrigerantes. Foi no final dos anos 1980 que a indústria bra- sileira começou a produzir garrafas PET como opção leve e barata para substituir as garrafas de vidro. Lançadas nas ruas ou espalhadas nos lixões a céu aberto, essas embalagens entopem esgotos e poluem rios e mares. Muitos animais marinhos – como baleias, leões-marinhos, tartarugas – aca- bam confundindo essas embalagens com alimen- tos e morrem asfixiados ao ingeri-las. Para agravar ainda mais a situação, as gar- rafas PET são de difícil decomposição, levando em média cerca de cem anos para se desfaze- rem naturalmente. A adoção de procedimentos básicos em rela- ção ao uso e descarte dessas embalagens no dia a dia ajuda a minimizar tal situação. Veja o que pode ser feito. • O uso mais frequente de embalagens retor- náveis ajuda a reduzir a quantidade de lixo produzida. • Muitas embalagens podem ser reutilizadas. Assim, as garrafas PET podem ser transforma- das em recipientes para guardar água ou em vasos. Já existem experimentos que transfor- mam recipientes PET em paredes de casa e até mesmo um barco já foi fabricado com es- sas embalagens. Com ele foi possível navegar cerca de 1,5 mil quilômetros ao longo do rio São Francisco. • As embalagens PET são recicláveis e seu uso pode ser bem variado. Em 2008, o governo federal aprovou uma lei que permite às em- presas utilizarem PET reciclado para emba- lar alimentos. Isso é possível porque já existe tecnologia capaz de limpar e descontaminar esse material. Entretanto, as empresas bra- sileiras ainda não têm condições de reciclar toda a quantidade de embalagens PET des- cartadas diariamente. Eu também posso participar Fragmentos de cerâmica encontrados na caverna de Xianrendong, no norte da província de Jiangxi, na China. Acredita-se que foi produzida em uma comunidade de caçadores-coletores há cerca de 20 mil anos, ou seja, 10 mil anos antes do desenvolvimento da agricultura. Foto de 2012. Fotos:Science/AAAS/AgênciaFrance-Presse HMOV_v1_PNLD2015_019a024_U01_C02.indd 22 3/6/13 10:42 AM
  24. 24. 23A Revolução Agrícola Capítulo 2 Ora, isso só poderia ser feito se o grupo estivesse bem organizado e preparado para enfrentar os pro- blemas surgidos com a sedentarização, entre os quais doenças contagiosas como sarampo, gripe e catapo- ra, resultantes do contato com animais domésticos, ou a disenteria, provocada pelo acúmulo de dejetos. Além disso, esses grupamentos humanos sofriam com a ação de ladrões nômades, com as tempesta- des de areia e inundações repentinas. Tudo isso exigia melhor divisão das tarefas: en- quanto algumas pessoas se responsabilizavam por obras como a construção de diques e de canais de irrigação, outras cuidavam da agricultura e da fabri- cação de ferramentas e utensílios. O resultado desse esforço foi um gradual avanço tecnológico, que cul- minou na invenção da roda, do arado de tração ani- mal, do barco a vela e na fundição de metais, ativida- de iniciada por volta de 5000 a.C. Com a metalurgia tornou-se possível criar ferramentas, armas e outros utensílios do tamanho e do formato desejado. O primeiro metal a ser fundido foi o cobre, encon- trado na forma de veios no meio das rochas. Por volta de 3000 a.C., os sumérios (veja capítulo 4) descobri- ram que, ao misturar cobre com estanho, obtinha-se uma liga muito mais resistente e moldável: o bronze. O ferro só veio a ser descoberto por volta de 2000 a.C. pelos chineses (veja capítulo 6), e com ele foi possível fazer ferramentas e armas mais rígidas ainda. À medida que algumas atividades e profissões assumiram maior importância, começaram a se afir- mar os primeiros graus hierárquicos (pessoas que mandavam e pessoas que obedeciam) e formas ini- ciais de estratificação social. Alguns indivíduos, graças à autoridade moral, à capacidade de liderança ou à riqueza, passaram a ser consultados em relação a determinadas ques- tões. Outros se destacaram como chefes guerreiros, ou seja, por sua capacidade de conduzir o grupo nos conflitos com grupos rivais. Em vários casos, essas pessoas (e os grupos sociais a que estavam ligadas) passaram a deter privilégios e poder sobre os demais, tornando-se governantes e reis. Com o crescimento das comunidades, aumen- tou a procura por alimentos e utensílios, intensifican- do-se o comércio com outros grupos. Um dos resulta- dos desse processo foi o surgimento, há cerca de 10 mil anos, dos primeiros núcleos urbanos, como Çatal Hüyük e Jericó (veja mapa abaixo). PRIMEIRos núcleos urbanos (séculos X a.C. a III a.C.) ÁSIA MENOR EGITO DESERTO DA ARÁBIA MESOPOTÂMIA Chipre Nipur (4000 a.C.) Eridu (4000 a.C.) Mar Negro MarVermelho RioTigre RioNilo Mar Morto Golf o Pérsico Mar Mediterrâneo M arCáspio Ur (4000 a.C.) Lagash (4000 a.C.)Uruk (4000 a.C.) Ugarit (3000 a.C.) Çatal Hüyük (10000 a.C.) Damasco (5000 a.C.) Ri o Eufrates Jericó (10000 a.C.) HEBREUS Mênfis (3000 a.C.) 40º 35º Fonte: Grand atlas historique. Paris: Larousse, 2006. 0 200 QUILÔMETROS ESCALA 400 HMOV_v1_PNLD2015_019a024_U01_C02.indd 23 3/6/13 10:42 AM
  25. 25. 24 Unidade 1 A força do conhecimento e da criatividade 1. Para a maioria dos especialistas, nossa espécie se originou na África e, posteriormente, ocupou outros continentes. Descreva de que modo o gê- nero Homo povoou o planeta. 2. De que forma a teoria Clóvis procura explicar a ocupação humana da América? 3. Que evidências alguns cientistas utilizam atual- mente para contestar a teoria Clóvis? 4. Atualmente, acostumamo-nos a separar a vida urbana das atividades agrícolas. No entanto, a agricultura teve papel fundamental na origem das primeiras vilas e cidades. Explique quais são as relações entre as primeiras atividades agríco- las e a formação de vilas e cidades. 5. A passagem do nomadismo para a vida seden- tária trouxe inúmeras vantagens para os grupos humanos, como o aumento da produção de ali- mentos, graças à agricultura e à domesticação de animais. Entretanto, o sedentarismo também trouxe problemas. Identifique quais foram esses problemas. 6. A sobrevivência em ambientes de clima árido exigia um esforço coletivo das diversas aglome- rações humanas que habitavam essas regiões. Como era organizado esse esforço? 7. As transformações provocadas pela agricultura e pela formação das primeiras vilas e cidades não afetaram apenas os hábitos alimentares e as formas de moradia. Elas também influenciaram a organiza- ção social e política dos grupos humanos sedenta- rizados. Com base nessa afirmação, explique como surgiram os primeiros reis e governantes. Organizando AS IDEIAS Nos primeiros agrupamentos urbanos, a divi- são de tarefas tornou-se mais definida e as des- cobertas tecnológicas, cada vez mais avançadas. Como vimos, essas mudanças levaram à hierar- quização dos grupos sociais e à especialização dos conhecimentos. E hoje, essa especialização profissional ainda existe? Reúnam-se em grupos para discutir essa questão. Um grupo pode pro- curar descobrir quais são os profissionais envolvi- dos no processo de produção e comercialização do “pãozinho” que chega à nossa mesa todos os dias. Outro pode se encarregar da produção de macarrão, do preparo de uma macarronada e de seu consumo em um restaurante. Um terceiro pode pesquisar o cultivo e a comercialização de tomates, ou o processo de produção de frangos, desde sua criação em granjas até sua venda em um supermercado, e assim por diante. Para terminar, montem painéis com desenhos e esquemas para explicar à classe as etapas e os pro- fissionais envolvidos na fabricação, venda e consu- mo desses e de outros produtos. Hora DE REFLETIR Mundo virtual  Museu de Arqueologia e Etnologia (USP) – Página do museu da Universidade de São Paulo, que contém um rico e diversificado acervo arqueológico e etnológico. Além de navegar pelo acervo, é possível se informar sobre ações educativas. Disponível em: www.mae.usp.br/. Acesso em: 2 dez. 2012.  Archnet – Coleção de links de sites de arqueologia do mundo todo. Faça a busca a partir do mapa (site em inglês). Disponível em: http://archnet.asu.edu/default.php. Acesso em: 2 dez. 2012. HMOV_v1_PNLD2015_019a024_U01_C02.indd 24 3/6/13 10:42 AM
  26. 26. 25 Capítulo 3 Nossos mais antigos ancestrais Estudos recentes ampliam ainda mais o debate a respeito de como se deu o processo de povoamento do continente hoje conhecido como América. Pesquisadores encontraram na Colômbia 74 crânios humanos com idades que variam de 3 mil a 11 mil anos. O que chamou a atenção dos cientistas é que muitos desses crânios apresentam semelhanças morfológicas com o crânio de Luzia. Como vimos no capítulo anterior, Luzia é o fóssil humano mais antigo da América, com cerca de 11500 anos. Encontrado em Minas Gerais, seus traços morfológicos são mais semelhantes aos dos aborígines australianos e africanos atuais do que aos dos indígenas encontrados pelos europeus na América. Crânio encontrado no sítio arquelógico Abrigo del Tequendama I, na Colômbia. Com cerca de 11 mil ou 10 mil anos, esse fóssil, assim como outros encontrados na mesma região, apresenta semelhanças com o crânio de Luzia, encontrado no Brasil e datado de 11,5 mil anos atrás (veja a foto e o texto sobre Luzia no capítulo 2, página 20). ElverLuizMayer/Laboratóriodeestudosevolutivosdodepto.deBiologiadoInstitutodeBiociênciasdaUSP,SãoPaulo. Objetivos do capítulo  Apresentar aos alunos algumas das culturas que se desenvolveram em regiões que pertencem ao atual território brasileiro no período anterior à chegada dos portugueses.  Ampliar a noção de sítio arqueológico, conhecendo vestígios, novas descobertas, pesquisas recentes. Leonardo Papini / Getty Images A descoberta dos crânios colombianos sugere que esse grupo tenha permanecido no continente hoje conhecido como América por quase 8 mil anos, tendo convivido com as populações de mongoloides que teriam chegado depois. Essas populações de mongoloides asiáticos são os ancestrais dos atuais povos indígenas brasileiros. Neste capítulo conheceremos um pouco mais algumas das primeiras culturas indígenas que floresceram em regiões que integram hoje o território brasileiro. HMOV_v1_PNLD2015_025a033_U01_C03.indd 25 3/6/13 10:45 AM

×