principios básicos da cultura escolar

284 visualizações

Publicada em

aula sobre os princípios básicos da cultura escolar ministrada por meu mestre Aluísio Menin Mendes, disciplina de pratica de ensino 4, curso de educação física licenciatura, instituto federal do Paraná campus Palmas

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
284
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

principios básicos da cultura escolar

  1. 1. Prática de Ensino 51 Prof. Ms. Aluísio Menin Mendes 4º período – out/2014
  2. 2. Princípios básicos da cultura escolar  Disciplina  Gestão  Controle  Influência  Engajamento  Baseado no livro: AULA NOTA 10 de Lemov, Doug, 2011.
  3. 3. Disciplina  Não é só o contrário de indisciplina;  Processo de ensinar alguém a maneira certa de fazer alguma coisa.  Autodisciplina – necessidade  Habilidade de se obrigar a terminar algo iniciado. Ideia, por exemplo.  Ensinar aos alunos o jeito certo e eficaz de se fazer as coisas.  Ensinar hábitos, comportamentos e não somente conteúdos.
  4. 4. DISCIPLINA  Alguém que aprenda o processo de fazer bem as coisas (estudar), será um aluno bem-sucedido e um cidadão consciente.  Criar sistema de premiação e punição para os alunos. Para desenvolver senso de RESPONSABILIDADE.  CUIDADO: muitas coisas, até óbvias, muitas pessoas não sabem. Regra de 3, onde fica a Turquia, ou se as paroxítonas continuam ser acentuadas. Muitos alunos passam pela escola e não aprendem os movimentos básicos.
  5. 5. Disciplina  Doug McCurry: “ Se eles não estão fazendo o que você pediu, a explicação mais provável é que você não lhes ensinou como”.  Ensinar com disciplina é ensinar o aluno a ser aluno.  Isto requer planejamento. Algo que o brasileiro não gosta e não está habituado a fazer.
  6. 6. Gestão  Reforçar comportamento por meio de consequências. Desenvolver RESPONSABILIDADE pelos atos. Não quero fazer aula, tem que gerar consequências.  Gerir pessoas. Elogiar. Valorizar. Respeitar e fazê-los sentirem-se importantes. Serem bem tratados.  Gestão depende diretamente dos outros princípios.  Professor que tem que aplicar consequências (castigos) cada vez maiores está desesperado.
  7. 7. GESTÃO  Ensiná-los a fazer as coisas do jeito certo. Não basta somente punir porque erraram.  Fazer as coisas porque é o certo e não porque eu receberei imediatamente um prêmio.
  8. 8. CONTROLE  Tem a ver com persuasão.  Ensinar é ajudar as pessoas a pensarem por si mesmas. Controle poderia ser visto como limitante.  Exercer controle pelo professor seria direcionar, conduzir, ganhar tempo.  Controle neste caso tem a ver com educar o indivíduo, solicitar-lhe para que procede de determinada maneira. É muito importante, neste caso, que o professor saiba para onde quer que todos vão.
  9. 9. Controle – tem a ver com disciplina, não com hierarquia  Exemplo:  Caminhando na calçada com filhos pequenos  Na calçada;  Ao atravessar a rua;  Na entrada das garagens.  Controlar, mas permitir oportunidade de liberdade e especialmente de crescimento.  Pedir com respeito, firmeza e confiança.  Trocar o: “fiquem quietos” por “por favor, voltem aos seus lugares e comecem a escrever nos seus cadernos”.
  10. 10. Influência  Influenciar os alunos a tornarem-se melhores;  A querem serem melhores, inspirá-los;  Criar um comportamento positivo;  Fazê-los trabalhar sem precisar estar “vigiando”;
  11. 11. Engajamento  Fazer os alunos concentrarem-se. Canalizar sua energia no que é interessante e relevante.  Estar focado em coisas positivas diariamente pode, num primeiro momento não abster de pensamentos que possam não estar o envolvendo completamente, mas ser constante para que isso ocorra logo.  O que faz o dia todo acaba definindo suas crenças.
  12. 12. Engajamento  As pessoas agem ou são levadas a agir.  Se eles se veem concentrados e o professor elogia isto pode se tornar um bom hábito, porque há produção e progresso.
  13. 13. Metas (posição posterior, alvo, objetivo)  Você já estabeleceu metas para si?  Quantas conseguiu atingir?  Definiu metas a curto prazo, médio prazo (intermediárias) até ela?  O que vai fazer ou fez hoje para ficar mais próximo dela?  Metas muito distantes, permite se perder o foco na caminhada em sua direção.
  14. 14. Metas  Concentrar sua atenção em pequenos passos (a diante) mantém o foco.  Metas diárias, modestas e alcançáveis são necessárias. Quero juntar um dinheiro para viajar e necessito de uma grande quantia.  Algumas situações podemos controlar outras não. Quero ser campeão é muito relativo, pois há outros que querem o mesmo. No que você pode influenciar? Nos juízes, no talento da outra equipe, no desempenho dos adversários, nas intenções do técnico oposto?
  15. 15. Metas  Controlar o que está sob seu controle.  Hoje vou me concentrar em fazer o que para dar mais um passo em direção à minha meta?
  16. 16. Cumprindo as metas diárias  Metas diárias = um passo de cada vez, mas sempre progredindo.  O que você quer como acadêmico, como profissional na área de Ed. Física?  O que vai fazer logo na direção desta meta?  Perseguí-las de modo sistemático e focado é o que faz a diferença entre os que tem ideias e os que tem ideiais e atitudes/ações.
  17. 17. Cumprindo as metas diárias  Pensar como professor em: DE QUE FORMA ESTOU PODENDO MUDAR OU CONTRIBUIR PARA TORNAR A VIDA DAS PESSOAS MELHOR?  Estabelecer datas específicas – escrever (VISUALIZAÇÃO importante);  As vezes o caminhar é mais lento, não desanimar, o progredir é importante.  Quando totalmente concentrado o trabalho rende mais.
  18. 18. Metas diárias  Ao cumprir estas metas que parecem pequenas, gera-se SATISFAÇÃO e auto- confiança;  Se trabalhou pouco um dia não esqueça que precisa se empenhar mais no outro.
  19. 19. Escolhendo o compromisso  Tempo para o trabalho;  Para a família;  Para os amigos;  Para você;  Para se divertir;  Para se desenvolver/ FORMAÇÃO / APRIMORAR HABILIDADES;  Para descansar.  DIA TEM 24 HORAS!  Concentrar o esforço em cada momento na tarefa que está sendo realizada.  Num treino de 2 horas um ginasta passava apenas 15 a 20 minutos.
  20. 20. Compromisso  É óbvio que é preciso descansar e fazer intervalos no estudo e no trabalho.  Ruídos = distrações.  Se o uso eficiente do tempo não é importante para você, então: ESQUEÇA AS METAS.  Por isso as METAS devem ser significativas para você, porque tem que valer a pena o tempo e o esforço concentrado que exigirão.
  21. 21. Escolhendo o compromisso  Você que atingir a meta ou outra pessoa?  Isto te trará alegria e satisfação?  Por que quer fazer isso?  O que ganhará?  O que perderá?  Você acha que o esforço vale a pena mesmo se não houver garantia de resultado?  Importância de TER AMIGOS! Se ver que não vale a pena é muito importante estabelecer outras METAS. 10-10-10
  22. 22. Definindo metas de curto e de longo prazo  Alcançar uma meta curta te faz se sentir COMPETENTE.  Algo que é importante em estabelecer metas curtas é que mesmo imperceptivelmente elas trabalham nossa mente. Imagens positivas, concentração, controle das distrações, relaxamento, pensamento positivo, aprendizado e serve de experiência.  Metas a longo prazo estabelecerão um padrão de comportamento. (INDIVIDUAL)
  23. 23. Definindo metas  Ao escrevê-las num local onde possa visualizar é mais fácil de atingí-las.  Pense no objetivo de amanhã hoje a noite e amanhã de manhã ao acordar. TRABALHE na direção dele.  O comprometimento com as metas é seu com sua consciência. Ao estar formado é seu com sua consciência que atinge a vida de muitas outras pessoas, as mais próximas e as que você não conhecia.  Aumentar o COMPROMETIMENTO com elas é conversar com pessoas de sua confiança.
  24. 24. Fazendo ajustes  Velocidades de caminhadas vão mudando até retrocessos ocorrem isto é natural.  Outras prioridades e urgências podem tomar conta da sua vida  Não cumprí-la não é uma tragédia e não torna o indivíduo um FRACASSO, afinal somos falíveis, somos humanos. Porém, tem que ter trazido APRENDIZADO.
  25. 25. Acreditando em você  Se ver como que tem algo de bom a oferecer as outras pessoas.  1º descobrir isto. O QUE É?  2º trabalhar para APRIMORAR.  3º colocar em prática. TORNAR REALIDADE.  Tenha DIGNIDADE (sou merecedor, trabalhei para isso).  Quando estiver com a moral baixa, olhe para trás e meça quanto evoluiu.
  26. 26. Acreditando em você  Saber aonde que ir (visão)  Querer (compromisso)  Acreditar (autoconfiança)  Estar conectado a próxima meta (concentração).
  27. 27. CONCENTRAÇÃO  Concentrar-se e recuperar a concentração são componentes essenciais para o sucesso, como aluno e como professor.  Sem concentração você não atinge o seu potencial máximo.  A concentração melhora o aprendizado e o desempenho.  Sua atuação depende dela.
  28. 28. Conceito de concentração  Reunir num centro  Condensar  Aplicar num só objeto – (imaginação, sentimento)  A concentração mental é um processo psíquico que consiste em centrar voluntariamente toda a atenção da mente sobre um objetivo, objeto ou atividade que se este fazendo ou pensando em fazer em esse momento, deixando de lado toda a série de fatos ou outros objetos que podem ser capazes de interferir com sua realização ou atenção.
  29. 29. Desempenho diário  Desempenho bom ou ruim está embasado na concentração.  Confiança  Aprendizado contínuo  Comprometimento  Preparo mental  Imagens positivas  Controle das distrações  TUDO ISTO DEPENDE DA CONCENTRAÇÃO, ou a afeta.
  30. 30. Como aprender a concentrar-se  Pense na sua melhor atuação?  Em que você se concentrava nesta hora?  Antes da sua atuação o que fez?  Chegou perdê-la? O que fez para retomar?  Pense na sua pior atuação?  Em que você se concentrava neste hora?  Antes?  O que o manteve desconcentrado?
  31. 31. Significativo – tem que ser
  32. 32. O quão algo é significativo para você?  Meta é manter-se concentrado, positivo e conectado com o que faz.  Não desperdiçar tempo. Manter o foco.  A prática leva a melhora nos níveis de concentração. Aprender a retirar os “ruídos” que distraem.  Não há regra geral, o ideal é aprender consigo.  Ouvir atentamente, preocupar-se em fazer bem feito, fazer melhorias e ajustes. Ver o acréscimo que aquilo lhe proporciona como pessoa.
  33. 33. Considere  Saber que estar concentrado lhe faz render mais. Depende de você.  Respeitar o foco naquilo que está fazendo e encontrar a forma que funciona melhor para você.  Desempenho de qualidade requer que você fique completamente conectado durante a ação e assim que perder o foco recuperá-lo rapidamente.  Seguir o que foi planejado.  Comprometa-se em se manter concentrado.
  34. 34. Terry Orlick, Em busca da excelência, 2009  Ele percebeu que das pessoas que trabalhava (atletas, astronautas, empresários, músicos), o que os tornavam diferentes de outras pessoas e semelhantes entre si eram as habilidades de concentração que possuem e sua perspectiva positiva de desempenho.  Importância de se divertir com o que faz, de sentir prazer, da paixão e do amor ao que exige de você foco.  Eles conseguem afastar as distrações, os medos e dúvidas. Isto ajuda muito a ter sucesso nas tarefas.  Mergulhar de corpo e alma na ação realizada.
  35. 35. Exemplo: Beckie Scott, ouro em Salt Lake City, 2002  45º lugar no cross-country em 1998.  Comprometida  Decidiu dar tudo de si, competir com garra e competir para vencer.  Atletas querem isso. Quando é coletivo é mais difícil, pois a cada dia estamos diferentes.  Por que o atleta quer, ou deveria querer ser melhor?  Por que o professor também precisa?  Para um concurso é uma competição, e depois?  Tem que querer ser melhor, mas ser melhor por que?  Se não tenho oponentes, ou não quero competir com os outros, por que não:  Ser melhor que você foi ontem?
  36. 36. Concentrar a atenção  Ela se tornou uma vencedora constante;  Cada prova com um plano específico;  Decidida a executar este plano;  Persistente ao avaliar sua concentração (escrevendo);  Extraindo lições (o que foi bem feito e o que poderia ter sido melhor);  Planejando agir de acordo com essas lições na próxima competição.  Melhorando continuamente, desenvolveu confiança e sua capacidade de enfrentar dificuldades (muita dor).  O que melhor fizeram juntos foi aprender a lidar com as distrações. Ninguém é imune a elas.
  37. 37. Para melhorar  Espantar os pensamentos ruins:  Gostava do tempo frio (não gostava);  Não estava cansada (estava);  100% determinada a fazer uma grande corrida.  Todos os aspectos foram considerados: treinamento, recuperação, nutrição, psicologia.  O mais importante é a tomada de decisão. Quero fazer!!
  38. 38. O que deu certo?  Inicialmente o processo detalhado e rigoroso de planejar, executar e avaliar (após cada sessão, o que havia saído bem e o que não e ainda o que precisava fazer melhor(lições aprendidas). Toda (TODA) experiência boa ou ruim, jamais era desperdiçada para ser utilizada como aprendizagem. Foi o alicerce.  Quando a mente está junto com o corpo as coisas começar a funcionar melhor.  Fiz isto até ficar automático. Fazer parte do meu comportamento normal.  Vários experimentos competições importantes.  Estava confortável e familiarizada na competição.
  39. 39. Alguns esportes ...  Uns mais que outros;  Por mais tempo;  Tipos diferentes de concentração;
  40. 40. Referência: LEMOV, Doug. AULA NOTA 10. 4ª ed. São Paulo: Da Boa Prosa, 2011. ORLICK, Terry. EM BUSCA DA EXCELÊNCIA. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

×