1
2
Contatos:
EMAIL: robertocriacionismo@hotmail.com
Blog: criacionismo.spaceblog.com.br
facebook: criacionismo unigranrio
O...
3
De: Roberto Neves
“O quebra cabeça da criação”
Gênero:Ciência,Historia e religião
Editora: Clube dos Autores
1º Impressã...
4
Para poder continuar a trabalhar com publicações gratuitas,
decidi aceitar doações, assim aquelas pessoas que lerem e
se...
5
Sumario:
Prefacio_______________________________________5
1º Capitulo : O começo. ________________________11
2º Capitulo...
6
Prefácio.
“A vida é um enorme e completo quebra cabeça, a bíblia
sua capa de referência,para monta La, basta entender a
...
7
ção criacionista, indiferente de as mesmas serem bem ou mau elaboradas
dentro de fundamentos científicos. Por mais óbvio...
8
Lincoln, assim como uma ciência dividida entre a liberdade e a escravidão de
pensamento não podem coexistir.
"Uma casa d...
9
Escrevo esse livro para as pessoas religiosas que não entendem nada sobre
ciência e a historia, ou estão agora divididas...
10
11
Capitulo 1_ “O COMEÇO”.
Por que houve um começo?
Pode parecer uma pergunta tola, mas o fato é que essa simples pergun-
...
12
(Ciência) Os dois caminhos da existência.
1º caminho:
Tudo é material, e tudo provem da matéria.
A ciência clássica diz...
13
dos da mesma, para poderem com isso explicar a existência da matéria a
qual hoje conhecemos.
Devido ao fato de não se p...
14
dados da sonda Wilkinson Microwave Anisotropy Probe (WMAP). Todavia,
parece que nada ainda foi comprovado definitivamen...
15
nal, indo do nada para a existência, assim como se vai do 0 para o 1. Deus
teria que ser o 1º ser existente por vários ...
16
2º-Teoria do principio Racional teológico
Pode ter havido 1º a Deus?
A teogenesis estudo o começo de Deus (Teo= Deus //...
17
EX: CRONNOS,GAIA,SHEVA, E todos os demais deuses corpóreos, não pode-
riam existirem antes de seus corpos, pois todos e...
18
matéria em uma analise a nível atômico, sofre desse processo). Assim po-
demos dizer que a energia útil existente em no...
19
maior registro de informação conhecido pelo homem feito em escala nano-
métrica, de tal maneira que pode ser capaz de c...
20
3º- como tanto o tamanho do universo, como a sua homogeneidade, apon-
tam ambas para uma construção muito velha, assim ...
21
exata do universo, pois a segmentação, ainda criaria o efeito a-
pagão. Se a teoria da inflação, predizer uma expansão ...
22
A cosmologia e o Big Crunch
Algumas perguntas dos cosmólogos são : E depois? Será que o universo
vai realmente acabar? ...
23
cosmólogos desde 2002, e com essa descoberta a hipótese do Big Crunch
sofreu um grande revés.”
http://pt.wikipedia.org/...
24
Ou seja, o big bang gera a energia, e o tempo dentro do espaço causa o
desgaste e o esfriamento da mesma, pois a energi...
25
moleculares se deterioram pela perda de energia entre suas ligação devido
ao não funcionamento celular (celulas mortas)...
26
mente em trabalho o calor absorvido de uma fonte a uma dada
temperatura uniforme.
Enunciado de Kelvin-Planck.
Deste enu...
27
Citações
Disse Arthur Eddinggton:
A lei que afirma que a entropia cresce — a segunda lei da termo-
dinâmica tem, segund...
28
Mas a segunda lei da termodinâmica não faz tais afirmações, pois a entropia
da termodinâmica não mede o aumento ou dimi...
29
pia do magma e das pedras diminuiu, ainda que a entropia de seus ambientes
tenha aumentado.
Ao nível microscópico ou mo...
30
ada à cristalização. Entretanto, no caso endotérmico, esse argu-
mento não pode ser aplicado. Como exemplo: as soluções...
31
11. ↑ Five Major Misconceptions about Evolution - "Evolution violates the 2nd law of
thermodynamics." - www.talkorigins...
32
Ponto final
Observações finais da 2º lei da termo dinamica.
Achei as explicações quanto a segunda lei da termodinâmica ...
33
que a tendência esta para a desordem, o que eles tentam falar é
que isso não é um empecilho para a vida, e dão uma séri...
34
IGINS: How the World Came to Be, série em vídeo, Eden Commu-
nications, EUA, 1983.
3º_ Isaac Asimov - Outra maneira de ...
35
Argumentos Cosmológico
O argumento cosmológico é um dos argumentos sustentados pelos teístas
como evidências para a exi...
36
consideradas efeitos de alguma causa. Tomás de Aquino afirma ser impossí-
vel remontar indefinidamente à procura das ca...
37
Argumento Cosmológico de Leibniz
Este é o argumento formulado pelo grande polímato alemão Gottfried
Leibniz (Leipzig, 1...
38
simplesmente por uma necessidade de sua própria natureza. 2+2=4 sempre
será verdadeiro, 2+2=5 nunca será.
2 – Coisas qu...
39
as condições que permitiram para que o nosso universo fosse da forma que
conhecemos, é largamente reconhecido que numa ...
40
Argumento cosmológico Kalam.
Esse argumento tem sido a atual pedra pontuda no calcanhar do neoateís-
mo, William Lane C...
41
 Toda parte do universo é dependente.
 Se toda parte é dependente, então todo universo tam-
bém deve ser dependente.
...
42
Gostaria de dizer que o ataque de Craig foi fatal para Atkins, pois Craig
usando apenas a Filosofia ( atiradeira), apoi...
43
grego Aristóteles (Estagira, 384 A.C. — Atenas,322 poe-
ta,dramaturgo,filósofo,retórica,política, Físico, metafísico, b...
44
"O menor desvio inicial da verdade multiplica-se ao infinito à medida
que avança."
"O sábio nunca diz tudo o que pensa,...
45
Existe algo realmente infinito?
A partir de agora para as pessoas que possuem uma fé na existência infinita
de Deus, go...
46
as capacidades e ações de Deus teriam que ser existencialmente infinitas,
fazendo supostamente Deus extremamente podero...
47
passado existencial eterno, condena qualquer forma de existência de um
presente real vir a existir.
Quando passamos a a...
48
filme edita a linha de tempo de sua história, Deus pode intervir em nosso
tempo e espaço sem criar um novo universo, ha...
49
infinitas em todos os sentidos), pois a realidade transforma todos os fatos
em ações finitas, mas a mesma realidade não...
50
Existe algo infinitamente divisível?
Não.
Existe alguma coisa que exista que seja realmente infinita?
Provavelmente não...
51
Na verdade não, pois ele é infinito quanto o seu amor, mas as suas
manifestações ainda sim são finitas ,assim também co...
52
de Deus, logo até mesmo a existência do tempo absoluto é contin-
gente a existência de Deus. Todo o tempo inicial é con...
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
O quebra cabeça da criação   roberto neves
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O quebra cabeça da criação roberto neves

354 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
354
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O quebra cabeça da criação roberto neves

  1. 1. 1
  2. 2. 2 Contatos: EMAIL: robertocriacionismo@hotmail.com Blog: criacionismo.spaceblog.com.br facebook: criacionismo unigranrio Obs: Para fazer as doações compre a versão digital do mesmo livro no clube dos autores procurando pelo nome do livro e do autor, lá haverá varias versões do mesmo livro con- tando com doações de diversos valores, sin- ta-se a vontade em contribuir com o nosso trabalho, preciso de toda a ajuda para man- ter a divulgação desse trabalho de forma gratuita a fim de atingir o maior número de pessoas possíveis.
  3. 3. 3 De: Roberto Neves “O quebra cabeça da criação” Gênero:Ciência,Historia e religião Editora: Clube dos Autores 1º Impressão. Ano: 2012 Distribuição em PDF gratuita. Esse livro é uma cópia legal,não podendo ser vendida por meio IMPRESSO ou de DOWNLOAD por nenhum site exceto aqueles que o Clube dos Autores liberar a sua venda, pois o autor do livro O Quebra Cabeça da Criação, Roberto Fabrí- cio Abrahão Neves, libera completamente a sua distribuição gratuita até o ano de 2017, podendo o mesmo ser usado como fonte de pesquisa e referencia BIBLIOGRÁFICA de forma gratuita desde que conste o crédito da publicação ao mesmo livro e autor da obra, a sua distribuição digital está totalmente gratuita, podendo o mesmo ser corretamente traduzido para qualquer idioma e distribuído gratuitamente pela internet, e apenas estamos permitindo a venda da sua versão impressa ou digital pelo Clube dos Autores para fins de doação a continuação de mais trabalhos.
  4. 4. 4 Para poder continuar a trabalhar com publicações gratuitas, decidi aceitar doações, assim aquelas pessoas que lerem e se sensibilizarem com esse trabalho de esclarecimento público e gratuito poderão ser contribuintes desse nosso trabalho, esse é o motivo pelo qual deixei também a venda esse trabalho no Clube dos Autores, tendo o mesmo livro vários preços diferentes para um mesmo produto final. Assim eu estarei aceitando doações nos valores de 10,20 e 30 reais nas distribuições digitais pelo clube dos autores, tendo um lucro de apenas 10,00 reais na compra do livro impresso pelo clube dos autores.
  5. 5. 5 Sumario: Prefacio_______________________________________5 1º Capitulo : O começo. ________________________11 2º Capitulo: Realidade, Programação e Morte _______81 3º Capitulo: O poder da mente.___________________202 4º Capitulo: O DNA é a prova máxima da criação ____226 5º Capitulo: O fim._____________________________247 6 º Capitulo: O laço do sapato___________________269 7º Capitulo: História da teoria da evolção__________299 8º Capitulo: Religião___________________________414
  6. 6. 6 Prefácio. “A vida é um enorme e completo quebra cabeça, a bíblia sua capa de referência,para monta La, basta entender a capa e analisar as sua peças. “ Roberto Neves. Tudo que hoje existe, ou existiu, certamente teve um começo em algum lugar da historia , e esse começo deixou marcas muito profundas que per- manecem até os dias atuais, pois o começo da existência e da vida, teve o seu inicio, e esse início é um fato histórico e físico, e certamente possível de se comprovar. O começo de qualquer fato tende a ser relatado, e o maior e principal relato da humanidade é a bíblia, ao qual diz que Deus realmente criou tudo o que existe. esse relato será posto a prova com relação a sua veracidade histó- rica, científica e religiosa. Hoje em dia a ciência não aceita fatos científicos aos quais o nome de Deus seja usado. Qualquer expressão cientifica com uma abordagem criacional, e academicamente é eliminada por puro preconceito,pois a ideia de haver um Deus criador parece assustar os cientistas ateístas,aos quais criaram meios legais dentro da ciências acadêmica, para poderem excluir qualquer publica-
  7. 7. 7 ção criacionista, indiferente de as mesmas serem bem ou mau elaboradas dentro de fundamentos científicos. Por mais óbvio que venha a ser a verda- de, uma vez que a mesma supostamente venha a ser atribuída a Deus (O Criador ), ela será excluída, e qualquer pessoa que defenda a existência de Deus, será tido como ignorante religioso, fanático e preconceituoso, e nenhum debate aberto será visto positivamente por esses grupos de domi- nadores e escravocratas da liberdade científica. No começo esses grupos escravocratas e pseudo científicos faziam debates, mas na época eles eram a minoria, mas com o passar de quase dois séculos, hoje eles são a maioria, quase que de forma absoluta no meio acadêmico, e por serem a maioria, eles não querem aceitar uma opinião externa, agindo como escravisadores da ciência, pois são hoje como um leão morto pela verdade, onde em seus caminhos sobram a falta coerência científica, pois as respostas de pesquisas da verdadeira ciência deixam claro que a verdade apontam para uma obra, planejada e executada por alguém,por isso eles evitam a todo o modo entrarem em debates aos quais eles sabem que irão perder, pois eles sabem o quão frágil é a sua Pseudociência, pois eles mesmos sabem que não há como defende-las com a clareza dentro do racionalismo, o que as evidências apontam! Pois os fatos científicos estão se acumulando dia a dia contra a teorias de origem do caos, pois nunca a desordem pode gerar ordem, assim como o nada não pode produzir o tudo o que considerarmos hoje como ser existente. Sei que este livro por melhor que venha a abordar a ciência em sua pura essência racional, nunca será aceito como um livro científico pela comuni- dade acadêmica científica, pois a ciência secular rejeita a opção de haver um Deus criador, ainda que o próprio Deus apareça fisicamente, ela ira dizer que não o reconhece, não o viu, e que todos as provas são ilusões, por isso sim nosso livro será considerado religioso para eles, mas para você caro e sincero leitor, esse livro será a mais pura expressão da liberdade científica. A liberdade de pensamentos é um dos direitos ao qual muitas pessoas procuram impedir, e nem mesmo dentro da academia de ciência esse pro- blema deixou de acontecer, quando Abraham Lincoln em seu discurso sobre A CASA DIVIDIDA em 16 de junho de 1858, disse que a casa dividida não pode permanecer, ele lutou pela liberdade de todos os homens, contra todas as formas de escravidões. Assim sendo, declaro que a ciência tem que ser totalmente livre, e ser guiada por pessoas livres de barreiras acadêmicas, "pois uma casa dividida contra si mesma não pode subsistir" disse Abrahan
  8. 8. 8 Lincoln, assim como uma ciência dividida entre a liberdade e a escravidão de pensamento não podem coexistir. "Uma casa dividida contra si mesma não pode subsistir" Eu acredito que este governo não pode suportar [o país], permanentemente, metade escravocrata e metade livre. Não espero que a União se dissolva - Eu não espero que a casa caia - mas eu espero que deixe de ser dividida. Ela irá se tornar uma coisa só, de uma forma ou de outra... ...tenham tentado inserir na ementa uma declaração de poder ilimitado ao povo de um Estado para excluir a escravidão de seus limites... "mais vale um cachorro vivo do que um leão morto..."" Abraham Lincoln 1858 O objetivo básico desse nosso livro, é literalmente, mostrar que o Deus descrito na bíblia sagrada, pode ser o criador de todas as coisas, e que todo o que há no universo são provas reais de que ele existe, e controla toda a existência atual conhecida pela humanidade com base em fatos históricos, de forma científica e ética. O nosso trabalho possui um caráter científico, histórico e religioso também, este livro não é uma doutrina, nem tão pouco procura se mistura com a religiosidade ou dogmas humanos, mas como se trata de um livro que se fala sobre Deus, sua existência e criação, usaremos puramente as passagens bíblicas, e conotações da mesma de forma racional, a fim de darmos um esclarecimento necessário a sua leitura . O nosso livro, explicara ao máximo os detalhes principais por ele abordados, a fim que o caro leitor, entenda objetivamente todo o conteúdo abordado. Para desenvolver um censo crítico, maduro e objetivo sobre esse tema. Espero sinceramente que ao lerem este livro, tenham um aumento significa- tivo de sua analise crítica para toda a sua vida, creio que as analises nele contida, são de extrema relevância, e que servem de base para uma reflexão de possibilidades reais e racionais, as quais irão mudar decisivamente a sua analise e percepção do mundo ao qual os rodeia.
  9. 9. 9 Escrevo esse livro para as pessoas religiosas que não entendem nada sobre ciência e a historia, ou estão agora divididas entre a bíblia e a ciência secu- lar. Também para Pessoas ateístas mas racionais, as quais amam a pura ciência, e estão dispostas a se auto questionar sobre os caminhos onde a má ciência podem-lhe levar, e se permitam pensar sobre a possibilidade de haver um Deus por traz de todas as maravilhas encontradas no universo. Aos Ministradores da palavra de Deus,espero poder enriquecer o vosso entendimento sobre o como é bom e prazeroso o conhecimento científico verdadeiro, e o como há fatos históricos e inegáveis que apoiam o evange- lho. Espero que todos que amam o conhecimento e a verdade, indiferente de sua religião, sexo, cor , nacionalidade, cultura, educação ou opção doutrina- ria leiam este livro como uma ferramenta a serviço da verdade e da liberda- de. Obs.: O livro se divide em vários tipos de analises, para cada argumento ou capitulo, Que compreendem analises científica, filosóficas, histórica e religiosa. “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.” Isaias 55-8 e 9
  10. 10. 10
  11. 11. 11 Capitulo 1_ “O COMEÇO”. Por que houve um começo? Pode parecer uma pergunta tola, mas o fato é que essa simples pergun- ta,molda a cultura de todas as civilizações, pois ela nos leva há uma simples e objetiva resposta. De que certamente houve um começo para tudo, e nos da o nosso real papel dentro da historia e da vida. Alguma coisa teve que acontecer anteriormente a nossa existência! para que o fato de existirmos se torne plausível, e também esse mesmo fato, nos deve levar nitidamente a entendermos do por que estarmos presentes dentro de um universo. Com esse principio básico de pergunta, todo o contexto adiante será formulado a nos levar a uma narrativa direta ao centro de cada sociedade, dando o exato tempo ao qual o mesma se encon- tra, e as suas características mais marcantes para com o contexto abordado. Sabemos que existem centenas de versões diferentes sobre a existência da vida e do universo, as quais as mesmas, apresentam varias formas e meto- dologias diferentes a fim de explicar essa simples mas emblemática pergun- ta, que vem fascinando a mente humana desde o começo de sua própria consciência, mas todas as explicações passam por pelo menos um desses 2 caminhos, que é o caminho da “materialidade absoluta” e o caminho da materialidade parcial, aos quais abaixo serão apresentados. “NO princípio, criou Deus os céus e a terra.” Genesis 1-1
  12. 12. 12 (Ciência) Os dois caminhos da existência. 1º caminho: Tudo é material, e tudo provem da matéria. A ciência clássica diz que o começo da existência do universo está na matéria, e para se provar isso, muitos homens ao longo da historia moderna e contemporânea da humanidade, afirmam que para se saber o começo de tudo, basta se entender profundamente sobre o que é a matéria em toda a sua estrutura e dimensão. A matéria é sem duvida o elemento que nos constitui, e também o único elemento perceptível que podemos provar que exista, pois a matéria pode ser medida, e por isso é cientificamente comprovada. Pelo fato da matéria ser cientificamente comprovada, a ciência procura remontar toda a existência da humanidade com base em analises sobre a matéria e o seu comportamento, usando estudos científicos em varias áreas da ciência, entre essas áreas está a astronomia, química, física , matemáti- ca,biologia e as demais ciências exatas as quais juntas, formam o conheci- mento secular da nossa ciência. Como a ciência clássica é materialista, ela não pode encontrar tecnicamente o principio da matéria de forma cientificamente comprovável, devido a esse problema ela procura uma resposta em novas formas de matérias, ou esta-
  13. 13. 13 dos da mesma, para poderem com isso explicar a existência da matéria a qual hoje conhecemos. Devido ao fato de não se poder dizer o como a matéria surgiu do nada, e acreditar tranquilamente que foi realmente fácil a matéria existir, a ciência atual tem procurado vários caminhos teóricos para explicar o como surgiu a matéria. Entre eles está a busca da anti-matéria, e da existência de univer- sos paralelos, remontando em algumas das vezes, a teoria do big bang. Mas vale se lembrar que esse caminho é apenas uma procura de explicações para o surgimento da matéria, uma vez que não se pode dizer que a matéria simplesmente sempre existiu. Assim esse caminho nada mais é do que uma área “mística” da ciência clássica. Segue abaixo um pequeno documentário: “Universos em bolhas. Ilustração acima na 2° imagem. Atualmente, pesquisas revolucionárias no campo da astronomia e da cosmo- logia estão sendo feitas. As do universo cíclico, sugerem que o nosso é apenas um dos muitos que vieram antes dele. Agora, uma nova descoberta de que nosso cosmos coexiste com outros, pode estar em progresso. Segundo informações do site Technology Review, pesquisadores da Univer- sidade de Londres basearam-se no modelo da inflação eterna - seríamos parte de um multiverso maior, e que se expande infinitamente, para buscar indícios de que nosso universo estaria contido em uma espécie de bolha cósmica e existiria ao lado de muitos universos contidos em suas próprias bolhas. Se essa teoria estiver correta, pode ser que nosso universo tenha colidido com outros no passado e essas colisões teriam deixado traços nas micro- ondas cósmicas do Big Bang. Os pesquisadores buscaram essas evidências e dizem tê-las encontrado em
  14. 14. 14 dados da sonda Wilkinson Microwave Anisotropy Probe (WMAP). Todavia, parece que nada ainda foi comprovado definitivamente, mais análises serão levadas adiante, principalmente informações da missão Planck serão pes- quisadas. Nora do Diariodo Mearim com dados da Revista UFO:Em novembro, cientis- tas do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) e do CERN (Orga- nização Europeia para a Pesquisa Nuclear) assumiram estar em busca de outras dimensões e, no início de dezembro, outro grupo divulgou haver três vezes mais estrelas no universo.” http://www.ufo.com.br/noticias/estudo-pode-ter-encontrado-evidencia-de- universo-paralelo/ Como assim podemos ver, é necessário se buscar uma explicação em algo, ou lugar extraordinariamente inusitado, pois a realidade prescrita, é incom- patível com a ciência clássica idealizada, pois os meios científicos padrão de analises confirmam que o universo não é fruto das leias naturais já existen- tes, pois as mesmas leis, não podem dar origem a si mesmas. 2º caminho: Nem tudo é matéria, e a matéria vem de algo não material. Em um tempo antes da existência do tempo e do espaço, antes de haver matéria, ou o seu principio ativo, muito antes de se pensar em qualquer forma de vida, seja ela física ou espiritual, exatamente no principio da existência da consciência, lá, exatamente lá, esta o começo de tudo, e antes disso nunca houve nada. E o nada foi absoluto até que o verbo da vida (Deus) passa-se a existir. “Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.” Apocalipse 22-13 Assim tudo começou, do nada para o 1º e único Deus, antes de Deus é o nada, e tudo o mais, vem por ele a ser feito, respeitando a lógica da existên- cia, e a ciência maior da existência primordial, dentro de um principio racio-
  15. 15. 15 nal, indo do nada para a existência, assim como se vai do 0 para o 1. Deus teria que ser o 1º ser existente por vários fatores lógicos, vejamos alguns deles. 1º-Teoria da ordem crescente. Como vimos acima, é necessário haver em 1º lugar a inexistência, para só a partir daí haver a existência, sempre indo do nada para o principio, ou seja do 0 para o 1. Quando respeitamos essa ordem, sabemos que temos algo possível de haver, e a partir daí entendermos sobre o começo da existência. Qualquer teoria que começa de um ponto acima do ponto 0, nunca será uma teoria de principio existencial, ou criativa, não há nenhum problemas em começar uma teoria sem a existência de Deus, baseando no caos, ou no acaso, contudo ela tem que ter sua base vindo de um principio 0, e a partir daí apresentar o primeiro ponto, que é o ponto 1. Parece uma delonga exagerada sobre uma coisa tão simples, dizer que temos que começar a partir de um ponto 0, mais saiba você que a maior teoria cientifica sobre o começo do universo parte de um ponto bem acima do 0, na verdade! Essa teoria começa de um ponto bem maior que o nosso ponto de existência atual. Pois a teoria do Big Bang, começa com uma quantidade inicial de energia útil ( matéria)muito maior que a quantidade atual da mesma, pois a energia útil sempre se reduz com o tempo e a ação, então dentro do uni- verso não pode haver crescimento de energia útil , só a sua perca. Mais a frente explicaremos melhor sobre isso, mas a principio iremos nos fixar em como é possível haver vida, havendo um Deus para a cria La.
  16. 16. 16 2º-Teoria do principio Racional teológico Pode ter havido 1º a Deus? A teogenesis estudo o começo de Deus (Teo= Deus // Genesis = começo, nascimento, principio), Sendo Deus o começo, temos que buscar entender o por que de haver um Deus inicial, sendo ele mesmo o princípio exato da existência, para isso a sua existência teria que ser a mais simples de todas as formas de existência, e o mesma existência não poderia a principio vir de outro princípio, pois ai ele não seria o princípio, e nem poderia existir, pois como um princípio aleatório geraria algo, para esse algo gerar aleatoriamen- te Deus, assim existir algo antes de Deus é impossível, pois a ideia de haver algo anterior a Deus,faz com seja impossível haver Deus, pois todos os processos lógicos que geram a existência teriam que derivar a Deus a sua própria vida, e assim tudo se torna complexo demais para que haja algo vindo antes de Deus, assim Deus em si mesmo é principio de toda a existên- cia, e realmente o primeiro e único Deus, mas já não importa como come- cemos o entender o princípio, mas sabemos que o princípio foi antes da existência física, pois o principio físico não pode ter sido o 1º principio. Deus é o único ser, e também a única forma existencial capais de poder se o principio. Veja alguns fatores abaixo. 1º Fator- Como Deus é um verbo (ação), ele é uma forma existencial absolu- ta e independente, Deus não requer de um sistema ambiental para existir, e nesse ambiente viver, não precisa nem de espaço ou tempo, não necessita também de matéria ou qualquer outra forma limitava para se manifestar, Deus é a forma de vida mais próxima com a aparência do nada, e sobre essa sua forma, gerou a existência da forma e da vida, e junto com ela, todas as demais estruturas que as compõem. Como dito no começo, a independência de Deus de fatores externos, o dá a possibilidade de ser o principio real de todas as coisas. Em nenhuma outra cultura ou religião alem da Judaica e a Cristã, apresenta-se com um Deus semelhante e capaz de ser o principio, pois em todas as demais culturas Deus é um corpo, e logo está sujeito aos fatores de coexistência previa da matéria,do tempo e do espaço. “Ora ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus, seja honra e glória para todo o sempre! Amem.” 1º Timóteo 1-6
  17. 17. 17 EX: CRONNOS,GAIA,SHEVA, E todos os demais deuses corpóreos, não pode- riam existirem antes de seus corpos, pois todos esses Deuses estavam presos ao corpo(matéria) tempo e espaço, pois só na bíblia existe um Deus incorpóreo, e também separado do tempo e do espaço, e devido a isso, com atributos suficientes de existir independente de fatores externos. 2º fator- Devido a complexibilidade das coisas existentes em nosso universo, e põe complexibilidade sobre complexibilidades, que vão desde a formação da energia da matéria, a estruturação da mesma, o nosso universo não poderia ter vindo do nada absoluto para um universo existente, assim como se afirma pela ciência tradicional. Pois seria como dizer que uma mansão pode surgir do nada, e dentro dessa mansão existe uma Ferrari e uma lancha de passeio, sem contar também em sua mobília completa e ademais aparelhos domestico nela contido, e ambas as coisas surgiram por esponta- neidade, como em passe de mágica, ( se bem que mágica requer mago), e no nada, não existe mágico algum. Pode parecer uma ofensa no que vou dizer agora, mas a teoria da ciência sobre o começo da existência a partir do big bang é irracional, pois para haver um big bang, teria que ter havido o surgimento de matéria vinda nada, pois como dito acima, tudo começa do nada, o principal problema é que matéria não pode surgir do nada, pois a mesma indiferente da forma que se apresente, não pode surgir nem se multiplicar, pois a matéria é uma forma de energia que se desgasta, e o próprio big bang em teoria, foi um gasto de energia em sua explosão(expansão), e tanto durante, como após essa explosão do big bang, todo o universo, tem perdido energia de transfe- rência. A cada segundo, os corpos perdem sua capacidade de transferência de energia, igualando sua temperatura (ex: você aquece a água em uma panela,pois fornece calor para a panela, a panela transfere calor para a água, ai o gás do fogão acaba, o metal para de ser aquecido, a água e o metal começam a igualar a sua tempera com o ambiente, assim a tempera- tura de ambos os objetos começam a se igualar, no universo o processo é o mesmo, tudo tende a igualar a sua temperatura com o espaço, e toda a
  18. 18. 18 matéria em uma analise a nível atômico, sofre desse processo). Assim po- demos dizer que a energia útil existente em nosso universo atual, é menor do que antes do big bang, pois sem o esfriamento da matéria gerada em forma de pura energia, não haveria matéria (elementos químicos como o hidrogênio) que supostamente formaram as estrelas que gerariam o univer- so com todos os elementos da tabela periódica . Se o universo é energia, e o nosso universo em nível energético é menor do o que universo antes do big bang.Então Como um universo maior que o nosso existiu vindo do nada, sendo que nem um só átomo possa vir do nada. Logo a teoria do big bang é explicitamente mentirosa, pois se sabe que o principio é impossível. Com isso a sua escala progressiva sobre o BIG BANG seria assim. 0 e depois 1.000.000.000-1.000.000.001 – 1.000.000.002 - e assim por diante, saindo do zero para uma sequencia de números bilionários, sem respeitar a ordem crescente natural que é 0,1,2,3,4,5, etc.. Pois a energia da matéria ou qual- quer subdivisão da mesma não poderia surgir espontaneamente, devido a sua ordem estrutural, qualquer elemento físico está totalmente impossibili- tado de surgir do nada, pois as estruturas físicas não podem vir do nada por meio de ações casuais, pois se presume que algo anterior a matéria deveria existir, para ai então existir a matéria. “O qual é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; Porque nele foram criadas todas as coisas que há, nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades: tudo foi criado por ele e para ele; E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele;” Colossenses 1-15 ao 17 3º fator- Após vermos a necessidade da escala progressiva para a existência (0,1,2,3,4,5 etc....) vemos que Deus foi o 1º, e se crermos nisso, também saberemos que Deus não criaria um big bang e esperaria para ver o que ia dar, imagine Deus esperando 9 bilhões de anos para ver a vida se forma, e mais 5 bilhões de anos para ela se desenvolver,sendo que ele a fez em toda a sua grandeza em seis dias , e o pior, para que haver um big bang, quando há um arquiteto,então é obvio que ele construiria um universo assim como um pedreiro constrói uma casa. Passo a passo, se preocupando com cada detalhe, e são os detalhes existentes dentro do universo que provam a existência de um construtor, a própria vida é um registro de programação dentro dos genes, previamente construído dentro de uma escala programa- da,e é o programa construído dentro das células, ao qual chamamos DNA, o
  19. 19. 19 maior registro de informação conhecido pelo homem feito em escala nano- métrica, de tal maneira que pode ser capaz de conter dados para formar um ser complexo com mais de 200 estruturas celulares diferentes a partir de uma célula inicial, e sem falar em todas as demais estruturas que a envolve uma obra da engenharia divina, que programam a vida , e que provam que o universo é uma criação. A vida é mantida contra todos os empecilhos existentes dentro do universo. Assim sei que o principio de tudo aponta para um Deus, que gerou para nós um planeta que nos protege, e graças a proteção que recebemos dentro do universo, a sintonia de processos necessários para a formnação de matéria e a a vida, me dão a clara certeza que tudo o que temos como existencia não foi gerado por uma sequencia de atos contigentes e acasosais impossíveis de acontecerem.Assim sem Deus seria impossível haver qualquer coisa, pois só a partir dele é que se pode haver existência. 4º fator- Quando pensamos no universo, vemos um enorme espaço criado, o tamanho total do universo é dito pela ciência atual com um tamanho total de 156 bilhões de anos Luz, e que a luz da explosão inicial se moveu pelo menos 78 bilhões de anos luz para chegar até nós, o que gera sérios pro- blemas para a teoria evolutiva e do big bang. 1º - as escalas atuais são muito maiores do que se pensava antigamente, que o tamanho total seria de 27,4 bilhões de anos luz. o que faz com que tecnicamente o universo tenha que ser mais velho, e um universo mais velho é inadmissível,pois requer um novo calculo em todas as áreas de estudo, e geraria problemas com a 2º leia da termodinâmica por causa do aumento da entropia, e muitas outras coisas obvias para serem repensadas que iriam desfragmentar as teorias ateístas por completo. 2º-Se esperava de acordo a com teoria inicial do big bang, que o universo fosse bem menor do que realmente é, e alem disso, que houvesse estágios de construção em cada área de sua expansão, para poder assim, vir se moldando com o tempo. mas na verdade o universo é homogêneo ( total- mente idêntico), e por isso tudo demonstra estar pronto de uma única vez, não havendo etapas. o que me faz lembrar o que está escrito na bíblia, que tudo foi feito de uma só vez . " por isso existe a teoria da inflação do univer- so proposta pelo renomado cientista Alan Guth em (1981) que é professor e pesquisador do Massachusetts Institute of Technology. Para com essa sua teoria explicar o como a homogeneidade do universo veio a ser possível ."
  20. 20. 20 3º- como tanto o tamanho do universo, como a sua homogeneidade, apon- tam ambas para uma construção muito velha, assim tudo que já se elaborou entra em sérios problemas, pois requerem mais tempo de existência, mas ai está o grande problema, pois não se pode dar mais tempo a nada. pois existe impossibilidades ao querer se dar mais tempo de vida ao universo, e dizer por exemplo que o universo seja mais velho, com certeza o universo tem que ser mais velho que 13,7 bilhões de anos, devido ao seu tamanho e a velocidade de expansão atual o qual dizem que o universo está crescendo "expandindo" mais rápido, esses dados fazem com que as medições atuais estejam defasadas com a realidade por eles elaboradas anteriormente, pois os fatos anteriores deixavam claro que o processo que fez o universo seria um ato de expansão de alta energia, que com o tempo em um espaço frio provocar-se-ia uma desaceleração gradativa, e graças a desaceleração as forças de efeitos de atração entre matéria passariam a agir, e os átomos poderiam com esse fato se formarem, e com isso formar todo o universo. A) Nada pode se mover mais rápido do que a luz, por isso se formu- lou a teoria da inflação cósmica, a qual pode até permitir que o espaço do universo seja maior, e feito praticamente de uma só vez , mas a matéria dele contida não pode ser mesmo assim le- vada a uma velocidade maior que a da luz. É como dizer que a luz pegou carona na expansão e assim se propagou mais rápi- do,usando a sua velocidade mais a velocidade da expansão. a teoria da inflação apesar de aceita e apoiada pela comunidade cientifica, é fisicamente impossível de ser provada, pois de ma- neira real, a luz tem de fazer sua trajetória em sua velocidade máxima,e a velocidade atual de expansão do universo é maior do que quando a mesma foi calculada pela 1º vez. o que faz com que a inflação nunca tenha havido, alem do que, a expansão in- flacionaria provocaria o efeito de apagão, pois a luz seria cortada pelo espaço, assim, obviamente haveria pontos cegos, onde a luz não está, devido a inflação, imagine a luz como um cabo de ener- gia elétrica continuo, se o cabo for cortado, e removido para um ponto mais a frente conservando a sua energia, teremos energia mais rápido nesse outro ponto, contudo, esse cabo foi cortado para ir mais a frente com a energia, uma vez que acabe a energia desse cabo, haverá um apagão, até que a luz venha novamente, pois a expansão segmentou a luz, ou energia, fazendo com que a mesma se move se segmentada, dado o tamanho do universo a- tual, com o seu tempo calculado,não poderíamos ver a distância
  21. 21. 21 exata do universo, pois a segmentação, ainda criaria o efeito a- pagão. Se a teoria da inflação, predizer uma expansão uniforme, a luz será diluída pelo espaço, e certamente, o universo seria ex- tremamente homogêneo. Mas com pouquíssima energia. B) Como o universo ta se expandindo mais rápido a cada momento, logo ele não desacelerou como afirmava a teoria do big bang. e assim inviabiliza a teoria da inflação, e da perca de aceleração necessária para se forma o universo atual. C) Como os dados atuais como dito aumentam, o tamanho total do universo, logo tecnicamente, toda teoria do big bang está neces- sitado de revisão, revisão essa que está sendo feita enfiando no- vas teorias fisicamente impossíveis, como a da inflação do uni- verso. Os fatos de apoio. 1º-O único fato que apoiava a teoria do big bang era a suposta expansão desaçelerativa causada pela gravidade junto com o aumento da entropia sobre o universo gerando o (big crunch). o que1º geraria a não homogenei- dade do universo, a qual não foi encontrada em pesquisas recentes, que pelo contrario, o universo é realmente homogêneo. 2º- o tamanho do universo é maior do que se esperava, assim tudo deveria levar mais tempo do que se foi dito, e com isso se rever todos os cálculos físicos já conhecidos, lançando novos e maiores problemas, em vez de soluções para os mesmos que já haviam antes. 3º o universo tem uma real expansão acelerativa. o que é tecnicamente impossível par a o big crunch. leia matéria abaixo que fala do mesmo fato na Wikipédia. “O Big Crunch, ou em português, o Grande Colapso, é uma teoria segundo a qual o universo começará no futuro a contrair-se, devido à atração gravita- cional, até entrar em colapso sobre si mesmo. Essa teoria suscita um mistério ainda maior de se analisar do que o Big Bang.
  22. 22. 22 A cosmologia e o Big Crunch Algumas perguntas dos cosmólogos são : E depois? Será que o universo vai realmente acabar? Ou será que continuará a expandir-se para sempre até esfriar-se totalmente e se tornar um Universo de escuridão? Ou será que ainda continuaria num ciclo eterno de Big Bangs e Big Crunchs? O princípio da elasticidade gravitacional Até 1998 pensava-se que a velocidade com a qual as galáxias se afastam deveria diminuir com o tempo devido à atração gravitacional entre elas. A este princípio alguns astrofísicos chamam de "memória elástica" uni- versal. Pesquisas mais recentes (1998), baseadas em observações de supernovas extremamente distantes, comprovaram que a aceleração da expansão do universo é positiva, o que significa que a velocidade com a qual as galáxias se afastam umas das outras está aumentando, e não diminuindo como seria de se esperar pela atração gravitacional. Isso significa que o Universo está se expandindo cada vez mais rapidamente, acelerando, e os cosmólo- gos não veem como essa situação poderá ser revertida. Para explicar este fato, novas teorias gravitacionais estão sendo formuladas, implicando noções como matéria escura e energia escura. A evidência da aceleração da expansão do universo é considerada como conclusiva pela maioria dos
  23. 23. 23 cosmólogos desde 2002, e com essa descoberta a hipótese do Big Crunch sofreu um grande revés.” http://pt.wikipedia.org/wiki/Big_Crunch logo os problemas tenhem mostrado que a mesma teoria do big bang tem serios problemas existencias, mas uma coisa eu tenho que admitir, mesmo com todos os contras, eles tenhem fé de que tal teoria seja possivel. vale se lembrar tambem que esses problemas deles, trazem apoio ao que está escrito na biblia, que todas as coisas foram feitas de uma só vez, que o tamanho de toda a criação de Deus é imensuravel , e que o movimento de expansão acelerativa certamente não foi fruto de um big bang, uma vez que para ter havido o big bang, e do big bang ter ser surgido as estrelas e planetas, tudo dependeria da gravidade, a qual geraria a desaceleração do movimento de expanção continuamente,ate forma um big crunch, ou um universo estatico,ou com expanção continua e uniforme, mas nunca com aceleração positiva e crescente, pois isso dissolve completamente a teoria classica de formação das estrelas e da materia pesada (elementos com maior numero de massa atomico) do universo, até mesmo areas onde supostamente não poderia se haver estrelas com elementos quimicos pesados (lítiun), já se encontrou tais estrelas com esse materiais em areas de espaço onde a teoria do big bang só aceitaria estruturas de estrelas formadas por Hidrogenio e Hélio 4º-Apenas a luz de fundo ( eco do big bang) é que até o então momento esta de pé, assim como os idealizadores da teoria previam, contudo a luz de fundo pode existir por outro motivo, causa e razão completamente opostos a teoria do big bang. Uma vez que como dito acima, as ações sequenciais planejadas e idealizadas não são compativeis com as registradas. Simplificação da teoria do Big bang, com relação a 2º lei da termodinamica para esclarecimento do assunto! Imagine a materia inicial do big bang sendo agua em forma de gelo seco (massa do big bang), e derepente esse gelo extremamente seco explode em forma de luz (explosão que libera energia básica que vem a forma os atomos), esse luz se esfria no espaço formando um vapor (os primeiros atomos), esse vapor forma nuvens (estrelas que ao explodirem) com densidades diferentes, geram agua ( materia solida em seu núcleo), a água se espalha e se esfria no fim virando gelo ( esfriamento da matéria) formando planetas e satelites, que se esfriam mais e mais a cada dia.
  24. 24. 24 Ou seja, o big bang gera a energia, e o tempo dentro do espaço causa o desgaste e o esfriamento da mesma, pois a energia se torna materia fria com o passar do tempo devido o aumento da entropia, e a materia por prcessos de fusão, formam as estrelas que logo começam a gerar novos elementos quimicos. A teoria da formação dos elementos químicos presentes em todo o universo, estudados inicialmente no ensino médio, ao usarmos a tabela periodica, vem do principio de que uma grande quantidade de energia pode gera uma pequena quantidade de matéria, e uma pequena quantidade de matéria uma enorme quantidade de energia, assim energia gera matéria, e materia gera energia em proporções quantitativas opostas. Podendo assim com o gastos de energia haver mais de 200 tipos de elementos químicos naturais em todo o universo, e muitos outros possíveis de serem feitos em laboratórios. - A 2° lei da termodinâmica prediz que o calor (energia termica), passa sempre de um objeto mais quente para um objeto mais frio aumentando a sua entropia em sistemas fechados, e que quanto maior for a energia, maior será a sua entropia, sendo que a entropia em sistemas fechados tende sempre a aumentar dado a quantidade de interações atomicas possiveis entre os elementos atomicos (quanto mais matéria, mais interação), fazendo com que por exemplo o gelo derreta em um copo de água, e depois se evapore, indo de um estado de interação entre suas particulas agrupados para um estado diferente de menor agrupamento, nesse caso aumentando a orbita do seus eletrons até gerar o seu despreendimento quimico, saindo da forma H2O em estado sólido, para H2O liquido, formando vapor de agua e se desprendendo seus atomos até formar simplismente, H,H,O (hidrogenio e oxigenio) pois nesse caso, o gelo recebeu energia do meio externo até se desprender. Outra explicação bem comum sobre a 2° lei da termodinamica é que a (entropia = desordem) sempre tende a aumentar, e que por isso os objetos estão sempre se desgastando com o tempo por aumentar a entropia, o carro esta estragando, o concreto do asfalto, a bateria do carro perdendo sua energia, e todas as demais coisas estão o tempo todo se deteriorando pela perca de sua energia atomica, assim como vimos no caso da água, onde o calor promoveu a mudança da forma da água, assim tambem a perca de energia muda a forma dos componentes atômicos, um bom exemplo aconteçe quando morremos, onde as nossas estruturas
  25. 25. 25 moleculares se deterioram pela perda de energia entre suas ligação devido ao não funcionamento celular (celulas mortas), logo vemos que toda a estrutura de nossos corpos retornam ao pó, indo de um estado de ordem (estrutura orgãnica) para um estado de desordem (estado inorgãnico) de forma rápida, pois não há mais energia para manter as suas estruturas atómicas unidas, e logo ela começa a se desfazer. CONTRA ARGUMENTAÇÃO AO CRIACIONISMO. "Enunciados da 2° lei da termodinamica. A segunda lei da termodinâmica tem sido expressada de muitas maneiras diferentes. Sucintamente, se pode expressar assim:  É impossível construir um dispositivo que opere, segundo um ci- clo, e que não produza outros efeitos, além da transferência de calor de um corpo quente para um corpo frio. Em outras palavras: É impossível a construção de um dispositivo que, por si só, isto é, sem intervenção do meio exterior, consiga transferir calor de um corpo para outro de temperatura mais elevada Enunciado de Clausius. Deste enunciado, pode-se estabelecer a impossibilidade do "refrigerador ideal". Assim, todo aparato refrigerador, para retirar calor de um ambiente, produzirá mais calor externamente.  É impossível construir um dispositivo que opere num ciclo termo- dinâmico e que não produza outros efeitos além do levantamento de um peso e troca de calor com um único reservatório térmico. 2 Em outras palavras: É impossível a construção de um dispositivo que, por si só, isto é, sem intervenção do meio exterior, consiga transformar integral-
  26. 26. 26 mente em trabalho o calor absorvido de uma fonte a uma dada temperatura uniforme. Enunciado de Kelvin-Planck. Deste enunciado, tem-se como consequência a impossibilidade do "motor ideal". Toda a máquina produzirá energia a ser utilizada com desperdício de parte desta em calor a ser perdido. Disto, já era citado por Carnot (Nicolas Léonard Sadi Carnot - físico francês 1796 - 1832): Para transformar calor em energia cinética, utiliza-se uma máquina térmica, porém esta não é 100% eficiente na conversão. Alguns autores chamam tal enunciado como "postulado" de Kelvin e assim o descrevem: Nenhum processo é possível onde o único resultado é a absorção de calor de um reservatório e sua conversão completa em trabalho. Destas definições pode-se associar também o enunciado de Carnot: Para que uma máquina térmica realize trabalho são necessárias duas fontes térmicas de diferentes temperaturas. Outra maneira de expressar de maneira simples a segunda lei é: A entropia de um sistema isolado nunca decresce. Mas é uma má interpretação comum que a segunda lei indica que a entropia de um sistema jamais decresce. Realmente, indica só uma tendência, isto é, só indica que é extremamente improvável que a entropia de um sistema fechado decresça em um instante dado. Como a entropia está relacionada ao número de configurações de mesma energia que um dado sistema pode possuir, podemos nos valer do conceito subjetivo de desordem para facilitar a compreensão da segunda lei (embora entropia não seja essencialmente desordem). Ou seja, a segunda lei afirma, à grosso modo, que a desordem de um sistema isolado só pode crescer ou permanecer igual. Em cosmologia, na evolução do universo no tempo verifica-se uma diminui- ção da quantidade de energia disponível para a realização de trabalho. Tal implica uma limitação no tempo da existência do universo tal como se apre- senta, pois o sentido natural das mudanças da natureza é o que origina uma diminuição da qualidade da energia. Teoricamente, o universo seria o único sistema realmente isolado, e como tal, nele, a quantidade de energia útil nunca aumenta"
  27. 27. 27 Citações Disse Arthur Eddinggton: A lei que afirma que a entropia cresce — a segunda lei da termo- dinâmica tem, segundo o meu pensamento, a posição suprema entre as leis da natureza. Se alguém insistir que a sua teoria pre- ferida do Universo está em desacordo com as equações de Max- well — então tanto pior para as equações de Maxwell. Se elas contradisserem a observação — bem, essas experiências às vezes dão errado. Mas se a sua teoria está em oposição à segunda lei da termodinâmica, então não posso lhe dar esperança alguma: não há nada a esperar dela, senão cair na maior humilhação. 5 Isaac Asimov explica a tendência da entropia crescente e suas consequências de uma forma simples: A Segunda Lei da Termodinâmica afirma que a quantidade de trabalho útil que você pode obter a partir da energia do universo está constantemente diminuindo. Se você tem uma grande por- ção de energia em um lugar, uma alta intensidade dela, você tem uma alta temperatura aqui e uma baixa temperatura lá, então você pode obter trabalho dessa situação. Quanto menor for a di- ferença de temperatura, menos trabalho você pode obter. Então, de acordo com a Segunda Lei da Termodinâmica, há sempre uma tendência para as áreas quentes se resfriarem e as áreas frias se aquecerem - assim cada vez menos trabalho poderá ser obtido. Até que finalmente, quando tudo estiver numa mesma tempera- tura, você não poderá mais obter nenhum trabalho disso, mesmo que toda a energia continue lá. E isso é verdade para TUDO em geral, em todo o universo. (Em The Origin of the Universe em OR- IGINS: How the World Came to Be, série em vídeo, Eden Commu- nications, EUA, 1983. A segunda lei e a desordem pelos evolucionistas.
  28. 28. 28 Mas a segunda lei da termodinâmica não faz tais afirmações, pois a entropia da termodinâmica não mede o aumento ou diminuição da complexidade dos sistemas, nem seu aumento ou diminuição de ordem. A segunda lei apenas afirma que calor não flui espontaneamente de um corpo a mais baixa tempe- ratura para um corpo de mais alta, equivalentemente, que a energia que pode efetivamente ser transformada em trabalho, em um sistema fechado, nunca aumenta. Richard Dawkins, no seu livro "O maior espetáculo da Terra" trata deste argumento, mostrando que quando criacionistas afirmam, até frequentemente, que a evolução biológica contradiz a segunda lei da termodinâmica, estariam mostrando unicamente que não entendem tal lei, pois já não há contradição por causa óbvia da ação do Sol, pois todo sistema, quer estejamos falando sobre a vida, quer sobre as massas de água em seu ciclo na Terra, é em última análise dependente do constante fluxo de energia proveniente desta estrela. Da mesma maneira que jamais desobedece as leis da física e da química, e nunca desobedecendo à segunda lei, a energia do Sol abastece os processos da vida, de modo que, por uma complexa rede de processos, limitada por tais leis, proporciona as estruturas e processos repletos de complexidade, diversi- dade, e a ilusão de improbabilidade estatística e design dos quais a vida é dotada. Uma das maneiras mais simples de mostrar que o argumento criacionista é equivocado do ponto de vista químico (e consequentemente no bioquímico) é apresentar reações químicas simples, que ocorrem naturalmente com com- plexidade crescente formada, como a formação de ácido carbônico, sulfuroso e sulfúrico, a partir da reação de óxidos (respectivamente dióxido de carbono, dióxido e trióxido de enxofre) com água. Apesar de entropia termodinâmica e desordem serem muitas vezes corres- pondentes, nem sempre o são. Algumas vezes a ordem aumenta junto com a entropia. O aumento de entropia termodinâmica pode até produzir ordem, como ordenar moléculas por seu tamanho, incluindo o próprio DNA dos seres vivos, ou partículas coloidais em soluções de eletrólitos. Mesmo em um sistema considerado para efeitos práticos fechado, regiões de baixa entropia podem se formar se eles estão separados de outros locais com alta entropia no sistema. Muitas vezes, uma ordem aperentemente surpreendente aparece naturalmen- te, em processos geológicos, por exemplo. O Calçada dos Gigantes (Giant's Causeway) na Irlanda do Norte consiste de grandes colunas de pedra apresen- tando secção reta hexagonal, dando a impressão de terem sido projetadas. Foram formadas quando o magma incandescente chegou à superfície da Terra e resfriou-se. Tais tipos de ordem originando-se do caos (emergência) podem ser vistos igualmente em círculos de cascalho e pedras que ocorrem naturalmente numa ilha do norte da Noruega. Pode-se discutir os processos específicos de organização das colunas e dos círculos de pedras, mas a entro-
  29. 29. 29 pia do magma e das pedras diminuiu, ainda que a entropia de seus ambientes tenha aumentado. Ao nível microscópico ou molecular, exemplos concretos da não correspon- dência entre entropia e desordem são comuns:  A comparação da entropia de gases de diferentes massas mole- culares, como o hélio e o neônio, sob iguais condições físicas, por exemplo, evidenciará que as moléculas de hélio (no caso, seus átomos isolados, pois um gás nobre), sendo de menor massa, a- presentarão maiores velocidades, o que implicará numa "desor- dem" maior. Mas realmente a entropia do neônio será mais alta.  O fenômeno de fases reentrantes, que é observado em diversos cristais líquidos, em materiais com propriedades de supercondu- ção, e até em sistemas mais convencionais, como as misturas de nicotina e água. Nestas misturas, entre diversas características, o diagrama temperatura–composição apresenta uma temperatura crítica de solução superior e outra inferior. Deste modo, em tem- peratura suficientemente elevada, uma mistura de nicotina e á- gua forma uma fase homogênea. Com o abaixamento da tempe- ratura, num espectro relativamente estreito de composições ob- serva-se a separação em duas fases típicas, uma rica em água, e a outra rica em nicotina. Com a continuidade do resfriamento, a um dado ponto surgirá uma só fase homogênea. A separação destas duas fases sugere uma diminuição da "desordem", en- quanto a segunda transformação aponta para uma "ordem". En- tretanto, a entropia diminuirá continuamente ao longo de todo o processo, pois o resfriamento implica a energia ter sido continu- amente retirada.  Outro exemplo é a cristalização em soluções sobressaturadas, quando é considerada uma solução sobressaturada num recipi- ente adiabático, onde, espontaneamente, deverá ocorrerá a de- posição de cristais do soluto. Este fenômeno sugere a diminuição da "desordem", dado que as moléculas ou íons de soluto estarão mais organizadas no cristal do que em solução. Mas sendo o sis- tema isolado, a entropia deverá aumentar durante o processo, como prenuncia a Segunda Lei da Termodinâmica. Esta conclusão é válida para o caso em que a cristalização seja exotérmica e a temperatura da mistura aumente durante o processo, ou no caso em que a cristalização for endotérmica e a temperatura diminua. No caso exotérmico, o aumento da temperatura da mistura justi- ficaria o aumento da entropia, em contrabalanço à perda associ-
  30. 30. 30 ada à cristalização. Entretanto, no caso endotérmico, esse argu- mento não pode ser aplicado. Como exemplo: as soluções so- bressaturadas de sulfato de sódio, resfriam com a formação do sal na forma sólida. um livro de divulgação científica de Isaac Asimov, que embora didática, é um tanto infeliz ao associar diretamente o conceito de entropia da termodi- nâmica com o que seja a deterioração de um sistema julgado como organiza- do pelo ser humano: Outra maneira de expressar a segunda lei é, "O universo está constantemente se tornando mais desordenado!" Visto dessa maneira nós podemos ver a segunda lei por toda parte sobre nós. Precisamos trabalhar duro para arrumar uma sala, mas quando a deixamos por si mesma ela se torna bagunçada outra vez muito rapidamente e muito facilmente. Mesmo se nunca entrarmos ne- la, ela fica empoeirada e mofada. Como é difícil manter casas, máquinas e nossos próprios corpos em perfeita ordem de funcio- namento: e como é fácil deixá-los se deteriorarem. De fato, tudo que precisamos fazer é não fazer nada, e tudo se deteriora, entra em colapso, se quebra, desbota, tudo por si mesmo - e é disso tu- do que a segunda lei trata." FONTE DO CONTRA ARGUMENTO: http://pt.wikipedia.org/wiki/Segunda_lei_da_termodin%C3%A2 mica 1. ↑ VAN WYLEN, G.J.; SONNTAG, R.E.; BORGNAKKE, C. Fundamentos da termodinâmica. 5. ed. São Paulo: Edgard Blucher Ltda., 1998. 537p. 2. ↑ A.W. Smith e J.N. Cooper, Elements of Physics, 8th edition (New York, New York: McGraw-Hill Publishing, 1972), p. 241. 3. ↑ John McCarthy; The Second Law of Thermodynamics and Low Grade Mineral Ores; August 21, 1997; Stanford University - www-formal.stanford.edu 4. ↑ Kestenbaum, David, 1998. Gentle force of entropy bridges disciplines. Science 279: 1849. 5. ↑ Paul DAVIES, The Cosmic Blueprint. New York: Simon & Shuster, 1988, p. 20 6. ↑ S. Gasstone, Textbook of Physical Chemistry (New York: D. Van Nostrand Company, 1946). 7. ↑ Thermodynamic Asymmetry in Time - plato.stanford.edu (em inglês) 8. ↑ Time Reversal Invariance - www2.slac.stanford.edu (em inglês) 9. ↑ A Acalorada Questão TERMODINÂMICA - www.evo.bio.br 10. ↑ Evolution and the Second Law of Thermodynamics - ai.stanford.edu (em inglês)
  31. 31. 31 11. ↑ Five Major Misconceptions about Evolution - "Evolution violates the 2nd law of thermodynamics." - www.talkorigins.org (em inglês) 12. ↑ The Second Law of Thermodynamics, Evolution, and Probability - www.talkorigins.org (em inglês) 13. ↑ Attributing False Attributes to Thermodynamics - www.talkorigins.org (em inglês) 14. ↑ A 2 a Lei da Termodinâmica invalida a TE - erros-criacionistas 15. ↑ Frank Steiger; Segunda Lei da Termodinâmica, Evolução e Probabilidade - str.com.br 16. ↑ Vasconcelos, L. (2005) Entropia e Segunda Lei da Termodinâmica. Projeto Evoluindo - Biociência.org. 17. ↑ a b c FERREIRA, J. P. M. Como interpretar a entropia? SPQ – Sociedade Portuguesa de Química. Boletim 96, janeiro-março 2005. 18. ↑ Marcus Valerio XR; A Acalorada Questão TERMODINÂMICA; Janeiro de 2001 - www.evo.bio.br 19. ↑ Aranda-Espinoza, H., Y. Chen, N. Dan, T. C. Lubensky, P. Nelson, L. Ramos and D. A. Weitz, 1999. Electrostatic repulsion of positively charged vesicles and negatively charged objects. Science 285: 394-397. 20. ↑ Han, J. and H. G. Craighead, 2000. Separation of long DNA molecules in a microfabricated entropic trap array. Science 288: 1026-1029. 21. ↑ Jianzhong Wu, Dusan Bratko, and John M. Prausnitz; Interaction between like- charged colloidal spheres in electrolyte solutions; PNAS; The National Academy of Sci- ences, 1998 22. ↑ M. B. McBride and P. Baveye; Diffuse Double-Layer Models, Long-Range Forces, and Ordering in Clay Colloids; Soil Science Society of America Journal 66:1207-1217 (2002) 23. ↑ Haynie, Donald, T. (2001). Biological Thermodynamics. Cambridge: Cambridge Uni- versity Press. ISBN 0-521-79549-4. 24. ↑ Halliday D, Resnick R, Walker J. Fundamentos da Física. Vol. 2. 4 ª Edição. Livros Téc- nicos e Científicos. 25. ↑ Lambert, F. L., Entropy is simple, qualitatively. J. Chem. Edu., 79 (2002,b) 1241-1246 26. ↑ Wright, P. G., Entropy and disorder. Contemp.Phys., 11 (1970) 581-588 27. ↑ Styer, D. F., Insight into entropy. Am. J. Phys., 68 (2000) 1090-1096 28. ↑ Isaac Asimov, "In the Game of Energy and Thermodynamics You Can't Even Break Even", Smithsonian Institution Journal (June 1970), p. 6 29. ↑ Duane T. Gish, "A Consistent Christian-Scientific View of the Origin of Life"; Creation Research Society Quarterly, Vol. 15, No. 4 (March 1979), pp. 185-203 30. ↑ Henry M. Morris, The Biblical Basis for Modern Science (Grand Rapids, Michigan: Baker Book House, 1984), pp. 185-215 31. ↑ Henry M. Morris and Gary E. Parker, What Is Creation Science? (Santee, California: Master Books, 1982), pp. 153-188. 32. ↑ Harold L. Armstrong, "Evolutionistic Defense Against Thermodynamics Disproved"; Creation Research Society Quarterly, Vol. 16, No. 4 (March 1980), pp. 226-227, 206, and Vol. 17, No. 1 (June 1980), pp. 72-73, 59. 33. ↑ Demetrius, Lloyd, 2000. Thermodynamics and evolution. Journal of Theoretical Bio- logy 206(1): 1-16. 34. ↑ Atkins, P.W.; The Second Law. New York: Scientific American Books, 1984. 35. ↑ Dickerson, R.E.; Molecular Thermodynamics. Menlo Park, CA: Benjamin, 1969. 36. ↑ Klotz, I.M.; Energy Changes in Biochemical Reactions. New York: Academic Press, 1967. 37. ↑ Kauffman, Stuart A.; The Origins of Order. New York: Oxford, 1993. 38. ↑ McShea, Daniel W., 1998. Possible largest-scale trends in organismal evolution: eight live hypotheses. Annual Review of Ecology and Systematics 29: 293-318 39. ↑ Brooks, D. R. and E. O. Wiley, 1988. Evolution As Entropy, University of Chicago Press. 40. ↑ Schneider, Eric D. and James J. Kay, 1994. Life as a manifestation of the second law of thermodynamics. Mathematical and Computer Modelling 19(6-8): 25-48. 41. ↑ GARROTE FILHO, M. S., PENHA-SILVA, N. Uma abordagem termodinâmica da vida. Revista Ciência Hoje, vol. 37, n° 221, novembro 2005.
  32. 32. 32 Ponto final Observações finais da 2º lei da termo dinamica. Achei as explicações quanto a segunda lei da termodinâmica por parte dos evolucionistas um pouco tendenciosa, e por vezes con- traditórias, pois vemos que apesar deles concordarem com ação da entropia de sistemas fechados, a qual é o nosso universo, eles refutam as interferências dessa mesma lei para com a probabili- dade da formação da vida, em outras palavras, para a existência do big bang existe sim entropia e 2°lei da termo dinâmica, pois ela foi útil para explicar o Big Bang e a formação das estrelas e planetas ( o famoso esfriamento do universo), mas para a forma- ção da vida por meio da abiogênese essa lei se torna um equivo- co total, pois a aplicação dela gera complicações para explicar al- tos níveis de complexibilidade, o fato é que a 2° lei realmente trás inúmeros problemas para a abiogênese pelo aumento da de- sordem, a explicação usada pela citação de Richard Dawkins quanto a luz do sol, fazendo do planeta terra um sistema não isolado, e não sofrendo negativamente com a entropia a ponto de não permitir a formação inicial da vida, e com isso possibili- tando a existência de energia para a realização dos fenômenos do meio bióticos (seres vivos) e abióticos (estruturas inorgânicas e não vivas) como uma resposta providencial, que de uma manei- ra bem simplista ele diz que a origem da vida não depende das ações da 2° lei para ser originada, pois o sol proporcionou uma solução. depois eles tentam provar a existência de aumento dos graus de complexibilidade estruturais onde há maior entropia, e explicar com isso o aumento da complexibilidade estrutural junto com aumento da entropia, dizendo assim que a entropia não necessa- riamente gera a redução ou desordem de estruturas molecula- res,ainda que tal fato seja possível e definitavemente comprova- do, ele não é uma regra, e o padrão é a entropia causar a desor- dem e a simplificação de estruturas, pois a 2° lei é bem clara quanto o seu objetivo, as próprias citações deles deixam claro
  33. 33. 33 que a tendência esta para a desordem, o que eles tentam falar é que isso não é um empecilho para a vida, e dão uma série de ex- plicações para isso a fim de fugirem da regra. Sinceramente achei esse tema um bocado cansativo para ser analisado, pois vemos um jogo de interesses escusos por trás das analises finais muito grande, e uma tendência a mentira por par- te da ciência evolucionista e dos próprios criacionistas, que ape- sar de ambas dizerem os efeitos da mesma ação ( da 2° lei) elas geram um campo de batalha ao ponto de evolucionistas dizerem que o cientista Isaac Asimov foi infeliz em sua observação, o que não é verdadeiro, pois a sua afirmação é a mais perfeita explica- ção quanto a fatores práticos da ação da 2° lei, e vão atrás de contra argumentos para a sua explicação, que ao meu ver, e da maior parte das pessoas não faz sentido, pois a sua definição é um fato impossível de ser negado, pois o vemos isso acontecer a cada dia, o ponto negativo dos criacionistas está no fato de ocul- tarem detalhes importantes, como a luz solar em suas observa- ções. o que foi positivamente colocado em pauta pelos evolucio- nistas, mas o fim desse tema fica bem claro o seguinte. 1º_ É impossível construir um dispositivo que opere, segundo um ciclo, e que não produza outros efeitos, além da transferência de calor de um corpo quente para um corpo frio. 2º_ A Segunda Lei da Termodinâmica afirma que a quantidade de trabalho útil que você pode obter a partir da energia do universo está constantemente diminuindo. Se você tem uma grande por- ção de energia em um lugar, uma alta intensidade dela, você tem uma alta temperatura aqui e uma baixa temperatura lá, então você pode obter trabalho dessa situação. Quanto menor for a di- ferença de temperatura, menos trabalho você pode obter. Então, de acordo com a Segunda Lei da Termodinâmica, há sempre uma tendência para as áreas quentes se resfriarem e as áreas frias se aquecerem - assim cada vez menos trabalho poderá ser obtido. Até que finalmente, quando tudo estiver numa mesma tempera- tura, você não poderá mais obter nenhum trabalho disso, mesmo que toda a energia continue lá. E isso é verdade para TUDO em geral, em todo o universo. (Em The Origin of the Universe em OR-
  34. 34. 34 IGINS: How the World Came to Be, série em vídeo, Eden Commu- nications, EUA, 1983. 3º_ Isaac Asimov - Outra maneira de expressar a segunda lei é, "O universo está constantemente se tornando mais desordena- do!" Visto dessa maneira nós podemos ver a segunda lei por toda parte sobre nós. Precisamos trabalhar duro para arrumar uma sala, mas quando a deixamos por si mesma ela se torna bagun- çada outra vez muito rapidamente e muito facilmente. Mesmo se nunca entrarmos nela, ela fica empoeirada e mofada. Como é di- fícil manter casas, máquinas e nossos próprios corpos em perfeita ordem de funcionamento: e como é fácil deixá-los se deteriora- rem. De fato, tudo que precisamos fazer é não fazer nada, e tudo se deteriora, entra em colapso, se quebra, desbota, tudo por si mesmo - e é disso tudo que a segunda lei trata." 4º- A lei que afirma que a entropia cresce — a segunda lei da termodinâmica tem, segundo o meu pensamento, a posição su- prema entre as leis da natureza. Se alguém insistir que a sua teo- ria preferida do Universo está em desacordo com as equações de Maxwell — então tanto pior para as equações de Maxwell. Se e- las contradisserem a observação — bem, essas experiências às vezes dão errado. Mas se a sua teoria está em oposição à segun- da lei da termodinâmica, então não posso lhe dar esperança al- guma: não há nada a esperar dela, senão cair na maior humilha- ção.
  35. 35. 35 Argumentos Cosmológico O argumento cosmológico é um dos argumentos sustentados pelos teístas como evidências para a existência de Deus. Os argumentos cosmológicos foram formulados para dizer que Deus é a melhor explicação para a origem do universo. Seus primeiros notáveis argumentos possuem origem em filósofos gregos como Aristóteles e Platão (mostrando um rompimento com as crenças pagãs) e foram desenvolvidos posteriormente por filósofos teístas como Santo Tomas de Aquino, Leibniz, Al-Ghazali, etc. Entretanto, após as críticas de Hume e Kant, no século 18, quaisquer tipos de argumen- tos teístas perderam força. Porém observamos no século 20 e atualmente, um renascimento desses argumentos através de notáveis filósofos apologis- tas cristãos como C.S. Lewis, Alvin Plantinga e William Lane Craig. Este último recuperou o Argumento Cosmológico Kalam de Al-Ghazali apoiando- se não apenas em seus argumentos lógicos, mas também em evidências cientificas como o Big Bang. Nesta série, pretendo abordar três argumen- tos: tomista, Leibniz e Kalam Aristóteles e Platão. 5 Argumentos do Tomismo As cinco provas da existência de Deus, segundo Tomás de Aquino. Elas seguem abaixo: 1. O primeiro motor - tudo aquilo que se move é movido por outro ser. Por sua vez, este outro ser, para que se mova, necessita também que seja movido por outro ser. E assim sucessivamente. Se não houvesse um primei- ro ser movente, cairíamos num processo indefinido. Logo, conclui Tomás de Aquino, é necessário chegar a um primeiro ser movente que não seja movi- do por nenhum outro. Esse ser é Deus. 2. A causa eficiente- todas as coisas existentes no mundo não possuem em si próprias a causa eficiente de suas existências. Devem ser
  36. 36. 36 consideradas efeitos de alguma causa. Tomás de Aquino afirma ser impossí- vel remontar indefinidamente à procura das causas eficientes. Logo, é necessário admitir a existência de uma primeira causa eficiente, responsável pela sucessão de efeitos. Essa causa primeira é Deus. 3. Ser necessário e ser contingente - este argumento é uma variante do segundo. Afirma que todo ser contingente, do mesmo modo que existe, pode deixar de existir. Ora, se todas as coisas que exis- tem podem deixar de ser, entao, alguma vez, nada existiu. Mas, se assim fosse, também agora nada existiria, pois aquilo que não existe somente começa a existir em função de algo que já exista. É preciso admitir, então, que há um ser que sempre existiu, um ser absolutamente necessário, que não tenha fora de si a causa da sia existência, mas, ao contrário, que seja a causa da necessidade de todos os seres contingentes. Esse ser necessário é Deus. 4.Os graus de perfeição - em relação à qualidade de todas as coisas existentes, pode-se afirmar a existência de graus diversos de perfei- ção. Assim,afirmamos que tal coisa é melhor que outra, ou mais bela, ou mais poderosa, ou mais verdadeira etc. Ora, se uma coisa possui "mais" ou "menos" determinada qualidade positiva, isso supõe que deve existir um ser com o máximo dessa qualidade, no nível da perfeição. Devemos admitir, então, que existe um ser com o máximo de bondade, de beleza, de poder, de verdade, sendo, portato um ser máximo e pleno. Esse ser é Deus. 5. A finalidade do ser- todas as coisas brutas, que não possuem inteligência própria, existem na natureza cumprindo uma função, um objeti- vo, uma finalidade, semelhante à flecha dirigida pelo arqueiro. Devemos admitir , então, que existe algum ser inteligente que dirige todas as coisas da natureza para que cumpram seu objetivo. Esse ser é Deus. No meio filosófico há muita gente que diz já ter refutado logicamente os argumentos de Tomás de Aquino. Eu particularmente nunca achei alguém que conseguisse me convencer de que os argumentos não são corretos. Principalmente 2, 3 e 5. O meu favorito é o três.
  37. 37. 37 Argumento Cosmológico de Leibniz Este é o argumento formulado pelo grande polímato alemão Gottfried Leibniz (Leipzig, 1 de julho de 1646 — Hanôver, 14 de novembro de 1716 foi um filósofo,cientista, matemático, diplomata e bibliotecário alemão. )Foi quem desenvolveu a versão do argumento através da contingência. O argumento se fundamenta em sua famosa pergunta: ‘’A primeira pergunta que deveria ser corretamente formulada é: Por que há algo em vez de nada?’’. Sua resposta para a pergunta tem como base o princípio da razão suficiente, onde nenhuma declaração ou fato pode ser considerado real- mente verdadeiro se não existir uma razão suficiente para que ela seja assim e não de outra forma. Para Leibniz deve-se existir uma explicação para a existência do universo. Como não podemos encontrar nenhuma razão suficiente em qualquer coisa existente no universo, nem em conjuntos que o compreendem e nem seus estados anteriores, concluí-se que um deve existir um ser metafisicamente necessário para a sua existência. Ela é a razão suficiente à própria existência bem como a existência de toda coisa contingente, ou seja, cuja existência se deve a fatores externos causados. Podemos colocar esse argumento nas seguintes quatro premissas: 1.Toda coisa existente possui explicação para sua existência, quer seja a necessidade de sua natureza quer uma causa externa. 2.Se o universo possui uma explicação para sua existência, essa explicação é Deus. 3.O universo é uma coisa existente. 4.Portanto, a explicação para a existência do universo é Deus. Se o ateu quiser negar a conclusão, ele deve mostrar que uma das três premissas é falsa. A terceira premissa parece ser auto-evidente, ou seja, não temos nenhuma razão para achar que isso seja mentira a não ser que seja no mostrado o contrário. Logo sobram as duas primeiras premissas. Da primeira premissa concluímos a existência de dois tipos de coisas: 1 – Coisas que existem necessariamente, ou seja, por uma necessidade de sua própria natureza. Um bom exemplo disso seria a matemática, ela existe
  38. 38. 38 simplesmente por uma necessidade de sua própria natureza. 2+2=4 sempre será verdadeiro, 2+2=5 nunca será. 2 – Coisas que existem contingentemente, ou seja, sua existência é causada por um fator externo. Ou seja, coisas que poderiam ou não existir, necessi- tando uma causa para a sua existência como pessoas, planetas, arvores, etc. Por que deveríamos considerar a primeira premissa como verdadeira? Bem aqui também notamos que a premissa é auto-evidente. Tudo que você vê ao redor do seu quarto esta lá por um motivo. Se de repente aparecer algum objeto que você nunca tenha visto, a sua conclusão não será, ‘’ah, não deve existir uma explicação para isso, o objeto inexplicavelmente existe’’. Óbvio que existe um motivo para o objeto estar lá. A objeção ateísta comum para a primeira premissa é rejeitar que a premissa sirva para o próprio universo. Mas isso é obviamente falacioso. Se a premis- sa vale para todos tipos de coisas existentes, por que não para o universo? Afinal o universo também é algo existente, portanto ainda existe a necessi- dade de sua explicação. Mais que isso, seria dizer que as pesquisas científi- cas dedicadas em descobrir a origem do universo são inúteis. Outra objeção é afirmar que é impossível existir uma explicação para o universo, já que a explicação deve ser um estado anterior ao universo, ou seja, o nada. Do nada, nada vem. Porém isso é cometer uma petição de principio, ao pressupor que o ateísmo é verdadeiro, portanto não existe uma explicação para a existência do universo. Porém como vimos na segun- da premissa, a existência de um ser transcendental e pessoal é a potencial explicação para o universo. A primeira premissa então parece ser muito plausível. Agora partimos para a segunda premissa. A segunda premissa assume que a explicação para a existência do universo é Deus. Parece ser um salto e tanto não? Mas quais são as outras alternativas? Possuímos as duas mais comuns: 1 – Se o ateísmo for verdadeiro, então o universo não tem explicação. Essa objeção é parecida com a da primeira premissa. Porém ela admite que se existe uma explicação, essa explicação é Deus. E como vimos que é muito mais plausível acreditar-se que o universo necessita-se de uma explicação, então a explicação para o universo deve ser um ser necessário que transcen- da o espaço-tempo. Porém existem apenas duas coisas que entram nessa descrição: objetos abstratos ou a mente. Como objetos abstratos (como números) não podem causar nada por si só, logo a explicação da existência do universo deve ser uma mente. Portanto a explicação para o universo deve ser uma mente transcendente, necessário, atemporal, imaterial, portanto imutável. 2 – O universo existe pela necessidade de sua própria natureza. Porém isso é afirmar que tudo que existe no universo não é contingente e sim necessário. Isso não me parece muito plausível, afinal o que garante que tudo que existe no nosso universo não poderia ser ordenado de outra forma? Considerando
  39. 39. 39 as condições que permitiram para que o nosso universo fosse da forma que conhecemos, é largamente reconhecido que numa possibilidade de múltiplos universos, seria altamente improvável que eles possuíssem a mesma confi- guração material que nem do nosso universo. Ou seja, o universo ser um ser necessário me parece ser um mero salto de fé. Outra pergunta que surge, mas não é necessariamente uma objeção ao argumento, é se existe impossibilidade quanto à existência de mais do que apenas um ser necessário. Sem apelar para o conceito que a essência de Deus é existir, vamos supor que existem dois seres necessários para a expli- cação do universo. Os dois seres possuem os mesmos atributos que apenas um ser necessário. Portanto temos que a explicação do universo deriva simultaneamente desses dois seres, posso então construir a seguinte alega- ção: - Necessariamente A e B são as explicações do universo. Afinal não existe sentido nenhum em falar de mais de uma explicação se os dois seres não são responsáveis diretamente e igualmente pela criação do universo. Mas supondo que A não exista, isso parece colapsar a alegação, já que se necessariamente A e B são as explicações do universo, então neces- sariamente os dois devem existir para satisfazer a afirmação. Porém se A e B possuem as mesmas características que um ser único. Logo tanto A quanto B isoladamente são capazes de ser a explicação do universo. Portanto, mesmo que eu rompa a condição necessária para a explicação do universo em um caso de mais de um ser necessário, o universo ainda pode- ria ser criado porque B sozinho seria capaz de ser a explicação do universo. Isto implica que: 1 – Existência ou não de A é irrelevante para a criação do universo. 2 – Se necessariamente A e B são as explicações do universo, então tanto A e B devem existir para satisfazer a condição, mas isso não é verdade. B sozinho consegue ser a explicação do universo. Mas poderia-se alegar que esses seres são responsáveis cada um por uma parte apenas da criação. Além de ser uma definição arbitraria (qual é a parte de A e qual é a parte de B?) isto seria uma limitação das suas capacidades. Se a limitação for consciente, logo na verdade a capacidade de criação deles é ilimitada, retornando no problema anteriormente levantado. Como esses exemplos podem ser repetidos para quaisquer números de seres, então acho coerente que exista apenas um ser necessário. Parece então que através da auto-evidência das premissas, é coerente dizer que a conclusão é verdadeira. Mas às vezes gostamos de evidências mais fortes do que nossas simples intuições modais. Será que o argumento tomis- ta pode nos ajudar nesse sentido?
  40. 40. 40 Argumento cosmológico Kalam. Esse argumento tem sido a atual pedra pontuda no calcanhar do neoateís- mo, William Lane Craig (Peoria, 23 de Agosto de 1949) é um teólogo e filósofo analítico estadunidense, conhecido por seu trabalho na Filosofia da Religião. Atua como professor e pesquisador de filosofia na Escola de Teologia Talbot em La Mirada, Califórnia ele é agora o maior defensor Argumento cosmoló- gico Kalam,e fez desse argumento uma armadilha para que todos ateísta ao tentarem argumentar contra existência de Deus ficassem com cara de bobos, esse argumento em debates ao vivo tem exposto os maiores ateístas ao ridiculo, quem já viu esses debates pelo youtube, ou em conferencias ao vivo, já deve ter visto o como eficaz e persuazivo é a sua aplicação. Há duas formas básicas do argumento cosmológico: a horizontal ou argu- mento cosmológico Kalam e a vertical. O argumento cosmológico horizontal baseia seu raciocínio numa causa do início do universo. O argumento cos- mológico vertical baseia seu raciocínio na existência do universo existente agora. O primeiro existe uma causa originadora enquanto o segundo uma causa sustentadora. Formar diferentes do argumento cosmológico combi- nam ambas as dimensões. Uma versão do argumento cosmológico pode ser expresso da seguinte maneira:  1º- Tudo que começa a existir tem uma causa.  2º- O Universo começou a existir.  3º- Portanto, o Universo teve uma causa. Essa versão estilizada do argumento cosmológico surgiu à luz da teoria do Big Bang, sendo estabelecida por William Lane Craig. De acordo com o argumento, a existência do Universo requer uma explicação. A criação do Universo por uma Causa Primeira, geralmente aceita como Deus, pois só Deus seria o ser necessário cabível dentro dessa explicação. A outra versão do argumento tem as seguintes premissas:
  41. 41. 41  Toda parte do universo é dependente.  Se toda parte é dependente, então todo universo tam- bém deve ser dependente.  Logo, todo universo é dependente agora de algum Ser independente além dele para sua existência atual. Em nosso livro quando eu ofereço o argumento de Deus ser o princí- pio único possível para a existência de todas as coisas apresentando esses fatores um a um, automaticamente eu estou apresentando os argumentos explicativos da 1º parte do argumento cosmológico que Diz " Tudo que começa a existir tem uma causa". Logo quando eu apresento a causa, e uma simplificação bem elabora- da do processo dentro dessa analise, eu exponho a 1º parte da tese cosmológica como possível e racional, que vale ressaltar, que apesar desse meu argumento ser 100% compativel com o argumento cosmo- lógico, eu ainda não conhecia Craig e a sua teoria, e consequentemen- te no caso, que todos os princípios aos quais eu estou levantando e- ram a parte explicativa desse seu argumento. Dentro do que eu li sobre a ideia de Craig, ele apresenta o como deve surgir o processo, e o como é bem elaborada a apresentação bíblica que dá a base para esse seu argumento, até ai Craig e eu falomos a mesma coisa, mas Craig transforma essa observação em um argumen- to ao qual eu não pensei em forma, e esse argumento é um ciclo per- feito de ideias as quais levam há um único caminho, ele simplismente fecha todas as refutação possível dentro da racionalidade contra a i- nexistencia de Deus, assim sendo, se voçe não disser que Deus existe, então voçe diz que não há razão para existência, e diz que a existência não podia existir. Esse seu processo de raciocínio não permite uma contra argumenta- ção lógica e positiva para a teoria do neoateísmo, assim sendo, ne- nhum ateísta pode ainda contra argumentar com ele, na verdade o próprio Richard Dawkins está fugindo de um confronto (debate) com Craig por causa desse argumento. Quando eu vi Peter Atkins ser ridicularizado por Craig em debates, eu vi a mesma luta entre Golias e Davi, sendo Craig o Davi, e o Peter At- kins o Golias, era para ser um massacre para Craig, uma vez que a sua arma de guerra era simbolicamente uma funda (tipo uma atiradeira) e o Peter Atkins vinha com uma grande lança e um enorme escudo.
  42. 42. 42 Gostaria de dizer que o ataque de Craig foi fatal para Atkins, pois Craig usando apenas a Filosofia ( atiradeira), apoiado na racionalidade de processos de forma sequencial (não possuía o mesmo nível acadêmico que o Atkins), conseguiu afundar a cabeça de Atkins com argumentos racionais incontestáveis, sem duvida Atkins possuía mais armas para o debate naquele dia (ciência), sem dúvida Atkins possuía mais força fí- sica (Prestígio acadêmico e títulos), sem dúvida Atkins deveria vencer, pois a luta foi travada dentro da sua área de estudo (ciência), mas o fato final foi que assim como Golias tinha a cabeça exposta em seu ra- ciocínio arrogante, Craig tinha a mente focada e decisiva para lhe ar- rancar a cabeça, a lógica de Craig venceu toda a força e vantagens de Atkins, e como na história bíblica, Craig corre e arranca a cabeça de Atkins (humilhação) e logo em seguida chama outro gigante para o abate (Richard Dawkins). Richard Dawkins tem publicamente fugido de Craig, ao ponto de seus amigos indagarem contra ele por fugir de um combate inevi- tável, Dawkins sabe que a sua cabeça será a próxima se ele não souber como se defender do argumento cosmológico de Kalam, e Craig sabe que Dawkins não pode fugir desse argumento, e uma vez que ele corra desse argumento ele irá atrás dele com ataque (possivelmente indefensável), a única defesa atual do neoateís- mo é em correr desesperadamente desse argumento, pois ao contrario do argumento de Willian Paley, ao qual o Neoateísmo usa de falsas explicações para responder (atacar) o Design Inteli- gente, eles não podem ridicularizar a lógica do argumento, pois se não eles começam a parecer loucos em sua afirmação,pois 1º o big bang começou a existir, consequentemente por isso o Big Bang tem uma causa, e a causa do big bang só pode ser Deus, pois nada elem de Deus poderia gerar o Big Bang, e sem um ser necessário não haveria Big Bang. Argumento cosmológico de Aristóteles e Platão O Argumento cosmológico segundo Aristóteles é um argumento cosmológico para a existência de Deus formulado pelo filósofo
  43. 43. 43 grego Aristóteles (Estagira, 384 A.C. — Atenas,322 poe- ta,dramaturgo,filósofo,retórica,política, Físico, metafísico, biólo- go e zoólogo.),De acordo com o filósofo e teólogo cristão William Lane Craig, o argumento de Aristóteles pode ser esquematizado da seguinte maneira: 1.Tudo o que está em movimento está sendo movido por algo. 2.Este algo está ele mesmo em movimento ou não está em mo- vimento. 3.Se ele está em movimento, então ou ele se auto-movimenta ou é movido por outro. 4.Os membros de uma série de coisas cada um sendo movido por outra precisa ultimamente estar em movimento apenas em referência a uma coisa auto-movimentada. 5.Os membros de toda a série de auto-movedores e coisas mo- vidas por outras precisam estar em movimento apenas por re- ferência a um movedor não-movido (unmoved mover). 6.O primeiro movedor precisa ser totalmente não-movido e e- terno porque: o próprio movimento é contínuo e eterno. Craig também esquematizou o argumento numa segunda manei- ra: 1.Se todas as substâncias são perecíveis, então todas as coisas são perecíveis. 2.Mas tempo e movimento não são perecíveis. 3.Logo, deve haver alguma substância imperecível, esta substân- cia imperecível precisa ser um ser eterno e incorpóreo de pura realidade. Algumas Frases atribuídas a Aristóteles: "O belo é o esplendor da ordem." "Sócrates é meu amigo, mas sou mais amigo da verdade."
  44. 44. 44 "O menor desvio inicial da verdade multiplica-se ao infinito à medida que avança." "O sábio nunca diz tudo o que pensa, mas pensa sempre tudo o que diz." "O ignorante afirma, o sábio duvida, o sensato reflete" "A beleza é dom de Deus." "O tempo consome as coisas, e tudo envelhece com o tempo" "O que você tem capacidade de fazer, tem capacidade também de não fazer." "O homem que evita e teme a tudo, não enfrenta coisa alguma, tor- na-se um covarde." http://razaoteista.wordpress.com/ http://argumentosbrejeiros.blogspot.com.br/2008/11/tomas-de-aquino-1226-1274-nasceu-em.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Arist%C3%B3teles http://teonismo.wikia.com/wiki/Argumento_cosmol%C3%B3gico_segundo_Arist%C3%B3teles 1.↑ Craig, William Lane (1980). "2: Aristotle". The Cosmological Argument from Plato to Leibniz. Harper & Row Publisher Inc.. pp. 23-24. ISBN 1-57910-787-7. 2.↑ Craig, William Lane (1980). "2: Aristotle". The Cosmological Argument from Plato to Leibniz. Harper & Row Publisher Inc.. pp. 33-34. ISBN 1-57910-787-7. http://pt.wikipedia.org/wiki/Gottfried_Wilhelm_Leibniz
  45. 45. 45 Existe algo realmente infinito? A partir de agora para as pessoas que possuem uma fé na existência infinita de Deus, gostaria que lessem com bastante atenção para que não se con- fundam com os meus argumentos, pois já tive péssimas experiências com muitas pessoas religiosas ao expor o argumento que irei a seguir demons- trar, não estou dizendo que sou o dono da verdade, ou que tenho certeza absoluta sobre o tema a seguir a ser apresentado, contudo vários fatos a nível científicos, com perfeitas razões filosóficas, embasadas em raciocínio lógico, perfeitamente embasadas nas escrituras sagradas (BÍBLIA), demons- tram que o que eu vou falar a seguir é a verdade, ou se não for a verdade completa, é sim o mais próximo da verdade possível que eu pude alcançar até o momento, e que em nada foi de minha parte fundamentada a teoria a seguir a fim de contradizer o que está escrito na Bíblia sagrada, e para isso nesta parte decidi por no final da apresentação do argumento algumas passagens bíblicas suficientes para que você caro amigo religioso possa entender nas Escrituras Sagradas que as afirmação a seguir não são de fundo escusos, mentiroso, ou em um linguajar mais popular oriundo de doutrinas Satânicas, pois muitas coisas ensinadas para a maioria das pessoas geralmente dentro das igrejas tenhem sido dito como verdades indiscutí- veis, e o pior neste caso é que as mesmas afirmações possuem pouco ou nenhum embasamento bíblico. Então não deixe de ler o fim do argumento, pois não é certo você tirar uma conclusão precipitada sobre esse assunto. Principalmente no que se refere a fé, pois é muito comum a afirmação de muitas pessoas que Deus seja em todas as suas medidas de poder e capaci- dades como infinitas, levando as mesmas pessoas a crerem que algo seja realmente infinito, logo para essa pessoas Deus não possui uma medida exata de início e fim de tempo, e também não há para ele uma delimitação de poder na existência de Deus, e da mesma maneira também para eles não há nenhuma forma delimitativa da existência de Deus, logo para elas todas
  46. 46. 46 as capacidades e ações de Deus teriam que ser existencialmente infinitas, fazendo supostamente Deus extremamente poderoso, mas tal ideia de existência sempre infinita, sem haver para Deus um princípio, tem sérias consequências lógicas, que ao invés de afirmarem a verdade da existência de Deus, trazem na verdade muitos problemas quanto a origem de tudo a partir de Deus. Agora entrarei no tema principal, mas no fim demonstrarei de forma bíblica o embasamento de meus argumentos, e espero que você caro amigo antes de tirar qualquer analise positiva ou negativa observe na bíblia o que estou dizendo, eu coloquei no final passagens bíblicas, mas quero que você se sinta livre para ler mais passagens, inclusive recomendo a você caro amigo usar uma bíblia digital de pesquisa, a qual irá adiantar a sua pesquisas temática, então não tire uma conclusão sem comparar na Biblia o meu argumento. E a partir da Bíblia acredito que você verá que o que estou falando é completamente compatível. Eternidade infinita As ideias de eternidade infinita fazem com que Deus seja completamente inexistente no presente, Para dizer que Deus é realmente (onipotente, onipresente, onisciente), não preciso, e nem devo dizer que Deus tem um eterno princípio, pois dizer que algo é sempre eterno ou infinito, é o mesmo que nega-lo a sua própria existência. Quando nos deparamos com algo dito dessa forma, devemos pensar que tal pensamento carece no mínimo de bom senso, pois eternidades absolutas, requerem de um princípio eternamente infinito, e se um princípio existenci- al for realmente infinito,sendo tal esse princípio uma forma eterna princípio de existência , logo o mesmo princípio não pode nunca ter existido. Pois alegar um princípio infinito, é o mesmo que alegar que não seja possível o presente, uma vez que um princípio nunca acaba de ser feito, até por que, em um princípio eterno, há uma eternidade de inicialização, uma vez que a inicialização é eterna ela nunca poderá começar, e se não começa por ser infinita, logo tal eternidade de princípio não permite um começo real e possível para nesse caso a existência de Deus, logo sabemos de forma clara e indelével, que um princípio que nunca vai poder acabar de se fazer exis- tente, esse mesmo princípio nunca acabara de começar, assim sendo, tal princípio nunca pode começar a existir! A partir desse ponto de analise, fica claro que nada pode realmente existir temporalmente ou atemporalmente em um princípio prévio eterno, pois um
  47. 47. 47 passado existencial eterno, condena qualquer forma de existência de um presente real vir a existir. Quando passamos a analisar essa questão de forma fria e metódica, pode- mos aplicar a mesma regra a qualquer sistema físico ou metafísico imaginá- vel, uma vez que o que se estamos discutindo em si, não é apenas a delimi- tação de tempo, espaço e a matéria a qual correspondem ao nosso universo existente, mas estamos racionalizando essa afirmação com relação a qual- quer forma de existência, seja ela física (matéria) ou até mesmo abstrata (metafísica), com isso posso afirmar que mesmo Deus, o Grande Criador, ao qual é o único e possível ser necessário capaz de existir desde o princípio da existência, também o mesmo possui um princípio, e por ele ser o princípio de todas as coisas, todas as coisas existentes agora existem! Deus é dito na bíblia como começo e fim de todas as coisas, e isso é bem claro em toda a bíblia, então não há motivo nenhum para se crer em tal afirmação de princípio eterno, assim temos que analisar corretamente a ideia de onipresença . Onipresença = É uma capacidade de ser capaz de estar presente em todos os pontos possíveis de presença, isso é mesmo que dizer que Deus está em todos os lugares do tempo e do espaço, e que ele está presente em toda a existência, isso sim é possível, pois há nesse caso uma limitação de princípio e fim de grandeza, ou seja, ele está em tudo o que existe, logo ele não existe a onde não há existência. havendo uma delimitação na onipresença obriga- tória, o que faz da onipresença algo possível de ser real, e tal capacidade só é possível por Deus ser atemporal e imaterial. Só Deus está capacitado a onipresença, essa mesma ação não é possível por exemplo ao anjos, que estão presos ao tempo e ao espaço. pois os anjos habitam uma linha específica de tempo e do espaço, não sendo eles capazes de alterar o tempo e o espaço como vemos em obras de ficção serem feitas por viajantes do tempo ( um bom filme que trata essa questão é o filme de volta para o futuro 1,2 e 3, ou qualquer outro que use essa analise de via- gem temporal), pois a capacidade de se deslocar livremente dentro do tempo e do espaço só é possível a Deus, pois só ele é capaz de fazer isso sem criar um tempo e espaço novo, pois ele está fora do tempo e do espaço do nosso universo, logo as delimitações de ações subsequentes a alterações de tempo e espaço são desnecessárias a ele, pois ele controla todo o pro- cesso de forma externa ao mesmo evento, assim como o produtor de um
  48. 48. 48 filme edita a linha de tempo de sua história, Deus pode intervir em nosso tempo e espaço sem criar um novo universo, havendo assim uma única linha de tempo possível de existir. Voltando ao tema principal quanto haver algo realmente infinito! Quando dizemos que algo é infinito, também sabemos que estamos falando de algo abstrato, e irreal do ponto de vista existencial, se Deus é existente, assim como nós somos existentes, no sentido restrito a palavra de estar existindo, como também a matéria existe, e tudo o que mais realmente exista, incluindo assim nesse caso também a Deus, todas as coisas reais são dessa maneira realmente finitas. Vejamos a seguinte analise, seja lá qual for o poder de Deus, digamos o seu poder de criar as coisas, podemos dizer que Deus pode construir infinita- mente qualquer coisa, e pode fazer tais criações de qualquer forma, uma forma diferente da outra , havendo assim infinitas formas possíveis de se fazer esse algo. Se pararmos para pensar assim, veremos que Deus realmen- te pode fazer tais coisas como acima mencionado, mas na realidade sabe- mos que as coisas criadas não serão infinitas, assim como as suas formas também não serão infinitas, pois também não podem existir coisas reais infinitas, assim como não existem possibilidades existentes infinitas aplica- das. Pense em começar a contar infinitamente, comece do 0,1,2,3,4,5,6,7,8,9,10, 11 e assim por diante, digamos que em 70 anos estaremos contando no numero 100.000.000.000.000, esse numero será em 70 anos a delimitação da minha contagem,mesmo assim sabemos que apesar de os números serem infinitamente possíveis de existirem, sabemos que realmente não podemos conta-los de forma infinita, pois apesar de serem infinitas as possibilidades de contarmos esses números, a sua contagem aplicada sem- pre será finita, logo, a realidade é finita, mas a abstração de possibilidades numéricas existenciais é infinita. Como Deus é real, todas as suas ações realizadas são finitas, mas isso não impede que as suas possibilidades de ações possíveis de serem feitas serem realente infinitas, assim sabemos que a ação do seu poder aplicado é finito, mas a ação de possibilidades possíveis é infinita, como possibilidades são uma ação abstrata, e Deus é uma realidade, logo podemos dizer que Deus possui o seu poder aplicado de forma finita (pois existe um fim já realizado as suas ações, mas que as suas possibilidades de realização possíveis são
  49. 49. 49 infinitas em todos os sentidos), pois a realidade transforma todos os fatos em ações finitas, mas a mesma realidade não impede que ações possíveis de serem realizadas, sejam feitas de forma continua e infinita. Dessa forma podem haver números infinitos possíveis de serem contados, mas na verda- de sempre haverá um número finito de números já contados. Logo que pensamos de forma lógica, sabemos que só existem possibilidades infinitas, mas nunca realidades existentes infinitas, logo tudo que existe esta presente de forma finita, logo realidades existentes infinitas não podem existir de forma real. Assim se Deus fosse realmente infinito em seu princí- pio, ele não existiria agora, pois nada eternamente infinito pode existir! O próprio número de estrelas do universo são finitos de acordo com a bíblia, e por serem finitas as estrelas elas podem por esse motivo serem contadas, e logo cada estrela de universo pode também ser nomeada, assim pode- mos saber que a realidade de uma existência possui princípio e fim. Uma dizima periódica não é uma existência realmente infinita. Apesar de haverem frações que não possuem representações decimal exata. Por exemplo: Isso não faz com que esse objeto representado de forma existencial seja infinito, assim posso dizer que se eu quiser dividir uma maça em 3 partes iguais, eu não terei 0,33333333333333333 infinitamente pedaços de maçãs, mas sim terei uma maçã dividida em três partes quase perfeitas que não podem ser completamente exatas em suas propriedades de divisão. logo eu posso dizer de forma simplificada que eu terei 0,33333333 + 0,33333333 + 0,33333334 pedaços de maçãs, que somados serão igual a uma 1 única maçã. O universo pode ser infinito? Não. O tempo pode existir de forma infinita? Não.
  50. 50. 50 Existe algo infinitamente divisível? Não. Existe alguma coisa que exista que seja realmente infinita? Provavelmente não, pois não há motivos para se crer em realidades infinitas, pois somente coisas irreais podem ser infinitas, assim como o amor pode apenas ser poeticamente dito como infinito, mas não pode ser tecnicamente aplicado de forma infinita. Mesmo o amor de Deus infinito ( poeticamente demonstrado de forma abstrata) , foi manifestado de forma finita (física) na cruz de Cristo Jesus, pois como esta escrito, é um só o cordeiro, e um só o sacrifí- cio, não havendo novo sacrifício. logo a própria manifestação física de amor é finita extendida a todas as pessoas e seres vivos que entraram no pecado, mas a capacidade de Deus de nos amar, essa sim é infinita, logo a realidade se mantém finita em suas ações, e as possibilidades apenas é que são infinitas, pois assim como o amor é de forma abstrata infinita. mas sempre que for manifestado será de forma finita. Se alguém quiser demonstrar todo o seu amor infinito por alguém, ele nunca poderá dar infinitas rosas para poder demonstrar tal amor, pois não existem rosas infinitas, pois rosas são estruturas reais, que exis- tem de forma real, em uma situação real. Logo temos que definir que toda a realidade é finita. Se Deus é infinito amor, então ele se torna infinito?
  51. 51. 51 Na verdade não, pois ele é infinito quanto o seu amor, mas as suas manifestações ainda sim são finitas ,assim também como ele não é infinito quanto a sua existência, logo Deus é uma existência com realidades finitas e possibilidades infinitas de serem realizadas. Se Deus é finito, então ele possui um fim? Na verdade não, pois assim como ele possui um começo real a qual lhe deu existência, ele também possui no mínimo um fim funcional de existência presente, mas também isso não significa que ele possua necessariamente um fim absoluto, pois a cada momento de sua existência temos aumento todo o tempo real de sua existência abso- luta, logo ele pode ser eterno em sua existência absoluta, mas com uma delimitação de tempo sempre constante e em crescimento no espaço tempo absoluto. Deus é eterno? A Biblia diz que Deus é eterno, e ser Deus eterno não é a mesma coisa que ser Deus infinito, eternidade significa existência sem tempo definido, ou um tempo determinado para o fim, Logo Deus não tem um fim determinado absoluto, logo ele é absolutamente eterno em seu tempo existente, uma vez que no seu tempo absoluto ainda não há um fim determinado, logo posso dizer que Deus é absolutamente eterno em toda a sua existência absoluta. no próximo pergunta res- pondo o que é o tempo absoluto. O tempo por trás do tempo! O nosso tempo não é o tempo de Deus, assim como a nossa existên- cia não deve ser exatamente a mesma existência de Deus, mas se o tempo de Deus não é o nosso tempo, não é o mesmo que dizer não haja um princípio absoluto de tempo. O tempo absoluto: Quando Deus passou a existir, nesse exato momento se formou o tempo absoluto, assim o tempo absoluto é contingente a existência de Deus, na verdade todas as coisas existentes de forma real, e até mesmo as abstratas, estão existindo contingentemente a existência
  52. 52. 52 de Deus, logo até mesmo a existência do tempo absoluto é contin- gente a existência de Deus. Todo o tempo inicial é contingente a existência de Deus, esse tempo inicial é chamado de tempo absoluto, pois o tempo contingente a existência de Deus é o real tempo absolu- to que existe indiferente de qualquer outra coisa, sendo contingente somente a existência de Deus, logo a existência desse tempo é tem- poralmente diferente da marcação de cronológica do nosso tempo, logo o tempo absoluto existe de forma separada e externa a nossa existência, estando o mesmo existindo de forma direta e contingente a existência de Deus, essa contingência é tão direta que não há como separar o tempo absoluto da existência de Deus, logo o tempo abso- luto surgiu junto com a existência de Deus. Negar o princípio de qualquer coisa, é o mesmo que negar a existência da mesma! A minha grande diferença de pensamento, com a linha de raciocínio de Thomas de Aquino, é que Thomas de Aquino acreditava haver um ser necessário sempre eterno (com um princípio eterno), logo ele tem o problema apresentado acima quanto a não haver então um princí- pio presente real para a existência de Deus, mas é obvio que tal observação dada por Thomas é inaceitável, pois a reconstituição que Thomas de Aquino faz, dispensa princípio de Deus, logo a negação de um princípio não responde a sua existência, assim sendo, negan- do o 1º principio ( a existência de um começo para Deus), ela apenas permite explicar o princípio do universo e de todas as coisas, mas exclui a necessidade de princípio para Deus, logo ele mesmo elimina a possibilidade de Deus existir de forma racional. O único real milagre! O único milagre que existe, é o fato de Deus existir, Deus é o real milagre da vida, ele é realmente a única explicação real para todas as formas de começos poderem vir a existir, ele é sim o ser necessário a todas as existências como diz Thomas de Aquino. Contudo ele mes- mo é o único milagre que realmente aconteceu. O começo do nada! Deus veio a existir do nada, mas do nada, sabemos que nada pode vir a existir ! mas se Deus existe, logo ele é quase como o nada, pois precisa possuir características muito próximas a inexistência, mas por

×