Brunno V. G. Vieira e Márcio Thamos
(Orgs.)
São Paulo, 2011
Permanência Clássica
Visões contemporâneas da Antiguidade grec...
Copyright do texto © 2011 Autores
Copyright da edição © 2011 Escrituras Editora
Todos os direitos desta edição foram cedid...
Sumário
Apresentação................................................................5
Parte I – Percursos da Permanência C...
7. As referências mitológicas como transgressão ao
cânone literário em Memórias póstumas de
Brás Cubas, de Machado de Assi...
187
8
A expressão figurativa do mito de Roma
(numa passagem da Eneida)
Márcio Thamos
A tradição dos Estudos Clássicos nos ...
188
aos poucos, (re)descobrimos, em outras bases, sob uma
nova perspectiva analítica, as altas razões, nem sempre claras
o...
189
	 Parce metu, Cytherea, manent immota tuorum
	 fata tibi; cernes urbem et promissa Lauini
	 moenia sublimemque feres a...
190
	 cum domus Assaraci Phthiam clarasque Mycenas
	 seruitio premet ac uictis dominabitur Argis.
30 Nascetur pulchraTroia...
191
pois não voltei atrás em meus desígnios.
Ele (já que te afliges, vou-te expor
os longínquos arcanos do destino),
levan...
192
agora terra, céus e mar castiga,
refletindo melhor, protegerá
juntamente comigo os teus romanos,
do mundo os donos, a ...
193
Império. Na sucessão narrativa, quatro heróis são individuali-
zados e valorizados por suas ações: 1) Eneias, “levando...
194
grandes feitos do Divino Augusto”, espécie de memorial
político do imperador, o seguinte apontamento a respeito
do tem...
195
seu filho Ascânio (Iúlo), ao qual seguirá um longo período
governado por seus descendentes troianos (“Hic iam ter
cent...
196
surpreendente: a fala completa de Júpiter se constrói com
quarenta hexâmetros, e o nome de Rômulo aparece no vi-
gésim...
197
Assim, pode-se dizer que Roma é Troia. Mas
como conciliar o trágico destino desta última, arrasada
na célebre guerra c...
198
que ocorre mais de uma vez ao longo de todo o discurso de
Júpiter, o que, naturalmente, reclama atenção maior. No
hexâ...
199
o segundo é o centro, ou ápice, da outra (-lus: sílaba com-
plexa). Na passagem ou “evolução” de Ilus a Iulius, acres-...
200
um troqueu ( ˉ ˘ ). Na constituição rítmica desses pés,
a primeira sílaba é sempre longa e receberia um acento
(denomi...
201
extremidades do hexâmetro – sugere um paralelo entre
o herói mítico (Iúlo) e o histórico (Júlio), ao mesmo
tempo em qu...
202
Referências
AUGUSTE. Res gestae divi Augusti – Hauts faits du divin
Auguste. Texte établi et traduit par John Scheid. ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A expressão figurativa do mito de Roma (numa passagem da Eneida)

737 visualizações

Publicada em

"A expressão figurativa do mito de Roma (numa passagem da Eneida)" (Márcio Thamos).
Livro: Permanência Clássica: Visões contemporâneas da Antiguidade greco-romana.
Escrituras Editora, 2011.

Confira também:
https://sites.google.com/site/marciothamos/
http://mais.uol.com.br/marciothamos
http://www.slideshare.net/marciothamos
http://www.youtube.com/user/MThamos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
737
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A expressão figurativa do mito de Roma (numa passagem da Eneida)

  1. 1. Brunno V. G. Vieira e Márcio Thamos (Orgs.) São Paulo, 2011 Permanência Clássica Visões contemporâneas da Antiguidade greco-romana miolo permanencia1.indd 1 12/16/10 5:33 PM
  2. 2. Copyright do texto © 2011 Autores Copyright da edição © 2011 Escrituras Editora Todos os direitos desta edição foram cedidos à Escrituras Editora e Distribuidora de Livros Ltda. Rua Maestro Callia, 123 – Vila Mariana – São Paulo, SP – 04012-100 Tel.: (11) 5904-4499 / Fax: (11) 5904-4495 escrituras@escrituras.com.br www.escrituras.com.br Impresso no Brasil Printed in Brazil Diretor editorial Raimundo Gadelha Coordenação editorial Mariana Cardoso Assistente editorial Ravi Macario Revisão Alexandre Teotonio Jonas Pinheiro Capa e diagramação Vaner Alaimo Índices para catálogo sistemático: Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) 10-09013 CDD-807 Conselho editorial Denice Barbara Catani José Galizia Tundisi Marco Antonio Moreira Nílson José Machado Paulo Figueiredo Roberto Nardi Foto da capa Brunno V. G. Vieira. Colunas da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 2009 Impressão Gráfica Edições Loyola Obra em conformidade com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa Vieira, Brunno V. G; Thamos, Márcio Permanência Clássica: visões contemporâneas da antiguidade greco-romana / Brunno V. G. Vieira e Márcio Thamos . – São Paulo: Escrituras Editora, 2011. – (Coleção ensaios transversais) Bibliografia ISBN 978-85-7531-377-0 1. Classicismo (Literatura) 2. Ensaios 1. Classicismo na literatura 807 2. Literatura: Estudos clássicos 807 miolo permanencia1.indd 2 12/16/10 5:33 PM
  3. 3. Sumário Apresentação................................................................5 Parte I – Percursos da Permanência Clássica...............12 1. O percurso do teatro clássico: da Antiguidade a nossos dias Zelia de Almeida Cardoso.........................................13 2. Inter-relações e permanência da poética clássica João Batista Toledo Prado..........................................51 3. A permanência de Lucano na literatura lusófona Brunno V. G. Vieira..................................................71 4. Os usos do passado: considerações sobre o papel da Arqueologia na construção da identidade nacional italiana Marina Cavicchioli e Pedro Paulo A. Funari............111 5. O lugar dos clássicos hoje: o supercânone e seus desdobramentos no Brasil Henrique Cairus....................................................125 Parte II – Momentos da Permanência Clássica.........144 6. Anatomia da sátira João Adolfo Hansen................................................145 miolo permanencia1.indd 3 12/17/10 2:23 PM
  4. 4. 7. As referências mitológicas como transgressão ao cânone literário em Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis Maria Celeste Tommasello Ramos............................171 8. A expressão figurativa do mito de Roma (numa passagem da Eneida) Márcio Thamos......................................................187 9. Coisas que nos fazem recordar (Virgílio e Guimarães Rosa) Alceu Dias Lima....................................................203 10. Personagens femininas no Satíricon, de Petrônio Cláudio Aquati......................................................215 Breve informação sobre os autores.................... 249 miolo permanencia1.indd 4 12/17/10 2:23 PM
  5. 5. 187 8 A expressão figurativa do mito de Roma (numa passagem da Eneida) Márcio Thamos A tradição dos Estudos Clássicos nos habituou a respeitar e, em certos casos, como no de Virgílio, até mes- mo a reverenciar os autores da Antiguidade greco-romana; e, nesse particular, cumpriu bem sua missão de conservar e divulgar obras de culturas ancestrais, que dizem respeito às origens da civilização moderna. Mas o fez, em geral, prin- cipalmente no que se refere aos textos de valor artístico, a custa de interpretações de caráter mais ou menos impres- sionista, quando não de cunho explicitamente biográfico, investindo em comentários fundados em informações nem sempre confiáveis, cuja origem, não raras vezes, são notas de escólio um tanto ingênuas, as quais, não obstante, por força da repetição, acabam-se firmando como referências incontestes. Contemporaneamente, vamos aprendendo a desconfiar de tais explicações, ao mesmo tempo em que, miolo permanencia1.indd 187 12/16/10 5:33 PM
  6. 6. 188 aos poucos, (re)descobrimos, em outras bases, sob uma nova perspectiva analítica, as altas razões, nem sempre claras ou bem reconhecíveis, da tradição em conservar e valorizar as obras e os autores da Antiguidade Clássica. O mito da predestinação de Roma é bastante conhecido e ganhou sua maior expressão na arte de Vir- gílio (70-19 a. C.). Obras de vulgarização explicam com facilidade que a Eneida teria sido escrita a pedido de Ota- viano Augusto, ávido por ver enaltecidas as origens da Urbe. Certamente não desagradava ao imperador ouvir do próprio Júpiter a confirmação de que os romanos se- riam “os senhores do mundo”64 ou ter sua ascendência ligada ao herói Eneias. Porém, é preciso notar, mais do que espírito cívico ou desejo de agradar ao mandatário supremo da pátria (de quem, aliás, diga-se de passagem, o poeta era amigo), foi necessário incontestável talento para compor uma obra de tal vulto. Em um trecho do Canto I da Eneida, do hexâ- metro 257 ao 296, tem-se a narração resumida do mito de Roma. Trata-se do discurso completo de Júpiter a Vê- nus, quando a deusa lhe vem reclamar pela sorte do filho, Eneias, que, juntamente com os companheiros troianos, acaba de enfrentar, no mar Tirreno, uma terrível tempes- tade provocada por Éolo a pedido da ardilosa Juno. A fim de facilitar a referência no corpo deste trabalho, dá-se aqui uma numeração autônoma aos versos da passagem, con- forme segue: 64 “Romanos, rerum dominos” (VIRGÍLIO, Eneida, I, 282). miolo permanencia1.indd 188 12/16/10 5:33 PM
  7. 7. 189 Parce metu, Cytherea, manent immota tuorum fata tibi; cernes urbem et promissa Lauini moenia sublimemque feres ad sidera caeli magnanimum Aenean; neque me sententia uertit. 5 Hic tibi (fabor enim, quando haec te cura remordet, longius, et uoluens fatorum arcana mouebo) bellum ingens geret Italia populosque ferocis contundet moresque uiris et moenia ponet, tertia dum Latio regnantem uiderit aestas, 10 ternaque transierint Rutulis hiberna subactis. At puer Ascanius, cui nunc cognomen Iulo additur (Ilus erat, dum res stetit Ilia regno), triginta magnos uoluendis mensibus orbis imperio explebit, regnumque ab sede Lauini 15 transferet, et longam multa ui muniet Albam. Hic iam ter centum totos regnabitur annos gente sub Hectorea, donec regina sacerdos Marte grauis geminam partu dabit Ilia prolem. Inde lupae fuluo nutricis tegmine laetus 20 Romulus excipiet gentem et Mauortia condet moenia Romanosque suo de nomine dicet. His ego nec metas rerum nec tempora pono: imperium sine fine dedi. Quin aspera Iuno, quae mare nunc terrasque metu caelumque fatigat, 25 consilia in melius referet, mecumque fouebit Romanos, rerum dominos gentemque togatam. Sic placitum.Veniet lustris labentibus aetas miolo permanencia1.indd 189 12/16/10 5:33 PM
  8. 8. 190 cum domus Assaraci Phthiam clarasque Mycenas seruitio premet ac uictis dominabitur Argis. 30 Nascetur pulchraTroianus origine Caesar, imperium Oceano, famam qui terminet astris, Iulius, a magno demissum nomen Iulo. Hunc tu olim caelo spoliis Orientis onustum Accipies secura; uocabitur hic quoque uotis. 35 Aspera tum positis mitescent saecula bellis; cana Fides etVesta, Remo cum fratre Quirinus iura dabunt; dirae ferro et compagibus artis claudentur Belli portae; Furor impius intus saeua sedens super arma et centum uinctus aenis 40 post tergum nodis fremet horridus ore cruento. (VIRGILE, 1959, p.15-7) Apresenta-se em seguida uma tradução que pro- cura ser, tanto quanto possível, um equivalente vernáculo para os versos em latim65 : Citereia, não temas pelos teus, inabalável é o destino deles. Tu verás a cidade de Lavínio assim como as muralhas prometidas e elevarás aos céus o grande Eneias, 65 Optou-se pelo decassílabo como padrão métrico por ser este, na melhor tradição portuguesa, um verso epopeico, comparável portanto ao verso he- roico latino. O hexâmetro datílico, modelo métrico da Eneida, apresenta uma constituição que varia de 13 a 17 sílabas (de acordo com o arranjo de longas e breves que formam os pés, em cada verso). Podendo-se assim imaginar a média ideal de 15 sílabas no verso latino, pareceu razoável buscar uma pa- ridade métrica, na tradução, mantendo-se a proporção de aproximadamente 3 decassílabos para 2 hexâmetros. miolo permanencia1.indd 190 12/16/10 5:33 PM
  9. 9. 191 pois não voltei atrás em meus desígnios. Ele (já que te afliges, vou-te expor os longínquos arcanos do destino), levando uma terrível guerra à Itália, dominará os povos mais ferozes e aos homens há-de impor leis e muralhas até o terceiro estio o vir reinando no Lácio e três invernos se passarem após a submissão dos duros Rútulos. E o jovenzinho Ascânio, a quem agora dão o cognome Iúlo (fora Ilo enquanto o reino de Ílio esteve em pé), mês após mês, completará a série de trinta grandes giros no poder e, de Lavínio, a sede de seu reino para a forte Alba Longa mudará. Aí, por mais trezentos longos anos, de Heitor a raça sempre reinará até Ília, a real sacerdotisa, grávida, gêmea prole dar a Marte. Feliz, com a fulva pele da mãe loba, Rômulo acolherá então o povo, erguerá as muralhas marciais e aos romanos dará seu próprio nome. A estes já nenhum limite imponho: nem tempo nem espaço os deterá, pois não tem fim o império que lhes dei. E mesmo a rude Juno, que por medo miolo permanencia1.indd 191 12/16/10 5:33 PM
  10. 10. 192 agora terra, céus e mar castiga, refletindo melhor, protegerá juntamente comigo os teus romanos, do mundo os donos, a nação togada. Assim desejo. Lustros decorridos, afinal chegará um novo tempo em que a casa de Assáraco há-de impor a Ftia o jugo e à célebre Micenas, além de Argos vencida dominar. Nascerá, de uma bela estirpe, César, troiano que a um tempo estenderá o Império ao Oceano e a fama aos astros; Júlio, seu nome, advém do grande Iúlo. Carregado de espólios do oriente, o acolherás no céu tranquila um dia; também a ele invocarão nos votos. Então, se enternecendo os rudes séculos, as guerras cessarão; darão as leis Quirino e Remo, Vesta e a Boa Fé. A ferro as portas lúgubres da Guerra serão trancadas; o ímpio Furor, dentro, sentado sobre as armas assassinas e amarrado com cem grilhões de bronze, horrendo, rugirá com a boca em sangue.66 O trecho apresentado é um breve relato da ascensão de Roma, desde suas origens míticas até o estabelecimento do 66 As traduções dos originais latinos aqui citados foram feitas pelo autor deste trabalho para o próprio texto. miolo permanencia1.indd 192 12/16/10 5:33 PM
  11. 11. 193 Império. Na sucessão narrativa, quatro heróis são individuali- zados e valorizados por suas ações: 1) Eneias, “levando uma terrível guerra à Itália,/ dominará os povos mais ferozes/ e aos homens há-de impor leis e muralhas” (“bellum in- gens geret Italia populosque ferocis/ contundet moresque uiris et moenia ponet” – hex. 7 e 8); 2) seu filho Ascânio (Iúlo), “mês após mês, completará a série/ de trinta grandes giros no poder/ e, de Lavínio, a sede de seu reino/ para a forte Alba Longa mudará” (“triginta magnos uoluendis mensibus orbis/ imperio explebit, regnumque ab sede Lauini/ trans- feret, et longam multa ui muniet Albam” – hex. 13 a 15); 3) “Rômulo acolherá então o povo,/ erguerá as muralhas marciais/ e aos romanos dará seu próprio nome” (“Romu- lus excipiet gentem et Mauortia condet/ moenia Romanos- que suo de nomine dicet” – hex. 20 e 21); e 4) César, “troia- no que a um tempo estenderá/ o Império ao Oceano e a fama aos astros” (“imperium Oceano, famam qui terminet astris” – hex. 31). Na sequência, outra importante ação é narrada, mas sem que seja mencionado o nome do herói por ela responsável: “A ferro as portas lúgubres da Guerra/ serão trancadas” (“dirae ferro et compagibus artis/ claudentur Belli portae” – hex. 37 e 38). Contudo, é fácil inferir daí o nome de Otaviano Au- gusto, chefe político-militar que, sucedendo a César, inau- gura o período conhecido como Pax Romana, em que ces- sam as Guerras Civis e reina certa tranquilidade por todo o Império. A referência torna-se evidente quando se lê, no parágrafo 13 da famosa inscrição conhecida como “Os miolo permanencia1.indd 193 12/16/10 5:33 PM
  12. 12. 194 grandes feitos do Divino Augusto”, espécie de memorial político do imperador, o seguinte apontamento a respeito do templo de Jano: Jano Quirino – que os nossos antepassados quiseram fosse fechado quando por todo o Império do povo romano, em terra e no mar, houvesse a paz sido gera- da pelas vitórias, e que, antes de mim, desde a funda- ção da cidade, conforme lembra a tradição, somente duas vezes tinha sido fechado – três vezes, no meu principado, o Senado mandou fechar.67 Assim, a mítica ação civilizadora de Eneias, o herói que “aos homens há-de impor leis e muralhas” (“moresque uiris et moenia ponet” – hex. 8), se consolida por obra de Augusto, que é capaz de, mantendo a gran- de extensão do Império, impor-lhe a paz. De Eneias a Augusto, completa-se, pois, um grande ciclo heroico da civilização romana. Todo o texto é construído de modo a manter e ressaltar esse vínculo entre o herói e o imperador, transfe- rindo-se para a descendência histórica uma herança míti- ca. Para tanto, a cada passo, na narrativa, reafirmam-se os laços consanguíneos que se estendem do troiano Eneias ao romano Augusto: ao reinado de Eneias, sucede o de 67 “[Ianum] Quirin[um, quem cl]aussum ess[e maiores nostri uoluer]unt, cum [p er totum i[mperium po]puli Roma[ni terra marique es]set parta uictoriis pax, cum pr[iusquam] nascerer, [a condita] u[rb]e bis omnino clausum [f]uisse prodatur m[emori]ae, ter me princi[pe senat]us claudendum esse censui[t.]” (AUGUSTO, Res gestae divi Augusti, 2007, p.12). miolo permanencia1.indd 194 12/16/10 5:33 PM
  13. 13. 195 seu filho Ascânio (Iúlo), ao qual seguirá um longo período governado por seus descendentes troianos (“Hic iam ter centum totos regnabitur annos/ gente sub Hectorea” – hex. 16 e 17), até que uma sacerdotisa real, Ília, engravidada por Marte, dê à luz os dois gêmeos (“donec regina sacer- dos/ Marte grauis geminam partu dabit Ilia prolem” – hex. 17 e 18) que fundarão a cidade de Roma. Mais adiante, quando se fala de César, ele é chamado “troiano de bela origem” (“Nascetur pulchra Troianus origine Caesar” – hex. 30). O próximo passo está, do mesmo modo, implícito na sequência narrativa, que sugere o nome de Otaviano como sucessor direto de Júlio César68 , ao prosseguir refe- rindo-se à Pax Romana, quando, enfim, num tempo mais ameno, as guerras cessarão (“Aspera tum positis mitescent saecula bellis” – hex. 35). Os nomes de Ascânio (Iúlo), Rômulo e César funcionam, assim, como pontos de referência no tempo (e no texto), que permitem traçar uma linha evolutiva li- gando Eneias ao imperador Augusto. Ao longo dessa linha, decorrem ações que se passam em tempos distintos: um claramente mítico, em que atuam os troianos, e outro que já se caracteriza como histórico, em que agem os ro- manos. O ponto de passagem é representado pela figura lendária de Rômulo que, segundo a tradição, em 753 a. C., funda a cidade. O trecho expressa concretamente essa divisão entre tempos mítico e histórico com uma precisão 68 Pode-se também lembrar que o imperador era membro da “Família Júlia” (Gens Iulia) e que, como sobrinho-neto de Júlio César, passou a ser chamado Júlio César Otaviano, após sua adoção como filho pelo tio-avô. miolo permanencia1.indd 195 12/16/10 5:33 PM
  14. 14. 196 surpreendente: a fala completa de Júpiter se constrói com quarenta hexâmetros, e o nome de Rômulo aparece no vi- gésimo, exatamente o meio da narrativa. Contudo, para o discurso atemporal de Júpiter, essa divisão não faz qualquer sentido, e, desse modo, sobrepõem-se realidades históricas a acontecimentos lendários e míticos, que se desenvolvem indistinta e naturalmente, mantendo sempre entre si uma relação de causalidade evolutiva. Nessa evolução, é Rô- mulo quem, a partir de seu nome, estende a ascendência mítica a todos os romanos (“Romanosque suo de nomine dicet” – hex. 21), a quem, então, o pai dos deuses ofertará “um império sem fim”, sem limites no tempo ou no espa- ço (“His ego nec metas rerum nec tempora pono:/ imperium sine fine dedi” – hex. 22 e 23). Rômulo é, portanto, o elo fundamental entre troianos e romanos, representados de um lado por Eneias e Ascânio (Iúlo), e de outro por Júlio César e Otaviano Augusto. Assim, a linha evolutiva em que alguns nomes se destacam como sendo de heróis representa também a descendência coletiva de todo um povo: o troiano que se torna romano. A sequência dos hexâmetros imita em si mesma essa temporalidade evolutiva, de acordo com o seguinte esquema: Eneias Ascânio Rômulo César [Augusto] 1 5 11 20 30 35 40 Troianos (Fundação de Roma) Romanos (Os números indicam o verso em que se inicia a narração das ações de cada herói individualizado) miolo permanencia1.indd 196 12/16/10 5:33 PM
  15. 15. 197 Assim, pode-se dizer que Roma é Troia. Mas como conciliar o trágico destino desta última, arrasada na célebre guerra contra os gregos, com a glória infinita prometida à primeira? Virgílio resolve o aparente paradoxo com a criação de imagens poéticas que se completam, con- firmando ludicamente a indestrutibilidade de Roma. O recurso mais evidente é a simples narração de parte da estória de Rômulo e Remo. Conforme a fala de Jú- piter, os troianos (“a raça de Heitor”) reinarão no Lácio por trezentos anos “até Ília, a real sacerdotisa,/ grávida, gêmea prole dar a Marte” (“donec regina sacerdos/ Marte grauis ge- minam partu dabit Ilia prolem” – hex. 17 e 18). Rômulo e Remo, símbolos do nascimento da Urbe, são filhos do próprio deus da guerra, o que garante aos romanos prote- ção divina contra qualquer inimigo. Mas esses versos são também uma metáfora baseada em analogia acústica que mostra bem as origens troianas fortalecidas pela disposição guerreira de Roma. Em latim, Ilia, o nome da mãe dos gêmeos, tem dois homônimos perfeitos: Ilia, “de Ílio”, isto é, “de Troia”, e ilia, “ventre”69 . Desse modo, a imagem é clara: Roma nasce do ventre de Troia fecundado por Marte. A ideia mítica do destino de Roma e sua ligação direta com Troia ganha ainda uma sintética expressão icô- nica a partir da configuração fônica de uma única palavra, ou melhor, da transformação de um nome: Iúlo. Antes de mais nada, cabe lembrar que esse é o único nome de herói 69 As três palavras assim tomadas seguem formas de nominativo. O nome próprio Ilia é um substantivo feminino de tema em -a, o adjetivo Ilia está no feminino (em concordância com res, por exemplo), e o substantivo ilia é um neutro plural de tema em -i. miolo permanencia1.indd 197 12/16/10 5:33 PM
  16. 16. 198 que ocorre mais de uma vez ao longo de todo o discurso de Júpiter, o que, naturalmente, reclama atenção maior. No hexâmetro 11, quando é apresentado o jovem Ascânio, an- tes de serem resumidos seus grandes feitos, que permitirão o surgimento de Roma, há uma explicação a respeito de seu cognome, isto é, uma espécie de apelido70 : “fora Ilo/ en- quanto o reino de Ílio esteve em pé” (o reino de Troia), mas então mudará para “Iúlo” (“At puer Ascanius, cui nunc cognomen Iulo/ additur (Ilus erat, dum res stetit Ilia regno”) – hex. 11 e 12). Esse comentário pode inicialmente parecer um detalhe mais ou menos despropositado, uma vez que é clara a intenção do narrador em ser muito breve em toda sua exposição. Mas passa a cobrar maior sentido quando, no hexâmetro 32, explica-se que o nome de César, Júlio, é derivado de Iúlo (“Iulius, a magno demissum nomen Iulo”). Cria-se assim uma etimologia lúdica (que o filólogo mais sisudo chamará de falsa); sugere-se uma derivação basea- da, na verdade, em associação por analogia acústica, que exprime em si mesma a própria transformação de Troia em Roma. Em latim, tem-se: Ilus, “Ilo”, nome que lembra sempre Ilium, Ilion ou Ilios71 (“Ílio”, isto é, Troia), que pas- sará primeiro a Iulus, “Iúlo” (hex. 11 e 12) e depois a Iulius, “Júlio” (hex. 32). A base fônica do nome original (Ilus), composto por duas sílabas, são dois fonemas: /i/ e /u/. O primeiro forma sozinho uma delas (I-: sílaba simples), e 70 Os romanos pospunham o cognomen ao nomen (“nome da família”), e a este antepunham o praenomen. Por exemplo, em “Caius Iulius Caesar”, “Caius” é o praenomen, “Iulius”, o nomen, e “Caesar”, o cognomen. 71 Cf. dicionário latino. miolo permanencia1.indd 198 12/16/10 5:33 PM
  17. 17. 199 o segundo é o centro, ou ápice, da outra (-lus: sílaba com- plexa). Na passagem ou “evolução” de Ilus a Iulius, acres- centam-se primeiramente um /u/ (Ilus > Iulus) e depois um /i/ (Iulus > Iulius). Assim, a base fônica do nome original aparece duplicada no nome final, onde /i/ e /u/ vêm, ainda, justapostos, como a se reforçarem mutua- mente (Ilus > Iulius). Se Iulus (Ascânio) está para Troia, assim como Iulius (César), para Roma, tem-se aí a expressão concre- ta da ideia mítica da predestinação romana: Roma é Troia que se tornou invulnerável, pois tem agora sua força básica multiplicada e renovada. O verso fundamental que modela iconicamente a expressão do mito é “Iulius, a magno demis- sum nomen Iulo” (hex. 32, traduzido pelo decassílabo “Jú- lio, seu nome, advém do grande Iúlo”); sua configuração métrica concorre para homologar o sentido criado a partir da lúdica derivação nominal. O hexâmetro, modelo de verso invariavelmente ado- tado por Virgílio, se compõe por uma série de sílabas longas e breves, cujo arranjo admite certa variação rítmica – devido à equivalência métrica entre uma longa e duas breves. Mo- dernamente, podem-se assinalar as vogais longas com o macro ( ˉ ) e as breves com a braquia ( ˘ ). Agregando-se em unidades rítmicas, as sílabas formam os chamados pés métricos. Um hexâmetro se constrói pela combinação de seis pés. Os quatro primeiros são dátilos ( ˉ ˘ ˘ ) ou espondeus ( ˉ ˉ ); o quinto, que caracteriza o verso, é necessariamente um dátilo; e o último, um espondeu ou miolo permanencia1.indd 199 12/16/10 5:33 PM
  18. 18. 200 um troqueu ( ˉ ˘ ). Na constituição rítmica desses pés, a primeira sílaba é sempre longa e receberia um acento (denominado arsis), marcando assim uma oposição entre tempos fortes e fracos. Completando o esquema, aplica-se a cesura, em geral no terceiro ou no quarto pé, depois da primeira sílaba. Fazendo-se a demarcação dos pés com barras ver- ticais ( | ), indicando-se a cesura pela barra dupla ( || ), e os tempos fortes por acentos ( / ) sobre as sílabas correspon- dentes, a escansão do hexâmetro 32 assim se apresenta: / / / / Iūlĭŭs | ā māg | nō || dē | mīssūm | nōmĕn Ĭ | ūlō 1 2 3 4 5 6 [Iulius, a magno demissum nomen Iulo] Esse verso constitui uma ponte figurativa que liga Roma, de um lado (representada por Iulius), a Troia, de outro (representada por Iulo). A ocorrência de uma úni- ca cesura, quando outras mais são possíveis no hexâmetro, torna-se significativa à medida que “interrompe” o mínimo necessário essa ligação. Os três pés inteiros que se inter- põem a Iulius e Iulo (2, 3 e 4) são formados apenas por sílabas longas, o que conferiria a esse verso um andamento rítmico mais solene, como a marcar a longínqua tempora- lidade que separa o troiano do romano. A expressividade figurativa desse andamento é reforçada pela recorrência dos fonemas /l/, /s/, /m/ e /n/ que, com suas qualidades acústi- cas (derivadas de características articulatórias), imprimem suavidade e fluidez ao verso. A posição dos nomes – nas miolo permanencia1.indd 200 12/16/10 5:33 PM
  19. 19. 201 extremidades do hexâmetro – sugere um paralelo entre o herói mítico (Iúlo) e o histórico (Júlio), ao mesmo tempo em que lhes confere destaque. É, no entanto, o nome romano que assume preponderância, pois inicia o verso. Além disso, Iulius é a única palavra que aparece com certa autonomia métrica, coincidindo com a es- trutura completa de um pé. O nome Iulo, por sua vez, é ritmicamente distribuído em dois pés, e essa divisão métrica separa, não sem consequências expressivas, as sílabas I- e -u-, base icônica da força troiana. Ainda outro fato métrico relevante põe em paralelo os dois nomes para, mais uma vez, confirmar a superioridade da fortaleza romana: Iulius se inicia no tempo forte do primeiro pé, enquanto Iulo começa num tempo fraco do quinto pé. Talvez não seja demais observar também que, to- mando o verso sob seu aspecto gráfico, Roma, representada por Júlio (César), aparece no Ocidente, enquanto Troia, representada por Iúlo (Ascânio), se inscreve no Oriente, à maneira de uma carta geográfica. Assim, o hexâmetro 32 é, sob muitas perspectivas, um ícone perfeito da expressão do mito de Roma. Enfim, resta lembrar uma vez mais que o dis- curso aqui analisado é proferido pelo próprio Júpiter; e a palavra do pai dos deuses, por exprimir-lhe a vontade (Sic placitum – hex. 27), confirma o próprio destino e torna-se a própria verdade (ainda que tudo se encerre no puro do- mínio da criação poética). miolo permanencia1.indd 201 12/16/10 5:33 PM
  20. 20. 202 Referências AUGUSTE. Res gestae divi Augusti – Hauts faits du divin Auguste. Texte établi et traduit par John Scheid. Paris, Les Belles Lettres, 2007. VIRGILE. Énéide: (livres I-VI). Texte établi par Henri Goelzer et traduit par André Bellessort. 9ème. éd. Paris, Les Belles Lettres, 1959. miolo permanencia1.indd 202 12/16/10 5:33 PM

×