Modelo de acao comunicativa e dȩ ̃
informacao para redes sociais em̧ ̃
ambientes digitais
Márcia Marques
Tese apresentad...
Objeto
•
O objeto desta pesquisa é o desenvolvimento de
um Modelo de Ação Comunicativa e de
Informação em Redes Socia...
Objetivo geral
•
Desenhar o Modelo teórico-metodológico
para elaboração de diagnóstico de fluxos de
informação e co...
Objetivos específicos
•
Apresentação de arcabouço conceitual que envolva a comunicação, a
informação e a tecnologia...
Modelo
•
Todo modelo é uma aproximação da natureza
das coisas, é tecnologia de simplificação da
complexidade, que fo...
Modelo transdisciplinar
•
É uma articulação transdisciplinar de
conceitos e metodologias para orientar a
elaboração de...
A definição de estratégias envolve observar:
•a rede e o indivíduo,
•as relações do indivíduo em rede,
•os conteúd...
Modelo e disciplinas
•
Ciência da Informação, Comunicação e Ciência
da Computação: formadoras, amalgamadoras e
org...
Metodologia: a mescla de
procedimentos
•
A interrelação de diferentes paradigmas
teóricos para a construção de um arc...
O paradigma indiciário
•
Ginzburg faz levantamento do paradigma,
modelo de rigor flexível, com regras que não
se prestam...
A busca ao acaso
•
O processo de busca dos indícios denomina-se
“brauseio”(ARAÚJO in FREIRE, 2014), um
deambular em bibli...
Metodologia para a tese
•
Revisão bibliográfica de Comunicação,
Informação e TIC – teorias e métodos de
pesquisa (quantita...
Metodologia para o Modelo
•
Estudo de Usuários – indivíduo na rede –usos,
necessidades, competências instrumentais, em
in...
Informação
Modelo de três mundos de
Popper
Três significados de
Informação
Material e humano (mundo dos
objetos ou estados...
Informação como coisa
•
Sistemas de Organização da Informação:
•
Organizar a informação é buscar a entropia
negativa, a...
Competências e direitos humanos
•
Declaração Universal dos Direitos Humanos –
artigo 19
•
e novo conjunto de direitos: ao
...
Competências e Direitos Humanos
•
Direitos decorrentes das novas tecnologias da comunicação e da
informação, dos quais...
Competências
•
Competência em informação (informação como
conhecimento) é espinha dorsal do processo de
formação permanent...
Comunicação
•
Sete paradigmas observados: funcionalista,
matemático, crítico, culturológico,
midiológico/tecnológico,...
Comunicação
•
No horizonte da incomunicação, a Ação
Comunicativa para o entendimento e para o
sucesso
•
A organização da c...
Comunicação
•
O leitor participante
•
Atores que influem, positiva ou
negativamente, nos fluxos de informação, na
comuni...
Tecnologia
•
Para a informação e para a comunicação – integra este modelo desde
o objeto, as redes sociais que se situam e...
Tecnologia
•
A web é a principal teia hipertextual;
•
A rede 3.0, multimodal, representa a integração de
múltiplas rede...
Rede e complexidade
•
A separação cartesiana de indivíduo e mundo criou um
sujeito ideológico que deve reinar sobre o ...
As redes de
Barán
Aspectos das redes
•
Rede social é a relação entre atores, que se
desenha em um contexto, digital ou não;
•
Digital me...
Análise de Redes Sociais
•
Faz análise exploratória do que se desenha
da rede a partir das relações entre os atores
•
...
Aplicação do Modelo
rede Estudo de Usuários Multivocalidade Análise de Redes Sociais
1 Avaliadores de software X
2 Gestão ...
Aplicação do Modelo
Resumo das informações da rede
item metodologia específico elementos encontrados
A rede contextualizaç...
Resultados multivocais
Gestão da memória, os articuladores do encontro e suas perspectivas:
comunicação, memória e informa...
Os nós das redes
Na rede do Cafezinho, as trocas de mensagens em uma “zona neutra”, que reuniu
turmas de diferentes salas ...
Os nós dialógicos da rede
Na rede Serrana, uma rede territorializada, destacam-se os que mais recebem
respostas às mensage...
Os diálogos agrupados
A observação, via ARS, da troca de mensagens também permite agrupar e sub-
agrupar a rede em temas, ...
Competências para redes
Uso instrumental para comunicação em rede na atividade de
Extensão/grupo focal. Escolha de uso de ...
#nósdaFAC
Competências para a rede
A Rede FAC foi objeto de investigação com a mescla de metodologias. Na busca das pistas sobre
com...
Necessidade
de
informação
O calendário de atividades
acadêmicas (90%),
essencial ao funcionamento
da rede, e informações
s...
Multivocalidade
A busca de documentos, varredura de informações do portal existente e algumas
questões abertas apresentada...
Conexões institucionaisDestaques: (04) Laboratórios, sobrecarregada e que mantém relações com praticamente toda a Rede FAC...
Quem a rede demanda
Servidores administrativos e professores da Graduação são os
mais acionados. Há uma linha de servidore...
observação
A rede Rede da Faculdade de Comunicação da Universidade de
Brasília
Tipo ator/rede identificados quatro grupos ...
Conclusões
•
A rede – mesmo que territorial – pode aplicar o Modelo. Necessária a multidisciplinaridade
•
Universidades e ...
Conclusões
•
A mesma metodologia pode ser aplicada de maneiras diversas e estão diretamente relacionadas com o que se busc...
Obrigada
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação da Defesa da tese: Modelo de Ação Comunicativa e de Informação para redes sociais em ambientes digitais

494 visualizações

Publicada em

Roteiro de defesa oral apresentada à banca de doutoramento no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Ciência da Informação da UnB em 20/03/2015.
Tema da Tese: Modelo de Ação comunicativa e de informação para redes sociais em ambientes digitais
Orientadora: Elmira Simeão. Banca: Antonio Miranda, Aurora Cuevas (por videoconferência), Isa Freire e Fátima Brandão.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
494
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação da Defesa da tese: Modelo de Ação Comunicativa e de Informação para redes sociais em ambientes digitais

  1. 1. Modelo de acao comunicativa e dȩ ̃ informacao para redes sociais em̧ ̃ ambientes digitais Márcia Marques Tese apresentada ao Programa de Pós-graduacão da Faculdade de Ciencia da Informacão da Universidadȩ ̂ ̧ de Brasília (UnB), como requisito parcial para a obtencão do grau de Doutor em Ciencia da Informacão.̧ ̂ ̧ Orientadora: Profa. Dra. Elmira Melo Simeão
  2. 2. Objeto • O objeto desta pesquisa é o desenvolvimento de um Modelo de Ação Comunicativa e de Informação em Redes Sociais em Ambientes Digitais • a partir da indagação: é possível promover ação de comunicação e de informação, para o entendimento em rede, em ambientes digitais?
  3. 3. Objetivo geral • Desenhar o Modelo teórico-metodológico para elaboração de diagnóstico de fluxos de informação e comunicação em redes sociais em ambientes digitais, que contemple o perfil e contexto do grupo delimitado, que oriente o planejamento de estratégias de ação comunicativa para o entendimento
  4. 4. Objetivos específicos • Apresentação de arcabouço conceitual que envolva a comunicação, a informação e a tecnologia para a compreensão do campo multi e interdisciplinar do Modelo; • Definição dos indicadores macro para a pesquisa sobre o indivíduo em rede, através de Estudo de Usuários que colete dados demográficos e de habilidades, competências e necessidades de informação, comunicação e tecnologias para a obtenção do perfil e contexto dos usuários/participantes da rede; • Definição de categorias relacionais da rede, via Análise de Redes Sociais, para aplicação do modelo; • Testar, em diferentes tipos de rede, os aspectos metodológicos que envolvem a aplicação do modelo.
  5. 5. Modelo • Todo modelo é uma aproximação da natureza das coisas, é tecnologia de simplificação da complexidade, que fornece instrumentos de investigação para a compreensão das teorias do mundo. É uma criação cultural.
  6. 6. Modelo transdisciplinar • É uma articulação transdisciplinar de conceitos e metodologias para orientar a elaboração de diagnóstico e o planejamento de estratégias de ação de comunicação e de informação que promovam o entendimento na diversidade de uma rede social em ambientes digitais
  7. 7. A definição de estratégias envolve observar: •a rede e o indivíduo, •as relações do indivíduo em rede, •os conteúdos de informação e •os meios tecnológicos e ambientes em que comunicação e informação se consumam
  8. 8. Modelo e disciplinas • Ciência da Informação, Comunicação e Ciência da Computação: formadoras, amalgamadoras e organizadoras de relações de comunicação e de informação nas redes sociais em ambientes digitais. • Ainda que mantenham as especificidades, as disciplinas articuladas proporcionam múltiplos pontos de observação para o objeto em análise
  9. 9. Metodologia: a mescla de procedimentos • A interrelação de diferentes paradigmas teóricos para a construção de um arcabouço capaz de lidar com a complexidade do objeto de pesquisa resulta na necessidade de utilização de uma mescla de métodos quantitativos e qualitativos das ciências sociais.
  10. 10. O paradigma indiciário • Ginzburg faz levantamento do paradigma, modelo de rigor flexível, com regras que não se prestam a ser formalizadas nem ditas. • Utiliza análise, comparação e classificação em busca de indícios, que dependem de elementos imponderáveis, como faro, golpe de vista e intuição.
  11. 11. A busca ao acaso • O processo de busca dos indícios denomina-se “brauseio”(ARAÚJO in FREIRE, 2014), um deambular em biblioteca ou centro de documentos ao acaso, coletando flashes de informação de todo tipo, para depois selecionar as informações válidas e úteis, por exemplo. • O uso de múltiplas metodologias oferece múltiplas pistas, diversidade de indícios para o desenho da rede, fluida e mutante.
  12. 12. Metodologia para a tese • Revisão bibliográfica de Comunicação, Informação e TIC – teorias e métodos de pesquisa (quantitativos e qualitativos) • Aprofundamento metodologias em disciplinas específicas (EU e ARS), experimentação da multivocalidade
  13. 13. Metodologia para o Modelo • Estudo de Usuários – indivíduo na rede –usos, necessidades, competências instrumentais, em informação e em comunicação • Análise de Redes Sociais – indivíduo e a rede, uma relação íntima – os fluxos nas redes, mediação e intermediação • Multivocalidades – riquezas são diferenças – a rede não é a média, nem maioria, é também minorias
  14. 14. Informação Modelo de três mundos de Popper Três significados de Informação Material e humano (mundo dos objetos ou estados fisicos)́ informacao como coisa̧ ̃ Conhecimento subjetivo (mundo da consciencia oû estados psiquicos)́ informacao como̧ ̃ conhecimento Conhecimento objetivo (mundo constituido de signos)́ informacao como processo̧ ̃
  15. 15. Informação como coisa • Sistemas de Organização da Informação: • Organizar a informação é buscar a entropia negativa, a neguentropia, com a compreensão de que a ordem das coisas vivas não é simples, não diz respeito à lógica aplicada às coisas mecânicas e que postula uma lógica da complexidade (MORIN, 2011, p. 31-32)
  16. 16. Competências e direitos humanos • Declaração Universal dos Direitos Humanos – artigo 19 • e novo conjunto de direitos: ao Desenvolvimento; à Diversidade Cultural; dos Povos Indígenas; relativos à proteção ao ecossistema e ao patrimônio da humanidade; relativos ao novo estatuto jurídico sobre a vida humana;
  17. 17. Competências e Direitos Humanos • Direitos decorrentes das novas tecnologias da comunicação e da informação, dos quais derivam os direitos: • 1. À comunicação e à Informação completa e verdadeira; de acesso à informação relevante para a humanidade; à informação genética; à livre comunicação de idéias, pensamentos e opiniões; de acesso aos meios técnicos de comunicação pública; à autodeterminação informativa; à proteção de dados de caráter pessoal e familiar. • 2. Na rede: direitos informáticos; a conhecer a identidade do emissor de informação e opiniões; à vida privada na rede, à honra e à própria imagem; à propriedade intelectual e industrial na rede.
  18. 18. Competências • Competência em informação (informação como conhecimento) é espinha dorsal do processo de formação permanente • Competência Instrumental – a tecnologia como mediadora • Competência sócio-comunicacional (informação como processo) – alfabetização em mídia e informação
  19. 19. Comunicação • Sete paradigmas observados: funcionalista, matemático, crítico, culturológico, midiológico/tecnológico, linguístico semiótico e dialético • O contexto da comunicação extensiva e a linguagem da animaverbivocovisualidade (AV3): a comunicação em rede
  20. 20. Comunicação • No horizonte da incomunicação, a Ação Comunicativa para o entendimento e para o sucesso • A organização da comunicação – integrada e com foco na formação • O jornalismo – linguagem e estrutura de produção coletiva
  21. 21. Comunicação • O leitor participante • Atores que influem, positiva ou negativamente, nos fluxos de informação, na comunicação em rede: o intermediador e o mediador –na perspectiva de que são atores que se comunicam no contexto do AV3.
  22. 22. Tecnologia • Para a informação e para a comunicação – integra este modelo desde o objeto, as redes sociais que se situam em ambientes digitais, e a partir de três perspectivas: • conceitual – desenvolvimento da internet e da web, e as questões da cibercultura e redes • instrumental – soluções e desenvolvimento de ferramentas e serviços para o uso das TIC, bem como a oferta de formação de competências e habilidades para o uso dessas ferramentas e serviços • metodológica – uso de Análise de Redes Sociais (ARS) – filha moderna da Sociometria, nascida nos anos 1930 com Moreno, no seio da Ciência da Informação
  23. 23. Tecnologia • A web é a principal teia hipertextual; • A rede 3.0, multimodal, representa a integração de múltiplas redes, plataformas e funcionalidades por meio do uso de aplicativos e de mídias móveis • os ambientes digitais: um conjunto de diferentes artefatos físicos, sistemas, programas e aplicativos digitais que propiciam a efetivação da comunicação integrada e desterritorializada entre pessoas individual ou coletivamente.
  24. 24. Rede e complexidade • A separação cartesiana de indivíduo e mundo criou um sujeito ideológico que deve reinar sobre o mundo dos objetos. Um sujeito que possui, manipula e transforma este mundo. • O pensamento complexo compreende este sujeito como um dos atores no tecido de relações – humanas e não humanas – deste pequeno planeta. • Neste trabalho, rede e complexidade mantêm uma similaridade semântica, uma intersecção de sentido, quando a rede é avaliada em sua complexidade
  25. 25. As redes de Barán
  26. 26. Aspectos das redes • Rede social é a relação entre atores, que se desenha em um contexto, digital ou não; • Digital meio para relações em rede e em sub- redes; • Mídias sociais digitais sub-redes de comunicação e de informação, caminhos das redes sociais nas redes digitais.
  27. 27. Análise de Redes Sociais • Faz análise exploratória do que se desenha da rede a partir das relações entre os atores • Não parte de hipóteses específicas sobre a rede que estuda
  28. 28. Aplicação do Modelo rede Estudo de Usuários Multivocalidade Análise de Redes Sociais 1 Avaliadores de software X 2 Gestão da Memória X X 3 Rede do Cafezinho X 4 Rede de Sobradinho/Serrana X 5 Disciplina de Extensão X* X 6 Redes do DF X X 7 Rede FAC X X X Redes e metodologias testadas
  29. 29. Aplicação do Modelo Resumo das informações da rede item metodologia específico elementos encontrados A rede contextualização geral Tipo ator/rede descritivo dos tipos de ator e rede Metodologia Estudo de Usuários olhar o indivíduo – competências (e necessidades) de formação para a informação, a comunicação e a tecnologia Multivocalidade a expressão do indivíduo e dos indivíduos (coletivos) em rede Análise de Redes Sociais observar a rede e os fluxos Resultados Dados Demográficos perfil dos atores Dados sobre competências instrumental contexto de uso instrumental em informação contexto de uso da informação em comunicação contexto de uso da comunicação Dados sobre necessidades de informação contexto de busca/acesso Dados multivocais a diversidade da rede Dados relacionais os fluxos e conteúdos Diagnóstico conjunto de dados para planejar
  30. 30. Resultados multivocais Gestão da memória, os articuladores do encontro e suas perspectivas: comunicação, memória e informação. A visualidade do conteúdo em nuvem de tags Figura 3 – nuvem de tags ressalta comunicação, memória e informação
  31. 31. Os nós das redes Na rede do Cafezinho, as trocas de mensagens em uma “zona neutra”, que reuniu turmas de diferentes salas virtuais de estudo de segurança da informação, utilizadas para observar os atores humanos, a autoridade da sala de aula migrou para o espaço informal. Observação com divisões temporais.
  32. 32. Os nós dialógicos da rede Na rede Serrana, uma rede territorializada, destacam-se os que mais recebem respostas às mensagens enviadas, o ator 18 era a técnica da Fiocruz responsável por organizar e divulgar atas e agendas de encontros do grupo. Também se destacam as representantes da ACM (27) e do CDCA (19)
  33. 33. Os diálogos agrupados A observação, via ARS, da troca de mensagens também permite agrupar e sub- agrupar a rede em temas, que facilitam ações específicas. Aqui, a Rede Serrana/Sobradinho e as sub-redes temáticas encontradas. Coordenadores/Articulad ores institucional segurança pública políticas públicas subgrupo que participa pouco da rede
  34. 34. Competências para redes Uso instrumental para comunicação em rede na atividade de Extensão/grupo focal. Escolha de uso de grupo no Facebook porque todos do grupo estavam nesta mídia social
  35. 35. #nósdaFAC
  36. 36. Competências para a rede A Rede FAC foi objeto de investigação com a mescla de metodologias. Na busca das pistas sobre competências, as perguntas demandavam o que atores sabiam e o que precisavam aprender para a comunicação e uso da informação em rede. Aplicada à rede de coordenação institucional da faculdade, atores não-humanos de representação humana O que precisa aprender para se comunicar em redeCompetências instrumentais para comunicação em rede
  37. 37. Necessidade de informação O calendário de atividades acadêmicas (90%), essencial ao funcionamento da rede, e informações sobre eventos na faculdade (70%) têm maior importância para os respondentes Informações de interesse da Rede FAC
  38. 38. Multivocalidade A busca de documentos, varredura de informações do portal existente e algumas questões abertas apresentadas aos atores institucionais. A segunda fase da pesquisa vai aprofundar a busca de das múltiplas vozes que compõem a Rede FAC: alunos, professores, servidores.
  39. 39. Conexões institucionaisDestaques: (04) Laboratórios, sobrecarregada e que mantém relações com praticamente toda a Rede FAC, e (05) de Extensão, que tem relacionamento com as linhas de pesquisa da Pós-Graduação (professores e alunos) e com alunos de Graduação. Poucas conexões: chefia do Departamento de Publicidade e Audiovisual (10), com relações dirigidas ao seu grupo, e o Cedoc (02) que não está pronto para atender o público. 01. Graduação Diurno 02. Cedoc 03. vice/linha imagem e som 04. Laboratórios 05 Extensão 06 linha políticas de comunicação 07 Coordenação da Pós 08 - Direção 09. Projetos Experimentais 10.Departamento de Publicidade e Audiovisual
  40. 40. Quem a rede demanda Servidores administrativos e professores da Graduação são os mais acionados. Há uma linha de servidores de todas as áreas na terceira camada de contatos.
  41. 41. observação A rede Rede da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília Tipo ator/rede identificados quatro grupos de atores individuais e coletivos, em uma rede descentralizada, com hierarquias e ao mesmo tempo muitas relações horizontais Metodologia Estudo de Usuários sim Multivocalidade sim Análise de Redes Sociais sim Resultados Dados Demográficos Resultado apenas dos atores individuais institucionais: grupo de respondentes dividido igualmente entre homens e mulheres, idades variando entre 37 e 63 anos (imigrantes digitais) Dados sobre competências instrumental poucas habilidades e competências instrumentais para produção de informação e de comunicação em rede em informação alto nível de competência para o enfrentamento da informação em comunicação alto nível de competência para se comunicar, mas prejudicado pelas dificuldades instrumentais Dados sobre necessidades de informação demonstram necessidade de informação relacionada com agendas administrativas e acadêmicas Dados multivocais nesta etapa uso de documentos, que mostram como a instituição se vê e também nas respostas abertas dos participantes, que se mostram dispostos a oferecer os conteúdos necessários ao funcionamento dos ambientes digitais para a rede Dados relacionais Rede capilarizada, com destaque de contatos para as coordenações de Laboratórios e de Extensão. Servidores são sub-rede importante no entorno das atividades dos coordenadores Para planejar Indicada necessidade de criação de uma Coordenação de Comunicação, Informação e Tecnologia, para organizar o planejamento. Apresentada primeira proposta de construção do portal da FAC, como âncora dos ambientes digitais que serão produzidos de forma modular. Cada coordenação deve ter estrutura própria (e não apenas um modelo reproduzido igualmente para todas as páginas) com o objetivo de atender os fluxos e necessidades indicados na pesquisa. Os novos ambientes e módulos serão complementados a partir da aplicação da pesquisa a todos os atores da rede
  42. 42. Conclusões • A rede – mesmo que territorial – pode aplicar o Modelo. Necessária a multidisciplinaridade • Universidades e bibliotecas podem dar apoio às redes via projetos acadêmicos ou prestação de serviços. • Em processo colaborativo de elaboração de ações de comunicação e de informação, é importante compartilhar o estágio de andamento dos trabalhos, resultados de pesquisas etc. • A curadoria da informação deve ser discutida pela rede. Há muitas modalidades de gestão da informação em rede. • Necessário manter espaços multivocais para planejar para a diversidade e não para a média, como no modelo da Comunicação de Massas. • Do ponto de vista operacional, os dados multivocais permitem manter atualização de páginas, mídias, repositórios, linguagens etc. • O planejamento para a rede pede controle, avaliação periódica, porque a rede muda, é nuvem. • Planejamento deve inserir a formação permanente, estruturas colaborativas e de compartilhamento e deve observar: • tipos de atores: institucionais, individuais (humanos e não-humanos) • tipos de rede: centralizada, descentralizada, distribuída; • buscar a multivocalidade, encontrar a diversidade
  43. 43. Conclusões • A mesma metodologia pode ser aplicada de maneiras diversas e estão diretamente relacionadas com o que se busca observar. São metodologias exploratórias, que mostram retratos, e devem ser tratadas como fotogramas. Para haver evolução (o movimento dos fotogramas) é necessário definir tipos, indicadores, temas etc. que possam ser medidos conforme o tempo avança. • Os dados de perfil e contexto dos respondentes ao questionário são consoantes com o que a literatura diz sobre os imigrantes digitais quanto às dificuldades para o uso instrumental das TIC. • É necessário diferenciar nativos e imigrantes, porque têm níveis diferentes de necessidades e capacidades para o uso das tecnologias, da informação e da comunicação. • As redes territoriais parecem, a princípio, ser do tipo distribuída, mas, ao se fazer o recorte (via Análise de Redes Sociais) ela passa a ser descentralizada, com divisões em sub-redes temáticas, por exemplo. ARS permite enxergar as redes descentralizadas, onde é possível planejar. • O uso da metodologia de Análise de Redes Sociais a partir da troca de mensagens dos atores permite observar movimentos da rede com pouco impacto da presença do pesquisador. Também é interessante porque as trocas de mensagens permitem avaliar as múltiplas vozes, agrupar conteúdos, encontrar atores que se destacam como indutores, ou como bloqueadores, de fluxo da informação. • Cabem novos estudos para definições mais precisas sobre os tipos de ator-rede. No caso institucional – especificamente na Rede FAC – foi possível delinear quatro tipos específicos, mas para as redes territoriais as definições não se aplicaram claramente. (não era intenção criar categorias de tipos de atores)
  44. 44. Obrigada

×